Comércio na Mesopotâmia Antiga

Custos do servidor Angariação de fundos 2024

Ajude a nossa missão de fornecer educação histórica gratuita ao mundo! Faça um donativo e contribua para cobrir os custos do nosso servidor em 2024. Com o seu apoio, milhões de pessoas aprendem história de forma totalmente gratuita todos os meses.
$3093 / $18000

Artigo

Joshua J. Mark
por , traduzido por Yan De Oliveira Carvalho
publicado em 22 Novembro 2022
Disponível noutras línguas: Inglês, francês, espanhol
X

O comércio local na antiga Mesopotâmia começou no Período Ubaid (c. 5000-4100 a.C.), e desenvolveu-se para o comércio de longa distância no Período Uruk (c. 4100-2900 a.C.), e acabou florescendo na época do Período Dinástico Inicial (2900-2334 a.C.). A evolução do comércio continuou até 651 d.C., conhecido como o início do período moderno do Próximo Oriente.

A One-mina Weight from Southern Mesopotamia
Um peso de uma mina da Mesopotâmia do Sul
Osama Shukir Muhammed Amin (Copyright)

O comércio começou na Mesopotâmia pela mesma razão que começou em qualquer outro lugar – necessidade. Os mesopotâmios tinham um excedente de grãos, argila e canas (entre outros ativos) que podiam oferecer em troca de recursos que lhes faltavam, como metais preciosos, minerais e madeira de outras regiões.

Remover publicidades
Publicidade

As mercadorias exportadas no comércio de longa distância incluem:

  • Cerâmica
  • copo
  • grão
  • produtos de couro
  • peixe, palma e óleo vegetal
  • cestos e esteiras de junco
  • tecidos

As mercadorias importadas de fora da Mesopotâmia incluíam:

  • cobre, marfim, pérolas, pedras semipreciosas, contas cornalinas (Civilização do Vale do Indo)
  • ouro, prata e outros metais preciosos (Egito e Ásia Menor)
  • madeira (Levante e Elam – mais tarde Pérsia)
  • lapis lazuli (antigo Afeganistão)

O desenvolvimento do comércio de longa distância durante os períodos Ubaid e Uruk levou à invenção da escrita na forma de escrita cuneiforme por c. 3500 aC, para que os comerciantes pudessem se comunicar com clientes em regiões estrangeiras ou cidades distantes da Mesopotâmia. O cuneiforme foi refinado em Uruk c. 3200 a.C., permitindo uma comunicação mais clara e precisa na forma escrita que, eventualmente, permitiu o desenvolvimento da literatura. O comércio também incentivou a aplicação da roda a veículos para transporte, o desenvolvimento de estradas e o cultivo adicional de animais domesticados para puxar as carroças e transportar os comerciantes.

Remover publicidades
Publicidade

A Revolução Agrícola (c. 10.000 a.C.), domesticando plantas e animais, é entendida como a base da civilização, mas o comércio local e de longa distância incentivou seu desenvolvimento. Os cinco aspectos que definem a civilização – alimentos excedentes, divisão do trabalho, urbanização, governo e sistema de escrita – foram todos desenvolvidos ou incentivados pelo comércio.

Primeiros Comércios

A CIDADE DE ERIDU FOI PARTICIPANTE CENTRAL NO COMÉRCIO ANTES DE C. 5000 AEC.

O comércio local começou entre as comunidades mesopotâmicas do Período Ubaid e teria sido conduzido por comerciantes que viajavam a pé ou, talvez, usando animais de carga. Os produtos comerciais que foram identificados positivamente são cerâmicas, incluindo tigelas, jarros e estatuetas (o famoso "povo lagarto" entre eles). O selo cilíndrico, que identificava o artista ou comerciante, local de fabricação, ou valor já havia sido desenvolvido neste momento em que passou a ser utilizado com maior frequência.

Remover publicidades
Publicidade

Embora o Período Ubaid seja mais frequentemente associado ao comércio local, alguns estudiosos sugerem o comércio de longa distância neste momento com regiões tão distantes quanto a China. Também parece claro que as comunidades Ubaid do norte da Mesopotâmia comercializavam até o sul do Bahrein, no Golfo Pérsico, um centro vital de comércio que liga o Oriente Próximo com regiões mais ao leste, incluindo o Vale do Indo. A cidade de Eridu foi um participante central no comércio antes de c. 5000 aC e teria sido envolvido nesta troca, que também incluiria as cidades de Uruk, Ur e Nippur durante o Período Uruk.

Terracotta Female Figurines from the Ubaid Period
Figuras femininas de terracota do período Ubaid
Osama Shukir Muhammed Amin (Copyright)

Período Uruk e Comércio

O Período Uruk viu o estabelecimento do comércio com o Egito durante o Período Gerzeano da região (também conhecido como Período Naqada II (c. 3500-3200 aC). As cerâmicas mesopotâmicas da Suméria – que teriam vindo de cidades como Eridu, Nipur, Ur e Uruk – datadas de c. 3500 a.C. foram escavadas no Egito e incluem cerâmicas, selos cilíndricos e pingentes de lápis-lazúli. Evidências para a riqueza gerada pelas cidades sumérias através do comércio são sugeridas por sua expansão durante esse período, especialmente Uruk, que estabeleceu vários assentamentos além de suas fronteiras iniciais em importantes junções nas rotas comerciais.

O comércio terrestre em toda a Mesopotâmia estava em andamento durante este período ao longo das rotas estabelecidas no rio Tigre e rio Eufrates até o Golfo Pérsico. A ilha do Bahrein, identificada pelos sumérios como Dilmun, a Terra dos Deuses, serviu como um depósito comercial central para mercadorias provenientes da Civilização do Vale do Indo (7000-600 a.C.). Neste momento, não existia um sistema monetário sob a forma de cunhagem; os bens eram trocados por outros considerados de igual valor. Os estudiosos M. Wayne Alexander e William Violet comentam:

Remover publicidades
Publicidade

O dinheiro na forma de moedas padronizadas ainda não havia sido cunhado pelos governos. No entanto, a prata e o grão estavam continuamente em uso como meios de troca durante o quarto ao segundo milênios. (14)

A prática de troca de mercadorias de igual valor era mais comum, no entanto, como observam Alexander e Violet a respeito dos têxteis da cidade de Ur durante esse período:

Registros indicam que cerca de seis mil mulheres trabalhavam no vizinho Girsu e treze mil trabalhavam dentro e ao redor do Ur tecendo tecidos de lã…os têxteis produzidos nas oficinas do templo eram exportados para terras distantes em troca de metais, pedras preciosas…cevada e outros recursos naturais. (14)

Entre as regiões onde os têxteis Ur foram estava o Levante, onde os bens sumérios foram comercializados com as cidades do antigo Líbano em 3000 aC, e nessa mesma data, a cidade de Byblos no Levante estava trocando esses bens com o Egito, juntamente com sua madeira e papiro altamente valorizados. A madeira também foi importada da região de Elam neste momento em troca de cerâmica. O comércio da Mesopotâmia já foi estabelecido com Elão pelo Período Proto-Elamita (3200 a 2700 a.C.) e influenciou o desenvolvimento da arte, arquitetura e cultura elamitas durante todo o Período Elamita Velho (2700 a 1600 a.C.).

Mesopotamian Record of Barley
Registro Mesopotâmico de Cevada
Osama Shukir Muhammed Amin (Copyright)

De acordo com alguns estudiosos, o comércio mesopotâmico – especificamente sumério – também influenciou a arte e a arquitetura do Egito. A estudiosa Margaret Bunson, para citar apenas um exemplo, observa como a famosa Paleta Narmer (c. 3150 a.C.) "com sua representação de monstros e serpentes entrelaçadas de pescoço longo tem um design distintamente mesopotâmico" (267). Um pedaço de vidro azul encontrado em Eridu em 1919, identificado positivamente como proveniente de uma antiga fábrica de vidro nas proximidades e datado de 2000 a.C., combina com peças de vidro azul semelhantes encontradas no Egito e sugere que a fabricação de vidro egípcio foi introduzida através do comércio com a Mesopotâmia. Estatuetas egípcias e projetos arquitetônicos deste período também sugerem uma influência mesopotâmica, que continuaria durante o Período Dinástico Inicial.

Remover publicidades
Publicidade

Primeiros períodos dinásticos e acádicos

Durante o Período Uruk, o comércio floresceu e o zigurate – a distinta arquitetura monumental da Mesopotâmia – se desenvolveu. O zigurate não só serviu uma função religiosa, mas também uma prática em distinguir uma determinada cidade de uma distância e atuar como um marco. Uruk continuou a dominar o comércio na Mesopotâmia durante esta época, mas então, como o estudioso Paul Kriwaczek observa, algo aconteceu:

A arqueologia nos fala de mudanças importantes por volta de 3000 a.C. De repente, ou assim parece, o contato entre os muitos centros da civilização distribuídos por toda a grande Mesopotâmia cessou. As rotas comerciais, como as das minas afegãs de lapis-lazuli, foram cortadas. Postos avançados Uruk desapareceram de toda a região: do Irã, Síria, Anatólia. (72)

Kriwaczek cita possíveis razões para isso, incluindo as mudanças climáticas, mas mantém que a principal causa foi a agressão e o excesso de alcance de Uruk, que foi finalmente enfrentado com resistência das outras cidades-estados. Aproximadamente na época do Período Dinástico Inicial essa situação havia sido resolvida (como não está claro), e as cidades da Mesopotâmia envolvidas no comércio de longa distância incluíam, mas não se limitavam a:

  • Adab (com o Egito até 2000 a.C.)
  • Akshak (com Afeganistão e provavelmente Egito)
  • Ebla (com Egito e outros)
  • Eridu (com Egito e outros)
  • Cades (com o Egito)
  • Kish (com Elam)
  • Larsa (com a Civilização do Vale do Indo até 2358, quando foi destruída)
  • Mari (com o Egito para o ouro, com Levant, e outros)
  • Nipur (incerto)
  • Shuruppak (com o Egito – grão por ouro – e com outros)
  • Sippar (incerto)
  • Tell Brak (com o Egito e outros)
  • Umma (possivelmente com o Egito sob seu rei Lugal-zage-si, r. c. 2358-2334 a.C.)
  • Ur (com Egito e outros)
  • Uruk (com Egito e outros)

Na época do início da Dinastia III (2600-2334 a.C.), Kish e Uruk eram os poderes políticos e comerciais dominantes. Cada cidade-estado era uma entidade política autônoma e, naturalmente, competia entre si no comércio e por recursos como direitos à terra e à água. Tudo isso mudou com a ascensão de Sargão de Acádia (o Grande, r. 2334-2279 a.C.), que conquistou a região e estabeleceu o Império Acádio.

The Akkadian Empire, c. 2334 - 2218 BCE
O Império Acádio, c. 2334 - 2218 a.C.
Simeon Netchev (CC BY-NC-ND)

Durante o Período Acádico (2334-2218 a.C.), as cidade-estado estavam todas sob o controle da cidade de Akkad (também conhecida como Agade) e o comércio era regulado por funcionários acádicos elevados a cargos de autoridade nas várias cidades. O comércio local e de longa distância floresceu sob a burocracia acádia, o que eliminou a rivalidade entre cidade-estado e padronizou preços e práticas, ao mesmo tempo em que melhorava as estradas. Kriwaczek descreve os resultados das políticas acádicas:

Navios de tão longe quanto Bahrein (em acádio, Dilmun), Omã (Magan) e até mesmo o Indo (Meluhha) atracavam nos cais de Akkad e descarregavam seus tesouros; marinheiros estrangeiros falando com acentos estranhos aglomeravam as ruas perto dos portos. Barcaças carregadas para os pistoleiros com grãos de fazendas distantes regadas pela chuva, muito além da planície aluvial diariamente, chegaram ao porto, desembarcaram suas cargas e foram prontamente desmontadas, a madeira destinada à reciclagem em amplos projetos de construção local. (125)

Ao mesmo tempo, a região estava experimentando este boom econômico através do comércio, no entanto, foi periodicamente abalada pela agitação social como as cidades-estados se rebelaram contra o domínio acádio. Sargon e seus sucessores derrubaram revoltas em toda a região continuamente até que Akkad finalmente caiu e os gucianos, um povo asiático ocidental das montanhas Zagros. Kriwaczek (bem como outros) observou que Akkad provavelmente caiu por muitas razões, incluindo as mudanças climáticas, e os gucianos foram então culpados por escribas sumérios que se ressentiam de seu controle da região.

Períodos de Gutiano e Ur III

O Período Gutiano (2218-2047 a.C.) mostra um declínio acentuado no comércio, que, de acordo com os escribas do período posterior Ur III (2047-1750 a.C.), foi inteiramente culpa dos gucianos. De acordo com esses relatos posteriores, o comércio terrestre e marítimo parou, e ladrões percorriam as rodovias e perseguiam as rotas comerciais. Evidências arqueológicas apoiam a queda do comércio e o declínio econômico durante esse período, e é possível, até mesmo provável, que os guianos tenham gerenciado mal os assuntos, mas a causa provável foi a seca, trazendo a fome e eliminando o excedente de grãos que era o grampo do comércio da Mesopotâmia.

Os sumérios foram liderados em revolta contra o governo guciano por Utu-Hegal, rei de Uruk (r. c. 2055-2047 a.C.) e, após sua morte, por Ur-Nammu (r. 2047-2030 a.C.), fundador da Terceira Dinastia de Ur, que quebrou ainda mais o domínio guciano sobre a terra e restabeleceu o comércio. Evidências arqueológicas apoiam a descrição dos escribas sumérios do reinado de Ur-Nammu tão próspero quanto evidenciado pelo Grande Zigurate de Ur iniciado sob seu reinado, seu código de leis (o Código de Ur-Nammu), bem como melhorias na infraestrutura e na reconstrução ou renovação de cidades como Lagash e vários templos. Quando os gucianos ressuscitaram em 2030 a.C., Ur-Nammu foi morto em batalha e seu filho Shulgi de Ur (r. 2029-1982 a.C.) assumiu o trono.

Great Ziggurat of Ur
Grande Zigurate de Ur
Hardnfast (CC BY-SA)

O comércio novamente floresceu sob Shulgi, que, depois de expulsar os gucianos, conquistou a região correspondente ao atual Kuwait através do Iraque e, em seguida, padronizou pesos e medidas, cronometragem e o calendário para que todo o seu reino operasse em uníssono. As principais cidades-estados da Mesopotâmia sob o reinado de Shulgi parecem ter se envolvido em comércio de longa distância que incentivou a prosperidade, a estabilidade econômica e o renascimento da cultura da região conhecida como o Renascimento Sumério.

O governo – seja das cidade-estado individuais durante os períodos Uruk até o início da Dinastia ou uma autoridade central durante os períodos Akkadian e Ur III – era responsável por regular e supervisionar o comércio local e de longa distância, bem como construir e manter armazéns, docas e estradas. Shulgi instituiu pousadas à beira da estrada para os viajantes, que foram ornamentados por jardins. O sucesso comercial da Mesopotâmia foi espelhado por seus parceiros de longa distância no comércio e, à medida que as necessidades essenciais foram atendidas, os itens de luxo se tornaram uma mercadoria premium. A acadêmica Gwendolyn Leick comenta:

Como os países ao redor da Mesopotâmia também desenvolveram seus próprios estados estratificados e elites ricas, a demanda cresceu para itens de luxo produzidos na Mesopotâmia. Estes eram produtos têxteis (pano de lã, roupas acabadas, vestes bordadas), roupas de couro, móveis de madeira e incrustados, armas de bronze, metal altamente trabalhado e artefatos de pedra e joias. Tais produtos foram exportados para todo o Oriente Próximo, incluindo o Egito, durante o segundo milênio e, em seguida, novamente durante o período neobabilônico. (174)

Após a morte de Shulgi, seus sucessores tentaram manter a coesão do reino, mas ele se desfez constantemente quando os amorreus nômades estabeleceram assentamentos permanentes e desafiaram a autoridade de Ur. Ur finalmente caiu para os elamitas em 1750 a.C., mas os amorreus tinham, a essa altura, firmemente estabelecendo-se na região e seria o próximo povo a supervisionar e incentivar o comércio da Mesopotâmia.

Hamurabi e clube das grandes potências

O rei amorreu Hamurabi (r. 1792-1750 a.C.) começou seu reinado na Babilônia silenciosamente construir e treinar um exército e, em seguida, rapidamente conquistou toda a região. Depois de estabelecer sua autoridade, ele começou a melhorar a infraestrutura, ganhando o título de bani matim ("Construtor da Terra") para sua construção e melhoria de estradas, pousadas, armazéns e outros projetos de construção. O estudioso Lionel Casson escreve:

Em uma carta a um oficial em Larsa, [Hamurabi] ordena que certos funcionários sejam enviados a ele o mais rápido possível, especificando que eles devem "viajar dia e noite e assim chegar à Babilônia dentro de dois dias". As duas cidades estão a cerca de 120 milhas [193 km] de distância; se permitirmos de trinta e seis a quarenta e oito horas, isso significa que ele estava contando com uma velocidade média de 2 &1/2 a 3 & ½ milhas por hora, e isso é quase tão bom quanto os viajantes em carrinhos puxados por mulas fizeram nas estradas romanas altamente elogiadas dois milênios depois. (26)

Casson observa ainda que a pavimentação era quase inexistente e, exceto pelo trabalho rodoviário posterior dos hititas, comerciantes, viajantes e exércitos, teriam se movido ao longo de estradas de terra e, como as pontes eram escassas, eles teriam que usar balsas para atravessar vias navegáveis (que envolviam desmontar veículos como carrinhos para fazê-los caber), alugar barcos ou encontrar um caminho em torno deles. Bandos de ladrões eram outra dificuldade que os comerciantes tinham que considerar, e muitos contratavam guardas armados, às vezes um número substancial, para proteger seus interesses.

O reino de Hamurabi, como o de Shulgi, desmoronou logo após sua morte e foi então tomado pelos hititas em 1595 a.C. antes que o controle fosse assumido pela Dinastia Kassita (c. 1595 a c. 1155 a.C.), que novamente manteve o comércio, mas não está claro até que ponto. Em 1500 a.C., os assírios se afirmaram como uma grande potência e, em 1400 a.C., conquistaram sua independência do Reino de Mitanni. A força econômica e militar do maior dos estados individuais do Oriente Próximo, e de seus vizinhos, incentivou a igualdade e a cooperação.

The Ancient Near East c. 1500-1300 BCE
O Antigo Oriente Leste c. 1500-1300 aC
Simeon Netchev (CC BY-NC-ND)

Entre 1500-1200 a.C., o chamado Clube das Grandes Potências supervisionou e regulamentou o comércio internacional. Ele incluiu:

  • Kassite Babylonia
  • Anatólia Hitita
  • Egito
  • Mitanni, no início, depois Assyria
  • Elam
  • Micenas

O acadêmico Marc van de Mieroop escreve:

Durante os séculos de 1500-1200, o Oriente Próximo tornou-se totalmente integrado em um sistema internacional que envolveu toda a região do oeste do Irã ao Mar Egeu, da Anatólia à Núbia. Vários grandes estados territoriais interagiram entre si como iguais e rivais. Localizado entre eles, especialmente na área sírio-palestiniana, havia um conjunto de estados menores que deviam lealdade aos seus vizinhos mais poderosos, e que eram frequentemente usados como procuradores em sua competição. (129)

Na época das Cartas Amarna (correspondência entre os membros do "clube" e o Egito durante o Período Amarna de c. 1348-1320 a.C.), o Clube das Grandes Potências incluía:

  • Assíria
  • Alashiya (sobre Chipre)
  • Arzawa (sudoeste da Anatólia)
  • Babilónia
  • Egito
  • Hatti (Reino dos Hititas)
  • Mitanni

O comércio continuou entre essas potências (e outras, até mesmo no norte da Dinamarca) com perturbações periódicas e confrontos militares até o colapso da Idade do Bronze (de 1250 a 1150 a.C.), quando mudanças climáticas, catástrofes naturais, agitação social, instabilidade política e invasões pelos povos do mar derrubaram civilizações e perturbaram o comércio, bem como a ordem social em todo o Mediterrâneo e Oriente Médio.

Conclusão

Em 525 a.C., todos os estados do Clube das Grandes Potências haviam desaparecido. Hatti e Mitanni desapareceram em 1200 a.C., o Império Assírio caiu em 612 a.C., e a Babilônia, Arzawa e Alashiya foram tomadas pelo Império Aquemênida Persa (c. 550-330 a.C.). O Egito caiu para os persas em 525 a.C., e foi somente nessa época que a cunhagem foi introduzida nas práticas comerciais egípcias. As moedas foram cunhadas pela primeira vez na Lídia sob o reinado do rei Alyattes (c. 635-585 a.C.) de Sardes, mas o comércio no Oriente Próximo continuou a usar o sistema de trocas. Ciro II (o Grande, r. c. 550-530 a.C.) introduziu moedas no comércio após sua conquista de Lídia, e acredita-se que Dario I (o Grande, r. 522-486 a.C.) tenha desenvolvido o darico, a primeira moeda de ouro com um valor padronizado, que seria então usada no comércio em todo o Império Aquemênida.

Persian Gold Daric
Ouro Persa Daric
Mark Cartwright (CC BY-NC-SA)

Esta prática continuou após a queda do império para Alexandre, o Grande em 330 a.C. e foi mantida por entidades políticas que se seguiram: o Império Selêucida (312-63 a.C.), o Império Parta (247 a.C. a 224 d.C.) e o Império Sassânida (224-651 d.C.), todos regulando o comércio como um aspecto integral do governo. Depois que o Império Sassânida caiu para os árabes muçulmanos em 651 d.C., e os novos governantes instituíram suas próprias políticas em relação ao comércio, eles estavam essencialmente apenas seguindo padrões estabelecidos milhares de anos antes.

Agradeço à Sra. Marjorie Hilton pela inspiração em escrever esta peça.

Remover publicidades
Publicidade

Perguntas e respostas

Quando começou o comércio na antiga Mesopotâmia?

O comércio na antiga Mesopotâmia é datado do Período Ubaid c. 5000-4100 aC.

Que bens foram exportados e importados no comércio da Mesopotâmia?

As mercadorias exportadas no comércio da Mesopotâmia incluíam cerâmica, vidro, grãos, produtos de couro, óleo de cozinha, cestas e esteiras de junco e têxteis. As mercadorias importadas incluíam cobre, marfim, pérolas, pedras semipreciosas, ouro, prata, outros metais preciosos, madeira e lapis-lazuli.

Quais cidade-estado mesopotâmicas negociaram com o Egito no Período Dinástico Inicial de 2900-2334 a.C.?

No período dinástico inicial, as cidades-estados que negociavam com o Egito incluíam Adab, Ebla, Eridu, Kadesh, Mari, Shuruppak, Tell Brak, Ur e Uruk.

Até onde chegou o comércio de longa distância da Mesopotâmia?

Estudos modernos sugerem que o comércio de longa distância da antiga Mesopotâmia chegou até o norte da Dinamarca, até a China e a Índia, até a Núbia, e até a Ásia Menor, Grécia e, mais tarde, Roma.

Bibliografia

A World History Encyclopedia é um associado da Amazon e recebe uma comissão sobre as compras de livros elegíveis.

Sobre o tradutor

Yan De Oliveira Carvalho
Yan de Oliveira Carvalho nasceu na cidade do Rio de Janeiro, Brasil. Ele possui um Bacharel em Administração de Empresas pela Universidade Estadual da Pensilvânia. Ele atualmente mora no Rio de Janeiro e trabalha como tradutor Profissional de Inglês, Espanhol e Francês para o Português.

Sobre o autor

Joshua J. Mark
Joshua J. Mark é cofundador e diretor de conteúdo da World History Encyclopedia. Anteriormente, foi professor no Marist College (NY), onde lecionou história, filosofia, literatura e redação. Ele viajou bastante e morou na Grécia e na Alemanha.

Citar este trabalho

Estilo APA

Mark, J. J. (2022, Novembro 22). Comércio na Mesopotâmia Antiga [Trade in Ancient Mesopotamia]. (Y. D. O. Carvalho, Tradutor). World History Encyclopedia. Obtido de https://www.worldhistory.org/trans/pt/2-2114/comercio-na-mesopotamia-antiga/

Estilo Chicago

Mark, Joshua J.. "Comércio na Mesopotâmia Antiga." Traduzido por Yan De Oliveira Carvalho. World History Encyclopedia. Última modificação Novembro 22, 2022. https://www.worldhistory.org/trans/pt/2-2114/comercio-na-mesopotamia-antiga/.

Estilo MLA

Mark, Joshua J.. "Comércio na Mesopotâmia Antiga." Traduzido por Yan De Oliveira Carvalho. World History Encyclopedia. World History Encyclopedia, 22 Nov 2022. Web. 20 Jul 2024.