Périplo do Ponto Euxino

Artigo

Carole Raddato
por , traduzido por Samuel Santos
publicado em 19 Dezembro 2023
X
translations icon
Disponível noutras línguas: Inglês, francês, espanhol

O Périplo do Ponto Euxino (Circum-navegação do Mar Negro) é uma descrição das rotas comerciais ao longo das margens do Mar Negro escrita por Arriano da Nicomédia (Lúcio Flávio Arriano), um historiador e filósofo que escreveu no início do século II d.C. Este tratado geográfico oferece informações valiosas sobre a geografia, cultura e comércio da região do Mar Negro, conhecida como Ponto Euxino na antiguidade, com menções a rios, portos e tribos sob a supervisão de reis clientes.

The Periplus of the Euxine Sea, c. 130 CE
O Périplo do Ponto Euxino, c 130 EC
Simeon Netchev (CC BY-NC-SA)

Background

O controle sobre a região de Lázica (Cólquida) foi transferido em 81 d.C. pelo Imperador Domiciano (r. 81-96 d.C.) para a província romana da Capadócia, no leste da Anatólia, fazendo fronteira com a Armênia. A Capadócia era uma província fronteiriça com legiões, acampamentos de legionários e uma cadeia de postos fronteiriços guarnecidos por tropas auxiliares. No ano 130, o imperador romano Adriano (r. 117-118 d.C.) nomeou seu amigo de longa data e conselheiro próximo, Lúcio Flávio Arriano, como governador romano da Capadócia. Arriano (nascido em 86 d.C.) era natural de Nicomédia, a capital da província romana da Bitínia, uma cidade situada na extremidade de uma baía do Propôntida (Mar de Mármara) no lado asiático. Arriano era membro da elite literária grega (aluno de Epiteto) e da administração imperial romana. Sua carreira política e pública atingiu o auge sob o governo de Adriano, tornando-se cônsul em 129 ou 130 d.C. e servindo como governador da Capadócia de 130-1 a 136-7 d.C.

Remover publicidades
Advertisement
O "Periplo do Ponto Euxino" aparece na forma de uma série de cartas de Arriano para Adriano, fornecendo a ele um levantamento geográfico e topográfico da costa do Mar Negro.

O dever do governador era proteger a fronteira e manter o estado altamente eficiente de defesa dos fortes e acampamentos. Arriano comandava duas legiões estacionadas na Capadócia, a XII Fulminata baseada em Melitene e a XV Apolinária em Satala, que protegiam as rotas para o território romano provenientes da Armênia e do vizinho Império Parta. A força militar capadócia também era responsável por guarnecer o território de Lázica (Cólquida) na costa leste do Mar Negro até Dioscúrias e por auxiliar o reino aliado da Ibéria Caucasiana. Além disso, a Frota Pôntica (Classis Pontica), com sede em Trapezo (posteriormente conhecida como Trebizonda, e Trabzon nos dias atuais), assegurava a área sudeste do Mar Negro e protegia o suprimento de grãos da Crimeia (historicamente conhecida como Tauro e Táurica). Três das obras existentes de Arriano pertencem ao período de seu governo, incluindo o Périplo do Ponto Euxino, um relatório único composto em 131 d.C. no primeiro ano de seu comando.

Forma & Propósito

O Périplo do Ponto Euxino aparece na forma de uma série de cartas de Arriano para Adriano, seu amigo e imperador, fornecendo a ele um levantamento geográfico e topográfico da costa do Mar Negro. Provavelmente encomendado pelo próprio imperador, o Periplo foi escrito em grego como um complemento literário a um relatório que Arriano fez em latim, a linguagem apropriada para despachos militares. O relato em grego foi redigido para o imperador filohelênico em um tom mais pessoal, como de amigo para amigo. O relatório oficial em latim não foi preservado.

Remover publicidades
Advertisement

Periplus of the Euxine Sea by Arrian
Périplo do Ponto Euxino por Arriano
UB Basel (Public Domain)

Pouco antes de Arriano assumir o cargo de legado da Capadócia, Adriano havia inspecionado aquela parte do Império Romano, visitando os acampamentos do exército romano ao longo da fronteira oriental antes de se concentrar em outras áreas. O dever de Arriano era continuar o tour de inspeção de Adriano pela fronteira ao longo do Mar Negro oriental e do Cáucaso. O objetivo da viagem seria tanto militar quanto diplomático: verificar as guarnições militares e ancoradouros no caso de uma expedição militar para a região e fortalecer a influência de Roma sobre as tribos e reinos clientes. O Périplo também se concentrou em informações estratégicas e topográficas. Serviu como um guia marítimo, delineando rotas de navegação, portos e pontos de referência ao longo das costas do Mar Negro, enfatizando atividades econômicas e recursos. A frota de Arriano provavelmente consistia em liburnianos de duas filas e grandes trirremes. Eles navegavam de manhã cedo a partir das desembocaduras dos rios.

Arriano modelou seu estilo de escrita no filósofo e historiador Xenofonte do século IV a.C., ganhando o apelido de "o Segundo Xenofonte". Assim como Xenofonte antes dele, Arriano alcançou o canto sudeste da costa do Mar Negro em Trapezo. O trecho de abertura de seu Périplo faz alusão ao trecho mais famoso da Anábase de Xenofonte, o grito de alegria dos Dez Mil, "Thalatta! Thalatta!" ("Mar! Mar!"). Arriano começa com essas palavras dirigidas a Adriano:

Remover publicidades
Advertisement

Arriano, ao Imperador César Trajano Adriano Augusto, saudações. Chegamos a Trapezo, uma cidade grega, como diz Xenofonte, fundada à beira-mar, uma colônia dos Sinopenses; e com alegria contemplamos o Ponto Euxino a partir do exato local que tanto Xenofonte quanto vós contemplastes. (1.1)

A Rota Descrita

O Périplo de Arriano está dividido em três seções, consistindo em três viagens separadas em uma jornada descontínua no sentido anti-horário ao redor do Mar Negro: ao longo da costa de Trapezus até Sebastópolis (capítulos 1-11), do Bósforo Trácio a Trapezo (capítulos 12-17) e de Sebastópolis a Bizâncio (capítulos 18-25). Apenas a primeira parte pode descrever uma viagem real de Arriano como um oficial do governo romano. É a parte mais longa e interessante do Périplo, escrita no formato narrativo em primeira pessoa. As outras duas viagens foram talvez realizadas por diferentes pessoas, o que explicaria a descontinuidade no movimento espacial e o estilo narrativo impessoal. Grande parte do Périplo é ocupada por listas de rios, portos e cidades, com as distâncias entre eles, bem como santuários e tribos de povos que habitam a região. Arriano também faz alusões à história local e a histórias da mitologia grega (Jasão e os Argonautas, Medeia, Prometeu) e frequentemente cita Homero.

Recreation of a Roman Port
Recriação de um porto romano
Ancient History Magazine / Karwansaray Publishers (Copyright)

Parte 1: Viagem pela Cólquida: De Trapezo a Sebastópolis (1-11)

Arriano iniciou sua jornada de inspeção em Trapezo antes de velejar para leste e norte ao longo da costa, fazendo paradas em fortalezas militares e revisando as tropas. Em Trapezo, o governador visita o santuário local dedicado ao deus grego Hermes e ao culto imperial, que, segundo ele, estava em estado de abandono. Ele comenta sobre a estátua de Adriano, construída em uma pose apontando para o mar: "Sua estátua não se assemelha em nada ao original, e a execução é, em outros aspectos, indiferente. Portanto, envie uma estátua digna de ser chamada de Sua" (1.3-4). Ele também não ficou impressionado com os altares feitos de "pedra bruta" e comentou sobre a inscrição, que estava "incorretamente escrita, como é comum entre povos bárbaros" (1.2).

Trapezo foi o ponto de partida do sistema de defesa Ponto-Cáucaso que se estendia ao longo da costa da Cólquida. Navegando para leste, o primeiro lugar que Arriano alcançou foi a cidade portuária próxima de Hísso (ou Hísso Límen), a 180 estádios de Trapezo (34 km / 23 mi), onde uma pequena guarnição militar estava estacionada. Ele fez com que os soldados realizassem exercícios militares com exibições de arremesso de lanças, evocando as observações e o discurso de Adriano em Lambesis, na Numídia, em 128 d.C.

Remover publicidades
Advertisement

The Caucasian Frontier of the Roman Empire
A Fronteira Caucasiana do Império Romano
David Breeze and Kurt Schaller (CC BY-NC-SA)

A frota de Arriano ancorou então no santuário grego de Atena em Atene, onde ele enfrentou uma violenta tempestade de trovões e relâmpagos que durou dois dias e destruiu um trirreme. No forte de Apsaro, ele pagou os soldados (havia cinco coortes, cerca de 2.500 tropas) e inspecionou suas armas e provisões. Apsaro controlava uma rota importante de leste a oeste e estava mais fortemente defendido do que outros postos militares nesta fronteira. Poucos anos depois, em 135 d.C., Arriano iria mobilizar as legiões capadócias e liderar uma marcha para proteger a província contra a invasão dos Alanos. Ele transformaria Apsaro em seu posto de comando. Arriano deriva o nome deste lugar de Absirto, o irmão mais novo de Medeia, que se diz ter sido assassinado neste local por ela e cujo túmulo ainda podia ser visto.

Remains of the Apsarus Roman Fort
Restos do Forte Romano Apsaro
Carole Raddato (CC BY-NC-SA)

Arriano interrompe então sua narrativa para listar todos os rios que desaguam no Mar Negro entre Trapezo e Fásis, junto com as distâncias entre eles. Navegando de Apsaro, Arriano alcançou Fásis (uma colônia grega de Mileto) na foz do rio de mesmo nome, em uma viagem de 360 estádios (67 km / 46 mi). Ele relata ter construído uma vala para proteger a ancoragem e o assentamento civil que havia se desenvolvido em torno do forte.

View of the Black Sea towards Phasis
Vista do Mar Negro em direção à Fásis
Carole Raddato (CC BY-NC-SA)

Arriano também descreve as propriedades incomuns do rio Fásis, que possui uma cor leve e variável, além de ser excepcionalmente suave e doce. O Fásis, que fluía pelas Montanhas do Cáucaso, era o rio mais importante na Cólquida, dividindo a Europa da Ásia no mapa-múndi de Anaximandro. Em Fásis, Arriano foi mostrado a âncora de ferro do navio de Jasão, o Argos, mas expressou seu ceticismo quanto à autenticidade da relíquia, pois parecia ser muito recente, e acrescentou que "nenhum outro monumento relacionado à história fabulosa de Jasão pode ser encontrado lá agora." (9.2-3).

Remover publicidades
Advertisement

Anaximander World Map
Mapa-múndi de Anaximandro
Bibi Saint-Pol (Public Domain)

De Fásis, Arriano navegou até Dioscúrias (outra colônia milésia), "agora chamada Sebastópolis" (10.4), o último acampamento no território romano ao navegar ao longo da costa leste do Mar Negro. À medida que sua trirreme se aproximava da ancoragem, Arriano avistou o pico mais alto das Montanhas do Cáucaso, "chamado Estrobilo" (11.4), onde Prometeu estava acorrentado. Segundo o mito, Zeus puniu Prometeu por ter dado o fogo à humanidade, acorrentando o Titã a uma rocha e ordenando que uma águia comesse seu fígado. Como o fígado crescia de volta a cada noite, a águia retornava para comê-lo novamente no dia seguinte. A montanha era o Monte Elbrus, no noroeste do Cáucaso, embora o Monte Kazbek, no leste da Geórgia, também seja citado como o local onde Prometeu foi acorrentado. O Monte Kazbek está associado no folclore georgiano ao poderoso herói Amirani, a versão georgiana de Prometeu, que foi acorrentado na montanha pelos mesmos motivos.

Mount Kazbeg in the Caucasus Mountains, Georgia
Monte Kasbeg nos Montes Cáucasos, Geórgia
Carole Raddato (CC BY-NC-SA)

Em Sebastópolis, Arriano pagou os soldados e observou a cavalaria saltando sobre os cavalos. Ele visitou os enfermos, verificou o suprimento de grãos e, preocupado com a segurança e a ameaça de invasão, inspecionou as muralhas da cidade e a vala para garantir que estivessem adequadas para a defesa. Arriano calculou que Sebastópolis estava cerca de 2.260 estádios (422 km / 286 mi) da base naval de Trapezo. Em seguida, Arriano lista sequencialmente as tribos nativas na costa leste da Cólquida, governadas por chefes sujeitos a Roma (11.3-3). Sob Trajano (r. 98-117 d.C.) e Adriano, os romanos estabeleceram relações com tribos cólquidas. Ele menciona os três governantes clientes reconhecidos por Adriano: Malassas dos Lazis, Rhezmegas dos Abasgos e Espadagas dos Sanigues. Após inspecionar Sebastópolis, Arriano retornou com sua esquadra a Trapezo.

Parte 2: Do Bósforo Trácio a Trapezo (12-17)

A segunda parte do Periplo contém um guia detalhado de lugares e rios entre a foz do Bósforo e Trapezo. Ela abrange o que deveria ter sido a primeira parte de uma circunavegação convencional do Mar Negro. Não é confirmado se esta seção é baseada na experiência pessoal do autor. No entanto, alguns estudiosos consideram que este capítulo pode resultar de suas próprias observações em sua jornada para Trapezo, quando assumiu seu cargo na Capadócia. Além disso, como natural da Bitínia, ele teria tido oportunidades de conhecer pessoas e cidades ao longo da costa sul do Mar Negro. Cerca de um terço dessa costa pertencia à Bitínia. Nesta seção, Arriano faz constantes referências ao seu herói favorito, Xenofonte, e à marcha dos Dez Mil mercenários gregos de Trapezo a Bizâncio ao longo desta costa.

Bust of Xenophon
Busto de Xenofonte
Carole Raddato (CC BY-NC-SA)

Entre as cidades e portos listados na segunda parte do Périplo estão Heracleia Pôntica, "uma cidade grega dórica, uma colônia dos megarenses" (13.3) na foz do rio Lico; Tios, "uma colônia dos milésios" (13.5) na foz do rio Bileu; Amástris, uma cidade grega a 90 estádios do rio Partênio dentro do limite da Paflagônia, "onde há um porto para navios" (14.1); Sinope, "uma colônia dos milésios" (14.5); Amisos, "uma cidade grega, e uma colônia ateniense" (15.3) entre os deltas dos rios Hális e Íris; e Cotiora, mencionada por Xenofonte como uma colônia dos sinopianos. Heródoto tornou famoso o rio Hális como a fronteira do reino de Creso, que governava sobre todas as pessoas que viviam a oeste do rio. No capítulo 15, Arriano também menciona o rio Termodonte, "às margens do qual se diz que viveram as Amazonas" (15.3). O rio deságua no Mar Negro cerca de 50 km (34 mi) a leste de Amisos. Como deus fluvial, Termodonte era filho de Oceano e Tétis. Ele é representado no reverso de uma medalha de bronze de Antino cunhada em Amisos.

Fortifications Walls of Sinope
Muralhas Fortificadas de Sinope
Carole Raddato (CC BY-NC-SA)

Em 123 d.C., Adriano fez paradas em alguns desses portos depois de inspecionar a fronteira capadócia e visitar Trapezo. No capítulo 16 do Périplo, ele menciona que Trapezo estava construindo um novo porto: "Lá você está construindo um porto; antes, havia apenas um onde se podia ancorar apenas no verão." (16.5). Este é um dos poucos comentários pessoais feitos por Arriano.

Parte 3: De Dioscúrias a Bizâncio (18-25)

A terceira e última parte do Périplo completa o circuito do Mar Negro, retomando a narrativa onde foi deixada no final da primeira seção, começando em Sebastópolis e seguindo até Bizâncio. Esta terceira seção é o trecho mais longo do litoral do Mar Negro. Arriano não empreendeu essa viagem, pois a costa norte era uma área além do controle romano. No entanto, ao ouvir sobre a morte de Cótis II, rei cliente de Adriano no Bósforo Cimério, Arriano considerou válido incluir informações sobre a jornada para seu reino. Tibério Júlio Cótis, que reinou de 123-4 d.C. até sua morte em 131-2 d.C., recebeu sua coroa do imperador, e seu sucessor teria que ser formalmente reconhecido por Roma. O reino do Bósforo era um importante cliente de Roma, com cidades mercantis prósperas fornecendo trigo, roupas, vinho e escravos para o Império, além de protegê-lo de tribos saqueadoras como os Alanos.

Gold Coin of Bosporan king Cotys II
Moeda dourada do rei Bósforo Cótis II
The Trustees of the British Museum (CC BY-NC-SA)

Navegando para o norte a partir de Sebastópolis, Arriano seguiu ao longo da costa montanhosa abaixo do Cáucaso. Pítio foi a primeira ancoragem para o noroeste, a 350 estádios (cerca de 65 km / 44 mi), onde um destacamento da Legião XV Apolinário estava estacionado. Neste ponto, no capítulo 18, Arriano observa que esta extensa região da costa do Mar Negro e as montanhas adjacentes eram governadas por um povo tribal chamado Zilcos, cujo líder, Estaquenfáx, foi reconhecido como rei por Adriano. Arriano descreve então a costa nomeando cidades, portos, ilhas, rios e as distâncias entre eles, desde o Reino do Bósforo (Crimeia) até a foz do rio Danúbio. A costa sul da Península da Crimeia estava pontilhada por cidades gregas: Panticapeu, Teodósia, Cercinítis e Quersoneso. Panticapeu fica a 60 estádios (11 km / 8 mi) do rio Tanais, que flui para o Lago Meótis (Mar de Azov) e "dizem que divide a Europa da Ásia" (19.1). No entanto, Arriano recorda o trecho da peça "Prometeu Desacorrentado" do dramaturgo grego Ésquilo, onde não é o Tanais, mas o Fásis, que é chamado de limite da Ásia (19.2).

Greek Colonies of the Northern Black Sea
Colônias gregas do Norte do Mar Negro
MapMapster (GNU FDL)

Chersonesus
Quersoneso
Alexxx1979 (CC BY-SA)

Seguindo para o oeste, Arriano menciona outra cidade grega, Ólbia, que fica no lado ocidental do rio Borístenes (Dniepre) perto de sua foz. Em seguida, vem Odessos, um assentamento comercial estabelecido pela cidade grega de Hístria, onde havia um porto para navios. Ao norte da primeira foz do rio Ístro (Danúbio) estava a Ilha de Aquiles, também conhecida como Leucê (presumivelmente a Ilha das Serpentes na Ucrânia). A ilha abrigava um templo dedicado a Aquiles com uma estátua de madeira em seu interior, pois "dizem que Tétis entregou esta ilha a seu filho Aquiles, que a habitou" (21.1). Havia também muitas oferendas no templo e inscrições em grego e latim em homenagem a Aquiles e Pátroclo. Arriano acrescenta que as pessoas vêm à ilha e fazem sacrifícios ou libertam animais em honra a Aquiles, e explica ainda que Aquiles aparece para aqueles que navegam próximo à ilha como alucinações ou em seus sonhos.

Achilles Tending to Patroclus
Aquiles Cuidando de Pátroclo
ArchaiOptix (CC BY-SA)

A partir da foz do rio Ístro (Danúbio), a costa do Mar Negro seguia em direção ao sul em direção à Mésia e à vizinha Trácia. Ela estava repleta de cidades e portos: Hístria, Tômis, a colônia grega mais famosa na costa oeste do Mar Negro, para onde o imperador Augusto (r. 27 a.C. a 14 d.C.) exilou o poeta Ovídio, e Calátis, o porto dos Cários, Odessos, "onde há uma estrada para navios" (24.4). Em seguida, os desdobramentos orientais do Monte Hemus, a cordilheira dos Balcãs no centro da Bulgária, se aproximavam muito da costa antes de chegar a Apolônia, uma colônia dos milésios anteriormente conhecida por sua colossal estátua de Apolo, e Salmodesso. Sobre Salmodesso, Arriano observa que Xenofonte campanhou aqui contra Seutes, o Trácio, e que a cidade carecia de um bom porto.

Histria
Hístria
Carole Raddato (CC BY-NC-SA)

Ao se aproximar do apertado estreito do Bósforo Trácio, estão as Ilhas Cianas, um par de rochas (também conhecidas como Simplégades) que eram reputadas por se chocarem sempre que um navio passava entre elas. Arriano relata que a Argo, que levou Jasão até a Cólquida, passou por entre elas. Arriano encerra seu relato da circum-navegação do Mar Negro em Bizâncio, depois de mencionar o Templo de Zeus Ourios (Zeus, concededor de ventos favoráveis), onde Jasão e os Argonautas dedicaram um altar aos Doze Deuses em sua viagem de retorno da Cólquida.

Remover publicidades
Publicidade

Perguntas e respostas

O que é um Périplo?

Um Périplo é um guia de navegação ou uma descrição escrita de uma rota marítima, incluindo detalhes sobre pontos de referência, portos e distâncias entre eles. Era comumente utilizado por marinheiros e comerciantes na antiguidade para navegação marítima.

Quem escreveu o Périplo do Ponto Euxino?

O Périplo do Ponto Euxino foi escrito por Arriano de Nicomédia, um historiador e filósofo grego que viveu no século II d.C. Arriano é reconhecido como um dos autores mais renomados do Império Romano por suas extensas obras sobre Alexandre, o Grande.

Como o Ponto Euxino é chamado hoje?

O Ponto Euxino é conhecido como Mar Negro hoje em dia. O nome Euxino vem da palavra grega 'Euxeinos', e o nome completo em grego do Mar Negro era 'Pontos Euxeinos', significando "o mar hospitaleiro". No entanto, antes de colonizarem a região, os gregos chamavam o Mar Negro de 'Pontos Axeinos', "o mar inóspito", devido à sua difícil navegação e às tribos hostis (Estrabão7.3.6).

Bibliografia

A World History Encyclopedia é um associado da Amazon e recebe uma comissão sobre as compras de livros elegíveis.

Sobre o tradutor

Samuel Santos
Samuel Santos é um admirador da história antiga e das grandes façanhas realizadas pelos nossos predecessores. Samuel também é o tradutor da obra "Guerras Sírias" de Apiano de Alexandria disponível na Amazon Brasil.

Sobre o autor

Carole Raddato
Carole mantém o popular foto-blog de história antiga Following Hadrian, no qual ela viaja pelo mundo seguindo os passos do imperador Hadrian.

Citar este trabalho

Estilo APA

Raddato, C. (2023, Dezembro 19). Périplo do Ponto Euxino [Periplus of the Euxine Sea]. (S. Santos, Tradutor). World History Encyclopedia. Obtido de https://www.worldhistory.org/trans/pt/2-2344/periplo-do-ponto-euxino/

Estilo Chicago

Raddato, Carole. "Périplo do Ponto Euxino." Traduzido por Samuel Santos. World History Encyclopedia. Última modificação Dezembro 19, 2023. https://www.worldhistory.org/trans/pt/2-2344/periplo-do-ponto-euxino/.

Estilo MLA

Raddato, Carole. "Périplo do Ponto Euxino." Traduzido por Samuel Santos. World History Encyclopedia. World History Encyclopedia, 19 Dez 2023. Web. 12 Abr 2024.