Doze Mulheres Famosas da Idade Média

Custos do servidor Angariação de fundos 2024

Ajude a nossa missão de fornecer educação histórica gratuita ao mundo! Faça um donativo e contribua para cobrir os custos do nosso servidor em 2024. Com o seu apoio, milhões de pessoas aprendem história de forma totalmente gratuita todos os meses.
$3136 / $18000

Artigo

Joshua J. Mark
por , traduzido por Jônia Carvalho Diniz
publicado em 19 Março 2019
Disponível noutras línguas: Inglês, holandês, francês, italiano, Russo, espanhol
X

As mulheres na Idade Média eram frequentemente caracterizadas como cidadãs de segunda classe pela Igreja e pela aristocracia patriarcal. O status da mulher foi de certa forma elevado na Alta e Baixa Idade Média pelo culto da Virgem Maria e pela poesia do amor cortês, mas, mesmo assim, as mulheres ainda eram consideradas inferiores aos homens devido às narrativas bíblicas e ao patriarcado.

Joan of Arc
Joana D'Arc
Yann Caradec (CC BY-NC-SA)

Ainda assim, existiram muitas mulheres notáveis ao longo da Idade Média que conseguiram quebrar as normas da sociedade para viver o tipo de vida que escolheram para si próprias e reivindicar uma posição de poder tradicionalmente associada aos homens. Em quase todos os casos, estas mulheres eram da classe alta e tinham um pouco mais de mobilidade social do que as de classes baixas, mas há registos que indicam claramente que as mulheres ao longo da Idade Média trabalharam ao lado dos homens em guildas medievais e eram significativas e requisitadas artistas, escritoras, ilustradoras, artesãs, e monarcas.

Remover publicidades
Publicidade

Mulheres Famosas da Idade Média

Os estudiosos dividem a Idade Média em três períodos:

  • Início da Idade Média - 476-1000
  • Alta Idade Média - 1000-1300
  • Baixa Idade Média - 1300-1500

Houve muitas mulheres famosas ao longo destas três épocas, mas as doze seguintes estão entre as mais conhecidas:

Remover publicidades
Publicidade

Muitas destas mulheres influenciaram significativamente o seu próprio tempo, bem como as gerações posteriores, através da sua visão e capacidade de agir com base nessa visão. A forma como as mulheres eram vistas pela sociedade através das lentes da Igreja, como eram consideradas como entidades legais e sociais pela lei, e a forma como viviam realmente as suas vidas nunca foram exatamente as mesmas, mas as mulheres acima referidas assumiram o controle da sua situação para viverem como mulheres independentes, iguais aos homens, numa sociedade patriarcal. A bolsista Eileen Power comenta:


A posição das mulheres é frequentemente considerada como um teste pelo qual a civilização de um país ou idade pode ser julgada. O teste é extraordinariamente difícil de aplicar, mais particularmente na Idade Média, devido à dificuldade de determinar o que em qualquer idade constitui a posição das mulheres. A posição da mulher é uma coisa em teoria, outra em posição legal, outra ainda na vida quotidiana. Na Idade Média, como agora, as várias manifestações da posição da mulher reagiam umas sobre as outras mas não coincidiam exactamente; a verdadeira posição da mulher era uma mistura de todas as três. (9)

A Igreja exerceu a maior influência sobre a forma como as mulheres eram percebidas através dos ensinamentos da Bíblia. Famosas heroínas bíblicas como Rute ou Débora, a Virgem Maria ou Maria Madalena foram contrariadas por Eva ou Jezabel e as admoestações de São Paulo nas suas epístolas que afirmavam que os homens eram superiores às mulheres e que as mulheres deviam submeter-se à autoridade masculina. Embora mais mulheres se pudessem afirmar na última parte da Idade Média, algumas fizeram-no ainda mais cedo.

Remover publicidades
Publicidade

Teodora de Bizâncio

Teodora (500-548) foi uma atriz em Constantinopla (e possivelmente uma prostituta) que se converteu ao cristianismo e assumiu a fiação da lã e a tecelagem como profissão. Como ela conheceu o futuro imperador Justiniano (r. 527-565) não está claro, mas ele estava tão apaixonado por ela que mudou a lei que proibia a realeza de casar com atrizes e fez dela sua esposa e companheira no governo.

Theodora I
Theodora I
The Yorck Project (Public Domain)

Teodora era uma imperatriz reinante, uma monarca feminina com poder igual ao do imperador, e Justiniano regularmente levava seus conselhos a sério. O exemplo mais famoso disso foi quando ela convenceu Justiniano e sua corte a não fugir da cidade durante as Revoltas de Nika em 532. Diz-se que ela, inteligentemente, reconheceu perante a corte que estava ciente de que uma mulher não deveria falar na presença de homens, mas que a situação em questão exigia medidas extremas. Ela então os aconselhou a não fugir da cidade simplesmente para preservar suas próprias vidas, porque tais vidas depois não valeriam a pena viver. Justiniano aceitou seu conselho e tratou do problema em vez de fugir dele. O casal governou o Império Bizantino em conjunto até a morte de Theodora, possivelmente por câncer de mama, em 548.

Hilda de Whitby


HILDA PASSOU DE NOVIÇA A ABADESSA DE SUA ORDEM E FUNDOU A ABADIA WHITBY, QUE SE TORNOU UM CENTRO DE APRENDIZADO E CULTURA.

Hilda (614-680) foi uma nobre nos primeiros anos do Reino de Northumbria que escolheu uma vida de piedade e devoção a uma vida na corte. Ela passou de noviça a abadessa de sua ordem e fundou a Abadia de Whitby, que se tornou um centro de aprendizagem e cultura. Hilda era uma administradora competente que cuidava das muitas facetas da administração do grande patrimônio da abadia, mas estava sempre disponível para aconselhamento e incentivo. Ela é conhecida como a santa padroeira dos poetas por inspirar o pastor Caedmon a escrever seu famoso hino, o poema mais antigo existente em inglês antigo. Em 664, o rei Oswiu de Northumbria escolheu a abadia de Hilda como local para o sínodo que decidiu aceitar o catolicismo romano sobre o cristianismo celta como religião oficial da região, e o fez por causa da reputação de Hilda de sabedoria e da força de seus conselhos. Ela se tornou ainda mais famosa após sua morte quando lhe foram atribuídos vários milagres e foi venerada como uma santa.

Remover publicidades
Publicidade

Ende, a Iluminadora

É bem estabelecido que, no século XIII, as mulheres estavam envolvidas na produção de livros como escribas, ilustradoras e iluminadoras de manuscritos, mas o trabalho de Ende deixa claro que as mulheres estavam envolvidas neste processo já no século X. Ende era freira em um mosteiro na Espanha quando ela trabalhou no manuscrito agora conhecido como o Beato de Gerona compilado pelo monge Beato de Liebana em c. 786. O manuscrito, agora alojado na Catedral de Gerona na Catalunha, Espanha, é assinado pelos artistas que trabalharam nele e inclui a linha "Ende pintrix et Dei adiutrix" (Ende, pintora e ajudante de Deus); a forma feminina do latim deixa claro que o iluminador era uma mulher. Outras iluminadoras e escribas são conhecidos de séculos posteriores, incluindo Guda (século 12) e Claricia (século 13), mas Ende é a mais antiga conhecida até hoje.

Aethelflaed, Senhora dos Mercianos

Aethelflaed (r. 911-918) era filha de Alfredo o Grande (r. 871-899) e tornou-se rainha de Mércia após a morte do seu marido Aethelred II. Como filha de Alfredo, que acreditava que a alfabetização encorajava a piedade, ela era altamente educada e culta. A sua corte era um conhecido centro de cultura no qual o seu sobrinho Athelstan, futuro rei dos anglo-saxões e primeiro rei da Inglaterra, cresceu sob o seu patrocínio.

Statue of Aethelflaed
Estátua de Aethelflaed
Elliot Brown (CC BY)

Ela é mais conhecida como a Senhora dos Mercianos que derrotou os Vikings na Batalha de Chester em 907planejando cuidadosamente a defesa da cidade com uma emboscada ofensiva. Ela formou alianças com mercenários irlandeses para ajudar na defesa do seu reino, planejou e organizou as cidades e aldeias para a máxima eficiência e encanto estético, e trabalhou com o seu irmão Eduardo, o Ancião de Wessex para proteger a região contra novos ataques vikings e para impulsionar a economia. Na sua morte, ela foi brevemente sucedida pela sua filha Aelfwynn antes do seu reino ser absorvido por Eduardo em Wessex.

Remover publicidades
Publicidade

Matilda da Toscana


MATILDA SUPERVISIONOU PESSOALMENTE AS OPERAÇÕES MILITARES E EXPEDIÇÕES ENQUANTO GERIA HABILMENTE OS ASSUNTOS DE ESTADO.

Matilda (1046-1115, também conhecida como Matilda de Canossa) foi uma das mulheres mais poderosas da Idade Média e a força política proeminente na Itália medieval. É mais conhecida pela sua proeza militar na defesa das suas terras e da autoridade do Papa Gregório VII (c. 1073-1085) contra a agressão de Henrique IV do Sacro Império Romano (r. 1056-1105). Matilda supervisionou pessoalmente as operações e expedições militares, ao mesmo tempo que geriu habilmente os assuntos de Estado que incluíam a administração sobre um vasto reino. Após a morte de Gregório VII, Matilda continuou a defender o papado e o seu reinado até finalmente derrotar Henrique IV numa batalha pessoal em 1095. Em 1111, foi coroada Vigária Imperial e Vice-Relatora da Itália por Henrique V.

Hildegard de Bingen

Hildegard (1098-1179) era uma polimata alemã; uma mística, curandeira, cientista, visionária, autora, compositora, e abadessa que afirmava receber visões de Deus desde os três anos de idade e nunca duvidou da sua verdade. Em 1150, diz-se que recebeu uma visão para mover a sua ordem para Rupertsburg e, quando o seu superior masculino a recusou, ela pressionou o assunto até que o seu pedido fosse deferido. Uma clériga feminina fazer frente a um superior masculino numa ordem nunca terminou bem para a mulher e no entanto Hildegard prevaleceu e até fundou uma segunda ordem sozinha depois de se estabelecer em Rupertsburg. Ela nunca recebeu uma educação formal, mas era altamente alfabetizada, além de ser bem versada em composição musical. Ela se correspondia regularmente com outros e deixou para trás uma grande coleção de cartas para além das suas obras literárias, religiosas, científicas, médicas, e musicais.

Eleanor da Aquitânia

Eleanor (c. 1122-1204) foi Rainha de França, Rainha de Inglaterra, esposa de dois reis, mãe do Rei Ricardo I (o 'Coração de Leão'), Rei João da famosa Magna Carta, Marie de Champagne (padroeira de Chretien de Troyes), bem como uma série de outros filhos notáveis. Ela participou pessoalmente na Segunda Cruzada juntamente com as suas damas de companhia, alegadamente cavalgando de peito nu para a batalha a dada altura para distrair os sarracenos.

Eleanor of Aquitaine
Eleanor da Aquitânia
Mark Cartwright (CC BY-NC-SA)

As suas realizações foram numerosas, entre elas o seu papel como padroeira das artes que encorajou o desenvolvimento dos conceitos de amor cortês e cavalheirismo na literatura francesa. Embora o impacto destes conceitos na sociedade medieval ainda seja debatido, há provas de que as obras de autores como Chretien de Troyes e Andreas Cappelanus influenciaram significativamente a aristocracia a considerar as mulheres mais como indivíduos e menos como propriedades.

Marie da França

Marie (c. 1160-1215) foi uma poetisa, tradutora e protofeminista francesa multilíngue mais conhecida por sua obra poética O Lais de Marie de France que popularizou o conceito de amor cortês, o código cavalheiresco e o poder das mulheres. Ela é reconhecida como a primeira poetisa da França, mas parece ter passado a maior parte de seu tempo na Grã-Bretanha e foi estreitamente associada à corte de Henrique II e sua esposa Eleanor da Aquitânia. Ela é geralmente creditada com o estabelecimento do gênero medieval de literatura cavalheiresca, mas isto é desafiado pelo fato de Andreas Cappelanus e Chretien de Troyes - dois notáveis pioneiros do gênero - escreverem ao mesmo tempo e, provavelmente, para a mesma padroeira (Eleanor) e sua filha Marie de Champagne. A poesia e as fábulas de Marie de France eram muito populares entre a aristocracia da França e da Inglaterra, embora desafiassem diretamente a posição da Igreja sobre as mulheres como o sexo mais fraco, subordinado à autoridade masculina. A poesia de Maria frequentemente apresenta mulheres fortes que dominam os homens e são capazes de dirigir seus próprios destinos, mesmo que eventualmente sejam destruídas por sua resistência ao patriarcado.

Julian de Norwich

Julian (l. 1342-1416, às vezes dada como Lady Juliana de Norwich) foi um mística, visionária e autora da obra-prima da literatura religiosa, Revelações do Amor Divino. O nome real de Julian é desconhecido, e seu pseudônimo vem de sua residência na Igreja de St. Julian em Norwich, Inglaterra. Em maio de 1373, Julian acreditava estar morrendo e, ao deitar-se em sua cama, recebeu uma série de visões de Deus que ela escreveu pouco depois. Ela expandiu seu manuscrito original anos mais tarde, desenvolvendo seus pensamentos anteriores em maior escala. Sua mensagem essencial se concentrava na compaixão de Deus e no amor por todos, e ela deu poder às mulheres ao comparar o amor de Deus com o amor de uma mãe que aceita todas as falhas de seus filhos sem julgar. A raiva e a condenação tão frequentemente vistas na posição oficial da Igreja, ela afirmou, não vieram de Deus, mas dos homens porque Deus tinha apenas o melhor em mente para a humanidade e, como ela escreveu, "tudo estará bem e todas as coisas estarão bem", apesar de como as circunstâncias podem aparecer. Seu trabalho era relativamente desconhecido até o início do século 20, quando inspirou e influenciou poetas como T. S. Eliot, mas em seu próprio tempo ela era conhecida por seus conselhos e sua influência sobre a mística medieval Margery Kempe.

Christine de Pizan

Christine (1364-1430) foi a primeira escritora profissional na Europa, conselheira de reis e aristocratas, e protofeminista cujas obras foram altamente influentes em seu próprio tempo e continuaram a ser nos séculos posteriores. Christine foi casada com um secretário da corte aristocrática que morreu da peste em 1389. Sem meios para sustentar a si, seus filhos e sua mãe idosa, Christine voltou-se para a escrita. Seu pai havia encorajado suas atividades literárias e assim, embora ela nunca tivesse sido formalmente educada, ela sabia ler e escrever e parece nunca ter considerado sua falta de treinamento profissional um obstáculo para o sucesso.

Christine de Pizan
Christine de Pizan
Leinad-Z (Public Domain)

Ela é mais conhecida por The Book of the City of Ladies e The Book of the Three Virtues, também conhecido como The Treasure of the City of Ladies, ambos publicados em 1405. A primeira é sua refutação das caracterizações misóginas do autor medieval Jean de Meun em seu popular Romance da Rosa, e a segunda é um manual de conselhos práticos para as mulheres no cuidado de si mesmas, suas finanças, maridos e propriedades. Suas obras foram bastante populares em sua vida e ela era frequentemente procurada para dar conselhos.

Margery Kempe

Margery (c. 1373 - c. 1438) foi uma mística cristã que ditou suas experiências e visões para criar a primeira autobiografia em inglês, The Book of Margery Kempe. Em sua vida e trabalho, ela desafiou constantemente o patriarcado da Igreja e foi julgada várias vezes por heresia, mas nunca condenada. Sua devoção a Deus e sua crença na verdade das visões que recebia impossibilitavam-na de ficar calada sobre sua fé e ela frequentemente dava testemunho público nas comunidades onde vivia. A proibição contra o clero feminino e a admoestação bíblica contra as mulheres ensinando os homens ou falando na presença de um homem levou a novos conflitos com o clero, bem como com os leigos das cidades onde ela vivia. Ela visitou Julian de Norwich em c. 1413 para validação de suas visões e experiências místicas, o que Julian concedeu. Margery era analfabeta ou precariamente educada e ditou seu livro, em parte, para alcançar um público mais amplo do que ela podia em pessoa.

Joana D'Arc

Joana (l.1412-1431, também conhecida como Jeanne d'Arc) foi uma mística visionária francesa e líder militar conhecida por suas vitórias na Guerra dos Cem Anos e pela trágica morte por execução em 1431. Ela afirmou ter recebido uma mensagem de Deus em uma visão de três santos que lhe apareceram quando ela tinha 13 anos, dirigindo-a para expulsar os ingleses da França e assegurar a coroação do Dauphin em Rheims.

Statue of Joan of Arc
Estátua de Joana D'Arc
James Shin (CC BY-NC-SA)

Joana, uma pobre moça de fazenda sem experiência militar, perseverou através de repetidos obstáculos e desdém dos oficiais militares franceses até que lhe foi concedido acesso a armas e armaduras e lhe foi permitido entrar para o exército. Ela levantou o cerco de Orleans, liderando homens em batalha, e participou de compromissos estratégicos e táticos depois, mas foi capturada pelos aliados borgonheses dos ingleses e entregue a um tribunal inglês que a executou por heresia em 1431 sendo queimada na fogueira. Joana tinha 19 anos na época de sua morte. A sentença do tribunal foi posteriormente invalidada e Joana é honrada como uma das santas patronas da França nos dias de hoje.

Conclusão

Havia, é claro, muitas outras mulheres de destaque durante toda a Idade Média. Algumas delas são a dramaturga e poeta alemã Hrotsvitha (século 10); a rainha escocesa Gruoch (século 11), modelo para Lady Macbeth de Shakespeare; a médica italiana Trota de Salerno (c. 1100); Jeanne de Clisson (c. 1300-1359), a pirata bretã, e a autora italiana feminista/humanista Laura Cereta (1469-1499).

Muitos outros nomes de mulheres são conhecidos pelos documentos da corte, transações comerciais, venda de terras e gestões bem-sucedidas dos negócios de seus falecidos maridos, de seus próprios negócios, bem como pela gestão de propriedades e como membros valiosos de guildas medievais. Lady Eleanor de Montfort (também conhecida como Eleanor da Inglaterra, l. 1215-1275) negociou a rendição do Castelo de Dover com tanto sucesso que seus partidários foram perdoados e Brunhilda da Austrália (l. c. 543-613) governou os reinos franciscanos da Austrália e Borgonha.

Há, sem dúvidas, muitas outras mulheres que também viveram vidas notáveis, mas cujos nomes agora estão perdidos porque passaram despercebidos pelos escritores masculinos de seu tempo. Os nomes das mulheres mais famosas da Idade Média ainda são conhecidos na atualidade, não porque o patriarcado da época as valorizava, em grande parte, mas apesar daquela hierarquia social que negava às mulheres as vias de expressão e autonomia abertas aos homens.

Remover publicidades
Publicidade

Perguntas e respostas

Quem foram as doze mulheres mais famosas da Idade Média?

As doze mulheres mais famosas da Idade Média são: Teodora de Bizâncio, Hilda de Whitby, Ende a Iluminadora, Aethelflaed dos Mercianos, Matilda da Toscana, Hildegard de Bingen, Eleanor de Aquitaine, Marie da França, Julian de Norwich, Christine de Pizan, Margery Kempe e Joana D'Arc.

Quem é a mulher mais famosa da Idade Média?

A mulher mais famosa da Idade Média é Joana D'Arc seguida de Eleanor da Aquitânia.

Quem foi a primeira mulher escritora da Idade Média?

A primeira mulher escritora da Idade Média foi Christine de Pizan que se tornou escritora profissional após a morte do seu marido para sustentar sua família.

Era permitido às mulheres receber educação na Idade Média?

Sim, era permitido às mulheres receber educação na Idade Média e muitas serviam como escribas e ilustradoras de manuscritos. Entre as autoras medievais mais famosas estão Christine de Pizan, Julian de Norwich e Laura Cereta, dentre muitas outras.

Bibliografia

A World History Encyclopedia é um associado da Amazon e recebe uma comissão sobre as compras de livros elegíveis.

Sobre o tradutor

Jônia Carvalho Diniz
Jônia Diniz é tradutora certificada com formação em inglês, francês e espanhol. Mora no Brasil. Entusiasta da História.

Sobre o autor

Joshua J. Mark
Joshua J. Mark é cofundador e diretor de conteúdo da World History Encyclopedia. Anteriormente, foi professor no Marist College (NY), onde lecionou história, filosofia, literatura e redação. Ele viajou bastante e morou na Grécia e na Alemanha.

Citar este trabalho

Estilo APA

Mark, J. J. (2019, Março 19). Doze Mulheres Famosas da Idade Média [Twelve Famous Women of the Middle Ages]. (J. C. Diniz, Tradutor). World History Encyclopedia. Obtido de https://www.worldhistory.org/trans/pt/2-1350/doze-mulheres-famosas-da-idade-media/

Estilo Chicago

Mark, Joshua J.. "Doze Mulheres Famosas da Idade Média." Traduzido por Jônia Carvalho Diniz. World History Encyclopedia. Última modificação Março 19, 2019. https://www.worldhistory.org/trans/pt/2-1350/doze-mulheres-famosas-da-idade-media/.

Estilo MLA

Mark, Joshua J.. "Doze Mulheres Famosas da Idade Média." Traduzido por Jônia Carvalho Diniz. World History Encyclopedia. World History Encyclopedia, 19 Mar 2019. Web. 20 Jul 2024.