A Agricultura no Crescente Fértil

Artigo

Jan van der Crabben
por , traduzido por Cláudia Barros
publicado em 04 Junho 2021
X

Texto original em inglês: Agriculture in the Fertile Crescent & Mesopotamia

O antigo Médio Oriente, em particular o Crescente Fértil, é geralmente conhecido como o berço da agricultura. No quatro milénio AEC, toda a esta região era bem mais temperada do que atualmente, e fora abençoada com solos férteis, dois grandes rios (o Tigre e o Eufrates), e inúmeras colinas e montanhas, a Norte.

Geografia

A região sempre foi bastante diversificada no que toca à produção agrícola, tanto em termos de colheitas regionais, como na própria variação anual (em anos bons eram colhidos, no total, mais de 100 grãos). Maior parte das colheitas, eram devastadas por secas e inundações. Existiam já sistemas de irrigação artificial, porém as pessoas preferiam habitar nas áreas mais chuvosas e de cariz montanhoso, as quais garantiam uma distribuição uniforme da precipitação.

Remover publicidades

Advertisement

Millet
Millet
Claus Rebler (CC BY-SA)

Nas zonas mais secas, a atividade agrícola era apenas possível, graças aos canais de irrigação. Os habitantes de Urartu eram muito conhecidos por serem mestres na construção de canais, algo que podemos constatar, dado que maior parte dos seus sistemas de irrigação, ainda hoje, se encontram de pé. Os canais principais eram geralmente construídos e mantidos pelo Estado, enquanto que os mais pequenos ficavam nas mãos dos agricultores e das comunidades locais.

Remover publicidades

Advertisement

OS PRINCIPAIS TIPOS DE CEREAIS CULTIVADOS ERAM O TRIGO, A CEVADA, O MILHO-MIÚDO E O FARRO.

As terras irrigadas, como sucede nos dias de hoje, estavam constantemente sob ameaça de salinização. O solo, em especial nas planícies inundadas da Babilónia, era propenso a secar, endurecer e rachar. De maneria a mantê-lo arável, o uso do arado era uma constante. Por volta de 3000 AEC, os arados já eram conhecidos e amplamente utilizados – muitos reis assírios gabavam-se de terem inventado um novo tipo de arado, sempre melhor que o anterior.

Colheitas

Os principais tipos de cereais cultivados eram o trigo, a cevada, o milho-miúdo e o farro. O centeio e a aveia ainda não eram utilizados. Na Babilónia, na Assíria e em terras hititas, a cevada era o principal cereal: surge como forma de pagamento e era empregue na confeção de um tipo de pão achatado. A menor unidade de peso equivalia a um grão. A cerveja e algumas comidas eram confecionadas a partir do milho-miúdo e do farro.

Remover publicidades

Advertisement

Map of the Fertile Crescent
Mapa do Crescente Fértil
NormanEinstein (CC BY-SA)

O sésamo (termo que deriva da palavra acádia 'šamaššammu') era bastante cultivado e estava associado ao fabrico de óleo. O azeite, normalmente, era produzido nas montanhas. O linho, por sua vez, utilizado para o vestuário. As ervilhas eram muito cultivadas na Mesopotâmia, enquanto que as lentilhas encontraram maior preferência na Palestina. Pomares de figos, de romãs, de maçãs e de pistácio eram muito comuns nos terrenos do Crescente Fértil. Nas aldeias e cidades do Sul, as tamareiras eram também muito usuais. As tâmaras eram consumidas, quer frescas, quer secas, e a madeira da árvore frequentemente utilizada para artesanato, não tendo suscitado grande fama na área da construção.

Colheita e armazenamento

As colheitas obrigavam a uma mão-de-obra significativa, devido à pressão para a sua conclusão antes do início do Inverno. Os cereais eram cortados com uma foice, secos em tendas e debulhados por animais que, passando por cima destes, faziam o grão sair. No findar do processo, tudo era armazenado em celeiros ou transportado via marítima (alguns chegavam, até mesmo, a serem exportados para outros países). Nos celeiros, gatos e mangustos eram usados para afugentarem os ratos.

Remover publicidades

Advertisement

Bibliografia

Remover publicidades

Publicidade

Sobre o tradutor

Cláudia Barros
Licenciada em Arqueologia, em 2018, pela Universidade do Minho (Braga, Portugal). Atualmente, encontra-se a terminar a tese de Mestrado em Arqueologia, sobre Ksar Sghir (Norte de Marrocos), na mesma instituição (2018 - até ao presente). Principais interesses: Arqueologia, Arqueologia da Paisagem, Arqueologia Egípcia, Egiptologia, Arqueologia do Próximo Oriente, Arqueologia do Norte de Marrocos.

Sobre o autor

Jan van der Crabben
Jan is the Founder and CEO of World History Encyclopedia, leading the non-profit company to best fulfil its mission to engage people with cultural heritage and to improve history education worldwide. He holds an MA War Studies from King's College.

Citar este trabalho

Estilo APA

Crabben, J. v. d. (2021, Junho 04). A Agricultura no Crescente Fértil [Agriculture in the Fertile Crescent & Mesopotamia]. (C. Barros, Tradutor). World History Encyclopedia. Recuperado de https://www.worldhistory.org/trans/pt/2-9/a-agricultura-no-crescente-fertil/

Estilo Chicago

Crabben, Jan van der. "A Agricultura no Crescente Fértil." Traduzido por Cláudia Barros. World History Encyclopedia. Última modificação Junho 04, 2021. https://www.worldhistory.org/trans/pt/2-9/a-agricultura-no-crescente-fertil/.

Estilo MLA

Crabben, Jan van der. "A Agricultura no Crescente Fértil." Traduzido por Cláudia Barros. World History Encyclopedia. World History Encyclopedia, 04 Jun 2021. Web. 12 Jun 2021.