Gatos na Idade Média

Artigo

Joshua J. Mark
por , traduzido por Jéssica da Costa Minati Moraes
publicado em 20 Maio 2019
X
translations icon
Disponível em outras línguas: Inglês, Francês, Turco, Espanhol, Italiano, Alemão

Os gatos na Idade Média eram geralmente desaprovados e considerados, na melhor das hipóteses, pragas úteis e, na pior, agentes de Satanás, devido à Igreja medieval e sua associação do gato com o mal. Antes da ampla aceitação do cristianismo, no entanto, os gatos eram considerados membros valiosos da sociedade e até eram adorados em algumas culturas.

A vida de um gato na Idade Média (c. 476-1500) diferia significativamente da de um cão devido principalmente à sua associação com feitiçaria, escuridão e o diabo. No mundo antigo, o gato era altamente considerado por culturas tão diversas quanto China, Egito e Roma, mas, no século 13 na Europa, ele havia perdido seu status anterior e era geralmente tolerado por seu uso prático na contenção de vermes, mas não muitas vezes valorizado como um animal de estimação.

Remover publicidades

Advertisement

Medieval Drawing of a Cat in a Tree
Desenho Medieval de um gato em uma árvore
Getty Museum (CC BY)

O gato perdeu sua posição anterior através dos esforços da Igreja medieval, que encorajou a associação do gato com demônios e trevas como parte de sua agenda de longa data de demonizar fés, rituais e valores pagãos. O estudioso Desmond Morris escreve:

Os fanáticos religiosos muitas vezes empregaram o artifício astuto de converter os heróis de outras pessoas em vilões para atender aos seus próprios propósitos. Desta forma, o antigo deus chifrudo que protegia as culturas anteriores foi primeiro transformado no maligno Diabo do Cristianismo e o reverenciado felino sagrado do antigo Egito tornou-se o feiticeiro malvado da Europa medieval. Muitas coisas consideradas sagradas por uma fé religiosa anterior foram automaticamente condenadas por uma nova religião. Assim começou o capítulo mais sombrio da longa associação do gato com a humanidade. Durante séculos foi perseguida e as crueldades que lhe foram impostas receberam o total apoio da Igreja. (158)

Uma vez que o gato foi associado a Satanás, ele foi regularmente torturado e morto para afastar a má sorte, como um sinal de devoção a Cristo, ou parte integrante de rituais envolvendo ailuromancia (usando gatos para prever o futuro). Os gatos foram condenados pelos papas e massacrados por aldeias inteiras e não recuperariam nem metade de seu status anterior até a Era do Iluminismo no século XVIII. A Era Vitoriana do século 19 veria a restauração completa do status do gato.

Remover publicidades

Advertisement

Gatos no Mundo Antigo

A associação do gato com o antigo Egito é bem conhecida. Os gatos eram tão valorizados que, segundo Heródoto, quando uma casa egípcia pegava fogo, as pessoas primeiro se preocupavam em resgatar seus gatos e só depois pensavam em apagar o fogo. Quando um gato da família morria, as pessoas da casa observavam os mesmos rituais de luto que os de um membro da família humana e os gatos eram rotineiramente mumificados nos mais finos linhos.

The Obsequies of an Egyptian Cat
A cerimônia fúnebre de um gato egípcio
John Reinhard Weguelin (Public Domain)

O gato no antigo Egito estava intimamente ligado à deusa Bastet, que presidia a lareira, o lar, as mulheres e os segredos das mulheres. Bastet era uma das divindades mais populares do Egito porque prometia paz e prosperidade aos seus adeptos de ambos os sexos. Todo homem tinha uma mãe ou irmã, uma esposa ou filha de quem cuidava e queria que fosse mantida em segurança, ao mesmo tempo que desejava um lar tranquilo e próspero e foi isso que Bastet entregou.

Remover publicidades

Advertisement

Todos os anos, milhares de egípcios viajavam para sua cidade sagrada de Bubastis para seu festival e ela e seus gatos eram tão valorizados que, em 525 AEC, o exército egípcio em Pelusium se rendeu aos persas que pintaram a imagem de Bastet em seus escudos e pastoreavam gatos e outros animais diante deles diante das muralhas da cidade. Os egípcios consideravam a rendição preferível a prejudicar os gatos.

THE EGYPTIANS FORBADE THE EXPORT OF CATS – THE PENALTY FOR TAKING A CAT OUT OF THE COUNTRY WAS DEATH.

Na Grécia e em Roma, o gato nunca alcançou o mesmo status divino, mas ainda era valorizado. Os gregos reconheceram o valor do gato no controle de pragas e também o mantiveram como animal de estimação, enquanto os romanos, que preferiam usar doninhas para se livrar de camundongos e ratos, concentravam seus esforços em mimar seus amigos felinos. Os gatos gostavam da vida na Roma antiga quase tanto quanto no Egito, como atestam autores latinos e túmulos romanos que retratam donos de gatos aflitos.

Os egípcios proibiram a exportação de gatos – a pena para tirar um gato do país era a morte – e instituíram uma força-tarefa em seus portos que revistava os navios desembarcados para garantir que nenhum gato tivesse sido contrabandeado a bordo. No entanto, tripulações e capitães inteligentes devem ter encontrado alguma maneira de contornar essa lei, pois o gato acabou sendo transportado do Egito para a Grécia, Roma e o norte da Europa. Os marinheiros mais provavelmente responsáveis ​​por isso foram os fenícios, os mestres do mar e os mais importantes comerciantes do mundo antigo, que possivelmente também difundiram a associação do gato com a feitiçaria e o submundo.

Remover publicidades

Advertisement

Gatos, Mulheres e Judeus

Os fenícios, viajando de país em país, transportavam mitos e lendas de uma cultura junto com seus bens. A deusa grega Hecate (e sua contraparte romana Trivia), presidiu a morte, escuridão, magia/feitiçaria e fantasmas. Hécate estava intimamente associada a cães que, segundo a lenda, podiam ouvi-la aproximar-se e uivar; um cachorro que parecia estar latindo para nada foi dito estar na verdade alertando uma família de Hécate e seus fantasmas na porta.

Ancient Egyptian Ink Drawing of a Cat & Mouse
Desenho do Antigo Egito em tinta de um gato e um rato
Brooklyn Museum (CC BY)

Um mito muito popular, no entanto, ligava Hécate aos gatos e este era o conto do grande herói grego Héracles (o Hércules romano). Héracles é concebido quando o deus Zeus seduz a princesa mortal Alcmena. Hera, a esposa ciumenta de Zeus, tenta matar Alcmena, mas uma mulher chamada Galíntio, serva de Alcmena, frustra o plano de Hera e salva sua amante e o futuro herói. Enfurecida, Hera pune Galinthius, transformando-a em um gato e enviando-a para o submundo para servir a Hécate.

O mito de Héracles esteve entre os mais populares na antiguidade e foi impulsionado pelo escritor latino Antoninus Liberalis (século II EC) em sua Metamorfose, uma releitura de lendas e contos mais antigos, que foi copiada e distribuída desde sua primeira publicação até até o século 9 e continuou como um best-seller até o século 16.

Remover publicidades

Advertisement

Embora a maioria da população da Europa medieval fosse analfabeta, isso não teria importância, já que as histórias eram comumente transmitidas oralmente. Essa história associando o gato com a escuridão, feitiçaria e o submundo, juntamente com os esforços da Igreja em demonizar os valores das religiões anteriores, teria ido longe para condenar o gato a uma existência inferior.

Contribuindo ainda mais para a má reputação do gato foi sua associação com o feminino, herdado do Egito, e a má luz em que as mulheres no início da Idade Média eram vistas. Antes da popularização do Culto da Virgem Maria na Alta Idade Média (1000-1300), juntamente com a tradição romântica francesa de amor cortês que elevava o status das mulheres, as mulheres estavam intimamente associadas a Eva e à Queda do Homem no Jardim do Éden. As mulheres eram consideradas inatamente pecadoras, luxuriosas e responsáveis ​​pela primeira queda do homem, bem como por todas as lutas que cada homem individual depois de Adão teve que suportar.

Cat with a Bishop's Crosier & Miter
Gato com búzio e mitra de um bispo
Getty Museum (CC BY)

A mitologia da Bíblia, tomada como verdade divina, também difamou os judeus como assassinos de Cristo e durante toda a Idade Média na Europa os judeus também foram ligados ao gato. Dizia-se que os judeus adoravam o gato, eram capazes de se transformar em gatos para se infiltrar em lares cristãos para praticar travessuras ou lançar feitiços, e também acreditavam que crucificavam gatos como uma zombaria da morte de Cristo na cruz. Para a cultura patriarcal da Idade Média, então, o gato era facilmente a criatura mais vil a se arrastar pela terra.

Gatos como adivinhos e um decreto do papa

Ao mesmo tempo, no entanto, os cristãos medievais achavam o gato útil para o controle de pragas e como meio de percepção sobrenatural. Ratos e camundongos e outros vermes, observou-se, eram bem controlados por um gato ou dois na casa e comerciantes e tripulações de navios os consideravam benéficos também para proteger carregamentos de grãos, ou outras cargas, em transporte ou armazenamento.

A prática da ailuromancia, pela qual se pode prever o futuro observando os movimentos de um gato, também tornou o gato um pouco mais apreciado. Na maioria das vezes, a ailuromancia envolvia apenas observar um gato cujo comportamento era considerado capaz de prever o clima, um convidado inesperado na porta e outras coisas semelhantes. A ailuromancia tomou um rumo decididamente desagradável, no entanto, em um ritual conhecido como taghairm, praticado na Escócia durante a Idade Média e até o século XVI.

Uma pessoa pegava um gato e o assava vivo em uma chama aberta, virando-o em um espeto. O gato gritaria de agonia e isso convocaria o diabo para proteger um dos seus. O diabo suplicaria à pessoa que acabasse com o sofrimento do gato, mas a pessoa resistiria até que o diabo prometesse cumprir um determinado pedido – muitas vezes alguma previsão do futuro – quando o gato sairia de sua miséria.

A Hunter & Dogs Attacking a Treed Wild Cat
Um caçador e cães atacando um gato selvagem na árvore
Getty Museum (CC BY)

O gato foi ainda ligado ao demoníaco através do trabalho do escritor Walter Map (c. 1140-1210) que afirmou que o movimento religioso dos Patarinos (que buscavam reformas na Igreja Católica), a quem ele associava intimamente com os heréticos seita dos cátaros, adoravam o gato como parte de seus ritos sombrios. Map relata como, aqueles cristãos que caíram em pecado e erro ao se juntarem aos Patarinos, mas que desde então retornaram à verdadeira fé, deram este relato de um ritual regularmente observado:

À primeira vigília da noite, com as portas, entradas e janelas fechadas, as famílias sentam-se em silêncio, cada uma na sua 'sinagoga', e esperam. E no meio deles vem, pendurado por uma corda, um gato preto de grande porte. Assim que vêem este gato, as luzes se apagam. Não cantam nem recitam hinos de maneira distinta, mas murmuram-nos com os dentes cerrados e apalpam-se no escuro para onde viram o seu senhor e, quando o encontram, beijam-no, tanto mais humildemente conforme a sua insensatez, alguns nas patas, alguns sob a cauda, alguns nos genitais. (De Nugis Curialum, I.30)

A história de Map – corroborada em nenhum outro lugar e possivelmente satírica, na verdade – tornou-se tão difundida e repetida com frequência que parece ter sido incluída na bula papal que condenava os gatos. O Papa Gregório IX (1227-1241), em resposta aos crescentes relatos de heresia em toda a Europa, enviou o Inquisidor Konrad von Marburg (l. 1180-1233) à Alemanha para erradicar os hereges por qualquer meio que ele achasse necessário. Konrad enviou ao papa de volta um relatório de ritos insidiosos realizados que soam bastante semelhantes ao relato anterior de Map sobre o ritual do gato, apenas com a adição de um sapo ao serviço.

O Papa Gregório IX respondeu emitindo a bula Vox in Rama em 1233, que denunciou os gatos – especialmente os gatos pretos – como maus e em aliança com Satanás. Konrad acusou especificamente o nobre alemão Henrique III, Conde de Sayn (d. c. 1246) de participar desses rituais, mas Henrique conseguiu limpar seu nome perante um tribunal e manter sua posição; Konrad acabou "misteriosamente" assassinado pouco depois. O relato que Konrad deu ao Papa Gregório IX não pôde ser corroborado por nenhum outro inquisidor ou qualquer outra pessoa, mas o conceito do gato como demoníaco foi ainda mais enraizado na consciência pública depois de 1233.

The Ogre & the Cat
O ogro e o gato
Unknown Artist (Public Domain)

Mais uma vez, como no conto de Galinthius que virou gato citado anteriormente, não importava quantas pessoas pudessem – ou mesmo teriam – sido capazes de ler o Vox in Rama de Gregory; o que importava era a posição da Igreja sobre os gatos que teriam sido absorvidos pelas pessoas através de sermões de domingo e conversas simples, filtrando dos níveis mais altos da Igreja para as congregações nas cidades e aldeias. A bula mal foi difundida para começar, tendo sido emitida apenas para Henrique III e, portanto, seu impacto só poderia ter sido sentido indiretamente.

No entanto, o conteúdo da bula do Papa Gregório IX chamou a atenção do público, era uma má notícia para os gatos e aqueles que cuidavam deles. Mulheres idosas que mantinham gatos eram especialmente vulneráveis ​​a uma acusação de feitiçaria, como observa a estudiosa Virginia C. Holmgren:

Uma velha morando sozinha, sem parentes para ajudar, muitas vezes acalentava um gato como um amigo querido e único companheiro. Gato e velha estavam sempre juntos, o gato brincando com qualquer trabalho, especialmente a tarefa de tentar varrer o quintal com uma vassoura de galho desgrenhado. Qualquer aldeão escondido nos arbustos para espionar em busca de uma prova de bruxaria pode ver o gato saltar sobre o feixe de galhos para um passeio pelo terreno acidentado, e a vassoura e o gato serem transportados pelo ar por um breve momento de contato com uma rocha escondida. Naquele exato momento, em um castelo próximo, outro gato amado poderia estar fazendo o mesmo passeio brincalhão na cauda de seda de sua senhora enquanto ela passava da janela para o espelho, com aqueles que estavam por perto sorrindo com carinho. Mas havia sorrisos nos rostos daqueles aldeões espiões enquanto corriam para casa para relatar a prova de feitiçaria em ação. (108-109)

ERA UMA PUNIÇÃO COMUM AMARRAR UMA BRUXA CONDENADA EM UM SACO COM SEU GATO E JOGAR AMBOS NO RIO.

A observação de Holmgren da dama e do gato em seu castelo é precisa, como fica evidente nos registros da casa de Lady Eleanor de Montfort (também conhecida como Eleanor da Inglaterra, l. 1215-1275), que mantinha um gato para controle de pragas, mas também parece ter se importado para ele como um animal de estimação. Lady Eleanor, poderosa o suficiente para controlar, manter e finalmente negociar a rendição do Castelo de Dover, não tinha nada a temer das acusações de feitiçaria, mas o mesmo não podia ser dito das mulheres de meios mais modestos nas aldeias e cidades. De todos os acusados de feitiçaria na Europa na Idade Média, 80% eram mulheres e a acusação quase sempre terminava com a morte da mulher. Embora a imagem mais popular seja de uma suposta bruxa queimando na fogueira, era muito mais comum amarrar a condenada em um saco com seu gato e jogar ambos em um rio.

O retorno do gato

A eclosão da peste bubônica em 1348 tem sido frequentemente atribuída a um massacre generalizado de gatos após o Vox in Rama do papa Gregório IX, mas essa teoria é insustentável, pois foi apenas uma ocorrência da praga entre muitas; a praga estava matando os europeus muito antes de 1233. Mesmo assim, não parece haver razão para argumentar que uma diminuição na população de gatos, antes e depois da bula papal, resultaria em um aumento de camundongos e ratos e foi estabelecido que houve foi tal diminuição antes de 1348.

The Plague by Arnold Bocklin
A Peste por Arnold Bocklin
Arnold Böcklin (Public Domain)

Mesmo que não fosse assim, os incidentes de peste de 1233-1348 poderiam ser atribuídos a um número maior de roedores portadores de parasitas que foram autorizados a prosperar na ausência de uma grande população de gatos. O povo da Idade Média não fazia ideia de que a peste era causada pela bactéria Yersinia pestis (esta permaneceu desconhecida até 1894) e aceitou a opinião da Igreja de que foi enviada por Deus como punição pelo pecado. Os gatos continuaram a ser vilipendiados e mortos porque as pessoas continuaram a vê-los através das lentes da Igreja como maus e inúteis.

Desmond Morris cita a perseguição contínua de gatos ao longo da Idade Média e no Renascimento, observando como “até 1658 Edward Topsel, em seu trabalho sério sobre história natural, [escreveu] 'os familiares das bruxas geralmente aparecem na forma dos Gatos, o que é um argumento de que esta besta é perigosa para a alma e o corpo” (158). O gato continuaria a ser visto dessa forma até a Era do Iluminismo no século XVIII.

A Reforma Protestante (1517-1648) quebrou o poder da Igreja sobre a vida das pessoas e permitiu maior liberdade de pensamento. Embora, como sempre, houvesse pessoas como Edward Topsel que se apegaram a crenças anteriores, as pessoas agora estavam livres para questionar as opiniões da Igreja sobre a vida em geral e os gatos em particular. O espírito do Iluminismo encorajou as pessoas a manter gatos como animais de estimação simplesmente pela alegria da companhia e essa tendência se tornaria mais comum durante a Era Vitoriana (1837-1901), quando a rainha Vitória devolveu o gato ao status que desfrutava no antigo Egito.

Quando a Pedra de Roseta foi decifrada em c. 1822, abriu a cultura egípcia para o mundo. Anteriormente, pensava-se que os hieróglifos eram alguma ornamentação arcana, mas, uma vez entendido como uma língua, a civilização egípcia entrou em foco e atraiu a atenção mundial. Histórias de achados fantásticos em túmulos antigos chegaram às manchetes na Inglaterra e em todo o mundo e vários deles referenciavam Bastet e o amor egípcio pelos gatos. O interesse de Victoria no Egito a levou a adotar dois Persas Azuis e ela adquiriu uma reputação como criadora de gatos de exposição. Como Victoria era uma monarca popular, a imprensa noticiou seus interesses, e esses interesses passaram a ser compartilhados por outros que agora queriam ter seus próprios gatos.

Os esforços de Victoria contribuíram para que o gato retomasse seu antigo lugar na sociedade humana. Seu amor pelos gatos foi notado na América pelo popular periódico Godey's Lady's Book, publicado por Louis A. Godey da Filadélfia entre 1830-1878. Em 1836, a escritora Sarah Josepha Hale juntou-se à equipe editorial do Godey's e começou a escrever artigos exaltando as virtudes do gato e as alegrias de possuir um gato.

O popular autor Mark Twain, entre muitos outros, contribuiu para o impulso escrevendo e palestrando sobre as sublimes alegrias do gato-como-companheiro e assim, no final do século 19, o conceito medieval do gato como instrumento de Satanás foi substituído pelo do amigo felino e membro da família estimado, tão familiar aos amantes de gatos nos dias atuais, bem como aos do mundo antigo.

Remover publicidades

Publicidade

Perguntas & Respostas

Como os gatos eram vistos na Idade Média?

Embora muitas pessoas tivessem gatos como animais de estimação ou para controle de pragas, os gatos eram geralmente vistos de forma negativa na Idade Média e eram considerados os consortes das bruxas.

Os gatos eram mortos regularmente na Idade Média?

Embora não haja evidência de massacre generalizado de gatos, eles foram mortos por causa de sua associação com feitiçaria e também como forma de adivinhação.

Por que os gatos eram vistos como maus na Idade Média?

Os gatos eram vistos como maus na Idade Média por causa da política da Igreja de demonizar qualquer coisa valorizada pelos sistemas de crenças pagãos anteriores. Os gatos eram altamente considerados nos sistemas pagãos do Egito e de Roma e, portanto, foram rejeitados pela Igreja medieval.

Quando os gatos se tornaram um animal de estimação aceitável?

O gato ganhou ampla aceitação como animal de estimação no século 19, depois que a rainha Vitória da Inglaterra adotou dois persas azuis. Victoria era uma monarca popular e muitas pessoas adotaram gatos depois.

Sobre o tradutor

Jéssica da Costa Minati Moraes
Graduanda em História na Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, membro dos grupos de pesquisa: NEAM - Núcleo de Estudos Antigos e Medievais e #Veredas_Digitais - Centro de Tecnologias e Humanidades.

Sobre o autor

Joshua J. Mark
Escritor freelancer e ex-professor de Filosofia no Marist College, em Nova York. Joshua J. Mark viveu na Grécia e na Alemanha, viajou pelo Egito. Lecionou História, Redação, Literatura e Filosofia em várias universidades.

Citar este trabalho

Estilo APA

Mark, J. J. (2019, Maio 20). Gatos na Idade Média [Cats in the Middle Ages]. (J. d. C. M. Moraes, Tradutora). World History Encyclopedia. Recuperado de https://www.worldhistory.org/trans/pt/2-1387/gatos-na-idade-media/

Estilo Chicago

Mark, Joshua J.. "Gatos na Idade Média." Traduzido por Jéssica da Costa Minati Moraes. World History Encyclopedia. Última modificação Maio 20, 2019. https://www.worldhistory.org/trans/pt/2-1387/gatos-na-idade-media/.

Estilo MLA

Mark, Joshua J.. "Gatos na Idade Média." Traduzido por Jéssica da Costa Minati Moraes. World History Encyclopedia. World History Encyclopedia, 20 Mai 2019. Web. 15 Ago 2022.