Legiões da Nórica, da Récia e da Dácia

Artigo

Donald L. Wasson
por , traduzido por Rogério Cardoso
publicado em 24 Novembro 2021
X
translations icon
Disponível em outros idiomas: Inglês

As províncias da Nórica, da Récia e da Dácia serviam como um tampão que protegia o Império Romano contra qualquer possível ameaça externa. Contudo, a região impunha vários problemas internos para Roma: a Panônia e a sua aliada Dalmácia se rebelaram contra a ocupação romana, causando uma guerra de três anos, e a Mésia foi invadida pelos dácios durante os reinados tanto de Domiciano (r. 81-96 d.C.) quanto de Trajano (r. 98-117 d.C.).

Por fim, durante os séculos II e III d.C., a região foi repetidamente invadida pelos godos, pelos alamanos e pelos marcomanos. Embora a Nórica, a Récia e a Dácia atuassem como um tampão entre Roma e as tribos germânicas ao norte, ao cabo, elas sucumbiram aos invasores que elas deveriam manter distantes.

Remover publicidades

Advertisement

Roman Officer from Legio XIII Gemina
Oficial Romano da Legio XIII Gemina
Mary Harrsch (CC BY-NC-SA)

A Província da Nórica

Localizada nos Alpes orientais entre a Récia e a Panônia, a sua localização ideal ao sul do Danúbio e os seus ricos depósitos de minério de ferro e de ouro tornaram a Nórica um valioso ativo aos cofres do Império Romano. A descoberta de ouro no século II a.C. havia atraído colonizadores romanos para a região, os quais acabaram rapidamente expulsos pelos nativos tauriscos. Contudo, mercadores romanos continuaram a fazer negócios por meio de pequenos assentamentos comerciais. Sempre vista como uma aliada, a região foi finalmente conquistada em 16 a.C. durante o reinado do imperador romano Augusto (r. 27 a.C. - 14 d.C.). Porém, diferentemente de outras províncias, ela não havia recebido uma legião própria - a Legio Italica II - até o reinado de Marco Aurélio (r. 161-180 d.C.). A província foi depois dividida em duas - Nórica Ripense e Nórica Mediterrânea - por Diocleciano (r. 284-305 d.C.). Ela foi invadida por tribos germânicas do norte e abandonada no século V d.C.

Legio II Italica

a principal função  da legião era defender a rota desde a panônia até aquileia contra ameaças de invasores germânicos.

Legio II Italica (emblema: lobo; signo de nascimento: capricórnio) foi erigida por Marco Aurélio na Itália junto com a Legio III Italica para a sua campanha contra os marcomanos em 164 e 165 d.C., obtendo assim o nome Italica. Há uma certa confusão a respeito da sua primeira base. Enquanto alguns historiadores argumentam ter sido Ločica (Lotschitz) na Dalmácia, outros afirmam ter sido Aquileia, no nordeste da Itália. De qualquer forma, a principal função da legião era defender a rota desde a Panônia até Aquileia contra ameaças de invasores germânicos. Acredita-se que ambas as legiões tenham servido com Pertinax (r. 193 d.C.) em sua guerra contra os marcomanos. Estacionada por pouco tempo em Albing, na Áustria moderna, a Legio II Italica finalmente encontrou uma base permanente em Lauríaco (modernamente Enns, na Áustria), a casa do governador da Nórica.

Remover publicidades

Advertisement

A legião apoiou Septímio Severo (r. 193-211 d.C.) tanto na sua reivindicação ao trono romano quanto na sua guerra contra os postulantes Pescênio Níger e Clódio Albino. Embora as fontes sejam incertas, a Legio II Italica pode ter servido com o imperador Maximino Trácio (r. 235-238 d.C.) nas suas Guerras Dácias de 235 e 236 d.C. A legião depois apoiou Galieno (r. 253-268 d.C.) contra o postulante Póstumo, autoproclamado imperador do Império das Gálias, recebendo o título Pia V Fidelis ("Cinco Vezes Leal e Fiel"). Há alguma evidência de que uma unidade da legião estivesse com Constantino I (r. 306-337 d.C.) na Batalha da Ponte Mílvia em 312 d.C. De acordo com o historiador Stephen Dando-Collins, durante uma reorganização do exército romano, a legião tornou-se parte dos comitatenses sob o comando do Duque da Panônia e da Nórica Ripense. Assim como a sua província, ela mais tarde sucumbiria aos invasores godos.

Legio II Italica
Legio II Italica
Panairjdde (CC BY-SA)

A Província da Récia

A província da Récia foi anexada ao Império Romano em 15 a.C. pelo comandante e futuro imperador romano Tibério (r. 14-37 d.C.). Assim como a sua vizinha Nórica, ela não havia recebido uma legião permanente e propriamente sua - a Legio III Italica - até o reinado de Marco Aurélio. Em 233 d.C., a província foi invadida e devastada pelos alamanos, oriundos do sudoeste da Germânia. Mais tarde, durante a Crise do Terceiro Século, os francos e os alamanos invadiram a Gália Romana, a Récia e o norte da Itália em 259 d.C. O resultado foi a formação do Império da Gálias sob liderança de Póstumo.

Remover publicidades

Advertisement

Legio III Italica

Legio III Italica (emblema: cegonha; signo de nascimento: capricórnio) foi erigida por Marco Aurélio na Itália para a sua guerra contra os marcomanos. A sua primeira base é desconhecida, possivelmente Aquileia, mas ela serviu como parte de uma reserva móvel comandada por Quinto Advento durante a campanha de Marco Aurélio. Temporariamente aquartelada em Abusina (atual Eining) na Nórica, por volta de 172 d.C., a legião foi transferida para Castra Regina (modernamente Regensburg) na Récia, em 179 d.C., onde permaneceu até o século V d.C. Assim como a sua legião irmã, ela esteve com Pertinax nas Guerras Marcomânicas. Após a morte de Pertinax, a legião apoiou Septímio Severo em sua reivindicação ao trono. Mais tarde, a legião esteve com Caracala (r. 198-217 d.C.) na sua campanha contra os partos. Há alguma evidência de que a Legio III Italica estivesse com Gordiano III (r. 238-244 d.C.) contra o Império Sassânida, em 244 d.C. Assim como a Legio II Italica, ela foi depois reduzida à condição de comitatenses.

Legio III Italica
Legio III Italica
Panairjdde (CC BY-SA)

A Província da Dácia

Até 85 d.C., o território da Dácia nunca havia imposto uma séria ameaça aos seus vizinhos. Isso mudou quando Decébalo assumiu o trono. Nesse ano, ele e o seu exército atravessaram o Danúbio e entraram sem serem provocados na província romana da Mésia. As legiões das Guerras Dácias só anexaram a região ao Império Romano em 106 d.C., de modo que o ouro dácio pagasse pelo Fórum de Trajano. Duas legiões foram permanentemente estacionadas na Dácia: a Legio V Macedonica e a Legio XIII Gemina. A fronteira da Dácia era tão difícil de defender contra invasores germânicos, que o imperador Aureliano (r. 270-275 d.C.) remanejou os cidadãos romanos e redesenhou as suas fronteiras. Pegando terras da Mésia e da Nórica, ele criou a Dácia Ripense e a Dácia Mediterrânea.

Legio V Macedonica

estacionada em troesmis, a legio v macedonica defendia a costa noroeste do Mar negro e as cidades gregas na Crimeia.

A origem da Legio V Macedonica (emblema: touro; signo de nascimento: desconhecido) é incerta. Segundo relatos, ela serviu com Otaviano na Batalha de Mutina, em 43 a.C. De 30 a.C. a 6 d.C., ela estava aquartelada na Macedônia, daí o nome Macedonica. Em 6 d.C., ela foi transferida para Esco, na Mésia (na Bulgária moderna). Ela pode ter participado da anexação da Trácia pelo imperador Cláudio (r. 41-54 d.C.). Em 62 d.C., a legião foi transferida para o exército de Cesênio Peto na Capadócia, para a sua guerra na Armênia, mas foi deixada na região do Ponto, já que o demasiadamente confiante Peto havia levado apenas duas legiões consigo. Mais tarde, a Legio V Macedonica seguiria Domício Córbulo na sua bem-sucedida campanha armênia. Nos seus Anais, o historiador Tácito escreveu sobre a guerra armênia:

Remover publicidades

Advertisement

... e, então, as legiões foram divididas: a quarta e a décima segunda legiões (IV Scythica XII Fulminata), junto com a quinta, que fora há pouco tempo erigida na Mésia, e as tropas auxiliares do Ponto, da Galácia e da Capadócia, estavam sob comando de Peto... (Anais 15, 6).

Legio V Macedonica entraria em ação com o filho de Vespasiano, Tito (r. 79-81 d.C.), na Primeira Guerra Judaica que se seguiu após a Grande Revolta Judaica de 66 d.C. e no cerco de Jerusalém em 70 d.C. Retornando à Mésia, a legião esteve tanto com Domiciano quanto com Trajano nas Guerras Dácias. O futuro imperador Adriano (r. 117-138 d.C.) serviu como oficial tanto na Legio V Macedonica quanto na Legio II Adiutrix. Depois, estacionada em Troesmis na Mésia Inferior (na Romênia moderna), a legião defendeu a costa noroeste do Mar Negro e as cidades gregas na Crimeia.

Legio V Macedonica
Legio V Macedonica
Panairjdde (CC BY-SA)

Em 135 d.C., a legião estava na Palestina, onde ajudou a suprimir a Revolta de Barcoquebas e auxiliou o cerco de Betar. Após a campanha de Lúcio Vero (r. 161-169 d.C.) contra a Pártia, a legião participou da guerra de Marco Aurélio contra os marcomanos. Depois, a Legio V Macedonica foi estacionada em Potaissa, na Dácia. Ela apoiou Septímio Severo enviando uma coorte da legião para acompanhá-lo na sua marcha a Roma. Em 274 d.C., quando a Dácia estava cercada por invasores bárbaros, a legião se retirou para Esco.

Legio XIII Gemina

Legio XIII Gemina (emblema: leão; signo de nascimento: capricórnio) foi formada por Júlio César (100-44 a.C.) para a sua campanha contra os belgas em 57 a.C., seguindo-o no restante das Guerras Gálicas e cruzando o Rubicão com ele, em 49 a.C. No prefácio do seu livro Rubicon, Tom Holland escreve sobre a 13.ª legião:

Remover publicidades

Advertisement

Alinhados numa formação de plena marcha, soldados da 13.ª legião permaneceram reunidos na escuridão. ... Por oito anos, eles vinham seguindo o governador da Gália numa campanha sangrenta atrás da outra, passando pela neve, pelo calor do verão, até as margens do mundo. (XIII).

A legião foi desmantelada e só veio a ser reconstituída por Otaviano em 41 a.C., lutando ao lado dele contra Sexto Pompeu, na Sicília. Não se sabe se a Legio XIII Gemina esteve ou não com o futuro imperador na Batalha de Ácio, em 31 a.C.; no entanto, ela depois se fundiu com legiões desgastadas em 30 a.C., obtendo o nome Gemina ("gêmea"). Isso ocorreu com Druso, na sua campanha germânica de 20 a 15 a.C. Depois de servir com Tibério na sua campanha récia de 15 a.C., ela foi transferida para Emona (atual Liubliana) na Panônia até 6 d.C., quando esteve com Tibério na repressão da Revolta Panônia.

Romans Fighting Dacian & Germanic Warrriors
Romanos Combatendo Guerreiros Dácios e Germânicos
Ancient Warfare Magazine / Karwansaray Publishers (Copyright)

Após a Batalha da Floresta de Teutoburgo, em que Públio Quintílio Varo perdeu três legiões em 9 d.C., a Legio XIII Gemina foi transferida para Moguncíaco (modernamente Mainz, na Alemanha), antes de se dirigir a Vindobona (modernamente Viena, na Áustria) para servir com Germânico. Durante o Ano dos Quatro Imperadores, em 69 d.C., a legião apoiou Oto e serviu com ele na Primeira Batalha de Bedríaco contra Vitélio, na qual foi derrotada pela Legio V Alaudae e depois acusada de covardia. Mais tarde, a legião esteve com o exército de Vespasiano na Segunda Batalha de Bedríaco e Cremona. Após a derrota de Vitélio, a legião foi estacionada de novo em Vindobona, onde serviu com Domiciano nas suas Guerras Dácias e na vitória romana na Batalha de Tapas. A legião esteve com Trajano na sua campanha dácia e seguiu Adriano contra os sármatas. Estacionada brevemente em Apulum (na Romênia moderna), a Legio XIII Gemina esteve na Palestina durante a repressão da Segunda Revolta Judaica de 132 a 135 d.C.

A legião participou das Guerras Marcomânicas sob comando de Marco Aurélio e lutou contra os dácios sob comando de Cômodo (r. 180-192 d.C.). Ela apoiou Septímio Severo em 193 d.C. e juntou-se a ele contra o postulante Pescênio Níger. Pouco se sabe sobre o paradeiro da legião, exceto que ela esteve na Dácia até que a província fosse abandonada pelos romanos.

Remover publicidades

Publicidade

Sobre o tradutor

Rogério Cardoso
Rogério Cardoso nasceu em Manaus, Brasil, onde inicialmente obteve um grau em Letras Portuguesas, e mais tarde se mudou para São Paulo, onde obteve um grau de mestre em Filologia Portuguesa. Ele é um entusiasta da História.

Sobre o autor

Donald L. Wasson
Donald ensina Histórias Antiga, Medieval e dos Estados Unidos no Lincoln College (Normal, Illinois) e sempre foi e sempre será um estudante de história, dedicando-se, desde então, a se aprofundar no conhecimento de Alexandre, o Grande. É ele uma pessoa ávida a transmitir conhecimentos aos seus estudantes.

Cite este trabalho

Estilo APA

Wasson, D. L. (2021, Novembro 24). Legiões da Nórica, da Récia e da Dácia [Legions of Noricum, Raetia & Dacia]. (R. Cardoso, Tradutora). World History Encyclopedia. Recuperado de https://www.worldhistory.org/trans/pt/2-1878/legioes-da-norica-da-recia-e-da-dacia/

Estilo Chicago

Wasson, Donald L.. "Legiões da Nórica, da Récia e da Dácia." Traduzido por Rogério Cardoso. World History Encyclopedia. Última modificação Novembro 24, 2021. https://www.worldhistory.org/trans/pt/2-1878/legioes-da-norica-da-recia-e-da-dacia/.

Estilo MLA

Wasson, Donald L.. "Legiões da Nórica, da Récia e da Dácia." Traduzido por Rogério Cardoso. World History Encyclopedia. World History Encyclopedia, 24 Nov 2021. Web. 27 Mai 2022.