Tiro

Definição

Joshua J. Mark
por , traduzido por Jônia Carvalho Diniz
publicado em 23 Novembro 2021
Disponível noutras línguas: Inglês, Árabe, catalão, francês, italiano, Japonês, espanhol
X
Arch of Hadrian, Tyre (by Carole Raddato, CC BY-NC-SA)
Arco de Adriano, Tiro
Carole Raddato (CC BY-NC-SA)

Tiro (no atual Líbano) é uma das cidades mais antigas do mundo, com mais de 4.000 anos, durante os quais foi habitada quase continuamente. Foi uma das cidades mais importantes e, às vezes, a dominante da Fenícia, cujos cidadãos afirmavam que ela havia sido fundada pelo grande deus Melqart.

A cidade era um antigo porto e centro industrial fenício que, na mitologia, é conhecido como o berço de Europa (que deu nome à Europa) e Dido de Cartago (que ajudou e se apaixonou por Eneias de Tróia). O nome significa 'rocha' e a cidade consistia em duas partes, o principal centro comercial em uma ilha e a 'antiga Tiro', a cerca de 800 metros no continente. A cidade velha, conhecida como Ushu (um nome anterior para Melqart), foi fundada c. 2750 a.C, e o centro comercial cresceu pouco depois. Com o tempo, o complexo da ilha tornou-se mais próspero e povoado do que Ushu e foi fortemente fortificado.

Remover publicidades
Publicidade

A prosperidade de Tiro atraiu a atenção do rei Nabucodonosor II da Babilônia (r. 605/604-562 a.C), que sitiou a cidade por 13 anos no século 6 a.C sem quebrar suas defesas. Durante este cerco, a maioria dos habitantes da cidade continental a abandonou pela relativa segurança da cidade insular. Ushu tornou-se um subúrbio de Tiro no continente e assim permaneceu até a chegada de Alexandre, o Grande.

TIRO ESTAVA EM SUA IDADE DE OURO POR volta do século X aC E, NO SÉCULO VIII, ESTAVA COLONIZANDO OUTROS LOCAIS NA ÁREA.

Os tírios eram conhecidos por trabalharem com tintura das conchas do marisco Murex. Este corante roxo era altamente valorizado e tinha conotações reais no mundo antigo. Também os gregos deram aos fenícios o nome de - Phoinikes - que significa "pessoas roxas". A cidade-estado era a mais poderosa de toda a Fenícia depois de superar seu estado irmão Sídon.

Remover publicidades
Publicidade

Tiro é referenciado na Bíblia no Novo Testamento, onde é afirmado que Jesus e Paulo, o Apóstolo, visitaram a cidade, também são famosos na história militar pelo cerco de Alexandre, o Grande. Hoje, Tiro é listada pela UNESCO como Patrimônio Mundial e os esforços continuam para preservar sua história diante do conflito em curso na região.

The Phoenician Expansion c. 11th to 6th centuries BCE
A expansão fenícia séculos c. 11 a 6 a.C
Simeon Netchev (CC BY-NC-SA)

Origens mitológicas e históricas

Tiro é repetidamente referenciada por historiadores antigos como tendo sido estabelecida pelos deuses. Em um conto, dois irmãos divinos - Shamenrum e Ushu - vivendo no continente, começam a discutir, possivelmente sobre direitos à terra, já que Shamenrum era um agricultor que fazia cabanas de junco (estabelecendo assentamentos permanentes), enquanto Ushu era um poderoso caçador que vagava à vontade e fazia roupas com peles de animais.

Remover publicidades
Publicidade

Quando a discussão (cujos detalhes não são dados) não pôde ser resolvida, Ushu criou uma pequena jangada com o tronco de uma árvore atingida por um raio e deixou o continente, pousando em uma ilha ao largo da costa. Ele estabeleceu um templo lá e nomeou a ilha de Tiro em homenagem à sereia Tyros, que pode ter ajudado a dirigir sua jangada. Nesta história, a ilha flutua livremente sem posição fixa (possivelmente esse é o motivo porque Ushu pediu a ajuda de Tyros para pousar lá) e só é ancorada quando Ushu constrói seu templo lá em homenagem às forças divinas do fogo e do vento, dirigindo seu pilares de esmeralda e ouro tão profundamente na terra que mantêm a ilha no lugar.

Em outra versão das origens da ilha, a deusa Astarte plantou uma oliveira em uma ilha flutuante com uma águia em seus galhos e uma serpente enrolada em sua base. A ilha continuaria a flutuar até que a águia fosse sacrificada aos deuses e, quando Ushu chegou lá em sua jangada, a águia deu sua vida de bom grado e Ushu estabeleceu seu templo como um lar para os deuses. O historiador grego Heródoto (c. 484-425/413 a.C) registra sua visita a Tiro no Livro II.44 de suas Histórias, onde relata como os sacerdotes de Tiro lhe disseram que a cidade foi fundada por Héracles (não o mesmo semideus que o filho de Zeus famoso pelos 12 Trabalhos) que naquela época era adorado como Melqart e era a mesma divindade que Ushu:

Conversei com os sacerdotes do deus de lá e perguntei há quanto tempo o santuário foi fundado e… segundo eles, o santuário do deus foi fundado na mesma época que Tiro, que foi há 2.300 anos.

Evidências arqueológicas datam da mais antiga habitação humana de Tiro em c. 2900 – 2750 a.C, com as primeiras casas abandonadas e a habitação permanente continuando a partir da data posterior. A cidade já estava prosperando durante o período da 18ª Dinastia do Egito (c. 1550-1292 a.C), quando eles forneceram à casa governante do Egito roupas caras tingidas na sombra conhecida como Púrpura Tíria, que continuariam a ser associadas à realeza através do Império Romano e ainda mais tarde. Tiro continuou a prosperar durante o reinado do rei assírio Ashurnasirpal II (884-859 a.C), sendo listada entre as cidades que lhe pagaram tributos que incluíam prata, ouro, estanho, bronze e outros metais e materiais preciosos.

Remover publicidades
Publicidade

Assyrians Attacking Tyre
Assírios atacando Tiro
Rajni Praveen (CC BY-NC-SA)

Idade de ouro de Tiro

Tiro estava em sua idade de ouro por volta do século 10 a.C e, no século 8, estava colonizando outros locais na área e desfrutando de grande riqueza e prosperidade devido principalmente a uma aliança com Israel. A aliança tíria e o acordo comercial com Davi, rei de Israel, foi iniciado pelo rei de Tiro, Abibaal, que enviou ao novo rei madeira dos lendários cedros do Líbano (como se diz que o filho de Abibaal, Hiram, fez com o filho do rei Davi, Salomão). Esta aliança resultou em uma parceria muito lucrativa que beneficiou ambas as partes. De acordo com o estudioso Richard Miles:

Comercialmente, este acordo não apenas deu a Tiro acesso privilegiado aos valiosos mercados de Israel, Judéia e norte da Síria, mas também forneceu mais oportunidades para empreendimentos conjuntos no exterior. De fato, uma expedição tíria-israelita viajou até o Sudão e a Somália, e talvez até o Oceano Índico. (32)

Outro desenvolvimento que encorajou a riqueza de Tiro parece ter sido uma revolução religiosa na cidade sob os reinados de Abibaal e Hiram, que elevou Melqart sobre um dos casais divinos mais populares da religião fenícia, Baal e Astarte. A primazia de Melqart (cujo nome significa 'Rei da Cidade') tirou o poder dos sacerdotes do panteão tradicional dos deuses e o colocou à disposição do palácio, já que Melqart estava intimamente associado à casa governante. Comentários de Miles:

Parece que o desejo de subjugar os templos estava por trás da decisão real de substituir as principais divindades tradicionais de Tiro por um novo deus, Melqart. (32)

Hercules-Melqart
Hércules-Melqart
Dan Diffendale (CC BY-NC-SA)

Conforme observado, Melqart não era novo em Tiro e sempre foi venerado lá, mas agora assumiu maior autoridade e destaque. Os tírios nunca foram monoteístas, mas a elevação de Melqart na cidade agradou à casa dominante israelita monoteísta, que venerava o único deus Javé e promoveu uma relação de trabalho produtiva no comércio. Os tírios forneceram a Israel metais preciosos para seu templo e as famosas roupas tingidas de púrpura para a realeza em troca de bens e luxos necessários. Miles escreve:

Remover publicidades
Publicidade

Em troca [de metais preciosos e roupas], os israelitas entregariam provisões anuais de mais de 400.000 litros de trigo e 420.000 litros de azeite de oliva – um grande benefício para Tiro, com seu território limitado. (32)

O resultado não foi apenas um aumento da riqueza do palácio, mas, por meio de uma distribuição mais eficiente dessa riqueza, aumentou a prosperidade de toda a cidade. Essa riqueza atraiu a atenção dos babilônios após a queda do Império Assírio em 612 a.C e o rei Nabucodonosor II sitiou a cidade em 586 a.C. O cerco durou treze anos e, embora as muralhas de Tiro resistissem, seus empreendimentos comerciais sofreram e a prosperidade diminuiu. Tiro reviveu sob o Império Aquemênida Persa, que tomou a cidade em 539 a.C e a manteve até a chegada de Alexandre, o Grande.

Siege of Tyre
Cerco de Tiro
The Department of History, United States Military Academy (Public Domain)

Alexandre, o Grande e o Cerco

Embora os persas eventualmente tenham colocado seus próprios governadores nas cidades fenícias, eles não interferiram nas tradições religiosas ou políticas já estabelecidas e, de qualquer maneira, a princípio, Tiro foi autorizada a manter seu rei que ainda era associado a Melqart. O rei agora, não os sacerdotes, era a "ponte entre os mundos temporal e celestial, e as necessidades dos deuses celestiais podiam corresponder de perto às exigências políticas do palácio" (Miles, 33). Essa nova política religiosa incentivou um vínculo mais estreito entre as pessoas da cidade, designando-as como separadas das outras cidades-estados da Fenícia e, portanto, especiais aos olhos de seu deus. Miles escreve:

O rei até introduziu um novo e elaborado cerimonial para celebrar o festival anual de Melqart. A cada primavera, em um festival cuidadosamente coreografado chamado egersis, uma efígie do deus era colocada em uma jangada gigante antes de ser ritualmente queimada enquanto flutuava para o mar enquanto hinos eram cantados pela multidão reunida. Para os tírios, como para muitos outros povos antigos do Oriente Próximo, a ênfase recaiu sobre as propriedades restaurativas do fogo, pois o próprio deus não foi destruído, mas revivido pela fumaça, e a queima da efígie representava o renascimento. Para enfatizar a importância da egersis na manutenção da coesão interna do povo tírio, todos os estrangeiros tiveram que deixar a cidade durante a cerimônia. (33-34)

Foi essa cerimônia, e a importância que ela teve para o povo, que traria a destruição de Tiro e a matança ou escravização da população. Em 332 a.C, Alexandre, o Grande, chegou à cidade durante sua conquista do Império Aquemênida. Recém-saído da subjugação de Sídon, que se rendeu e ofereceu presentes luxuosos, ele exigiu a rendição imediata de Tiro. Seguindo o exemplo de Sídon, os tírios reconheceram a grandeza de Alexandre e o presentearam com presentes de valor igual aos que ele havia recebido de Sídon.

Passages under the Hippodrome of Tyre
Passagens sob o Hipódromo de Tiro
Carole Raddato (CC BY-NC-SA)

Tudo parecia estar indo bem e, satisfeito com sua submissão, Alexandre disse que apresentaria um sacrifício em homenagem a seu deus no Templo de Melqart. Os tírios não podiam permitir isso, pois seria um sacrilégio para um estrangeiro apresentar um sacrifício no que era considerado o lar literal de seu deus e ainda mais porque a cerimônia da egersis estava próxima. O estudioso Ian Worthington descreve o que se seguiu:

Azemilk, rei de Tiro, propôs um acordo. Tiro se tornaria aliado de Alexandre, mas ele deveria sacrificar no continente na antiga Tiro, em frente à ilha. Um furioso Alexandre enviou emissários para dizer que isso era inaceitável e que os tírios deveriam se render. Eles assassinaram os enviados e os jogaram para fora de suas paredes. (105)

Alexandre então ordenou o cerco de Tiro. Ele desmantelou grande parte da antiga cidade continental de Ushu, bem como usou detritos caídos, rochas e árvores derrubadas, preenchendo o mar entre o continente e a ilha para criar uma ponte terrestre para suas máquinas de guerra. Ao longo dos séculos, isso causou uma forte sedimentação e ligou permanentemente a ilha ao continente, razão pela qual Tiro não é uma ilha hoje. Após um cerco de sete meses, Alexandre usou seu caminho feito pelo homem para derrubar as muralhas de Tiro e tomar a cidade.

Os 30.000 habitantes de Tiro foram massacrados ou vendidos como escravos, e a cidade foi destruída por Alexandre em sua fúria por tê-lo desafiado por tanto tempo. A queda de Tiro levou ao desenvolvimento adicional de Cartago (já estabelecida como uma colônia fenícia em c. 814 a.C), pois muitos sobreviventes do cerco, que conseguiram escapar da ira de Alexandre por suborno ou furtividade, emigraram para sua antiga colônia no norte da África.

Tyre, Lebanon
Tiro, Líbano
Carole Raddato (CC BY-NC-SA)

Após a morte de Alexandre em 323 a.C, seus generais lutaram entre si pelos territórios que ele conquistou com diferentes regiões controladas, às vezes em sucessão bastante rápida, por um ou outros. O general Laomedonte de Mitilene controlou Tiro no início e mudou de mãos ao longo do conflito (conhecido como as Guerras dos Diadochi, as guerras dos sucessores de Alexandre) até ser tomada por Antígono I em 315 a.C, cujos sucessores a mantiveram até a Fenícia ser conquistada por Antíoco III (r. 223-187 a.C) do Império Selêucida em 198 a.C.

A vinda de Roma

Antíoco III estava preocupado com a expansão de seus próprios territórios quando a Segunda Guerra Púnica eclodiu entre Roma e Cartago em 218 a.C. Hannibal Barca (247-183 a.C), o grande general cartaginês, foi auxiliado e apoiado por Filipe V da Macedônia (r. 221-179 a.C), que convenceu Antíoco III a se juntar a ele na conquista do Egito em c. 205 a.C. O Egito era a principal fonte de grãos de Roma, no entanto, e eles ameaçaram Antíoco III com terríveis consequências caso ele prosseguisse com a proposta de Filipe V. Antíoco III recuou e os romanos derrotaram Filipe V na Batalha de Cynoscephalae em 197 a.C.

OS ROMANOS TOMARAM A CIDADE COMO COLÔNIA EM 64 AEC, QUANDO POMPEU, O GRANDE, ANEXOU TODA A FENÍCIA.

Antíoco III, temendo que Roma pudesse eliminá-lo em seguida, fez um ataque preventivo em 191 a.C e depois em 190 a.C na Batalha de Magnésia, onde foi derrotado. O Tratado de Apamea de 188 a.C reduziu severamente o território de Antíoco III e impôs uma indenização de guerra incapacitante aos selêucidas, o que contribuiu para a queda de seu império. Os monarcas selêucidas começaram a se preocupar mais com sua própria segurança, conforto e luxo do que com a função do estado, enfraquecendo seu domínio sobre várias regiões e, em 126 a.C, Tiro conseguiu declarar sua independência.

A cidade sofreu outro declínio durante as Guerras Mitridáticas (89-63 a.C) entre Mitrídates VI (r. 120-63 a.C) de Ponto e Roma, que também envolveu Tigranes, o Grande (r. c. 95-c. 56 a.C), que se aliou a Mitrídates VI. Embora Tiro tenha conseguido manter sua independência, a guerra incessante na região dificultou severamente os empreendimentos comerciais, levando ao declínio econômico.

Seats of the Hippodrome of Tyre, Lebanon
Assentos do Hipódromo de Tiro, Líbano
Carole Raddato (CC BY-NC-SA)

Os romanos tomaram a cidade como colônia em 64 a.C, quando o general romano e cônsul Pompeu, o Grande, anexou toda a Fenícia. Tiro foi reconstruída e reformada sob os romanos que, ironicamente, destruíram a cidade de Cartago, para onde os tírios sobreviventes haviam fugido. Roma construiu as estradas, monumentos e aquedutos que ainda podem ser vistos nos dias modernos e a cidade floresceu sob o domínio romano, mas declinou após a queda do Império Romano. Continuou como uma cidade portuária sob a metade oriental de Roma, o Império Bizantino, até o século VII d.C, quando foi tomada na conquista muçulmana da região.

Conclusão

A cidade foi controlada pelos cruzados cristãos em 1124 após a Primeira Cruzada e tornou-se um importante centro comercial que ligava o Ocidente ao Oriente através da Rota da Seda. Durante esse tempo, Tiro continuou a produzir sua famosa tinta púrpura e prosperou como sede de um arcebispado da Igreja e uma das mais importantes defesas do Reino de Jerusalém na manutenção da presença cristã na região.

Tiro foi tomado pelo sultanato mameluco muçulmano em 1291 e, posteriormente, a produção de corantes e roupas roxas terminou, pois os corantes mais baratos estavam disponíveis. Em 1516, a cidade passou a fazer parte do Império Otomano, que a manteve até 1918, quando, após o sucesso da Revolta Árabe, passou a fazer parte do Reino Árabe da Síria. A essa altura, os tírios dependiam em grande parte da indústria pesqueira – que sempre foi um aspecto importante de sua economia – e muito menos da produção dos tipos de artesanato que caracterizaram a grandeza passada de Tiro.

Atualmente, Tiro depende principalmente do turismo para sustentar sua economia. As escavações arqueológicas começaram lá em 1946 e continuaram, esporadicamente, desde então. O conflito contínuo na região durante a última parte do século 20 até o presente dificultou o trabalho arqueológico e, às vezes, paralisou completamente o turismo, prejudicando a economia e impedindo a exploração de uma das maiores cidades da antiguidade.

Remover publicidades
Publicidade

Sobre o tradutor

Jônia Carvalho Diniz
Jônia Diniz é tradutora certificada com formação em inglês, francês e espanhol. Mora no Brasil. Entusiasta da História.

Sobre o autor

Joshua J. Mark
Joshua J. Mark é cofundador e diretor de conteúdo da World History Encyclopedia. Anteriormente, foi professor no Marist College (NY), onde lecionou história, filosofia, literatura e redação. Ele viajou bastante e morou na Grécia e na Alemanha.

Citar este trabalho

Estilo APA

Mark, J. J. (2021, Novembro 23). Tiro [Tyre]. (J. C. Diniz, Tradutor). World History Encyclopedia. Obtido de https://www.worldhistory.org/trans/pt/1-503/tiro/

Estilo Chicago

Mark, Joshua J.. "Tiro." Traduzido por Jônia Carvalho Diniz. World History Encyclopedia. Última modificação Novembro 23, 2021. https://www.worldhistory.org/trans/pt/1-503/tiro/.

Estilo MLA

Mark, Joshua J.. "Tiro." Traduzido por Jônia Carvalho Diniz. World History Encyclopedia. World History Encyclopedia, 23 Nov 2021. Web. 18 Jun 2024.