Henrique VIII de Inglaterra

Definição

Mark Cartwright
por , traduzido por Joana Mota
publicado em 09 Abril 2020
X
translations icon
Disponível em outros idiomas: Inglês, Francês
Henry VIII by Holbein (by Hans Holbein, Public Domain)
Henry VIII de Holbein
Hans Holbein (Public Domain)

Henrique VIII de Inglaterra governou como rei desde 1509 até 1547 EC. Como segundo rei Tudor após o seu pai Henrique VII de Inglaterra (r. 1485-1509 EC), Henrique herdou um reino unido e bem de finanças. Famoso pelas suas seis esposas enquanto procurava um herdeiro homem, o rei era carismático e dominador. De modo a escapar do seu primeiro casamento, Henrique colocou-se contra o Papa e, assim, começou a Reforma da Igreja Anglicana através da qual se afastou de Roma e a monarquia inglesa tornou-se a sua líder suprema. Uma figura peculiar, Henrique centralizou o governo, posteriormente absorveu o País de Gales no seu reino, assistiu à dissolução dos Mosteiros, formou a Marinha Real e construiu magníficos palácios como o de St. James em Londres. Quando Henrique morreu, pensa-se que em 1547 EC, foi sucedido pelo seu jovem filho Eduardo VI de Inglaterra (r. 1547-1553 EC) e deixou-o com um reino empobrecido e dividido devido a questões religiosas.

Henrique Tudor

Henry Tudor derrotou e matou Ricardo III da Inglaterra (r. 1483-1485 EC) na Batalha de Bosworth em Agosto de 1485, na última grande ação da disputa dinástica da Inglaterra conhecida como Guerra das Rosas (1455-1487 EC). A Casa de Lancaster finalmente derrotou a Casa de York, mas Henrique, coroado Henrique VII da Inglaterra em Outubro de 1485 EC, pretendia criar uma nova casa governante: os Tudors. Henrique casou com Elizabete de York (n. 1466 EC), filha de Eduardo IV da Inglaterra (r. 1461-70 e 1471-83 EC), a 18 de janeiro de 1486 EC e ele até combinou os emblemas de York e Lancaster para criar um símbolo real novo: a Rosa Tudor. A Inglaterra estava prestes a entrar na era pós-medieval com uma nova aparência e um novo tipo de monarquia.

Remover publicidades

Advertisement

Vida Pregressa

Henrique VII viu alguns desafios finais ao seu reinado e começou a encher os cofres do estado o máximo que pôde, fortalecendo a coroa e enfraquecendo a nobreza no processo. O filho mais velho do rei era Artur (n. 1486 EC) e tinha casado com a princesa espanhola Catarina de Aragão, filha do rei Ferdinando II, em 1501 EC. Infelizmente, Artur morreu no ano seguinte com apenas 15 anos. O seguinte filho mais velho do rei, Henrique, nascido a 28 de Junho de 1941 EC no Palácio de Greenwich, tornou-se o herdeiro do trono e em 1503 EC foi proclamado Príncipe de Gales. Henrique VII desejava manter relações de amizade com Espanha e, deste modo, após uma permissão especial do Papa, o Príncipe Henrique foi prometido a Catarina de Aragão. Quando Henrique VII morreu de doença a 21 de Abril de 1509 EC, o Príncipe Henrique tornou-se rei. Como prometido, ele casou com Catarina a 11 de Junho e foi coroado Henrique VIII a 24 de Junho de 1509 EC na Abadia de Westminster.

O Problema de Henrique era como se livrar de Catarina de Aragão, uma questão conhecida como o 'grande assunto' do Rei.

Contrariamente aos retratos mais famosos e tardios de Henrique VIII, na sua juventude o rei possuía uma figura atlética e uma altura 1,9 metros (6ft 3in), com cabelo e barba ruivos, sendo uma figura imponente. Talvez por isso fosse um campeão dos torneios medievais que o pai adorava organizar. O príncipe também era um bom arqueiro, cavaleiro e jogador de ténis e quando em descanso compunha poesia e música retocada pelo seu conhecimento impressionante de teologia. Resumidamente, Henrique era uma personagem inteligente e carismática que encantava todos os que o conheciam. O historiador John Miller dá o seguinte resumo acerca do carácter poderoso, mas alterável de Henrique:

Remover publicidades

Advertisement

[Henrique era] obstinado, astuto, capaz de atitudes de generosidade e entusiasmo, mas também de raiva selvagem. Enquanto um homem jovem estava determinado em aproveitar ser Rei e em ofuscar os seus contemporâneos. Quando passou o seu auge tornou-se desconfiado, caprichoso, desonesto e, por vezes, cruel.

(96)

Catherine of Aragon
Catarina de Aragão
Unknown Artist (Public Domain)

As Seis Esposas de Henrique VIII

Henrique, perpetuamente em busca do seu herdeiro homem, passou umas incríveis seis esposas. Estas, e os filhos que geraram, foram:

  • Catarina de Aragão (m. Junho de 1509 EC) - Maria (n. Fevereiro de 1516 EC)
  • Ana Bolena (m. Janeiro de 1533 EC) - Elizabete (n. Setembro 1533 EC)
  • Joana Seymour (m. Maio de 1536 EC) - Eduardo (n. Outubro de 1537 EC)
  • Ana de Cleves (m. Janeiro de 1540 EC)
  • Catarina Howard (m. Julho de 1540 EC)
  • Catarina Parr (m. Julho de 1543 EC)

O primeiro casamento do rei com Catarina de Aragão produziu seis crianças, mas todas exceto uma morreram na infância. A única sobrevivente foi Maria, nascida a 18 de Fevereiro de 1516 EC. Henrique tinha um filho ilegítimo, Henrique Fitzroy, Duque de Richmond (n. 1519 EC), de uma amante, Elizabete Blount, mas não servia de muito ao rei que queria um herdeiro reconhecido. O rei começou a procurar uma nova esposa e encontrou a candidata ideal em Ana Bolena, irmã mais nova de uma das suas conquistas anteriores. Ana insistia em casar com o rei antes de existir algum pensamento de formar família. Assim, o problema de Henrique era como se livrar de Catarina, uma questão conhecida como o 'grande assunto' do Rei.

Remover publicidades

Advertisement

A há muito esperada chegada de um herdeiro homem desencadeou saudações de armas, sinos a tocar e banquetes.

A solução pareceu ser uma carta para o Papa a sugerir que a falta de um herdeiro homem era castigo de Deus por Henrique ter casado com a esposa do seu falecido irmão, um aspeto apoiado pelo Antigo Testamento (a 'Proibição de Levítico', Levítico cap. 20 vol. 21). Consequentemente, o rei desejava que o Papa anulasse o casamento. Infelizmente para Henrique, o Papa Clemente VII (r. 1523-1534 EC) estava interessado em manter-se nas boas graças do governante mais poderoso da Europa nessa altura, o Imperador do Sacro Império Romano, Carlos V de Espanha (r. 1519-1556), que era, significantemente, sobrinho de Catarina. Adicionalmente, era pouco provável que Catarina e Artur, sendo tão jovens na altura, tivessem alguma vez dormido juntos e, assim, a 'Proibição do Leviticus' não se aplicava neste caso. Pelo menos, o Papa enviou o Cardeal Lorenzo Campeggio a Inglaterra para investigar a questão e presidir a um tribunal especial em Junho de 1529 EC. Aqui, tanto Catarina, determinada em continuar como rainha, e Henrique, determinado em obter uma nova rainha, apresentaram os seus respetivos casos.

Apesar dos esforços de Campeggio, nada ficou resolvido. A tática seguinte de Henrique consistia em separar permanentemente Catarina da sua filha Maria e transferi-la pelo país para várias residências degradadas. Enquanto isso, Henrique e Ana Bolena viveram juntos (mas não dormiram juntos). Algures em Dezembro de 1532 EC, Ana dormiu com o rei e ficou grávida, talvez por ver um bebé como a melhor maneira de se ver livre da sua rival Catarina. Poderiam ter ocorrido sérias repercurssões por parte da Igreja, mas eventualmente, Henrique teve o seu casamento anulado no ano seguinte (ver abaixo). Catarina morreu de cancro em Janeiro de 1536 EC.

Henry VIII by Joos van Cleve
Henrique VIII por Joos van Cleve
Joos van Cleve (Public Domain)

Com Ana Bolena, muitas vezes conhecida como 'Ana dos mil dias' pelo seu breve reinado como rainha do coração do rei, Henrique teve uma segunda filha, Elizabete, nascida a 7 de Setembro de 1533 EC. Contudo, quando o rei descobriu que Ana tinha tido um caso amoroso e já tinha a sua esposa seguinte em vista, ordenou a sua execução. A acusação, e outras que iam desde incesto a bruxaria, foram acusações inventadas porque Ana não tinha gerado um herdeiro homem saudável para acompanhar Elizabete e o rei tinha-se cansado da relação turbulenta que tinham. Ana foi declarada culpada e executada na Torre de Londres em Maio de 1536 EC. Umas semanas mais tarde, Henrique casou com a sua terceira mulher, Joana Seymour, uma dama de companhia na corte, e ela finalmente deu ao rei um filho, Eduardo, nascido a 12 de Outubro de 1537 EC. A há muito esperada chegada de um herdeiro homem desencadeou saudações de armas, sinos a tocar e banquetes por toda a Inglaterra. Tragicamente, Joana morreu pouco depois e Henrique lamentou genuinamente a sua morte; de todas as suas esposas é significante que esta tenha sido aquela ao lado da qual ele queria ser enterrado.

Remover publicidades

Advertisement

Ana de Cleves (filha do Duque do Ducado Alemão com esse nome) foi a esposa número quatro, mas não agradou ao rei - ele tinha sido induzido em erro por um retrato demasiado lisonjeador dela feito por Hans Holbein, o Jovem, antes de a conhecer pessoalmente. Henrique casou com ela de qualquer forma, mas chamava-a rudemente de 'égua de Flandres', mudou de ideias uns meses mais tarde e divorciaram-se com consentimento mútuo a 9 de Julho de 1540 EC. Ana ficou aliviada por escapar com vida, mas Henrique deu-lhe uma pensão generosa, suficiente para ela viver uma vida extravagante até à sua morte em 1557 EC.

A esposa número cinco foi Catarina Howard, na altura apenas uma adolescente e outra dama de companhia na corte que chamou a atenção do rei. Catarina sofreu o mesmo destino de Ana Bolena quando também ela foi acusada de ter um caso extramarital com um membro da corte, Thomas Culpeper, e foi produzida uma carta de amor incriminatória na sua audiência perante o Parlamento. Catarina foi executada na Torre de Londres em Fevereiro de 1542 EC.

A sexta e última esposa foi Catarina Parr, já viúva por duas vezes. Catarina, nessa altura nos seus trintas, era uma mulher mais madura que as suas predecessoras imediatas, e talvez por isso, o casamento foi um sucesso e a família tinha uma casa feliz. Catarina viveu mais tempo do que Henrique, mas morreu devido a complicações no parto em Setembro de 1548 EC.

Remover publicidades

Advertisement

Governo

Ao contrário de muitos dos seus predecessores medievais que confiavam nas ligações feudais de lealdade, Henrique criou uma corte onde até os nobres inferiores podiam entrar se ganhassem a aprovação do rei. O rei escolhia cuidadosamente um grupo de homens sábios para governar o seu reino por ele e o chefe entre estes era Thomas Wolsey (l.c. 1473-1530 EC). Wolsey era filho de um talhante, mas eventualmente subiria para se tornar Cardeal Arcebispo de York. Um dos seus sucessores como único ministro do rei foi também um indivíduo ambicioso, Thomas Cromwell (l.c. 1485-1540 EC), filho de um ferreiro. Tanto Wolsey como Cromwell iriam eventualmente desagradar ao rei - o primeiro pela sua falta de sucesso na resolução do 'grande assunto' e o último pelo fiasco com a Ana de Cleves. Ambos os homens foram julgados por traição. A partir de 1940 EC foram substituídos pelo Conselho Privado, que recuperou a sua função anterior e, assim, o alto governo envolveu mais uma vez um gabinete de ministros em vez de um único todo-poderoso que pudesse monopolizar o rei. Henrique VIII também fez bom uso do Parlamento e essa instituição foi fortalecida no decorrer do seu reinado.

Em 1536 EC, o País de Gales foi ainda mais integrado no mecanismo do estado de Inglaterra e dividido em 13 condados em 1543. O inglês foi tornado como língua oficial, e o galês foi banido dos círculos oficiais. A Irlanda provou ser um pouco mais difícil, mas a ambição do rei de criar um reino centralizado é indicada pela sua adoção do título de 'Rei da Irlanda' em 1541 EC, onde os reis ingleses anteriores só se apelidavam de 'Lorde da Irlanda'. Finalmente, o norte remoto da Inglaterra foi mantido sob controlo pelo estabelecimento do Conselho do Norte após 1536 EC.

A Igreja de Inglaterra

Henrique era um grande académico de teologia e não tinha qualquer intenção de deixar uma instituição tão importante como a Igreja entregue a si própria. O rei escreveu um tratado que atacava o Luteranismo e foi recompensado ao ser homenageado pelo Papa em 1521 EC, que lhe deu o título de 'Defensor da Fé' (fidei defensor - o F.D. ainda aparece nas moedas do Reino Unido atualmente). Contudo, as relações azedaram quando Henrique queria o anulamento do seu casamento com a primeira esposa, Catarina de Aragão, e o rei culpou ambos o Papa e Wolsey pela falta de progresso nesse assunto. Wolsey foi eventualmente acusado de traição, mas morreu a caminho do julgamento em 1530 EC. Quando Thomas Cromwell tomou conta do caso, a vontade de Henrique foi puxada até à sua conclusão lógica: a Inglaterra iria ter a sua própria Igreja livre das obrigações de Roma. Thomas Cranmer, o Arcebispo de Canterbury anulou formalmente o primeiro casamento de Henrique em Maio de 1533 EC (apesar de Henrique e Ana Bolena terem casado em segredo alguns meses antes). Este anulamento e a aprovação pelo Parlamento do Ato de Sucessão (30 de Abril de 1534 EC) implicaram que a filha de Catarina, Maria, era considerada ilegítima. Ana Bolena foi coroada rainha em Junho e a sua filha Elizabete, nascida em Setembro de 1533 EC, era então reconhecida como a herdeira oficial do rei. Henrique foi excomungado pelo Papa pelas suas ações, mas por essa altura todo este assunto já teria adquirido importância para além dos casamentos reais.

Cardinal Wolsey
Cardeal Wolsey
Unknown Artist (Public Domain)

De modo a substituir o Papa como chefe da Igreja Católica em Inglaterra, Henrique fez-se a ele mesmo representante da Igreja Anglicana. Isto foi conseguido pelo Ato de Supremacia de 28 de Novembro de 1534 EC e significava que Henrique, e todos os subsequentes monarcas ingleses, só tinham uma autoridade acima deles: Deus. A cena seguinte deste importante drama veio em 1536 EC, quando Henrique apresentou no Parlamento um projeto de lei para abolir todos os mosteiros do seu reino, a Dissolução dos Mosteiros. A lei foi aprovada e as propriedades dos mosteiros foram redistribuídas pela Coroa e apoiantes de Henrique. Os abades de Glastonbury, Colchester, Reading, e Woburn foram todos enforcados e o último mosteiro a fechar foi a Abadia de Waltham em Essex, em Março de 1540 EC.

Bastantes súbditos tinham interesse em ver reforma na Igreja e, assim, continuaram o movimento de Reforma Protestante que estava a varrer a Europa. Muitos viam a Igreja como demasiado rica e demasiado cheia de padres a abusar da sua posição. Porém, certamente que nem todos estavam de acordo com Henrique separar-se do Papa. Consequentemente, havia execuções e revoltas. O maior obstáculo em tribunal era Sir Thomas More (1478-1535 EC), ex-chanceler de Henrique, que discordou com o divórcio com Catarina e com a presunção de Henrique de se colocar acima do Papa. More foi executado pelas suas crenças em Julho de 1535 EC.

O episódio de agitação mais notável foi em Lincolnshire e Yorkshire onde os Católicos se juntaram em protesto na chamada Peregrinação da Graça em 1536 EC. Contudo, o rei não iria tolerar oposição e 178 dos protestantes, incluindo o seu líder Robert Aske, foram executados em Junho de 1537 EC. Outro movimento em direção à independência foi a aprovação do rei de uma tradução da Bíblia para inglês em 1539 EC. Apesar disso, é importante relembrar, que Henrique não tinha intenção de reformar a doutrina da Igreja; o seu compromisso com as práticas Católicas tradicionais como a missa, confissão e celibato clerical é evidenciado em 1539 EC no Ato dos Seis Artigos.

Política Externa e Gastos

Todos os centímetros do rei medieval, Henrique VIII parecia ignorar as realidades da Europa pós-medieval e embarcou numa série de campanhas militares como muitos dos seus predecessores tinham feito. Apesar de a irmã de Henrique, Margarida (n. 1489 EC) ter casado com o Rei James IV da Escócia (r. 1488-1513 EC) em 1503 EC, Henrique enviou um exército para norte e garantiu uma notável vitória em Flodden, em 1513 EC, onde James IV foi morto. Outro exército invasor atacou Edimburgo em 1544 EC, mas foi derrotado na Batalha de Ancrum Moore em 1545 EC. A Escócia tornou-se um problema por resolver com o qual os sucessores de Henrique teriam de lidar.

The Field of the Cloth of Gold
O Campo do Pano de Ouro
British School (Public Domain)

Henrique, mais uma vez como muitos dos seus predecessores, não resistiu a tentar conquistar a França. Contudo, das suas várias invasões através do Canal, nenhuma teve particular sucesso, apesar de uma vitória naval menor na Batalha dos Esporões (16 de Agosto de 1513 EC). Henrique mudou de direção e a sua irmã, Maria (n. 1496 EC) casou com Luís XII de França (1498-1515 EC) em 1514 EC. Em 1518 EC, Henrique estabeleceu o status quo na Europa e um acordo de defesa mútua foi assinado em França, Espanha e no Sacro Império Romano. Para pagar estas guerras caras na Escócia e na França, Henrique foi obrigado a vender terras que tinha confiscado à Igreja a qualquer nobre que fizesse uma oferta decente. Os custos elevados e a falta de fortuna da Inglaterra quando comparada com uma França muito mais rica significavam que Henrique teria de abandonar outra série de campanhas em 1540 EC e fez bem em contentar-se com um acordo de paz em 1546 EC, onde pelo menos, ganhou controlo sobre Bolonha durante oito anos.

Uma aventura mais feliz em território francês foi o Campo do Tecido de Ouro, uma demonstração espetacular com pompa e circunstância realizada nos arredores de Calais em Junho de 1520 EC. O evento, que incluía justas, caça e banquetes, envolveu um grande número de tendas luxuosas (daí o seu nome) e foi realizado como uma magnífica, embora vazia, demonstração de amizade entre a Inglaterra e a França: Henrique e Francisco I de França (r. 1515-1547 EC).

Outro dos sucessos de Henrique, e um com consequências mais abrangentes para a história da Inglaterra, foi a criação da Marinha Real. A frota incluía grandes navios de guerra Mary Rose e Henry Grâce à Dieu (também conhecido como 'Grande Harry'). O primeiro era o magnífico navio-almirante de Henrique, mas afundou no Rio Solent em 1545 EC, com a perda de 500 vidas. O naufrago foi recuperado em 1982 EC. Ansioso por impressionar em todo o lado, o rei também construiu os belos palácios de Whitehall e Saint James em Londres e renovou significativamente Hampton Court. De todos, o mais grandioso foi Nonsuch em Surrey, um palácio de prazer privado para o rei que foi construído para comemorar os 30 anos de governo. O nome derivou da ostentação de que não existia um lugar tão bom em lugar algum e era, de facto, uma residência extravagante onde o rei podia desfrutar dos seus passatempos favoritos de caça e falcoaria. O Nonsuch não foi concluído até depois da morte do rei e, após passar por vários proprietários, foi finalmente demolido no século XVII EC.

Nonsuch Palace
Palácio Nonsuch
Georg Hoefnagel (Public Domain)

Todas as 60 casas de Henrique VIII eram luxuosamente decoradas com tapeçarias, belas-artes, pratas e ouro. Porém, pelo fim do seu reinado, o rei teria gastado demasiado em guerras e frivolidades, e a inflação galopante significava que o pote de ouro que seu pai havia cuidadosamente acumulado havia sido todo desperdiçado. Henrique, cruel e vingativo, tinha poucos amigos restantes e um reino dividido por questões religiosas. Assim, Henrique VIII, cujo reinado inicial havia prometido tanto, deixou pouco em termos de um legado duradouro, exceto uma infinidade de retratos, testemunho silencioso da vaidade de um homem e delírios de grandeza imperial.

Morte & Sucessor

A saúde de Henrique VIII piorou rapidamente nos seus últimos anos. O rei sofreu uma úlcera grave na perna e estava tão acima do peso, que teve de ser empurrado por uma engenhoca com rodas. O rei morreu a 28 de Janeiro de 1547 EC no Palácio de Whitehall em Londres, ele tinha 55 anos. Henrique foi enterrado na Capela de São Jorge no Castelo de Windsor, ao lado da sua falecida terceira esposa, Joana Seymour. Henrique foi sucedido pelo seu filho Eduardo VI, coroado na Abadia de Westminster a 20 de Fevereiro de 1547 EC. Eduardo tinha apenas nove anos e morreu de tuberculose em 1553 EC, com 15 anos. Foi sucedido por outro monarca com um reinado curto, a sua meia-irmã Maria I, que reinou até 1558 EC. A segunda filha de Henrique VIII tornou-se então rainha, Elizabete I (r. 1558-1603 EC) e com ela começou a Idade de Ouro da Inglaterra.

Remover publicidades

Publicidade

Sobre o tradutor

Joana Mota
Sou portuguesa e, atualmente, vivo em Portugal. Sou estudante de mestrado e futura farmacêutica. Adoro ler sobre história. Acho que o passado é incrivelmente fascinante.

Sobre o autor

Mark Cartwright
Mark é um historiador que vive na Itália. Seus interesses incluem cerâmica, arquitetura, mitologia e a descoberta das ideias que todas as civilizações partilham entre si. Tem Mestrado em Filosofia Política e é o Diretor de Publicação na Enciclopédia da História Mundial.

Citar este trabalho

Estilo APA

Cartwright, M. (2020, Abril 09). Henrique VIII de Inglaterra [Henry VIII of England]. (J. Mota, Tradutora). World History Encyclopedia. Recuperado de https://www.worldhistory.org/trans/pt/1-18637/henrique-viii-de-inglaterra/

Estilo Chicago

Cartwright, Mark. "Henrique VIII de Inglaterra." Traduzido por Joana Mota. World History Encyclopedia. Última modificação Abril 09, 2020. https://www.worldhistory.org/trans/pt/1-18637/henrique-viii-de-inglaterra/.

Estilo MLA

Cartwright, Mark. "Henrique VIII de Inglaterra." Traduzido por Joana Mota. World History Encyclopedia. World History Encyclopedia, 09 Abr 2020. Web. 04 Jul 2022.