A Sociedade Asteca

Artigo

Mark Cartwright
por , traduzido por Yan De Oliveira Carvalho
publicado em 23 Novembro 2015
X
translations icon
Disponível em outras línguas: Inglês, Bósnio, Francês, Espanhol

A sociedade asteca era hierárquica e dividida em classes claramente definidas. A nobreza dominava as posições-chave nas forças armadas, administração estatal, judiciário e sacerdócio. Embora os comerciantes pudessem se tornar extremamente ricos e poderosos, até mesmo sua prosperidade era baseada em sua classe, e a maioria dos cidadãos permaneciam simples agricultores.

Dentro da sociedade asteca, havia uma oportunidade limitada para os indivíduos melhorarem a sua posição social, especialmente nas esferas militar e religiosa. Também é verdade que o nepotismo prevaleceu, mas, ao mesmo tempo, promoções poderiam ser obtidas por mérito, bem como rebaixamentos por incompetência. Na prática, porém, a grande maioria da população asteca teria permanecido no grupo social de sua família imediata ao longo de suas vidas.

Remover publicidades

Advertisement

Aztec Musicians
Músicos astecas
Madman2001 (Public Domain)

Os Calpolli

O grupo social mais importante na sociedade asteca foi o calpolli, que era uma coleção de famílias conectadas ou por sangue ou por associação extendida. Os anciãos, liderados pelo calpolec (um chefe eleito para a vida), controlavam as terras dos calpolli, distribuindo-as para os membros cultivarem como se fossem seus, com a condição de que pagassem um tributo regular em troca. Outra condição destes agricultores comuns ou macehualtin (também macehuales) era que eles não deixassem suas terras descuidadas por mais de dois anos. Se um fazendeiro morresse sem filhos, sua terra seria devolvida aos anciãos para redistribuição. Os calpolli também tinham seu próprio templo, e assim o grupo realizava rituais religiosos e festivais juntos. A capital asteca Tenochtitlán tinha 80 calpoltin, mas o sistema existia em todo o império.

Os Agricultores

OS AGRICULTORES, OU MACEHUALTIN, ERAM DE LONGE A MAIOR PARTE DA SOCIEDADE ASTECA.

Os agricultores, ou macehualtin, eram de longe a maior parte da sociedade asteca e foram divididos em dois grupos adicionais. Primeiro, e de um status mais baixo, eram os trabalhadores de campo que faziam o trabalho elementar de capinar, plantar, irrigar etc. O grupo superior tinha um papel mais de supervisão e consistia em horticultores especializados que eram responsáveis pela semeadura e transplante. Eles também entendiam de questões como a rotação de culturas e os melhores tempos para o plantio. Os agricultores astecas podiam ainda ser divididos entre aqueles que trabalhavam a sua própria terra e aqueles que trabalhavam a terra de grandes propriedades e pagavam a sua renda com o que quer que cultivassem. Esses servos eram a classe mais baixa da sociedade asteca, conhecida como mayeque; eles não possuíam terras e pagavam até 30% de seus produtos aos seus senhores. Além da agricultura, os macehualtin também eram esperados para realizar o serviço militar em tempos de guerra e ajudar em projetos estatais, como construção de estradas e templos.

Remover publicidades

Advertisement

Aztec Agriculture
Agricultura Asteca
Peter Isotalo (Public Domain)

Escravos

A sociedade asteca também continha escravos ou tlacohtin ("comprados") que eram povos conquistados e culpados de crimes graves, como roubo, ou indivíduos que se endividaram muito (na maioria das vezes por meio de jogos de azar) que foram forçados a se vender como mercadoria por um certo período ou mesmo para a vida toda. Se eles tivessem os meios, os escravos também poderiam se comprar livres novamente. Os escravos poderiam ser obrigados não apenas a plantar, mas também a trabalhar como trabalhadores normais, empregados domésticos ou concubinas. Os escravos geralmente não eram revendidos e eram protegidos por lei de qualquer abuso de seus senhores ou de qualquer outra pessoa. Escravos talentosos podiam ganhar cargos importantes, como gerentes de propriedade e eram livres para se casar com não-escravos, com quaisquer filhos de tal casamento nascidos livres, pois o status de escravidão não era herdado.

Artesãos e comerciantes

A classe artesã era conhecida como tolteca em nome da antiga civilização tolteca, que os astecas reverenciavam, e assim os artesãos eram mantidos em alta consideração na sociedade. Eles frequentemente trabalhavam em oficinas especializadas em larga escala, e incluíam carpinteiros, ceramistas, pedreiros, metalúrgicos, tecelões, trabalhadores de penas e escribas. Outras profissões importantes eram os comerciantes, negociantes e caçadores profissionais. Os comerciantes mais prestigiados eram aqueles que conduziam seus negócios em extensos territórios e eram conhecidos como pochteca, uma posição hereditária. Eles frequentemente negociavam pelo estado e se especializavam em bens preciosos como penas de pássaros tropicais, ouro, turquesa, conchas, pedra verde, grãos de cacau e peles exóticas de animais. Os pochteca eram supervisionados pelo pochtecatlatoque, os comerciantes mais experientes, que administravam o comércio e a justiça entre a classe comercial em tribunais especiais. Um grupo especializado de comerciantes era os tlaltlani, que negociavam em escravos. Como eles tinham o importante papel de fornecer ao estado vítimas de sacrifício, eles recebiam privilégios especiais e ganhavam grande riqueza.

Remover publicidades

Advertisement

Dois outros grupos de comerciantes eram os tencunenenque, que atuavam como coletores de tributos, e os naualoztomeca, que se disfarçavam e negociavam em território hostil, agindo como espiões para o estado enquanto escutavam fofocas soltas nos mercados estrangeiros. Os comerciantes também estavam envolvidos na religião do estado, especialmente no festival de tonalpohualli dedicado a Huitzilopochtli, o deus da guerra, onde financiavam banquetes comemorativos e forneciam escravos para sacrifício.

Aztec Empire
Mapa do Império Asteca
wikipedia user: El Comandante (CC BY-SA)

A Nobreza

A nobreza ou pipiltin (sing. pilli) eram facilmente identificados por sua aparência, pois usavam exclusivamente roupas de penas de grande valor. Proprietários de terras privadas eram ricos graças ao tributo de seus inquilinos e servos. Administradores estaduais eram selecionados da classe pipiltin, embora os plebeus pudessem entrar nessa classe hereditária realizando atos de grande valor no campo de batalha. Estes ascendentes sociais eram conhecidos como cuauhpipiltinou 'nobres da águia'.

Um nível acima do pipiltin era o teteuhctin, que ocupava os cargos mais altos no aparato estadual, como prefeitura e governadores regionais. Vivendo em grandes palácios, eles ainda usavam roupas e joias mais esplêndidas, e tinham o prestigioso sufixo -tzin adicionado aos seus nomes. O rei asteca, o tlatoani, era um membro desta classe.

Remover publicidades

Advertisement

Sacerdotes

A classe sacerdotal não só orquestrou a religião do Estado e seus muitos festivais e rituais, mas também dirigiu o sistema de educação do Estado e, em um grau significativo, controlou a produção artística asteca em todas as suas formas. Um homem ou mulher de qualquer classe social poderia se tornar um padre ou tlamacazqui, mas os mais poderosos sempre vieram daclasse pipiltin. No topo da hierarquia religiosa estava o próprio rei auxiliado por dois sumos sacerdotes: Quetzalcoatl totectlamacazqui, encarregado do culto Huitzilopochtli, e Quetzalcoatl tlaloc tlamacazqui, chefe do culto ao deus da chuva Tlaloc. Outras posições sacerdotais notáveis incluíam o supervisor das escolas estatais de elite, o Mexicatl Teohuatzin; os supervisores gerais do sacerdócio, festivais e locais de templos, o Huitznahua Teohuatzin e TecpanTeohuatzin; e, finalmente, o nível mais baixo de sacerdote eramos quacuilli, que estavam encarregados de um pequeno distrito ou paróquia.

Huitzilopochtli
Huitzilopochtli
Gigette (Public Domain)

Alguns sacerdotes também se tornaram especialistas em outras áreas, mas intimamente interligadas como astronomia e escrita. Ainda outros desenvolveram um talento para a medicina, profecia e a interpretação de visões e sonhos. Este último adquiriu o título tonalpouhque, e eles davam conselhos sobre quais dias eram auspiciosos para todos os tipos de eventos, desde casamentos a longas viagens. Sacerdotes também podiam ser guerreiros, e duas importantes funções sacerdotais na guerra asteca eram levar em efígies de batalha os principais deuses astecas e coletar vítimas sacrificiais entre os guerreiros mais corajosos do inimigo derrotado. Por último, um grupo separado, mas semelhante eram os feiticeiros e mágicos que realizavam cerimônias estranhas, reivindicavam dons transformacionais e lançavam feitiços sobre os ímpios.

Educação

Como nas sociedades modernas, a educação asteca poderia determinar sua futura posição social. Filhos de plebeus iam à escola, o que era obrigatório, mas apenas a partir do início da adolescência. Antes disso, as crianças eram educadas pelos pais. Que a prioridade da maioria dos homens era se tornar um guerreiro de valor para o estado é evidenciado na prática de todos os meninos de 10 anos que recebiam um corte de cabelo especial com uma mecha deixada por muito tempo na nuca (um piochtli). Somente quando eles capturavam seu primeiro prisioneiro é que eles poderiam cortar essa mecha.

Remover publicidades

Advertisement

O telpochcalli ou "casa da juventude" para meninos proprorcionava treinamento militar enquanto o das meninas ensinava deveres a ser executado em cerimônias religiosas. Ambos os sexos também aprenderiam dança, canto, falar em público e habilidades de recitais e de história, além de ter lições fundamentais em morais e religiosidade.

A escola calmecac era reservada para crianças da nobreza que aprendiam habilidades essenciais para uma carreira pública nas forças armadas, na política ou na religião estatal. Novamente, os sexos foram separados, e há algumas evidências de que crianças excepcionalmente superdotadas das classes mais baixas também poderiam participar de um calmecac. Os assuntos aprendidos incluíam retórica, música, poesia, direito, astronomia, matemática, história, arquitetura, agricultura e guerra. Para aqueles selecionados a entrar no sacerdócio, sua educação continuava em uma instituição especial chamada tlamacazcalli. Aqui, os alunos recebiam uma educação severa e uma vida de austeridade que incluía longos períodos de meditação, jejum e sacrifícios com seu próprio sangue perfurados em lugares sensíveis como por exemplo espinhos de cacto.

UM CASAL SE CASARIA EM UMA CERIMÔNIA DE QUATRO DIAS QUANDO A NOIVA FOSSE COBERTA DE PÓ CINTILANTE DE "OURO DE TOLO".

Casamento

A educação de um jovem terminava quando eles estavam prontos para se casar. Isso era arranjado por anciãos, embora sua seleção provavelmente tenha sido influenciada pelo próprio casal jovem, que pode ter estabelecido um relacionamento anteriormente nos muitos festivais públicos disponíveis. Geralmente, os parceiros viriam do mesmo calpolli. Na época do final da adolescência ou início dos vinte anos, o casal se casaria em uma cerimônia de quatro dias, quando a noiva seria adornada com penas vermelhas e coberta com pó cintilante de pirita de 'Ouro de Tolo '. Muita festa e diversos discursos complementariam a celebração.

Embora se esperasse que as mulheres cuidassem da casa, cozinhassem, cuidassem das crianças e praticassem tecelagem e cestaria, as mulheres astecas também mantinham o controle de seus bens pessoais, herdavam riqueza e poderiam participar da vida pública nas áreas de medicina, educação, religião e até comércio. Também incomum nas sociedades antigas, os homens astecas eram encarregados pela responsabilidade no crescimento de seus filhos masculinos. No entanto, o arranjo matrimonial favorecia o homem, já que o casal vivia com sua família, e ele também era autorizado a ter várias outras esposas e receber inúmeras concubinas.

Conclusão

Para os astecas, com talvez a exceção da classe dos comerciantes, a riqueza não era procurada pela simples ganância, mas era como benefício da posição de alguém. A posição e a reputação eram, de longe, as considerações mais importantes para aqueles que desejavam subir na sociedade e, acima de tudo, a propriedade da terra continuava a ser o maior indicador do status de uma pessoa. A sociedade asteca era claramente estratificada e tinha muitos níveis, mas os laços comuns de guerra perpétua e uma religião sempre presente garantiram a criação de um aparelho social sofisticado e funcional, que era tanto coeso como também inclusivo. Se esta sociedade, que já vinha evoluindo à medida que a classe comercial se tornava mais influente em áreas tradicionalmente reservadas para a aristocracia, poderia ter se desenvolvido e prosperado se não tivesse entrado em colapso após a invasão do Velho Mundo é considerado um dos maiores “mas e se...?" da história.

Remover publicidades

Publicidade

Perguntas & Respostas

Que tipo de sociedade os astecas tinham?

A sociedade asteca era muito hierárquica com classes muito claramente definidas. As classes incluíam a realeza e a nobreza no topo e, em seguida, sacerdotes, guerreiros, comerciantes e agricultores. Havia alguma possibilidade de se mover entre as classes, mas isso era muito limitado.

Quais eram as cinco classes da sociedade asteca?

As cinco classes da sociedade asteca eram: realeza e os nobres governantes, sacerdotes, guerreiros, mercadores, artesãos e camponeses. Havia também escravos originários de inimigos derrotados.

Quem estava no topo da sociedade asteca?

O governante ou rei (tlatoani) estava no topo da sociedade asteca, juntamente com os calpolli - as famílias ligadas por sangue ou de uma associação de sangue distante com a família real.

Qual foi o papel das mulheres na sociedade asteca?

Na sociedade asteca, esperava-se que as mulheres cuidassem da casa, criassem filhos e fizessem trabalhos de cestaria. Os homens dominavam, mas as mulheres astecas podiam ter suas próprias propriedades, herdar riquezas e participar da vida pública nos campos da medicina, educação, religião e até comércio.

Sobre o tradutor

Yan De Oliveira Carvalho
Yan de Oliveira Carvalho nasceu na cidade do Rio de Janeiro, Brasil. Ele possui um Bacharel em Administração de Empresas pela Universidade Estadual da Pensilvânia. Ele atualmente mora no Rio de Janeiro e trabalha como tradutor Profissional de Inglês, Espanhol e Francês para o Português.

Sobre o autor

Mark Cartwright
Mark é um historiador que vive na Itália. Seus interesses incluem cerâmica, arquitetura, mitologia e descobrir as ideias que todas as civilizações compartilham entre si. Ele tem um Mestrado em Filosofia Política e é o Diretor de Publicação da Enciclopédia da História Mundial.

Citar este trabalho

Estilo APA

Cartwright, M. (2015, Novembro 23). A Sociedade Asteca [Aztec Society]. (Y. D. O. Carvalho, Tradutora). World History Encyclopedia. Recuperado de https://www.worldhistory.org/trans/pt/2-845/a-sociedade-asteca/

Estilo Chicago

Cartwright, Mark. "A Sociedade Asteca." Traduzido por Yan De Oliveira Carvalho. World History Encyclopedia. Última modificação Novembro 23, 2015. https://www.worldhistory.org/trans/pt/2-845/a-sociedade-asteca/.

Estilo MLA

Cartwright, Mark. "A Sociedade Asteca." Traduzido por Yan De Oliveira Carvalho. World History Encyclopedia. World History Encyclopedia, 23 Nov 2015. Web. 01 Dez 2022.