Constantino I

Definição

Donald L. Wasson
por , traduzido por Jessica da Costa Minati Moraes
publicado em 19 Abril 2013
X
translations icon
Disponível noutras línguas: Inglês, francês, grego, italiano, espanhol
Constantine I (by Mark Cartwright, CC BY-NC-SA)
Constantino I
Mark Cartwright (CC BY-NC-SA)

Constantino I, também conhecido como Constantino, o Grande, foi imperador romano de 306 a 337 d.C. Percebendo que o Império Romano era grande demais para um homem governar adequadamente, o imperador Diocleciano (284-305 d.C) dividiu o império em dois, criando uma tetrarquia ou governo de quatro. Enquanto ele governava o leste de Nicomédia como um “augusto” com Galério como seu “césar”, Maximiano e Constâncio, o Pálido, governavam o oeste. Foi o filho de Constâncio, Constantino, que um dia se levantaria para derrotar todos os desafiantes ao trono e reunir o império dividido, afastando a capital da Roma Antiga e construindo uma nova capital oriental, uma capital que um dia levaria seu nome, Constantinopla.

Início da vida

Embora as fontes variem sobre o ano exato de seu nascimento, Constantino (Gaius Flavis Valerius Constantinus) nasceu em Naísso, na atual Sérvia, já em 272 d.C. ou 285 d.C. Como seu pai não era apenas um comandante militar, mas também o césar do oeste, Constantino viveu toda a infância na corte imperial, servindo como oficial de alto escalão de Diocleciano. Mesmo em sua juventude, aqueles ao seu redor viam Constantino como um homem de energia ilimitada. Sob a tutela do imperador, ele aprendeu que a função de um governante era defender o império de qualquer força externa e criar uma sociedade justa e ordenada - algo que Constantino colocaria em prática quando se tornasse o próprio imperador.

Remover publicidades
Advertisement

Em maio de 305 d.C., os imperadores Diocleciano e Maximiano abdicaram de seus tronos para Galério no leste (com Maximino Daia como césar) e Constâncio no oeste (com Severo como césar). Essas nomeações não eram populares entre todos. Maxêncio, filho de Maximiano, e Constantino se sentiram traídos, cada um acreditando merecer a nomeação de césar. Essa omissão não seria esquecida e acabaria levando a uma longa e amarga batalha pelo controle de ambas as metades do império. Depois que Diocleciano abdicou, Galério (em uma tentativa de apaziguar os sentimentos amargos) permitiu que o desapontado Constantino retornasse ao oeste em 306 d.C. para servir sob seu pai. Antes de Constâncio sucumbir à leucemia (a razão pela qual ele foi chamado de “o pálido”) em julho de 306 d.C. em York, Constantino teve a oportunidade de fazer campanha com seu pai na Grã-Bretanha contra os Pictos. Foi na Grã-Bretanha que o recém-nomeado augusto ganhou o título de “Britannicus Maximus” pela segunda vez.

Após a morte de seu pai, Constantino continuou a construir uma reputação de homem capaz de ação rápida e decisiva.

Após a morte de seu pai, Constantino continuou a construir uma reputação de homem capaz de ação rápida e decisiva quando, em 307 d.C., atacou os francos. Foi aqui que ele provou que poderia agir sem piedade quando matou dois reis francos jogando-os às feras no anfiteatro de Tréveres (Augusta Treverorum). No entanto, ele também pode mostrar compaixão, como quando restaurou a propriedade da igreja que havia sido confiscada anteriormente. Lentamente, ele ganhou o respeito do exército, demonstrando aos seus homens, mesmo os mais velhos e experientes, que podiam confiar nele.

Remover publicidades
Advertisement

Com a morte de Constâncio e o sucesso da guerra na Grã-Bretanha, muitos esperavam que Constantino fosse nomeado o novo imperador ocidental; no entanto, Severo (césar e amigo próximo de Galério) foi promovido ao cargo, apesar da alegação de que Constâncio havia nomeado seu filho como augusto em seu leito de morte. Independentemente do decreto oficial, Constantino foi declarado augusto por seus homens. Galério, no entanto, recusou-se a reconhecer esta declaração, nomeando-se como césar. Para não ser esquecido, Maxêncio, que também havia sido esquecido em 305 d.C., ignorou Galério e Constantino e declarou-se augusto em outubro de 307 d.C. Com o apoio do povo de Roma e da Guarda Pretoriana, ele controlava a Sicília, a Córsega, a Sardenha e partes do norte da África. Eventualmente, até seis pessoas diferentes acabariam reivindicando o controle no oeste.

Devido a sua amizade com Galério, Severo era desconfiado tanto por Constantino quanto pelo cunhado de Constantino, Maxêncio, e para derrotar o novo augusto, eles se aliaram ao ex-augusto Maximiano e uniram forças contra Severo. Infelizmente para Severo, que havia recebido ordens para parar Maxêncio, seu exército o abandonou (tendo sido subornado por Maxêncio). Temendo por sua vida, ele fugiu para Ravena, apenas para ser capturado e morto fora de Roma. Sua morte levou Galério a invadir sem sucesso o oeste com um exército. Em 308 d.C., uma nova Tetrarquia foi formada (com o conselho de Diocleciano) com Licínio (um oficial do exército ilírio e amigo de Galério) como o novo augusto e Constantino mantendo sua posição como césar. Para aumentar a confusão, Maximiano (que vivia na corte de Constantino como conselheiro) saiu da aposentadoria em 310 d.C., anunciando-se como o novo augusto, alegando que Constantino estava morto. Constantino, que estava lutando contra os francos, o perseguiu fora de Marselha (a cidade se recusou a conceder-lhe assistência) e, em desespero, Maximiano se enforcou.

Remover publicidades
Advertisement

Enquanto isso, o mandato de Maxêncio em Roma estava diminuindo. Ele havia perdido sua popularidade com os cidadãos de Roma, sobrecarregando-os para construir uma nova basílica e uma grande estátua de si mesmo. Seu desprezo pelo povo resultou em uma série de tumultos que só terminaram com o massacre de vários milhares de romanos. Constantino esperou pacientemente e observou enquanto o império no oeste começava a se autodestruir, então, reunindo um exército de quarenta mil, ele cruzou os Alpes e invadiu a Itália.

Arch of Constantine I
Arco de Constantino
Mark Cartwright (CC BY-NC-SA)

Constantino se torna imperador

Com pouco apoio na cidade, Maxêncio deixou Roma para enfrentar Constantino em uma batalha final e crucial — a Batalha da Ponte Mílvia em 312 d.C. No dia anterior ao início da batalha, Constantino teria olhado para o céu, onde viu uma cruz de luz. Abaixo dela estava a inscrição In Hoc Signo Vinces ou “com este sinal vencerás”. Naquela noite, em sonho, ele recebeu uma explicação do sinal — Jesus Cristo apareceu diante dele dizendo-lhe para levar o sinal da cruz para a batalha. No dia seguinte, os antigos estandartes foram substituídos por novos exibindo o símbolo cristão. Embora em menor número, Constantino derrotou facilmente Maxêncio que fugiu de volta para Roma, porém, antes de chegar à cidade, caiu no rio e se afogou; seu corpo foi descoberto na manhã seguinte entre os cadáveres de muitos outros. A conversão de Constantino ao cristianismo é vista pelos historiadores como um ponto de virada na história, uma fusão de igreja e estado. Constantino imediatamente assumiu o controle completo do oeste. Como o novo augusto no oeste, ele marchou para Roma; um de seus primeiros atos foi emitir o Édito de Milão, uma tolerância de todas as religiões (que mais tarde seria co-assinado por Licínio).

Galério estava servindo como o imperador oriental, e Maximino Daia como césar. Depois que Galério morreu de câncer (em seu leito de morte ele rescindiu todos os éditos anticristãos), Maximino e Licínio lutaram pelo controle do leste, eventualmente dividindo aquela parte do império entre eles — Licínio ficou com os Bálcãs enquanto Maximino ficou com a Ásia Menor e o leste províncias. Esse arranjo não durou e em 313 d.C. os dois lutaram nas planícies da Trácia. Como Constantino na Ponte Mílvia, Licínio lutou sob o sinal da cruz; no entanto, ele o fez não devido a sua fé, mas apenas para ganhar o apoio dos cristãos; seu oponente, Maximino, havia prometido erradicá-los. Apesar dos números inferiores, Licínio foi vitorioso e, após o suicídio de Maximino, assumiu o controle do leste. Para estar seguro em seu direito ao trono, ele imediatamente executou os filhos de Galério e Severo, a família de Maximino e até a filha de Diocleciano.

Remover publicidades
Advertisement

Uma trégua incômoda existia entre Licínio e Constantino, em parte porque Licínio havia se casado com Constância, meia-irmã de Constantino. Em seu primeiro encontro no campo de batalha, em outubro de 316 d.C., Constantino o derrotou em Cíbalas. Uma segunda batalha perto de Adrianópolis terminou com cessões de terras nos Bálcãs para Constantino. Nos anos seguintes, a atitude de Licínio em relação aos cristãos mudou com as execuções e a destruição de várias igrejas cristãs. Isso foi o suficiente para levar Constantino a reunir um exército e derrotar Licínio em uma segunda batalha em Adrianópolis. O comandante derrotado fugiu do campo de batalha, escapando contra o Bósforo. Em setembro de 324 d.C., Licínio foi finalmente derrotado em Crisópolis e se rendeu. Licínio esperava voltar à vida como um cidadão privado que Constantino inicialmente concedeu, mas ele retrocedeu em sua palavra, e Licínio foi enforcado em 325 d.C. — até mesmo seu filho de nove anos foi morto. A vitória de Constantino reuniria o império.

Bizâncio

Constantino, aos 52 anos, era agora o único imperador, e com isso, uma sensação de estabilidade voltou. Constantino percebeu que Roma não era a cidade que ele queria como capital e, apesar de vários dos projetos de construção que instituiu, ela estava decadente. Roma não era mais viável (Constantino até dissolveu a Guarda Pretoriana), e a Nicomédia nunca foi considerada, pois havia sido a capital de Diocleciano. Uma nova capital era necessária e, embora pensasse no local da antiga Tróia, Constantino finalmente viu o que queria: Bizâncio. A antiga cidade estava estrategicamente localizada no lado europeu do Estreito de Bósforo, por isso controlaria o tráfego de e para o Mar Negro. Também forneceu um excelente porto (o Corno de Ouro), e poderia ser facilmente defendido.

Para reconstruir a cidade conforme sua visão, ele trouxe artesãos e recursos de todo o império. Havia avenidas largas com estátuas de Alexandre, César, Augusto, Diocleciano e, claro, Constantino. Ele reconstruiu as paredes, construiu cisternas, igrejas cristãs (Hagia Irene) e templos pagãos. Foi uma capital cristã que permaneceu clássica simultaneamente. Em 330 d.C., a cidade foi finalmente dedicada ao imperador.

Remover publicidades
Advertisement

Map of Byzantine Constantinople
Mapa de Constantinopla
Cplakidas (CC BY-SA)

Constantino e Cristandade

Durante seus anos de guerra no oeste, ele sempre demonstrou tolerância religiosa com pagãos e cristãos (ele alegou ser cristão desde 312 d.C.). Sua mãe Helena era uma cristã devota e, depois que Constantino se tornou imperador, ele a enviou em peregrinação à Terra Santa, onde ela havia construído a Igreja da Natividade em Belém. Embora ele tenha sido um adorador do deus-sol em sua juventude e enquanto alguns afirmam que ele não foi batizado até o leito de morte, ele ainda deu todas as indicações de que era um cristão devoto. Ele é ainda creditado por muitos historiadores por tornar o cristianismo a religião oficial do império (embora outros atribuam ao imperador Teodósio), apesar do fato de que símbolos pagãos do Sol Invictus e Marte apareceram em suas moedas. Embora ele tolerasse certas práticas religiosas pagãs, a liberdade religiosa tinha seus limites, os sacrifícios pagãos eram proibidos, os tesouros do templo apreendidos, as lutas de gladiadores terminadas (os cristãos não gostavam delas), as crucificações foram abolidas e leis foram promulgadas contra a imoralidade sexual e a prostituição ritual.

Em 325 d.C., Constantino convidou clérigos de todo o império para o Concílio de Niceia, onde fez um apelo pela unidade. O resultado da conferência não foi apenas uma condenação do arianismo, mas também do Credo Niceno, uma definição do que significa ser cristão. Um ano depois, em 326 d.C., Constantino teve sua fé religiosa testada quando mandou matar seu próprio filho Crispo (de sua primeira esposa Minervina), falsamente acusado de adultério. Segundo fontes, a segunda esposa de Constantino, Fausta, fez as acusações contra Crispo, que lutou ao lado de seu pai e governou as províncias ocidentais, porque ela estava apaixonada por ele, mas ele a rejeitou. Mais tarde, ela cometeu suicídio quando ficou provado que as acusações eram falsas. Constantino lamentou a ação pelo resto de sua vida.

Morte

Constantino, o Grande, manteve seu papel como comandante militar, lutando contra os alamanos em 328 d.C. com a ajuda de seu filho Constâncio II, derrotando os godos em 332 d.C., submetendo-os à fome e, por último, capturando territórios perdidos dos dácios (territórios que mais tarde foram perdidos após sua morte). Seu último desejo era conquistar a vizinha Pérsia depois que seu rei Shapur II invadiu a Armênia. No entanto, isso não aconteceu, e em 337 d.C.., Constantino adoeceu e morreu. Ele governou por 31 anos. Ele foi enterrado na Igreja dos Santos Apóstolos em Constantinopla, deixando seu império nas mãos de seus três filhos - Constantino II, Constâncio II e Constante com Constâncio II eventualmente derrotando seus irmãos e governando todo o império sozinho.

Remover publicidades
Publicidade

Bibliografia

  • Brownworth, L. Lost to the World. Three Rivers Press, 2009
  • Hill, D. Ancient Rome: From the Republic to the Empire. Parragon Books, 2007

Sobre o tradutor

Jessica da Costa Minati Moraes
Graduanda em História na Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, membro dos grupos de pesquisa: NEAM - Núcleo de Estudos Antigos e Medievais e #Veredas_Digitais - Centro de Tecnologias e Humanidades. Atualmente faz pesquisa de Iniciação Científica na área de Antiguidade Tardia.

Sobre o autor

Donald L. Wasson
Donald ensina História Antiga, Medieval e dos Estados Unidos no Lincoln College (Normal, Illinois) e sempre foi e sempre será um estudante de história, dedicando-se, desde então, a se aprofundar no conhecimento sobre Alexandre, o Grande. É uma pessoa ávida a transmitir conhecimentos aos seus estudantes.

Citar este trabalho

Estilo APA

Wasson, D. L. (2013, Abril 19). Constantino I [Constantine I]. (J. d. C. M. Moraes, Tradutor). World History Encyclopedia. Obtido de https://www.worldhistory.org/trans/pt/1-699/constantino-i/

Estilo Chicago

Wasson, Donald L.. "Constantino I." Traduzido por Jessica da Costa Minati Moraes. World History Encyclopedia. Última modificação Abril 19, 2013. https://www.worldhistory.org/trans/pt/1-699/constantino-i/.

Estilo MLA

Wasson, Donald L.. "Constantino I." Traduzido por Jessica da Costa Minati Moraes. World History Encyclopedia. World History Encyclopedia, 19 Abr 2013. Web. 13 Abr 2024.