Literatura Mesopotâmica

Definição

Joshua J. Mark
por , traduzido por Criss Freitas
publicado em 19 Janeiro 2023
X
translations icon
Disponível noutras línguas: Inglês, Persa, espanhol
Part of Tablet V, the Epic of Gilgamesh (by Osama Shukir Muhammed Amin, Copyright)
Parte da Tábua V, a Epopéia de Gilgamesh
Osama Shukir Muhammed Amin (Copyright)

A literatura mesopotâmica antiga desenvolveu-se c. 2.600 aC, depois que escribas, que anteriormente eram mantenedores de registros, começaram a compor obras originais na região da Suméria. Os sumérios inventaram a escrita c. 3500 aC, refinou a escrita c. 3.200 aC, e os escribas podem ter começado a compor suas próprias obras antes de c. 2600 aC, mas isso não está claro.

A escrita foi criada em resposta à necessidade de comunicação a longas distâncias no comércio e, inicialmente, concentrava-se nos aspectos puramente práticos da manutenção de registros. Os escribas da antiga Mesopotâmia registravam quais mercadorias comerciais haviam sido enviadas e para qual destino, sua quantidade, finalidade e custo. Com o tempo, a escrita protocuneiforme desenvolveu-se nos 600 caracteres da escrita cuneiforme, permitindo maior liberdade de expressão, e os escribas foram então responsáveis ​​pela criação de inscrições dos reinados e feitos dos reis, entre outras obras, como documentos legais.

Remover publicidades
Advertisement

Assim que os escribas sumérios começaram a escrever, ao que parece, eles não conseguiram parar e criaram obras definidas pelos estudiosos modernos como poesia, literatura sapiencial, mitologia, ficção histórica, lendas, encantamentos, hinos, orações, meditações, contos didáticos e as primeiras visões de A Epopeia de Gilgamesh, que mais tarde seria totalmente desenvolvida pelo escriba babilônico Shin-Leqi-Unninni (escrito entre 1300-1000 aC). O sumério foi substituído como língua viva pelo acadiano após 2.334 aC, e os escribas então compuseram na escrita cuneiforme acadiana, que foi adotada e adaptada pelos babilônios, cassitas, assírios e outros.

Os estudiosos modernos às vezes incluem história e códigos legais na definição de 'literatura mesopotâmica', pois estes muitas vezes contêm referências a entidades sobrenaturais, mas para os fins deste artigo, apenas obras imaginativas serão consideradas. Na literatura mesopotâmica, as “obras imaginativas” incluem a poesia religiosa, uma vez que as palavras e feitos dos deuses foram retratados através de dispositivos poéticos e cenários imaginativos. Os trabalhos desenvolvidos nas seguintes épocas da história mesopotâmica (embora os períodos hitita e cassita não sejam abordados neste artigo devido a limitações de espaço):

Remover publicidades
Advertisement
  • Período Dinástico Inicial – 2900-2334 aC
  • Período Acadiano – 2334-2218 aC
  • Período Ur III - 2047-1750 aC
  • Antigo Período Babilônico – c. 2000-1600 aC
  • Período Hitita – 1700-1200 aC
  • Período Cassita – c.1595-c.1155 aC
  • Período Assírio – c. 1307-912 aC
  • Período Neo-Assírio – 912-612 aC
  • Período Neobabilônico – 626-539 aC
  • Período Persa-Sassânida Aquemênida – c. 550 aC-651 dC

Acredita-se que a literatura da antiga Mesopotâmia tenha influenciado as obras de outras civilizações, incluindo as do Egito, do Levante, da Grécia e de Roma.

Literatura Suméria


POR C. 2150 AC, A LITERATURA NO VERÃO FOI ESTABELECIDA ATRAVÉS DA POESIA, INCLUINDO OBRAS RELACIONADAS AO REI-HERÓI GILGAMESH.

O estudioso Jeremy Black, ao longo de seus muitos trabalhos sobre o assunto, sustentou que a literatura suméria não poderia ser datada precisamente devido à falta de referências históricas objetivas em muitas das peças. De modo geral, porém, acredita-se que os escribas sumérios tenham começado a compor literatura original c. 2600 aC. As Instruções de Shuruppag (também dadas como As Instruções de Shuruppak), a obra filosófica mais antiga existente, são geralmente datadas de c. 2.000 aC, mas de acordo com alguns estudiosos, data de c. 2.600 aC, o que a tornaria a obra escrita mais antiga existente no mundo junto com o Hino do Templo de Kesh, também datado de c. 2600 aC.

Remover publicidades
Advertisement

Tabuinhas fragmentárias de outras obras datadas do mesmo período fornecem evidências de escribas assinando seus nomes em composições originais, e por c. 2150 aC, a literatura na Suméria foi estabelecida através da poesia, incluindo obras relacionadas ao rei-herói Gilgamesh. A Epopeia de Gilgamesh é datada de c. 2150-1400 aC, embora a versão babilônica padrão do texto date de c. 1300-1000 aC, por causa dos primeiros poemas sumérios utilizados para criar essa obra:

  • Gilgamesh, Enkidu e o Submundo
  • Gilgamesh e Huwawa
  • Gilgamesh e o Touro do Céu
  • Morte de Gilgamesh
  • Eridu Gênesis

Os sumérios não só inventaram a escrita, mas também formas literárias, começando pela poesia, a forma de literatura mais antiga do mundo. Essas cinco obras tornaram-se o material original a partir do qual seria criado o gênero da poesia épica. Eridu Genesis, a primeira aparição da história do Grande Dilúvio, mais tarde influenciaria outras obras famosas, incluindo o poema egípcio O Livro da Vaca Celestial e o conto da Arca de Noé no livro bíblico do Gênesis.

Obras poéticas como O debate entre ovelhas e grãos e A canção da enxada (ambas datadas de c. 2.000 aC) estabeleceram a forma do debate literário e do poema de louvor, respectivamente, duas formas usadas repetidamente ao longo da história da Mesopotâmia e depois por outras civilizações . Poemas de louvor religioso, como o Hino a Nisaba, estabeleceram a forma para orações, salmos e hinos posteriores, enquanto outros poemas sumérios introduziram estilos, símbolos, motivos mitológicos e tipos de personagens que ressoaram na literatura da cultura mundial desde então.

Remover publicidades
Advertisement

Sumerian Hymn to Ishtar
Hino Sumério a Ishtar
Osama Shukir Muhammed Amin (Copyright)

A Descida de Inanna ( c. 1900-1600 aC) é a primeira evidência escrita da figura do deus que morre e revive (embora a história do deus egípcio Osíris possa ter existido anteriormente na forma oral). Inanna e Su-kale-tuda (c. 1800 aC) é um conto de advertência sobre a importância de tratar os outros com bondade e uma forte condenação do estupro. Schooldays (c. 2.000 aC) e A Supervisor's Advice to a Young Scribe (c. 2.000-1600 aC) são as primeiras obras-primas da sátira. O Hino a Ninkasi, Deusa da Cerveja (c. 1800 aC) combina o louvor de uma divindade com uma receita para fazer cerveja. Todas essas formas, figuras e temas, em maior ou menor grau, seriam usados por escribas mesopotâmicos posteriores, que inspiraram os de outras culturas a fazer o mesmo.

Em 2.334 aC, as cidades-estado e reinos sumérios foram conquistados por Sargão de Akkad (Sargão, o Grande, r. 2.334-2.279 aC), que estabeleceu o Império Acadiano, e, nessa época, os sumérios já haviam estabelecido há muito tempo a edubba. ("Casa das Tábuas"), a escola dos escribas que incentivava o estudo, a cópia, a memorização e a recitação de obras literárias que vão desde a criação do mundo até a vontade dos deuses, amor romântico, sexo, política, religião, e vários aspectos da vida diária.

Escribas Acadianos e Renascença Suméria

O acadiano substituiu o sumério como língua falada e escrita, mas os escribas acadianos continuaram a copiar, memorizar e expandir os textos sumérios. Os escribas estudavam ambas as línguas como parte do currículo da edubba, da mesma forma que os estudiosos posteriores na Europa estudariam o grego e o latim antigos. As obras literárias identificadas como 'acadianas' nos dias atuais são frequentemente sumérias ou babilônicas, apenas escritas em escrita cuneiforme acadiana. O cuneiforme foi inscrito fazendo marcas em forma de cunha em tábuas de argila, mas essas cunhas poderiam ser usadas para escrever qualquer uma das línguas da Mesopotâmia. O mesmo método criado pelos sumérios, portanto, continuou em uso.

Remover publicidades
Advertisement

Os escribas acadianos não eram apenas copistas, mas criaram suas próprias obras originais na forma de biografias, obras religiosas, canções de louvor e hinos. A escriba acadiana mais famosa é Enheduanna (l. 2285-2250 aC), filha de Sargão de Akkad, que escreveu 42 poemas além de suas famosas canções de louvor, incluindo o Hino a Inanna. Suas obras influenciaram o desenvolvimento da poesia religiosa posterior, principalmente os Salmos da Bíblia.

Disk of Enheduanna
Disco de Enheduanna
Zunkir (CC BY)

Um dos exemplos mais conhecidos da literatura acadiana é o Diálogo do Pessimismo (c. 1000 aC), que foi identificado como um texto babilônico reelaborado pelos escribas acadianos (como seria mais tarde pelos assírios). Esta obra de literatura sapiencial explora o significado da vida perguntando por que alguém deveria fazer alguma coisa. O poema apresenta um senhor e seu escravo em uma série de conversas em que o senhor propõe uma determinada ação, como jantar, e o escravo o incentiva; então o senhor afirma que não quer jantar e o escravo fornece razões igualmente boas para não fazê-lo. O poema é uma comédia, provavelmente encenada para um público, mas também encoraja a questionar o significado final de qualquer atividade.

O acadiano continuou em uso durante o período Ur III, também conhecido como a época da Renascença Suméria, pois esta época viu um renascimento e um interesse generalizado pela cultura e literatura suméria. Ur-Nammu (r. 2047-2030 aC), fundador da Terceira Dinastia de Ur, incentivou a alfabetização, e suas políticas foram continuadas por seu filho e sucessor, Shulgi de Ur (r. 2029-1982 aC), que foi treinado como um escriba e compôs poesia original. Uma das obras mais famosas, datada do reinado de Shulgi (embora o autor seja desconhecido) é A Morte de Ur-Nammu, em homenagem a seu pai, ao mesmo tempo que fornece uma das primeiras descrições da vida após a morte da Mesopotâmia e aborda as dificuldades em lidar com o luto - seja no plano terrestre ou no submundo.

A Praise Poem of Shulgi
Um Poema de Louvor de Shulgi
Daderot (Public Domain)

Um poema de louvor a Shulgi foi escrito para celebrar e imortalizar a famosa corrida do rei de 200 milhas (321,8 km) entre Nippur e Ur em um único dia e também é um exemplo de obras originais que homenageiam as conquistas humanas, não apenas as vitórias de um rei em batalha ou a bondade dos deuses. Canção de ninar para um filho de Shulgi é considerada a primeira canção de ninar do mundo, composta por um escriba desconhecido da corte de Shulgi, ou pelo próprio rei, para um de seus filhos. As políticas de Shulgi em relação à alfabetização levaram ao estabelecimento generalizado de escolas de escribas em todo o seu reino, o que, por sua vez, resultou numa explosão de criatividade por parte dos escribas da sua região e de outros lugares.

No início do segundo milênio aC, um novo gênero se desenvolveu, conhecido na era moderna como literatura naru mesopotâmica, que apresentava uma figura histórica famosa (geralmente um rei) em um conto de ficção. Entre as obras mais conhecidas deste gênero estão A Lenda de Cutha e A Maldição de Agade, mas, segundo alguns estudiosos, A Epopéia de Gilgamesh também é literatura naru mesopotâmica. Este gênero se desenvolveu a partir de um dever de escriba há muito estabelecido: gravar as realizações de um rei em uma estela (conhecida como naru). Na literatura mesopotâmica naru, o escriba simplesmente pegava num famoso rei histórico e inscrevia os seus feitos como sempre – só que agora esses feitos eram fictícios, e a história servia para transmitir uma lição moral em vez de glorificar o monarca. Algumas obras, de fato, apresentam o rei sob uma luz negativa. Desta forma, os mesopotâmicos inventaram a ficção histórica.

Escribas Babilônicos e as Bibliotecas

Os escribas acádios e babilônios foram educados de acordo com os preceitos estabelecidos pelos sumérios e, em cidades como Ur, Uruk e Babilônia, a alfabetização floresceu. A literatura babilônica continuou a tradição de preservar obras sumérias enquanto criava novas que influenciariam escritores posteriores. O Ludlul-Bel-Nemeqi ("Poema do Justo Sofredor"), um poema sumério datado de c. 1700 aC (e mais tarde reescrito e extensivamente desenvolvido pelos escribas babilônios c. 1307-1282 aC) é uma meditação sobre o significado do sofrimento e por que coisas ruins acontecem a pessoas boas, e é entendida como influenciando o livro bíblico posterior de Jó. Ludlul-Bel-Nemeqi, por sua vez, pode ter sido influenciado pelo Diálogo entre um Homem e Seu Deus (datado de c. 2000-1600 a.C.), que trata deste mesmo tema ou, dependendo da datação que se aceita, poderia ter sido a inspiração para esse trabalho. Os escribas teriam acesso a obras anteriores por meio de bibliotecas públicas ou de suas próprias coleções particulares.

AS BIBLIOTECAS FORAM FIRMEMENTE ESTABELECIDAS NA ÉPOCA DO ANTIGO PERÍODO BABILÔNICO, GERALMENTE COMO PARTE DO COMPLEXO DO TEMPLO.


As bibliotecas foram firmemente estabelecidas na época do Antigo Período Babilônico, geralmente como parte do complexo do templo, mas também em escolas de escribas, e era responsabilidade do bibliotecário-chefe (ou guardião da biblioteca do templo no complexo) preservar a coleção. , substitua obras perdidas ou danificadas e adicione novas obras, localizando-as e copiando-as. Um exemplo disso, entre muitos, é o poema O Pobre Homem de Nippur. A cópia existente é datada de 701 aC, mas, segundo alguns estudiosos, a história data de c. 1500 AC ou antes. É quase certo que era originalmente uma obra suméria, escrita em escrita acadiana e depois copiada para a coleção de uma biblioteca na Babilônia. O escriba Shin-Leqi-Unninni, famoso como autor de A Epopéia de Gilgamesh, teria sido um desses escribas, trabalhando para uma casa ou templo de escribas, copiando obras enquanto escrevia seus próprios originais.

Os estudiosos continuam a debater se existiam bibliotecas privadas nas casas das pessoas na antiga Mesopotâmia, mas este argumento parece inútil. Já foi estabelecido, através da escavação da biblioteca do rei neo-assírio Assurbanipal em Nínive, que algumas tabuinhas foram retiradas de bibliotecas pessoais. Assurbanipal (r. 668-627 aC), como Shulgi de Ur, foi treinado como escriba, escreveu suas próprias obras e fundou a biblioteca em Nínive para preservar toda a história e cultura da Mesopotâmia. Ele enviou seus mensageiros por todo o Império Assírio para encontrar, copiar e coletar livros. Embora obras antigas da Mesopotâmia tenham sido encontradas em muitos locais do Oriente Próximo nos dias modernos, algumas das mais importantes vieram das ruínas da biblioteca de Nínive.

Demand for Tablets for the Libary of Ashurbanipal
Demanda por Tablets para a Biblioteca de Assurbanipal
Osama Shukir Muhammed Amin (Copyright)

Obras Assírias

Assurbanipal foi o último grande rei do Império Neo-Assírio, que produziu suas próprias obras literárias, mas os escribas assírios estavam empenhados na criação de composições originais logo após (ou durante) o reinado do rei assírio Adad Nirari I (1307-1275). aC) com O Épico Adad-Nirari. As tabuinhas desta obra estão gravemente danificadas, por isso é impossível para os estudiosos modernos dizer se é estritamente histórica ou mais nos moldes da literatura naru mesopotâmica, mas a história diz respeito à vitória do rei na batalha sobre os babilônios.

OS ESCRIBES ASSÍRIOS TAMBÉM ESTAVAM TRABALHANDO REVISANDO PEÇAS SUMÉRIAS E BABILÔNICAS ANTIGAS.

Este épico pode ter sido inspirado no Texto Anitta, escrito pelo rei hitita Anitta (r. c. 1740-1725 aC), um escriba treinado e o primeiro a compor uma obra na língua hitita. O Texto Anitta registra a grande vitória militar do rei e o elogia como um poderoso guerreiro, que era o padrão das inscrições dos reinados do rei, mas as partes legíveis do Épico Adad-Nirari parecem semelhantes ao Texto Anitta, embora haja uma ligação definitiva entre os dois é puramente especulativo.

Uma obra assíria mais completa é o Épico Tukulti-Ninurta (c. 1200 aC), apresentando o rei Tukulti-Ninurta I (r. 1244-1208 aC) e elogiando sua vitória sobre o rei cassita Kashtiliash IV (r. c. 1232-1225 aC) que governou da Babilônia. Nesta obra, Kashtiliash IV rompe seu tratado com Tukulti-Ninurta I, e este mostra misericórdia, na esperança de evitar o conflito armado. Quando Kashtiliash IV recusa suas propostas de paz, Tukulti-Ninurta I lidera seu exército contra o rei cassita, derrota-o e traz os despojos da guerra de volta para sua capital, onde são oferecidos em homenagem aos deuses.

Ambos os épicos concentram-se em vitórias militares, mas os escribas assírios também estavam trabalhando na revisão de peças anteriores da Suméria e da Babilônia, bem como na continuidade de seus deveres regulares. Entre as mais importantes delas, para o escriba do palácio, estava garantir que as inscrições do rei fossem gravadas em tempo hábil e o melhor exemplo disso é a história da maior festa já realizada: o Festival Kalhu de Ashurnasirpal II de 879 aC. Assurnasirpal II (r. 884-859 aC) deu sua grande festa para inaugurar sua nova cidade de Kalhu e então encarregou seus escribas de imortalizar o evento por escrito. História, códigos legais, documentos agrícolas, documentos legais, decretos políticos e outros ainda ocupavam os escribas e, ainda assim, para seu crédito, eles arranjaram tempo para trabalhar no seu ofício na criação de composições originais.

Entre os mais famosos do período assírio está A Epopéia de Ishtar e Izdubar (também conhecida como A Epopéia de Izdubar) datada do reinado do rei neo-assírio Sargão II (722-705 aC) e encontrada nas ruínas de sua cidade de Dur-Sharrukin. A obra é uma releitura de A Epopéia de Gilgamesh, mas traz mudanças significativas. Em Gilgamesh, o companheiro do herói é o selvagem Enkidu, aqui ele é o sábio Heabani. Os heróis não derrotam o monstro-demônio Humbaba nesta versão, mas um rei chamado Khumbaba. Também não há menção ao Grande Dilúvio. Os escribas assírios retrabalharam muitas peças anteriores, incluindo a Descida de Inanna, que transformaram em Descida ao Submundo de Ishtar.

Goddess Ishtar descent to the underworld tablet
Tábua da descida da Deusa Ishtar ao submundo
Osama Shukir Muhammed Amin (Copyright)

Conclusão

Os persas continuaram a mesma tradição de alfabetização e preservação do passado, mas a definição de 'literatura persa' é debatida por estudiosos modernos. Alguns estudiosos afirmam que a literatura persa data de c. 522 aC e a Inscrição Behistun de Dario I (o Grande, r. 522-486 aC), enquanto outros citam a destruição da biblioteca em Persépolis c. 330 aC por Alexandre, o Grande, que eliminou qualquer evidência das primeiras obras literárias persas. Esses estudiosos afirmam que a literatura persa só pode ser datada da época do Império Sassânida (224-651 dC), quando o Avesta foi escrito e a visão do Zoroastrismo inspirou obras poéticas e comentários. A maioria dos estudiosos data a literatura persa de c. 750 até o século 15 dC, começando com a ascensão da Dinastia Abássida.

A longa tradição literária da Mesopotâmia foi continuada pelos persas, no entanto, e o legado da narração de histórias foi honrado ainda mais no período medieval através da obra épica Shahnameh – O Livro Persa dos Reis – do poeta Abolqasem Ferdowsi entre 977-1010 dC. O Shahnameh, assim como a Epopéia de Gilgamesh, é reconhecido como uma das maiores obras da literatura mundial, inspirando muitas outras que continuam a envolver os leitores nos dias atuais. Estas peças, no entanto, e muitas outras, nunca teriam existido se os antigos escribas sumérios não tivessem, num passado distante, deixado de lado as tarefas mundanas da vida quotidiana para se dedicarem à criação de obras de imaginação.

Remover publicidades
Publicidade

Perguntas e respostas

Quando a literatura mesopotâmica antiga foi escrita pela primeira vez?

A literatura mesopotâmica antiga data de c. 2600 aC.

Qual é a literatura mesopotâmica mais famosa?

A Epopéia de Gilgamesh é a obra mais famosa da antiga literatura mesopotâmica.

Qual é a obra literária mais antiga do mundo?

A Epopéia de Gilgamesh é a obra literária mais antiga do mundo datada de c. 2100 aC. As Instruções de Shuruppag são a obra filosófica mais antiga do mundo e possivelmente a obra escrita mais antiga datada de c. 2.600 ou 2.000 aC.

Quais são as contribuições da literatura mesopotâmica?

Os mesopotâmios inventaram a escrita, mas também inventaram os gêneros de poesia, drama, ficção histórica, literatura sapiencial, diálogo poético, poema épico, sátira, poesia religiosa e muitos outros. A literatura mundial não existiria como existe sem a antiga literatura mesopotâmica.

Sobre o tradutor

Criss Freitas
Professora de Língua e Literatura Portuguesa e Inglesa, com pós-graduação em Metodologia do Ensino da Língua Inglesa. É também blogger em www.universoarabe.com e investigadora de Língua e Cultura Árabe e História Antiga.

Sobre o autor

Joshua J. Mark
Escritor freelance e ex-professor de filosofia em tempo parcial no Marist College, em Nova York, Joshua J. Mark viveu na Grécia e na Alemanha e viajou pelo Egito. Ele ensinou história, redação, literatura e filosofia em nível universitário.

Citar este trabalho

Estilo APA

Mark, J. J. (2023, Janeiro 19). Literatura Mesopotâmica [Mesopotamian Literature]. (C. Freitas, Tradutor). World History Encyclopedia. Obtido de https://www.worldhistory.org/trans/pt/1-21465/literatura-mesopotamica/

Estilo Chicago

Mark, Joshua J.. "Literatura Mesopotâmica." Traduzido por Criss Freitas. World History Encyclopedia. Última modificação Janeiro 19, 2023. https://www.worldhistory.org/trans/pt/1-21465/literatura-mesopotamica/.

Estilo MLA

Mark, Joshua J.. "Literatura Mesopotâmica." Traduzido por Criss Freitas. World History Encyclopedia. World History Encyclopedia, 19 Jan 2023. Web. 22 Abr 2024.