Escribas na antiga Mesopotâmia

Artigo

Joshua J. Mark
por , traduzido por Yan De Oliveira Carvalho
publicado em 20 Janeiro 2023
X
translations icon
Disponível noutras línguas: Inglês, Árabe, francês, italiano, Russo, espanhol, ucraniano

Escribas na antiga Mesopotâmia eram indivíduos altamente educados treinados em escrita e leitura em diversos assuntos. Inicialmente, seu propósito era registrar transações financeiras através do comércio, mas, com o tempo, eles eram parte integrante de todos os aspectos da vida diária, desde o palácio e o templo até a modesta aldeia ou fazenda. Eventualmente, eles criaram o que hoje é conhecido como história.

Sumerian Scribe
Escriba Sumério
Osama Shukir Muhammed Amin (CC BY-SA)

A escrita foi inventada na Suméria, Mesopotâmia, c. 3500 aC, na forma de escrita cuneiforme e refinada c. 3200 aC na cidade suméria de Uruk. Para se tornar um escriba, era preciso aprender a criar sua própria tabuleta de escrita, dominar os 600 caracteres cuneiformes e educar-se em vários campos do conhecimento, incluindo agricultura, botânica, negócios e finanças, construção, matemática, política, religião e muitos outros.

Remover publicidades
Advertisement

Os escribas eram quase sempre os filhos da classe alta e da nobreza, mas no Período Acádio (2334-2218 aC), há evidências de escribas do sexo feminino, sendo a mais famosa Enheduanna (l. 2285-2250 aC), filha de Sargão de Acádia (Sargão, o Grande, r. 2334-2279 aC). Após o Período Acádio, a escrita cuneiforme foi usada principalmente para escrever em acádio, mas um escriba ainda precisava saber sumério, que, embora tenha se tornado uma língua morta, ainda informava o acádio da mesma forma que o latim ou o sânscrito fazem com as línguas modernas.

Após a queda do Império Acádio, as outras civilizações da Mesopotâmia – incluindo os assírios, babilônios, hititas, cassitas e outros – usaram a escrita cuneiforme para escrever suas próprias línguas, mas o escriba ainda precisava conhecer o sumério e o acádio e continuava a copiar documentos do passado. Através desta prática, os escribas da antiga Mesopotâmia criaram a "história", preservando o passado na forma escrita.

Remover publicidades
Advertisement

Redação e Escolas

A escrita foi inventada pelos sumérios em resposta ao comércio de longa distância. À medida que as cidades se desenvolveram durante o Período Uruk (4100-2900 aC), e as rotas comerciais se expandiram ainda mais dos centros de produção, os comerciantes precisavam ser capazes de se comunicar com seus mercados claramente. Antes de c. 3500 aC, isso foi realizado por bullae, bolas de barro em que foram criadas fichas que representavam um determinado tipo de produto e a quantidade (como cinco fichas de cor clara representando cinco ovelhas, três fichas mais escuras significando sacos de grãos), e que eram marcadas por um selo de identificação do vendedor.

NA ÉPOCA DO INÍCIO DO PERÍODO DINÁSTICO (2900-2334 AC), AS ESCOLAS FORMAIS HAVIAM SE DESENVOLVIDO E ESTAVAM OPERANDO EM TODA A SUMÉRIA.

O selo em placa levou ao desenvolvimento do selo cilíndrico mais intrincado por volta de 7600 aC, e que veio a ser usado como uma forma de identificação pessoal. A quantidade de informação que poderia ser retransmitida pelas bullae, selo em placa e selo de cilindro, no entanto, era limitada, e assim a escrita se desenvolveu na forma de pictogramas – símbolos representando objetos – que com o tempo se tornaram fonogramas – símbolos representando sons – e depois logogramas – sinais representando palavras. Uma vez que um sistema de escrita era estabelecido, ele precisava ser preservado e assim as escolas foram estabelecidas, inicialmente em casas particulares, onde um escriba ensinaria aos alunos essa nova habilidade. Na época do início do período dinástico (2900-2334 AC), as escolas formais haviam se desenvolvido e estavam operando em toda a suméria.

Remover publicidades
Advertisement

A escrita foi inicialmente inteiramente focada em assuntos administrativos e financeiros relacionados ao comércio. À medida que a escrita cuneiforme se desenvolveu, no entanto, sua função se expandiu para incluir a comunicação de conhecimento em muitas áreas diferentes. Um escriba não só precisava saber como escrever com precisão os personagens do roteiro, mas tinha que ter conhecimento do que estava sendo escrito, e isso deu origem à escola de escribas sumérios, a edubba ("Casa das Tábuas"), cujo programa educacional continuaria ao longo da história da Mesopotâmia.

Currículo

Os alunos, inicialmente todos do sexo masculino, a menos que uma família de classe alta quisesse que sua filha seguisse uma carreira que exigisse alfabetização, assistiam às aulas do amanhecer ao anoitecer. O corpo estudantil era composto de crianças da nobreza, escribas, clérigos e da classe mercantil. A educação era voluntária e cara – o pai do aluno pagava as mensalidades e os suprimentos – e assim era negada às crianças das classes mais baixas. A exceção eram os escravos – homens e mulheres – que às vezes eram enviados por seus mestres para adquirir habilidades literárias por várias razões. A maioria dos alunos estava matriculada em uma escola por volta dos oito anos de idade e começavam sua educação aprendendo a criar um tablet de escrita e usar adequadamente uma caneta. Os alunos se formaram na escola, em geral, em seus vinte e poucos anos.

Cuneiform Tablet with Envelope from Alalakh
Tabla Cuneiforme com Envelope de Alalakh
Osama Shukir Muhammed Amin (Copyright)

Cuneiforme eram escrito fazendo impressões em forma de cunha em argila úmida, mas ao contrário de scripts modernos e materiais de escrita, o tablet teve que ser formado pelo escritor e, em seguida, ser girado em direções diferentes em uma mão, enquanto um bateu as impressões para ele usando a caneta (geralmente uma cana afiada, que o escriba também faria) com o outro. Os comprimidos podiam ser do tamanho da mão ou consideravelmente maiores. Depois de aprender o básico da técnica, os alunos começavam o processo de copiar e memorizar os diferentes sinais que compunham palavras e frases.

Remover publicidades
Advertisement

De acordo com o estudioso A. Leo Oppenheim, como explicado pelos assiriologistas Megan Lewis e Joshua Bowen de Digital Hammurabi, havia quatro tipos de tablas, que representam os quatro estágios do progresso do aluno:

  • Tipo 1: Tablas grandes e com várias colunas
  • Tipo 2: 2- Tablas de Estudante – Coluna Instrutor
  • Tipo 3: Tablas de 1 coluna com c. 25% de uma composição
  • Tipo 4: Tablas em 'forma de lentilha' com escrita básica

Tablets escavados em locais no atual Iraque e Síria, bem como outras evidências, incluindo textos sobre educação, permitiram que os estudiosos reconstruíssem os quatro estágios do programa educacional de um aluno:

  • Estágio 1: Tablas Tipo 4 - Comprimidos 'em forma de lentilha' de exercícios simples de escrita projetados para ensinar um aluno a fazer cunhas e sinais adequados.
  • Estágio 2: Tablet Tipo 2 – O instrutor escreveria no lado esquerdo do tablet e o aluno copiaria esse texto à direita, muitas vezes apagando erros – então o lado direito dos tablets encontrados atualmente é geralmente mais fino que o esquerdo devido à perda de argila. O verso da tábua continha texto que já havia sido concluído e memorizado ou, em outras palavras, uma lição anterior.
  • Estágio 3: Tabla Tipo 3 – Esses comprimidos contêm um quarto ou mais de uma composição longa que foi concluída e memorizada.
  • Estágio 4: Comprimido Tipo 1 – Composições completas foram criadas a partir da memória e demonstram um domínio da escrita cuneiforme.

Uma vez que o roteiro foi dominado e os alunos educados em leitura, matemática, história e outros assuntos, eles passaram para o Tétrade (grupos de quatro composições) de maior dificuldade que eles copiariam repetidamente, memorizariam e recitariam. O próximo curso de estudo foi a Década (grupos de dez composições) de dificuldade ainda maior. As composições da Tétrade incluíam obras como o Hino a Nisaba (deusa suméria da escrita), que é uma canção de louvor direta. A Década incluiu obras mais complexas e matizadas, como Gilgamesh e Huwawa e Song of the Hoe, que exigiram uma compreensão mais firme de estilo e interpretação.

Remover publicidades
Advertisement

Uma vez que estes fossem dominados, o aluno era obrigado a se envolver com textos ainda mais complicados, como Schooldays, Debate Entre Ovelhas e Grãos e Conselhos de um Supervisor para um Jovem Escriba, entre muitos outros. Depois de completar esta última etapa, o aluno se formava como escriba. O acadêmico Stephen Bertman comenta sobre o objetivo final do currículo:

A educação formal envolvia o domínio da alfabetização (para tarefas como manter registros comerciais, escrever e ler contratos, compor cartas, enviar mensagens militares, recitar orações e encantamentos e entender textos médicos), bem como o domínio da numeracia (para trabalhos como medir parcelas de terra e seus produtos, determinar impostos, projetar suprimentos para uma campanha militar, descobrir a quantidade de terra necessária para construir uma rampa de cerco, estimar o número de tijolos necessários para erguer um novo palácio ou fazer cálculos celestiais). Em última análise, o vocabulário especializado teria que ser dominado em áreas como astronomia, geografia, mineralogia, zoologia, botânica, medicina, engenharia e arquitetura. 302-303)

A partir do período acadiano, os alunos também precisavam dominar o sumério e o acadiano, bem como sua própria língua. Após a formatura, o escriba era formalmente conhecido em sumério como Dub.Sar ("escritor tablet" literalmente de dub=tablet e sar=escritor) ou, em acadiano, assírio e babilônico, como um Tupshar (também dado como Tupsharru), o que significava a mesma coisa. O diretor de uma escola suméria era conhecido como ummia ("especialista" ou "professor mestre"), mas uma variação deste termo também parece ter sido aplicada a um escriba altamente educado na corte ou no templo. No final do período hitita, o título tornou-se gal dubsar ("chefe dos escribas") e foi uma das posições mais importantes no governo, assim como seria no período assírio, quando a posição de tupsar ekalli ("escriba palácio") foi perdendo apenas para o rei.

[vídeo:6-2887]

A Vida do Escriba

Ao longo da longa história da Mesopotâmia, começando no início do período dinástico até o Império Sassânida (224-651 dC), os escribas foram referenciados em termos de maior respeito. Muito antes da época do Império Neo-Babilônico (626-539 aC), durante o qual os escribas eram frequentemente mencionados com grande reverência como servos do deus da escrita Nabu (que substituiu a deusa Nisaba), os escribas eram reconhecidos como uma classe social de elite. Para alcançar essa posição, no entanto, era necessário estar totalmente comprometido com a educação e estar disposto a suportar o castigo corporal diário nas mãos dos professores.

Schooldays e A Supervisor 's Advice to a Young Scribe, ambos poemas sumérios bem conhecidos, detalham os desafios que um aspirante a escriba enfrentou no curso de sua educação. Ambas as obras são entendidas como sátira, mas, como qualquer sátira, são enquadradas dentro da realidade da situação da qual estão tirando sarro. Em Schooldays, o aluno relata como ele é espancado diariamente por seus professores por infrações que vão desde atraso até má caligrafia (ter uma "mão ruim"), ficar de pé sem permissão, falar sem permissão, má postura, ausência não autorizada e sair da escola cedo sem permissão. O aspecto satírico do trabalho é como ele resolve seu problema: ele faz com que seu pai suborne seu professor com um jantar luxuoso e presentes finos para lhe dar melhores notas e menos espancamentos.

OS ESCRIBAS GERALMENTE ERAM PAGOS EM GRÃOS, CERVEJA OU QUALQUER COISA QUE UMA PESSOA PUDESSE OFERECER DE VALOR.

Em A Supervisor 's Advice to a Young Scribe, o professor relata como um aluno deve fazer exatamente como instruído por seu mentor, não descansando nem mesmo à noite em dominar o ofício, e deve aprender e obedecer a todas as regras sem questionar. As regras do edubba, não importa o quão duras possam ter parecido, foram projetadas para incentivar a disciplina e o foco nos alunos, e o professor enfatiza esses aspectos. Quando o jovem escriba no poema, recém-formado, responde ao professor, ele relata todas as tarefas que realizou bem no serviço de seu mentor, incluindo administrar seus assuntos domésticos, pagar sua equipe, preparar oferendas para o templo, supervisionar produtos agrícolas e trabalhadores e garantir controle de qualidade. É somente depois que o aluno deixou claro o quão bem ele absorveu e praticou as lições de seu professor que ele recebe a bênção de seu mentor (supervisor) como um escriba. Neste trabalho, a sátira repousa sobre como o aluno se tornou essencialmente escravo do professor para receber uma educação.

Uma vez formado, o escriba poderia trabalhar diretamente para o rei, na burocracia do palácio, no complexo do templo, em negócios privados, nas forças armadas, para empresas de construção, no comércio, como diplomata ou como professor, médico, dentista ou qualquer outra ocupação que exigisse alfabetização. Em pequenas cidades e aldeias, o escriba escrevia cartas pessoais para as pessoas e se certificava de que elas tivessem enviado a quantidade adequada de grãos ou outros produtos como impostos. Eles também ajudariam no projeto e cálculos para a construção de edifícios, valas de irrigação ou em disputas de terras entre agricultores sobre fronteiras. Os escribas geralmente eram pagãos em grãos, cerveja ou qualquer coisa que uma pessoa pudesse oferecer de valor.

Escribas Famosos

Como a maioria da população era analfabeta, as habilidades do escriba estavam em alta demanda. Os escribas às vezes são descritos como "aqueles que nunca passam fome", e muitos estavam entre as pessoas mais poderosas de sua cidade. O escriba Azi (2500 aC) é conhecido como um escriba popular na cidade de Ebla (na Síria moderna) e era conhecido como dub.zu.zu ("Aquele que conhece tábuas"), sugerindo que ele era um "chefe de escribas", mas, talvez, ainda mais altamente educado e qualificado.

Enheduanna era a alta sacerdotisa do complexo do templo de Ur, a posição religiosa mais poderosa da cidade. Ela não só manteve os registros do templo, mas é famosa por sua poesia original, orações e hinos dedicados à deusa Inanna (mais tarde conhecida como Ishtar). Enheduanna, de fato, é a primeira autora do mundo conhecida pelo nome, e suas obras influenciariam as de escritores posteriores, incluindo os escribas hebreus que escreveram os Salmos da Bíblia.

Disk of Enheduanna
Disco de Enheduanna
Zunkir (CC BY)

O escriba Arad-Nanna do Período Ur III (2047-1750 aC) também foi uma figura poderosa na cidade. Embora ele tecnicamente tenha servido aos reis da Terceira Dinastia de Ur, seu selo cilíndrico mostra-o se aproximando da figura real no trono como um igual, enquanto uma figura de deusa, de pé atrás dele, é retratada em uma pose de reverência e respeito. Shulgi de Ur (r. 2029-1982 aC) também era conhecido como um escriba que escreveu poesia e incentivou a alfabetização e o estabelecimento de escolas em todo o seu reino.

Outro escriba influente foi o babilônico Shin-Leqi-Unninni (escreveu 1300-1000 aC), que se baseou em poemas sumérios anteriores da vida do herói Gilgamesh para criar o primeiro conto épico na literatura mundial, a Epopeia de Gilgamesh. Seu trabalho também influenciaria alguns dos poemas mais famosos do mundo, incluindo, de acordo com alguns estudiosos, a Ilíada de Homero.

A maioria dos escribas criou suas obras anonimamente, no entanto, e seus nomes são desconhecidos. Por volta de 2600 aC, no entanto, os escribas às vezes assinavam seu nome em uma obra, ou seu nome seria registrado por outro para uma certa realização. Uma lista de nomes de escribas encontrados nas ruínas de Nínive relata como eles foram responsáveis por copiar e editar as obras reunidas pelo rei neo-assírio Assurbanipal (que também foi treinado como escriba) para sua biblioteca. Esses escribas teriam sido comparáveis ao sepiru ("intérprete-escriba") do período neobabilônico que trabalhou para o estado, templo ou para cidadãos privados ricos interpretando, copiando e criando livros.

Conclusão

Com o tempo, e relativamente cedo na Suméria, os escribas se tornaram autores – criadores de obras originais – de hinos a várias divindades e poemas sobre eles, incluindo os de Gilgamesh e Inanna. Os escribas eram responsáveis pelas inscrições de reis e pela criação de naru – uma estela gravada que contava os eventos do reinado de um monarca – e assim se tornaram os guardiões da história. Em algum momento por volta do segundo milênio aC, a criação de um naru misturado com energias criativas dos escribas para produzir um gênero de trabalho conhecido como literatura naru da Mesopotâmia, que apresentava um rei em um cenário fictício.

Epic of Gilgamesh Tablet from Hattusa
Epopéia de Gilgamesh Tabla de Hattusa
Osama Shukir Muhammed Amin (Copyright)

Algumas das obras mais famosas deste gênero também estão entre as mais conhecidas de toda a literatura da Mesopotâmia: A lenda de Sargon of Akkad, a Maldição de Agade, a Lenda de Cutha e a Epopeia de Gilgamesh. Em todos estes, e outros, alguma grande figura histórica enfrenta um desafio que não teve ou pode não ter na realidade, e o propósito do escriba na peça era relacionar algum valor moral, religioso ou cultural central. Desta forma, os escribas mesopotâmicos criaram a primeira ficção histórica, mas antes que pudessem fazer isso, eles tiveram que criar a história.

Antes da invenção da escrita, quaisquer eventos ocorridos eram preservados pela tradição oral, o que poderia alterar detalhes a cada nova narrativa. Depois que a escrita se desenvolveu, foi possível estabelecer eventos de uma forma que pudesse ser lida repetidas vezes da mesma maneira. Os eventos do passado eram agora acessíveis às pessoas no presente, incentivando o desenvolvimento da cultura, práticas linguísticas padrão e tradições sociais/religiosas. As histórias originais elaboradas pelos escribas impressionaram os valores da cultura naqueles que os ouviram ler, levando ao desenvolvimento da identidade pessoal e comunitária e, finalmente, à história do povo, que, com o tempo, passou a ser conhecida como 'história' – um conceito desconhecido antes do escriba mesopotâmico.

Remover publicidades
Publicidade

Perguntas e respostas

Quando as escolas escribas foram estabelecidas na antiga Mesopotâmia?

Escolas escribas foram estabelecidas na época do início do período dinástico, 2900-2334 aC. Eles continuariam através da história da Mesopotâmia até a queda do Império Sassânida em 651 EC.

Quais eram as responsabilidades dos escribas na antiga Mesopotâmia?

Escribas na Mesopotâmia foram inicialmente encarregados de registrar transações no comércio e manter registros. Eventualmente, eles se tornaram parte integrante da vida cotidiana e estavam envolvidos no comércio, correspondência real, manutenção de registros no complexo do templo, assuntos militares, correspondência de longa distância, construção de novos edifícios e preocupações agrícolas, entre muitas outras tarefas. Eles também compuseram composições originais e, essencialmente, criaram o que conhecemos como 'história'.

Quem eram os escribas mais famosos da antiga Mesopotâmia?

Alguns dos escribas mais famosos da antiga Mesopotâmia foram Azi de Ebla, Enheduanna de Ur, Arad-Nanna de Ur, Shulgi de Ur, Assurbanipal da Assíria e Shin-Leqi-Unninni da Babilônia, que compilaram e compuseram a versão padrão da Epopeia de Gilgamesh.

Como os escribas eram pagos na antiga Mesopotâmia?

Os escribas, como todos os outros na antiga Mesopotâmia, eram pagos em bens, não em cunhagem. Eles geralmente eram pagos em uma quantidade de grãos, cerveja, produtos ou qualquer outra coisa de valor.

Sobre o tradutor

Yan De Oliveira Carvalho
Yan de Oliveira Carvalho nasceu na cidade do Rio de Janeiro, Brasil. Ele possui um Bacharel em Administração de Empresas pela Universidade Estadual da Pensilvânia. Ele atualmente mora no Rio de Janeiro e trabalha como tradutor Profissional de Inglês, Espanhol e Francês para o Português.

Sobre o autor

Joshua J. Mark
Escritor freelance e ex-professor de filosofia em tempo parcial no Marist College, em Nova York, Joshua J. Mark viveu na Grécia e na Alemanha e viajou pelo Egito. Ele ensinou história, redação, literatura e filosofia em nível universitário.

Citar este trabalho

Estilo APA

Mark, J. J. (2023, Janeiro 20). Escribas na antiga Mesopotâmia [Scribes in Ancient Mesopotamia]. (Y. D. O. Carvalho, Tradutor). World History Encyclopedia. Obtido de https://www.worldhistory.org/trans/pt/2-249/escribas-na-antiga-mesopotamia/

Estilo Chicago

Mark, Joshua J.. "Escribas na antiga Mesopotâmia." Traduzido por Yan De Oliveira Carvalho. World History Encyclopedia. Última modificação Janeiro 20, 2023. https://www.worldhistory.org/trans/pt/2-249/escribas-na-antiga-mesopotamia/.

Estilo MLA

Mark, Joshua J.. "Escribas na antiga Mesopotâmia." Traduzido por Yan De Oliveira Carvalho. World History Encyclopedia. World History Encyclopedia, 20 Jan 2023. Web. 22 Abr 2024.