Xipe Totec

Definição

Mark Cartwright
por , traduzido por Ricardo Albuquerque
publicado em 06 Agosto 2013
X
translations icon
Disponível noutras línguas: Inglês, francês, espanhol, Turco
Xipe Totec (by Papageno, Public Domain)
Xipe Totec
Papageno (Public Domain)

Xipe Totec ("O Esfolado" ou "Nosso Senhor Esfolado" em náuatle), era um dos principais deuses da antiga cultura mesoamericana e particularmente importante para os toltecas e astecas. Os povos da região o veneravam como um deus da primavera, o patrono das sementes e do plantio e dos trabalhadores com metal (especialmente os ourives) e pedras preciosas. É equivalente ao Tezcatlipoca Vermelho, patrono da Cuauhtli (águia), o 15° e desfavorável nome de dia e representado pela data 1 Ocelotl.

Origens

Xipe Totec talvez tenha se originado da cultura olmeca, a partir do antigo Deus VI. Outra origem possível é a civilização Yope, na região montanhosa de Guerrero. As primeiras representações do deus na arte, porém, datam do período Pós-Clássico (séculos XIX a XII d.C.) na cultura Mazapan, em Texcoco. Uma das principais divindades astecas, o deus também era venerado pelos tlaxcaltecas, zapotecas, mistecas, tarascanos e huastecas. O Pós-Clássico tardio maia também adotou Xipe Totec e há representações deste deus em Oxkintok, Chichén Itzá e Mayapan.

Remover publicidades
Advertisement
Xipe Totec estava estreitamente associado com a morte e considerado como causador de doenças.

Na mitologia mesoamericana, Xipe Totec era o filho do deus primordial e andrógino Ometeotl e, especificamente na mitologia asteca, irmão de outros três importantes deuses: Tezcatlipoca, Huizilopochtli e Quetzalcoatl. Em algumas ocasiões creditado como um deus da criação, com seus irmãos, Xipe Totec também estava estreitamente associado com a morte, o que o levou a ser considerado como causador de doenças entre a humanidade. Porém, também recebia muitas oferendas de adoradores que oravam pela cura de doenças, especialmente indisposições nos olhos.

O Tlacaxipehualiztli

A cada primavera, no terceiro mês do ano solar, acontecia o festival de Tlacaxipehualiztli (também chamado Coailhuitl ou Festival da Serpente), em homenagem a Xipe Totec, que incluía sacrifícios humanos para aplacar o deus e garantir uma boa colheita naquele ano. As vítimas sacrificiais, geralmente prisioneiros de guerra, eram então esfoladas numa imitação simbólica da regeneração das plantas e sementes, que soltavam suas cascas e, desta forma, forneciam novas sementes.

Remover publicidades
Advertisement

O festival era precedido por uma prática ainda mais estranha, que consistia num homem personificando Xipe Totec por 40 dias antes do grande dia, esplendidamente enfeitado com penas vermelho-vivo de colhereiro e cintilantes joias douradas. Então, no dia do festival, ao amanhecer, ele era sacrificado - ato geralmente considerado, na verdade, como uma honra na religião mesoamericana - e esfolado junto com os que haviam personificado outros oito deuses, incluindo Quetzalcoatl. As peles de todas estas vítimas eram tingidas de amarelo e chamadas teocuitlaquemitl, ou mantos amarelos, e vestidas ou por sacerdotes, que apresentavam danças rituais na cerimônia conhecida como Tozoztontl, realizada no mês seguinte, ou por rapazes por 20 dias, que circulavam mendigando até que as peles apodreciam e os restos terminavam sendo enterrados no templo do deus. O significado destas personificações e sacrifícios relacionava-se novamente com a regeneração agrícola.

O Tlahuahuanaliztli

Um dos destaques do festival Tlacaxipehualiztli eram as disputas de gladiadores conhecidas como Tlahuahuanaliztli. Elas envolviam os prisioneiros mais corajosos, que eram amarrados numa plataforma circular de pedra (temalacatl) e forçados a lutar com guerreiros ou cavaleiros de elite Águia ou Jaguar. Porém, não havia chance de sobrevivência, pois os cavaleiros estavam armados com os mortais macuauhuitl, uma espada de madeira com gumes de obsidiana, enquanto o cativo dispunha somente de uma espada enfeitada com penas. Portanto, além de fazer cócegas nos oponentes, só podia haver um resultado naquela disputa, que servia apenas como uma forma mais elaborada de sacrifício do que as impostas às outras vítimas durante o festival.

Remover publicidades
Advertisement

Representações na Arte

Na Arte, Xipe Totec era um tema popular tanto em estátuas quanto máscaras. Com frequência suas representações são grotescas, com uma face inchada (algumas vezes riscada), olhos afundados e lábios duplos. Ele pode projetar uma figura macabra, que usa a pele de uma de suas vítimas sacrificiais, elaboradamente amarrada com uma corda nas costas, mostrando a incisão onde o coração foi removido e até com as mãos esfoladas penduradas nos pulsos do deus.

Remover publicidades
Publicidade

Sobre o tradutor

Ricardo Albuquerque
Ricardo é um jornalista brasileiro que vive no Rio de Janeiro. Seus principais interesses são a República Romana e os povos da Mesoamérica, entre outros temas.

Sobre o autor

Mark Cartwright
Mark é autor, pesquisador, historiador e editor em tempo integral. Seus principais interesses incluem arte, arquitetura e descobrir as ideias que todas as civilizações compartilham. Ele possui mestrado em Filosofia Política e é diretor editorial da WHE.

Citar este trabalho

Estilo APA

Cartwright, M. (2013, Agosto 06). Xipe Totec [Xipe Totec]. (R. Albuquerque, Tradutor). World History Encyclopedia. Obtido de https://www.worldhistory.org/trans/pt/1-12088/xipe-totec/

Estilo Chicago

Cartwright, Mark. "Xipe Totec." Traduzido por Ricardo Albuquerque. World History Encyclopedia. Última modificação Agosto 06, 2013. https://www.worldhistory.org/trans/pt/1-12088/xipe-totec/.

Estilo MLA

Cartwright, Mark. "Xipe Totec." Traduzido por Ricardo Albuquerque. World History Encyclopedia. World History Encyclopedia, 06 Ago 2013. Web. 22 Abr 2024.