Marcha de Sula sobre Roma

Artigo

Donald L. Wasson
por , traduzido por Yan De Oliveira Carvalho
publicado em 16 Janeiro 2023
X
translations icon
Disponível noutras línguas: Inglês, francês

Em 88 aC, Lucius Cornelius Sulla (138-78 aC) marchou sobre Roma e entrou no limite interior sagrado da cidade, o pomerium, portando armas. Ao quebrar esse tabu, ele procurou ganhar poder político e controle do exército do Oriente que havia sido oferecido ao seu inimigo, Gaius Marius (c. 157-86 aC). Uma segunda marcha ocorreu em 83-82 aC, quando ele assumiu o título de ditador.

Sulla
Sula
Carole Raddato (CC BY-SA)

Início de carreira e serviço sob Marius

Lucius Cornelius Sulla nasceu em uma família nobre patrícia em 138 aC. Casado três vezes, ele tem sido descrito como fisicamente impressionante, como também encantador com um brilhantismo raro. Infelizmente, após a morte de seu pai, ele ficou sem um tostão. O historiador Tom Holland em seu livro Rubicon afirmou que Sula "gradualmente afundou em um mundo de alojamentos decadentes e alguns companheiros mais sensitivos" (61). De acordo com o historiador Mike Duncan em seu The Storm Before the Storm, Sula era fluente em grego e "altamente alfabetizado em arte, literatura e história" (116). Aos 30 anos, seu futuro parecia promissor quando sua madrasta morreu, deixando-o com uma herança que lhe permitiu entrar em uma carreira aristocrática muito desejada. A maioria dos historiadores concorda que Sula buscou e ganhou prestígio.

Remover publicidades
Advertisement
POLITICAMENTE, SULLA ERA CONSERVADOR – UM OPTIMATE – COM O OBJETIVO DE RESTAURAR A AUTORIDADE TRADICIONAL DO SENADO.

Em 107 aC, servindo sob o cônsul Gaius Marius (c. 157-86 aC), Sula viajou para a Líbia, onde se destacou na Guerra da Numídia. Ele adquiriu, através da diplomacia e da traição do rei Bocchus I da Mauritânia, a rendição de Jugurtha (r. 118-105 aC), o rei da Numídia; terminando assim a guerra de sete anos. O rei derrotado foi entregue acorrentado a Mário. O historiador Plutarco (45/50 a 120/125 EC) escreveu que a rendição de Jugurtha por Sula "entristeceu" Marius, mas não Sula. O comandante vitorioso era "por natureza vaidoso" e tinha um apetite por distinção que "o levou a tal ponto de discórdia" (501).

Em 104-103 aC, ele novamente serviu sob Mário na Germânia. Plutarco escreveu que "Sula, percebendo que Marius tinha um olhar ciumento sobre ele e não lhe daria mais oportunidades de ação, mas se opôs ao seu avanço, ligou-se a Catulus, colega de Marius..." (502) Sula havia crescido, a essa altura, para desprezar Marius; era um sentimento mútuo. Quintus Lutatius Catulus, um general digno, mas não enérgico, confiou-lhe comandos importantes e "ele subiu de uma vez a reputação e poder" (502).

Remover publicidades
Advertisement

Em 98 aC, acreditando que suas realizações militares lhe daria direito a uma carreira no governo romano, ele tentou adquirir uma posição como pretor, mas falhou. Plutarco escreveu:

Pensando que a reputação de suas armas no exterior era suficiente para lhe conferir o direito de participar da administração civil, ele se retirou imediatamente do acampamento para a assembleia e se ofereceu como candidato a pretor, mas falhou. (502)

Politicamente, Sulla era conservador - Um Optimate - com o objetivo de restaurar a autoridade tradicional do senado. Em 97 aC, ele se tornou pretor urbanus e foi designado para a Cilícia na Ásia Menor, permanecendo lá até 92 aC.

Remover publicidades
Advertisement

A Guerra Social

Deixando a Cilícia e retornando a Roma, Sula rapidamente aprendeu que a recompensa pela fama era aproveitar a oportunidade para maiores conquistas e renome. Em 89 aC, Sula deu outro passo gigante em direção ao seu objetivo final: um consulado. Durante a Guerra Social ou Guerra dos Aliados (91-87 aC), ele se juntou às forças romanas em oposição aos rebeldes (alae ou aliados) e rapidamente se distinguiu no cerco de Pompéia. Além disso, ele também forçou a rendição dos rebeldes na Campânia.

No ano seguinte, com a idade de 50 anos e como recompensa por suas realizações na Guerra Social, ele se tornou cônsul ao lado de Quinto Pompeu Rufo. Além do consulado, ele recebeu o comando do exército romano no Oriente – um comando que logo se tornaria uma guerra contra o rei do Ponto: Mitrídates VI Eupator Dionísio (120-63 aC). Mitrídates se aproveitou da distração da República Romana na Guerra Social e explorou o ódio sentido por Roma por muitos dos estados orientais. A guerra no Oriente já havia custado a vida de numerosos cidadãos romanos e italianos. O consulado de Sula e seu controle do exército no Oriente alimentaram ainda mais o ódio entre Sula e o aposentado Mário, que há muito apreciava uma guerra contra o rei Ponto pelas riquezas e pelo respeito que isso traria. A vitória contra Mitrídates significou um triunfo para Sula e humilhação para Mário.

Vatican Bust of Gaius Marius
Busto do Vaticano de Caio Mário
Marie-Lan Nguyen (CC BY)

Ascensão de Sulpício

Em oposição política a Sula estava o tribuno (e Populare) Sulpício Rufo. Plutarco escreveu que "Ele era cruel, ousado, voraz e em todos esses pontos totalmente sem vergonha e sem escrúpulos" (505). A tribuna tinha uma agenda pessoal. Percebendo que seu caminho para o poder era através dos italianos, ele propôs uma legislação que concederia cidadania romana e direitos aos aliados – uma medida que Sula e Roma se opuseram fortemente. No entanto, Sulpício Rufo precisava de apoio para ajudar a aprovar suas medidas na Assembleia. Essa ajuda veio do voluntário, mas idoso Marius, que tinha uma agenda própria: oposição a Sula e um comando no Oriente. Se Sulpício fosse bem-sucedido, ele prometeu que daria o comando oriental a Mário.

Remover publicidades
Advertisement
MARIUS ENVIOU DOIS TRIBUNOS MILITARES PARA REMOVER SULLA DE SEU COMANDO. O PRÓXIMO PASSO DE SULLA, E EM SUA MENTE O ÚNICO, FOI MARCHAR SOBRE ROMA.

Essas propostas levaram a confrontos nas ruas. Tumultos irromperam por toda a cidade, e o cruel e ousado Sulpício e sua turba ante senado estavam no centro deles. Sula e seu exército estavam estacionados em Nola, uma cidade pró-aliada que ainda resistia a Roma. Retornando à cidade, Sula e seu co-cônsul Pompeu Rufo imediatamente encenaram uma intervenção, declarando um feriado (furiae) com todas as casas públicas fechadas, mas este édito só alimentou ainda mais o descontentamento. A multidão armada tornou-se hostil e, temendo por sua vida, Sulla procurou o refúgio mais próximo e seguro – a casa de Marius no Monte Palatino. Infelizmente, o filho de Pompeu Rufo, que defendeu fortemente seu pai, foi uma vítima da multidão.

Depois que o motim foi finalmente sufocado, a Assembleia se reuniu e aprovou a legislação de Sulpício. Supostamente, Marius disse a Sulla que sua única esperança de segurança era permitir que as leis de Sulpicius passassem. Com Sula retornando a Nola e Pompeu Rufo forçado a renunciar ao seu consulado, as coisas ficaram feias em Roma. Enquanto Sula estava fora da cidade, Sulpício retirou sua nomeação para o comando no Oriente e deu a Mário. Ouvindo rumores de sua remoção, Sula dirigiu-se ao seu exército; eles ficaram indignados. Se Mário assumisse o comando e lutasse contra Mitrídates, seus veteranos, não os de Sula, receberiam as riquezas. Marius enviou dois tribunos militares para remover Sula de seu comando; ambos foram apedrejados até a morte. O PRÓXIMO PASSO DE SULLA, E EM SUA MENTE O ÚNICO, FOI MARCHAR SOBRE ROMA. Em Roma, Sulpício assumiu o controle completo, e os amigos de Sula foram rapidamente identificados e assassinados. Plutarco escreveu que Marius "passou a colocar os amigos de Sula na cidade à espada, e saquearam seus bens. Toda sorte de remoção e fuga continuava, alguns se apressando do acampamento para a cidade, outros da cidade para o acampamento" (506).

Sula Marcha em Roma

Liderando um exército de seis legiões, Sula marchou pela Via Ápia até Roma. O Senado, na esperança de mediar a paz, enviou dois pretores, Bruto e Servílio, a Sula. Quando perguntado por que ele estava marchando sobre Roma, Sula simplesmente respondeu que ele estava defendendo a cidade dos tiranos. O que mais assustou o Senado foi que as tropas eram leais a Sula, não a Roma. Para entrar na cidade, Sula e seu exército tiveram que atravessar o sagrado limite interno de Roma, o pomerium – um sulco supostamente arado pelo fundador da cidade, Rômulo – dentro do qual nenhum cidadão romano podia portar armas. Cruzá-lo com um exército era um tabu religioso. Esse tabu fez com que vários de seus oficiais e soldados abandonassem Sula – uma exceção era um questor e futuro comandante chamado Lucius Licinius Lucullus (c. 117-57/56 aC).

Remover publicidades
Advertisement

O Portão Esquilino logo caiu para as tropas de Sula. Depois que Sula tomou os portões da cidade, ele desfilou seu exército pelas ruas. Flechas de fogo voaram pelo ar. Entre as ordens iniciais do comandante estavam que as leis de Sulpício fossem revogadas e que Mário e Sulpício fossem declarados inimigos do Estado. Marius, temporariamente buscando asilo no Templo de Tellus, escaparia para a África, enquanto Sulpicius seria morto por seu servo – o servo mais tarde seria morto por trair seu mestre.

Lucius Cornelius Sulla
Lucio Cornélio Sula
Mary Harrsch (Photographed at the Palazzo Massimo, Rome) (CC BY-NC-SA)

Depois de uma série de medidas de reforma, Sula cuidou da nomeação de dois novos cônsules: Cneu Otávio e Cornélio Cina. Ambos juraram defender a legislação de Sulla. Neste momento, Sula partiu para encontrar Mitrídates e seu exército na Grécia. No entanto, pouco depois de Sula sair, Marius reentrou em Roma. Duncan escreveu que durante cinco dias "o povo de Roma se encolheu sob um terror sangrento" (211). Octavius foi morto, e Marius foi nomeado o novo cônsul, mas morreu logo depois. O ausente Sula foi indiciado pelo assassinato de cidadãos romanos. Embora acusado de estar enlouquecido com a sede de sangue, Marius resolveu vinganças pessoais, mas não era melhor ou pior do que ninguém. Pompeu Rufo escapou da cidade e recebeu o exército de Pompeu Estrabão para comandar, mas a mudança no comando não foi apreciada, e Pompeu foi assassinado.

Como a cidade foi atormentada pelo caos, Sula, sem saber, deixou uma legião em Nola e se dirigiu para o leste e enfrentou Mitrídates na batalha. Sula derrotou o rei Ponto em Queroneia e Orcomeno. O comandante romano Fimbria entrou em fúria na Ásia, quase capturando Mitrídates. Finalmente, em 83 aC, Sula e Mitrídates se encontraram pessoalmente em uma ilha no Egeu. Mitrídates concordou com a paz, mas retornou ao Ponto e reconstruiu suas forças.

Sula Retorna a Roma

Com a paz sendo alcançada, Sula percebeu a necessidade de retornar a Roma. O cônsul Cinna e seu exército fizeram uma tentativa fútil de parar Sulla, mas Cinna foi morto por suas próprias tropas amotinadas. Outra tentativa veio no Portão Colline dos samnitas, um velho inimigo dos dias da Guerra Social. Enquanto Marcus Licinius Crassus esmagou a esquerda samnita, Sula reuniu suas tropas; a Batalha de Colline Gate foi vencida, com 3.000 prisioneiros tomados e outros 3.000 se renderam. O Campus Martius ou Planície de Marte serviu como sede temporária de Sula antes de entrar na cidade. Um massacre logo se seguiu no Circo Flamínio, onde os supostos prisioneiros de guerra estavam sendo mantidos – os corpos foram jogados no Tibre.

Em 82 aC, Sula entrou na cidade e assumiu o título de ditador, com autoridade suprema e um mandato indefinido. Ele recebeu imunidade imediata por sua ação, tanto no passado quanto no futuro. Simon Baker em sua Roma Antiga escreveu que Sula "começou a causar uma vingança brutal e violenta contra os populistas" (106). Listas de proscrição foram postadas no Fórum Romano; inimigos foram caçados. Muitos foram mortos, enquanto outros foram forçados a fugir da cidade. Duncan escreveu que 80 nomes foram postados para serem mortos à vista, 220 vieram em seguida, seguidos por uma lista de 800. Grupos assassinos percorriam a cidade. Longe de aliviar a tensão, as listas de proscrição cobriram a Itália sob um reinado de terror. (247)

Forum Romanum
Forum Romanum
wili_hybrid (CC BY-SA)

Consequências

No entanto, entre a legislação de Sula havia um aumento no tamanho do Senado de 300 para 600, o número de pretores foi aumentado para oito e o número de questores foi aumentado para 20. Os veteranos foram assentados nas terras confiscadas na Campânia e na Etrúria. Ele deu ao Senado controle sobre os tribunais do júri. Ele aprovou leis rigorosas sobre as magistraturas. Lembrando seus problemas com Sulpício, os tribunos foram proibidos de apresentar contas diretamente à assembleia do povo. Ele também cancelou a ração de grãos. Tendo conseguido muito do que queria, dirigiu-se à assembleia pública e solicitou o sobrenome de Felix ("Lucky"). Ele se retirou para a Campânia em 79 aC, morrendo lá no ano seguinte. Apesar de uma série de objeções, Sula recebeu um funeral público.

Remover publicidades
Publicidade

Perguntas e respostas

Por que Sula marchou sobre Roma?

Sula marchou sobre Roma porque, como resultado da turbulência política em Roma, o exército oriental sob seu comando foi oferecido a seu inimigo, Caio Mário.

Em que ano Sula marchou sobre Roma?

Sula marchou sobre Roma pela primeira vez em 88 aC.

Quando foi a segunda marcha de Sula sobre Roma?

A segunda marcha de Sula em Roma ocorreu durante uma guerra civil em 83-82 aC.

Sobre o tradutor

Yan De Oliveira Carvalho
Yan de Oliveira Carvalho nasceu na cidade do Rio de Janeiro, Brasil. Ele possui um Bacharel em Administração de Empresas pela Universidade Estadual da Pensilvânia. Ele atualmente mora no Rio de Janeiro e trabalha como tradutor Profissional de Inglês, Espanhol e Francês para o Português.

Sobre o autor

Donald L. Wasson
Donald ensina História Antiga, Medieval e dos Estados Unidos no Lincoln College (Normal, Illinois) e sempre foi e sempre será um estudante de história, dedicando-se, desde então, a se aprofundar no conhecimento sobre Alexandre, o Grande. É uma pessoa ávida a transmitir conhecimentos aos seus estudantes.

Citar este trabalho

Estilo APA

Wasson, D. L. (2023, Janeiro 16). Marcha de Sula sobre Roma [Sulla's March on Rome]. (Y. D. O. Carvalho, Tradutor). World History Encyclopedia. Obtido de https://www.worldhistory.org/trans/pt/2-2146/marcha-de-sula-sobre-roma/

Estilo Chicago

Wasson, Donald L.. "Marcha de Sula sobre Roma." Traduzido por Yan De Oliveira Carvalho. World History Encyclopedia. Última modificação Janeiro 16, 2023. https://www.worldhistory.org/trans/pt/2-2146/marcha-de-sula-sobre-roma/.

Estilo MLA

Wasson, Donald L.. "Marcha de Sula sobre Roma." Traduzido por Yan De Oliveira Carvalho. World History Encyclopedia. World History Encyclopedia, 16 Jan 2023. Web. 16 Abr 2024.