Rafael

Definição

Mark Cartwright
por , traduzido por Ellen Pastorino
publicado em 21 Agosto 2020
Disponível noutras línguas: Inglês, holandês, francês, italiano, espanhol
X
Madonna della Sedia by Raphael (by Raphael, Public Domain)
Madonna della Seggiola por Rafael
Raphael (Public Domain)

Rafael (1483-1520) foi um pintor e arquiteto italiano que é considerado um dos maiores artistas da Renascença ao lado de Michelangelo (1475-1564) e Leonardo da Vinci (1452-1519). As obras de Rafael são celebradas por sua composição harmoniosa e coloração vibrante. A pintura Casamento da Virgem e o mural da Escola de Atenas são considerados seus maiores triunfos.

Em sua curta vida, Rafael criou um enorme catálogo de obras-primas na arte da pintura a óleo, afresco e arquitetura, enquanto algumas de suas criações também foram convertidas em tapeçarias. Em seus trabalhos posteriores, Rafael foi um pioneiro do novo estilo artístico chamado Maneirismo, onde a elegância antinatural substituiu a inspiração no Clássico e ordenou a grandeza do Alto Renascimento.

Remover publicidades
Publicidade

Juventude

Sabendo-se que há poucos detalhes conhecidos sobre a vida do artista e sem um retrato fiel sobrevivente, as gerações futuras foram obrigadas a conhecer Rafael apenas por suas obras. Felizmente, é por meio desses trabalhos e registros de comissões e cartas que somos capazes de acompanhar sua deslumbrante carreira de uma cidade para outra ao estabelecer-se como um dos artistas mais amados e influentes da Renascença.

RAFAEL ESTAVA FREQUENTEMENTE INTERESSADO EM CRIAR UMA SENSAÇÃO DE ESPAÇO, HARMONIA GEOMÉTRICA & DRAMA FÍSICO EM SUAS OBRAS.

Rafael, nome completo Raffaello Sanzio da Urbino, nasceu em Urbino, na região das Marcas, na Itália, em 1483. Seu pai foi Giovanni Santi (morto 1494), pintor de pouco renome na corte de Urbino. Muito provavelmente, o jovem estudou com seu pai e depois com o artista Timoteo Viti da Urbino. Rafael trabalhou em Perugia desde 1499 sob a tutela do célebre artista Pietro Perugino (c. 1450-1523) cuja obra incluía afrescos na Capela Sistina em Roma. Perugino estava frequentemente interessado em criar um senso de espaço em suas obras e esta abordagem seria adotada por seu aluno, conforme visto em sua pintura O Casamento da Virgem (veja abaixo), concluída por volta de 1504.

Remover publicidades
Publicidade

Pope Julius II by Raphael
Papa Júlio II por Rafael
National Gallery, London (Public Domain)

Mudança para Florença

Rafael se mudou para Florença em 1504, e nos quatro anos seguintes, ele se familiarizou com as obras dos grandes artistas do período, como Michelangelo e Leonardo da Vinci. Em uma leitura das relações, por vezes desgastantes, entre artistas renascentistas, Michelangelo teve pouco tempo para Rafael e o acusou de roubar suas ideias do teto da Capela Sistina. Talvez fosse verdade que Rafael começou a incorporar uma certa monumentalidade clássica em suas obras e tentou pintar figuras com poses mais dramáticas e complexas, sendo tudo isso uma marca registrada de Michelangelo. Outra forte influência veio do pintor Fra Bartolommeo (c. 1472-1517) que também era um monge dominicano e acreditava na importância da arte religiosa. Foi nesta época que Rafael produziu obras como a Madona Ansidei, La Madonna del Granduca, Madona del Prato, Santa Catarina de Alexandria e O Entombre de Cristo (veja abaixo).

Roma: O Grande Pintor de Afresco

A partir de 1508, o artista finalmente se estabeleceu em Roma, e foi lá que começou uma de suas obras mais famosas: os afrescos para os aposentos papais, mais conhecidos como Stanze della Segnatura, no Palácio do Vaticano. Estes afrescos foram encomendados pelo Papa Júlio II (pontífice entre 1503 e 1513) e foram concluídos em 1516. Hoje, o afresco mais famoso é A Escola de Atenas (veja abaixo), que mostra os eminentes filósofos, astrônomos e matemáticos da antiguidade. Júlio II deve ter ficado satisfeito com os resultados porque encarregou Rafael de fazer mais afrescos no palácio, o que ele fez entre 1511 e 1514. Uma das seções mais admiradas por seu colorido é a Missa de Bolsena. Agora estabelecido como um dos principais artistas da Renascença, Rafael era muito procurado. Ele fez desenhos preparatórios e desenhos animados para as tapeçarias da Capela Sistina e entre 1511 e 1513, pintou uma série de afrescos sobre temas mitológicos para a Villa Farnesina (antiga Villa Chigi) em Roma. Um desses afrescos, o Triunfo de Galateia, apresenta uma ninfa, cujo nome ilustra perfeitamente a preocupação de Rafael em mostrar a ordem e a harmonia geométrica da natureza. O historiador E. F. Price resumiu-o da seguinte forma:

Remover publicidades
Publicidade

A cabeça da Galateia está no ápice do triângulo.O horizonte divide a pintura em duas partes iguais, entrelaçadas por círculos que se entrelaçam em harmonia musical; os três cupidos delimitam a circunferência no círculo superior; as figuras ao redor de Galateia marcam a circunferência inferior. No centro racional da natureza está um belo ser humano.
(p. 104)

Galatea by Raphael
O Triunfo de Galateia por Rafael
VivaItalia1974 (CC BY-SA)

Retrato e Projetos Arquitetônicos

Rafael não estava de forma alguma limitado apenas a pintar paredes e suas pinturas deste período incluem a Madona Sistina (c. 1512). O artista continuou a receber comissões, especialmente por retratos, e estes incluem sua representação influente e íntima do Papa Júlio II, feita por volta de 1512, agora na National Gallery, Londres, assim como o retrato do cortesão Balthasar Castiglione (c. 1514) agora no Louvre em Paris (veja abaixo). Além disso, Rafael combinou em um único quadro dois escritores venezianos no retrato de Navagero e Beazzano, agora na Galleria Doria Pamphili, em Roma. Alguns historiadores de arte acreditam que La Fornarina (A Pequena Padeira), que foi pintada por volta de 1518, retrata a mulher com quem Rafael estava romanticamente envolvido, uma ideia sugerida pela assinatura da artista na pulseira que ela usa ao redor de seu braço. Esta pintura está agora na Galeria Nacional de Arte Antiga, em Roma.

EM SEUS PROJETOS ARQUITETÔNICOS RAFAEL INVERTEU DELIBERADAMENTE A DISPOSIÇÃO CONVENCIONAL & FUNCIONAL DAS COLUNAS, NICHOS & FRONTÕES CLÁSSICOS.

Como muitos grandes homens da Renascença, Rafael se dedicava frequentemente à arquitetura. Além disso, em 1514 o artista foi solicitado a elaborar planos para a Basílica de São Pedro em Roma, um projeto que acabou atraindo um grande número de artistas renascentistas. Este foi o início de uma relação benéfica com o Papa Leão X (pontífice entre 1513 e 1521) que considerava Rafael como um dos artistas vivos mais importantes. A boa relação que existia entre essas duas figuras talvez explique a ideia comum, embora errônea, de que Rafael foi nomeado superintendente de antiguidades, um cargo de prestígio na Cidade do Vaticano. Rafael também empreendeu obras em outros edifícios como a Villa Madama (que nunca foi concluída), a capela Chigi e a igreja Sant'Eligio degli Orefici, todas em Roma. A partir de 1517, Rafael viveu em Roma em um clássico edifício renascentista, o Palazzo Caprini, conhecido informalmente como a "Casa de Rafael", que foi projetado por Donato Bramante (c. 1444-1514). O último projeto arquitetônico de Rafael foi o Palazzo Bronconio dell'Aquilla (atualmente destruído), cuja rica decoração exterior e a deliberada mistura de disposição convencional e funcional das colunas, nichos e frontões se tornariam os primeiros indicadores do novo estilo, o Maneirismo.

A demanda pelo trabalho de Rafael era tão grande que ele criou uma grande oficina onde os trabalhos em andamento eram supervisionados e às vezes terminados por assistentes como um de seus ex-alunos, Giulio Romano (c. 1499-1546), ele próprio um notável pintor e arquiteto. Esta política do artista grandioso mas sobrecarregado certamente tem mantido os historiadores de arte ocupados desde então. Rafael também se interessou muito pela preservação da arte e pediu aos Papas que fizessem mais para proteger a rica herança de Roma da antiguidade. Rafael também planejou criar um mapa detalhado de todos os locais antigos de Roma, mas isto nunca se concretizou.

Remover publicidades
Publicidade

Sem nunca descansar de seu trabalho, os últimos anos de Rafael em Roma o viram produzir obras-primas como as pinturas Santa Cecília e a celebração do amor materno que é A Madonna della Sedia, criada por volta de 1514 e que agora reside na Galeria Uffizi em Florença. Quando morreu após uma curta doença na Sexta-feira Santa 1520, o artista ainda estava trabalhando, entre vários outros projetos inacabados, na Transfiguração, encomendada pelo Cardeal Giulio de' Medici (mais tarde Papa Clemente VII, r. 1523-1534) para a catedral de Narbonne, na França. Como muitos dos trabalhos posteriores de Rafael, a Transfiguração foi concluída por um assistente em sua oficina, muito provavelmente por Giulio Romano. Quando concluída, a Transfiguração foi colocada acima do túmulo do artista, no Panteão de Roma.

Legado

O trabalho de Rafael foi muito apreciado durante sua vida, e muito em breve as peças se encontraram em coleções particulares, especialmente na França. A fama do artista se espalhou por toda parte graças às gravuras feitas de suas obras-primas, especialmente aquelas feitas por Marcantonio Raimondi (morto por volta de 1534), as quais os artistas em outros lugares, particularmente na Holanda, podiam então estudar. Os registros das obras do mestre já eram apreciados como significativos no desenvolvimento da arte ocidental por figuras notáveis como Albrecht Dürer (1471-1528), entre outras, que se ofereceu para trocar uma carteira de seus próprios esboços para adquirir representações de Rafael. Em especial, foram feitos desenhos detalhados dos afrescos de Rafael no Vaticano e distribuídos para aqueles incapazes de admirá-los pessoalmente, enquanto seus Atos dos Apóstolos eram copiados para que as imagens pudessem ser reproduzidas em tapeçarias belgas.

Por sua monumentalidade, movimento ousado das figuras e a ilusão cuidadosamente criada de espaço e harmonia de composição, todas as obras de Rafael foram estudadas e copiadas. Desde então, influenciado outros pintores, especialmente os mestres flamengos. Alguns críticos de arte moderna consideram seu trabalho "muito sentimental" para seu gosto, mas tal foi a contribuição de Rafael para a arte ocidental que para muitos historiadores, sua morte tem sido o evento que marca o fim da Alta Renascença.

Remover publicidades
Publicidade

The Marriage of the Virgin by Raphael
O Casamento da Virgem por Rafael
Raphael (CC BY-NC-SA)

Obras-primas

Casamento da virgem

O quadro Casamento da Virgem foi concluído por volta de 1504. É uma pintura a óleo sobre painel medindo 117 x 118 centímetros. Ele mostra o momento em que Maria e José trocam alianças de casamento, o que demonstra perfeitamente o forte interesse de Rafael em colocar suas figuras harmoniosamente dentro de uma perspectiva definida. Graças às linhas que convergem no pavimento e aos degraus no meio, o olhar do espectador é irresistivelmente atraído para a porta central da igreja, que se abre ao fundo. A igreja é desenhada precisamente como se fosse um plano arquitetônico e sua cúpula simétrica contrasta com a sugestiva disposição semicircular das figuras em primeiro plano. Satisfeito com seu trabalho, o artista colocou seu nome e o ano de execução no arco central da igreja. Hoje a pintura está na Pinacoteca di Brera, em Milão.

The Entombment by Raphael
A Deposição por Rafael
aiwaz.net (Public Domain)

A Deposição de Cristo

A Deposição do Corpo de Cristo (também conhecida por Deposição Borghese ou Deposição Baglioni), foi encomendado pela Atalanta Baglione de Perugia para homenagear a morte de seu filho Federico, apelidado de Grifonetto. A cena retrata um grupo de figuras dispostas ao redor do corpo inerte de Jesus Cristo logo após ele ter sido retirado da cruz. Maria Madalena inclina-se sobre Jesus, enquanto as outras figuras estão dispostas de modo a criar um movimento que parece distanciá-las das figuras centrais. A torção do corpo de Jesus e a tensão tangível nos músculos dos dois homens que o seguram dão a impressão de que eles estão participando da cena em andamento. A imagem inteira é como uma alusão ao resgate do sarcófago romano que representa a morte de Meleagro, cuja mãe foi apropriadamente chamada Atalanta. Outra conexão real entre as duas histórias é que Meleagro e Grifonetto foram mortos por seus parentes em um ato de vingança. Este trabalho é pintado em painel e foi concluído em 1507; agora está na Galleria Borghese em Roma.

Baldassare Castiglione by Raphael
Baldassare Castiglione por Rafael
Elsa Lambert (Public Domain)

Baldassare Castiglione

O famoso cortesão, diplomata e autor Baldassare Castiglione encarregou Rafael de pintar seu retrato c. 1514 e o resultado é uma das obras mais célebres do artista deste gênero. O óleo sobre tela captura o conhecido caráter de Baldassare, como aqui descrito pelo historiador de arte J. T. Paoletti:

Castiglione olha o espectador silenciosamente mas intensamente através dos olhos azuis prateados, sua total compostura e autoconfiança se manifestam em suas mãos firmemente apertadas enquanto ele gira suavemente no eixo para responder à presença do espectador. Tal como era a moda cortesã no século XVI, ele se vestia discretamente mas utilizava um luxuoso veludo preto, de pelos prateados e seda branca. Nada - nem uma cadeira, nem uma janela, nem uma inscrição distrai de sua visão mal iluminada, um ideal subestimado, sofisticado e inteligente. (414-5)

Escola de Atenas

Feito em 1511, o afresco Escola de Atenas fica no Stanze della Segnatura do Palácio do Vaticano em Roma (que na época era usado como biblioteca) e tem 5,79 metros de altura. Rafael pintou a sala inteira de forma a dar a ilusão de distância, mas na realidade as paredes são planas. Este afresco é dominado pelas figuras centrais de Platão e Aristóteles, o primeiro segurando uma cópia de seu 'Timeu' e apontando seu dedo em direção ao céu, e o segundo segurando sua ‘Ética’ e apontando seu dedo para baixo, cada gesto indicando o foco do pensamento filosófico dos dois. A imagem contém, a grosso modo, todos os importantes pensadores da antiguidade, aparentemente empenhados em debater a natureza do universo do ponto de vista do homem, embora algumas figuras como Pitágoras e Arquimedes estejam escrevendo freneticamente. Até mesmo Rafael está presente, o jovem olha diretamente para o espectador ao lado da figura de Ptolomeu segurando um globo.

The School of Athens by Raphael
A Escola de Atenas, por Rafael
Raphael (Public Domain)

É significativo, na parede oposta da sala está A Disputa do Sacramento, também de Rafael, que é outro afresco representando a figura de Deus acompanhado de anjos e rodeado de santos, todos pairando sobre um grupo de teólogos proeminentes envolvidos em uma cena de debate semelhante à dos filósofos. Os dois afrescos incorporam uma das questões da Renascença, como conciliar o conhecimento científico do homem, muitas vezes obtido por pensadores pagãos, com a Fé Cristã.

Remover publicidades
Publicidade

Sobre o tradutor

Ellen Pastorino
Ellen Pastorino é estudante de Jornalismo na Universidade Federal do Rio de Janeiro.

Sobre o autor

Mark Cartwright
Mark é autor, pesquisador, historiador e editor em tempo integral. Seus principais interesses incluem arte, arquitetura e descobrir as ideias que todas as civilizações compartilham. Ele possui mestrado em Filosofia Política e é diretor editorial da WHE.

Citar este trabalho

Estilo APA

Cartwright, M. (2020, Agosto 21). Rafael [Raphael]. (E. Pastorino, Tradutor). World History Encyclopedia. Obtido de https://www.worldhistory.org/trans/pt/1-19093/rafael/

Estilo Chicago

Cartwright, Mark. "Rafael." Traduzido por Ellen Pastorino. World History Encyclopedia. Última modificação Agosto 21, 2020. https://www.worldhistory.org/trans/pt/1-19093/rafael/.

Estilo MLA

Cartwright, Mark. "Rafael." Traduzido por Ellen Pastorino. World History Encyclopedia. World History Encyclopedia, 21 Ago 2020. Web. 26 Mai 2024.