Kukulcan

Definição

Mark Cartwright
por , traduzido por Rafael de Quadros
publicado em 25 Janeiro 2021
X
translations icon
Disponível em outras línguas: Inglês, Francês, Espanhol
Kukulcan Sculpture, Chichen Itza (by Judson McCranie, CC BY-SA)
Escultura Kukulcan, Chichen Itza
Judson McCranie (CC BY-SA)

Kukulcan (pron. Koo-kool-kan) é o nome de um deus serpente emplumado na mitologia e religião das culturas mesoamericanas, em particular, os yucatecas maias. Ele também é identificado como o deus serpente emplumado Quetzalcóatl pelos toltecas e astecas, como Gucumatz para o quiché maia da Guatemala, e Ehecatl, o deus do vento, para os huastecas da costa do Golfo. Kukulcan e suas outras manifestações são unificados pela crença de que cada um foi considerado um deus criador e um gerador de chuva e ventos. O deus está particularmente associado a Chichen Itza, onde um grande templo foi construído em sua homenagem. Kukulcan também é o nome de um herói cultural do século 10 dC na história iucateca maia, e ele tem uma contrapartida nas histórias tolteca e asteca, onde carrega o nome de Ce Acatl Topiltzin Quetzalcóatl. O deus da serpente emplumada permanece hoje um poderoso símbolo da herança cultural indígena mexicana.

Kukulcan e os Yucatecas Maias

Os maias iucatecas eram (e ainda são) falantes da língua iucateca e se estabeleceram na península de Yucatan, no norte da antiga Mesoamérica. Seu deus principal era a serpente emplumada Kukulcan, cujo nome significa exatamente isso: emplumada (k'uk'ul) e serpente (kan). Ele era um deus criador e o deus da chuva, vento, tempestades e vida. Por toda a Mesoamérica, a cobra, por causa de seus hábitos de vida, tornou-se um símbolo da vida tanto abaixo quanto acima da terra, e por isso foi considerada um ponto de conexão entre os deuses e a humanidade. As bocas abertas das cobras foram identificadas com cavernas, que dão acesso ao submundo, e seus corpos geralmente recebem símbolos celestes na arte mesoamericana. Além disso, as palavras maias para céu e cobra têm a mesma pronúncia. A figura aparece pela primeira vez, embora raramente, em esculturas da civilização olmeca, que prosperou na Mesoamérica pré-clássica (formativa) de c. 1200 AEC a c. 400 AEC. Não se sabe muito mais sobre Kukulcan, exceto que o deus tinha grandes templos dedicados a ele em Chichen Itza, Mayapan, Uxmal e outros.

Remover publicidades

Advertisement

HISTÓRIAS ENTRELAÇADAS DE MITOLOGIA E MIGRAÇÃO SÃO TÍPICAS DA TRANSFERÊNCIA DE ELEMENTOS DA CULTURA MESOAMERICANA ATRAVÉS DO TEMPO E DO ESPAÇO.

Além do deus Kukulcan, o yucateca maia acreditava que um homem chamado Kukulcan - um herói cultural que é governante ou sacerdote - havia, em algum momento do século 10 EC (talvez 987 EC), chegado ou até fundado Chichen Itza na ponta norte da península de Yucatán. Esse indivíduo e seus seguidores vieram da lendária cidade de Tula / Tollan (um nome frequentemente aplicado a qualquer grande povoado). Em algumas lendas maias, foi dito que Kukulkan e seus seguidores tomaram a cidade à força, derrotando os primeiros colonos da cidade, a quem os maias chamavam de Itza. O herói Kukulcan também é responsável por fundar outras cidades na região, como Mayapan, que substituiu Chichen Itza como a cidade dominante da região. Curiosamente, nas tradições posteriores da civilização asteca (1345-1521 EC), um indivíduo chamado Ce Acatl Topiltzin Quetzalcóatl (nascido em 935 ou 947 EC) havia deixado Tollan, a capital da civilização Tolteca, para viajar para as terras em o leste. Os toltecas precederam os astecas e floresceram nos séculos 10 a 12 EC, e foram considerados os fundadores de sua cultura. Tanto para os iucatecas quanto para os astecas, a figura histórica de Kukulcan / Quetzalcóatl trouxe inovações culturais e depois partiu em paz, prometendo voltar um dia. Essa lenda fez com que todos os tipos de figuras futuras fossem identificadas como o grande sacerdote governante, de Santo Antônio ao Conquistador Hernán Cortés (1485–1547 EC).

Pyramid  of the Feathered Serpent, Xochicalco
Pirâmide da Serpente Emplumada, Xochicalco
Rodolfo Araiza G. (CC BY-NC-SA)

Essas histórias entrelaçadas de mitologia e migração são típicas da transferência de elementos da cultura mesoamericana por meio de várias civilizações contemporâneas e sucessivas. Certamente, as duas cidades de Chichen Itza (em sua segunda fase de desenvolvimento) e Toltec Tollan são notavelmente semelhantes em termos de layout, arquitetura, arte e iconografia, sugerindo que havia ligações culturais históricas entre os Toltecas e os Yucatecas Maias. O comércio de obsidiana (usada para armas) pode muito bem ter sido a razão de as duas culturas interagirem, mas qual uma influenciou ou dominou a outra ainda é uma fonte de debate entre os estudiosos, uma vez que os mitos são fragmentários e foram confundidos e misturados com tradições posteriores. Além disso, a evidência física sobrevivente é contraditória. Por exemplo, pinturas de parede em Chichen Itza mostrando cenas de uma invasão naval e guerra brutal não combinam com a história de um forasteiro sábio e benevolente trazendo paz e inovações para a península de Yucatán.

Remover publicidades

Advertisement

A TEOTIHUACAN TEM AS ANTIGAS REPRESENTAÇÕES DE QUETZALCÓATL, QUE DATAM AO INÍCIO DO SÉCULO III.

Quetzalcóatl - Feathered Serpent

Quetzalcóatl foi um dos deuses mais importantes da antiga Mesoamérica, especialmente para as civilizações tolteca e asteca. Ele também é conhecido como Serpente Emplumada ou Emplumada, ou seja, uma mistura de pássaro e cascavel. Na verdade, seu nome é uma combinação das palavras nahuatl pós-clássicas para o quetzal - o pássaro emplumada esmeralda - e cóatl ou serpente. Quetzalcóatl era considerado o deus do vento e das chuvas, e o criador do mundo e da humanidade quando era freqüentemente conhecido como Ehecatl-Quetzalcóatl (ehecatl significa vento em Nahuatl). No México Central a partir de 1200 EC, Quetzalcóatl também era considerado o deus patrono dos sacerdotes e mercadores e o deus do aprendizado, ciência, agricultura, artesanato e artes. Ele também inventou o calendário, foi identificado com Vênus, a estrela da manhã em ascensão e foi associado com gambás. O deus até descobriu o milho com a ajuda de uma formiga vermelha gigante que o levou a uma montanha cheia de grãos e sementes. Finalmente, Quetzalcóatl era associado à nobreza, governantes e realeza, e seu nome era frequentemente usado para adicionar prestígio a um título, como vimos acima com Ce Acatl Topiltzin Quetzalcóatl.

Quetzalcoatl
Quetzalcoatl
Marcelosan (CC BY-SA)

Teotihuacan, na bacia central do México, possui as primeiras representações de Quetzalcóatl, que datam do início do século III EC. Essas esculturas em relevo mostram cobras emplumadas, e aquelas no local posterior de Cacaxtla incluem o deus com chuva e água. O deus era frequentemente representado na decoração escultórica arquitetônica e ele aparece em outros locais como Xochicalco, mas raramente com qualquer forma humana. Somente por volta de 1200 EC Quetzalcóatl recebeu características humanas, quando geralmente usa joias de concha, penas amarelas e um chapéu cônico. O deus às vezes usa a joia do vento (Ehecailacozcatl), que é um corte transversal de uma concha usada como peitoral.

Remover publicidades

Advertisement

Ehecatl - Deus do Vento

Ehecatl foi considerado o aspecto do vento de Quetzalcóatl e, portanto, é outra encarnação de Kukulcan. Ele era adorado pelos astecas e, antes deles, pelos huastecas na costa oriental do México. Associado às direções cardeais, o deus foi creditado por dar à humanidade a planta maguey, uma fonte de fibra para tecer e cujo suco era fermentado para fazer uma cerveja com leite levemente alcoólica conhecida como pulque. De acordo com uma versão do mito da criação asteca, Quetzalcóatl assumiu o aspecto de Ehecatl e desceu ao Mundo Inferior, onde roubou os ossos dos habitantes dos mundos anteriores para criar humanos neste.

Ehecatl, God of the Winds
Ehecatl, Deus dos Ventos
Travis (CC BY-NC-SA)

As representações artísticas de Ehecatl-Quetzalcóatl frequentemente o mostram com um corpo negro e uma máscara vermelha como o bico de um pato, através da qual o deus assobiava os ventos. Ele também tem dentes caninos longos e usa uma concha peitoral. Ao contrário das pirâmides típicas que honram outros deuses, Ehecatl é geralmente homenageado com templos aerodinâmicos, que são circulares ou curvos em uma das extremidades e cobertos por um teto cônico. Em uma homenagem à sua ligação com Kukulcan / Quetzalcóatl, as entradas desses templos normalmente recebem uma moldura entalhada para se assemelhar a mandíbulas de cobra.

Gucumatz

Assim como Kukulcan para os yucatecas maias, Gucumatz (ou Gukumatz) foi um deus importante (mas não o mais importante) dos quiché maias (também conhecidos como K'iche 'maia) que ocuparam o que hoje é o oeste da Guatemala. Gucumatz, cujo nome significa 'serpente emplumada', aparece no Popol Vuh, um texto que registra as tradições orais da criação, cosmologia e história do Quiché. No Popol Vuh, Gucumatz e o deus Jurakan criam o primeiro mundo dos Quiché Maya, tanto o lugar físico quanto seus habitantes. O deus às vezes era visto como uma águia, embora em alguns mitos ele também possa se transformar em um jaguar. Na arte, Gucumatz também pode ser representado como uma concha, um caracol ou uma flauta de osso. O papel secundário de Gucumatz na mitologia da criação quiché, onde ele aparece com 12 outros deuses, sugere que ele era uma versão importada do tolteca Quetzalcóatl e do yucateca Maya Kukulcan, e então ele teve que encontrar um lugar em um panteão existente. Tal como acontece com Kukulcan e Quetzalcóatl, o nome Gucumatz foi usado por pelo menos um governante Quiché.

Remover publicidades

Advertisement

Chichen Itza

Chichen Itza floresceu entre 750 e 1200 EC, e hoje é a cidade mesoamericana mais associada a Kukulcan. A cidade provavelmente era a capital de uma confederação de cidades-estado maias. Uma estrutura associada a Kukulcan em seu disfarce de deus dos ventos é o Caracol, um observatório astronômico construído antes de 800 EC. Sua impressionante abóbada interior pode ter sido projetada para representar uma concha que era um objeto associado a Kukulcan e à maioria dos deuses do vento na Mesoamérica. O observatório foi provavelmente construído para monitorar o progresso do planeta Vênus, que estava fortemente associado ao deus serpente emplumado em todas as suas formas.

Shadow Effects of the Pyramid of Kukulcan
Efeitos sombrios da pirâmide de Kukulcan
David Stanley (CC BY)

Outra estrutura impressionante no local é a Pirâmide de Kukulcan, também conhecida como Castillo ou Castelo. Construída antes de 1050 EC, a pirâmide de quatro lados tem 58-9 metros (190 pés) de largura em cada lado e se eleva a uma altura de 24 metros (78 pés). Uma escada de cada lado eleva os nove níveis até um cume onde existe uma pequena estrutura quadrada composta por duas câmaras. A pirâmide é uma maravilha de simetria arquitetônica e intenção de design. Três escadas têm 91 degraus, enquanto a quarta tem 92, perfazendo um total de 365, um degrau para cada dia do ano. Vista de cima, a cruz formada pelas escadas impostas no topo da base quadrada da pirâmide lembra o sinal maia do zero. Além disso, e em particular referência a Kukulcan, em certas épocas do ano, por exemplo no equinócio de outono, sombras triangulares dos diferentes níveis da pirâmide são lançadas nas laterais da escada norte, dando a ilusão de que uma cobra gigante está escalando a estrutura construída em homenagem ao deus serpente emplumada. Uma homenagem mais convencional é vista em grandes cabeças de cobra de pedra no lado norte da pirâmide. A plataforma no topo da pirâmide era usada para cerimônias religiosas em homenagem a Kukulcan, que incluíam sacrifícios humanos, um lembrete de que na cultura mesoamericana os deuses deviam ser continuamente alimentados e apaziguados para garantir a continuidade e prosperidade da raça humana.

Remover publicidades

Publicidade

Sobre o tradutor

Rafael de Quadros
Rafael is a Historian, Writer, Speaker, Columnist, Editor and Reviewer of Revista História Medieval, he also manages two portals of History in Brazil.

Sobre o autor

Mark Cartwright
Mark é um historiador que vive na Itália. Seus interesses incluem cerâmica, arquitetura, mitologia e a descoberta das ideias que todas as civilizações partilham entre si. Tem Mestrado em Filosofia Política e é o Diretor de Publicação na Enciclopédia da História Mundial.

Citar este trabalho

Estilo APA

Cartwright, M. (2021, Janeiro 25). Kukulcan [Kukulcan]. (R. d. Quadros, Tradutora). World History Encyclopedia. Recuperado de https://www.worldhistory.org/trans/pt/1-11168/kukulcan/

Estilo Chicago

Cartwright, Mark. "Kukulcan." Traduzido por Rafael de Quadros. World History Encyclopedia. Última modificação Janeiro 25, 2021. https://www.worldhistory.org/trans/pt/1-11168/kukulcan/.

Estilo MLA

Cartwright, Mark. "Kukulcan." Traduzido por Rafael de Quadros. World History Encyclopedia. World History Encyclopedia, 25 Jan 2021. Web. 13 Ago 2022.