Coyolxauhqui

Definição

Mark Cartwright
por , traduzido por Ricardo Albuquerque
publicado em 11 Fevereiro 2016
Disponível noutras línguas: Inglês, francês, espanhol
X
Coyolxauhqui Head (by Alberto Martinez Subtil, CC BY-NC-ND)
Cabeça de Coyolxauhqui
Alberto Martinez Subtil (CC BY-NC-ND)

Coyolxauhqui era a deusa da Lua ou da Via Láctea, renomada por ter sido assassinada pelo seu irmão Huitzilopochtli, o deus da guerra, na mitologia asteca. Esta história era comemorada numa enorme pedra esculpida em relevo encontrada aos pés da pirâmide dos sacrifícios, o Templo Maior, na capital asteca de Tenochtitlán.

Coyolxauhqui x Huitzilopochtli

Coyolxauhqui, cujo nome significa "Pintada com Sinos", aparecia como irmã ou mãe de Huitzilopochtli, o deus asteca da guerra e patrono de Tenochtitlán Na primeira versão deste duelo mítico, Coyolxauhqui irritou seu filho Huitzilopochtli ao insistir em permanecer na montanha sagrada legendária Coatepec ("Montanha da Serpente", também chamada Coatepetl) e não acompanhar seu plano de reassentamento em um novo sítio – a futura Tenochtitlán. O deus da guerra conseguiu seu objetivo decapitando e comendo o coração de Coyolxauhqui, após o que liderou os astecas para seu novo lar.

Remover publicidades
Advertisement

Na segunda versão desta rixa familiar, a rebelada Coyolxauhqui liderou seus 400 irmãos, conhecidos como os Centzon Huitznaua (os Quatrocentos Huitznaua, que representam as estrelas no céu meridional) numa tentativa de assassinato contra sua mãe, a deusa Coatlicue. O pretexto para este ataque foram as notícias de que Coatlicue tinha engravidado em circunstâncias algo bizarras e desonrosas. Um dia, enquanto realizava suas tarefas de limpeza no santuário do topo da montanha sagrada Coatepec, uma bola de penas subitamente desceu dos céus e, quando Coatlicue a enfiou no cinto, ficou miraculosamente grávida. A criança resultante foi nada menos do que o poderoso deus da guerra, Huitzilopochtli.

Huitzilopochtli desmembrou Coyolxauhqui em várias partes e as atirou pela Montanha da Serpente abaixo.

O plano de Coyolxauhqui falhou, no entanto, quando um dos Huitznaua perdeu a coragem e decidiu alertar o ainda não nascido Huitzilopochtli. O deus saltou do ventre da mãe em sua defesa, completamente crescido e armado como um guerreiro invencível. Em outra versão, o deus salta do pescoço da mãe, que havia sido decapitada por Coyolxauhqui. Seja como for, com sua arma formidável, o xiuhcoatl (Serpente de Fogo), na verdade um raio de sol, o deus-guerreiro rapidamente massacrou seus parentes rebeldes e, desmembrando Coyolxauhqui em várias partes, atirou-as pela montanha abaixo. A cabeça da deusa foi atirada ao céu e se tornou a lua.

Remover publicidades
Advertisement

Esta terrível mito parental pode simbolizar a vitória diária do Sol (uma das associações de Huitzilpochtli) sobre a Lua e as estrelas. Isso ocorre mesmo que a associação com a lua não tenha nenhuma evidência arqueológica para apoiá-la. Alguns estudiosos argumentam que Coyolxauhqui era, em vez disso, associada com a Via Láctea.

A Grande Pedra de Coyolxauhqui

O mito da destruição de Coyolxauhqui nas mãos de Huitzilopochtli foi comemorado num grande disco de pedra, conhecido como a Grande Pedra de Coyolxauhqui, escavada na base do Templo Maior de Tecnochtitlán. Ela retrata em alto-relevo o cadáver desmembrado e decapitado da deusa e data de c. 1473, durante o reinado de Axayacatl. A deusa veste somente um cinturão de guerreiro com caveiras, um adorno de cabeça com penas de águia e um sino na face. A pirâmide do Templo Maior era na verdade um santuário duplo para os deuses da chuva, Tlaloc, e da guerra, Huitzilopochtli. Uma escadaria dupla levava até o topo do templo e o disco situava-se, significativamente, na base dos degraus que conduziam ao santuário de Huitzilpochtli. Era no topo deste templo que humanos eram sacrificados e seus corpos desmembrados atirados degraus abaixo para aterrizar na base, exatamente como no mito da Montanha da Serpente.

Remover publicidades
Advertisement

Coyolxauhqui
Coyolxauhqui
Dennis Jarvis (CC BY-SA)

Além de relembrar a importância de Huitzilpochtli, a pedra também era um evidente aviso aos inimigos dos astecas, que se viam como o próprio deus vitorioso. Os guerreiros derrotados que subiam os degraus do Templo Maior para o sacrifício final seriam em breve os equivalentes da derrotada Coyolxauhqui.

A pedra de 3,4 metros de diâmetro foi redescoberta em 1978, quando trabalhadores trabalhavam no porão de uma livraria no centro da Cidade do México. Ao condensar uma cena tridimensional numa superfície em duas dimensões, os astecas criaram uma obras-prima, que atualmente pode ser vista no Museu do Templo Maior, na mesma cidade.

Outras Representações Artísticas

Outra representação notável de Coyolxauhqui é uma placa fragmentada de diorito, mais antiga e que se encontrava debaixo do disco de pedra já descrito, junto com uma escultura em estuque da deusa. Esta pedra inicial mostra a arma xiuhcoatl de Huitzilopochtli penetrando o tórax da deusa e provavelmente data do reino de Motecuhzoma I (1440-1469).

Remover publicidades
Advertisement

Também é bastante conhecida a representação de Coyolxauhqui numa grande cabeça de diorito cortada, descoberta em Tenochtitlán e provavelmente esculpida durante o reinado de Ahuitzotl (1486-1502). A deusa, novamente, tem os sinos dourados coyolli de cada lado da face. Esta cabeça pode ser encontrada atualmente no Museu de Antropologia da Cidade do México.

Remover publicidades
Publicidade

Sobre o tradutor

Ricardo Albuquerque
Ricardo é um jornalista brasileiro que vive no Rio de Janeiro. Seus principais interesses são a República Romana e os povos da Mesoamérica, entre outros temas.

Sobre o autor

Mark Cartwright
Mark é autor, pesquisador, historiador e editor em tempo integral. Seus principais interesses incluem arte, arquitetura e descobrir as ideias que todas as civilizações compartilham. Ele possui mestrado em Filosofia Política e é diretor editorial da WHE.

Citar este trabalho

Estilo APA

Cartwright, M. (2016, Fevereiro 11). Coyolxauhqui [Coyolxauhqui]. (R. Albuquerque, Tradutor). World History Encyclopedia. Obtido de https://www.worldhistory.org/trans/pt/1-14393/coyolxauhqui/

Estilo Chicago

Cartwright, Mark. "Coyolxauhqui." Traduzido por Ricardo Albuquerque. World History Encyclopedia. Última modificação Fevereiro 11, 2016. https://www.worldhistory.org/trans/pt/1-14393/coyolxauhqui/.

Estilo MLA

Cartwright, Mark. "Coyolxauhqui." Traduzido por Ricardo Albuquerque. World History Encyclopedia. World History Encyclopedia, 11 Fev 2016. Web. 20 Mai 2024.