Anu

Definição

Joshua J. Mark
por , traduzido por Willian Vieira
publicado em 20 Janeiro 2017
Disponível noutras línguas: Inglês, francês
X
Stela of Shamshi-Adad V (by The British Museum, Copyright)
Estela de Shamshi-Adad V
The British Museum (Copyright)

Anu (também conhecido como An) é um deus do céu dos primórdios da Mesopotâmia que mais tarde foi visto como o Pai dos Deuses e governante dos céus, uma posição que passou para seu filho Enlil. Ele é o filho do casal Anshar e Kishar (céu e terra, respectivamente), o segundo filho do casal primordial Apsu e Tiamat.

Originalmente, ele era uma divindade suméria do céu conhecida como An (que significa "céu"), mencionada pela primeira vez por escrito durante o Período Dinástico Inicial (2900-2334 a.C.), que foi adotada pelos acadianos por volta de 2375 a.C. como Anu ("céu"), o todo-poderoso. Sargão da Acádia , ( 2334-2279 a.C.), menciona Anu e Inanna em suas inscrições como legitimadores de seu governo ou como ajudantes em suas conquistas, enquanto estabelecia o Império Acádio e mantinha a ordem.

Remover publicidades
Advertisement

Na maioria das vezes, Anu é representado na iconografia simplesmente por uma coroa ou uma coroa em um trono, simbolizando sua posição como Rei dos Deuses, uma honra e responsabilidade posteriormente conferidas a Enlil, Marduk (filho de Enki/Ea, o deus da sabedoria) e Assur dos assírios, que se acreditava terem sido elevados por Anu e abençoados por ele. Sua consorte é Antu (também conhecida como Uras, deusa da terra) e, entre seus muitos filhos, estão os Annunaki, os deuses da terra e juízes dos mortos, e Nisaba, a deusa suméria da escrita e da contabilidade. Ele também é apresentado como marido de sua irmã Ki (terra), de quem nasce seu filho Enlil.

Embora Anu não apareça com destaque em muitos mitos, ele é frequentemente mencionado como uma figura de fundo. Isso se deve ao fato de que, com o progresso da veneração ao deus, ele se tornou cada vez mais distante. Inicialmente um deus do céu e um dos muitos deuses mais jovens nascidos de Apsu e Tiamat, Anu gradualmente se tornou o senhor dos céus acima do céu e o deus que ordenava e mantinha todos os aspectos da existência.

Remover publicidades
Advertisement

Com Enlil e Enki, Anu formou uma tríade que governava os céus, a terra e o submundo (em uma versão) ou, em outra, o céu, o céu e a terra. Ele também foi listado entre os deuses mais antigos dos Sete Poderes Divinos: Anu, Enki, Enlil, Inanna, Nanna, Ninhursag e Utu-Shamash.

Embora ele seja raramente o personagem principal de um mito, quando aparece, desempenha um papel importante, mesmo quando esse papel pode parecer menor. Ele é mencionado em alguns dos mitos mais conhecidos da Mesopotâmia, incluindo Gilgamesh, Enkidu e o Mundo Inferior, A Epopeia de Gilgamesh, o Mito de Adapa e o Enuma Elish.

Remover publicidades
Advertisement

Anu no Enuma Elish

O épico babilônico da criação Enuma Elish ( 1100 a.C.) é a história do nascimento dos deuses e da formação do mundo e dos seres humanos. No início, havia apenas as águas turbulentas do caos que se dividiram em um princípio masculino (Apsu, simbolizado pela água doce) e um princípio feminino (Tiamat, água salgada). Esses dois deram origem a Lahmu e Lahamu, divindades protetoras, e Anshar e Kishar, que geraram os deuses mais jovens. Esse grupo mais jovem não tem muito o que fazer e, por isso, se diverte de várias maneiras que acabam irritando Apsu; ele não consegue dormir à noite devido ao barulho e eles o distraem durante o dia. Ele acaba decidindo, após conversar com seu conselheiro, que deve matá-los.

Mesopotamian Epic of Creation Tablet
Tabuleta do Épico mesopotâmico da criação
Osama Shukir Muhammed Amin (Copyright)

Tiamat ouve a conversa de seu marido e avisa seu filho (ou neto) Enki sobre o perigo. Após considerar cuidadosamente suas opções, Enki coloca Apsu em um sono profundo e o mata. Tiamat fica horrorizada e renega os deuses mais jovens, reunindo rapidamente um exército de demônios e monstros para destruí-los. Os dois exércitos se enfrentam e os deuses mais jovens são derrotados e expulsos repetidas vezes. Nesse momento , Anu se voluntaria para falar com Tiamat e tentar resolver o problema diplomaticamente.

Os deuses parecem ter toda a confiança na capacidade de Anu, mas quando ele enfrenta Tiamat, ele se intimida e retorna aos outros para relatar sua missão fracassada. O fracasso de Anu, entretanto, contribui para a vitória final dos deuses mais jovens. Os deuses estavam confiantes no sucesso de Anu e, quando sua esperança é frustrada, eles percebem que precisam mudar seus hábitos; não podem mais manter o velho paradigma de como acreditam que o mundo deveria funcionar e precisam aceitar a mudança e encontrar uma nova maneira de atingir seu objetivo.

Remover publicidades
Advertisement

É nesse momento que Marduk, filho de Enki, se apresenta para se oferecer como seu campeão se eles o elegerem como rei. Marduk derrota Quingu, o campeão de Tiamat, e o mata, mas ele não teria sido escolhido se Anu não tivesse falhado na diplomacia. Anu, então, introduz a mudança de percepção que permite a vitória final dos deuses. Depois que a paz foi estabelecida, Marduk e seu pai começaram a criar o mundo e os seres humanos. Entre esses seres humanos, há aqueles especialmente habilidosos em sabedoria e o primeiro entre os sábios é o sábio Adapa.

Anu no mito de Adapa

O Mito de Adapa (século XIV a.C.) conta a história do primeiro homem criado por Enki e dotado da sabedoria do deus. Embora Enki ame seu filho, ele reconhece que não pode lhe dar tudo, caso contrário ele seria como um deus e, por isso, retém o dom da imortalidade. Adapa tem sabedoria, mas essa sabedoria o informa que um dia ele morrerá e que não pode fazer nada a respeito. Ele se contenta em servir como rei da cidade sagrada de Eridu e como sumo sacerdote no templo de Enki. Para servir à sua cidade, ele sai para caçar alimentos e pescar em seu barco no mar.

Myth of Adapa
Mito de Adapa
The Trustees of the British Museum (Copyright)

Um dia, quando Adapa estava em seu barco, o Vento sul se precipita e o sopra em direção à costa, quebrando seu barco em pedaços e jogando-o no mar. Enfurecido, Adapa o açoita, quebra as asas do Vento sul e volta para casa. A notícia desse fato logo chega a Anu, que convoca Adapa para lhe dar explicações. Não há nenhuma indicação de que Anu queira punir Adapa, mas Enki, parecendo temer a ira de Anu, dá ao filho instruções explícitas sobre como se comportar quando chegar aos céus.

Remover publicidades
Advertisement

Enki lhe diz como cumprimentar os guardiões, Tammuz e Gishida, o que dizer a eles e, em seguida, adverte Adapa contra comer ou beber qualquer coisa oferecida. Anu está furioso, diz ele, e oferecerá o alimento da morte e a água da morte juntamente com óleo para unção e um manto novo; o óleo e o manto devem ser aceitos, mas não o alimento e a bebida.

A BENEVOLÊNCIA DE ANU INFUNDIU OS OUTROS DEUSES ENQUANTO ELE PRÓPRIO SE RETIRAVA CADA VEZ MAIS PARA OS CÉUS. ELE FOI FINALMENTE VISTO COMO O MESTRE CRIADOR POR TRÁS DE TODAS AS OPERAÇÕES DO UNIVERSO.

Quando Adapa aparece nos portões, ele cumprimenta Tammuz e Gishida, conforme instruído, e eles ficam impressionados com ele e o recomendam muito a Anu. Como o primeiro conselho dado por Enki obviamente se mostrou útil, Adapa segue os demais. Anu ouve a explicação de Adapa sobre a briga com o Vento sul e ordena que o Alimento da Vida e a Água da Vida sejam trazidos para que Adapa possa se tornar imortal.

Ele faz isso porque está impressionado com a sabedoria e a honestidade de Adapa e não consegue entender por que Enki criaria um ser assim e não permitiria que ele vivesse para sempre. Quando Adapa recusa a comida e a bebida, Anu fica confuso e pergunta por que ele está agindo assim. A segunda tábua da história está danificada no final e a terceira tábua está quebrada, mas parece que Adapa conta a Anu o conselho que Enki lhe deu e que Anu fica com raiva e pune Enki.

Parece claro que Enki sabia que Anu iria oferecer a Adapa a vida eterna e o engana propositalmente para impedir isso. Embora o texto esteja danificado na segunda tábua, há evidências de que essa oferta só pode ser feita uma vez e, quando Adapa recusa o presente, não lhe é dada uma segunda chance. A história é semelhante ao conto bíblico da Queda do Homem em Gênesis 3:22-23. Embora não seja expresso diretamente no mito, o raciocínio de Enki parece semelhante ao de Yahweh na história de Gênesis em que, depois que Adão e Eva são amaldiçoados por comerem da Árvore do Conhecimento do Bem e do Mal, Yahweh os expulsa antes que eles também possam comer da Árvore da Vida:

Eis que o homem se tornou como um de nós, para conhecer o bem e o mal; e agora, para que não estenda a sua mão, e tome também da árvore-da-vida, e coma, e viva eternamente; por isso o Senhor Deus o lançou fora do jardim do Éden. (Gênesis 3:22-23)

Enki entende que os seres humanos não podem ser como os deuses, pois isso perturbaria a ordem natural. Adapa deve permanecer mortal, deve se manter em seu lugar, para que a criação funcione como deveria. Em outra história, no mito de Atrahasis, fica estabelecido que os seres humanos são criados com tempo de vida limitado pela vontade dos deuses. Ao oferecer a imortalidade a Adapa, Anu está perturbando a ordem natural, mas faz a oferta devido a sua compaixão; ele sente que é um desserviço a Adapa tê-lo tornado sábio o suficiente para reconhecer sua mortalidade, mas incapaz de fazer qualquer coisa para escapar da morte. Essa compaixão e compreensão são características de Anu, como se vê em Enuma Elish, quando ele tenta trazer a paz por meio de negociações diplomáticas em vez de guerra contínua.

O Deus Altíssimo

A benevolência de Anu infundiu os outros deuses enquanto ele próprio se retirava cada vez mais para os céus. Finalmente, ele foi visto como o mestre criador por trás de todo o funcionamento do universo, mas se distanciou tanto da humanidade quanto dos outros deuses. A única divindade que tinha acesso a Anu era seu filho Enlil, que gradualmente assumiu as características e o poder de seu pai.

No entanto, mesmo depois que Enlil se tornou mais popular, Anu continuou a ser venerado em toda a Mesopotâmia. Na cidade de Uruk, onde Inanna era a divindade padroeira, Anu foi homenageado por um grande templo-zigurate que continuou em funcionamento de aproximadamente 2000 a.C. a aproximadamente 150 a.C. e serviu como observatório astronômico e biblioteca. Um hino a Anu do início desse período ilustra a alta consideração que lhe era atribuída. O hino diz, em parte, o seguinte

O príncipe dos deuses, cuja fala governa a obediente companhia dos deuses; senhor da coroa de chifres, que é maravilhosamente esplêndida; tu viajas para lá e para cá na tempestade furiosa; tu estás na câmara real para ser admirado como um rei.

A tua palavra, os deuses se lançam sobre a terra em um corpo como um junco na correnteza; eles ordenam que soprem como o vento e façam prosperar a comida e a bebida; à tua palavra, os deuses irados voltam para suas moradas

Que todos os deuses do céu e da terra apareçam diante de ti com presentes e ofertas; que os reis dos países te tragam pesados tributos; que os homens se apresentem diante de ti diariamente com sacrifícios, orações e adorações.

Para Uruk, tua cidade, mostra abundante favor; ó grande deus Anu, vinga tua cidade em terras hostis. (Wallis Budge, 106-107)

Mesmo que, no final, se rezasse cada vez menos diretamente a ele, ele ainda era considerado o poder por trás do poder dos deuses. As oferendas continuaram a ser levadas ao complexo de seu templo em Uruk muito tempo depois de ele não estar mais intimamente associado à vida cotidiana do povo. O acadêmico Stephen Bertman escreve:

Anu era o augusto e reverenciado "presidente do concelho" do panteão mesopotâmico. Seu nome significava literalmente "céu". Ele era a fonte suprema de autoridade entre os deuses e entre os homens, a quem conferia a realeza. Como o grande patriarca do céu, ele distribuía justiça e controlava as leis conhecidas como meh que governavam o universo. (116)

Quando o Império Assírio caiu em 612 a.C., muitos dos deuses mesopotâmicos associados ao seu domínio foram abandonados. Os assírios haviam tomado para si características de muitos deuses diferentes (o melhor exemplo disso é o seu grande deus Assur/Ashur), e as pessoas que sentiam que haviam sofrido sob o domínio assírio descarregavam sua frustração e vingança nas cidades, templos e estátuas dos deuses assírios.

No entanto, alguns deuses continuaram a ser reconhecidos, e Anu estava entre eles. A adoração a Anu continuou no período helenístico da história da Mesopotâmia e, por meio de sua associação com Marduk, até cerca de 141 a.C., quando os Partas assumiram o controle da região e a religião do zoroastrismo se tornou mais difundida.

Remover publicidades
Publicidade

Perguntas e respostas

Quem é o deus Anu?

Anu era o deus do céu da Mesopotâmia, originalmente conhecido como An pelos sumérios. Ele era o poder por trás do poder dos outros deuses mesopotâmicos, residindo no alto dos céus, acima do céu.

Por que Anu é famoso?

Anu desempenha um papel secundário em muitos mitos mesopotâmicos, mas é fundamental no Mito de Adapa, no qual ele oferece à humanidade a vida eterna e ela é recusada. Ele também desempenha um papel fundamental no mito babilônico da criação, Enuma Elish.

Anu era um dos sete poderes divinos da religião mesopotâmica?

Sim. Os Sete Poderes Divinos eram Anu, Enki, Enlil, Inanna, Nanna, Ninhursag e Utu-Shamash.

Por quanto tempo Anu foi adorado na Mesopotâmia?

Anu foi adorado desde pelo menos 2900 a.C. até cerca de 141 a.C.

Sobre o tradutor

Willian Vieira
Meu nome é Willian Vieira, mas sou conhecido como William Pesquisador devido à minha paixão por desvendar os mistérios das civilizações antigas. Minha jornada acadêmica me levou a um aprofundamento notável na Suméria, a primeira civilização da humanidade.

Sobre o autor

Joshua J. Mark
Joshua J. Mark é cofundador e diretor de conteúdo da World History Encyclopedia. Anteriormente, foi professor no Marist College (NY), onde lecionou história, filosofia, literatura e redação. Ele viajou bastante e morou na Grécia e na Alemanha.

Citar este trabalho

Estilo APA

Mark, J. J. (2017, Janeiro 20). Anu [Anu]. (W. Vieira, Tradutor). World History Encyclopedia. Obtido de https://www.worldhistory.org/trans/pt/1-15601/anu/

Estilo Chicago

Mark, Joshua J.. "Anu." Traduzido por Willian Vieira. World History Encyclopedia. Última modificação Janeiro 20, 2017. https://www.worldhistory.org/trans/pt/1-15601/anu/.

Estilo MLA

Mark, Joshua J.. "Anu." Traduzido por Willian Vieira. World History Encyclopedia. World History Encyclopedia, 20 Jan 2017. Web. 22 Mai 2024.