Guerra de Troia

Definição

Mark Cartwright
por , traduzido por Jonas Tenfen
publicado em 22 Março 2018
X
translations icon
Disponível em outras línguas: Inglês, Grego, Italiano, Espanhol, Afrikaans, Francês
Trojan Horse (by Mark Cartwright, CC BY-NC-SA)
Cavalo de Troia
Mark Cartwright (CC BY-NC-SA)

A Guerra de Troia foi travada entre os gregos e os defensores da cidade de Troia, na Anatólia, em algum momento da Idade do Bronze Tardia. A história tomou a imaginação por milênios, mas um conflito entre micênicos e hititas pode mesmo ter ocorrido, ainda que sua representação na literatura épica, como a Ilíada de Homero, seja com certeza mais mito que realidade.

A Guerra de Troia definiu e moldou o modo como a cultura grega antiga foi vista até o século 21. A história de deuses e heróis guerreiros é talvez uma das mais ricas fontes sobreviventes da Antiguidade e oferece vislumbres sobre guerra, religião, costumes e atitudes dos antigos gregos.

Remover publicidades

Advertisement

Páris e Helena

A principal fonte de nosso conhecimento sobre a Guerra de Troia é a Ilíada de Homero (escrita em algum momento do século 8° a.C.), em que se narram 52 dias no último dos 10 anos do conflito. Os gregos supunham que a Guerra tenha ocorrido em algum momento do século 13 a.C. De todo modo, a Guerra era tema de uma longa tradição oral anterior ao trabalho de Homero, e, este conjunto, somado a outras fontes como os fragmentados poemas do Ciclo Épico, nos dá um quadro mais completo do que exatamente os gregos pensavam acerca da Guerra de Troia.

Conforme a tradição grega, a Guerra de Troia teve início como uma estratégia de Zeus para reduzir a sempre crescente população humana e, de modo mais prático, como uma expedição para reaver Helena, esposa de Menelau, rei de Esparta e irmão de Agamenon. Helena fora raptada pelo príncipe Páris (também conhecido por Alexandre) e tomada por ele como prêmio por ter escolhido Afrodite como a mais bela deusa em uma competição com Atena e Hera durante o casamento de Peleu e Tétis. Menelau e os gregos a queriam de volta, além de vingar-se da insolência troiana.

Remover publicidades

Advertisement

O exército grego

A coalizão de forças dos gregos (ou aqueus, como Homero frequentemente se refere a eles) foi liderada pelo Rei Agamenon de Micenas. Entre as cidades ou regiões representadas, estavam Beócia, Fócida, Eubeia, Atenas, Argos, Corinto, Arcádia, Esparta, Cefalônia, Creta, Rodes, Magnésia e Cíclades. O número total de homens destas localidades é impreciso. Homero descreve um exército de “dezenas de milhares” ou, ainda mais poeticamente, “tantos homens quanto as folhas e flores que vêm com a primavera”.

Remover publicidades

Advertisement

Os deuses tinham seus favoritos entre os homens lutando nas planícies de Troia, e eles frequentemente os protegiam desviando lanças.

Entre os guerreiros gregos, havia alguns outros heróis muito especiais, líderes que eram os maiores lutadores e demonstravam coragem no campo de batalha. Além disso, o pai ou a mãe destes guerreiros eram divindades, enquanto o outro progenitor era mortal, criando assim uma relação genealógica entre os deuses e os homens comuns. Entre os mais importantes figuravam Aquiles, Odisseu, Ajax, Diómedes, Pátroclo, Antíloco, Menesteu e Idomeu.

Os gregos eram auxiliados por diversos dos deuses do Olimpo da religião grega. Atena, Poseidon, Hera, Hefesto, Hermes e Tétis, todos ajudaram os gregos – direta ou indiretamente –segundo a narrativa de Homero sobre a guerra. Os deuses tinham seus favoritos entre os homens lutando nas planícies de Troia, e eles frequentemente os protegiam desviando lanças ou afastando-os do calor da batalha para colocá-los em algum lugar seguro, longe do perigo.

O exército troiano

O exército troiano que defendia a grande cidade de Troia, liderada pelo rei Príamo, tinha assistência de uma longa lista de aliados. Entre estes, os Cárias, Halizones, Caucones, Quicones, Lícios, Maionianos, Missianos, Paionianos, Paflogonianos, Pelasgos, Frígios e Trácios.

Remover publicidades

Advertisement

Achilles & Penthesileia
Aquiles e Pentesileia
Marie-Lan Nguyen (CC BY)

Os troianos igualmente tinham seus heróis semidivinos, entre estes: Heitos (filho de Príamo), Eneias, Sarpedão, Glauco, Fórquio, Polidamas e Resos. Os troianos também tinham ajuda dos deuses, recebendo assistência de Apolo, Afrodite, Ares e Leto durante a batalha.

Batalhas-chave

Muito da Guerra de Troia foi, na verdade, um cerco, e a cidade foi capaz de resistir aos invasores por muito tempo, principalmente porque suas fortificações eram magníficas. De fato, na mitologia grega, considerava-se que os muros de Troia haviam sido construídos por Poseidon e Apolo que, depois de um ato de impiedade, foram obrigados por Zeus a servirem ao rei troiano Laomedeu por um ano. Houve, contudo, batalhas do lado de fora da cidade nas quais os exércitos lutaram, por vezes com carruagens, mas a maior parte por homens a pé usando lanças e espadas e protegidos por um escudo, capacete e armadura para o peito e as pernas. A guerra foi travada nas planícies de Troia ao longo dos anos, mas as batalhas realmente empolgantes parecem terem sido reservadas para o ano final do cerco e as seguintes consistem em uma seleção dos pontos altos.

Páris contra Menelau

Cansado de batalhas irresolutas, Menelau se ofereceu a lutar contra Páris em um duelo que resolveria a questão da guerra. Concordando com isso, os dois guerreiros tiraram na sorte para ver qual deles seria o primeiro a atirar a lança. Páris venceu e atirou por primeiro, mas sua lança parou inofensivamente no escudo de Menelau. O rei grego, então, atirou sua arma com força tremenda, e a lança atravessou o escudo de Páris e continuou até perfurar a armadura. Se Páris não tivesse oscilado no último momento, ele certamente teria sido morto imediatamente. No entanto, Menelau não havia concluído, e com sua espada desferiu um terrível golpe no capacete do príncipe troiano. A espada, contudo, se partiu e caiu em pedaços no chão. Menelau, então, agarrou o capacete de Páris com as mãos e começou a arrastá-lo para fora do campo de batalha. Sufocado pela alça do capacete enrolada em seu pescoço, Páris só se salvou pela intervenção de Afrodite, que partiu a alça e, cobrindo o príncipe com uma névoa espessa, levou seu favorito de volta à segurança de seu quarto perfumado.

Remover publicidades

Advertisement

Achilles and Ajax By Exekias
Aquiles e Ajax, por Exéquias
Dan Diffendale (CC BY-NC-SA)

Heitor contra Ajax

O encontro entre estes dois grandes heróis tem semelhanças como de Menelau e Páris. Cada um atira sua lança, mas sem efeito. Heitor, então, joga uma grande pedra no grego, apenas para que ele a afastasse com seu escudo. Ajax, então, devolve a gentileza com uma pedra maior, destruindo o escudo de Heitor. Eles então sacam suas espadas e se aproximam para um combate mortal, mas foram impedidos por companheiros que clamaram pelo fim da batalha uma vez que a noite se aproximava. Exibindo o código de honra pelo qual os bons e velhos dias eram famosos, os dois guerreiros se despediram com palavras amigáveis e trocaram presentes: Heitor deu-lhe uma espada de cabo de prata, Ajax deu-lhe um esplêndido cinto roxo.

O Ataque aos navios gregos

Com o apoio de Apolo, um inspirado Heitor, em sua mais sublime hora, mais uma vez empurrou os gregos de volta aos navios.

Após um tremendo dia de luta, Heitor liderou os troianos em um ataque nas muradas do acampamento grego. Rompendo os portões, os troianos enviaram os gregos de volta aos seus navios, fugindo em pânico. Entretanto, como Zeus foi momentaneamente distraído pelos encantos de Hera, Poseidon interveio para encorajar os gregos, que se reagruparam e forçaram uma retirada troiana. Como a maré da batalha mudou novamente, e, com o apoio de Apolo, um inspirado Heitor, em sua mais sublime hora, mais uma vez empurrou os gregos de volta aos navios, os quais ele tentou incendiar.

A morte de Pátroclo

O invencível Aquiles era simplesmente o maior guerreiro da Grécia, ou de qualquer outro lugar. Para grande frustração dos gregos, contudo, este herói ficou fora de grande parte do ato final da guerra, imerso em um terrível mau humor. Agamenon havia roubado seu espólio de guerra, a donzela Briseis, e, consequentemente, o herói se recusou a lutar. Agamenon, a princípio, não parecia estar muito preocupado em ter perdido o seu talismã temperamental, mas quando os troianos começaram a ganhar uma ajuda extra na guerra, teve-se a impressão inicial que Aquiles seria necessário, caso contrário os troianos poderiam vencer o prolongado conflito. Por isso, um Agamenon cada vez mais desesperado enviou um apelo a Aquiles com promessas de grande tesouro se ele voltasse ao conflito. Aquiles recusou, mas com o acampamento grego sob ataque, Pátroclo apelou ao seu grande amigo e mentor Aquiles para que voltasse ao conflito. Depois de ouvir a recusa, Pátroclo pediu permissão para usar a armadura de Aquiles e ele mesmo liderar os temíveis mirmidões. Aquiles, ao ver um dos navios gregos já em chamas, relutantemente deu seu consentimento, mas advertiu Pátroclo para apenas repelir os troianos para longe do acampamento e não persegui-los até os muros de Troia.

The World of the Iliad, c. 1200 BCE
O mundo da Ilíada, c. 1200 a.C.
Simeon Netchev (CC BY-NC-SA)

Pátroclo, então, liderou o contra-ataque grego, os troianos foram arrastados para longe, e ele ainda conseguiu matar o grande herói Sarpedão. Tomado pelo sucesso, o jovem herói ignorou o conselho de Aquiles e imprudentemente continuou a luta em direção a Troia.
No entanto, neste ponto, o grande Apolo interveio em favor dos troianos e golpeou o capacete e armadura de Pátroclo, quebrou sua lança e derrubou o escudo de seus braços. Assim exposto e indefeso, Pátroclo foi esfaqueado por Euforbo e, depois, Heitor interveio com um golpe de misericórdia desferido por sua impiedosa lança.

A nova armadura de Aquiles

Quando Aquiles soube da morte de seu grande amigo Pátroclo, foi tomado pelo luto e pela raiva, e jurou ter uma terrível vingança contra os troianos e contra Heitor, em particular. Depois de uma apropriada demonstração de luto, Aquiles finalmente decidiu ir ao campo de batalha mais uma vez. Esta foi a decisão que selaria o destino de Troia.

Resplandecente em sua brilhante armadura, Aquiles, ainda enlouquecido pela raiva, previsivelmente derrotou os troianos.

Antes que pudesse retornar à luta, contudo, Aquiles precisava de uma nova armadura, e esta foi providenciada pela sua divina mãe Tétis, que fez com que Hefesto, o mestre artesão do Olimpo, fizesse para ele o mais magnífico conjunto de armadura jamais visto.
Utilizando bronze, estanho, prata e ouro, o deus fez um escudo maciço que retratava uma miríade de cenas terrestres e todas as constelações. Também fez um deslumbrante elmo de crista dourada para o herói. Resplandecente em sua brilhante armadura, Aquiles, ainda enlouquecido pela raiva, previsivelmente derrotou os troianos que fugiram em pânico para trás da segurança dos muros da cidade.

Heitor contra Aquiles

Heitor sozinho permaneceu em pé do lado de fora dos muros, mas, à visão do incrível Aquiles em fúria, até sua coragem cedeu e ele correu em busca de segurança. Aquiles, de todo modo, caçou e perseguiu o príncipe troiano três vezes ao redor dos muros da cidade. Finalmente, capturando-o, Aquiles matou sua presa com um golpe maligno de sua lança na garganta de Heitor. Aquiles então despiu-se de sua bela armadura e, atando Heitor pelos tornozelos à sua carruagem, arrastou o corpo de volta para o acampamento grego à vista de Príamo, parado no topo das fortificações da cidade. Este foi um ato espantosamente desonroso e contra todas as antigas regras da guerra.

Achilles Fighting Hektor
Aquiles lutando contra Heitor
Trustees of the British Museum (Copyright)

Tendo vingado a morte de Pátroclo, Aquiles organizou jogos fúnebres em honra de seu falecido amigo. Enquanto isso, Príamo adentrou o campo grego disfarçadamente e implorou que Aquiles devolvesse o corpo de seu filho para que recebesse um enterro apropriado. Inicialmente relutante, as súplicas emotivas do velho homem foram finalmente atendidas e Aquiles consentiu em devolver o corpo. Aqui a Ilíada termina, mas a guerra ainda possui mais algumas voltas na roda do destino.

O Cavalo de Troia e a Vitória

Durante a Guerra ocorreram diversos episódios ainda mais empolgantes, como a luta de Aquiles na qual matou o rei etíope Meno e também a amazona Pentesileia, ambos tendo vindo em auxílio dos troianos. Diz-se que Aquiles se apaixonou pela bela amazona no momento em que a matou com sua lança. O próprio Aquiles encontrou seu destino e foi morto por uma flecha em seu único ponto fraco, o tornozelo, disparada por Páris e guiada por Apolo. Odisseu e Ajax disputaram a belíssima armadura do herói. E Ajax enlouqueceu de tristeza quando ele perdeu o prêmio. Abatendo um rebanho de ovelhas que ele pensou que eram gregos, ele se jogou em sua própria espada, em um suicídio confuso e sem sentido. Filoctetes conseguiu vingar Aquiles ao fatalmente acertar Páris com o legendário arco de Hércules. Finalmente, Odisseu conseguiu entrar na cidade disfarçadamente e roubou a sagrada estátua de Paládio de Atena.

Troia foi saqueada. Sua população foi ou assassinada ou escravizada.

A ação final e decisiva foi, contudo, a ideia do Cavalo de Troia. Odisseu, inspirado por Atena, ideou a armadilha para colocar um conjunto de homens dentro dos muros de Troia. Primeiramente, todos os gregos partiram navegando em direção ao pôr do sol deixando uma misteriosa oferenda aos troianos: um gigantesco cavalo de madeira que, na verdade, escondia um grupo de guerreiros do lado de dentro. Apenas para garantir que os troianos levassem o Cavalo para dentro da cidade, Sinon foi escolhido para ficar para trás e contar uma história sem pé nem cabeça sobre os gregos terem desistido e deixado um belo presente. Os troianos levaram o Cavalo para dentro dos muros da cidade, mas enquanto desfrutavam de uma ébria celebração pela vitória, os gregos saíram do Cavalo, abriram os muros da cidade para o exército grego que retornava, e a cidade foi saqueada e a população foi massacrada ou escravizada. Helena foi levada de volta a Argos e dos heróis troianos apenas Eneias escapou para eventualmente estabelecer um novo lar na Itália.

A vitória teve um preço, contudo. Devido à devastação impiedosa da cidade e de seu povo, e, pior ainda, a atos de sacrilégio ultrajantes, como o estupro de Cassandra, os deuses gregos puniram os gregos enviando tempestades para destruir seus navios, e aqueles que eventualmente voltaram tiveram de suportar uma longa e difícil viagem para casa. Mesmo assim, alguns gregos que conseguiram voltar à sua terra natal só o fizeram para enfrentar mais infortúnios e desastres.

The Trojan Horse
O Cavalo de Troia
Tetraktyas (CC BY-SA)

Guerra de Troia: arte e literatura

Troia e a Guerra de Troia se tornaram um mito básico para a literatura clássica grega e romana e foram revisitadas muitas vezes por escritores em obras como Agamenon, de Ésquilo, Mulheres de Troia, de Eurípides, e Eneida, de Virgílio. Também na decoração de cerâmica e escultura artistas foram cativados pela Guerra de Troia. Cenas do julgamento de Páris, Aquiles lutando com Heitor, Aquiles jogando dados com Ajax, e Ajax se atirando em sua espada são apenas algumas das várias cenas da história que apareceram na arte repetidamente ao longo dos séculos. Talvez, ainda mais importante, a Guerra de Troia passou a representar a luta dos gregos contra potências estrangeiras e narrou uma época em que os homens eram melhores, mais capazes e mais honrados.

Troia na arqueologia

Há muitos debates acadêmicos se a mítica Troia de fato existiu e, em caso verdadeiro, se o sítio arqueológico descoberto na Anatólia revelou uma cidade que prosperou ao longo de milhares de anos de ocupação era de fato a cidade mencionada; de todo modo, é quase universalmente aceito que escavações arqueológicas revelaram a cidade da Ilíada de Homero.

Das várias cidades construídas umas sobre as outras, Troia VI (c. 1750-1300 a.C.) é a candidata mais provável para a cidade sitiada da Guerra de Troia de Homero. Os impressionantes muros de fortificações com várias torres certamente se encaixam na descrição homérica de “Troia fortificada”. A cidade baixa cobre impressionantes 270.000 m² protegidos por uma vala rochosa e sugere uma cidade grandiosa como a Troia da tradição.

Troia VI foi parcialmente destruída, mas a causa exata não é conhecida além de algumas evidências de fogo. Intrigantemente, pontas de flecha de bronze, pontas de lança e lançadeiras foram encontradas no local e até algumas destas embutidas nos muros da cidade, sugerindo algum tipo de conflito. As datas destes (c. 1250 a.C.) e a destruição do local se inter-relacionam com as datas de Heródoto para a Guerra de Troia. Conflitos ao longo dos séculos entre as civilizações micênica e hitita são mais do que prováveis, sendo a expansão colonial e o controle de rotas comerciais lucrativas os principais motivos. No entanto, é improvável que tais conflitos tenham sido na escala da guerra de Homero, mas, coletivamente, eles podem ter sido a origem do conto épico da Guerra de Troia, que tem fascinado por séculos.

Remover publicidades

Publicidade

Perguntas & Respostas

A Guerra de Troia acontece de verdade?

A história da Guerra de Troia chega até nós pela mitologia grega e pela literatura, mas ambas podem ter sido baseadas em conflitos reais entre micênicos e hititas durante a Idade do Bronze.

Como a Guerra de Troia teve início?

A Guerra de Troia teve início porque o príncipe troiano Páris sequestrou Helena, esposa de Menelau, rei de Esparta. Menelau persuadiu Agamenon, seu irmão, a formar uma aliança entre as cidades gregas para irem a Troia e resgatarem Helena.

Quem lutou na Guerra de Troia?

Muitos heróis lutaram na Guerra de Troia. Do lado grego, estavam Agamenon, Aquiles, Odisseu e Ajax. Os troianos tinham Páris e Heitor. Os deuses olímpicos também participaram, em ambos os lados.

Quem venceu a Guerra de Troia?

A aliança entre cidades gregas venceu a Guerra de Troia por invadirem a cidade de Troia e saquearem seus tesouros.

Como os gregos venceram a Guerra de Troia?

Os gregos venceram a Guerra de Troia por fingirem deixar Troia e deixando para trás um gigantesco cavalo de madeira. Os Troianos pensaram se tratar de um presente dos deuses e, por isso, levaram o cavalo para dentro da cidade. O cavalo continha muitos heróis gregos que saíram e abriram os portões da cidade deixando o exército grego entrar para destruir a cidade.

Sobre o tradutor

Jonas Tenfen
Jonas é professor de ensino médio no Brasil. Ele dedica sua vida profissional à gramática e à literatura, e ele também trabalha como tradutor e redator.

Sobre o autor

Mark Cartwright
Mark é um historiador que vive na Itália. Seus interesses incluem cerâmica, arquitetura, mitologia e a descoberta das ideias que todas as civilizações partilham entre si. Tem Mestrado em Filosofia Política e é o Diretor de Publicação na Enciclopédia da História Mundial.

Citar este trabalho

Estilo APA

Cartwright, M. (2018, Março 22). Guerra de Troia [Trojan War]. (J. Tenfen, Tradutora). World History Encyclopedia. Recuperado de https://www.worldhistory.org/trans/pt/1-10357/guerra-de-troia/

Estilo Chicago

Cartwright, Mark. "Guerra de Troia." Traduzido por Jonas Tenfen. World History Encyclopedia. Última modificação Março 22, 2018. https://www.worldhistory.org/trans/pt/1-10357/guerra-de-troia/.

Estilo MLA

Cartwright, Mark. "Guerra de Troia." Traduzido por Jonas Tenfen. World History Encyclopedia. World History Encyclopedia, 22 Mar 2018. Web. 03 Out 2022.