Huitzilopochtli

Custos do servidor Angariação de fundos 2024

Ajude a nossa missão de fornecer educação histórica gratuita ao mundo! Faça um donativo e contribua para cobrir os custos do nosso servidor em 2024. Com o seu apoio, milhões de pessoas aprendem história de forma totalmente gratuita todos os meses.
$3810 / $18000

Definição

Mark Cartwright
por , traduzido por Ricardo Albuquerque
publicado em 27 Agosto 2013
Disponível noutras línguas: Inglês, francês, espanhol
X
Huitzilopochtli (by Gigette, Public Domain)
Huitzilopochtli
Gigette (Public Domain)

Huitzilopochtli (Beija-flor do Sul ou Beija-Flor Azul da Esquerda) era uma das mais importantes divindades do panteão asteca e, para os Mexicas, representava o deus supremo. Deus do Sol e da guerra e considerado o patrono da capital asteca, Tenochtitlán, estava associado também com ouro, guerreiros e governantes. Seu nome no calendário era Ce Técpatl (1 Faca de Sílex) e a águia o seu nagual, ou espírito animal.

Ao contrário de muitas outras divindades astecas, Huitzilopochtli não possui equivalentes de culturas mesoamericanas anteriores. Na mitologia, era filho de Omecihuatl e Ometecuhtli, respectivamente, os aspectos feminino e masculino do deus primordial e andrógino Ometeotl. Na versão alternativa, o deus seria a prole de Coatlicue, a suprema deusa da Terra. Huitzilopochtli também era considerado irmão dos grandes deuses mesoamericanos Quetzalcóatl, Tezcatlipoca e Xipe Totec.

Remover publicidades
Publicidade

Huitzilopochtli como o Sol

Huitzilopochtli tornou-se renomado por ter vingado o assassinato de sua mãe Coatlicue (em algumas versões, a teria salvo da morte) quando derrotou seus irmãos, os 400 Centzon Huitznahuac e Centzon Mimizcoa, no Monte Coatepec, a montanha da serpente. De acordo com a lenda, Coatlicue, enquanto varrendo seu templo, colocou algumas plumas sob o seio e, com isso, ficou grávida de Huitzilopochtli. Suas crianças ficaram indignadas com o acontecimento e atacaram Coatlicue mas, quando decapitaram sua mãe, Huitzilopochtli saltou do cadáver com todas as suas armas em mãos e cortou fora a cabeça de sua irmã Coyolxauhqui. Em algumas versões do mito, ela teria sido a líder da revolta; em outros, tentou alertar Coatlicue da trama. Em qualquer das versões, Huitzilopochtli desmembrou seu cadáver, de forma que seu torso caiu ao pé da montanha. Quando ele atirou a cabeça aos céus, ela tornou-se a Lua. Huitzilopochtli então lidou com seus indisciplinados irmãos, os Centzon Huitznahuac e os Centzon Mimizcoa, colocando um fim em sua tentativa de tomar o poder ao dispersá-los no céu, onde se tornaram as constelações meridionais e setentrionais, respectivamente.

Para os astecas, a rixa entre Coyolxauhqui e Huitzilopochtli aconteceria todos os dias, o que explicaria a disputa diária pelo controle do céu entre o Sol e a Lua. Acreditava-se que Huitzilopochtli seria acompanhado, na primeira metade de sua jornada através do céu, pelos espíritos dos guerreiros caídos (e que mais tarde retornariam à Terra como beija-flores). A partir do meio-dia, o deus seria acompanhado pelos Cihuateteo, os espíritos das mulheres falecidas durante o parto. Quando a noite caía, Huitzilopochtli atravessava o mundo subterrâneo até a alvorada e, então, retomava sua viagem através dos céus.

Remover publicidades
Publicidade

O Culto a Huitzilopochtli

Com exceção de Tenochtitlán, onde reinava supremo, Huitzilopochtli tinha apenas Tezcatlipoca como rival no panteão asteca. Na capital situava-se o ponto focal do culto ao deus. Havia uma estátua de madeira e um santuário no topo da pirâmide do Tempo Maior, ou Hueteocalli, junto aos de Tlaloc. O templo de Huitzilopochtli, no lado sul, marcava o solstício de inverno e a estação seca - período tradicional para os combates -, e os degraus levando ao santuário eram pintados de vermelho vivo, simbolizando sangue e guerra.

Ofertas de sacrifícios humanos alimentavam o grande deus da guerra.

Como uma divindade das mais importantes, ele se beneficiava de sacrifícios cujo sangue iria alimentar e fortalecer o deus. As vítimas geralmente provinham dos prisioneiros de guerra. Conduzidos até o topo do Templo Maior, seus corações eram removidos, eram esfolados e os cadáveres decapitados e desmembrados, talvez em homenagem a Coyolxauhqui, que teria tido um destino similar nas mãos de Huitzilopochtli. O torso da vítima era jogado nos degraus até alcançar a base onde, significativamente, serpentes entalhadas na rocha lembravam o Monte Coatepec e foi encontrada uma enorme pedra redonda, retratando a desmembrada Coyolxauhqui. Enquanto isso, sacerdotes e nobres comiam partes da carne sacrificada, com especial destaque para o coração. Numa homenagem mais pitoresca, flores e ovos de codornizes eram oferecidas ao deus, suas imagens eram guarnecidas com guirlandas e mulheres dançavam a tradicional dança da serpente.

Remover publicidades
Publicidade

Huitzolopochtli era adorado na cerimônia de Panquetzaliztli, no mês do mesmo nome, quando o nascimento do deus no Monte Coatepec era comemorado. O mesmo ocorria no mês de Toxcatl, quando uma efígie ou tzoalli feita com massa da planta de amaranto e vestida como a divindade era levada ao templo numa grande procissão e então consumida.

Temple Mayor, Tenochtitlan
Templo Maior de Tenochtitlán
Wolfgang Sauber (CC BY-SA)

Os mexicas, especialmente, reverenciavam Huitzilopochtli por acreditar que ele os tinha conduzido da lendária caverna de Aztlán, no deserto a noroeste, na longa jornada que finalmente os levou à sua nova capital, Tenochtlitlán. Durante esta migração, sacerdotes teriam carregado uma enorme estátua do deus, que sussurrava as direções que deviam seguir, deu aos mexicas seu nome e prometeu grande riqueza e prosperidade caso fosse adequadamente venerado. Ao longo deste caminho, os mexicas se instalaram em diferentes lugares, nenhum dos quais atendia a seus propósitos. Um evento decisivo na migração foi a rebelião incitada por Copil, filho da irmã de Huitzilopochtli, Malinalxochitl. Era uma vingança pelo abandono da deusa pelos mexicas mas, como a ajuda de Huitzilopochtli, Copil foi morta. O grande deus da guerra ordenou que o coração da rebelde deveria ser lançado o mais longe possível no Lago Texcoco e, onde ele aterrizasse, seria o local onde os mexicas deveriam construir seu novo lar. O ponto preciso seria marcado por uma águia sentada numa figueira-da-barbária, um tipo de cacto. Foi exatamente o aconteceu e a nova capital de Tenochtitlán foi construída.

Representações na Arte

Há poucas representações sobreviventes de Huitzilopochtli, provavelmente porque o deus, relativamente novo no panteão asteca, era em geral esculpido em madeira, ao invés de pedra, motivo pelo qual não existem monumentos de maior porte que o retratem. Nos exemplos disponíveis, Huitzilopochtli pode ser mostrado carregando um lançador de dardos em forma de serpente (atl-atl), que representa a serpente de fogo, Xiuhcóatl. Pode também carregar um escudo, segurar flechas emplumadas ou dardos e ser pintado com braços e pernas azuis. A divindade é simbolizada tanto por um beija-flor (huitzilin) - cujas plumas ele ostenta em seu capacete - ou por uma águia sentada num cacto com uma serpente numa de suas garras, imagem que pode ser vista atualmente na bandeira nacional do México.

Remover publicidades
Publicidade

Remover publicidades
Publicidade

Sobre o tradutor

Ricardo Albuquerque
Ricardo é um jornalista brasileiro que vive no Rio de Janeiro. Seus principais interesses são a República Romana e os povos da Mesoamérica, entre outros temas.

Sobre o autor

Mark Cartwright
Mark é autor em tempo integral, pesquisador, historiador e editor. Seus principais interesses incluem arte, arquitetura e descobrir as ideias que todas as civilizações compartilham. Ele possui mestrado em Filosofia Política e é diretor editorial da WHE.

Citar este trabalho

Estilo APA

Cartwright, M. (2013, Agosto 27). Huitzilopochtli [Huitzilopochtli]. (R. Albuquerque, Tradutor). World History Encyclopedia. Obtido de https://www.worldhistory.org/trans/pt/1-12110/huitzilopochtli/

Estilo Chicago

Cartwright, Mark. "Huitzilopochtli." Traduzido por Ricardo Albuquerque. World History Encyclopedia. Última modificação Agosto 27, 2013. https://www.worldhistory.org/trans/pt/1-12110/huitzilopochtli/.

Estilo MLA

Cartwright, Mark. "Huitzilopochtli." Traduzido por Ricardo Albuquerque. World History Encyclopedia. World History Encyclopedia, 27 Ago 2013. Web. 24 Jul 2024.