Anaximandro

Definição

Joshua J. Mark
por , traduzido por Sadoque Vieira
publicado em 02 Setembro 2009
X
translations icon
Disponível noutras línguas: Inglês, italiano
Anaximander of Miletus (by Unknown Artist, Public Domain)
Anaximandro de Mileto
Unknown Artist (Public Domain)

Anaximandro de Mileto (c. 610 — c. 546 a.C.) foi um dos primeiros filósofos pré-socráticos que lançaram as bases para o desenvolvimento da filosofia ocidental. Foi aluno de Tales de Mileto (c. 585 a.C.), reconhecido como o primeiro filósofo da Grécia antiga.

Tales se destaca por ter sido o primeiro a iniciar a investigação filosófica sobre a origem da natureza, tentando definir uma Primeira Causa para a criação do mundo. Antes de suas reflexões, acreditava-se que o mundo funcionava de acordo com as influências sobrenaturais dos deuses imortais e, mesmo depois de Tales ter iniciado suas investigações, essa visão sobre o funcionamento do mundo e da vida humana prevalecia. No entanto, suas investigações abriram um caminho para que outros ampliassem e explorassem mais a fundo, levando, por fim, ao processo hoje conhecido como método científico. Anaximandro foi o primeiro dos alunos de Tales a seguir esse caminho de investigação.

Remover publicidades
Advertisement

Tales afirmava que a Primeira Causa era a água, o que Anaximandro rejeitou e substituiu pelo conceito de ápeiron, definido como "o ilimitado, sem limites, infinito ou indefinido" (Baird, 10). O ápeiron era uma força cósmica que reunia e dispersava a matéria, mas sua forma precisa não é clara, pois toda a obra de Anaximandro foi perdida e só é conhecida por meio de uma única frase e referências em obras de escritores posteriores.

Estudos recentes defendem que ele, e não Tales, deve ser considerado o primeiro filósofo ocidental, devido ao fato de que existe uma citação direta e incontestável de Anaximandro (mesmo que seja apenas uma frase), enquanto não existe sequer um fragmento de Tales. Anaximandro inventou a ideia de modelos, desenhou o primeiro mapa do mundo na Grécia e dizem que foi o primeiro a escrever um livro em prosa.

Remover publicidades
Advertisement

Ele viajou muito e era muito respeitado por seus contemporâneos. Entre suas principais contribuições para o pensamento filosófico estava a afirmação acima mencionada de que o "material básico" do universo era o ápeiron, uma afirmação filosófica e teológica que ainda hoje é debatida entre os estudiosos e que, segundo alguns, forneceu a Platão a base para sua cosmologia.

O Ápeiron

Nada se sabe sobre a vida de Anaximandro, mas sua obra foi considerada tão importante que foi amplamente mencionada por escritores posteriores. O filósofo neoplatônico Simplício (c. 490 — c. 560 d.C.) escreve:

Remover publicidades
Advertisement

Entre os que afirmam que o princípio é uno, móvel e ilimitado, Anaximandro, filho de Praxíades, um milésio, sucessor e aluno de Tales, disse que o princípio e o elemento das coisas existentes era o ápeiron [indefinido ou infinito], sendo o primeiro a utilizar essa denominação para o princípio material. Ele diz que não é a água nem qualquer outro dos assim chamados elementos, mas alguma outra natureza ilimitada (ápeiron), a partir da qual vêm à existência todos os céus e os mundos neles existentes. E a fonte do vir-a-ser das coisas existentes é aquela na qual a destruição também acontece 'de acordo com a necessidade; pois elas pagam castigos e retribuições umas às outras por sua injustiça, de acordo com a avaliação do tempo', como ele descreve nesses termos bastante poéticos. É claro que ele, vendo a transformação dos quatro elementos uns nos outros, achou correto não fazer de nenhum deles o substrato, mas algo além deles; e ele produz o vir-a-ser não por meio da alteração do elemento, mas pela separação dos opostos por meio do movimento eterno. (Física, 24).

Essa declaração de Anaximandro sobre os elementos pagando castigos uns aos outros de acordo com a avaliação do tempo é considerada a mais antiga referência conhecida da filosofia grega sob a forma escrita, e seu significado exato continua a ser debatido. Acredita-se que o ápeiron tenha sido concebido como uma força criativa, reunindo continuamente a matéria, criando novas formas, destruindo-as e reformando-as novamente. O significado do conceito é que ele sugere claramente uma força cósmica, mas não uma entidade divina. O ápeiron não era um deus; era energia. A formulação desse conceito é ainda mais impressionante quando se considera que ele foi concebido em uma época em que a existência dos deuses antropomórficos gregos era um consenso. Até mesmo a proposta de Tales de uma Causa Primeira manteve-se alinhada ao paradigma aceito da criação e do funcionamento do mundo; a de Anaximandro afastou-se completamente desse paradigma.

ANAXIMANDRO, O MILESIANO, DISCÍPULO DE TALES, OUSOU DESENHAR PELA PRIMEIRA VEZ O MUNDO HABITADO EM UMA TÁBUA.

Tales afirmava que a Primeira Causa de todas as coisas era a água com base em sua observação de que a água assumia diferentes formas. Qualquer que fosse a Primeira Causa, raciocinou Tales, deveria ter atributos de todas as coisas que surgiram depois. A água era um líquido, mas, quando aquecida, transformava-se em ar (vapor) e, quando resfriada, tornava-se um sólido (gelo), e também podia se misturar com a terra para dissolvê-la em lama, mas depois endurecia para se tornar novamente um sólido. A água, portanto, possuía as qualidades de todos os quatro elementos conhecidos.

No entanto, Anaximandro reconheceu que a água era apenas mais um dos elementos terrestres e sugeriu uma origem não mais antiga do que os outros três. Ele concluiu que a Primeira Causa tinha de vir de algo além do mundo observável, mas ainda capaz de ser apreendido pela estrutura desse mundo. Sua resposta à pergunta "De onde tudo veio?" foi o ápeiron, o ilimitado, mas, como já foi observado, o que exatamente ele quis dizer com "o ilimitado" gerou um debate que já dura séculos. Será que "o ilimitado" se refere a uma qualidade espacial ou temporal ou se refere a algo inesgotável e indefinido?

Remover publicidades
Advertisement

Embora seja impossível dizer com certeza o que Anaximandro quis dizer, é possível obter uma melhor compreensão por meio do chamado argumento "há muito tempo", que Aristóteles expressa dessa forma em sua Física,

Para alguns, essa [Primeira Causa] (isto é, aquilo que é adicional aos elementos) é o Ilimitado, e não o ar ou a água, a fim de que os outros elementos não sejam aniquilados pelo elemento que é ilimitado; pois eles são opostos uns aos outros (o ar, por exemplo, é frio, a água é úmida e o fogo é quente). Se algum deles fosse ilimitado, há muito tempo teria destruído os outros; mas agora há, dizem eles, algo mais a partir do qual todos eles são gerados. (204b 25-29)

Em outras palavras, nenhum dos elementos observáveis poderia ser a Primeira Causa porque todos os elementos observáveis são mutáveis e, se um deles fosse mais poderoso do que os outros, já os teria destruído há muito tempo. No entanto, conforme observado, os elementos da Terra parecem estar em equilíbrio uns com os outros, sem que nenhum deles tenha a vantagem e, portanto, alguma outra coisa deve ser considerada como a Primeira Causa. Ao fazer essa afirmação, Anaximandro se torna o primeiro filósofo conhecido a se dedicar à filosofia abstrata, em vez da natural, e o primeiro metafísico, mesmo antes de o termo "metafísica" ter sido criado.

Prototeoria da Evolução e o Primeiro Mapa

Além de suas contribuições para a metafísica, Anaximandro também recebeu o crédito de ter criado uma prototeoria da evolução, conforme observado por autores posteriores:

Remover publicidades
Advertisement

Anaximandro disse que as primeiras criaturas vivas nasceram na umidade, envoltas em cascas espinhosas e que, à medida se tornavam mais velhas, saíam para a parte mais seca e, quando a casca se rompia, elas passavam a viver um tipo diferente de vida por um curto período. (Aécio, V, 19)

Ele diz, ainda, que no princípio o homem foi gerado a partir de seres de uma espécie diferente, porque os outros animais logo aprendem a nutrir-se por si mesmos, mas somente o homem precisa de cuidados prolongados. Por essa razão, o homem não teria sobrevivido se essa fosse sua forma original. (Plutarco, 2)

Também se atribui a ele o desenho do primeiro mapa:

Anaximandro, o Milésio, um discípulo de Tales, foi o primeiro a ousar desenhar o mundo habitado em uma tábua; depois dele, Hecateu, o Milésio, um homem muito viajado, tornou o mapa mais exato, de modo que ele se tornou uma fonte de admiração. (Agathemerus, I, i)

Ele mapeou os céus, realizou grandes viagens, foi o primeiro a afirmar que a Terra flutuava no espaço e o primeiro a postular uma Primeira Causa não observável. Acredita-se que seu ápeiron tenha influenciado o conceito platônico de um Mundo das Formas, a "verdadeira realidade", da qual o mundo observável é apenas um reflexo. O fato de o ápeiron ter inspirado Platão é, como quase tudo sobre Anaximandro, debatido, mas seu conceito de infinito, do qual tudo o mais provém, tem muito em comum com o conceito de Aristóteles do Primeiro Motor, aquilo que, imóvel em si mesmo, coloca tudo em movimento.

Diz-se que ele viveu até uma idade avançada e foi muito respeitado. Diógenes Laércio escreve: "Apolodoro, em suas Crônicas, afirma que no segundo ano da quinquagésima oitava Olimpíada, [Anaximandro] tinha sessenta e quatro anos de idade. E logo depois ele morreu, tendo florescido mais ou menos na mesma época que Polícrates, o tirano, de Samos." Uma estátua foi erguida em Mileto em homenagem a Anaximandro enquanto ele viveu e seu legado ainda vive séculos após sua morte.

Remover publicidades
Publicidade

Sobre o tradutor

Sadoque Vieira
Sadoque Vieira é licenciado em Filosofia pela Universidade Federal do Amazonas. Suas principais áreas de interesse são: Filosofia Medieval, Filosofia da Religião e Metafísica.

Sobre o autor

Joshua J. Mark
Escritor freelance e ex-professor de filosofia em tempo parcial no Marist College, em Nova York, Joshua J. Mark viveu na Grécia e na Alemanha e viajou pelo Egito. Ele ensinou história, redação, literatura e filosofia em nível universitário.

Citar este trabalho

Estilo APA

Mark, J. J. (2009, Setembro 02). Anaximandro [Anaximander]. (S. Vieira, Tradutor). World History Encyclopedia. Obtido de https://www.worldhistory.org/trans/pt/1-484/anaximandro/

Estilo Chicago

Mark, Joshua J.. "Anaximandro." Traduzido por Sadoque Vieira. World History Encyclopedia. Última modificação Setembro 02, 2009. https://www.worldhistory.org/trans/pt/1-484/anaximandro/.

Estilo MLA

Mark, Joshua J.. "Anaximandro." Traduzido por Sadoque Vieira. World History Encyclopedia. World History Encyclopedia, 02 Set 2009. Web. 24 Abr 2024.