Servo

Definição

Mark Cartwright
por , traduzido por Rafael de Quadros
publicado em 04 Dezembro 2018
X
translations icon
Disponível em outras línguas: Inglês, Francês
February, Les Tres Riches Heures (by Limbourg Brothers, Public Domain)
Fevereiro, Les Tres Riches Heures
Limbourg Brothers (Public Domain)

Os servos medievais (também conhecidos como vilões) eram trabalhadores não-livres que trabalhavam na terra de um proprietário (ou seu inquilino) em troca de proteção física e legal e o direito de trabalhar em um pedaço de terra separado para suas necessidades básicas. Representando pelo menos 75% da população medieval, os servos não eram escravos, pois apenas seu trabalho podia ser comprado, não sua pessoa, embora estivessem sujeitos a certas taxas e restrições de movimento que variavam de acordo com os costumes locais. O centro da comunidade rural medieval e a razão da existência de um servo era o feudo ou castelo - a residência privada do proprietário da propriedade e local de reuniões comunitárias para fins administrativos e jurídicos. A relação do campesinato com esses feudos e seus senhores é conhecida como manorialismo. A servidão declinou no século 14 EC graças às mudanças sociais e econômicas, particularmente o uso mais amplo de moedas com as quais os servos podiam ser pagos, permitindo a alguns a possibilidade de, eventualmente, comprar sua própria liberdade.

Origens

A ideia de pessoas de diferentes níveis sociais vivendo juntas em uma mesma propriedade para benefício mútuo remonta aos tempos romanos, quando as vilas rurais produziam alimentos nas terras vizinhas. À medida que o Império Romano declinava e os ataques e invasões estrangeiros se tornavam mais comuns, a segurança de viver juntos em um local protegido tinha vantagens distintas. O senhor de uma propriedade deu ao campesinato o direito de viver e trabalhar em suas terras em troca de seu serviço de trabalho. Os camponeses eram livres ou não, sendo a última categoria conhecida como servos ou vilões. A servidão evoluiu em parte a partir do sistema de escravidão do antigo Império Romano. Sem muitas propriedades próprias, os servos abriram mão de sua liberdade de movimento e de seu trabalho em troca dos benefícios de uma vida na propriedade de um proprietário de terras.

Remover publicidades

Advertisement

A FUNÇÃO MAIS IMPORTANTE DOS SERFS É TRABALHAR NA TERRA DEMESNE DE SEU SENHOR POR DOIS OU TRÊS DIAS CADA SEMANA.

Além dos nascidos na servidão, muitos trabalhadores livres inadvertidamente se tornaram servos porque seu pequeno pedaço de terra mal era suficiente para suas necessidades. Em tais circunstâncias, como uma doença prolongada ou uma colheita ruim, muitos homens livres se tornaram servos para sobreviver, um rebaixamento freqüentemente atestado no Domesday Book de 1087 EC, um registro de proprietários de terras e trabalhadores na Inglaterra normanda.

Mansões

Algumas propriedades rurais cobriam apenas algumas centenas de hectares, o que era terra suficiente para atender às necessidades de seus habitantes. A menor unidade de terra era chamada de feudo. Os feudos podiam ser propriedade do monarca, dos aristocratas ou da igreja, e os muito ricos podiam possuir várias centenas de feudos, conhecidos coletivamente como uma "honra". A maioria dos feudos era como pequenas aldeias, pois criavam comunidades autônomas e independentes. Para além de um solar e / ou castelo, a quinta possuía habitações simples para os trabalhadores, podendo também incluir um pequeno rio ou ribeiro que a atravessa, uma igreja, moinho, celeiros e uma zona de bosque. O terreno da propriedade foi dividido em duas partes principais. A primeira parte era o domínio (domínio) que era reservado para a exploração exclusiva do proprietário. Normalmente, a propriedade era de 35-40% do total das terras da propriedade. A segunda parte era a terra em que os trabalhadores viviam e trabalhavam para suas necessidades diárias (mansus), normalmente em torno de 5 hectares por família. Os servos da propriedade cultivavam aquela terra reservada para seu uso e também para o domínio.

Remover publicidades

Advertisement

July, Les Tres Riches Heures
Julho, Les Tres Riches Heures
Limbourg Brothers (Public Domain)

Direitos e Obrigações

A tarefa mais importante dos servos era trabalhar na propriedade de seu senhor por dois ou três dias por semana, e mais durante os períodos de grande movimento, como a época da colheita. Todos os alimentos produzidos naquela terra foram para o senhor. Às vezes era possível para um servo enviar um membro da família (desde que fosse fisicamente capaz) para realizar o trabalho na propriedade em seu lugar. Nos outros dias da semana, os servos podiam cultivar as terras que lhes foram dadas para as necessidades de sua própria família. Normalmente, os servos não podiam deixar legalmente a propriedade em que trabalhavam, mas o outro lado era que eles também tinham o direito de viver nela, o que lhes dava proteção física e sustento.

Um servo herdava o status de seus pais, embora no caso de um casamento misto (entre trabalhadores livres e não livres), a criança geralmente herdava o status do pai, se legítimo, e, se ilegítimo, o status da mãe. Na Inglaterra e na Normandia, o filho mais velho herdou a terra real trabalhada por seus pais servos, com as filhas herdando apenas se não tivessem irmãos. As viúvas normalmente herdavam cerca de um terço das terras de seus falecidos maridos. Em contraste, no centro e sul da França, Alemanha e Escandinávia, a herança era igual entre filhos e filhas de servos.

Remover publicidades

Advertisement

ALÉM DO PAGAMENTO AO SEU SENHOR DE UMA PORCENTAGEM REGULAR DOS ALIMENTOS PRODUZIDOS EM SUA PRÓPRIA TERRA, O CAMPONÊS TINHA QUE PAGAR O DÍZIMO À IGREJA PARÓQUIA LOCAL.

Um proprietário de terras poderia vender um de seus servos, mas o direito de venda era o do trabalho, não a propriedade direta da pessoa como na escravidão. Teoricamente, a propriedade pessoal de um servo pertencia ao proprietário da terra, mas era improvável que fosse aplicada ou tivesse qualquer relevância em termos práticos.

Além do pagamento ao senhor de uma porcentagem regular dos alimentos produzidos em sua própria terra, o campesinato tinha que pagar um dízimo à igreja paroquial local, normalmente um décimo da colheita do camponês. Este último era usado para manter um padre, a igreja e fornecer um pequeno fundo de bem-estar para os pobres. Além desses dois custos pesados, um servo era obrigado a pagar multas e certas taxas habituais ao seu senhor, como no casamento da filha mais velha do senhor, ou na morte de um servo na forma de um imposto sobre herança pago pelo herdeiro do servo. As multas eram geralmente pagas em espécie durante a maior parte do período medieval, por exemplo, na forma do melhor animal que o servo possuía. Para proteger as futuras gerações de servos de um proprietário de terras, havia costumes como a multa para a filha de um servo que se casasse com uma pessoa de fora da propriedade.

Medieval Peasants Threshing
Camponeses medievais debulhando
Unknown Artist (Public Domain)

Os servos nascidos em uma grande família muitas vezes não recebiam nenhuma terra própria para trabalhar e, portanto, eram obrigados a continuar a viver na casa de seus pais, casar-se com outro servo com terra ou viver na casa de outro camponês em outro lugar dando seu trabalho como aluguel. Outras opções incluíam negociar um novo lote de terra com o senhor, trabalhar para um clérigo local ou tentar a sorte em uma cidade ou vila onde pudessem encontrar um emprego não qualificado trabalhando para um comerciante, como um moleiro ou um ferreiro.

Remover publicidades

Advertisement

Como os costumes variavam de propriedade para propriedade e ao longo do tempo, havia alguns trabalhadores que ocupavam uma área cinzenta de status entre os livres e os não-livres. Uma dessas categorias de servos era o servo ministerial em partes da França, Alemanha e Países Baixos. Esses servos, ainda não livres em termos legais, tinham na prática mais liberdade de movimento e podiam possuir suas próprias propriedades e terras porque eram filhos de servos que haviam servido a um senhor como administradores ou em alguma função militar.

Pilgrims Approach a Farm Couple
Peregrinos se aproximam de um casal de fazenda
Mohawk Games (Copyright)

Vida Cotidiana

Uma descrição dos costumes da propriedade de Richard East na Inglaterra em 1298 EC registra as seguintes tarefas diárias esperadas de um servo:

Ele arará e gradará às suas próprias custas um quarto de acre. E durante todo o ano ele trabalhará a cada dois dias, seja carregando ou ceifando ou colhendo ou transportando, ou fazendo algum outro trabalho de acordo com as ordens do senhor ou de seu oficial de justiça, exceto aos sábados e feriados importantes da igreja. E na época da colheita ele encontrará dois homens para colher por dois dias para o trabalho adicional habitual às suas próprias custas, ou seja, dois homens por dia. E no final da época da colheita ele colherá com um homem durante todo o dia às suas próprias custas.

(citado em Singman, 85)

O senhor não era completamente insensível e tinha uma ou duas obrigações mínimas de observar a si mesmo:

Remover publicidades

Advertisement

Todos os citados vilões no final da mudança terão seis pence pela cerveja e um pão cada. E ele [o senhor] deve fornecer três alqueires de trigo para o pão mencionado. E cada um dos cortadores acima mencionados terá um pequeno feixe de feno a cada noite, tanto quanto ele pode cortar com sua foice.

(ibid)

Os homens faziam o trabalho agrícola pesado descrito acima, enquanto as mulheres também faziam trabalhos agrícolas mais leves e ajudavam na época da colheita. Ao longo do ano, as mulheres tinham seus próprios deveres tradicionais extensos, como ordenhar, fazer manteiga e queijo, preparar cerveja (produzida a partir de grãos maltados), assar pão, cuidar de árvores frutíferas, cozinhar em geral, fazer lã e produzir lã e tecido de linho, procurando depois das aves, da limpeza doméstica e (provavelmente) do cuidado das crianças.

Medieval Peasant's Cottage
Chalé medieval do camponês
Erenow (Copyright, fair use)

Uma avaliação de impostos, compilada em 1304 EC para um Richard Bovechurch de Cuxham, na Inglaterra, dá uma ideia do que um servo de riqueza média pode possuir com o valor de cada item em xelins (s) e pence (d). O xelim custava 12 centavos.

  • 1 cavalo - valor 2s
  • 1 vaca - 4s
  • 1 leitão - 6d
  • 3 galinhas - 3d
  • 1 alqueire de feijão - 3d
  • 2 acres semeados com grãos - 4s
  • 2 hectares semeados com ervilhaca - 2s
  • 1 chalé - 18 d
  • 1 panela de latão - 12d
  • 1 panela - 3d
  • 1 carrinho - 8d

Os servos normalmente viviam em um prédio modesto de um andar feito de materiais baratos e facilmente adquiridos, como barro e madeira para as paredes e palha para o telhado. Lá residia uma pequena unidade familiar; os idosos aposentados geralmente tinham sua própria cabana. Mais bem-vindos do que os sogros, um cão e um gato frequentemente se mostravam úteis, o primeiro para pastorear e o segundo para manter baixo o número de ratos no celeiro. Normalmente havia uma lareira no centro da casa que, além de muita fumaça, fornecia calor e luz, assim como velas. As janelas dessas habitações simples não tinham vidro, mas eram fechadas à noite com venezianas de madeira e a roupa de cama era feita de palha e cobertores de lã. Os animais da fazenda eram mantidos em um prédio separado ou anexo, enquanto uma família de servos mais próspera também poderia ter um prédio para fazer cerveja e assar. Um banheiro geralmente não era nada maior do que um buraco sobre uma fossa, às vezes dentro de um pequeno galpão para privacidade, mas certamente nem sempre. Esses edifícios domésticos eram normalmente dispostos em torno de um pátio para fornecer alguma proteção contra o vento.

Alimentação e Lazer

A comida típica dos camponeses consistia em pão grosso feito de trigo e centeio ou cevada e centeio; mingau feito de cevada ou centeio; e sopa espessa feita de qualquer um dos seguintes: cereais, ervilhas, repolho, alho-poró, espinafre, cebola, feijão, salsa e alho. Os camponeses ricos tinham leite, queijo e ovos, e a carne era outro luxo raro, pois os animais da fazenda eram muito mais valiosos vivos, sendo a carne de porco salgada ou bacon mais comum. Peixes e enguias secos e salgados estavam disponíveis por um preço. Frutas, geralmente cozidas, incluíam maçãs, peras e cerejas, e frutas silvestres e nozes também foram coletadas. As bebidas principais eram cerveja fraca ou água com mel. Poucos camponeses teriam acesso a todos os alimentos listados e a maioria tinha dietas carentes de gorduras, proteínas, cálcio e vitaminas A, C e D.

January, Les Tres Riches Heures
Janeiro, Les Tres Riches Heures
Limbourg Brothers (Public Domain)

Um servo tinha tempo livre aos domingos e feriados, quando os passatempos mais populares eram beber cerveja, cantar e dançar em grupo ao som de flautas, flautas e tambores. Havia jogos como dados, jogos de tabuleiro e esportes como hóquei e futebol medieval, onde o objetivo era mover a bola para um destino pré-determinado e havia poucas regras, se é que havia alguma. Os servos viviam um pouco mais uma vez por ano quando, por tradição, eram convidados para uma refeição na mansão no dia de Natal. Infelizmente, eles tiveram que trazer seus próprios pratos e lenha e, claro, toda a comida tinha sido produzida por eles mesmos, mas eles ganharam cerveja grátis e foi pelo menos uma chance de ver como a outra metade vivia e aliviar o tristeza de um inverno rural.

Tribunal senhorial

O feudo tinha seu próprio tribunal administrado pelo senhor ou seu administrador, que acontecia algumas vezes por ano. Na Inglaterra, tal tribunal, realizado no grande salão de um castelo ou mansão, era conhecido como hallmote ou halimote. Disputas entre membros da propriedade feudal, como o direito de usar áreas particulares de terra como bosques ou turfeiras (mas não disputas entre o senhor e um camponês individual) foram tratadas aqui, bem como as multas impostas aos trabalhadores da propriedade e quaisquer questões criminais. Crimes graves como assassinato, estupro e incêndio criminoso foram julgados nos tribunais da Coroa. O hallmote pode ter sido tendencioso para o proprietário de terras, mas ele geralmente estava sujeito aos costumes estabelecidos por seus antecessores e a decisão final do tribunal estava na verdade nas mãos de um júri, um painel de moradores selecionados, geralmente colegas de trabalho. Este painel, normalmente composto por 12 homens, evoluiu a partir do júri original do início do período medieval, que se referia aos homens chamados por um réu como testemunhas de caráter. Também havia tribunais superiores para apelar e os registros mostram que o campesinato, agindo coletivamente, poderia abrir processos contra um proprietário de terras.

Declínio na Servidão

A instituição da servidão foi gradualmente enfraquecida por vários desenvolvimentos no final da Idade Média. O declínio repentino da população causado por guerras e pragas, particularmente a Peste Negra (que atingiu o pico entre 1347-1352 EC) significava que a mão-de-obra era escassa e, portanto, cara. Outra tendência era os trabalhadores livres deixarem o campo e buscar fortuna no número crescente de vilas e cidades. Os servos fugitivos também podiam tentar a sorte e havia até o costume de que, ao viver um ano e um dia em uma cidade, o servo conquistava sua liberdade. Sem mão de obra suficiente, muitas propriedades foram abandonadas. Essa situação deu aos servos força para negociar um acordo melhor para si mesmos, até mesmo para receber um pagamento por seu trabalho. O maior uso de moedas na sociedade medieval ajudou a tornar isso possível e valioso. Com o dinheiro economizado, os servos podiam fazer um pagamento ao seu senhor em vez de trabalhar em alguns casos ou pagar uma taxa para serem absolvidos de parte do trabalho esperado deles, ou até mesmo comprar sua liberdade.

Os servos aumentaram seu poder político agindo coletivamente nas comunidades aldeãs que começaram a ter seus próprios tribunais e que atuavam como um contrapeso aos da pequena nobreza. Finalmente, às vezes havia revoltas sérias do campesinato contra seus senhores: os anos de 1227 EC nos Países Baixos do norte, 1230 EC no baixo Weser no norte da Alemanha e 1315 EC nos Alpes suíços, todos testemunharam violentos exércitos de camponeses levando a melhor sobre aqueles envolvendo cavaleiros aristocráticos. Uma rebelião importante, mas malsucedida, a Revolta dos Camponeses, que exigia o fim da servidão, ocorreu na Inglaterra em 1381 EC. Em toda a Europa, todos esses fatores conspiraram para enfraquecer a configuração tradicional de trabalhadores não-livres amarrados à terra e trabalhando para os ricos, de modo que, no final do século 14 EC, mais trabalho agrícola era feito por trabalhadores pagos do que por servos não pagos.

Remover publicidades

Publicidade

Sobre o tradutor

Rafael de Quadros
Rafael is a Historian, Writer, Speaker, Columnist, Editor and Reviewer of Revista História Medieval, he also manages two portals of History in Brazil.

Sobre o autor

Mark Cartwright
Mark é um historiador que vive na Itália. Seus interesses incluem cerâmica, arquitetura, mitologia e descobrir as ideias que todas as civilizações compartilham entre si. Ele tem um Mestrado em Filosofia Política e é o Diretor de Publicação da Enciclopédia da História Mundial.

Citar este trabalho

Estilo APA

Cartwright, M. (2018, Dezembro 04). Servo [Serf]. (R. d. Quadros, Tradutora). World History Encyclopedia. Recuperado de https://www.worldhistory.org/trans/pt/1-17609/servo/

Estilo Chicago

Cartwright, Mark. "Servo." Traduzido por Rafael de Quadros. World History Encyclopedia. Última modificação Dezembro 04, 2018. https://www.worldhistory.org/trans/pt/1-17609/servo/.

Estilo MLA

Cartwright, Mark. "Servo." Traduzido por Rafael de Quadros. World History Encyclopedia. World History Encyclopedia, 04 Dez 2018. Web. 01 Dez 2022.