A Batalha da Floresta de Teutoburgo

Artigo

Karen Schousboe
por , traduzido por Rogério Cardoso
publicado em 06 Fevereiro 2017
X
translations icon
Disponível em outros idiomas: Inglês, Italiano, Francês

Na Batalha da Floresta de Teutoburgo (também conhecida como Batalha de Varo), em 9 d.C., uma combinação de forças germânicas aniquilou um exército romano composto por três legiões, incluindo três esquadrões de cavalaria e seis coortes de tropas auxiliares. Como alguns soldados devem ter sido deixados para defender os acampamentos de verão, o exército provavelmente tinha de 10.000 a 15.000 homens ou aproximadamente de 8 a 10% do total do exército romano. As fontes não mencionam o tamanho do exército germânico na famosa batalha. Com base no tamanho da bacia hidrográfica e no fato de que Armínio, líder das forças germânicas, não foi capaz de recrutar todos os chefes tribais, é provável que os germanos estivessem em número muito menor, talvez numa proporção de 1:2.

Sete anos após a batalha, os romanos enviaram Germânico para vingar a morte dos seus companheiros, devastando o interior. Ainda assim, a batalha teve um impacto decisivo em longo prazo; os romanos nunca consolidaram o domínio da Germânia Interior, a terra ao leste do Reno. Em vez disso, a fronteira romana (limes) consolidou-se ao longo do Reno. Mais tarde, após o século XVI, a batalha alimentou a imaginação de incontáveis comandantes militares e a sua crença no que uma batalha decisiva pode assegurar em termos de glória e de ganhos políticos.

Remover publicidades

Advertisement

Arminius & the Battle of Teutoburg Forest
Armínio e a Batalha da Floresta de Teutoburgo
The Creative Assembly (CC BY-NC-SA)

Prólogo

Qualquer jovem que já tenha estudado latim já se viu incumbido de ler uma das grandes obras militares históricas, os Comentários sobre a Guerra Gálica (Commentarii de Bello Gallico), de Júlio César. Assim, eles também leram de que modo César, em 55 a.C., construiu duas pontes através do rio Reno e conduziu o seu exército a fim de confrontar os germanos na terra natal destes pela primeira vez. Nos 60 anos seguintes, isso desencadeou uma guerra generalizada na parte noroeste da atual Alemanha, na região entre os rios Reno e Weser, de modo que as escaramuças penetrassem até o rio Elba. Quão longe exatamente os romanos conseguiram avançar na Germânia Interior é ainda debatido. No entanto, os restos de vários acampamentos romanos, registrados arqueologicamente terra adentro até o forte romano em Barkhausen em Porta Westfalica, indicam quão longe os romanos chegaram sob a liderança de Tibério entre 9 e 7 a.C. Segundo todos os relatos, os romanos depois aí se estabeleceram para colonizar e romanizar a região.

Comandantes

Nós sabemos, por meio de escavações arqueológicas em Kalkriese, que o ataque havia sido cuidadosamente preparado durante o verão.

Para esse objetivo, Públio Quintílio Varo foi nomeado governador da Germânia em 7 d.C. Sob seu comando estavam três legiões. Em setembro de 9 d.C., Varo desmontou o seu acampamento de verão e marchou com o seu exército para passar o inverno em Xanten ou Mainz. A História depois nos conta que Varo recebeu de Armínio informações de que uma rebelião estava efervescendo ao leste do Reno. Armínio era filho de um proeminente chefe tribal germânico, mas teve de passar a sua infância em Roma como refém. Lá, ele não só havia recebido educação militar, como também havia obtido cidadania romana. Por sua capacidade, ele havia obtido o grau de equestre, assim como um posto de líder de esquadrão no exército de Varo. Posteriormente, ficou claro que Armínio – embora servisse como um elo entre os romanos e os germanos – havia conspirado contra os romanos, recrutando apoio e soldados de inúmeros chefes tribais germânicos.

Remover publicidades

Advertisement

Nós sabemos, por meio de escavações arqueológicas em Kalkriese, que o ataque havia sido cuidadosamente preparado durante o verão. Portanto, Armínio não estava liderando uma rebelião aleatória, mas um ataque engenhosamente planejado contra o exército romano estacionado junto ao Baixo Reno. Chegado o mês de setembro, historiadores romanos nos contam que, quando Armínio deu a Varo a falsa informação, Varo foi induzido a fazer um desvio pelo campo de batalha pré-selecionado e preparado por Armínio. Os historiadores também nos contam que Segestes, o padrasto romano de Armínio, alertou Varo; infelizmente, o comandante romano menosprezou o alerta e marchou com as suas legiões rumo à aniquilação total.

Coin Inscribed VAR(us)
Moeda com a Inscrição VAR(us)
Goethe-Universität Frankfurt (Public Domain)

A Localização do Campo de Batalha

Embora a história da Batalha de Teutoburgo fosse conhecida desde a Antiguidade, não lhe foi concedida especial significância até 1470, quando a descrição de Tácito foi descoberta e impressa em Veneza pela primeira vez. Entretanto, a localização exata do campo de batalha continuou a ser um enigma por mais de 500 anos, até que o arqueólogo amador, o major Tony Clunn, após um dia bem-sucedido com o seu detector de metais, se encontrasse com o arqueólogo chefe em Osnabrück, Wolfgang Schlüter. Baseando-se no escrito do historiador do século XIX Theodor Mommsen, eles começaram a investigar sistematicamente uma área ao norte das Colinas de Wiehen (Wiehengebirge) na Baixa Saxônia, Alemanha; mais precisamente, em Kalkriese. Formalmente, a área havia sido considerada um deserto arqueológico porque camponeses haviam usado uma técnica especial quando araram a terra. Com o intuito de fertilizar os seus campos, eles cortariam blocos de turfa ou grama para usar como cama para o rebanho no inverno. Chegada a primavera, esse adubo seria espalhado pelos campos, que seriam intensamente cultivados, criando uma camada sobre a outra do assim chamado solo podzol ou plaggen. Isso significa que o terreno dos romanos estava coberto, às vezes, por um metro ou até um metro e meio de solo agrícola. Até a introdução da aragem profunda, os fazendeiros podiam encontrar uma moeda incomum, mas não mais do que isso. Após a Segunda Guerra Mundial, o cenário mudou, e um conhecimento melhor acerca do terreno da Idade do Ferro gradualmente surgiu.

Remover publicidades

Advertisement

Hoje, nós sabemos que o terreno estava de fato coberto por povoados, aldeias e pequenos vilarejos. Ao mesmo tempo, mais e mais moedas foram encontradas, intrigando arqueólogos e historiadores. Mas como é que todas essas moedas foram encontradas e, além disso, como eram datáveis do período de governo de Varo? Quando os detectores de metal também descobriram projéteis de chumbo, isso levou às primeiras escavações arqueológicas em 1989. Hoje, pouquíssimos arqueólogos ou historiadores duvidam de que a Batalha da Floresta de Teutoburgo ocorreu num estreito corredor de terra entre as charnecas ao norte e o interior montanhoso e enflorestado ao sul.

Teutoburg Forest
Floresta de Teutoburgo
Carole Raddato (CC BY-NC-SA)

Táticas

Em geral, acredita-se que Varo estava conduzindo o seu exército para o oeste. Isso se baseia na distribuição dos achados arqueológicos, que contam uma história de um exército que se desintegrava lentamente enquanto se movia nessa direção. Quando ele chegou às Colinas de Wiehen, ele foi obrigado a contornar o cume montanhoso ao sudoeste e as úmidas e intratáveis charnecas ao norte. Olhando-se um mapa, fica fácil ver como o terreno literalmente o pressionou a estender a linha de marcha. A arqueologia mostrou que o ataque ocorreu ao longo de uma estreita passagem a cobrir de 15 a 20 quilômetros aproximadamente e que ele tomou a forma de uma batalha num desfiladeiro. Em geral, acredita-se que os guerreiros germânicos, escondidos na floresta, inicialmente atacaram por cima a retaguarda e os flancos do exército romano arremessando lanças e projéteis de chumbo contra os inimigos. Tais táticas basicamente impediram os romanos de entrarem nas suas clássicas formações de batalha. Além disso, é provável que os soldados experientes tenham se misturado com as tropas auxiliares em fuga, tornando a estratégia de ataque das forças germânicas gradualmente mais fácil. Por fim, talvez valha a pena especular se essa forma de guerrear era também mais adequada a um exército que provavelmente consistia em bandos fraternos, cada qual liderado pelo seu próprio líder ou chefe tribal. Mobilizando suas tropas em grupos de guerrilha, Armínio talvez conseguisse forjar uma frente unida sem se arriscar a um conflito interno.

Mais para baixo na linha, em Oberesch, os germanos haviam erigido uma longa muralha defensiva de 400 metros antes da batalha. Ziguezagueando através do terreno, ela se assemelha a um bastião pós-medieval. Com uma drenagem atrás e uma paliçada na frente, ela atesta o plano e as preparações cuidadosas que Armínio e os seus chefes tribais companheiros haviam investido na emboscada.

Remover publicidades

Advertisement

Battle of Teutoburg Forest Map
Mapa da Batalha da Floresta de Teutoburgo
Cristiano64 (CC BY-SA)

Aqui uma batalha mais intensa parece ter ocorrido assim que os guerreiros germânicos liderados por Armínio partiram para o golpe final. Todavia, contínuas escavações arqueológicas na área tornam provável que o nosso conhecimento de como a operação exatamente ocorreu nos leve a novas conclusões. Um elemento, porém, dificilmente se fundamenta. Tácito relatou que uma das razões pelas quais os germanos venceram naquele dia foi que as cordas dos arcos romanos estavam encharcadas pela chuva e que, portanto, tal arma se mostrou inútil.

Armas

Escavações arqueológicas no lugar descobriram mais de 1500 moedas romanas e 6000 achados; quase todos eles são peças fragmentárias do equipamento militar romano, como pregos de calçados, pedaços de cota de malha, cintos, placas e broches, assim como fragmentos de equipamentos auxiliares. É óbvio também que os guerreiros germânicos cuidadosamente cataram os restos em busca de alguma outra coisa útil. Por isso, apenas um fragmento da lâmina de uma espada romana foi encontrado, enquanto numerosas bainhas foram descartadas depois de terem retirado o seu metal. Tal foi o destino também de uma impressionante quantidade de escudos, dos quais cuidadosamente se retiraram as bossas e outros metais. Esses atos indicam que os guerreiros germânicos preferiam outros tipos de arma – os seus escudos especiais e diferentes espadas (a spatha). É altamente provável que as curtas espadas romanas (o gladius hispaniensis) e os seus dardos (os pila) encontrados no campo de batalha tenham sido desmantelados, e que o metal tenha sido reutilizado por armeiros germânicos. Um achado especial tornou-se icônico no campo de batalha em Kalkriese, a máscara de prata de um oficial equestre romano. Aparentemente, parte da muralha caiu sobre ela e sobre alguns outros equipamentos, escondendo-os do olhar de saqueadores após a batalha e preservando-os para nós.

Roman Legionary Kit
Equipamento do Legionário Romano
Carole Raddato (CC BY-SA)

Consequências

Conforme o relatado depois por historiadores antigos, a batalha culminou na total aniquilação dos soldados romanos. Foi dito que Varo caiu sobre a sua própria espada, enquanto os vencedores tomaram as valiosas águias das legiões romanas como sinais visíveis do seu triunfo. Apenas duas delas foram recuperadas e isso sete anos depois. Os números das legiões nunca mais foram usados de novo, em memória às legiões perdidas. Sem nenhuma surpresa, Suetônio nos relata que Augusto chorou e bateu várias vezes a cabeça numa porta quando recebeu notícias da derrota:

Remover publicidades

Advertisement

Ele sofreu senão duas severas e ignominiosas derrotas, as de Lólio e de Varo, das quais ambas foram na Germânia. Dessas, a primeira foi mais humilhante do que séria, mas a segunda foi quase fatal porque três legiões foram despedaçadas junto com o seu general, com os seus oficiais e todos os auxiliares. Quando notícias disso chegaram, ele ordenou que se mantivesse a vigilância à noite por toda a cidade, para evitar uma revolta, e prolongou os mandatos dos governadores das províncias, para que os aliados se mantivessem firmes em sua aliança por meio de homens experientes com os quais eles estivessem familiarizados. Ele também votou grandes jogos a Júpiter Ótimo Máximo, no caso de a condição da comunidade melhorar, algo que havia sido feito nas Guerras Címbrias e na Guerra Social. De fato, dizem que ele foi tão fortemente afetado, que por vários meses em sequência ele não cortou a barba nem o cabelo e que, às vezes, batia a cabeça numa porta, chorando: "Quintílio Varo, devolve-me as minhas legiões!". E ele observava o dia do desastre a cada ano como um dia de mágoa e lamentação. (A Vida dos Doze Césares - Augusto, 23.1-3).

Cinco anos depois, o Senado Romano nomeou Germânico como o comandante das forças militares na Germânia Interior. Tal medida culminou numa campanha de 14 a 16 d.C., durante a qual ele obteve com sucesso uma terrível vingança contra os germanos, seriamente rechaçando o exército de Armínio e recuperando duas das três águias perdidas. Ele também conseguiu curar de certa forma o trauma ao assegurar o enterro dos soldados romanos, cujos cadáveres haviam sido deixados para apodrecerem no campo de batalha. Tácito escreve que, quando o comandante romano, Germânico, visitou o lugar da batalha, ele ordenou que os restos físicos dos soldados fossem reunidos e enterrados em covas. Arqueólogos mostraram que os ossos e os crânios encontrados nessas covas ficaram insepultos por vários anos. Isso vai ao encontro desse relato. No entanto, Germânico não conseguiu converter tais vitórias numa dominação duradoura da região.

Uma Batalha Decisiva?

Nos séculos XIX e XX, os historiadores geralmente acreditavam que a Batalha da Floresta de Teutoburgo havia sido decisiva para a história futura da Europa. Na batalha, os romanos se depararam com um terrível abalo, após o qual eles foram forçados a recuar através do Reno. Conquanto as regiões em ambos os lados desse rio operassem como uma única região fronteiriça, a fronteira militar manteve os romanos de um lado e os germanos de outro, até que os francos sob comando de Clóvis efetivamente viessem a dominar tudo até o Elba.

Kalkriese Face Mask
Máscara Facial de Kalkriese
Carole Raddato (CC BY-SA)

Historiadores posteriores, é claro, questionaram isso. Na opinião deles, não era, do ponto de vista econômico, vantajoso subjugar o que era basicamente uma terra rural e interiorana sem nenhum interesse particular. Era simplesmente melhor estabelecer relações comerciais sensatas e seguras com a Germânia Interior, em vez de investir dinheiro e homens para incluir tais províncias num vasto império que se estenderia até a Muralha de Adriano. Era simplesmente mais fácil e também mais barato defender a fundo a fronteira ao longo do Reno. Além disso, ela servia como um poderoso ímã para homens da Germânia Interior que desejassem ser recrutados para o exército romano. É provável que a única razão pela qual a batalha em Teutoburgo foi tão vividamente lembrada teve a ver com o fato de ela ter sido uma derrota tão devastadora e humilhante, que ela feriu dura e publicamente a reputação militar dos romanos. Se governas e administras com base no terror, uma derrota devastadora nas mãos de um inimigo pode te custar caro quando tornares a confrontar os próximos rebeldes no futuro.

Uma Batalha Icônica?

Todavia, a aura da batalha em Teutoburgo teve uma segunda vida após a Reforma Protestante no século XVI, quando as obras de Tácito vieram a inspirar os alemães, que desejavam libertar-se da Igreja Católica, a usarem Armínio (também conhecido por Hermann, como ele era então chamado) como defensor do povo por excelência. Depois tal ideia vingou quando ele se tornou o defensor do povo alemão contra o Varo de todos os tempos, Napoleão. Segundo o imaginavam os românticos por meio de pinturas, poesia e peças, o general Blücher era simplesmente Armínio renascido, enquanto Napoleão era o general romano rechaçado em Waterloo. Nesse ponto, os alemães começaram a planejar um grande monumento, o monumento de Hermann perto de Detmold (onde à época se acreditava que a batalha havia ocorrido). A despeito disso, o Hermannsdenkmal só veio a ser erigido em 1875. Com 57,4 metros de altura, o monumento continua a erguer a sua espada, apontando-a para o oeste. Medindo sete metros e pesando 600 quilos, ele foi doado pela empresa Krupp. Hoje, ele nos faz lembrar a meticulosa catação de metais que ocorreu em Kalkriese em setembro do ano 9 d.C. Após a retumbante vitória em 1871, a elite alemã pensou nele mais como um sinal do que a inscrição dizia: "Unidade Alemã sob Minha Força" (Deutsche Einigkeit Meine Stärke). Sobre a sua cabeça, Hermann carrega um elmo alado, e sob o seu pé jaz uma águia romana esmagada. O retrato de Hermann foi forjado com o metal retirado de um canhão francês e depois derretido e moldado na imagem do recém-criado Imperador Alemão.

Paradoxalmente o bastante, porém, essa veneração alemã por Armínio como um símbolo nacional da unidade alemã carregou consigo a semente da destruição definitiva do exército alemão na Segunda Guerra Mundial.

Durante a Idade Média, a maioria das guerras consistia em intermináveis séries de cercos, seguidos por pilhagem e ocasionais devastações dos campos. Lutava-se em batalhas campais ocasionalmente, mas, em geral, os reis e os seus líderes militares buscavam evitá-las; custosas e potencialmente devastadoras, a maioria dos generais as temia. Isso mudou fundamentalmente no fim do século XVIII, quando Napoleão entrou em cena impulsionando a ideia de que a glória poderia ser de fato obtida – e por isso deveria ser buscada – nas magníficas batalhas campais, em que ele sobressaía. Como os alemães buscavam unidade travando guerras (1864 - 1871) contra os seus vizinhos, Dinamarca, Áustria e França, um talentoso líder militar, Helmuth von Moltke, o Velho, saiu à frente. Inspirado por Clausewitz (general e teórico da guerra), Moltke obteve sucesso tanto ao estabelecer as regras de como travar guerra no século XIX quanto ao vencer uma impressionante quantidade de batalhas decisivas, à maneira do grande herói alemão de todos eles: Armínio.

Statue of Arminius
Estátua de Armínio
Hubert Berberich (CC BY)

Destarte, embora a história seja testemunha do fato de que as guerras, no fim, são vencidas por desgaste e apenas muito raramente em batalhas decisivas, os talentosos generais alemães na Segunda Guerra Mundial eram seduzidos pelo encanto da batalha. É claro que eles podem ser acusados nesse contexto. Por um lado, eles sentiam que tinham de seguir ordens de um militar incompetente; por outro, eles devidamente sabiam que qualquer guerra que não trouxesse glórias no campo de batalha não poderia ser vencida por forças alemãs, que, em longo prazo, careceriam de mão de obra e de recursos para concluí-la, impondo sofrimento. Numa situação como essa, é compreensível que atrair o inimigo para batalhas decisivas possa render frutos. Essa era, portanto, a estratégia que, no fim, estava por detrás da decisão alemã de avançar pelas Ardenas e enfrentar os Aliados na Batalha do Bulge, de dezembro de 1944 a janeiro de 1945; possivelmente, uma das últimas grandes batalhas da história militar do mundo.

Oculto por detrás disso estava, pois, o atrativo da batalha decisiva, que os alemães acreditavam ter sido vencida pelo seu Armínio (ou Hermann), também conhecido como Moltke, nas Florestas de Teutoburgo de antigamente. Graças aos arqueólogos, nós agora temos de especular: Armínio, de fato, não lutou propriamente à sua maneira como um talentoso líder de grupos guerrilheiros e bandos armados?

Museus

Um importante e muito interessante museu está localizado no famoso lugar da batalha. Isso é da maior importância para qualquer um que deseje entender os eventos que culminaram na batalha, o modo como ela foi conduzida e o contexto histórico e geográfico. É um ótimo museu para crianças também. Fora do museu, os visitantes são convidados ao um passeio pelo lugar da batalha, dando uma boa indicação do rumo que ela tomou para os soldados romanos e para os guerreiros germânicos.

No Museu Histórico Alemão de Berlim, a primeira exposição diz respeito à Batalha da Floresta de Teutoburgo. Os curadores obviamente escolheram a máscara usada por um romano na batalha como o ponto inicial do que é fundamentalmente uma exposição assaz impressionante, dividida em três partes, provendo uma vasta história de altos e baixos do nacionalismo, da unificação e das divisões da Alemanha por mais de 2000 anos.

Remover publicidades

Publicidade

Bibliografia

  • Derkes, Herdrun. Kalkriese und die Varusschlacht: Geschichte – Forschung – Funde. Varusschlacht in Osnabrücker Land. Museum und Park Kalkriese, 2015
  • Moosbauer, Günter. Die Varusschlacht. Verlag C. H. Beck (WISSEN), München, 2009
  • Nolan, C. The Allure of Battle. Oxford University Press, 2017.
  • Published by der Varusschlacht im Osnabrücker Land GMbH, Museum und Park Kalkriese. Varusschlacht Im Osnabrücker Land: Museum Und Park Kalkriese. Philipp Von Zabern, Mainz, 2009
  • Rost, Achim and Wilbers-Rost, Susanne. "Weapons in the Battlefield of Kalkriese." Gladius. Estudios sobre armas antiguas, arte military y vida cultural en oriente y occidente, 30, 2010, pp. 117 - 136.
  • Wells, P.S. The Battle That Stopped Rome. W. W. Norton & Company, 2004.
  • Wiegels, Rainer. Die Varusschlacht: Wendepunkt der Geschichte?. Konrad Theiss Verlag, Stuttgart, 2007

Sobre o tradutor

Rogério Cardoso
Rogério Cardoso nasceu em Manaus, Brasil, onde inicialmente obteve um grau em Letras Portuguesas, e mais tarde se mudou para São Paulo, onde obteve um grau de mestre em Filologia Portuguesa. Ele é um entusiasta da História.

Sobre o autor

Karen Schousboe
Karen é uma medievalista apaixonada por viagens no tempo e pelo modo como nós podemos ser inspirados pelo passado a navegar o nosso futuro. Essa é a ideia por detrás do medievalhistories.com.

Cite este trabalho

Estilo APA

Schousboe, K. (2017, Fevereiro 06). A Batalha da Floresta de Teutoburgo [Battle of Teutoburg Forest]. (R. Cardoso, Tradutora). World History Encyclopedia. Recuperado de https://www.worldhistory.org/trans/pt/2-1010/a-batalha-da-floresta-de-teutoburgo/

Estilo Chicago

Schousboe, Karen. "A Batalha da Floresta de Teutoburgo." Traduzido por Rogério Cardoso. World History Encyclopedia. Última modificação Fevereiro 06, 2017. https://www.worldhistory.org/trans/pt/2-1010/a-batalha-da-floresta-de-teutoburgo/.

Estilo MLA

Schousboe, Karen. "A Batalha da Floresta de Teutoburgo." Traduzido por Rogério Cardoso. World History Encyclopedia. World History Encyclopedia, 06 Fev 2017. Web. 26 Mai 2022.