Literatura Medieval

Definição

Joshua J. Mark
por , traduzido por Rafael de Quadros
publicado em 20 Março 2019
X

Texto original em inglês: Medieval Literature

Dante Alighieri by Signorelli (by Georges Jansoone, CC BY-SA)
Dante Alighieri por Signorelli
Georges Jansoone (CC BY-SA)

Literatura medieval é definida amplamente como qualquer trabalho escrito em latim ou o vernáculo entre c. 476-1500 EC, incluindo filosofia, tratados religiosos, textos jurídicos, bem como obras da imaginação. Mais estreitamente, no entanto, o termo se aplica a obras literárias de poesia, drama, romance, prosa épica e histórias escritas em vernáculo (embora algumas histórias fossem em latim). Embora possa parecer estranho encontrar histórias incluídas em formas de ficção, deve-se lembrar que muitas "histórias" da Idade Média contêm elementos de mito, fábula e lenda e, em alguns casos, foram em grande parte produto de escritores imaginativos.

Idioma e Público

As obras literárias foram compostas originalmente em latim, mas os poetas começaram a escrever em vernáculo (a língua comum do povo) no início do século 7 EC. A literatura vernácula foi posteriormente popularizada na Grã-Bretanha no Reino de Wessex por Alfred, o Grande (r. 871-899 EC) em uma tentativa de encorajar a alfabetização generalizada, e outras nações seguiram o exemplo.

Remover publicidades

Advertisement

A LITERATURA VERNACULAR MEDIEVAL EVOLVEU A PARTIR DO FOLKTALE, PROVAVELMENTE COM O CONTADOR DE HISTÓRIAS ENCENANDO DIFERENTES PAPEÍS, ANTES DE UM PÚBLICO.

A Conquista normanda de 1066 EC estabeleceu o francês como a língua da literatura e transformou a língua inglesa do inglês antigo (em uso c. 500-1100 EC) para o inglês médio (c. 1100-1500 EC). As histórias escritas durante essas duas épocas eram originalmente folclore medieval, contos transmitidos oralmente e, como a maioria da população era analfabeta, os livros continuavam a ser lidos em voz alta para o público. O aspecto auditivo da literatura, portanto, afetou a forma como foi composta. Os escritores escreveram para uma apresentação de seu trabalho, não uma leitura privada na solidão.

As taxas de alfabetização aumentaram durante o século 15 e, com o desenvolvimento da imprensa, mais livros foram disponibilizados. O ato de ler sozinho para o prazer pessoal tornou-se mais comum e mudou a maneira como os escritores escreviam. Le Morte D'Arthur de Thomas Malory (escrito em 1469, publicado em 1485 EC) é o romance mais antigo do Ocidente - um trabalho escrito para um público individual com camadas de significado pessoal e simbolismo - e estabelece a base para o desenvolvimento do romance conforme reconhecido nos dias atuais.

Remover publicidades

Advertisement

Desenvolvimento Precoce

A literatura vernácula medieval evoluiu naturalmente a partir do conto popular, que era uma história recitada, provavelmente com o contador de histórias representando diferentes partes, diante de uma platéia. A literatura inglesa medieval começa com Beowulf (século 7 a 10 EC), que foi sem dúvida uma história conhecida muito antes e transmitida oralmente até ser escrita. Esse mesmo padrão de desenvolvimento também se aplica à literatura de outros países. O contador de histórias reunia um público e apresentava seu conto, geralmente com variações baseadas no público, e os membros desse público então recontavam a história para outras pessoas.

Wiglaf & Beowulf
Wiglaf e Beowulf
J.R.Skelton (Public Domain)

A literatura medieval escrita primitiva é principalmente lenda ou conto folclórico colocado em uma página em vez de recitado, mas o contador de histórias ainda precisava reunir e manter uma audiência e assim escreveu em vernáculo para ser compreendido e em métrica poética para ser lembrado. A poesia, com sua cadência regular, fica muito melhor na mente do que a prosa. A poesia continuaria a ser o meio preferido de expressão artística durante a maior parte da Idade Média. A prosa latina, exceto em alguns casos notáveis, era reservada para audiências religiosas e acadêmicas. Para se divertir e escapar da vida cotidiana, as pessoas ouviam um contador de histórias ler um bom livro de versos. Poesia lírica, baladas e hinos eram poesia, é claro, mas os grandes romances de cavalaria do amor cortês e os gêneros de alta visão dos sonhos medievais também foram escritos em verso, assim como os épicos, e os lais franceses e bretões (poemas de contos).

Remover publicidades

Advertisement

Inicialmente, os escritores medievais eram escribas anônimos relatando histórias que tinham ouvido. Originalidade na escrita na Idade Média (como no mundo antigo) não estava no topo da lista de valores culturais e os primeiros escritores não se preocuparam em assinar suas obras. Os nomes reais de muitos dos escritores mais famosos da Idade Média ainda são desconhecidos. Marie de France não é o nome real da mulher que escreveu o famoso lais - é um pseudônimo - e o nome de Chretien de Troyes é traduzido do francês como "uma cristã de Troyes", que poderia se referir a quase qualquer pessoa. Somente nos séculos 13 e 14 EC que os autores começaram a escrever com seus próprios nomes. Conhecidos ou anônimos, entretanto, esses escritores criaram algumas das maiores obras da literatura da história.

Outras Formas de Literatura

Outras formas de literatura além da poesia incluem:

  • drama
  • histórias
  • fábulas.

O drama na Idade Média era essencialmente uma ferramenta de ensino da Igreja. Peças morais, peças de mistério e peças litúrgicas instruíram um público analfabeto em pensamentos e comportamentos aceitáveis. As peças da paixão, representando o sofrimento, a crucificação e a ressurreição de Jesus Cristo, eram entretenimentos populares da Páscoa, mas as peças de moralidade eram apresentadas durante todo o ano. O mais conhecido deles é Everyman (c. 1495 EC), que conta a história de um homem enfrentando a morte que não consegue encontrar ninguém para acompanhá-lo ao céu, exceto suas boas ações. Essa alegoria surgiu de um tipo de literatura latina anterior conhecido como ars moriendi (arte de morrer), que instruía as pessoas sobre como viver uma vida boa e ter a certeza do céu.

Remover publicidades

Advertisement

As histórias no início da Idade Média (476-1000 EC) freqüentemente contam com fábulas e mitos para completar e desenvolver suas histórias. As obras de historiadores como Gildas (500-570 EC), Bede (673-735 EC) e Nennius (século 9 EC) na Grã-Bretanha contêm elementos míticos e repetem fábulas como fatos. O exemplo mais famoso disso é a História dos Reis da Bretanha, de Geoffrey de Monmouth (1136 EC), escrita em latim. Geoffrey afirmou estar traduzindo uma obra histórica antiga que descobriu recentemente quando na verdade estava fazendo a maior parte de sua "história" com sua própria imaginação e peças em histórias reais mais antigas que se prestavam ao conto que ele queria contar. Sua grande visão dos primeiros reis da Grã-Bretanha concentra-se amplamente na história do heróico Arthur e é por essa razão que Geoffrey de Monmouth é reconhecido como o Pai da Lenda Arturiana.

Geoffrey of Monmouth
Geoffrey de Monmouth
ndl642m (CC BY-NC-ND)

As fábulas quase sempre apresentavam animais antropomorfizados como personagens ao transmitir alguma lição moral, satirizar algum aspecto da humanidade ou encorajar um padrão de comportamento. O ciclo de fábulas mais popular e influente foi o de Reynard, a Raposa (século 12 EC em diante), cujas aventuras frequentemente o colocaram em conflito com Isengrim, o Lobo. Reynard é um trapaceiro que confia em sua inteligência para tirá-lo de problemas ou obter alguma vantagem.

Em um conto, Como Reynard lutou contra Isengrim, o Lobo, Isengrim desafia Reynard a uma luta até a morte para ganhar o favor do rei. Reynard sabe que não pode vencer, mas também não pode recusar, então pede ajuda à tia. Ela raspa todo o seu pêlo e o cobre com uma gordura escorregadia e ele acaba vencendo porque o lobo não consegue segurá-lo. A fábula termina com Reynard sendo elogiado pelo rei. Como acontece com a maioria das fábulas, o azarão sai vencedor contra todas as probabilidades, e esse tema tornou os contos de Reynard, a Raposa, e outros personagens semelhantes, imensamente populares.

Remover publicidades

Advertisement

Formas Poéticas e Obras Famosas

Mesmo assim, as obras mais populares e influentes foram as histórias contadas em verso. O mais antigo poema em inglês cujo autor é conhecido é o Hino de Caedmon (século 7 EC), que é um hino simples de louvor a Deus, composto por um pastor analfabeto que o ouviu cantado para ele em uma visão. Sua canção foi escrita em inglês antigo por um escriba sem nome na Abadia de Whitby, Northumbria e gravada pela primeira vez nas escritas de Bede. A beleza simples desse versículo inicial tornou-se o padrão da poesia do inglês antigo e ficou evidente em obras como O Sonho da Rood (uma visão de sonho do século 7 EC) e, posteriormente, A Batalha de Maldon (final do século 10 EC).

Entre essas duas obras, foi escrita a obra-prima épica Beowulf, que conta com a mesma cadência do ritmo aliterativo da longa linha para mover a história adiante e impressionar o público. Esta forma de verso ressoa nos dias atuais tão bem como deve ter acontecido no passado, uma vez que as recitações e apresentações de Beowulf continuam populares. A história é o conto épico do herói solitário enfrentando e derrotando o monstro escuro que ameaça o povo da terra; um tema perenemente popular desde os tempos antigos até os dias atuais.

OS POEMAS DE CHRETIEN SOBRE O DAMSEL EM PERIGO E O BRAVO CAVALEIRO TORNOU-SE BASTANTE POPULARES E CONTRIBUIRAM PARA O DESENVOLVIMENTO DA LENDA DO REI ARTHUR.

Uma obra francesa posterior, A Canção de Roland (século 11 EC), é outro épico que explora o mesmo tema. Na obra francesa, entretanto, o "monstro" recebe a forma humana dos sarracenos, ameaçando a vida e a cultura cristã. Roland, o grande cavaleiro de Carlos Magno, é finalmente chamado para segurar a passagem de Roncevaux contra o avanço do inimigo e dá sua vida para proteger seu rei, país e camaradas dos invasores. O poema era tão popular que dizem ter sido cantado pelas tropas normandas na Batalha de Hastings em 1066 EC para elevar o moral.

Os romances, que se tornaram bastante populares entre a aristocracia europeia, começaram a florescer no século 12 EC no sul da França. Chretien de Troyes (l. c. 1130-c.1190 EC), poeta da corte de Maria de Champagne (l. 1145-1198 EC) é o mais conhecido dos poetas românticos e certamente um dos mais influentes. Os poemas de Chretien sobre a donzela em perigo e o bravo cavaleiro que deveria resgatá-la tornaram-se bastante populares e contribuíram para o desenvolvimento da lenda do Rei Arthur e seus Cavaleiros da Távola Redonda, que finalmente seria totalmente realizada por Malory.

O gênero romance, seja em poesia ou prosa, depende da aceitação do público do conceito de que o amor verdadeiro nunca pode durar ou é inatingível. No final da história, um ou ambos os amantes morrem ou devem se separar. O conceito de um final feliz para sempre, popular no folclore medieval, raramente conclui um romance medieval escrito. De acordo com alguns estudiosos, isso ocorre porque a literatura romântica do amor cortês era uma "escritura" habilmente codificada dos cátaros, uma seita religiosa herética perseguida pela Igreja medieval. Os cátaros ("puros" do grego cátaro) afirmavam que eram a verdadeira fé e adoravam uma deusa chamada Sofia (sabedoria), que apresentava várias semelhanças com a Virgem Maria.

De acordo com a teoria acadêmica sobre os cátaros e o romance medieval, a donzela em perigo é Sofia e o bravo cavaleiro é o adepto cátaro que deve protegê-la do perigo (a Igreja). Duas das mulheres mais poderosas da Idade Média, Marie de Champagne e sua mãe Eleanor de Aquitaine (lc 1122-1204 EC) foram associadas à heresia cátara e ambas patrocinadoras de escritores de romances como Chretien de Troyes, Andreas Cappelanus , e muito provavelmente Marie de France, portanto, há algum suporte histórico para a teoria.

Quer os romances fossem obras alegóricas, sua elevação das mulheres nos mundos fictícios do herói cavalheiresco influenciou a maneira como as mulheres eram percebidas - pelo menos nas classes altas - na vida cotidiana. O gênero foi desenvolvido nos séculos 12 e 13 EC por poetas como Robert de Boron, Beroul e Thomas da Grã-Bretanha, e pelos grandes artistas alemães Wolfram von Eschenbach (l. 1170-1220 EC) e Gottried von Strassburg (c. 1210 EC), que contribuíram com aspectos significativos para a lenda arturiana.

Canterbury Tales
Contos de Canterbury
SkedO (Public Domain)

Na época do século 14 EC, no entanto, a visão medieval da mulher como propriedade foi amplamente substituída pelo novo conceito de mulher como indivíduo, exemplificado por Geoffrey Chaucer no personagem da Esposa de Bath em Os contos de Canterbury. As mulheres aparecem nas obras de Chrétien como indivíduos fortes no século 12 EC - mais famosa a personagem de Guinevere no poema Lancelot ou o Cavaleiro da Carroça - mas a Esposa de Bath é um indivíduo muito mais arredondado e completo que deve sua composição tanto a o francês fabliaux (conto contado em verso) quanto aos romances ou figuras do folclore.

A elevação da feminilidade atingiu seu ápice na poesia de Petrarca (l. 1304-1374 EC), cujos sonetos para a personalidade de Laura continuam a ressoar nos dias modernos. O trabalho de Petrarca foi tão popular em sua época que influenciou as percepções sociais não apenas das mulheres, mas da humanidade em geral, razão pela qual ele é freqüentemente citado como o primeiro autor humanista.

Enquanto os romances divertiam e edificavam, outro gênero buscava elevar e consolar: a alta visão do sonho medieval. As visões oníricas são poemas que apresentam um narrador em primeira pessoa que relata um sonho que corresponde a alguma dificuldade que está vivenciando. O mais famoso deles é A Pérola, de um autor desconhecido, Piers Plowman, de William Langland, e o Livro da Duquesa de Chaucer, todos do século 14 EC. O gênero geralmente depende de um dispositivo de enquadramento pelo qual um leitor é apresentado ao problema do narrador, é levado ao sonho e, então, trazido de volta à vida desperta do narrador.

Em A Pérola, o narrador está de luto pela perda de sua filha, tem um sonho de sua nova vida no céu, onde ela está segura e feliz, e acorda reconciliado com a perda de sua "pérola preciosa sem preço". A dor do pai é aliviada por Deus permitindo que ele veja para onde sua filha foi e como ela não deixou de existir, mas simplesmente encontrou um novo e mais brilhante lar. Piers Ploughman também revela a bondade e o amor de Deus ao sonhador, um homem chamado Will, que faz uma viagem em seus sonhos em que encontra o bom lavrador, Piers, que representa Cristo e que o ensina a viver melhor seu vida.

O Livro da Duquesa de Chaucer (seu primeiro grande poema longo, c. 1370 EC) parte do tema religioso para se concentrar na dor e na perda e em como a pessoa vive com isso. Nesta obra, o verdadeiro amor do narrador o deixou e ele não consegue dormir há anos. Ao ler um livro sobre dois amantes que se separaram pela morte, ele adormece e sonha que encontra um cavaleiro negro na floresta que lhe conta sobre seu verdadeiro amor, sua vida feliz juntos e, finalmente, sobre sua dor: sua esposa morreu. O poema explora uma questão central dos romances de amor corteses: era melhor perder um amante para a morte ou para a infidelidade? O narrador nunca responde à pergunta. Quando ele acorda do sonho, ele diz ao leitor que ficou tão surpreso com o sonho que o escreverá como um poema; ele deixa para o leitor responder à pergunta.

Dante, Florence Cathedral
Dante, Catedral de Florença
Vitosmo (CC BY-NC-SA)

A visão do sonho medieval atinge o seu ápice na Divina Comédia de Dante Alighieri (século XIV EC), na qual o poeta é levado numa viagem pelo inferno, purgatório e paraíso para corrigir o caminho em que estava e assegurar-lhe do verdade da visão cristã. A Divina Comédia não é uma visão real de um sonho - o narrador nunca afirma que adormeceu ou que os eventos são um sonho - mas Dante se vale das armadilhas do gênero para contar sua história. A Divina Comédia reflete a progressão, o tom e o efeito da alta visão do sonho medieval que os contemporâneos - e até o próprio filho de Dante - interpretaram a peça como um sonho.

Conclusão

Embora a poesia continuasse como um meio popular no final da Idade Média, mais escritores começaram a trabalhar em prosa e entre eles havia várias mulheres notáveis. Mulheres místicas cristãs como Julian of Norwich (l. 1342-1416 EC) e Catherine de Sienna (l. 1347-1380 EC) relataram suas visões em prosa e Margery Kempe (l. 1373-1438 EC) ditou suas revelações a um escriba que os registrou em prosa. Uma das escritoras mais famosas da Idade Média, Christine de Pizan (l. 1364-c.1430 EC) escreveu suas obras altamente influentes em prosa, assim como o grande artista italiano Giovanni Boccaccio (l. 1313-1375 EC), mais conhecido por sua obra-prima, o Decameron.

A lenda arturiana, desenvolvida a partir do século 12 EC em diante, foi reproduzida em prosa no Ciclo da Vulgata entre 1215-1235 EC e a versão editada conhecida como Ciclo Pós-Vulgata (c. 1240-1250 EC) que forneceu a base para a de Malory trabalhar. Le Morte D'Arthur de Malory codificou a lenda arturiana, que foi então aprimorada e retrabalhada por escritores posteriores e continua a exercer influência nos dias atuais.

Embora os estudiosos continuem a debater precisamente qual obra deve ser considerada o primeiro romance em inglês, a obra de Malory é sempre um forte candidato. William Caxton, editor de Malory, foi um dos primeiros a se beneficiar da nova impressora inventada por Johannes Gutenberg c. 1440 EC. A imprensa de Gutenberg garantiu que a literatura medieval, em grande parte anônima e gratuita para quem quisesse publicá-la, sobreviveria para influenciar gerações posteriores de leitores.

Bibliografia

Remover publicidades

Publicidade

Sobre o tradutor

Rafael de Quadros
Rafael is a Historian, Writer, Speaker, Columnist, Editor and Reviewer of Revista História Medieval, he also manages two portals of History in Brazil.

Sobre o autor

Joshua J. Mark
Escritor freelancer e ex-professor de Filosofia no Marist College, em Nova York. Joshua J. Mark viveu na Grécia e na Alemanha, viajou pelo Egito. Lecionou História, Redação, Literatura e Filosofia em várias universidades.

Cite este trabalho

Estilo APA

Mark, J. J. (2019, Março 20). Literatura Medieval [Medieval Literature]. (R. d. Quadros, Tradutor). World History Encyclopedia. Recuperado de https://www.worldhistory.org/trans/pt/1-17990/literatura-medieval/

Estilo Chicago

Mark, Joshua J.. "Literatura Medieval." Traduzido por Rafael de Quadros. World History Encyclopedia. Última modificação Março 20, 2019. https://www.worldhistory.org/trans/pt/1-17990/literatura-medieval/.

Estilo MLA

Mark, Joshua J.. "Literatura Medieval." Traduzido por Rafael de Quadros. World History Encyclopedia. World History Encyclopedia, 20 Mar 2019. Web. 23 Out 2021.