China Antiga

Recolha de fundos para custos de servidor 2023

Gerir um website com milhões de leitores todos os meses é caro. Não só pagamos pelos nossos servidores, mas também por serviços relacionados, tais como a nossa rede de entrega de conteúdos, Google Workspace, correio electrónico, e muito mais. Preferíamos muito mais gastar este dinheiro na produção de mais conteúdo de história gratuito para o mundo. Obrigado pela sua ajuda!
$199 / $21000

Definição

Joshua J. Mark
por , traduzido por Yan De Oliveira Carvalho
publicado em 18 Dezembro 2012
X
translations icon
Disponível em outras línguas: Inglês, Francês, Espanhol, Alemão, Persa
The Great Wall of China in Snow (by Steve Webel, CC BY-NC-SA)
A Grande Muralha da China na neve
Steve Webel (CC BY-NC-SA)

A China antiga produziu o que se tornou a cultura mais antiga existente no mundo. O nome 'China' vem do sânscrito Cina (derivado do nome da dinastia chinesa Qin, pronunciado 'Chin'), que foi traduzido como 'Cin' pelos persas e parece ter se popularizado através do comércio ao longo da Rota da Seda.

Os romanos e os gregos conheciam o país como "Seres", "a terra de onde vem a seda". O nome 'China' não aparece impresso no Oeste até 1516 nos diários de Barbosa narrando suas viagens no Leste (embora os europeus já conhecessem a China através do comércio da Rota da Seda). Marco Polo, o famoso explorador que familiarizou a China com a Europa no século XIII, referiu-se à terra como 'Cathay. Em chinês mandarim, o país é conhecido como "Zhongguo" que significa "estado central" ou "império médio".

Remover publicidades

Advertisement

Pré-história

Bem antes do advento da civilização reconhecível na região, a terra era ocupada por hominídeos. O Homem de Pequim, um fóssil de crânio descoberto em 1927 perto de Pequim, vivia na área entre 700.000 e 300.000 anos atrás, e o Homem de Yuanmou, cujos restos mortais foram encontrados em Yuanmou em 1965, habitou a terra 1,7 milhões de anos atrás. Evidências descobertas com esses achados mostram que esses primeiros habitantes sabiam como moldar ferramentas de pedra e usar fogo.

Embora seja comumente aceito que os seres humanos se originaram na África e depois migraram para outros pontos ao redor do globo, os paleoantropólogos da China "apoiam a teoria da 'evolução regional' da origem do homem" (China.org), que reivindica uma base independente para o nascimento de seres humanos. "O Macaco Shu, um primata pesando apenas 100 a 150 gramas e sendo semelhante a um rato em tamanho, viveu [na China] na época do Eoceno Médio 4,5 a 4 milhões de anos atrás. Sua descoberta representou um grande desafio para a teoria da origem africana da raça humana " (China.org). Este desafio é considerado plausível devido às ligações genéticas entre o fóssil do Macaco Shu e os primatas avançados e inferiores, permanecendo, então, como um "elo perdido" no processo evolutivo.

Remover publicidades

Advertisement

No entanto, se interpretarmos esses dados (as conclusões chinesas foram contestadas pela comunidade internacional), as evidências sólidas fornecidas por outros achados comprovam uma linhagem muito antiga de hominídeos e homo sapiens na China e um alto nível de sofisticação na cultura primitiva. Um exemplo disso é Banpo Village, perto de Xi'an, descoberto em 1953. Banpo é uma aldeia neolítica que foi habitada entre 4500 e 3750 a.C. e compreende 45 casas com pisos afundados no chão para maior estabilidade. Uma trincheira que cercava a aldeia fornecia proteção contra-ataques e drenagem (enquanto também ajudava a cercar animais domésticos), enquanto cavernas artificiais escavadas no subsolo eram usadas para armazenar alimentos. O design da aldeia e os artefatos descobertos lá (como cerâmica e ferramentas) defendem uma cultura muito avançada na época em que foi construída.

Banpo Village, Xi'an, China
Banpo Village, Xi'an, China
Ian Armstrong (CC BY-SA)

Tem sido geralmente aceito que o "Berço da Civilização" chinês é o Vale do Rio Amarelo, que deu origem a aldeias por volta de 5000 a.C. Embora isso tenha sido contestado e argumentos tenham sido feitos para o desenvolvimento mais difundido das comunidades, não há dúvida de que a província de Henan, no Vale do Rio Amarelo, foi o local de muitas aldeias e comunidades agrícolas primitivas.

Remover publicidades

Advertisement

Em 2001, arqueólogos descobriram dois esqueletos "enterrados em uma casa desmoronada, que estava coberta com uma espessa camada de depósitos de lodo do Rio Amarelo. Na camada de depósitos, os arqueólogos encontraram mais de 20 esqueletos, um altar, uma praça, cerâmica e utensílios de pedra e jade " (Chinapage.org). Este local era apenas uma das muitas aldeias pré-históricas na área.

As primeiras dinastias

A partir dessas pequenas aldeias e comunidades agrícolas cresceu o governo centralizado, o primeiro dos quais foi a pré-histórica Dinastia Xia (c. 2070-1600 a.C.). A Dinastia Xia foi considerada, por muitos anos, mais mito do que fato até que escavações nas décadas de 1960 e 1970 descobriram locais que argumentavam fortemente por sua existência. Obras de bronze e túmulos apontam claramente para um período evolutivo de desenvolvimento entre aldeias díspares da Idade da Pedra e uma civilização coesa reconhecível.

A dinastia foi fundada pelo lendário Yu, o Grande, que trabalhou implacavelmente por 13 anos para controlar a inundação do Rio Amarelo, que rotineiramente destruiu as plantações do fazendeiro. Ele estava tão focado em seu trabalho que foi dito que ele não voltou para casa uma vez em todos esses anos, mesmo que ele parece ter passado por sua casa em pelo menos três ocasiões, e essa dedicação inspirou outros a segui-lo.

Remover publicidades

Advertisement

[vídeo:6-2803]

ESCRITA DESENVOLVIDA SOB A DINASTIA SHANG, BEM COMO METALURGIA, ARQUITETURA E RELIGIÃO DE BRONZE.

Depois de controlar a inundação, Yu conquistou as tribos Sanmiao e foi nomeado sucessor (pelo então governante, Shun), reinando até sua morte. Yu estabeleceu o sistema hereditário de sucessão e, assim, o conceito de dinastia que se tornou mais familiar. A classe dominante e a elite viviam em aglomerados urbanos, enquanto a população camponesa, que apoiava o estilo de vida da elite, permanecia em grande parte agrária, vivendo em áreas rurais. O filho de Yu, Qi, governou depois dele e o poder permaneceu nas mãos da família até que o último governante de Xia, Jie, foi derrubado por Tang que estabeleceu a Dinastia Shang (1600-1046 a.C.).

Tang era do reino de Shang. As datas popularmente atribuídas a ele (1675-1646 a.C.) não correspondem de forma alguma aos eventos conhecidos em que participou e devem ser consideradas errôneas. O que se sabe é que ele era o governante, ou pelo menos um personagem muito importante, no reino de Shang que, por volta de 1600 a.C., liderou uma revolta contra Jie e derrotou suas forças na Batalha de Mingtiao.

Acredita-se que a extravagância da corte de Xia e o fardo resultante sobre a população tenha levado a essa revolta. Tang então assumiu a liderança da terra, reduziu os impostos, suspendeu os grandiosos projetos de construção iniciados por Jie (que estavam drenando o reino de recursos) e governou com tanta sabedoria e eficiência que a arte e a cultura puderam florescer. Escrita desenvolvida sob a dinastia Shang, bem como metalurgia de bronze, arquitetura e religião.

Remover publicidades

Advertisement

King Tang of Shang
Rei Tang de Shang
Ma Lin (Public Domain)

Antes do Shang, o povo adorava muitos deuses tendo um deus supremo, Shangti, como chefe do panteão (o mesmo padrão encontrado em outras culturas). Shangti foi considerado 'o grande ancestral' que presidiu a vitória na guerra, na agricultura, no clima e no bom governo. Porque ele era tão remoto e tão ocupado, no entanto, as pessoas parecem ter exigido intercessores mais imediatos para as suas necessidades e assim começou a prática da adoração dos antepassados.

Quando alguém morreu, foi pensado, eles alcançaram poderes divinos e poderiam ser chamados para assistência em momentos de necessidade (semelhante à crença romana nos pais). Essa prática levou a rituais altamente sofisticados dedicados a apaziguar os espíritos dos ancestrais, que eventualmente incluíam enterros ornamentados em grandes tumbas cheias de tudo o que seria necessário para desfrutar de uma vida após a morte confortável.

O rei, além de seus deveres seculares, serviu como principal oficial e mediador entre os vivos e os mortos e seu governo foi considerado ordenado pela lei divina. Embora o famoso Mandato do Céu tenha sido desenvolvido pela Dinastia Zhou mais tarde, a ideia de vincular um governante justo à vontade divina tem suas raízes nas crenças promovidas pelo Shang.

Chinese Dynasties Visual Timeline
Linha do Tempo Visual das Dinastias Chinesas
Simeon Netchev (CC BY-NC-SA)

A Dinastia Zhou

Por volta do ano 1046 a.C., o rei Wu (r. 1046-1043 a.C.), da província de Zhou, rebelou-se contra o rei Zhou de Shang e derrotou suas forças na Batalha de Muye, estabelecendo a Dinastia Zhou (1046- 256 a.C.). 1046-771 a.C. marca o Período Zhou Ocidental, enquanto 771-256 a.C. marca o Período Zhou Oriental. Wu se rebelou contra o governante Shang depois que o rei de Shang matou seu irmão mais velho injustamente. O Mandato do Céu foi invocado por Wu e sua família para legitimar a revolta, pois ele sentia que os Shang não estavam mais agindo no interesse do povo e, portanto, perderam o mandato entre a monarquia e o deus da lei, ordem e justiça, Shangti.

O Mandato do Céu foi assim definido como a bênção dos deuses sobre um governante justo e governador por mandato divino. Quando o governo não servisse mais à vontade dos deuses, esse governo seria derrubado. Além disso, foi estipulado que poderia haver apenas um governante legítimo da China e que seu governo deveria ser legitimado por sua conduta adequada como administrador das terras que lhe foram confiadas pelo céu. A regra poderia ser passada de pai para filho, mas apenas se a criança possuísse a virtude necessária para governar. Este mandato seria posteriormente frequentemente manipulado por vários governantes que confiam a sucessão à progênie indigna.

Bronze Zhou Cooking Vessel
Vaso de Cozinha Zhou em Bronze
Editor at Large (CC BY-SA)

Sob o Zhou, a cultura floresceu e a civilização se espalhou. A escrita foi codificada e a metalurgia do ferro tornou-se cada vez mais sofisticada. Os maiores e mais conhecidos filósofos e poetas chineses, Confúcio, Mêncio, Mo Ti (Mot Zu), Lao-Tzu, Tao Chien e o estrategista militar Sun-Tzu (se ele existiu como descrito), todos vêm do período Zhou na China e da época das Cem Escolas de Pensamento.

A carruagem, que foi introduzida na terra sob o Shang, tornou-se mais desenvolvida pelos Zhou. Deve-se notar que esses períodos e dinastias não começaram nem terminaram tão bem quanto parecem nos livros de história e a Dinastia Zhou compartilhou muitas qualidades com os Shang (incluindo língua e religião). Enquanto os historiadores acham necessário, por uma questão de clareza, dividir os eventos em períodos, a Dinastia Zhou permaneceu existente através dos seguintes períodos reconhecidos conhecidos como O Período da Primavera e Outono e O Período dos Estados Combatentes.

O período da primavera e outono e os estados em guerra

Durante o Período da Primavera e Outono (772-476 a.C. e assim chamado a partir dos Anais da Primavera e Outono, a crônica oficial do estado na época e uma fonte inicial mencionando o General Sun-Tzu), o governo Zhou tornou-se descentralizado em sua mudança para a nova capital em Luoyang, marcando o fim do período 'Zhou Ocidental' e o início de 'Zhou Oriental'. Este é o período mais conhecido pelos avanços na filosofia, poesia e artes e viu o surgimento do pensamento confucionista, taoísta e mohista.

Ao mesmo tempo, no entanto, os diferentes estados estavam rompendo com o governo central por Luoyang e proclamando-se soberanos. Isso, então, levou ao chamado Período dos Estados Combatentes (c. 481-221 a.C.), no qual sete estados lutaram entre si pelo controle. Os sete estados eram Chu, Han, Qi, Qin, Wei, Yan e Zhao, todos os quais se consideravam soberanos, mas nenhum dos quais se sentia confiante em reivindicar o Mandato do Céu ainda detido pelo Zhou de Luoyang. Todos os sete estados usaram as mesmas táticas e observaram as mesmas regras de conduta em batalha e, portanto, nenhum poderia obter a vantagem sobre os outros.

Warring States of China and Qin conquest, c. 250 BCE
Estados beligerantes da China e conquista de Qin, c. 250 a.C.
Simeon Netchev (CC BY-NC-SA)

Esta situação foi explorada pelo filósofo pacifista Mo Ti, um engenheiro habilidoso, que fez de sua missão fornecer a cada estado igual conhecimento de fortificações e escadas de cerco na esperança de neutralizar a vantagem de qualquer estado e, assim, acabar com a guerra. Seus esforços foram infrutíferos e, entre 262 e 260 a.C., o estado de Qin ganhou supremacia sobre Zhao, finalmente os derrotando na Batalha de Changping.

Um estadista de Qin chamado Shang Yang (m. 338 a.C.), um grande crente em eficiência e lei, havia reformulado o entendimento de Qin sobre a guerra para se concentrar na vitória a qualquer custo. Se Sun-Tzu ou Shang Yang deve ser creditado com a reforma do protocolo militar e estratégia na China depende da aceitação da historicidade de Sun-Tzu. Se Sun-Tzu existiu como as pessoas afirmam, no entanto, é muito provável que Shang Yang estava familiarizado com a famosa obra, A Arte da Guerra, que leva o nome de Sun-Tzu como autor.

YING ZHENG EMERGIU DO CONFLITO DOS ESTADOS EM GUERRA SUPREMO EM 221 A.C., SUBJUGANDO E UNIFICANDO OS OUTROS SEIS ESTADOS E PROCLAMANDO-SE SHI HUANGDI.

Antes dessas reformas, a guerra chinesa era considerada um jogo de habilidade nobre, com regras muito definidas ditadas pela cortesia e pela vontade percebida do céu. Não se atacou os fracos ou os despreparados e era esperado que se atrasasse o engajamento até que um oponente se mobilizasse e formasse fileiras no campo. Shang defendeu a guerra total em busca da vitória e aconselhou a tomar as forças dos inimigos por qualquer meio que estivesse à mão. Os princípios de Shang eram conhecidos em Qin e usados em Changping (onde mais de 450.000 soldados capturados de Zhao foram executados após a batalha), dando aos Qin a vantagem que esperavam.

Ainda assim, eles não fizeram uso efetivo dessas táticas até a ascensão de Ying Zheng, Rei de Qin. Utilizando as diretrizes de Shang, e com um exército de tamanho considerável usando armas de ferro e carros de condução, Ying Zheng emergiu do conflito supremo dos Estados Guerreiros em 221 a.C., subjugando e unificando os outros seis estados sob seu domínio e proclamando-se Shi Huangdi -"Primeiro Imperador" - da China.

A Dinastia Qin

Shi Huangdi assim estabeleceu a Dinastia Qin (221-206 a.C.), iniciando o período conhecido como a Era Imperial na China (221 a.C. - 1912 d.C.) quando as dinastias governaram a terra. Ele ordenou a destruição das fortificações muradas que haviam separado os diferentes estados e encomendou a construção de uma grande muralha ao longo da fronteira norte de seu reino. Embora hoje pouco restasse da muralha original de Shi Huangdi, a Grande Muralha da China começou sob seu domínio.

Estendeu-se por mais de 5.000 quilômetros (3.000 milhas) através de colinas e planícies, desde os limites da Coreia no Leste até o problemático deserto de Ordos no oeste. Era um empreendimento logístico enorme, embora para muito de seu curso incorporasse comprimentos de paredes mais adiantadas construídas pelos reinos chineses separados para defender suas fronteiras do norte nos séculos IV e III. (Scarre e Fagan, 382)

Shi Huangdi também fortaleceu a infraestrutura através da construção de estradas que ajudaram a aumentar o comércio através da facilidade de viagem.

Cinco estradas tronco conduziam da capital imperial em Xianyang, cada uma provida de forças policiais e estações de postagem. A maioria dessas estradas era de construção de terra batida e tinha 15 metros (50 pés) de largura. O mais longo correu para sudoeste mais de 7.500 quilômetros (4.500 milhas) para a região fronteiriça de Yunnan. Tão precipitada era a paisagem que seções da estrada tinham que ser construídas a partir de faces verticais de penhascos em galerias de madeira projetadas. (Scarre e Fagan, 382)

Shi Huangdi também expandiu os limites de seu império, construiu o Grande Canal no sul, redistribuiu a terra e, inicialmente, foi um governante justo.

Shi Huangdi
Shi Huangdi
Dennis Jarvis (CC BY-SA)

Enquanto ele fez grandes avanços na construção de projetos e campanhas militares, seu governo tornou-se cada vez mais caracterizado por uma mão pesada na política doméstica. Reivindicando o Mandato do Céu, ele suprimiu todas as filosofias, exceto o Legalismo que havia sido desenvolvido por Shang Yang e, atendendo ao conselho de seu principal conselheiro, Li Siu, ele ordenou a destruição de quaisquer livros de história ou filosofia que não correspondessem ao Legalismo, sua linhagem familiar, o estado de Qin ou a si mesmo.

Uma vez que os livros eram então escritos em tiras de bambu presas com pinos giratórios, e um volume poderia ser de algum peso, os estudiosos que procuraram escapar da ordem foram colocados em muitas dificuldades. Vários deles foram detectados; a tradição diz que muitos deles foram enviados para trabalhar na Grande Muralha, e que quatrocentos e sessenta foram mortos. No entanto, alguns dos literatos memorizaram as obras completas de Confúcio e as passaram de boca em boca para memórias iguais. (Durant, 697)

Este ato, juntamente com a supressão de Shi Huangdi das liberdades gerais, incluindo a liberdade de expressão, o tornou progressivamente mais impopular. A adoração dos ancestrais do passado e da terra dos mortos começou a interessar mais o imperador do que seu reino dos vivos e Shi Huangdi tornou-se cada vez mais absorto no que este outro mundo consistia e como ele poderia evitar viajar para lá. Ele parece ter desenvolvido uma obsessão com a morte, tornou-se cada vez mais paranoico em relação à sua segurança pessoal, e procurou ardentemente a imortalidade.

The Terracotta Army Panorama
O Panorama do Exército de Terracota
Bernd Thaller (CC BY-NC-SA)

Seu desejo de prover para si mesmo uma vida após a morte compatível com a atual o levou a comissionar um palácio construído para seu túmulo e um exército de mais de 8.000 guerreiros de terracota criados para servi-lo na eternidade. Este exército de cerâmica, enterrado com ele, também incluía carruagens de terracota, cavalaria, um comandante-em-chefe e pássaros e animais variados. Diz-se que ele morreu em 210 a.C. enquanto estava em busca de um elixir da imortalidade e Li Siu, na esperança de ganhar o controle do governo, manteve sua morte em segredo até que ele pudesse alterar seu testamento para nomear seu filho maleável, Hu-Hai, como herdeiro.

Este plano mostrou-se insustentável, no entanto, como o jovem príncipe mostrou-se bastante instável, executando muitos, e iniciando uma rebelião generalizada na terra. Pouco depois da morte de Shi Huangdi, a Dinastia Qin rapidamente entrou em colapso através da intriga e inépcia de pessoas como Hu-Hai, Li Siu e outro conselheiro, Zhao Gao, e a Dinastia Han (202 a.C.-220 d.C.) começou com a adesão de Liu-Bang.

A Contenção Chu-Han

Com a queda da Dinastia Qin, a China mergulhou no caos conhecido como Contenção Chu-Han (206-202 a.C.). Dois generais surgiram entre as forças que se rebelaram contra os Qin: Liu-Bang de Han (256-195 a.C.) e o General Xiang-Yu de Chu (232-202 a.C.), que lutou pelo controle do governo. Xiang-Yu, que provou ser o oponente mais formidável dos Qin, concedeu a Liu-Bang o título de "Rei do Han" em reconhecimento à derrota decisiva de Liu-Bang das forças Qin em sua capital, Xianyang.

Chu-Han Contention Map
Mapa de contenção Chu-Han
SY (CC BY-SA)

Os dois antigos aliados rapidamente se tornaram antagonistas, no entanto, durante a luta pelo poder conhecido como a disputa de Chu-Han até Xiang-Yu conseguir negociar o Tratado do Canal de Hong e trouxe uma paz temporária. Xiang-Yu sugeriu dividir a China sob o domínio dos Chu no Leste e dos Han no oeste, mas Liu-Bang queria uma China unida sob o domínio de Han e, quebrando o tratado, retomou as hostilidades. Na Batalha de Gaixia em 202 a.C., o grande general de Liu-Bang, Han-Xin, prendeu e derrotou as forças de Chu sob Xiang-Yu e Liu-Bang foi proclamado imperador (conhecido na posteridade como Imperador Gaozu de Han). Xiang-Yu cometeu suicídio, mas sua família foi autorizada a viver e até mesmo servir em cargos do governo.

O novo imperador Gaozu tratou todos os seus antigos adversários com respeito e uniu a terra sob seu domínio. Ele empurrou para trás as tribos nômades Xiongnu, que estavam fazendo incursões na China, e fez as pazes com os outros estados que haviam se rebelado contra a falida Dinastia Qin. A Dinastia Han (que deriva seu nome da casa de Liu-Bang na província de Hanzhong) governaria a China, com uma breve interrupção, pelos próximos 400 anos, de 202 a.C. a 220 d.C. O Han é dividido em dois períodos: Han Ocidental - 202 a.C.-9 d.C. e Han Oriental - 25 a 220 d.C.

A Dinastia Han

A paz resultante iniciada por Gaozu trouxe a estabilidade necessária para a cultura voltar a prosperar e crescer. O comércio com o Oeste começou durante este tempo e as artes e a tecnologia aumentaram na sofisticação. Os Han são considerados a primeira dinastia a escrever sua história, mas, como Shi Huangdi destruiu muitos dos registros escritos daqueles que vieram antes dele, essa afirmação é frequentemente contestada. Não há dúvida, no entanto, que grandes avanços foram feitos sob o Han em todas as áreas da cultura.

GAOZU ABRAÇOU O CONFUCIONISMO E FEZ DELE A FILOSOFIA EXCLUSIVA DO GOVERNO, ESTABELECENDO UM PADRÃO QUE CONTINUARIA ATÉ OS DIAS ATUAIS.

O Cânone de Medicina do Imperador Amarelo, o primeiro registro escrito da China sobre medicina foi codificado durante a Dinastia Han. O papel foi inventado neste momento e a escrita tornou-se mais sofisticada. Gaozu abraçou o confucionismo e o tornou a filosofia exclusiva do governo, estabelecendo um padrão que continuaria até os dias atuais.

Mesmo assim, ao contrário de Shi Huangdi, ele não legislou filosofia para os outros. Ele praticou a tolerância por todas as outras filosofias e, como resultado, a literatura e a educação floresceram sob seu reinado. Ele reduziu os impostos e dissolveu seu exército, que, no entanto, se reuniu sem demora quando chamado.

Após sua morte em 195 a.C., sua esposa, a imperatriz Lu Zhi (241-180 a.C.), instalou uma série de reis fantoches, começando com o príncipe herdeiro Liu Ying (imperador Hui, r. 195-188 a.C.), que serviu seus interesses, mas ainda continuou suas políticas. Esses programas mantiveram a estabilidade e a cultura, permitindo que o maior dos imperadores Han, Wu Ti (também conhecido como Wu, o Grande, r. 141-87 a.C.), embarcasse em seus empreendimentos de expansão, obras públicas e iniciativas culturais. Ele enviou seu emissário Zhang Qian para o oeste em 138 a.C., o que resultou na abertura oficial da Rota da Seda em 130 a.C.

O confucionismo foi ainda incorporado como a doutrina oficial do governo e Wu Ti estabeleceu escolas em todo o império para promover a alfabetização e ensinar os preceitos confucionistas. Ele também reformou o transporte, as estradas e o comércio e decretou muitos outros projetos públicos, empregando milhões de funcionários públicos nessas empresas. Depois de Wu Ti, seus sucessores, mais ou menos, mantiveram sua visão para a China e desfrutaram de igual sucesso.

Han Dynasty Farm Model
Modelo da Fazenda Han Dynasty
Mark Cartwright (CC BY-NC-SA)

O aumento da riqueza levou à ascensão de grandes propriedades e prosperidade geral, mas, para os camponeses que trabalhavam na terra, a vida tornou-se cada vez mais difícil. Em 9 dC, o regente em exercício, Wang Mang (l. 45 a.C.-23 d.C.), usurpou o controle do governo reivindicando o Mandato do Céu para si mesmo e declarando o fim da Dinastia Han. Wang Mang fundou a Dinastia Xin (9-23 d.C.) em uma plataforma de extensa reforma agrária e redistribuição de riqueza.

Ele inicialmente teve um enorme apoio da população camponesa e foi contestado pelos proprietários de terras. Seus programas, no entanto, foram mal concebidos e executados, resultando em desemprego e ressentimento generalizados. As revoltas e as extensas inundações do Rio Amarelo desestabilizaram ainda mais o governo de Wang Mang e ele foi assassinado por uma multidão furiosa de camponeses em cujo nome ele ostensivamente havia tomado o governo e iniciado suas reformas.

A Queda de Han e a Ascensão da Dinastia Xin

A ascensão da Dinastia Xin terminou o período conhecido como Han Ocidental e seu desaparecimento levou ao estabelecimento do período Han Oriental. O imperador Guangwu (r. 25-57 d.C.) devolveu as terras aos ricos proprietários e restaurou a ordem na terra, mantendo as políticas dos antigos governantes Han ocidentais. Guangwu, ao recuperar terras perdidas sob a Dinastia Xin, foi forçado a gastar grande parte de seu tempo derrubando rebeliões e restabelecendo o domínio chinês nas regiões da atual Coreia e Vietnã.

A Rebelião das Irmãs Trung de 39 d.C. no Vietnã, liderada por duas irmãs, exigiu “dez mil homens ímpares” (de acordo com o registro oficial do estado de Han) e quatro anos para ser derrubada. Mesmo assim, o imperador consolidou seu governo e até expandiu seus limites, proporcionando estabilidade que deu origem a um aumento no comércio e prosperidade. Na época do imperador Zhang (r. 75-88 d.C.), a China era tão próspera que era parceira no comércio com todas as principais nações da época e continuou assim após sua morte. Os romanos sob Marco Aurélio, em 166 d.C., consideravam a seda chinesa mais preciosa que o ouro e pagavam à China qualquer preço que lhe fosse pedido.

As disputas entre a nobreza fundiária e os camponeses, no entanto, continuaram a causar problemas para o governo, como exemplificado nos Cinco Pecks da Rebelião do Arroz (142 d.C.) e na Rebelião do Turbante Amarelo (184 d.C.). Enquanto os Cinco Pecks da Rebelião do Arroz começou como um movimento religioso, acabou envolvendo um grande número da classe camponesa em desacordo com os ideais confucionistas do governo e da elite. Ambas as revoltas foram em resposta à negligência governamental do povo, que piorou à medida que o final da Dinastia Han se tornou cada vez mais corrupto e ineficaz. Os líderes de ambas as rebeliões alegaram que os Han haviam perdido o Mandato do Céu e deveriam abdicar.

O poder do governo para controlar o povo começou a se desintegrar até que uma revolta em grande escala eclodiu em todo o país quando a Rebelião do Turbante Amarelo ganhou impulso. Os generais Han foram enviados para acabar com a rebelião, mas, assim que um enclave fosse esmagado, outro surgiria. A revolta foi finalmente derrubado pelo general Cao Cao (155-220 d.C.). Cao Cao e seu ex-amigo e aliado Yuan-Shao (m. 202 d.C.) então lutaram entre si pelo controle da terra com Cao Cao emergindo vitorioso no Norte.

Cao tentou uma unificação completa da China invadindo o Sul, mas foi derrotado na Batalha de Red Cliffs em 208 d.C., deixando a China dividida em três reinos separados - Cao Wei, Eastern Wu e Shu Han - cada um dos quais reivindicou o Mandato do Céu. Este ficou conhecido como o Período dos Três Reinos (220-280 d.C.), uma época de violência, instabilidade e incerteza que mais tarde inspiraria algumas das maiores obras da literatura chinesa.

Cao Cao, Battle of Red Cliffs
Cao Cao, Batalha de Penhascos Vermelhos
Shizhao (CC BY-SA)

A Dinastia Han era agora somente uma memória enquanto outras dinastias de vida mais curta (como os Wei e Jin, os Wu Hu e os Sui) assumiram o controle do governo por sua vez e iniciaram suas próprias plataformas aos redores de 208-618 d.C. A Dinastia Sui (589-618 d.C.) finalmente conseguiu reunir a China em 589 d.C. A importância da Dinastia Sui está em sua implementação de uma burocracia altamente eficiente que simplificou o funcionamento do governo e levou a uma maior facilidade na manutenção do império. Sob o imperador Wen, e então seu filho, Yang, o Grande Canal foi concluído, a Grande Muralha foi ampliada e porções reconstruídas, o exército foi aumentado para o maior já registrado no mundo naquela época, e a cunhagem foi padronizada em todo o reino.

A literatura floresceu e acredita-se que a famosa lenda de Hua Mulan, sobre uma jovem que toma o lugar de seu pai no exército e salva o país, foi desenvolvido neste momento (embora o poema original é pensado para ter sido composta durante o período norte Wei, 386-535 d.C.). Infelizmente, Wen e Yang não se contentaram com a estabilidade doméstica e organizaram expedições massivas contra a península coreana. Wen já havia levado a falência o tesouro através de seus projetos de construção e campanhas militares e Yang seguiu o exemplo de seu pai e falhou igualmente em suas tentativas de conquista militar. Yang foi assassinado em 618, o que desencadeou a revolta de Li-Yuan, que assumiu o controle do governo e chamou a si mesmo de Imperador Gao-Tzu de Tang (r. 618-626).

A Dinastia Tang

A Dinastia Tang (618-907) é considerada a "era de ouro" da civilização chinesa. Gao-Tzu prudentemente manteve e melhorou a burocracia iniciada pela Dinastia Sui enquanto dispensava operações militares extravagantes e projetos de construção. Com pequenas modificações, as políticas burocráticas da Dinastia Tang ainda estão em uso no governo chinês nos dias de hoje.

NA ÉPOCA DO REINADO DO IMPERADOR XUANZONG (712-756), A CHINA ERA O MAIOR, MAIS POPULOSO E MAIS PRÓSPERO PAÍS DO MUNDO.

Apesar de seu governo eficiente, Gao-Tzu foi deposto por seu filho, Li-Shimin, em 626. Tendo assassinado seu pai, Li-Shimin então matou seus irmãos e outros da casa nobre e assumiu o título de imperador Taizong (r. 626-649). Após o sangrento golpe, no entanto, Taizong decretou que os templos budistas fossem construídos nos locais das batalhas e que os caídos deveriam ser memorizados.

Continuando, e construindo, os conceitos de adoração aos ancestrais e o Mandato do Céu, Taizong reivindicou a vontade divina em suas ações e insinuou que aqueles que ele havia matado eram agora seus conselheiros na vida após a morte. Como ele provou ser um governante notavelmente eficiente, bem como um estrategista e guerreiro militar habilidoso, seu golpe não foi contestado e ele começou a tarefa de governar seu vasto império.

Taizong seguiu os preceitos de seu pai em manter muito do que era bom da Dinastia Sui e melhorá-lo. Isso pode ser visto especialmente no código jurídico de Taizong, que se baseou fortemente nos conceitos de Sui, mas os expandiu para a especificidade do crime e da punição. Ele ignorou o modelo de política externa de seu pai, no entanto, e embarcou em uma série de campanhas militares bem-sucedidas que estenderam e garantiram seu império e serviram para espalhar seu código legal e cultura chinesa.

Taizong foi sucedido por seu filho Gaozong (r. 649-683), cuja esposa, Wu Zetian, se tornaria a primeira - e única - monarca feminina da China. A imperatriz Wu Zetian (r. 690-704) iniciou uma série de políticas que melhoraram as condições de vida na China e fortaleceram a posição do imperador. Ela também fez amplo uso de uma força policial secreta e canais de comunicação altamente eficientes para ficar sempre um passo à frente de seus inimigos, tanto estrangeiros quanto domésticos.

Glazed Tang Dynasty Camel
Camelo da Dinastia Tang envidraçado
James Blake Wiener (CC BY-NC-SA)

O comércio floresceu dentro do império e, ao longo da Rota da Seda, com o Ocidente. Roma agora caída, o Império Bizantino tornou-se um dos principais compradores de seda chinesa. Na época do reinado do imperador Xuanzong (r. 712-756), a China era o maior, mais populoso e mais próspero país do mundo. Devido à grande população, exércitos de muitos milhares de homens poderiam ser recrutados para o serviço e campanhas militares contra nômades turcos ou rebeldes domésticos foram rápidos e bem-sucedidos. A arte, a tecnologia e a ciência floresceram sob a Dinastia Tang (embora o ponto alto das ciências seja considerado a Dinastia Sung posterior de 960-1234) e algumas das peças mais impressionantes da escultura chinesa e da obra de prata vêm desse período.

A Queda de Tang & Ascensão da Dinastia Song

Ainda assim, o governo central não era universalmente admirado e as revoltas regionais eram uma preocupação regular. O mais importante deles foi a Rebelião An Shi (também conhecida como a Rebelião An Lushan) de 755 General An Lushan, um favorito da corte imperial, recuou contra o que ele via como extravagância excessiva no governo. Com uma força de mais de 100.000 soldados, ele se rebelou e declarou-se o novo imperador pelos preceitos do Mandato do Céu.

Embora sua revolta tenha sido derrubada em 763, as causas subjacentes da insurreição e outras ações militares continuaram a atormentar o governo até 779. A consequência mais notória da rebelião de An Lushan foi uma redução dramática da população da China. Estima-se que cerca de 36 milhões de pessoas morreram como resultado direto da rebelião, seja em batalha, em represálias, ou por doença e falta de recursos.

O comércio sofreu, os impostos não foram cobrados e o governo, que havia fugido de Chang'an quando a revolta começou, era ineficaz em manter qualquer tipo de presença significativa. A Dinastia Tang continuou a sofrer revoltas domésticas e, após a Rebelião Huang Chao (874-884), nunca mais se recuperou. O país se separou no período conhecido como As Cinco Dinastias e Dez Reinos (907-960), com cada regime reivindicando legitimidade para si mesmo, até o surgimento da Dinastia Song (também conhecida como Sung).

Chinese Students Taking Civil Service Exams
Estudantes chineses realizando o exames de serviço civil
Yu Ren, Wu Yue (Public Domain)

Com a Canção, a China se tornou estável mais uma vez e instituições, leis e costumes foram posteriormente codificados e integrados à cultura. O neoconfucionismo tornou-se a filosofia mais popular do país, influenciando essas leis e costumes, e moldando a cultura da China conhecida nos dias modernos. Ainda assim, apesar dos avanços em todas as áreas da civilização e da cultura, a luta secular entre os ricos proprietários de terras e os camponeses que trabalhavam naquela terra continuou ao longo dos séculos seguintes.

Revoltas camponesas periódicas foram esmagadas o mais rápido possível, mas nenhum remédio para as queixas do povo foi oferecido, e cada ação militar continuou a lidar com o cerne do problema em vez do problema em si. Em 1949, Mao Tse Tung liderou a revolução popular na China, derrubando o governo e instituindo a República Popular da China na premissa de que, finalmente, todos seriam igualmente ricos.

Remover publicidades

Publicidade

Sobre o tradutor

Yan De Oliveira Carvalho
Yan de Oliveira Carvalho nasceu na cidade do Rio de Janeiro, Brasil. Ele possui um Bacharel em Administração de Empresas pela Universidade Estadual da Pensilvânia. Ele atualmente mora no Rio de Janeiro e trabalha como tradutor Profissional de Inglês, Espanhol e Francês para o Português.

Sobre o autor

Joshua J. Mark
Escritor freelancer e ex-professor de Filosofia no Marist College, em Nova York. Joshua J. Mark viveu na Grécia, na Alemanha, e viajou pelo Egito. Lecionou História, Redação, Literatura e Filosofia em várias universidades.

Citar este trabalho

Estilo APA

Mark, J. J. (2012, Dezembro 18). China Antiga [Ancient China]. (Y. D. O. Carvalho, Tradutora). World History Encyclopedia. Recuperado de https://www.worldhistory.org/trans/pt/1-467/china-antiga/

Estilo Chicago

Mark, Joshua J.. "China Antiga." Traduzido por Yan De Oliveira Carvalho. World History Encyclopedia. Última modificação Dezembro 18, 2012. https://www.worldhistory.org/trans/pt/1-467/china-antiga/.

Estilo MLA

Mark, Joshua J.. "China Antiga." Traduzido por Yan De Oliveira Carvalho. World History Encyclopedia. World History Encyclopedia, 18 Dez 2012. Web. 05 Fev 2023.