Civilização Azteca

Definição

Mark Cartwright
por , traduzido por Yan De Oliveira Carvalho
publicado em 26 Fevereiro 2014
X
translations icon
Disponível em outras línguas: Inglês, Holandês, Bósnio, Espanhol, Francês, Turco
Aztec Empire Map (by Simeon Netchev, CC BY-NC-SA)
Mapa do Império Azteca
Simeon Netchev (CC BY-NC-SA)

O Império Azteca (c. 1345-1521) cobria em sua extensão máxima a maior parte do norte da Mesoamérica. Os guerreiros Aztecas eram capazes de dominar os estados vizinhos e assim permitir governantes como Montezuma a impor os ideais e religião Aztecas através do México. Altamente talentosos na agricultura e no comércio, a última das grandes civilizações Mesoamericanas era também conhecida por sua arte e arquitetura.

A civilização Azteca, com sua capital em Tenochtitlán (Cidade do México), é na realidade a civilização Mesoamericana mais bem documentada com fontes incluindo arqueologia, livros nativos (códices), extenso e detalhados relatos de seus conquistadores portugueses - ambos de homens militares e do clero Cristão. Essas fontes mais tardias podem não ter sido sempre confiáveis, mas a imagem que temos dos Aztecas, suas instituições, práticas religiosas, táticas de guerra e a vida cotidiana é ricamente ilustrativa e contínua a expandir constantemente com mais detalhes sendo adicionados através do empenho dos arqueólogos e estudiosos do Século 21.

Remover publicidades

Advertisement

Visão Histórica

Ao redor de 1100 as cidades-estados ou altepetl no qual eram espalhadas pelo centro do México começaram a competir entre elas por recursos locais e domínio regional. Cada estado tinha seu próprio governante que liderava um conselho de nobres, mas estes pequenos centros urbanos rodeado por terras agrícolas logo procurou expandir sua riqueza e influência que ao redor do ano de 1400 vários pequenos impérios tinham se estabelecido no Vale do México. Dominante entre estes era o Texcoco, capital da região Acholhua, e Azcapotzalco, capital dos Tepenec. Ambos os Impérios tiveram um embate cara a cara em 1428, na guerra Tepanec. As forças Azcapotzalco foram derrotadas por uma aliança de Texcoco, Tenochtitlan (capital de Mexica) e várias outras cidades menores. Após a vitória, uma Triple Aliança foi formada entre Texcoco, Tenochtitlan e uma cidade rebelde Tepanec, Tlacopan. Uma campanha de expansão territorial começou onde os espólios de guerra-geralmente em forma de tributos dos conquistados- eram compartilhados entre estas grandes cidades. Ao passar do tempo Tenochtitlan veio a dominar a Aliança, seu governante se tornou o governante supremo - o huey tlatoque (‘Rei alto’) - e a cidade se estabeleceu propriamente como a capital do Império Azteca.

MESTRES DO MUNDO, SEU IMPÉRIO TÃO VASTO E ABUNDANTE QUE ELES TINHAM CONQUISTADOS TODAS AS NAÇÕES.
DIEGO DURÁN.

O império continuou a expandir a partir de 1430, e o exército Azteca - reforçado pelo alistamento militar obrigatório de todos os homens adultos, homens fornecidos por aliados e estados conquistados, como também membros da elite da sociedade Azteca como os guerreiros águia e jaguar - empurraram para o lado todos os seus rivais. Um guerreiro Azteca usava armaduras revestidas de algodão, carregava um escudo de madeira ou de cana coberto em pele de vaca, e manejavam armas super afiadas como a espada curta obsidiana (macuahuitl), uma flecha ou lançador de dardos (atlatl), e arco e flechas. Guerreiros de elite também usavam costumes de penas e pele animal espetaculares e um enfeite na cabeça para representar seu posto. As batalhas eram concentradas dentro ou ao redor das grandes cidades e quando elas caiam os vitoriosos reivindicavam todo o território em volta. Tributos regulares eram extraídos e prisioneiros eram levados de volta a Tenochtitlan para rituais de sacrifício. Desta maneira, o Império Azteca veio a cobrir a maioria do Norte do México, uma área com extensão de 135,000 quilômetros quadrados.

Remover publicidades

Advertisement

O Império foi mantido junto através de nomeações de oficiais do coração da cultura Azteca, endogamia, doação de presentes, convites para cerimônias importantes, a construção de grande monumentos e obras de artes que promovia a ideologia Imperial Azteca, e o mais importante de tudo, a sempre-presente ameaça de intervenção militar. Alguns estados eram mais integrados que outros enquanto aqueles nas extremidades do Império se transformaram em zonas intermediárias contra vizinhos mais hostis, notavelmente a civilização Tarascan.

Tenochtitlán

A capital Azteca de Tenochtitlán (hoje debaixo da Cidade do México) na costa oeste do Lago Texcoco floresceu para que a cidade pudesse ostentar ao menos 200,000 habitantes no início do século 16, tornando-a maior cidade na América Pré-Colombiana. Estes habitantes eram divididos em várias camadas sociais. No topo estavam os líderes locais (teteuhctin), depois vinham os nobres (pipitlin), plebeus (macehualtin), servos (mayeque), e finalmente escravos (tlacohtin). As camadas sociais pareciam ser relativamente fixa, mas existe alguma evidência de movimentos entre si, especialmente nas camadas sociais inferiores.

Remover publicidades

Advertisement

Temple Mayor, Tenochtitlan
Templo Maior, Tenochtitlán
Wolfgang Sauber (CC BY-SA)

Não somente a capital política e religiosa, Tenochtitlán foi também um grande centro de comércio com bens entrando e saindo como ouro, rocha-verde, turquesa, algodão, cacau, tabaco, cerâmica, armas, comidas (tortilhas, molhos temperados, milhos, feijão, e por exemplo até insetos) e escravos. Os invasores Espanhóis estavam enormemente impressionados pelo esplendor da cidade e sua impressionante arquitetura e obras de arte, principalmente a pirâmide do Templo Maior e as esculturas massivas de pedras. Em grande destaque na cidade estava a grande zona Sagrada com seus templos e a quadra de bola monumental. A gestão de água de Tenochtitlán era também impressionante com grandes canais cruzando a cidade o qual também estava rodeada por chinampas - campos levantados e encharcados - que em grande parte aumentava a capacidade agrícola dos Aztecas. Também havia diques contra enchentes, reservatórios artificiais para água doce, e magníficos jardins florais tracejados ao redor da cidade.

Toda a cidade foi desenhada para causar admiração nas pessoas, em especial nobres visitante que, entretidos com cerimônias luxuosas, podiam ver que os Aztecas Mexicas realmente eram:

Mestres dos mundos, seu império tão vasto e abundante que eles tinham conquistados todas as nações e que todos eram seus vassalos. Os convidados, vendo tanta riqueza e opulência e tal autoridade e poder, estavam cheio de terror. (Diego Durán, o frade Espanhol, citado em Nichols, 451)

Religião

Mitologia e religião, como na maioria das culturas antigas, estava estreitamente interligada para os Aztecas. A própria fundação de Tenochtitlán era baseado na crença que pessoas da terra mítica do Aztlán abundante (literalmente ‘Terra das garças brancas’ e origem do nome Azteca) no Noroeste tinham primeiramente assentado no Vale do México. O caminho tinha sido revelado para eles pôr o deus Huitzilopochtli que tinha enviado uma águia sentada em um cacto para indicar onde esses imigrantes deveriam construir suas novas casas. O deus também deu a estas pessoas seus nomes, os Mexica, que junto com outros grupos étnicos, que da mesma forma falavam Nahuatl, coletivamente compôs o povo agora conhecido como os Aztecas.

Remover publicidades

Advertisement

O panteão Azteca incluía uma mistura de Deuses Mesoamericanos e principalmente divindades Mexica. Os dois principais deuses adorados eram Huitzilopochtli (o deus da guerra e do sol) e Tlaloc (O deus da chuva) e ambos tinham um templo em cima do Templo Maior no coração de Tenochtitlán. Outros deuses importantes eram Quetzalcoatl (o deus serpente emplumado conhecido para muitas culturas Mesoamericanas), Tezcatlipoca (Deus supremo em Texcoco), Xipe Totec (deus da Primavera e agricultura) Xiuhtecuhtli (Deus do fogo), Xochipilli (Deus do verão e flores), Ometeotl (o deus criador), Mictlantecuhtli ( Deus da morte) e Coatlicue ( a deusa mãe da terra).

Quetzalcoatl
Quetzalcoatl
Marcelosan (CC BY-SA)

Este desnorteante conjunto de deuses as vezes presidia sobre todo aspecto da condição humana. O cronograma das cerimônias em honor a estas divindades era ditado por uma variedade de calendários. Tinha o calendário Azteca de 260 dias que estava dividido em 20 semanas, cada uma de 13 dias o qual carregava nomes como Crocodilo e Vento. Também tinha um calendário Solar composto por 18 meses, cada um de 20 dias. O período de 584 dias cobrindo a ascensão de Vênus também era importante e havia um ciclo de 52 anos do sol a ser considerado. O movimento dos planetas e estrelas eram cuidadosamente observados (apesar de não tão preciso como o que os Maias tinham feito) e eles forneciam a razão para o tempo preciso de muitos rituais religiosos e práticas agrícolas.

O sol, não é de surpreender, tinha uma grande significância para os Aztecas. Eles acreditavam que o mundo passava por uma série de eras cósmicas, cada uma tinha seu próprio sol, mas finalmente cada mundo era destruído e substituído por outro até que a quinta e última era alcançada- o dia presente para os Aztecas. Essa progressão cósmica estava maravilhosamente representada na famosa pedra Sol, mas também aparece em vários outros lugares também.

Remover publicidades

Advertisement

Os deuses eram prestigiados com festivais, banquetes, música, dança, decoração de estátuas, queima de incenso, o ritual fúnebre de bens especiais, penitências como arrendamento de sangue, e sacrifícios animais. Sacrifício humano, tanto de adultos e menos comum de crianças, era frequentemente realizado para metaforicamente ‘alimentar’ os deuses e mantê-los felizes assim evitando que eles se ficassem bravos e tornassem a vida difícil para os humanos enviando tempestades, secas etc. ou mesmo apenas para manter o sol aparecendo todo dia. Vítimas de sacrifício humano geralmente eram tomadas do lado perdedor da guerra. De fato, a tal-chamada ‘Guerras floridas’ foram especificamente realizadas para coletar vítimas para o sacrifício. As oferendas de maior prestígio eram aqueles guerreiros que tinham mostrado grande coragem na batalha. O sacrifício em si poderia ocorrer de três formas: O coração era removido, a vítima era decapitada, ou a vítima era forçada a lutar em uma luta desesperançosa de apenas um lado contra guerreiros de elite. Havia também imitadores que se vestiam em uma regalia de um deus específico e durante o clímax da cerimônia eram eles mesmo sacrificados.

Xochipilli
Xochipilli
Dennis Jarvis (CC BY-SA)

Arquitetura e Arte

Os Aztecas eram entre eles apreciadores de arte nobre e colecionavam peças de todo o seu império para que fosse trazido de volta a Tenochtitlán e frequentemente enterrado cerimonialmente. A arte Azteca não era nada a não ser eclético e variava de gravuras em miniatura de objetos preciosos até templos massivos de pedra. Esculturas monumentais era particularmente os favoritos e podia ser monstruosidades assustadoras como a estátua colossal Coatlicue ou ser de aparência bastante real como a famosa escultura de um Xochipilli sentado.

Organizado em associações e anexado ao palácio principal, artesãs podiam se especializar em metalurgia, escultura de madeira, com materiais utilizados como ametisto, cristal de pedra, ouro, prata, e penas exóticas. Provavelmente algumas das obras de artes mais notáveis eram aquelas que empregavam mosaicos de turquesa como a famosa máscara Xuihtecuhtli. Formas comuns de vasos de cerâmica incluía vasos antropomórfico em cores claras e em grande destaque estava a primorosamente e altamente precificada louça de Cholula de Cholollan.

A arte Azteca retratava todas as formas de sujeitos, mas especialmente popular eram os animais, plantas e deuses, particularmente aqueles relacionados a fertilidade e agricultura. A arte também poderia ser usada como propaganda para disseminar o domínio imperial de Tenochtitlán. Exemplos como a Pedra Sol, Pedra de Tizoc, e o Trono de Motecuhzoma II retratavam todos a ideologia Azteca e procuravam correlacionar em proximidade líderes políticos a eventos cósmicos e até propriamente os Deuses. Até a arquitetura poderia alcançar este alvo, por exemplo, a pirâmide do Templo Maior procurou replicar a montanha da cobra sagrada da mitologia Azteca, Coatepec, e templos como também estátuas associando símbolos Aztecas foram organizados através do Império.

Colapso

O império Azteca, que controlava algumas 11,000,000 pessoas, teve sempre que lidar com rebeliões menores - geralmente, quando os novos governantes tomavam o poder em Tenochtitlán - mas estes tinham sempre sido rapidamente esmagados. A maré começou a virar, embora, quando os Aztecas foram fortemente derrotados por os Tlaxcala e Huexotzingo em 1515. Com a chegada dos espanhóis, alguns desses estados rebeldes mais uma vez aproveitariam a oportunidade para conquistar sua independência. Quando os conquistadores finalmente chegaram do Velho Mundo navegando seus palácios flutuantes liderados por Hernán Cortés, as relações iniciais com o líder dos Aztecas, Motecuhozma II, eram amigáveis e presentes valiosos foram trocados. As coisas mudaram de rumo, embora, quando um pequeno grupo de soldados Espanhóis foram mortos em Tenochtitlán quando Cortés estava fora em Veracruz. Os guerreiros Aztecas, insatisfeitos com a passividade de Moctezuma derrubaram ele e nomearam Cuitlahuaca como o novo tlatoani. Esse incidente era justamente o que Cortés precisava e ele retornou à cidade para aliviar os Espanhóis remanescentes que estavam sendo sitiados, mas foi obrigado a retirar-se em junho de 1520 que ficou conhecido como a Noche Triste. Reunindo aliados locais Cortés retornou dez meses mais tarde e em 1521, ele sitiou a cidade. Com falta de comida e devastado por doenças, os Aztecas, agora liderados por Cuahutemoc, finalmente colapsaram no dia fatídico de 13 de agosto de 1521. Tenochtitlán foi saqueada e seus monumentos destruídos. Dos escombros levantou-se a nova capital da colônia da Nova Espanha e a longa linhagem de civilizações Mesoamericanas que tinha se esticado até os Olmecas venho a um fim dramático e brutal.

Remover publicidades

Publicidade

Perguntas & Respostas

Pelo que a civilização azteca é conhecida?

A civilização azteca é conhecida por ser a última das grandes culturas mesoamericanas antes da chegada dos europeus. Eles construíram impressionantes pirâmides de templos, usaram técnicas sofisticadas de agricultura, seus guerreiros águias construíram um grande império, e fizeram sacrifícios humanos a seus deuses.

Quais são os cinco fatos sobre os aztecas?

Cinco fatos sobre os aztecas são: Sua capital era Tenochtitlán, que tinha muitas pirâmides de templos, palácios e jardins. Eles sacrificavam os humanos aos seus deuses, muitas vezes apresentando o coração de uma pessoa como uma oferenda. O deus principal era Quetzalcoatl, a serpente emplumada que criou o mundo e trouxe chuva. Os astecas reuniram a arte de muitas outras culturas mesoamericanas. O império azteca entrou em colapso após a chegada dos conquistadores europeus liderados por Hernán Cortés em 1520.

Que fatores levaram à queda dos aztecas?

O império azteca caiu depois de 1520 quando os invasores europeus liderados por Hernán Cortés chegaram com armas superiores e novas doenças. Além disso, o império se baseava na força e assim alguns grupos indígenas ajudaram os espanhóis a derrotar os aztecas.

De que forma os maias, aztecas e incas eram semelhantes?

As culturas Maia, Azteca e Inca apresentavam muitas semelhanças. Todas consideravam o Sol muito importante. Em sua religião, eles adoravam muitos deuses diferentes e não um único. A guerra era importante e assim eles construíram impérios. Eles praticavam técnicas agrícolas sofisticadas, tinham classes bem definidas em suas sociedades e sacrificavam os humanos a seus deuses.

Onde estão os aztecas agora?

A cultura azteca desapareceu no século XVI após a conquista europeia do México, mas seus descendentes ainda viviam na região e a capital azteca Tenochtitlán acabou se tornando a atual Cidade do México.

Sobre o tradutor

Yan De Oliveira Carvalho
Yan de Oliveira Carvalho nasceu na cidade do Rio de Janeiro, Brasil. Ele possui um Bacharel em Administração de Empresas pela Universidade Estadual da Pensilvânia. Ele atualmente mora no Rio de Janeiro e trabalha como tradutor Profissional de Inglês, Espanhol e Francês para o Português.

Sobre o autor

Mark Cartwright
Mark é um historiador que vive na Itália. Seus interesses incluem cerâmica, arquitetura, mitologia e descobrir as ideias que todas as civilizações compartilham entre si. Ele tem um Mestrado em Filosofia Política e é o Diretor de Publicação da Enciclopédia da História Mundial.

Citar este trabalho

Estilo APA

Cartwright, M. (2014, Fevereiro 26). Civilização Azteca [Aztec Civilization]. (Y. D. O. Carvalho, Tradutora). World History Encyclopedia. Recuperado de https://www.worldhistory.org/trans/pt/1-12085/civilizacao-azteca/

Estilo Chicago

Cartwright, Mark. "Civilização Azteca." Traduzido por Yan De Oliveira Carvalho. World History Encyclopedia. Última modificação Fevereiro 26, 2014. https://www.worldhistory.org/trans/pt/1-12085/civilizacao-azteca/.

Estilo MLA

Cartwright, Mark. "Civilização Azteca." Traduzido por Yan De Oliveira Carvalho. World History Encyclopedia. World History Encyclopedia, 26 Fev 2014. Web. 05 Dez 2022.