Gênesis de Eridu

Definição

Joshua J. Mark
por , traduzido por Willian Vieira
publicado em 07 Maio 2020
Disponível noutras línguas: Inglês, francês, italiano, Persa, espanhol
X
The Subsiding of the Waters of the Deluge (by Thomas Cole / Smithsonian American Art Museum, Public Domain)
A diminuição das águas do dilúvio
Thomas Cole / Smithsonian American Art Museum (Public Domain)

A história do dilúvio sumério (também conhecida como Gênesis de Eridu, história do dilúvio, mito da criação sumério, mito do dilúvio sumério) é o texto mesopotâmico mais antigo que relata a história do grande dilúvio, que apareceria em obras posteriores como Atrahasis (século XVII a.C.) e A Epopeia de Gilgamesh (2150-1400 a.C.).

O conto também é o mais famoso contado como a história de Noé e sua arca do livro bíblico de Gênesis (a data mais antiga possível é 1450 a.C., a mais recente é 800-600 a.C.). A história é datada de aproximadamente 1600 a.C em sua forma escrita, mas acredita-se que seja muito mais antiga, preservada pela tradição oral até ser escrita.

Remover publicidades
Publicidade

A obra existente está muito danificada, com várias linhas importantes faltando, mas ainda pode ser lida e facilmente compreendida como uma história antiga do Grande Dilúvio. Os estudiosos que estudaram o texto geralmente se baseiam no texto posterior - Atrahasis acadiano/babilônico que conta a mesma história para preencher os espaços em branco do texto que faltava na tábua quebrada. A história influenciou provavelmente a "história do dilúvio" egípcia conhecida como O Livro da Vaca Celestial (datada, em parte, do Primeiro Período Intermediário do Egito, 2181-2040 a.C.), mas foi certamente a inspiração para as obras mesopotâmicas posteriores, bem como para a narrativa bíblica de Noé.

A história foi descoberta pela primeira vez em 1893, durante o período de expedições e escavações generalizadas em toda a Mesopotâmia, financiadas por instituições ocidentais. O homem bom nessa versão do conto, escolhido para sobreviver ao dilúvio e preservar a vida na Terra, é o sacerdote-rei Ziusudra da cidade de Suruppak (cujo nome significa "vida de longos dias"). Essa mesma figura aparece em Instruções de Churupaque (2000 a.C.) e como Atrahasis ("extremamente sábio") na obra posterior que leva seu nome, como Utnapishtim ("ele encontrou a vida") no Épico de Gilgamesh como Noé ("descanso" ou "paz") no Livro de Gênesis

Remover publicidades
Publicidade

Expedições e descobertas

No século XIX, instituições ocidentais, incluindo museus e universidades, financiaram expedições à Mesopotâmia na esperança de encontrar evidências físicas que corroborassem a historicidade das narrativas bíblicas. O século XIX presenciou a prática sem precedentes de leituras cada vez mais críticas da Bíblia, que questionavam crenças de longa data sobre sua origem divina e suposta infalibilidade.

AS TÁBUAS CUNEIFORMES CONTINHAM VÁRIAS HISTÓRIAS QUE APARECIAM NAS NARRATIVAS BÍBLICAS E ERAM ANTERIORES A ELAS; ENTRE ELAS ESTAVA A HISTÓRIA DO DILÚVIO SUMÉRIO.

Essa era de ceticismo veria a publicação de A Origem das Espécies, de Darwin, em 1859, sugerindo que os seres humanos, em vez de serem criados por Deus como "um pouco mais baixos que os anjos" (Salmo 8:5), evoluíram de primatas. Em 1882, o filósofo alemão Friedrich Nietzsche publicou sua obra The Gay Science, que contém a famosa frase "Deus está morto e nós o matamos", aludindo ao aparente triunfo da tecnologia e do secularismo sobre a crença religiosa tradicional.

Remover publicidades
Publicidade

Antes do surgimento do ceticismo secular, e mesmo durante o período em que Darwin e Nietzsche estavam escrevendo, a Bíblia era considerada o livro mais antigo do mundo, completamente original e de origem divina. Essa visão foi incentivada pelo trabalho do arcebispo James Ussher (l. 1581-1656), criador da Cronologia de Ussher que, baseando-se principalmente no Livro de Gênesis e fazendo referência a outras narrativas bíblicas, data a criação do mundo em 22 de outubro de 4004 a.C., às 18 horas. Como se acreditava que a Bíblia havia sido escrita por Deus, ela era infalível e podia ser confiável não apenas para datar a idade da Terra, mas para qualquer outro aspecto da existência humana.

As expedições enviadas à Mesopotâmia deveriam encontrar evidências que apoiassem essa visão, mas encontraram exatamente o oposto. As tábuas cuneiformes, decifradas a partir de meados do século XIX, desafiaram diretamente a visão tradicional da Bíblia, pois continham várias histórias, motivos e símbolos que apareciam nas narrativas bíblicas e eram anteriores a elas; entre elas estava a história suméria do dilúvio, o primeiro relato conhecido da história que as pessoas da época conheciam como a Arca de Noé.

A tábua muito danificada foi descoberta nas ruínas da antiga cidade de Nippur por uma expedição financiada pela Universidade da Pensilvânia em 1893. Ela ficou sem tradução até 1912, quando o assiriologista alemão Arno Poebel (l. 1881-1958) a decifrou como parte de seu trabalho para a Universidade da Pensilvânia. A existência de um relato pré-bíblico do Dilúvio de Noé, que já havia ficado claro com a tradução de George Smith da Epopeia de Gilgamesh em 1876, sugeriu a alguns que a interpretação tradicional da Bíblia precisava ser repensada, enquanto, para outros, um relato mesopotâmico de um grande dilúvio corroborava a história bíblica, apenas sob outro ponto de vista.

Remover publicidades
Publicidade

Flood Tablet of the Epic of Gilgamesh
Tábua do Dilúvio da Epopeia de Gilgamesh
Osama Shukir Muhammed Amin (Copyright)

O arqueólogo britânico Sir Leonard Wooley (1880-1960) contestou essa última afirmação por meio de suas escavações nas ruínas da antiga Ur na década de 1920. Durante a temporada de escavações de 1928-1929, Wooley afundou uma série de poços no solo e determinou que havia ocorrido uma inundação significativa na região, mas que se tratava de um evento local, não global, e que, além disso, não era um incidente singular, mas que havia ocorrido várias vezes quando os rios Tigre e Eufrates transbordavam de suas margens.

As escavações de Wooley foram reproduzidas em outros lugares da Mesopotâmia por outros arqueólogos que chegaram à mesma conclusão. A historicidade e a originalidade da narrativa bíblica do Grande Dilúvio não podiam mais ser mantidas, e a Cronologia de Ussher foi contestada e descartada pelos estudiosos (embora ambas ainda sejam mantidas pelos cristãos atualmente que defendem a chamada Visão da Terra Jovem). A acadêmica Stephanie Dalley, comentando sobre outras escavações na Mesopotâmia ao longo do século XX, escreve:

Nenhum depósito do dilúvio é encontrado em estratos do terceiro milênio, e a data do Arcebispo Ussher para o Dilúvio de 2349 a.C., que foi calculada usando números em Gênesis pelo valor nominal e que não reconhecia como a cronologia bíblica é altamente esquemática para tempos tão antigos, está agora fora de questão. (5)

A pequena tábua da história suméria do dilúvio encontrada em Nippur, sem grande parte de sua narrativa, proporcionou a Wooley a liberdade acadêmica para fazer o tipo de afirmação sobre o dilúvio na década de 1920 que teria sido impensável apenas um século antes.

Remover publicidades
Publicidade

Resumo

A história suméria do dilúvio começa com a criação do mundo, o "povo de cabeça preta" (os sumérios) e, em seguida, os animais. Os deuses sumérios que realizam o ato da criação, An (Anu), Enlil, Enki e Ninhursag,permaneceriam entre as mais poderosas divindades sumérias por séculos até serem eclipsados pelos paradigmas teológicos amoritas sob Hamurabi da Babilônia (1792-1750 a.C.) e, mais tarde, pelos assírios.

Depois que os seres humanos e os animais são criados, os deuses decretam o estabelecimento de cidades, começando por Eridu, que era considerada a cidade mais antiga do mundo. Cada uma das cidades é dada a um deus para supervisionar, estabelecendo assim, a tradição de cada cidade ter sua divindade padroeira, e parece ser feita referência ao estabelecimento posterior de sistemas de irrigação.

Após essa seção da narração, faltam algumas linhas que devem ter explicado por que os deuses An e Enlil, líderes do panteão sumério, decidiram destruir a humanidade com um grande dilúvio. No Atrahasis posterior, o motivo é que as pessoas se tornam numerosas e barulhentas demais e perturbam o descanso de Enlil. Em Atrahasis, Enlil envia uma seca, depois uma praga e, em seguida, a fome à Terra para diminuir a população e acalmar o rugido dos humanos, mas, a cada vez, Enki (deus da sabedoria e amigo da humanidade) diz às pessoas o que elas devem fazer para reverter as pragas de Enlil e elas podem continuar com suas vidas como antes. É provável que esses detalhes também apareçam na história suméria anterior sobre o dilúvio, na qual Enki tem o mesmo papel.

The Atrahasis III Tablet
A tabuleta de Atrahasis III
The Trustees of the British Museum (Copyright)

A história continua, observando como todos os deuses fazem um juramento, presumivelmente de que não interferirão na decisão de An-Enlil de destruir a humanidade e, em seguida, o personagem central do conto é apresentado: Ziusudra, um rei da cidade de Suruppak e um sacerdote. Como Enki, presumivelmente, fez o juramento de não interferir no dilúvio junto com todos os outros deuses, ele não pode avisar Ziusudra diretamente e, por isso, fala para uma parede, sabendo que Ziusudra, do outro lado dela, o ouvirá. Nesse ponto, faltam mais linhas que detalhariam a criação de um grande barco por Ziusudra, que ele encheu de animais e "a semente da humanidade".

A narrativa é retomada com uma descrição do dilúvio, que dura sete dias e sete noites, até que os mares se acalmam e Utu (Utu-Shamash, o deus do sol) aparece. Ziusudra faz um buraco na lateral do barco e Utu, na forma dos raios de sol, entra. Ziusudra obedientemente faz um sacrifício ao deus, mas o que acontece depois se perde em mais linhas ausentes. No final, An e Enlil parecem ter se arrependido de sua decisão, pois são gratos por Ziusudra ter preservado suas criações. Eles lhe concedem vida eterna no paraíso da terra de Dilmun. Com base em fragmentos da tábua, parece que a história continuou após essa aparente conclusão por mais 39 linhas, mas o conteúdo se perdeu.

Texto

O texto a seguir foi extraído do livro A literatura da antiga Suméria, traduzido pelos acadêmicos Jeremy Black, Graham Cunningham, Eleanor Robson e Gabor Zolyomi. A linha de abertura que faz referência à interrupção da "aniquilação de minhas criaturas" pode estar sugerindo que os deuses inicialmente deram aos seres humanos uma longa vida útil como colaboradores dos deuses que assumiriam seu trabalho e tornariam a terra agradável para eles, como a história é contada em Atrahasis.

No Atrahasis, após o dilúvio, os deuses tomam medidas para limitar o tempo de vida humano e aumentar a mortalidade, e esses tipos de detalhes podem ter constituído o texto que faltava na história suméria anterior sobre o dilúvio, que segue:

Impedirei a aniquilação de minhas criaturas e farei com que as pessoas retornem de seus locais de moradia. Que eles construam muitas cidades para que eu possa me refrescar em sua sombra. Que eles assentem os tijolos de muitas cidades em lugares puros, que estabeleçam lugares de adivinhação em lugares puros e, quando a extinção do fogo... for providenciada, os ritos divinos e os poderes elevados forem aperfeiçoados e a terra for irrigada, estabelecerei o bem-estar ali.

Depois que An, Enlil, Enki e Ninhursag criaram o povo de cabeça negra, eles também fizeram com que os animais se multiplicassem por toda parte e fizeram com que houvesse rebanhos de animais de quatro patas nas planícies, como convém. [Aqui faltam aproximadamente 32 linhas].

Eu supervisionarei o trabalho deles. Que... o construtor da Terra cave um alicerce sólido.

Depois que o... da realeza desceu do céu, depois que a coroa e o trono exaltados da realeza desceram do céu, os ritos divinos e os poderes exaltados foram aperfeiçoados, os tijolos das cidades foram colocados em lugares sagrados, seus nomes foram anunciados e os... foram distribuídos. A primeira das cidades, Eridu, foi dada a Nudimmud, o líder. A segunda, Bad-tibira, foi dada à Senhora. A terceira, Larag, foi dada a Pabilsag. O quarto, Zimbir, foi dado ao herói Utu. A quinta, Suruppag, foi dada a Sud. E depois que os nomes dessas cidades foram anunciados e os... foram distribuídos, o rio... foi regado. [Aqui faltam aproximadamente 34 linhas].

… assento no céu… inundar… a humanidade. Então ele fez... Então Nintud... Inanna sagrada fez um lamento por seu povo. Enki se aconselhou consigo mesmo. An, Enlil, Enki e Ninhursag fizeram com que todos os deuses do céu e da terra fizessem um juramento invocando An e Enlil. Naqueles dias, Ziusudra, o rei, o sacerdote gudug... Ele formou... O humilde, comprometido, reverente... Dia após dia, permanecendo constantemente em... Algo que não era um sonho apareceu, conversando... fazendo um juramento invocando o céu e a terra. No Ki-ur, os deuses… uma parede.

Ziusudra, de pé ao seu lado, ouviu: "Parede lateral, de pé ao meu lado esquerdo, ... Parede lateral, falarei palavras a você; preste atenção às minhas palavras, preste atenção às minhas instruções. Um dilúvio varrerá o... em todo o... A decisão de que a semente da humanidade será destruída foi tomada. O veredicto, a palavra da assembleia divina, não pode ser revogado. A ordem anunciada por An e Enlil não pode ser anulada. Sua realeza, seu mandato foi cortado; seu coração deve estar descansado sobre isso... [Aqui faltam aproximadamente 38 linhas]

Todos os vendavais e tempestades se juntaram e o dilúvio varreu a terra. Depois que o dilúvio varreu a terra e as ondas e tempestades de vento agitaram o enorme barco por sete dias e sete noites, Utu, o deus-sol, apareceu, iluminando o céu e a terra. Ziusudra conseguiu fazer uma abertura no enorme barco e o herói Utu entrou no enorme barco com seus raios. O rei Ziusudra se prostrou diante de Utu. O rei sacrificou bois e ofereceu inúmeras ovelhas. [Aqui faltam aproximadamente 33 linhas].

"Eles o fizeram jurar pelo céu e pela terra... An e Enlil o fizeram jurar pelo céu e pela terra..."

Mais e mais animais desembarcaram na terra. O rei Ziusudra se prostrou diante de An e Enlil. An e Enlil trataram Ziusudra com bondade... concederam-lhe vida como a de um deus, trouxeram-lhe a vida eterna. Naquela época, devido à preservação dos animais e da semente da humanidade, eles estabeleceram o rei Ziudsura em um país estrangeiro, na terra de Dilmun, onde o sol nasce... [Aqui faltam aproximadamente 39 linhas]

Conclusão

A HISTÓRIA SUMÉRIA DO DILÚVIO É CONSIDERADA O PRIMEIRO RELATO ESCRITO DO MITO POPULAR QUE APARECE EM QUASE TODAS AS CULTURAS DO MUNDO ANTIGO.

A história do dilúvio sumério é considerada o primeiro relato escrito do mito popular de um dilúvio mundial enviado pelos divinos, que aparece em quase todas as culturas do mundo antigo. O tratamento aparentemente universal da mesma história sugeriu a alguns que deve ter havido um evento desse tipo, ao qual pessoas de diferentes culturas, independentemente, responderam com a criação da história.

Os estudiosos modernos tendem a rejeitar essa interpretação e, em vez disso, sugerem que uma história antiga sobre um Grande Dilúvio e a destruição da humanidade repercutiu em um público antigo e passou a ser amplamente repetida, viajando pelo comércio de uma região para outra. Cada cultura adaptou a história às suas próprias necessidades e visão e, assim, o original foi alterado, em maior ou menor grau, à medida que era contado e depois escrito em diferentes locais. O original pode ou não ter sido a história suméria do dilúvio, mas muitos estudiosos atuais, inclusive Stephanie Dalley, acreditam que sim. Dalley escreve:

Todas essas histórias de inundação podem ser explicadas como derivadas de um único original mesopotâmico, usado em contos de viajantes por mais de dois mil anos, ao longo das grandes rotas de caravanas da Ásia Ocidental: traduzido, bordado e adaptado conforme os gostos locais para dar origem a uma miríade de versões divergentes. (7)

O conceito da ira de um deus ou o descontentamento coletivo de muitos deuses causando eventos catastróficos era entendido simplesmente como o funcionamento do mundo pelas civilizações antigas ao redor do mundo. A história do Grande Dilúvio teria servido a vários propósitos, mas, principalmente, explicava a criação do mundo como as pessoas o conheciam, ao mesmo tempo, em que sugeria fortemente que elas prestassem mais atenção à vontade divina em suas vidas diárias.

Em cada versão da história do dilúvio mencionada acima, os deuses ou Deus se arrependem de sua decisão; na história de Gênesis, Deus até coloca o arco-íris no céu como uma promessa de que nunca mais inundará o mundo; mas, para um público antigo, isso não significaria que o Divino não poderia facilmente enviar alguma punição igualmente terrível para a transgressão humana de sua vontade em algum momento no futuro, sempre que quisesse. A história teria, então, incentivado as pessoas a errarem por excesso de cautela ao aderirem aos preceitos religiosos e culturais para manter a boa vontade de uma divindade ou divindades que poderiam tão facilmente destruí-las quanto apoiá-las.

Remover publicidades
Publicidade

Perguntas e respostas

O que é o Gênesis de Eridu?

Gênesis de Eridu é a história suméria do Grande Dilúvio, datada de aproximadamente 1600 a.C.

A história do dilúvio sumério é mais antiga do que a história da Arca de Noé?

Sim. A história suméria do Grande Dilúvio é datada de aproximadamente 1600 a.C., mas é considerada mais antiga, preservada pela tradição oral. O Livro de Gênesis, que relata a história da Arca de Noé, é datado de, no mínimo, 1450 a.C.

O personagem principal de Eridu Gênesis é o mesmo de Utnapishtim?

Ziusudra é entendido como o mesmo personagem de Utnapishtim da Epopeia de Gilgamesh e o personagem de mesmo nome de Atrahasis, bem como o jovem que aparece nas instruções de Shuruppag.

Por que o Gênesis de Eridu é importante?

O Gênesis de Eridu é importante por ser o primeiro relato do dilúvio mundial que aparece nos mitos das culturas de civilizações de todo o mundo. Acredita-se que a história do dilúvio da Mesopotâmia tenha inspirado as outras, incluindo a Arca de Noé.

Sobre o tradutor

Willian Vieira
Meu nome é Willian Vieira, mas sou conhecido como William Pesquisador devido à minha paixão por desvendar os mistérios das civilizações antigas. Minha jornada acadêmica me levou a um aprofundamento notável na Suméria, a primeira civilização da humanidade.

Sobre o autor

Joshua J. Mark
Joshua J. Mark é cofundador e diretor de conteúdo da World History Encyclopedia. Anteriormente, foi professor no Marist College (NY), onde lecionou história, filosofia, literatura e redação. Ele viajou bastante e morou na Grécia e na Alemanha.

Citar este trabalho

Estilo APA

Mark, J. J. (2020, Maio 07). Gênesis de Eridu [Eridu Genesis]. (W. Vieira, Tradutor). World History Encyclopedia. Obtido de https://www.worldhistory.org/trans/pt/1-18910/genesis-de-eridu/

Estilo Chicago

Mark, Joshua J.. "Gênesis de Eridu." Traduzido por Willian Vieira. World History Encyclopedia. Última modificação Maio 07, 2020. https://www.worldhistory.org/trans/pt/1-18910/genesis-de-eridu/.

Estilo MLA

Mark, Joshua J.. "Gênesis de Eridu." Traduzido por Willian Vieira. World History Encyclopedia. World History Encyclopedia, 07 Mai 2020. Web. 25 Mai 2024.