Mulheres no Império Bizantino

Artigo

Mark Cartwright
por , traduzido por Jéssica da Costa Minati Moraes
publicado em 06 Abril 2018
X
translations icon
Disponível em outras línguas: Inglês, Italiano, Turco, Francês, Espanhol

As mulheres no Império Bizantino (séculos 4 a 15 d.C.) eram, entre as classes altas, esperadas para supervisionar a casa da família e criar os filhos, enquanto aquelas que tinham que trabalhar para viver o faziam na maioria das “indústrias” do período, desde manufaturas à hospitalidade. Embora fossem a minoria, algumas mulheres conseguiram superar as limitações impostas a elas pela cultura dominada pelos homens e se tornaram “empresárias” de enorme sucesso, escritoras, filósofas e até imperatrizes que governavam como regentes ou por direito próprio. Tais figuras incluem as imperatrizes Teodora, Irene e Zoe, a biógrafa Anna Comnena, Hipácia, a filósofa, e Kassia, a poetisa.

Byzantine Empress Irene
Imperatriz bizantina Irene
aninimus (Public Domain)

Fontes

Ao contrário de muitas outras culturas medievais, a história bizantina, escrita pelo próprio povo do período, concentra-se quase exclusivamente nos atos exagerados e delitos dos imperadores, juntamente com uma literatura separada e igualmente problemática sobre santos e disputas sobre doutrina religiosa. A história social é quase totalmente negligenciada e o que resta para os historiadores modernos estudarem é, infelizmente, lamentavelmente insuficiente para reconstruir de forma abrangente tais características da história bizantina como relações de classe, vida familiar e economia. Como o historiador Cyril Mango lamentavelmente resume:

Remover publicidades

Advertisement

Há pouca esperança de que esse corpo escasso e aleatório de material seja aumentado, nem podemos remediar a quase ausência de inscrições em pedra, que para a antiguidade clássica fornecem uma fonte tão rica de informações para a sociedade, instituições e religião.

Outra dificuldade, comum às sociedades antigas, é que as fontes são quase sempre escritas por homens. Que escrevem a partir de suas próprias perspectivas e com seus próprios preconceitos. Ainda assim, devemos fazer o melhor com o que temos à disposição, e é possível fazer muitas observações úteis sobre o papel da mulher na sociedade bizantina reunindo referências indiretas, biografias pitorescas de mulheres famosas, às vezes as obras literárias das próprias mulheres, representações em arte, e assim por diante.

O papel das mulheres aristocráticas

Como na maioria das culturas antigas, as mulheres que mais conhecemos em Bizâncio são aquelas que pertenciam às classes altas. Um evento que afetou muito o papel de todas as mulheres na sociedade bizantina, porém, foi a crescente proeminência do cristianismo ao longo dos séculos, como aqui resumido pelo historiador L. Garland:Como na maioria das culturas antigas, as mulheres que mais conhecemos em Bizâncio são aquelas que pertenciam às classes altas. Um evento que afetou muito o papel de todas as mulheres na sociedade bizantina, porém, foi a crescente proeminência do cristianismo ao longo dos séculos, como aqui resumido pela historiadora Lynda Garland:

Remover publicidades

Advertisement

…as opções para as mulheres evoluíram em todo o império enquanto ainda refletiam tanto as provisões da lei romana quanto os costumes antigos. Os valores cristãos tornaram-se mais amplamente aceitos e, com o celibato e a virgindade vistos como um estilo de vida ideal, as mulheres cada vez mais viam uma vida de castidade como uma opção. Muitas meninas nos séculos IV e V foram para instituições monásticas ou, mais comumente, viviam celibatáriamente em casa, enquanto a igreja instituiu uma “ordem” de virgens para sustentar tais meninas como fazia para as viúvas. O casamento, no entanto, continuaria sendo a norma, e a maioria das mulheres em Bizâncio deveria se concentrar nos deveres familiares como esposas e mães. (em Bagnall, 7117)

PARA AS FAMÍLIAS BIZANTINAS MAIS ABASTADAS, HAVIA ATÉ UMA PARTE SEGREGADA DA CASA RESERVADA APENAS PARA AS MULHERES DA CASA, A GYNAIKONITIS.

Para melhor garantir que uma menina permanecesse virgem até o casamento, foram feitas tentativas de segregar meninos e meninas com a expectativa de que os últimos permanecessem em grande parte nos confins da casa da família e só entrassem em contato direto com homens que eram membros próximos da família. Para as famílias mais abastadas, havia até uma parte segregada da casa reservada apenas para as mulheres da casa, a gynaikonitis, mas isso parece ter sido um espaço privado para manter os homens afastados e não um lugar restrito para as mulheres. Na prática, é claro que as mulheres podiam e entraram no mundo mais amplo. As mulheres passavam tempo em lugares públicos: entre outros, fazendo compras nas praças do mercado, frequentando os banhos públicos, visitando parentes, frequentando a igreja (onde se sentavam separadas dos homens) e participando de festas.

Byzantine Jeweled Bracelet
Pulseira de jóias Bizantinas
Metropolitan Museum of Art (Copyright)

As mulheres aristocráticas no Império Bizantino, então, como no Império Romano do Ocidente, esperava-se que se casassem, produzissem filhos e depois cuidassem deles. As mulheres também cuidavam da casa da família - especificamente sua propriedade e empregados. As meninas, se recebiam educação, eram educadas na casa da família. Elas foram ensinadas a fiar e tecer, e estudaram a Bíblia e a vida dos santos. A leitura era muito mais comum do que a habilidade de escrever, como aponta a historiadora Judith Herrin:

Remover publicidades

Advertisement

Estudos de alfabetização baseados em documentos posteriores sugerem que a capacidade de ler, se não escrever, era mais difundida entre as mulheres em Bizâncio do que na Europa medieval. (122)

A menina mais jovem que se casou tinha por volta dos 12 anos (para os meninos geralmente era aos 14). O envolvimento e o consentimento dos pais eram esperados e, consequentemente, o noivado era geralmente considerado obrigatório. Um segundo casamento era possível desde que o período adequado de luto fosse observado pela viúva, mas um terceiro casamento era raro e só permitido em circunstâncias especiais, que incluíam não ter filhos. O divórcio era difícil de conseguir, embora se uma esposa cometesse adultério, ela poderia ser posta de lado. Após as reformas de Constantino I (306-337 EC), a única razão para uma mulher se divorciar de seu marido era se ele fosse considerado culpado de assassinato ou bruxaria. As leis de Justiniano I (527-565 EC) foram ainda mais longe e proibiram o divórcio por completo, exceto se ambas as partes consentissem em se aposentar para uma vida monástica.

Artistic Representation of a Roman Wedding
Representação artística de um casamento romano
Mohawk Games (Copyright)

O papel e a influência das mulheres das classes mais altas são aqui resumidos pela historiadora Angeliki Laiou:

As mulheres aristocráticas desempenharam um papel importante na política e na sociedade. Elas eram o meio pelo qual se faziam as alianças entre as famílias aristocráticas e, por possuírem bens próprios, tanto na forma de dote quanto de bens patrimoniais, possuíam considerável poder econômico. Nomes, linhagens, propriedades e conexões familiares eram transmitidos tanto pela linha feminina quanto pela masculina; e as mulheres aristocráticas eram tão conscientes e orgulhosas de sua linhagem quanto seus parentes masculinos. (Shepard, 814)

Mulheres trabalhadoras

As mulheres que precisavam trabalhar, geralmente o faziam na agricultura, varejo, manufatura (especialmente têxteis e seda) e estabelecimentos de hospitalidade. Alguns dos trabalhos mais conhecidos desempenhados por mulheres incluíam os de tecelãs, padeiras, cozinheiras, estalajadeiras, lavadeiras, parteiras, médicas, agiotas e cuidadoras dos banhos públicos. Muitos desses trabalhos e o conhecimento relacionado a eles teriam sido transmitidos de geração em geração. Algumas das profissões femininas mais incomuns eram feiticeiras e casamenteiras. Não havia nada que impedisse as mulheres de serem donas de seus próprios negócios, como pousadas e lojas.

Remover publicidades

Advertisement

Byzantine Hexagonal Jug
Jarro hexagonal bizantino
Metropolitan Museum of Art (Copyright)

Ilustrando que as mulheres podiam ter seu próprio negócio e se sair muito bem, é o caso da aristocrata Anicia Juliana (46-527 EC), que se tornou talvez a mulher mais rica do império. Anicia não apenas economizou sua fortuna, mas foi uma célebre patrocinadora de igrejas e arte, principalmente construindo e mobiliando as igrejas de São Poliéucto e Santa Eufêmia em Constantinopla com belas obras de arte. A primeira foi provavelmente a maior igreja da capital até a reconstrução da Hagia Sophia por Justiniano I.

A classe mais baixa de mulheres eram as prostitutas e atrizes, que eram consideradas praticamente a mesma coisa na sociedade bizantina, pelo menos aos olhos das classes altas. Os bordéis estavam presentes, especialmente nos movimentados portos do império, como a capital e Éfeso. Esperava-se que as atrizes apresentassem rotinas de canto e dança pornográficas em teatros ou arenas públicas como o Hipódromo de Constantinopla - daí sua reputação duvidosa.

UMA META PARA AS MÃES ERA ENVIAR SUAS FILHAS PARA O TRIBUNAL IMPERIAL BIZANTINO, ONDE ELAS PODERIAM CONSEGUIR EMPREGO COMO DAMAS DE COMPANHIA.

Provavelmente havia muito pouco movimento entre as classes na sociedade bizantina, mas havia um caminho rápido que poderia ser tomado até o topo da escala social. Este foi um “show de noiva”, organizado por um imperador para se encontrar uma mulher e tornar-se uma imperatriz. Naturalmente, uma garota de uma família importante, mesmo estrangeira, poderia ter uma vantagem, pois forneceria um meio para fortalecer as relações diplomáticas em casa ou no exterior, mas uma garota comum poderia ser escolhida se fosse bonita e inteligente o suficiente. A Imperatriz Irene tornou-se um desses casos quando foi arrancada da obscuridade de uma modesta família ateniense e escolhida para ser a esposa do imperador Leão IV (775-780). Uma meta menos ambiciosa para as mães era enviar suas filhas para a corte imperial, onde poderiam conseguir emprego como damas de companhia.

Remover publicidades

Advertisement

Direitos das mulheres

As mulheres tinham certos direitos em relação à propriedade. Uma esposa não poderia ser separada de seu dote e as filhas poderiam herdar uma porção igual da propriedade da família com seus irmãos se nenhum testamento específico fosse feito. Se um marido morria, sua esposa se tornava a guardiã oficial dos filhos. As mulheres poderiam, então, tornar-se proprietárias de terras por direito próprio, chefiar uma família e estar sujeitas a impostos como qualquer homem proprietário de terras.

Theodora & Michael III
Teodora e Miguel III
Unknown Artist (Public Domain)

Uma mulher não podia exercer quaisquer deveres judiciais ou qualquer função religiosa significativa na Igreja, com exceção de viúvas com mais de 40 anos de idade que podem atuar como diaconisas ou estar envolvidas em serviços especificamente voltados para mulheres, como batismos femininos. Havia muitos mosteiros dedicados às mulheres e neles ocupavam todos os cargos, inclusive o de abadessa. Esses conventos atraíam não apenas aqueles que desejavam dedicar suas vidas a Cristo, mas também mulheres que se tornaram viúvas ou não tinham meios para viver de forma independente no mundo exterior. Os conventos também eram um lugar de refúgio e ajuda para mulheres vítimas de crimes, doenças e infortúnios gerais.

Uma mulher bizantina pode não ter desfrutado exatamente dos mesmos direitos e privilégios que um homem, mas em uma área eles eram considerados iguais: o da fé cristã. Havia igualdade espiritual e muitos dos santos e mártires mais reverenciados eram mulheres. Maria Theotokos (a Mãe de Deus) segurando o menino Cristo era uma das imagens mais comuns nos ícones da Igreja Bizantina.

As mulheres podem não ter tido muitas oportunidades na hierarquia formal da igreja, mas poderiam deixar sua marca como pessoas santas individuais que inspiraram outros a segui-las. Os ascetas bizantinos alcançaram fama por seus grandes feitos de resistência e sacrifício pessoal para estarem mais próximos de Deus e um pequeno número deles eram mulheres. A mais famosa é Santa Matrona de Perge, dos séculos V e VI d.C., que, seguindo uma visão, cortou o cabelo, se disfarçou de eunuco e entrou em um mosteiro só para homens em Constantinopla, chamando a si mesma de Babylas. Lá, ela superou os monges do sexo masculino em seu estilo de vida ascético e de jejum, mas, quando descoberta pelo abade, ela foi forçada a se mudar para um mosteiro feminino em Emesa, na Síria. Realizando milagres, sua reputação cresceu para que ela pudesse retornar a Constantinopla, onde estabeleceu seu próprio mosteiro, muito famoso, que incluía clientes que eram membros da família imperial. Sua vida ascética não lhe fez mal fisicamente e ela viveu até a velhice de 100 anos.

Mulheres bizantinas mais famosas

Bizâncio tem uma longa história e envolve muitas mulheres notáveis. Talvez a primeira mulher bizantina a alcançar fama duradoura seja Helena (nascida em 250 d.C.), mãe de Constantino I, que embarcou em uma peregrinação a Jerusalém, onde construiu várias igrejas, principalmente a Igreja da Natividade em Belém, e deu dinheiro para os dignos e necessitados. Segundo a lenda, Helena descobriu a Verdadeira Cruz em suas viagens e a trouxe de volta a Constantinopla.

Hipácia de Alexandria (370-415 d.C.) foi uma célebre filósofa, cientista e matemática que também deu aulas na famosa universidade de sua cidade natal. Hipácia encontrou um fim violento para suas visões pagãs: ela foi esfaqueada até a morte com canetas de pena (ou atingida com azulejos em outra versão dos eventos) por um grupo de atendentes de hospital pró-cristãos.

Empress Theodora & Her Court
Imperatriz Teodora e sua Corte
Carole Raddato (CC BY-SA)

A Imperatriz Teodora (527-548), esposa de Justiniano I, é talvez a mais famosa de todas as imperatrizes bizantinas. Superando o estigma de seu início de carreira como atriz no Hipódromo de Constantinopla, ela se tornaria um apoio inestimável para o marido, convencendo-o a enfrentar e derrubar a perigosa Revolta de Nika de 532. Ela também é o tema de uma das obras de arte bizantinas mais célebres, os mosaicos da igreja de San Vitale em Ravenna, Itália. Um painel brilhante mostra Teodora resplandecente com uma grande auréola e usando uma grande quantidade de joias e um manto roxo de Tyrian. É uma imagem icônica da feminilidade bizantina que coloriu como imperatrizes e mulheres aristocráticas do período são vistas desde que foi feita.

IRENE GOVERNOU COMO IMPERATRIZ POR DIREITO PRÓPRIO, A PRIMEIRA MULHER A FAZER ISSO NA HISTÓRIA BIZANTINA.

Irene foi a única governante bizantina feminina a assumir o título masculino de basileu ou “imperador” (em oposição à imperatriz). Esposa de Leão IV (775-780), quando ele morreu, Irene assumiu o papel de regente de seu filho Constantino VI de 780 a 790. De 797 a 802, ela governou como imperatriz por direito próprio, a primeira mulher a fazê-lo na história bizantina. Seu reinado conturbado, tramas para manter seu trono e a infame cegueira de seu filho, levaram-na a ganhar a mais sombria das reputações - e isso não é ajudado por presunções como Irene sendo a única governante bizantina a colocar seu rosto em ambos lados de suas moedas de ouro.

Outra mulher bizantina famosa foi Zoe, filha de Constantino VIII (1025-1028), que não teve filhos, e assim ela se tornou imperatriz em 1028, governando até 1050, com um breve período como co-governante com ela a sua irmã Teodora em 1042. Zoe participou da sucessão de cinco imperadores diferentes, três dos quais eram seu marido: Romano III (1028-1034), Miguel IV, o Paflagônio (1034-1041) e Constantino IX (1042-1055). Acusada de assassinar seu primeiro marido, ela foi banida para um mosteiro antes de retornar mais uma vez ao trono em 1041, após a morte de seu segundo marido. Ela é o assunto de uma biografia bastante pitoresca feita pelo historiador bizantino do século XI, Michael Psellos.

Havia várias escritoras bizantinas notáveis ​​que escreveram hinos, versos e biografias de santos, mas nenhuma era mais famosa do que Anna Comnena, que escreveu sua Alexíada sobre a vida e o reinado de seu pai Aleixo Comneno (1081-1118). Além de seu próprio trabalho, Anna patrocinou o de outros estudiosos, como Eustrácio de Niceia.

Finalmente, neste breve resumo de apenas algumas das notáveis ​​mulheres bizantinas, há Kassia, a poetisa. Vivendo no século IX, ela não foi selecionada no show de noivas para o imperador Teófilo ( 829-842), apesar de sua grande beleza, e depois se retirou para um mosteiro. Lá, ela escreveu poemas religiosos e a música para acompanhá-los, vários dos quais ainda são usados ​​nos cultos da igreja ortodoxa hoje.

Remover publicidades

Publicidade

Sobre o tradutor

Jéssica da Costa Minati Moraes
Graduanda em História na Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, membro dos grupos de pesquisa: NEAM - Núcleo de Estudos Antigos e Medievais e #Veredas_Digitais - Centro de Tecnologias e Humanidades.

Sobre o autor

Mark Cartwright
Mark é um historiador que vive na Itália. Seus interesses incluem cerâmica, arquitetura, mitologia e a descoberta das ideias que todas as civilizações partilham entre si. Tem Mestrado em Filosofia Política e é o Diretor de Publicação na Enciclopédia da História Mundial.

Citar este trabalho

Estilo APA

Cartwright, M. (2018, Abril 06). Mulheres no Império Bizantino [Women in the Byzantine Empire]. (J. d. C. M. Moraes, Tradutora). World History Encyclopedia. Recuperado de https://www.worldhistory.org/trans/pt/2-1212/mulheres-no-imperio-bizantino/

Estilo Chicago

Cartwright, Mark. "Mulheres no Império Bizantino." Traduzido por Jéssica da Costa Minati Moraes. World History Encyclopedia. Última modificação Abril 06, 2018. https://www.worldhistory.org/trans/pt/2-1212/mulheres-no-imperio-bizantino/.

Estilo MLA

Cartwright, Mark. "Mulheres no Império Bizantino." Traduzido por Jéssica da Costa Minati Moraes. World History Encyclopedia. World History Encyclopedia, 06 Abr 2018. Web. 16 Ago 2022.