Roteiro

Definição

Joshua J. Mark
por , traduzido por Sofia Boff
publicado em 30 Janeiro 2023
X
translations icon
Disponível noutras línguas: Inglês, francês, espanhol, Turco
Cuneiform Writing (by Jan van der Crabben, CC BY-NC-SA)
Escrita Cuneiforme
Jan van der Crabben (CC BY-NC-SA)

Script é a expressão escrita de uma linguagem. Cuneiforme a primeira escrita, foi inventada na Suméria, Mesopotâmia c. 3500aC, hieróglifos em algum momento antes do início do período dinástico no Egito ( c. 3150-2613 aC) e sânscrito na Índia durante o período védico (c. 1500 a c 500aC.) A escrita foi posteriormente adotada por outras culturas permitindo o desenvolvimento da civilização.

O período anterior à invenção da escrita é conhecido como pré-histórico, quando não havia registro escrito do pensamento e ação humanos. Os arqueólogos reconstroem essa era por meio de evidências físicas, como bens funerários, locais como Banpo Village na China ou Skara Brae na Escócia, imagens nas paredes das cavernas e antigos depósitos de lixo. Depois que a escrita foi inventada, no entanto, uma história escrita de uma civilização tornou-se disponível para complementar e esclarecer como as pessoas viviam e pensavam e, juntas, isso fornece ao mundo moderno sua história.

Remover publicidades
Advertisement

Roteiro desenvolvido desde sistemas de escrita simples até sistemas de escrita mais complexos:

  • Pictográfico (um símbolo para um objeto, palavra ou frase)
  • Ideográfico (um símbolo para um objeto ou conceito, como o sinal % para porcentagem)
  • Logográfico (um símbolo para uma palavra ou frase inteira)
  • Fonográfico (um símbolo que representa um som)
  • Alfabético (menos de 100 símbolos (letras) usados ​​para formar palavras que representam objetos e conceitos)

Os três últimos ainda são usados ​​em línguas escritas hoje, como chinês (logográfico), russo (fonográfico) e inglês (alfabético). Os estudiosos continuam a debater se a Mesopotâmia, o Egito ou a Civilização do Vale do Indo foram os primeiros a inventar a escrita, mas geralmente acredita-se que ela tenha se originado na Suméria. Uma vez inventado, foi desenvolvido por outras civilizações para comunicação, manutenção de registros relacionados ao comércio e crença religiosa, mas, com o tempo, viria a preservar todos os aspectos da condição humana.

Mesopotâmia e o nascimento da escrita

A ESCRITA FOI INVENTADA PELA PRIMEIRA VEZ NA SUMÉRIA C. 3500 AC E REVISADO C. 3200 AC NA CIDADE DE URUK.

A escrita foi inventada pela primeira vez na Suméria c. 3500 aC e revisado c. 3200 aC na cidade de Uruk. Embora o povo da Civilização do Vale do Indo (c. 7000-c. 600 aC) seja às vezes citado como o primeiro, a escrita do Indo não foi decifrada e as inscrições mais antigas são datadas do meio ou da última parte do início do período Harappan ( c. 5500-2800 aC), após c. 3500 aC. Naquela época, a escrita proto-cuneiforme já havia sido inventada na Mesopotâmia, bem como os carimbos de impressão conhecidos como selos cilíndricos, datados de c. 7600-6000 aC. O estudioso Stephen Bertman comenta sobre a origem da escrita na Mesopotâmia:

Remover publicidades
Advertisement

Por mais vasto e impressionante que tenha sido seu impacto, as origens da escrita foram simples e humildes. A própria terra foi o seu berço: o barro encontrado à beira dos rios foi moldado nas mãos para formar pequenas placas em forma de travesseiro para escrever, enquanto os juncos que cresceram nas margens dos rios se tornaram ferramentas. Com as partes superior e inferior da haste cuidadosamente cortadas, a palheta tornou-se um estilete e adquiriu uma seção transversal triangular que podia ser pressionada na argila macia. Os recortes em forma de cunha mais tarde deram origem a um nome para esse estilo de escrita, "cuneiforme", da palavra latina "cuneus" para cunha. (144)

A escrita foi inventada para atender às necessidades que surgiram do comércio na antiga Mesopotâmia, como Bertman observa:

Uma coisa é quase certa: a necessidade foi a mãe da invenção. À medida que cada cultura se tornou econômica e politicamente complexa perto do quarto milênio aC, a escrita foi concebida como uma forma de manter registros. Cada nação encontrou em seu ambiente natural as matérias-primas de que necessitava para se alfabetizar. (144)

Na Mesopotâmia, isso começou no período de Uruk (4100-2900 aC) e foi totalmente desenvolvido no início do período dinástico (2900-2334 aC). A edubba ("Casa das Tábuas") era a escola de escribas onde a escrita era ensinada e refinada ainda mais, de modo que, por c. 2600 aC, a literatura foi produzida e as atividades da vida diária registradas. As Instruções de Shuruppag , o texto filosófico mais antigo do mundo, geralmente são datadas de c. 2000 aC, mas pode ser tão antigo quanto c. 2600 aC e a primeira aparição do herói-rei Gilgamesh data de c. 2150 aC.

Remover publicidades
Advertisement

The Instructions of Shuruppag
As Instruções de Shuruppag
Daderot (Public Domain)

À medida que a escrita se desenvolveu como um ofício, ela exigia sua própria divindade padroeira, inicialmente imaginada como a deusa suméria Nisaba e, mais tarde, o deus babilônico Nabu. Essas divindades, como as de outras civilizações, foram pensadas para inspirar escribas com a capacidade de capturar conceitos no roteiro e preservá-los para as gerações futuras aprenderem. A capacidade de escrever e ler textos, em qualquer cultura, era altamente considerada e as obras agora conhecidas como literatura eram regularmente atribuídas à inspiração e orientação divinas, conforme observado pelo estudioso Will Durant:

A literatura é, a princípio, mais palavras do que letras, apesar de seu nome; surge como cantos clericais ou encantos mágicos, recitados geralmente pelos sacerdotes e transmitidos oralmente de memória para memória. Carmina , como os romanos chamavam a poesia, significava versos e encantos; ode , entre os gregos, significava originalmente um feitiço mágico; assim como o inglês rune e lay , e o alemão Lied. Ritmo e métrica, sugeridos, talvez, pelos ritmos da natureza e da vida corporal, aparentemente foram desenvolvidos por mágicos ou xamãs para preservar, transmitir e aprimorar os encantamentos mágicos de seus versos. A partir dessas origens sacerdotais, o poeta, o orador e o historiador foram diferenciados e secularizados: o orador como laude oficial do rei ou procurador da divindade; o historiador como o registrador dos feitos reais; o poeta como o cantor de cantos originalmente sagrados, o formulador e preservador de lendas heróicas, e o músico que colocou seus contos em música para a instrução da população e dos reis. (77)

A escriba mesopotâmica mais conhecida por suas obras literárias foi a alta sacerdotisa Enheduanna (l. 2285-2250 aC), filha de Sargão de Akkad (Sargão, o Grande, r. 2334-2279 aC), o primeiro autor no mundo conhecido por nome. Inicialmente, a escrita cuneiforme foi usada para escrever a língua suméria, mas durante e após o período acadiano (2334-2218 aC), funcionou também para escrever o acadiano e, mais tarde, as outras línguas das civilizações da Mesopotâmia.

Hieróglifos egípcios

Esse mesmo paradigma do desenvolvimento da escrita é visto em outras culturas antigas. No antigo Egito, também foi inventado para transmitir informações sobre mercadorias no comércio de longa distância. A escrita pictográfica mais antiga data do período pré-dinástico no Egito (c. 6000 a c. 3150 aC) e se desenvolveu na escrita hieroglífica no início do período dinástico, como evidenciado na forma de listas de oferendas encontradas em túmulos.

Remover publicidades
Advertisement

Egyptian Hieroglyphics
Hieróglifos egípcios
Jan van der Crabben (CC BY-NC-SA)

Como na Mesopotâmia, os egípcios atribuíam aos deuses o dom da escrita, e suas divindades literárias eram Thoth e Seshat. Seshat não apenas inspirou os escribas egípcios, mas manteve suas obras em uma biblioteca celestial onde se pensava que seriam preservadas por toda a eternidade, encorajando a crença na escrita como um meio de imortalidade. A esperança de vida eterna pelo trabalho, porém, só estava aberta ao escriba que escrevia no espírito da verdade, ou seja, que se informava sobre o assunto e cujo trabalho estimulava o reconhecimento dos valores culturais. A estudiosa Margaret Bunson comenta:

[No antigo Egito, Thoth criou a escrita.] Ele era considerado habilidoso em magia e tornou-se o patrono de todos os escribas da nação. Thoth aparece nas lendas de Hórus e foi retratado em todas as épocas como o deus que "amava a verdade e odiava a abominação". (Bunson, 264)

Antes que os escribas egípcios pudessem escrever qualquer coisa, no entanto, eles precisavam de algo para escrever. Os primeiros pictogramas egípcios foram esculpidos em rochas e pintados em túmulos, e a escrita hieroglífica primitiva seguiu esse mesmo padrão, até a invenção de outros materiais. Bertman observa:

Mais ou menos na mesma época da história [quando os sumérios criaram a escrita], a escrita foi inventada no vale do Nilo. Ali os egípcios faziam uso de uma planta que crescia em abundância nas margens do rio, o papiro. De sua polpa fibrosa, martelada e seca ao sol, eles fizeram o primeiro papel do mundo. De fato, nossa palavra "papel" vem da antiga palavra "papiro". Das fibras soltas nas pontas dos caules da planta, os egípcios faziam pincéis que usavam para aplicar tinta no papel. (144)

Inicialmente, a escrita era usada para escrever listas de oferendas, um inventário do que era devido ao falecido, escrito nas paredes de seus túmulos. Essas listas podiam crescer bastante e muitas vezes incluíam detalhes da vida da pessoa e uma oração por ofertas. Essas primeiras listas inspiraram as primeiras obras escritas em papiro – orações e autobiografias – que eventualmente se desenvolveriam na literatura egípcia. As obras dos escribas egípcios eram ficção e não-ficção, religiosas e seculares, mas, em qualquer coisa escrita, eram entendidas como representando a verdade de seu assunto. A escrita era um ofício sagrado no Egito, e sua escrita era conhecida como medu-netjer ("palavras dos deuses"), traduzida pelos gregos como hieróglifos ("esculturas sagradas").

Remover publicidades
Advertisement

Escritas chinesas e sânscrito

A associação do escriba com a verdade, com a escrita como reveladora e preservadora da verdade, também foi uma constante em outras culturas. Na China, a escrita mais antiga aparece durante a Dinastia Shang (1600-1046 aC), por volta do ano 1200 aC, por meio do uso de ossos oraculares na prática da adivinhação. Perguntas, em forma de pictogramas, eram esculpidas no casco de uma tartaruga ou no osso de um animal, e esse objeto era então exposto a um calor intenso. As rachaduras resultantes na casca ou no osso forneceriam ao adivinho uma resposta à pergunta feita.

Chinese Oracle Bone
Oráculo Chinês
BabelStone (CC BY-SA)

Essa resposta, no entanto, não veio do adivinho mortal, mas do reino divino e, portanto, era uma verdade reconhecível. Desde o início, a escrita evoluiu para a expressão escrita da língua falada da China. Os quatro primeiros scripts chineses foram:

  • Jiaguwen - pictográfico (usado em ossos de oráculo)
  • Dazhuan - pictográfico, mas mais refinado, desenvolvido c. 1000-700 aC, também conhecida como escrita do Selo Maior
  • Xiaozhuan – logográfico, desenvolvido c. 700 aC, também conhecido como script Lesser Seal
  • Lishu – logográfico, desenvolvido c. 500 aC, também conhecido como script Clerky, pois era usado por burocratas do governo

Os scripts posteriores incluíram Kaishu, Xingshu e Caoshu, todos desenvolvidos durante a dinastia Qin (221-206 aC) e a dinastia Han (206 aC-220 dC). Como no Egito e na Mesopotâmia, esperava-se que os escribas chineses representassem a verdade em sua escrita, o que significava estar informado sobre o assunto, e assim, em qualquer cultura, um escriba não era apenas alfabetizado, mas altamente educado. A escrita chinesa foi adotada pelo Japão, Coréia, Vietnã e Khitan da Mongólia, bem como informando a Escrita Tangut do Tibete. À medida que a escrita se espalhou, o mesmo aconteceu com o conceito do escriba educado e informado.

A escrita como uma representação da verdade e inspirada pelos deuses é resumida no Rig Veda, a mais antiga das escrituras hindus conhecidas como Vedas, do período védico. A escrita sânscrita desenvolvida na Índia por meio dos indo-arianos ( ariano significa "livre" ou "nobre" e não tem nada a ver com raça) e os Vedas - que se acredita serem as palavras reais do Universo - foram transmitidos pela tradição oral antes de se comprometerem a escrever começando c. 1500 aC.

The Vedas (Rig-veda)
Os Vedas (Rig-veda)
BernardM (CC BY-SA)

O Rig Veda, composto por 10 livros de hinos, aborda as questões filosóficas básicas da existência humana, incluindo "Qual é a fonte da vida?" e "Como surgiu o mundo?" Essas perguntas foram claramente feitas, e suas respostas debatidas, por algum tempo antes do Período Védico, mas uma vez que o roteiro desenvolvido, o trabalho escrito poderia ser referenciado e outros então criados como comentários. Por este processo, os outros Vedas foram escritos, bem como comentários posteriores sobre eles. O sânscrito também permitia as crenças codificadas de Charvaka, jainismo e budismo.

Fenícia, Grécia e Roma

Os antigos gregos também usaram a escrita desde cedo para preservar suas crenças religiosas. O texto conhecido como The Room of the Chariot Tablets , o mais antigo trabalho conhecido escrito na escrita Linear B, data de c. 1400-1200 aC durante o período da civilização micênica (c. 1700-1100 aC). A outra escrita grega antiga, a escrita Linear A, permanece indecifrada. The Room of the Chariot Tablets , embora não seja um texto estritamente religioso, lista muitas das divindades que aparecem no Panteão grego do período clássico posterior.

Linear B Clay Tablet
Tabuleta de argila linear B
vintagedept (CC BY)

O alfabeto fenício foi desenvolvido por c. 1100 aC, adotado pelos gregos nos séculos 9 a 8 aC e substituiu a escrita Linear B. A Ilíada e a Odisséia de Homero, bem como Trabalhos e Dias e a Teogonia de Hesíodo, todos datados de c. século 8 aC, foram escritos no alfabeto grego conforme informado pelo sistema fenício. De acordo com Heródoto (lc 484-425-413 aC), o alfabeto foi trazido para a Grécia pelo fenício Cadmo, mais conhecido como um dos primeiros heróis gregos e lendário fundador de Tebas:

Os fenícios que vieram para a Grécia com Cadmus… acabaram vivendo nesta terra e apresentando aos gregos uma série de habilidades, principalmente o alfabeto, que, até onde eu sei, os gregos não tinham antes disso. A princípio, as letras que eles usavam eram as mesmas de todos os fenícios de todos os lugares, mas com o passar do tempo, junto com o som, eles mudaram a maneira como escreviam as letras também. (V.58, Waterfield, 324)

A escrita alfabética grega desenvolveu-se aproximadamente no mesmo período que a escrita etrusca e essas duas, junto com o sistema fenício, informaram a escrita latina de Roma. Embora não haja conexão entre o latim e a escrita cuneiforme da antiga Mesopotâmia, o conceito de representar a linguagem na escrita se espalhou da Suméria para o antigo Mediterrâneo e, em outras regiões (como África, Ásia e Mesoamérica), desenvolveu-se por conta própria. A escrita latina serviu ao mesmo propósito que o sânscrito ou cuneiforme, como observa Durant:

Como o comércio conectava tribos de diversas línguas, algum modo de registro e comunicação mutuamente inteligível tornou-se desejável. Presumivelmente, os numerais estavam entre os primeiros símbolos escritos, geralmente assumindo a forma de marcas paralelas representando os dedos; ainda os chamamos de dedos quando falamos deles como dígitos. Palavras como cinco , o alemão funf e o grego pente remontam a uma raiz que significa mão ; então os numerais romanos indicavam dedos, 'V' representava uma mão expandida e 'X' eram apenas dois 'V's' conectados em seus pontos. A escrita foi em seus primórdios uma forma de desenho, uma arte. (76)

Essa arte da escrita viria a produzir algumas das peças de escrita mais significativas da história do mundo. Da Epopeia de Gilgamesh ao Hino a Inanna de Enheduanna ao Livro Egípcio dos Mortos , os Analectos de Confúcio , o Mahabharata e o Bhagavad-Gita , a Eneida de Virgílio, bem como os acordos comerciais, correspondência e outras obras escritas por para os povos da Mesopotâmia, Egito, China, Grécia, Índia, Roma e todas as outras culturas do mundo antigo, a escrita possibilitava não apenas a comunicação, mas também a preservação; e a preservação do passado estabeleceu a cultura de alguém.

Conclusão

A escrita serviu para comunicar os aspectos mais profundos e práticos da condição humana. Da simples necessidade de se comunicar à distância, os sistemas de escrita tornaram-se o meio pelo qual as pessoas preservaram o conhecimento do passado, grandes avanços, decepções e desastres, oferecendo aos que estão no presente a possibilidade de aprender com o passado lendo sobre eventos anteriores e ouvindo vozes mais velhas , como Bertman observa:

A invenção da escrita foi uma das maiores conquistas da Mesopotâmia. Facilitou a organização e o gerenciamento da sociedade e serviu como o principal instrumento pelo qual uma civilização complexa poderia surgir. Por fim, tornou-se o meio pelo qual a experiência e a sabedoria coletivas das pessoas eram transmitidas transgeracionalmente. Embora as línguas e escritas da Mesopotâmia tenham sido extintas, sua invenção da escrita perdurou como seu legado mais duradouro para o mundo moderno. (144)

Um sistema de escrita é listado como um dos cinco fatores necessários para o desenvolvimento da civilização. Embora frequentemente subestimada nos dias de hoje, a escrita tem sido vital para o progresso da humanidade, fornecendo às pessoas um passado para aprender e construir enquanto, ao mesmo tempo, introduz e preserva conceitos que são completamente novos ou explora questões que têm sido solicitados por milênios. Das tabuletas de argila e juncos da Mesopotâmia aos e-mails e e-books modernos, a escrita permite que alguém comunique pensamentos com outras pessoas que nunca encontrará em distâncias e entre lugares que os próprios escritores talvez nunca vejam. Para os povos antigos, este era um presente dos deuses para ser reverenciado e, para muitos nos dias atuais, continua sendo assim.

Remover publicidades
Publicidade

Perguntas e respostas

O que é script e por que é importante?

Script é a expressão escrita de uma linguagem. É importante porque permitiu o desenvolvimento da civilização.

Qual é a escrita mais antiga do mundo?

A escrita mais antiga do mundo é a cuneiforme, inventada na Suméria, Mesopotâmia, c. 3500 aC e revisado na cidade suméria de Uruk c. 3200 aC.

Por que a escrita foi inventada?

A escrita foi inventada para permitir a comunicação no comércio de longa distância.

Como a escrita se espalhou pelo mundo antigo?

A escrita se espalhou pelo comércio. Não há correlação direta entre a escrita cuneiforme e outras, mas o conceito de um sistema de escrita se espalhou do Oriente Próximo para outras culturas que o adotaram.

Sobre o tradutor

Sofia Boff
Uma jovem com pouca experiência, mas esperta. Desde criança fui atraída por outras línguas e pela história de onde viemos.

Sobre o autor

Joshua J. Mark
Escritor freelance e ex-professor de filosofia em tempo parcial no Marist College, em Nova York, Joshua J. Mark viveu na Grécia e na Alemanha e viajou pelo Egito. Ele ensinou história, redação, literatura e filosofia em nível universitário.

Citar este trabalho

Estilo APA

Mark, J. J. (2023, Janeiro 30). Roteiro [Script]. (S. Boff, Tradutor). World History Encyclopedia. Obtido de https://www.worldhistory.org/trans/pt/1-71/roteiro/

Estilo Chicago

Mark, Joshua J.. "Roteiro." Traduzido por Sofia Boff. World History Encyclopedia. Última modificação Janeiro 30, 2023. https://www.worldhistory.org/trans/pt/1-71/roteiro/.

Estilo MLA

Mark, Joshua J.. "Roteiro." Traduzido por Sofia Boff. World History Encyclopedia. World History Encyclopedia, 30 Jan 2023. Web. 02 Mar 2024.