Guildas Medievais

Definição

Mark Cartwright
por , traduzido por Yan De Oliveira Carvalho
publicado em 14 Novembro 2018
Disponível noutras línguas: Inglês, Árabe, holandês, francês, alemão, espanhol
X
Medieval Spice Merchant (by Lawrence OP, CC BY-NC-ND)
Comerciante Medieval de Especiarias
Lawrence OP (CC BY-NC-ND)

Guildas de comerciantes e artesãos foram formadas na Europa medieval para que seus membros pudessem se beneficiar da ajuda mútua, os padrões de produção pudessem ser mantidos e a concorrência fosse reduzida. Além disso, com membros agindo coletivamente eles poderiam alcançar uma certa influência política. Existiam dois tipos principais de guildas: guildas mercantis para comerciantes e guildas de artesanato para artesãos qualificados.

Os requisitos de entrada para as guildas tornaram-se mais rigorosos com o tempo, à medida que aqueles que controlavam as guildas se tornaram parte de uma classe média mais rica e estabeleceram uma taxa de associação mais alta para pessoas de fora. Esta nova burguesia procurou com sucesso manter sua posição acima dos trabalhadores sem os meios ou habilidades necessárias para administrar suas próprias pequenas empresas.

Remover publicidades
Advertisement

O nome "guilda" deriva da palavra saxã gilden, que significa "pagar" ou "ceder", já que os membros da guilda eram esperados a contribuir para suas finanças coletivas. No século XI, as primeiras guildas funcionavam em cidades muito parecidas com as comunidades das aldeias nas áreas rurais, com o fator adicional de que os comerciantes precisavam de proteção mais extensa para si e seus bens enquanto viajavam ao longo de rotas comerciais em casa e no exterior. A partir do século XII, as guildas foram organizadas de acordo com tipos de comerciantes e profissionais como médicos, antes que a ideia se expandisse para incluir artesãos qualificados. Consequentemente, havia mais de 100 guildas na Grã-Bretanha, por exemplo, representando primeiros comerciantes e mercadores e, em seguida, qualquer indústria artesanal qualificada, desde a tecelagem até os metalúrgicos. A Itália era outro país onde as guildas eram populares; só a cidade de Florença ostentava 21 guildas em meados do século XIV e a guilda dos fabricantes de tecidos e roupas controlava cerca de 30.000 trabalhadores. Flandres, França (só Paris tinha 120 guildas) e a Alemanha eram outros lugares onde as guildas se destacaram e prosperaram.

Guildas de comerciantes

A CLASSE POLÍTICA DE UMA CIDADE TIPICAMENTE Vinha DAS GUILDAS MERCANTIS E ASSIM SURGIU UMA NOVA E PODEROSA CLASSE MÉDIA.

A segurança era uma grande preocupação para os comerciantes medievais que temiam que suas mercadorias pudessem ser roubadas em trânsito ou enquanto estivessem armazenadas. A proteção mútua e as deslocações em grupo constituíram, assim, a melhor solução num período em que a intervenção do Estado era esporádica ou inexistente em determinadas regiões. O direito de formar uma guilda na Inglaterra foi muitas vezes dado pela coroa como parte da carta de liberdade de uma cidade. Uma carta de liberdade envolvia a venda da carta por um soberano que, quando outorgada, dispensava a obrigação dos habitantes de uma cidade de pagar os deveres feudais. Em vez disso, eles poderiam implementar seus próprios impostos ao comércio de mercadorias que passava através da cidade. As guildas de comerciantes também retribuíam às suas comunidades, solicitando aos seus membros doações filantrópicas como comida, vinho e dinheiro para o clero e para os pobres e necessitados. A classe política de uma cidade normalmente vinha das guildas mercantis e, com uma carta também estabelecendo tribunais locais, uma nova e poderosa classe média surgiu. Um padrão semelhante de desenvolvimento tinha ocorrido e estava em andamento em outros países europeus.

Remover publicidades
Advertisement

Guildas de artesanato

A partir do século XII, na França e na Itália, começaram a se formar guildas de 'artesanato', que eram associações de mestres da indústria do artesanato. Cidades como Milão, Florença e Toulouse tinham tais guildas para produtores de alimentos e trabalhadores de couro. Algumas das primeiras guildas de artesanato na Inglaterra eram guildas de tecelões, especialmente em Londres e Oxford. Outras guildas de artesanato eventualmente incluíram associações de cutlers (fabricantes de talheres), vestiário masculino (comerciantes de bens necessários para costura e tecelagem), tinturas, padeiros, seladores, pedreiros, especialistas em bens de metal, como ferreiros, armários, serralheiros e joalheiros, e muitos outros cobrindo todos os aspectos da vida diária. Algumas guildas eram baseadas nos materiais com que seus membros trabalhavam e não no produto final, de modo que, na França, por exemplo, havia guildas separadas para fabricantes de fivelas, dependendo se usavam latão ou cobre. Assim, também, as guildas dos fabricantes de rosários para oração eram diferenciadas por qual material eles usavam para fazer seus rosários, seja de osso, âmbar, jato ou qualquer outra coisa. Cada guilda era administrada por um pequeno grupo de indivíduos conhecidos como mestres da guilda que eram assessorados por um grupo de jurados sempre que havia disputas entre os membros.

English Medieval Clothing, c. 1200 CE
Vestimenta Medieval Inglesa, c. 1200 d.C.
Albert Kretschmer (Public Domain)

À medida que essa classe de trabalhadores qualificados com seus próprios negócios se tornava cada vez mais rica, também a entrada em uma guilda se tornava mais difícil à medida que aqueles com privilégios procuravam dificultar e afastar aqueles sem eles. Por outro lado, havia outra razão para limitar a entrada: para manter os altos padrões de habilidade em uma profissão específica. Por esse motivo, muitas guildas insistiram em uma taxa de entrada que fosse para a aprendizagem do novo membro, mas também para a manutenção do local de reunião dos membros, o Guildhall, custos administrativos e serviços de saúde para os membros, se e quando necessário. Além disso, as guildas poderiam organizar festivais e pagar as despesas de funeral dos seus membros ou prestar ajuda financeira às viúvas e órfãos dos membros falecidos.

Remover publicidades
Advertisement

As guildas de artesanato estavam, como observado, particularmente interessadas em garantir que os produtos de seus membros fossem de alta qualidade o suficiente, e que os pesos, dimensões e materiais ou ingredientes dos bens atendessem todos aos padrões atuais da indústria. Mesmo os trabalhadores como padeiros poderiam enfrentar verificações aleatórias em seu fornecimento de pão pelos mestres da guilda e jurados, como este extrato sobre padeiros parisienses ilustra:

Se o mestre determinar que o pão não é adequado, ele pode confiscar todo o resto, mesmo o que este no forno. E se houver vários tipos de pão em uma janela a exposição, o mestre terá cada um avaliado. E aqueles que são encontrados serem muito pequenos, o mestre e os jurados terão os doados para a caridade. (Reglemens, citado em Singman, 233)

A qualidade era mantida mais ainda através da regulamentação na formação dos aprendizes, que tinham de ter uma duração mínima, e com um mestre que tinha competências comprovadas no seu ofício. Depois de vários anos de treinamento, os aprendizes iriam trabalhar para um mestre. Para se tornar um mestre, era preciso apresentar uma 'obra-prima' à hierarquia da guilda que mostrasse que o trabalhador havia adquirido as habilidades necessárias em seu ofício específico. Havia também um encargo financeiro, pois o título de mestre só era dado a àqueles capazes de financiar sua própria oficina, ferramentas e um banquete comemorativo.

Winemakers, Zodiac Window Chartres
Fabricantes de Vinhos, Zodiac Window Chartres
Lawrence OP (CC BY-NC-ND)

A vantagem para os membros da guilda em ter que cumprir todas essas regras, além de manter a confiança do público em seus produtos era que eles poderiam controlar a concorrência e estar isentos de impostos locais, embora um produtor não pudesse baratear os preços dos colegas membros da guilda. Regras adicionais que protegiam os membros uns dos outros incluíam não escaldar um cliente na loja de outro membro ou criticar os produtos de um colega membro (isso era especialmente relevante para os cozinheiros), não trabalhar em feriados religiosos ou, em alguns casos, não trabalhar depois de escurecer.

Remover publicidades
Advertisement
AS GUILDAS DE ARTESANATO CONTROLAVAM OS SALÁRIOS, A QUALIDADE E AS CONDIÇÕES DE VENDA DO PRODUTO QUE SEUS MEMBROS PRODUZIAM.

Outras partes da indústria que uma guilda controlava incluíam salários e as condições de venda do produto. De uma maneira concreta, então, uma guilda estabeleceria um monopólio em todos os aspectos de um determinado ofício e seu controle dos salários foi especialmente significativo quando a mão-de-obra se tornava escassa sob condições como pragas ou fome. Em circunstâncias normais, uma escassez de mão-de-obra significaria um aumento nos salários dos trabalhadores, mas as guildas muitas vezes garantiram que isso não acontecesse (e, portanto, tornariam seus bens mais caros para vender). Trabalhadores comuns foram até proibidos de formar suas próprias associações e isso às vezes levou a tumultos e revoltas, particularmente bem violentos eclodindo repetidamente na Flandres e Florença, por exemplo, no século XIV.

Efeito na sociedade e nas mulheres

As guildas, especialmente as guildas mercantis, ajudaram a produzir uma rica classe média na sociedade medieval à medida que os comerciantes prosperavam e começavam a comprar o que sempre foi considerado como um distintivo da elite aristocrática: terra e propriedade. Essas riquezas nouveaux podem não ter sido totalmente aceitas na alta sociedade, mas elas mesmas começaram a esculpir seu próprio lugar único na ordem social, distanciando-se de todos abaixo delas. Muitas guildas, até mesmo guildas de artesanato, só aceitavam novos membros se fossem filhos dos existentes ou se pudessem ganhar o patrocínio de um mestre que os aceitasse como aprendizes. Os mestres eram frequentemente tendenciosos em relação aos parentes e as taxas de adesão eram mais altas para aqueles fora da comunidade, de modo que muitas guildas, na verdade, produziam profissões hereditárias. Além disso, ao estipular que os mestres possuíam seus próprios meios de produção na forma de sua oficina e ferramentas, as guildas criaram, assim, uma divisão de classe permanente entre proprietários e trabalhadores.

À medida que as guildas faziam as regras e decidiam os salários, tornou-se difícil para os trabalhadores comuns proteger seus direitos e seus próprios interesses. As greves dos trabalhadores têxteis na cidade de Gand, em 1274, por exemplo, resultou em empresários chegando a acordos com aqueles em cidades vizinhas para não dar trabalho aos grevistas. No entanto, é importante lembrar que nas sociedades medievais havia menos conflito entre riqueza e trabalho do que entre indústrias e cidades rivais. Nesse sentido, as guildas podem muito bem ter ajudado a tornar a sociedade medieval, pelo menos em cidades maiores mais coesa e estável. Finalmente, um aspecto da sociedade que surgiu de guildas educacionais e ajudou eventualmente a permitir algumas pessoas um meio de subir a escada social, foram as 22 universidades da Europa Ocidental medieval.

Remover publicidades
Advertisement

Norwich Guildhall
Norwich Guildhall
Brian Adamson (CC BY)

Uma parte da sociedade que foi tratada de forma desigual pelas guildas eram as mulheres. Quase não havia guildas específicas para mulheres e as instituições eram sempre dominadas por homens (havia algumas exceções, como as guildas de seda feminina em Paris e as fiandeiras de ouro de Gênova). Mesmo uma profissão dominada por mulheres como por exemplo parteiras não tinha sua própria guilda, mas pertencia à guilda dos cirurgiões. As mulheres, embora frequentemente trabalhassem ao lado de homens em indústrias como fiação, polimento de metais e preparação de alimentos, raramente alcançavam status de mestre e algumas guildas, como a dos vendedores de pimentões, de tecidos e (eventualmente) cervejeiros proibiam as mulheres de se tornarem aprendizes. Legalmente, as mulheres geralmente estavam sob a tutela de um parente do sexo masculino ou do seu marido. Só se o marido de um colega de família de uma mulher morresse ela poderia desfrutar de alguma liberdade. Uma viúva poderia continuar o negócio de um mestre falecido, por exemplo, e ter todos os direitos de membro da guilda se ela já tivesse em alguma ocasião trabalhado ao lado de seu marido e não tinha se cassado novamente.

Evolução - Governo Local

Em Londres, as guildas de artesanato mais ricas, conhecidas como as empresas de farda, tornaram-se atores políticos muito poderosos na cidade. De fato, em muitas cidades da Europa medieval, tornou-se quase impossível construir uma carreira política se não fosse um membro de uma guilda. As empresas de fardamento de Londres acabaram se transformando em grandes instituições financeiras. Do outro lado do oceano em Paris, os comerciantes das águas monopolizavam o comércio no rio Sena e tinham autoridade sobre questões como crimes de menor grau e as quotas de sal e grãos da cidade. Em 1260, quatro dos jurados da guilda dos comerciantes das águas foram nomeados magistrados da cidade. Na Alemanha do século XIII várias guildas, incluindo as de diferentes cidades, se reuniram e formaram uma organização conhecida como Hanse. Estes Hanse se juntariam e formariam a Liga Hanseática de quase 200 cidades comerciais em meados do século seguinte. Na Florença contemporânea, as principais guildas estavam permanentemente representadas na câmara municipal.

Eventualmente, então, e em toda a Europa, muitas guildas e funções do governo local tornaram-se inseparáveis à medida que a classe média mais rica começou a tomar algum poder político da aristocracia dominante. Mais abaixo na escada social, as guildas artesanais permitiram que os artesãos qualificados protegessem sua própria indústria e fornecessem ajuda social mútua, enquanto na parte inferior, os trabalhadores não qualificados continuaram, como sempre, sua luta por empregos incertos e sazonais, que muitas vezes envolviam a mudança para onde quer que esse trabalho pudesse ser encontrado.

Remover publicidades
Publicidade

Sobre o tradutor

Yan De Oliveira Carvalho
Yan de Oliveira Carvalho nasceu na cidade do Rio de Janeiro, Brasil. Ele possui um Bacharel em Administração de Empresas pela Universidade Estadual da Pensilvânia. Ele atualmente mora no Rio de Janeiro e trabalha como tradutor Profissional de Inglês, Espanhol e Francês para o Português.

Sobre o autor

Mark Cartwright
Mark é autor, pesquisador, historiador e editor em tempo integral. Seus principais interesses incluem arte, arquitetura e descobrir as ideias que todas as civilizações compartilham. Ele possui mestrado em Filosofia Política e é diretor editorial da WHE.

Citar este trabalho

Estilo APA

Cartwright, M. (2018, Novembro 14). Guildas Medievais [Medieval Guilds]. (Y. D. O. Carvalho, Tradutor). World History Encyclopedia. Obtido de https://www.worldhistory.org/trans/pt/1-17576/guildas-medievais/

Estilo Chicago

Cartwright, Mark. "Guildas Medievais." Traduzido por Yan De Oliveira Carvalho. World History Encyclopedia. Última modificação Novembro 14, 2018. https://www.worldhistory.org/trans/pt/1-17576/guildas-medievais/.

Estilo MLA

Cartwright, Mark. "Guildas Medievais." Traduzido por Yan De Oliveira Carvalho. World History Encyclopedia. World History Encyclopedia, 14 Nov 2018. Web. 22 Mai 2024.