Enki

Definição

Joshua J. Mark
por , traduzido por Willian Vieira
publicado em 09 Janeiro 2017
Disponível noutras línguas: Inglês, francês, espanhol, Turco
X
Enki (by Unknown, Public Domain)
Enki
Unknown (Public Domain)

Enki (também conhecido como Ea, Enkig, Nudimmud, Ninsiku, Nissiku) era um deus sumério da sabedoria, da água doce, da inteligência, dos truques e travessuras, do artesanato, da magia, do exorcismo, da cura, da criação, da virilidade, da fertilidade e da arte. Sua iconografia o retrata como um homem barbudo usando um gorro com chifres e longas vestes enquanto sobe a Montanha do Amanhecer.

Nessa imagem, riachos fluidos correm de seus ombros, enfatizando sua associação com a água que dá vida, enquanto árvores representando os princípios masculino e feminino estão ao fundo. Os riachos são interpretados como os rios Tigre e Eufrates que, de acordo com um mito, foram formados a partir do sêmen de Enki. O seu nome significa "Senhor da Terra" e seus símbolos são o peixe e o bode, ambas representações da fertilidade, enquanto seus epítetos Nudimmud, Ninsiku e Nissiku significam "príncipe".

Remover publicidades
Publicidade

Originalmente, Enki (então conhecido como Enkig) era uma divindade suméria da água doce e patrono da cidade de Eridu, considerada pelos mesopotâmicos a primeira cidade estabelecida no início do mundo, onde os deuses estabeleceram a lei. A primeira aparição do deus em obras escritas ocorreu durante o Período Dinástico Inicial III (2600-2334 a.C.) e foi estabelecido como um importante deus dos acádios por volta de 2400 a.C., que já o conheciam como Ea.

As escavações em Eridu, entretanto, revelaram evidências de uma tradição de santuários para Enki que remonta à fundação da cidade, por volta de 5.400 a.C. Em Eridu, ele era conhecido como Enki e, mais tarde, em Akkad, como Ea; os dois nomes são usados de forma intercambiável para a mesma divindade, assim como o nome babilônico Nudimmud. Enki era conhecido como Ninsiku apenas em seu aspecto de patrono do artesanato e da arte, especialmente de objetos dedicados a temas divinos.

Remover publicidades
Publicidade

Genealogia e descendência

Enki era o filho de Anu, o deus do céu, na mitologia suméria e acadiana, e o filho de Apsu, o pai primordial, nos textos babilônicos. Ele também é mencionado como o filho da deusa Nammu, uma deusa-mãe primordial que deu origem à terra e aos céus. A esposa de Enki era Ninhursag (também conhecida, entre muitos outros nomes, como Ninmah e, originalmente, como Damgalnuna, a Damkina assíria) e seus filhos eram Asarluhi (deus do conhecimento mágico), Enbilulu (deus dos canais e diques), o sábio humano Adapa e o rei dos deuses, Marduk (que mais tarde absorveria as qualidades de Asarluhi).

Eles também tiveram oito filhos nascidos dos esforços de Ninhursag para curar Enki no mito de Enki e Ninhursag:

Remover publicidades
Publicidade
  • Abu (deus das plantas e do crescimento)
  • Nintulla (Senhor de Magan e do metal precioso)
  • Ninsitu (deusa da cura, esposa do deus da cura Ninazu)
  • Ninkasi (deusa da cerveja)
  • Nanshe (também Nanse, justiça social, fertilidade, adivinhação e interpretação de sonhos)
  • Azimua (deusa da cura, esposa da divindade do submundo Ningishida)
  • Emshag (Senhor de Dilmun, deus da fertilidade)
  • Ninti (deusa da costela, doadora da vida)

Enki também é frequentemente retratado como o pai (ou tio) de uma das divindades mais populares e duradouras, Inanna, deusa da guerra, da sexualidade, da paixão, da fertilidade, do amor e das prostitutas. Ele tinha um irmão gêmeo, Adad (também conhecido como Ishkur), deus do clima e das tempestades.

JUNTO COM ANU E ENLIL, ENKI FORMAVA UMA TRÍADE MESOPOTÂMICA PRIMITIVA QUE GOVERNAVA OS ALTOS CÉUS, A ATMOSFERA E A TERRA.

Aparência na literatura

Há várias histórias, lendas, orações e inscrições reais da Mesopotâmia nas quais Enki desempenha um papel importante. Ele é retratado de forma famosa nas obras sobre Ninhursag (Ninmah), como Enki e Ninhursag e Enki e Ninmah, ambas relacionadas à criação do mundo e da humanidade. A Jornada de Enki a Nippur é outro mito de origem que explica como o deus criou Eridu e ordenou certos instrumentos musicais usados em festivais na antiga Mesopotâmia.

No Enuma Elish, o épico babilônico da criação, Enki é o pai do campeão Marduk, que derrota as forças do caos e é cocriador do mundo com seu filho. Enki também aparece nas obras O Atrahasis, O casamento de Ereshkigal e Nergal, Inanna e o Deus da Sabedoria, A descendência de Inanna, Enki e a ordem mundial, Enmerkar e o Senhor de Aratta, A Epopeia de Gilgamesh e outras.

Ele era uma das divindades mais importantes do panteão mesopotâmico, juntamente com Anu (Senhor do Céu), Enlil (Senhor Supremo do Ar) e Inanna. Junto com Anu e Enlil, Enki formava uma tríade mesopotâmica primitiva que governava os altos céus, a atmosfera e a terra. Ele também está listado entre as primeiras sete divindades sumérias como um dos Sete Poderes Divinos: Anu, Enki, Enlil, Inanna, Nanna, Ninhursag e Utu-Shamash.

Remover publicidades
Publicidade

Origem mitológica do Enuma Elish

De acordo com o Enuma Elish babilônico (c. 1100 a.C.), Enki era o filho mais velho dos primeiros deuses, Apsu e Tiamat. No início dos tempos, o mundo era um caos indiferenciado e rodopiante, do qual se separaram Apsu, o princípio masculino personificado pela água doce, e Tiamat, o princípio feminino definido pela água salgada. Apsu e Tiamat deram à luz os deuses mais jovens, mas essas divindades não tinham nada para fazer e, portanto, se divertiam da melhor forma possível. O barulho constante dessas divindades distraiu Apsu e interrompeu seu sono, por isso, após consultar seu vizir, ele decidiu matá-las.

Adda Seal
Selo Adda
The British Museum (Public Domain)

Tiamat ouviu a discussão e ficou horrorizada com o plano, então o sussurrou para seu filho. Enki considerou várias ações e suas conseqüências e, em seguida, tomou a decisão que achou melhor: colocou o pai em um sono profundo e depois o matou. Tiamat nunca considerou essa possibilidade e renegou seus filhos. Ela então criou um exército de demônios e monstros, liderado por seu consorte e campeão Quingu (às vezes Kingu). Esse exército dos deuses mais antigos derrotou Enki e os deuses mais jovens em uma batalha cada vez que eles se encontraram, até que o grupo mais jovem foi rechaçado e começou a perder a esperança.

Nesse momento, o filho de Enki, Marduk, apareceu com uma oferta: se os deuses o tornassem seu rei, ele os conduziria à vitória. Antes disso, não havia um general supervisionando as operações, mas cada deus se revezava no comando. Depois que Marduk foi eleito rei, ele enfrentou Quingu em um único combate e o derrotou. Em seguida, acertou Tiamat com uma flecha tão grande que a dividiu em duas.

Remover publicidades
Publicidade

De seus olhos escorreram as lágrimas que se tornariam os rios Tigre e Eufrates e seu corpo foi usado por Marduk para formar a Terra. Quingu e outros deuses que haviam incentivado a guerra de Tiamat foram executados e o corpo de Quingu foi usado para criar os seres humanos. Marduk consultou Enki sobre todas essas escolhas e, por isso, Enki é frequentemente creditado como cocriador do mundo e da vida.

Enki no Atrahasis

A história acadiana/babilônica de Atrahasis (século XVII a.C.) apresenta outra versão da criação, mas, ainda assim, Enki desempenha um papel fundamental. Nessa história, os deuses mais velhos levam uma vida de lazer e prazer enquanto obrigam os deuses mais jovens a fazer todo o trabalho de manutenção da criação. Os deuses mais jovens não têm tempo para descansar porque sempre há muito o que fazer e, por isso, Enki propõe que eles criem seres menores que trabalharão com eles.

Eles não têm ideia do que fazer com essas novas criaturas até que um dos deuses, We-llu (também llawela), se oferece como sacrifício e é morto. Sua carne, sangue e inteligência são transformados em argila pela deusa-mãe Ninhursag, a partir da qual ela cria sete seres humanos do sexo masculino e sete do sexo feminino. Essas quatorze novas criaturas são excepcionalmente férteis e logo há centenas, e depois milhares, de pessoas na Terra, todas fazendo o trabalho que antes ocupava os deuses mais jovens.

No início, essas pessoas eram exatamente o que os deuses esperavam, mas, à medida que aumentavam em número, tornavam-se mais barulhentas e cada vez mais problemáticas. Seu barulho constante e suas dificuldades perturbam o sono de Enlil, rei dos deuses, e o distraem de suas tarefas diárias e de seu lazer, de modo que ele decide reduzir a população por meio de uma série de pragas. Ele envia uma seca, depois uma peste e, em seguida, a fome e, a cada vez, o povo apela para seu deus-pai Enki, aquele que os concebeu pela primeira vez, e ele os ajuda dizendo o que devem fazer para que a terra volte ao equilíbrio e à produtividade e suas comunidades voltem à saúde plena.

Map of Sumer
Mapa da Suméria
P L Kessler (Copyright)

Enlil está frustrado porque agora parece haver ainda mais pessoas do que quando ele tentou se livrar delas pela primeira vez. Ele convence os outros deuses a permitir que ele desencadeie um grande dilúvio que destruirá a humanidade e ele é poderoso o suficiente para fazer com que todos concordem. Enki reconhece a crueldade e a injustiça desse plano, mas não consegue dissuadir Enlil, então ele vai à Terra e encontra um homem honesto, Atrahasis, que sempre foi sábio e gentil e se dedicou a Enki piedosamente. Enki sussurra para ele construir uma arca e entrar nela com dois de cada tipo de animal.

Atrahasis conclui sua missão no momento em que o dilúvio começa. O povo clama pela ajuda dos deuses, mas nenhuma ajuda é oferecida. Ninhursag chora pelo povo e fica inconsolável, e os outros deuses também choram, mas ninguém consegue deter o dilúvio. Enlil reconhece que esse dilúvio pode não ter sido a melhor ideia, mas agora é tarde demais; todos na Terra estão mortos.

As águas do dilúvio baixam, a arca descansa e Enki sussurra para Atrahasis que chegou a hora de ele abrir o barco e fazer sacrifícios aos deuses. Atrahasis faz isso e o cheiro doce de seu sacrifício flutua até o céu, de onde Enlil olha para baixo e vê que alguém sobreviveu. Ele imediatamente percebe que Enki está por trás disso e, embora estivesse apenas lamentando o que havia feito, concentra toda a sua fúria nele.

QUANDO LHE ERA DADA A ESCOLHA ENTRE SERVIR À VONTADE DOS DEUSES OU ÀS NECESSIDADES DO POVO, ENKI SEMPRE ESCOLHIA OS INTERESSES HUMANOS E SEMPRE SEGUIA O CAMINHO DA COMPAIXÃO, DO PERDÃO E DA SABEDORIA.

As águas do dilúvio baixam, a arca descansa e Enki sussurra para Atrahasis que chegou a hora de ele abrir o barco e fazer sacrifícios aos deuses. Atrahasis faz isso e o cheiro doce de seu sacrifício flutua até o céu, de onde Enlil olha para baixo e vê que alguém sobreviveu. Ele imediatamente percebe que Enki está por trás disso e, embora estivesse apenas lamentando o que havia feito, concentra toda a sua fúria nele.

Além disso, os humanos não terão uma vida muito longa e, durante o tempo em que viverem, haverá oportunidades diárias para que morram por muitas causas diferentes. Os deuses concordam com essa proposta; Atrahasis, o último de sua espécie, é levado para as terras dos abençoados e Ninhursag cria as novas criaturas.

Enki como Deus Trapaceiro

Em ambas as histórias, Enki age no melhor interesse da comunidade, mesmo que essa comunidade não possa apreciá-lo. No Enuma Elish, ele desafia as esperanças de sua mãe ao matar Apsu, mas precisa fazer isso por um bem maior. No Enuma Elish, ele desafia as esperanças de sua mãe ao matar Apsu, mas precisa fazer isso para o bem maior e, no Atrahasis, ele salva um homem bom para inspirar Enlil a dar à humanidade uma segunda chance de viver. Na maioria das outras histórias, ele é mostrado da mesma forma. Em The Marriage of Ereshkigal and Nergal (O casamento de Ereshkigal e Nergal), por exemplo, ele organiza eventos para que Nergal, deus da guerra, seja mantido no submundo durante seis meses do ano, evitando assim guerras e conflitos durante esse período.

Em The Descent of Inanna (A Descida de Inanna), ele planeja o resgate de sua filha (ou sobrinha) do submundo depois que ela é morta por sua irmã Ereshkigal, enviando dois demônios espertos para enganar a Rainha dos Mortos e fazê-los entregar o cadáver de Inanna. Na história Inanna e o Deus da Sabedoria, ele é mostrado como possuidor do meh, as leis e os poderes relacionados a toda a vida e as dádivas da civilização - posses exclusivas dos deuses - que ele permite que Inanna tome dele durante uma festa de bebedeira.

Embora ele envie várias forças atrás dela para capturar novamente os meh e devolvê-los a ele, parece que Inanna consegue escapar com seus tesouros roubados com bastante facilidade. Nesse caso, Enki é visto como em outras obras sobre Inanna: como o pai de uma filha que faria qualquer coisa por ela, mesmo que isso não parecesse a escolha mais sábia ou mesmo a mais justa, dadas as circunstâncias.

Afinal de contas, em A descendência de Inanna, Inanna causa seus próprios problemas e, na verdade, é Ereshkigal quem está sendo injustiçado e deve ser ajudado. Ao ajudar Inanna, entretanto, Enki restaura o equilíbrio do mundo e, novamente, faz sua escolha com base no bem de muitos. Quando ele permite que Inanna pegue o meh, ele sabe que ela dará as dádivas da civilização para a humanidade, assim como sabe que os outros deuses esperam que ele as mantenha longe das mãos humanas.

Flood Tablet of the Epic of Gilgamesh
Tábua do Dilúvio da Epopeia de Gilgamesh
Osama Shukir Muhammed Amin (Copyright)

Como um deus trapaceiro, Enki revela sua sabedoria - e assim ilumina os outros - por meio de ações que podem não fazer sentido à primeira vista. Esse é o caso quando ele se permite ficar bêbado e deixa Inanna ficar com o meh, mas também em A Epopeia de Gilgamesh, quando ele consente com a morte de Enkidu, o melhor amigo do herói Gilgamesh. Enkidu e Gilgamesh acabaram de voltar de outro triunfo quando Inanna (conhecida como Ishtar na história) tenta seduzir o herói e Gilgamesh, listando as muitas outras amantes que teve e que tiveram um fim ruim, a recusa.

Inanna envia o marido de sua irmã Ereshkigal, Gugulana (o touro do céu) para destruir o reino de Gilgamesh e Enkidu o mata. Por levantar a mão contra um deus, Enkidu deve morrer. Enki consente com isso - mesmo reconhecendo que Inanna causou o problema - porque os seres humanos não devem se valorizar tanto a ponto de desafiar os deuses. Porém, o mais importante é que Enki percebe que a morte de Enkidu apresentará a Gilgamesh a perda e isso o levará a explorar o significado da vida, o que o tornará um indivíduo mais profundo e completo.

Mesmo em Enki e Ninhursag, em que ele seduz suas filhas adultas porque elas o fazem lembrar de sua esposa, Enki é retratado com simpatia. Ele é punido por suas transgressões, que, como fica claro, foram cometidas apenas por causa de seu grande amor por Ninhursag e por um tipo de encantamento que ele sofreu por sentir falta dela. Seu papel como Deus Trapaceiro é evidente, pois seus vários erros e pecados resultam no nascimento de divindades favoráveis à humanidade.

O mesmo acontece em Enki e Ninmah, em que Ninmah o desafia para um jogo enquanto bebem cerveja e Enki consegue superá-la criando um ser que ela não pode fazer nada para melhorar. Suas travessuras em todos esses contos são evidências de sua sabedoria e de seu desejo de fazer o melhor para a humanidade.

Patrono de Eridu e adoração

Enki, como patrono da cidade de Eridu, é importante para seu papel como deus da sabedoria. Acredita-se que Eridu tenha sido a primeira cidade criada pelos deuses, na qual a ordem e a lei foram conferidas no início dos tempos e, mais tarde, foi conhecida como a "cidade dos primeiros reis". Fundada por volta de 5400 a.C., Eridu permaneceria como um importante centro religioso por milhares de anos e serviria para histórias e lendas sobre uma "era de ouro", da mesma forma que escritores hebreus posteriores citariam um Jardim do Éden.

Escavações na cidade descobriram santuários para Enki construídos e reconstruídos no mesmo local ao longo de milhares de anos. Mesmo depois que o deus passou a ser amplamente cultuado em outros lugares, ele continuou a ser associado a Eridu e ao abzu (também absu), as águas subterrâneas de lá. Enki era adorado principalmente em seu templo conhecido como E-abzu (Casa do Abzu) e E-engur-ra (Casa das Águas Subterrâneas), descrito e elogiado na Viagem de Enki a Nippur, na qual ele recebe as bênçãos de Enlil para a cidade após sua criação.

Assim como acontecia com todos os outros deuses e deusas importantes da Mesopotâmia, os sacerdotes cuidavam da estátua do deus, do templo-zigurate e do complexo de templos, que serviam ao povo de muitas maneiras diferentes. Os templos dos deuses eram casas de cura, centros de aconselhamento, centros de distribuição e locais sagrados. Não havia serviços de templo como seriam reconhecidos nos dias de hoje e as pessoas interagiam com os deuses principalmente durante os festivais, por meio da comunhão com os sacerdotes menores ou em casa, por meio de rituais particulares.

Em Eridu, Enki presidia o abzu, mas também os aspectos místicos desse pântano primordial do qual se acreditava que a cidade - e a vida - havia surgido. Assistido por seu ministro Isimud, Enki também tinha diversas criaturas a seu serviço, como gigantes, demônios (tanto protetores quanto destrutivos) e outros seres místicos. Acreditava-se que os tritões e as sereias habitavam as profundezas aquáticas do abzu sob a cidade, enquanto os Sete Sábios (o abgal) viviam com Enki em seu palácio.

Em todas as histórias ou lendas, Enki está associado às alturas e às profundezas da compreensão universal e é sempre visto como um amigo da humanidade. Quando lhe era dada a escolha entre servir à vontade dos deuses ou às necessidades do povo, Enki sempre escolhia os interesses humanos e sempre seguia o caminho da compaixão, do perdão e da sabedoria.

Remover publicidades
Publicidade

Perguntas e respostas

Quem é Enki?

Enki (também conhecido como Ea) é o deus sumério da sabedoria, da água doce, da inteligência, dos truques e das travessuras, do artesanato, da magia, do exorcismo, da cura, da criação, da virilidade, da fertilidade e da arte.

Por que Enki é famoso?

Enki é conhecido pelos muitos mitos mesopotâmicos que o apresentam, mas é famoso por seu papel no mito de Atrahasis, no qual ele diz ao herói para construir uma arca para se salvar do Grande Dilúvio.

Como era a aparência de Enki?

Enki é geralmente representado como um homem barbudo usando um chapéu com chifres e longas vestes com correntes de água saindo de seus ombros.

Por quanto tempo Enki foi adorado?

Acredita-se que Enki tenha sido adorado desde aproximadamente 5400 a.C. até o início da era comum. Seu nome aparece pela primeira vez em obras escritas entre 2600-2334 a.C.

Sobre o tradutor

Willian Vieira
Meu nome é Willian Vieira, mas sou conhecido como William Pesquisador devido à minha paixão por desvendar os mistérios das civilizações antigas. Minha jornada acadêmica me levou a um aprofundamento notável na Suméria, a primeira civilização da humanidade.

Sobre o autor

Joshua J. Mark
Joshua J. Mark é cofundador e diretor de conteúdo da World History Encyclopedia. Anteriormente, foi professor no Marist College (NY), onde lecionou história, filosofia, literatura e redação. Ele viajou bastante e morou na Grécia e na Alemanha.

Citar este trabalho

Estilo APA

Mark, J. J. (2017, Janeiro 09). Enki [Enki]. (W. Vieira, Tradutor). World History Encyclopedia. Obtido de https://www.worldhistory.org/trans/pt/1-14434/enki/

Estilo Chicago

Mark, Joshua J.. "Enki." Traduzido por Willian Vieira. World History Encyclopedia. Última modificação Janeiro 09, 2017. https://www.worldhistory.org/trans/pt/1-14434/enki/.

Estilo MLA

Mark, Joshua J.. "Enki." Traduzido por Willian Vieira. World History Encyclopedia. World History Encyclopedia, 09 Jan 2017. Web. 12 Jun 2024.