Os Sumérios

Definição

Joshua J. Mark
por , traduzido por Criss Freitas
publicado em 09 Outubro 2019
X
translations icon
Disponível noutras línguas: Inglês, francês, grego, Persa, Russo, espanhol
Detail of the War Scene of the Standard of Ur Showing Sumerian Warriors (by Osama Shukir Muhammed Amin, Copyright)
Detalhes da cena de guerra do padrão de Ur, mostrando guerreiros sumérios
Osama Shukir Muhammed Amin (Copyright)

Os sumérios eram o povo do sul da Mesopotâmia, cuja civilização floresceu entre c. 4100-1750 aC. O nome deles vem da região que é frequentemente - e incorretamente - referida como um "país". Sumer nunca foi uma entidade política coesa, no entanto, mas uma região de cidades-estados com seu próprio rei.

A Suméria era a contraparte do sul da região norte de Acádia, cujo povo deu à Suméria o nome, o que significa "terra dos reis civilizados". Os próprios sumérios se referiram à sua região simplesmente como "a terra" ou "a terra do povo de cabeça negra".

Remover publicidades
Advertisement

Os sumérios foram responsáveis por muitas das inovações, invenções e conceitos mais importantes, usados nos dias atuais. Eles essencialmente "inventaram" o tempo dividindo dia e noite em períodos de 12 horas, horas em 60 minutos e minutos em 60 segundos. Suas outras inovações e invenções incluem as primeiras escolas, a versão mais antiga do conto da grande inundação e outras narrativas bíblicas, a mais antiga épica heróica, burocracia governamental, arquitetura monumental e técnicas de irrigação.

Após a ascensão dos amorreus na Mesopotâmia e a invasão dos elamitas, a Sumer deixou de existir e só era conhecida através de referências nas obras de escritores antigos, incluindo os escribas que escreveram o Livro Bíblico de Gênesis. A Sumer permaneceu desconhecida até meados do século XIX, quando as escavações na Mesopotâmia descobriram sua civilização e trouxeram suas muitas contribuições à luz.

Remover publicidades
Advertisement

Sumerian Votive Plaque
Placa votiva suméria
Osama Shukir Muhammed Amin (Copyright)

Desenvolvimento e 39 primeiros

Ao longo do século 19, os arqueólogos europeus desceram para o Oriente Próximo em busca de cidades antigas, túmulos e artefatos. Nenhum deles foi para a Mesopotâmia para procurar cidades sumérios porque ninguém sabia que a civilização jamais existia - eles estavam procurando escavar sites mencionados na Bíblia, como Babylon e Nínive e um lugar misterioso chamado Shinar - mas eles encontraram muito mais do que eles estavam esperando.

Ninguém sabe de onde vieram os sumérios, mas, por c. 2900 aC, eles foram firmemente estabelecidos no sul da Mesopotâmia. A história desta região é dividida por estudiosos modernos em seis épocas:

Remover publicidades
Advertisement
  • O período de al-Ubaide - c. 5000-4100 aC
  • O período de Uruque - 4100-2900 aC
  • O período Pré Dinástico -2900-2334 aC
  • O período do Acádio -2334-2218 aC
  • O período Gutiano - c. 2218-2047 AC
  • O período Terceira Dinástia de Ur (também conhecido como Renascença Suméria)-2047-1750 aC

As origens do povo do período al-Ubaide também são desconhecidas - assim como a cultura deles -, mas deixaram para trás alguns artefatos intrigantes e provavelmente fundaram as primeiras comunidades que se transformaram nas cidades posteriores e se transformaram em cidades -estados durante o período de Uruque. O Período Pré Dinástico viu a ascensão dos reis, o estabelecimento do governo e da burocracia e o conflito entre os estados da cidade suméria para os direitos da terra e da água. As cidades sumérias estavam periodicamente unidas sob um único rei, como no caso de Enmebaragesi de Quis, que levou a Suméria contra Elão na primeira guerra registrada na história no c. 2700 aC. Os sumérios foram vitoriosos e saquearam as cidades de Elão.

A Suméria foi finalmente conquistada por Sargão da Acádia (R. 2334-2279 AEC), que o tornou o núcleo de seu império multinacional.

O rei posterior Eannatum reconquistaria partes de Elão em c. 2500 aC e Lugalzagesi faria o mesmo em c. 2330 aC, mas esses reis nunca poderiam controlar completamente as cidades-estados sumérias. A Suméria foi finalmente conquistada por Sargão da Acádia (r. 2334-2279 aC), que a tornou o núcleo de seu império multinacional. Ele manteve o controle da região, colocando funcionários confiáveis em posições poderosas em cada cidade-incluindo sua filha, Enhaneduanna (l. 2285-2250 AEC), a alta sacerdotisa da deusa Inanna em Ur (famosa por seus próprios méritos como a primeira autora do mundo conhecida pelo nome). O Império Acadiano manteve a região até a invasão dos gutianos que governaram até que fossem expulsos por Ur-nammu (r. 2047-2030 AEC) e seu filho Shulgi de Ur (r. 2029-1982 aC), que foram responsáveis pelo chamado Renascimento Sumério, que viu um renascimento da cultura suméria após as conquistas acadiana e gutiana.

Sumerian Civilization, c. 4300 - 2335 BCE
Civilização suméria, c. 4300 - 2335 a.C.
Simeon Netchev (CC BY-NC-SA)

As cidades sumerianas, antes e depois das conquistas, ficaram ricas com o comércio. A estabilidade relativa das cidades incentivou o crescimento cultural, inovação e invenção. O estudioso Samuel Noah Kramer, em seu trabalho icônico: A História Começa na Suméria, explora os 39 “primeiros” no mundo que se originaram com os Sumérios:

Remover publicidades
Advertisement
  1. As primeiras escolas
  2. O primeiro caso de 'polimento de maçã'
  3. O primeiro caso de delinquência juvenil
  4. A primeira 'guerra de nervos'
  5. O primeiro congresso bicameral
  6. O primeiro historiador
  7. O primeiro caso de redução de impostos
  8. O primeiro 'Moisés'
  9. O primeiro precedente legal
  10. A primeira farmacopeia
  11. O primeiro 'almanaque do fazendeiro'
  12. O primeiro experimento em jardinagem de árvores de sombra
  13. Primeira cosmogonia e cosmologia do homem
  14. Os primeiros ideais morais
  15. O primeiro 'trabalho'
  16. Os primeiros provérbios e dizeres
  17. As primeiras fábulas de animais
  18. Os primeiros debates literários
  19. Os primeiros paralelos bíblicos
  20. O primeiro 'Noé'
  21. A primeira história da ressurreição
  22. O primeiro 'São Jorge '
  23. O primeiro caso de empréstimos literários
  24. Primeira era heróica do homem
  25. A primeira canção de amor
  26. O primeiro catálogo da biblioteca
  27. Primeira Era de Ouro do homem
  28. A primeira sociedade 'doente'
  29. As primeiras lamentações litúrgicas
  30. O primeiro messias
  31. O primeiro campeão de longa distância
  32. As primeiras imagens literárias
  33. O primeiro simbolismo sexual
  34. A primeira (pintura) da Mãe Dolorosa
  35. A primeira canção de ninar
  36. O primeiro retrato literário
  37. As primeiras elegias
  38. Primeira vitória do trabalho
  39. O primeiro aquário

Os sumérios também inventaram o conceito da cidade e um dos reclamantes com o título de "Cidade mais antiga do mundo" é a Uruque suméria. As primeiras cidades estabelecidas na Suméria foram:

  • Eridu
  • Uruque
  • Ur
  • Larsa
  • Isin
  • Adab
  • Kullah
  • Nippur
  • Quixe

O coração da cidade era o complexo do templo, marcado pelos grandes zigurats que inspirariam a história posterior da Torre de Babel. Cada cidade tinha sua própria divindade protetora que morava no templo, protegendo e orientando os cidadãos, mas, para os sumérios, a cidade de Eridu - e seu deus Enki - ocupavam um lugar especial.

A primeira cidade

Embora a arqueologia moderna tenha estabelecido que Uruk é a cidade mais antiga da Mesopotâmia, os próprios sumérios acreditavam que a primeira cidade do mundo era Eridu, presidida por seu deus da sabedoria e da água, Enki, que a criou dos pântanos aquosos e estabelecida o conceito de reinado e ordem na terra. O estabelecimento de Eridu por Enki foi visto como uma espécie de era de ouro comparável ao jardim bíblico do Éden como o lar dos deuses e o berço das regras que regem a civilização (conhecida como meh).
O estudioso Gwendolyn Leick comenta:

O Éden Mesopotâmico não é um jardim, mas uma cidade, formada a partir de um pedaço de terra seca cercada pelas águas. O primeiro edifício é um templo ... é assim que a tradição mesopotâmica apresentou a evolução e a função das cidades, e Eridu fornece o paradigma mítico. Ao contrário do Éden bíblico, do qual o homem foi banido para sempre após o outono, Eridu permaneceu um lugar real, imbuído de sacralidade, mas sempre acessível. (2)

A 'queda' de Eridu não tinha nada a ver com os pecados da humanidade, mas com a inteligência de uma das deusas mesopotâmicas mais populares, Inanna. No poema Inanna e no Deus da Sabedoria, a deusa viaja de sua cidade de Uruque para Eridu, lar de seu pai Enki, e o convida a sentar e tomar algumas bebidas com ela e, enquanto ele bebe e se torna cada vez mais jovial , ele de bom grado entrega o meh à filha. Depois de reunir todos eles, ela corre para o navio e os leva a Uruque, tornando sua cidade preeminente e diminuindo a Eridu. Os estudiosos modernos acreditam que esse mito surgiu em resposta à mudança de uma cultura agrária (simbolizada por Eridu) para o desenvolvimento urbano simplificado por Uruque, entre as cidades mais poderosas da região.

Remover publicidades
Advertisement

Ur-Nammu
Ur-Nammu
Donald A. Mackenzie (Public Domain)

Governo

A religião era totalmente integrada à vida das pessoas e informada ao governo e a estrutura social. Os sumérios acreditavam que os deuses haviam formado a ordem do caos e o papel do indivíduo na vida era trabalhar como colega de trabalho com os deuses para garantir que o caos não voltasse. Os próprios deuses, no entanto, reverteriam seu próprio trabalho mais tarde - retornando o mundo ao caos - quando o barulho e o problema da humanidade se tornaram grandes demais para serem suportados.

O trabalho sumério conhecido como Eridu Gênesis (composto em C. 2300 aC) é a versão mais antiga do grande conto de inundação.

O trabalho sumério conhecido como Eridu Gênesis (composto c. 2300 aC e encontrado nas ruínas de Eridu) é a versão mais antiga do grande conto de inundação posteriormente recontada na Atrahasis, o épico de Gilgamesh e o Livro de Gênesis. Ele relata como os deuses destruíram a humanidade através de uma inundação, exceto um homem, Ziusudra, que é salvo quando Enki diz para ele construir uma arca e resgatar dois de todo tipo de animal. Posteriormente, os deuses cedem e determinam controlar a população humana e limitar suas tendências irritantes, introduzindo a morte e a doença no mundo; restabelecendo assim a ordem e estabelecendo um limite para a vida e a ambição humana.

Os deuses esperavam que os seres humanos usassem suas vidas para ajudar a manter a ordem e isso incluía encontrar uma maneira de trabalhar juntos. Os sumérios se orgulhavam de sua individualidade, como evidenciado pela elevação das divindades padroeiras de cada cidade e rivalidade e conflitos intermitentes, mas foram exigidos pelos deuses a deixar isso de lado nos interesses do bem comum. Kramer escreve:

Enquanto os sumérios estabeleceram um alto valor ao indivíduo e sua conquista, houve um fator que promoveu um forte espírito de cooperação entre indivíduos e comunidades: a completa dependência da Sumeria pela irrigação para seu bem-estar-de fato, para sua própria existência. A irrigação é um processo complicado que requer esforço e organização comunitária. Os canais tinham que ser cavados e mantidos em constante reparo. A água tinha que ser dividida de forma equitativa entre todos os envolvidos. Para garantir isso, um poder mais forte que o proprietário individual ou mesmo a comunidade única era obrigatória: portanto, o crescimento das instituições governamentais e a ascensão do Estado Sumério. (Sumérios, 5)

A lista de rei sumério, um documento composto em c. 2100 aC em Lagash, lista todos os reis que remontam ao início do mundo quando os deuses estabeleceram a realeza em Eridu. O primeiro rei que é arqueologicamente atestado foi Etana, descrito como "aquele que estabilizou todas as terras" (Sumérios, 43) e a lista segue cronologicamente - geralmente com datas impossivelmente longas para os monarcas - até o reinado dos reis em c . 2100 aC.

Legend of the Hero Etana Inscription
Lenda da inscrição do herói Etana
Osama Shukir Muhammed Amin (Copyright)

A cidade suméria-estado foi governada por um rei, o Lugal (literalmente "Homem Grande") que supervisionou o cultivo da terra, entre muitas outras responsabilidades, e estava ligado aos deuses para garantir que sua vontade fosse feita na Terra. O Lugal era inicialmente chefe de uma “família”-uma comunidade unida, que reunia seus recursos- e o conceito doméstico continuaria como a estrutura de poder subjacente das cidades. Com a ascensão das cidades e o desenvolvimento de inovações agrícolas, os sumérios mudaram a maneira como os seres humanos viveram e viveriam para sempre. O estudioso Paul Kriwaczek comenta:

Este foi um momento revolucionário na história da humanidade. Os [Sumérios] pretendiam conscientemente nada menos que mudar o mundo. Eles foram os primeiros a adotar o princípio que impulsionou o progresso e o avanço ao longo da história e ainda motiva a maioria de nós nos tempos modernos: a convicção de que é o direito da humanidade, sua missão e seu destino, de transformar e melhorar a natureza e se tornar sua mestre. (20)

Contribuições e Ruína

As cidades dos sumérios se expandiram, e quando necessitavam de mais espaço e maiores recursos, as tomavam de outras. Durante o Período de Uruque, a cultura desenvolveu-se rapidamente, talvez com a maior invenção culminando no advento da escrita c. 3600-3500 aC. A escrita inicial desenvolveu-se em resposta à necessidade de comunicação de longa distância no comércio e retransmitia informações básicas como “duas ovelhas – cinco cabras – Quixe”, que eram claras o suficiente para o remetente na época, mas não tinham a capacidade de informar ao destinatário se o duas ovelhas e cinco cabras estavam indo ou vindo da cidade de Quixe, estivessem elas vivas ou mortas, e qual era o seu propósito. Este sistema se desenvolveria na época do Período Dinástico Inicial no sistema de escrita que produziria obras como A Epopéia de Gilgamesh, os Hinos de Enheduanna para Inanna e muitas outras grandes obras da literatura.

Flood Tablet of the Epic of Gilgamesh
Tábua do Dilúvio da Epopeia de Gilgamesh
Osama Shukir Muhammed Amin (Copyright)

O sumério tornou-se a língua franca da Mesopotâmia e estabeleceu o sistema de escrita conhecido como cuneiforme, que mais tarde seria usado para registrar outras línguas. Comentários de Gwendolyn Leick:

O horizonte cultural mais homogêneo das planícies aluviais [da Suméria] encontra expressão no desenvolvimento da escrita em um idioma particular. Por que o sumério se tornou a língua representada pela escrita ainda é incerto. A Mesopotâmia nunca foi linguística ou etnicamente homogênea e os nomes pessoais nos primeiros textos mostram claramente que outras línguas além do sumério eram faladas na época. (65)

O sumério estava bem estabelecido como a língua escrita no final do século IV aC e a cultura, religião, arquitetura e outros aspectos significativos da civilização suméria também. A literatura dos sumérios influenciaria escritores posteriores, notavelmente os escribas que escreveram a Bíblia, como seus contos de O Mito de Adapa, O Eridu Genesis e O Atrahasis informariam os relatos bíblicos posteriores do Jardim do Éden, Queda do Homem, e o Grande Dilúvio. As obras de Enheduanna se tornariam os modelos para a liturgia posterior, as fábulas de animais da Mesopotâmia seriam popularizadas por Esopo e a Epopéia de Gilgamesh inspiraria obras como a Ilíada e a Odisséia.

Acredita-se que o conceito dos deuses que vivem no templo da cidade, bem como a forma e o tamanho do zigurate sumério, tenha influenciado o desenvolvimento egípcio das pirâmides e suas crenças sobre seus próprios deuses. O conceito sumério de tempo, assim como seu sistema de escrita, também foi adotado por outras civilizações. O selo cilíndrico sumério - um sinal de identificação pessoal de um indivíduo - permaneceu em uso na Mesopotâmia até c. 612 aC e a queda do Império Assírio. Não havia literalmente nenhuma área da civilização para a qual os sumérios não tivessem feito alguma contribuição, mas, apesar de todas as suas forças, sua cultura começou a declinar muito antes de cair.

The Ziggurat at Kish
O zigurat em Quixe
Osama Shukir Muhammed Amin (Copyright)

A civilização suméria entrou em colapso c. 1750 aC com a invasão da região pelos elamitas. Shulgi de Ur havia erguido uma grande muralha em 2083 aC para proteger seu povo de tal invasão, mas, como não estava ancorada em nenhuma das extremidades, poderia ser facilmente percorrida – exatamente o que os invasores fizeram. Mesmo assim, a cultura vinha lutando para manter sua autonomia desde que os amorreus haviam conquistado o poder na Babilônia. Uma mudança na influência cultural, evidenciada em muitos aspectos, mas, notavelmente, na proporção homem-mulher do panteão mesopotâmico, veio com a ascensão ao poder dos amorreus semíticos na Babilônia e, especialmente, durante o reinado de Hammurabi (r. 1792 -1750 aC) que inverteu completamente o modelo teológico sumério ao elevar um deus masculino supremo, Marduk, acima de todos os outros. Os templos dedicados às deusas foram substituídos pelos dos deuses e, embora os templos das deusas não tenham sido destruídos, eles foram marginalizados.

Ao mesmo tempo, os direitos das mulheres – tradicionalmente iguais aos dos homens – diminuíram, assim como as grandes cidades sumérias. O uso excessivo da terra e a expansão urbana, juntamente com os conflitos em curso, são citados como as principais razões para a queda das cidades. A correlação entre o declínio do status das divindades femininas e os direitos das mulheres nunca foi adequadamente explicada – não se sabe o que veio primeiro – mas é um detalhe revelador do declínio de uma cultura que sempre teve as mulheres em alta consideração. No momento em que os elamitas invadiram c. 1750 aC, a cultura suméria já estava se deteriorando e os elamitas simplesmente terminaram o processo.

Descoberta

Os sumérios são reconhecidos hoje por inúmeras contribuições para a cultura mundial, mas este é um desenvolvimento bastante recente. Sua história jaz enterrada sob a areia por séculos e, portanto, qualquer referência a eles em obras antigas foi mal interpretada pelos estudiosos, pois não havia referência conhecida para as alusões. A terra de Sinar, no livro bíblico do Gênesis, por exemplo, era entendida como alusiva a alguma região da Mesopotâmia, mas o significado dessa referência não poderia ser entendido enquanto os estudiosos não tivessem ideia de nenhum lugar como a terra da Suméria - a Sinar bíblica - já existiu.

Essa situação mudou dramaticamente em meados do século 19 dC, quando instituições e sociedades ocidentais começaram a enviar expedições ao Oriente Próximo e ao Oriente Médio em busca de evidências físicas para corroborar as narrativas bíblicas. Se uma terra como Shinar já existiu, raciocinou-se, suas ruínas - junto com as de quaisquer outras estruturas e cidades mencionadas na Bíblia - poderiam ser descobertas.

Nessa época, a Bíblia (especificamente as narrativas do Antigo Testamento) era considerada o livro mais antigo do mundo e totalmente original. A história do Jardim do Éden, a Queda do Homem, o Grande Dilúvio foram consideradas obras originais escritas diretamente ou inspiradas pelo único Deus verdadeiro da tradição judaico-cristã. Os arqueólogos e estudiosos enviados nessas expedições deveriam encontrar evidências concretas para apoiar essa afirmação, mas, em vez disso, descobriram exatamente o oposto: encontraram a Suméria.

Remover publicidades
Publicidade

Sobre o tradutor

Criss Freitas
Professora de Língua e Literatura Portuguesa e Inglesa, com pós-graduação em Metodologia do Ensino da Língua Inglesa. É também blogger em www.universoarabe.com e investigadora de Língua e Cultura Árabe e História Antiga.

Sobre o autor

Joshua J. Mark
Escritor freelance e ex-professor de filosofia em tempo parcial no Marist College, em Nova York, Joshua J. Mark viveu na Grécia e na Alemanha e viajou pelo Egito. Ele ensinou história, redação, literatura e filosofia em nível universitário.

Citar este trabalho

Estilo APA

Mark, J. J. (2019, Outubro 09). Os Sumérios [Sumerians]. (C. Freitas, Tradutor). World History Encyclopedia. Obtido de https://www.worldhistory.org/trans/pt/1-428/os-sumerios/

Estilo Chicago

Mark, Joshua J.. "Os Sumérios." Traduzido por Criss Freitas. World History Encyclopedia. Última modificação Outubro 09, 2019. https://www.worldhistory.org/trans/pt/1-428/os-sumerios/.

Estilo MLA

Mark, Joshua J.. "Os Sumérios." Traduzido por Criss Freitas. World History Encyclopedia. World History Encyclopedia, 09 Out 2019. Web. 15 Abr 2024.