Jônia

Definição

Joshua J. Mark
por , traduzido por Jônia Carvalho Diniz
publicado em 28 Junho 2023
Disponível noutras línguas: Inglês, francês, espanhol, Turco
X
Reconstruction of Ancient Priene (by Ancient History Magazine/ Karwansaray Publishers, Copyright)
Reconstrução da antiga Priene
Ancient History Magazine/ Karwansaray Publishers (Copyright)

Jônia era um território no oeste da Anatólia (atual Turquia) povoado pelos jônios (gregos que falavam o dialeto jônico) em c. 1150 a.C. É mais conhecida como o berço da filosofia grega (em Mileto) e o local da Revolta Jônica, que provocou a invasão persa da Grécia em 490 e 480 a.C.

A costa oeste da Anatólia foi povoada por colonos da civilização micênica (c. 1700-1100 a.C.) que, em grande parte, permaneceram perto de vias navegáveis para o comércio. O interior fazia parte do império dos hititas (1400-1200 a.C.) até o colapso da Idade do Bronze (c. 1250 - c. 1150 a.C.), embora seu alcance não se estendesse à área costeira que se tornaria a Jônia. O reino da Frígia surgiu na área após a queda dos hititas, juntamente com a Cária, a Lídia e a Mísia, e esses três últimos controlavam a área desde a foz do rio Hermus, ao norte, até o Maeander, ao sul, que viria a ser conhecida como Jônia.

Remover publicidades
Publicidade

As doze cidades jônicas da região eram:

  • Phocaea
  • Clazômenas
  • Cólofon
  • Teos
  • Lebedeu
  • Éfeso
  • Chios
  • Erétria
  • Samos
  • Priene
  • Myus
  • Mileto

Essas 12 formaram a Liga Jônica, um pacto sociorreligioso, no século 7 a.C., e depois se juntaram a Esmirna. A população da região era diversificada, com gregos eólios ao norte, gregos dórios ao sul e os povos dos reinos de Mísia, Lídia e Cária, que interagiam com os jônios por meio do comércio e de casamentos. Os portos de comércio, estabelecidos pelos micênicos, atraíam comerciantes da Fenícia e da Grécia continental, aumentando a mistura e, acredita-se, proporcionando a atmosfera intelectual fértil que deu origem à primeira revolução científica, iniciada com Tales de Mileto (por volta de 585 a.C.) e desenvolvida por outros filósofos pré-socráticos.

DE ACORDO COM HERÓDOTO, OS JÔNIOS RECEBERAM SEU NOME DE ION, O LENDÁRIO REI DE ATENAS.

Depois que Ciro II (Ciro, o Grande, r. c. 550-530 a.C.) derrotou Creso da Lídia na Batalha de Thymbra, em 547 a.C., a região tornou-se parte do Império Persa Aquemênida e, em 499 a.C., o povo se rebelou na Revolta Jônica (499-493 a.C.), que foi apoiada por Atenas e Erétria. Em retaliação, Dario I (Dario, o Grande, r. 522-486 a.C.) lançou a primeira invasão persa da Grécia em 490 a.C., que foi interrompida na Batalha de Maratona. Seu filho e sucessor Xerxes I (r. 486-465 a.C.) lançou a segunda invasão em 480 a.C., que também foi derrotada.

Remover publicidades
Publicidade

The Regions of Ancient Anatolia
Regiões da Antiga Anatólia
Emok (CC BY-SA)

A Jônia passou a fazer parte do império de Alexandre, o Grande, depois de 335 a.C. e foi disputada por seus generais após sua morte em 323 a.C., com diferentes regiões mudando de mãos a cada novo confronto militar. Por fim, foi controlada principalmente pelo Império Selêucida, que a perdeu para Roma em 189 a.C. e os romanos a colocaram sob o controle da Dinastia Átalida de Pérgamo (também conhecida como Pérgamo). Os jônios continuaram a viver na região durante todo o período romano e até a época do Império Otomano (que assumiu o controle após 1453 d.C.) até os dias atuais, contribuindo para a rica cultura da região.

Nome e História antiga

De acordo com Heródoto (entre 484-425/413 a.C.), os jônios receberam seu nome de Íon, o lendário rei de Atenas, que dividiu o povo em quatro tribos para estabelecer a ordem social. Eles estavam intimamente associados a Atenas, mas se consideravam jônios, não atenienses, embora Heródoto observe como essa afirmação era essencialmente sem sentido:

Remover publicidades
Publicidade

É verdade que eles aderem ao nome 'Jônio' mais do que quaisquer outros jônios, então deixe-os reivindicar serem jônios puros. Na verdade, porém, o nome se aplica a todos que podem rastrear sua origem até Atenas. (Livro I; 147)

Os jônios eram originalmente do Peloponeso, mas, de acordo com Heródoto, Estrabão e Pausânias, foram expulsos pelos aqueus e fugiram para Atenas, onde receberam refúgio. Posteriormente migraram para a Anatólia, estabelecendo-se na fértil região costeira. Heródoto comenta sobre a região e seus colonizadores:

Em termos de clima e tempo, não há região mais justa em todo o mundo conhecido do que onde esses jônios fundaram suas comunidades. Não há comparação entre Jônia e as terras ao norte e ao sul, algumas das quais sofrem com o frio e a chuva, enquanto outras são opressivamente quentes e secas.

Eles não falam exatamente a mesma língua, mas existem quatro dialetos diferentes. Mileto é a comunidade jônica mais ao sul, seguida por Myus e Priene; esses lugares estão localizados em Caria e falam o mesmo dialeto um do outro. Depois, há as comunidades jônicas na Lídia – Éfeso, Colofão, Lebedus, Teos, Clazomenae e Phocaea – que compartilham um dialeto bastante diferente daquele falado nos lugares que já mencionei. Existem mais três comunidades jônicas, duas das quais estão situadas em ilhas (a saber, Samos e Chios), enquanto a outra Erythrae fica no continente. (Livro I; 142)

Ephesus terrace houses: Mosaics and Art
Casas do terraço de Éfeso: Mosaicos e arte
Ronnie Jones III (CC BY-NC-SA)

A Liga Jônica foi formada por essas doze cidades como uma expressão de crenças culturais comuns que eram celebradas anualmente no Festival Paniônico realizado no templo conhecido como Panionium, que era dedicado a Poseidon. A Liga Jônica nunca foi uma aliança política ou militar, mas sim um reconhecimento de crenças e história compartilhadas. O Festival Paniônico pode ser comparado a uma grande reunião familiar anual em que os participantes reconhecem um vínculo comum, mas não necessariamente se dão bem ou se envolvem socialmente de outra forma.

Remover publicidades
Publicidade
OS JÔNIOS PARECEM TER CRIADO UM PASSADO E UMA IDENTIDADE PARA SI MESMOS E, SENDO ASSIM, NÃO ESTAVAM TÃO LIGADOS A ENTENDIMENTOS E PRÁTICAS TRADICIONAIS QUANTO OUTROS POVOS.

Conforme observado, sabe-se que os jônios estão na região desde cerca de 1150 a.C., mas não há registros de sua história até o século VIII a.C., quando são mencionados por Homero. Eles entram no registro histórico da Anatólia no Período Arcaico (século VIII até 480 a.C.) quando, após estabelecerem suas cidades, exploraram a região e algumas cidades, como Mileto, fundaram colônias. As cidades-estado jônicas estavam florescendo no comércio local e de longa distância no século VII a.C., quando o rei Gyges da Lídia (r. c. 680-645 a.C.) conquistou Colofão e Mileto e preparou o terreno para outras incursões lídias.

Lydia e a Revolução Científica

A Jônia foi completamente conquistada por Creso da Lídia (r. 560-546 a.C.), cujos antecessores haviam dado continuidade às políticas de Gyges para a região. Heródoto observa:

Os efésios foram os primeiros gregos atacados por Creso, mas depois ele atacou todas as cidades jônicas e eólias, uma a uma. Ele sempre apresentava motivos diferentes para fazer isso; contra algumas, ele conseguia apresentar acusações mais sérias, acusando-as de assuntos mais graves, mas em outros casos ele apresentava até mesmo acusações triviais. (Livro I.26)

Mesmo assim, Creso não era um tirano e permitia às cidades-estados jônicas uma autonomia significativa. Ele também contribuiu para obras públicas nas cidades, sendo a mais famosa a sua doação para a reconstrução do Templo de Ártemis em Éfeso. A Jônia continuou, pelo menos em espírito, como a região independente que sempre foi, uma espécie de reimaginação de um passado coletivo que permitia maior liberdade de pensamento e expressão. Isso é sugerido por suas reivindicações em relação ao lendário Ion como seu ancestral e a si mesmos como "verdadeiros jônios", já que, como Heródoto observou, qualquer pessoa descendente de linhagem ateniense era um jônio e não havia base histórica para Ion. Os jônios parecem ter criado um passado e uma identidade para si mesmos e, sendo assim, não estavam tão ligados a entendimentos e práticas tradicionais quanto outros povos.

Remover publicidades
Publicidade

Red-Figure Depiction of Croesus
Representação de Creso em figura vermelha
Marco Prins (Public Domain)

Acredita-se que isso tenha dado origem à revolução científica que começou no século VI a.C. em Mileto. O termo "revolução científica", nesse caso, deve ser entendido como o advento do pensamento crítico a respeito da criação do mundo e de como ele funcionava. Naquela época, acreditava-se que o cosmo havia sido criado por deuses antropomórficos que interagiam diariamente com os seres humanos na Terra. Se um riacho ou rio fluía de determinada maneira, era porque os deuses haviam determinado isso, assim como eles tinham a forma de uma árvore, e seus problemas e conflitos criavam a forma de montanhas, vales e o curso das estações.

Tales de Mileto afirmava que nenhum desses aspectos do mundo conhecido era necessariamente obra dos deuses, mas ocorria naturalmente e, se assim fosse, sua causa poderia ser conhecida. Ele foi o primeiro filósofo grego a afirmar que existe uma Causa Primeira - o "material" básico do universo - que fornece a forma subjacente aos fenômenos observáveis e até mesmo invisíveis. Ele concluiu que essa Primeira Causa era a água porque ela podia mudar de forma (tornando-se vapor ou gelo) e, ao mesmo tempo, permanecer essencialmente inalterada. O vapor é apenas água rarefeita; o gelo é água quando congelada.

Tales trocou "os deuses" por "energias" e expressa "energia" como "alma" (anima), pois qualquer coisa que se mova deve ter alguma "fonte de energia" que permita esse movimento e essa energia ocorre naturalmente, não é um presente sobrenatural dos deuses. Tales estudou na Babilônia e, de acordo com alguns estudiosos, desenvolveu suas ideias a partir da religião babilônica e egípcia, enquanto, de acordo com outros, ele foi um pensador original. No entanto, ele concluiu pela primeira vez que o funcionamento do mundo poderia ser conhecido por meio da observação e da experimentação e inspirou os filósofos pré-socráticos da Jônia e de outros lugares a seguirem seu exemplo.

Bias of Priene
Bias de Priene
Mark Cartwright (CC BY-NC-SA)

Pérsia e a Revolta Jônica

Tales servia no exército lídio como engenheiro quando Creso, interpretando erroneamente a mensagem do Oráculo de Delfos, que significava que ele conquistaria o Império Aquemênida, lançou a campanha que o levou à derrota. Creso lutou contra Ciro II e empatou na Batalha de Pteria e depois se retirou para se desmobilizar para o inverno em 547 a.C., mas Ciro II ignorou as regras tradicionais de guerra e marchou contra Creso em Sardes, a capital da Lídia, derrotando o exército lídio na Batalha de Thymbra e tomando a Lídia, incluindo a Jônia, como parte de seu império. Heródoto descreve a reação da Jônia à derrota da Lídia:

A primeira coisa que os jônios e os eólios fizeram depois que os lídios foram derrotados pelos persas foi enviar uma delegação a Ciro em Sardes, pois queriam que os termos de sua sujeição a ele fossem os mesmos que haviam sido com Creso. Ciro ouviu as sugestões da delegação e depois lhes contou uma história. Certa vez, um tocador de flauta viu alguns peixes no mar, disse ele, e tocou sua flauta na esperança de que eles saíssem para a praia. Suas esperanças não deram em nada, então ele pegou uma rede, jogou-a sobre um grande número de peixes e os puxou para dentro. Quando viu os peixes se agitando, disse a eles: 'Não adianta dançar agora, porque vocês não quiseram sair para dançar quando toquei minha flauta'. O motivo pelo qual Ciro contou essa história aos jônios e eólios foi que os jônios haviam de fato se recusado a ouvir Ciro antes, quando ele enviou uma mensagem pedindo que se levantassem contra Creso, mas agora que a guerra havia terminado e sido vencida, eles estavam prontos para fazer o que ele queria... Quando sua mensagem chegou aos jônios nas cidades, todos construíram muros defensivos e se reuniram no Panionium - todos eles, isto é, exceto os milésios, que foram os únicos cujo tratado com a Lídia Ciro renovou. (Livro I; 141)

Ciro ofereceu às cidades-estados jônicas a mesma autonomia, se não maior, do que a de Creso, mas isso dependia das políticas do sátrapa (governador) individual colocado sobre cada cidade. Em 499 a.C., Histiaeus (falecido em 493 a.C.), sátrapa de Mileto, foi convidado por Dario I para ir à sua capital em Susã como conselheiro (e para estabelecer sua lealdade) e o genro de Histiaeus, Aristágoras (falecido em 496 a.C.), tornou-se sátrapa temporário até o retorno de Histiaeus. No mesmo ano, uma delegação de cidadãos de Naxos, que haviam sido privados de seus direitos, procurou Aristágoras pedindo ajuda militar para se reestabelecerem e Aristágoras, vendo como isso poderia beneficiá-lo, levou a ideia a Artaférnes, irmão de Dario I, que então recebeu a aprovação de Dario I.

The Greek City-states c. 500 BCE
As cidades-estado gregas c. 500 a.C.
Simeon Netchev (CC BY-NC-SA)

A campanha foi lançada com o almirante persa Megabates (primo de Artaférnes) no comando da frota persa e Aristágoras comandando os jônios. Depois de uma briga entre os dois, Megabates enviou um aviso a Naxos sobre a invasão iminente e, quando a frota chegou, a ilha estava bem fortificada e preparada para resistir a um longo cerco. Após meses de esforços inúteis para reduzir Naxos, a invasão foi cancelada e Aristágoras, temendo ser substituído como governante, decidiu se revoltar contra os persas. De acordo com Heródoto, ele foi incentivado por Histiaeus, que esperava que uma revolta o levasse de volta ao poder em Mileto.

Os jônios, com o apoio de Atenas e Eretria, lançaram sua ofensiva em 498 a.C., queimando Sardes, que havia se tornado a capital da satrapia do antigo Reino da Lídia. Os persas montaram uma contraofensiva, derrotando os gregos na Batalha de Éfeso e continuando a pressionar sua vantagem até que a revolta foi reprimida em 493 a.C. Histiaeus foi executado por Artaphernes, e Aristágoras fugiu para a Trácia, onde foi morto em uma batalha.

Alexandre e os Romanos

Os persas restabeleceram o controle sobre a região, mas o perderam após a derrota na Batalha de Maratona, em 490, depois da Primeira Invasão Persa da Grécia. A Jônia então se aliou à Liga Deliana de Atenas contra os persas até que Atenas perdeu a Segunda Guerra do Peloponeso em 404 a.C., quando ficou sob o controle de Esparta e depois retornou ao domínio aquemênida. As cidades-estados jônicas caíram nas mãos de Alexandre, o Grande, em sua conquista da Pérsia em 335 a.C. e, após sua morte, foram disputadas por seus generais nas Guerras dos Diadochi ("sucessores") até se tornarem parte do Império Selêucida sob o comando de Seleuco I Nicator (r. 305-281 a.C.).

Library of Celsus, Ephesus
Biblioteca de Celsus, Éfeso
Mark Cartwright (CC BY-NC-SA)

Assim como aconteceu com Creso e os aquemênidas, a Jônia manteve um grau de autonomia sob os selêucidas e o povo continuou com as mesmas tradições e adorando os mesmos deuses de antes. Quando a autoridade selêucida começou a diminuir, o rei Antíoco III (O Grande, r. 223-187 a.C.) fez campanha por todo o império, reprimindo revoltas, inclusive na Ásia Menor (Anatólia). Roma já era uma potência significativa nessa época após a Segunda Guerra Púnica (218-202 a.C.) e Antíoco III, acreditando que poderia impedir a expansão romana, enfrentou-os na Batalha de Magnésia em 190 a.C., onde foi derrotado. O resultado do Tratado de Apameia, de 188 a.C., deu a Jônia a Roma, que a colocou sob o controle da dinastia atálida da Anatólia em Pérgamo.

Conclusão

Jônia permaneceu sob o domínio dos Átalidas até 129 a.C., quando Eumenes II, um pretendente ao trono dos Átalidas, liderou uma revolta que foi rapidamente esmagada e, posteriormente, a região foi anexada junto com o restante da Anatólia como a Província Romana da Ásia. Sob o domínio dos Átalidas, foi criada a Biblioteca de Pérgamo, o mais famoso centro intelectual da época depois da Biblioteca de Alexandria, no Egito, e, sob o domínio romano, a Biblioteca de Celsus foi construída em Éfeso entre 114 e 117 d.C.

A Biblioteca de Celsus e outros monumentos e obras públicas construídos durante esse período continuaram a tradição de longa data da autoridade reinante de contribuir para melhorias culturais na região. No caso da biblioteca, ela foi encomendada por Tiberius Julius Acquila em homenagem a seu pai. Esse paradigma foi seguido por outros que ergueram monumentos na região durante e após o período romano.

Os gregos jônicos sobreviveram ao Império Romano do Ocidente e depois ao Império Bizantino, que caiu em 1453 d.C., e até mesmo ao Império Otomano, que controlou a região até 1922. Os descendentes dos jônios ainda vivem na mesma área nos dias de hoje e mantêm o mesmo espírito livre de investigação como seus ancestrais. Desde que os antigos locais jônicos foram escavados no final do século XIX, eles se tornaram uma atração turística permanente. Éfeso se tornou Patrimônio Mundial da UNESCO em 2015 e o trabalho continua atualmente na região, cuja história está entre as mais fascinantes do mundo.

Remover publicidades
Publicidade

Perguntas e respostas

Onde ficava a antiga Jônia?

A antiga Jônia é hoje a costa oeste da Turquia, ao norte e ao sul de Izmir.

Por que Jônia era chamada de Jônia?

Jônia recebeu seu nome dos gregos jônicos que colonizaram a costa oeste da Anatólia (Ásia Menor, atual Turquia). Seu nome vem de Ion, um lendário rei de Atenas.

Pelo que Jônia é famosa?

Jônia é famosa pela revolução científica do século VI a.C., que lançou os filósofos pré-socráticos, e pela Revolta Jônica de 499 a 493 a.C., que provocou as invasões persas da Grécia em 490 e 480 a.C., consideradas fundamentais para a definição da civilização ocidental.

Quando Jônia foi colonizada pela primeira vez pelos gregos jônicos?

Jônia foi colonizada pela primeira vez pelos gregos jônicos por volta de 1150 a.C., no final do colapso da Idade do Bronze.

Sobre o tradutor

Jônia Carvalho Diniz
Jônia Diniz é tradutora certificada com formação em inglês, francês e espanhol. Mora no Brasil. Entusiasta da História.

Sobre o autor

Joshua J. Mark
Joshua J. Mark é cofundador e diretor de conteúdo da World History Encyclopedia. Anteriormente, foi professor no Marist College (NY), onde lecionou história, filosofia, literatura e redação. Ele viajou bastante e morou na Grécia e na Alemanha.

Citar este trabalho

Estilo APA

Mark, J. J. (2023, Junho 28). Jônia [Ionia]. (J. C. Diniz, Tradutor). World History Encyclopedia. Obtido de https://www.worldhistory.org/trans/pt/1-331/jonia/

Estilo Chicago

Mark, Joshua J.. "Jônia." Traduzido por Jônia Carvalho Diniz. World History Encyclopedia. Última modificação Junho 28, 2023. https://www.worldhistory.org/trans/pt/1-331/jonia/.

Estilo MLA

Mark, Joshua J.. "Jônia." Traduzido por Jônia Carvalho Diniz. World History Encyclopedia. World History Encyclopedia, 28 Jun 2023. Web. 17 Jun 2024.