Átila, o Huno

Definição

Joshua J. Mark
por , traduzido por Mateus José Aleixo Miranda
publicado em 19 Março 2018
X
translations icon
Disponível noutras línguas: Inglês, francês, húngaro, espanhol
Attila the Hun Model (by Peter D'Aprix, CC BY-SA)
Modelo de Átila, o Huno
Peter D'Aprix (CC BY-SA)

Átila, o Huno (reinando de 434-453 d.C.) foi o líder do antigo povo nômade conhecido como os hunos e governante do Império Huno, o qual fundou. O seu nome significa "Pequeno Pai" e, segundo alguns historiadores, pode não ter sido o seu nome de nascimento, mas "um termo de afeto e respeito conferido aquando da sua ascensão" (Man, 159). Esse nome era sinônimo de terror entre os seus inimigos e a população em geral dos territórios que os seus exércitos dizimavam.

As incursões de Átila nas regiões da Germânia levaram as populações a atravessar as fronteiras do Império Romano do Ocidente e contribuíram para o seu declínio no final do século V d.C. O afluxo dos visigodos, em particular, e a sua posterior revolta contra Roma, é considerado um fator significativo que contribuiu para a queda de Roma. A vitória dos visigodos sobre os romanos na Batalha de Adrianópolis, em 378 d.C., foi um acontecimento do qual os militares romanos nunca se recuperaram totalmente. Além disso, essa vitória encorajou os hunos a juntarem-se aos visigodos (seus antigos adversários) para saquear os territórios romanos. A aparente fraqueza de Roma encorajou Átila, assim que se tornou líder dos hunos, a fazer e a quebrar tratados (como o Tratado de Margo em 439 d.C.) sem receio de consequências, e a sua destruição em larga escala de cidades e vilas romanas encontrou pouca ou nenhuma resistência na maior parte dos casos, tornando claro que o exército romano já não era o modelo de força de combate imbatível que havia sido em tempos áureos.

Remover publicidades
Advertisement
ÁTILA ERA UM BRILHANTE CAVALEIRO E LÍDER MILITAR, E MANTEVE O SEU IMPÉRIO UNIDO ATRAVÉS DA FORÇA DA SUA PERSONALIDADE INDIVIDUAL.

A capacidade de Átila para comandar um vasto exército de guerreiros (muitas vezes composto por diferentes tribos, como os alanos, os alemanos e os ostrogodos) contrastava também com os generais romanos do seu tempo, que tinham dificuldade em manter sob controle os seus contingentes não romanos (como se pode ver claramente na campanha do general romano Litorius contra os godos, em 439 d.C., em que não conseguiu impedir os seus aliados hunos de invadir as regiões por onde passavam). Átila era um brilhante cavaleiro e líder militar, possuía uma presença dominante e manteve o seu império unido através da força da sua personalidade individual. Não só transformou os hunos na força de combate mais eficaz da época, como também construiu um vasto império a partir de praticamente nada em menos de dez anos. No seu apogeu, esse império estendia-se desde a Ásia Central até a atual França e ao Vale do Danúbio. Após a sua morte, em 453 d.C., os seus filhos tentaram manter o império unido mas não conseguiram, enfim desmoronando-se em 469 d.C.

Início da vida e ascensão ao poder

A data e o local de nascimento de Átila são desconhecidos. O historiador Peter Heather registra:

Remover publicidades
Advertisement

A nossa ignorância sobre os hunos é espantosa. Nem sequer é claro que língua falavam. A maior parte das provas linguísticas de que dispomos são nomes pessoais - governantes húnicos e seus vassalos - do tempo de Átila. Mas, nessa altura, o germânico tinha-se tornado a língua franca do Império Huno e muitos dos nomes registados são certamente ou provavelmente germânicos. O iraniano, o turco e o finlandês-úgrico (como os magiares posteriores) seriam seus possíveis proponentes [da língua dos hunos], mas a verdade é que não sabemos que língua os hunos falavam e provavelmente nunca saberemos. As provas diretas de que dispomos sobre as motivações e formas da migração huna são igualmente limitadas. De acordo com [o escritor antigo] Amiano, não havia nada que explicasse "a origem e a semente de todos os males: o povo dos hunos que habita para lá do Mar de Azove, perto do oceano gelado, e que é anormalmente selvagem". Eram tão ferozes que era natural que andassem por aí a bater nas pessoas. Imagens semelhantes da ferocidade húnica encontram-se noutras fontes (209).

Attila the Hun [Artist's Impression]
Átila, o Huno (representação do artista)
Conifer Games (Copyright)

Embora, atualmente, o nome da sua mãe seja por vezes dado como Hungysung Vladdysurf, o seu nome não é conhecido e é considerado uma invenção recente. O nome do seu pai era Mundíuco e o seu tio, Rugila (também conhecido como Rua ou Ruga), era rei dos hunos. Quando jovem, Átila e o seu irmão mais velho, Bleda (também conhecido como Buda), aprenderam a atirar com arco, a montar e a tratar de cavalos e a lutar. Também lhes foi ensinado latim e gótico para poderem negociar com os romanos e os godos. No entanto, os historiadores estão divididos quanto ao que se pode dizer com certeza sobre os primeiros anos de Átila, e alguns (como John Man) afirmam que nada se sabe sobre a sua vida inicial, nem mesmo o seu nome de nascimento, e nada deve ser inferido com base nos seus feitos posteriores.

Não se sabe se Rugila teve filhos para sucedê-lo, e Mundíuco parece ter morrido no início da vida dos rapazes. Pelo que parece, Bleda ou Átila seriam os herdeiros de Rugila e suceder-lhe-iam como rei; por isso, a sua educação e instrução na guerra preparariam ambos para as responsabilidades de liderança (embora alguns historiadores como Christopher Kelly sugiram que Átila e Bleda podem ter assassinado os filhos de Rugila em campanha para assumir o poder e, mais uma vez, Man afirma que não se devem fazer tais suposições). Pensa-se que ambos os rapazes estiveram presentes nos conselhos de guerra e nas negociações dos hunos desde tenra idade. Mesmo antes de Átila se tornar rei, os hunos eram uma força de combate formidável, embora estivessem a se tornar ainda mais sob o seu reinado. Eram exímios cavaleiros, cujos corcéis lutavam por seus homens em batalha com dentes e cascos - segundo relatos antigos. O historiador e antigo tenente-coronel do exército americano Michael Lee Lanning descreve o exército huno da seguinte forma:

Remover publicidades
Advertisement

Os soldados hunos vestiam-se com camadas de couro pesado untado com aplicações liberais de gordura animal, tornando os seus trajes de batalha flexíveis e resistentes à chuva. Capacetes revestidos de couro e aço e cota de malha em volta do pescoço e dos ombros protegiam ainda mais os cavaleiros das setas e dos golpes de espada. Os guerreiros hunos usavam botas de couro macio que eram excelentes para montar, mas inúteis para viajar a pé. Isso convinha aos soldados, pois sentiam-se muito mais confortáveis na sela do que no chão. (62)

Quando Rugila morreu numa campanha contra Constantinopla, em 433 d.C., a liderança passou para Átila e Bleda. Lanning escreve que:

Átila herdou um exército que tinha travado uma guerra contra os seus vizinhos, em particular o Império Romano do Oriente, durante centenas de anos. As operações de Ruga contra os romanos tinham sido tão bem sucedidas que Roma pagava aos hunos um tributo anual para manter a paz. (61)

Os irmãos governaram em conjunto - cada um controlando as suas próprias regiões e população - e, como registra Lanning, lidavam frequentemente com o Império Romano do Oriente, o qual anteriormente contratava os hunos como mercenários para lidar com as outras tribos que assediavam as fronteiras de Roma, mas que agora pagavam a outros bárbaros para impedir a invasão huna.

Army of Attila the Hun
Exército de Átila, o Huno
The Creative Assembly (Copyright)

Átila e Bleda negociaram o Tratado de Margo com Roma em 439 d.C.. Esse tratado deu continuidade ao anterior no qual estipulava que Roma pagasse tributos aos hunos em troca da paz, o que seria uma constante nas eventuais relações entre romanos e hunos até a morte de Átila. Em 435 d.C., o general romano Flávio Aécio (391-454 d.C.), que tinha vivido entre os hunos como refém na sua juventude, falava a língua deles e utilizou-os em proveito próprio nas suas várias lutas pelo poder no império, além de que já tinha negociado um acordo entre os hunos e os romanos. O Tratado de Margo ampliou o acordo de Aécio: os romanos prometeram devolver todos os refugiados hunos que tivessem migrado para territórios romanos; não forjariam pactos ou tratados com inimigos dos hunos; estabeleceriam direitos comerciais justos e, claro, "fariam um pagamento anual de setecentas libras de ouro diretamente a Átila e Bleda" (Kelly, 118). Concomitantemente, os hunos juraram não atacar Roma; não estabelecer pactos ou tratados com os inimigos dos romanos e defender a fronteira do Danúbio e as províncias do Império.

Remover publicidades
Advertisement

Com a conclusão do tratado, os romanos puderam retirar as suas tropas da região do Danúbio e enviá-las contra os vândalos que ameaçavam as províncias na Sicília e no Norte de África. Após o Tratado de Margo, os hunos voltaram a sua atenção para leste e entraram em guerra contra o Império Sassânida, mas foram repelidos e obrigados a regressar à Grande Planície Húngara: a sua base de operações. Com as tropas romanas despachadas para a Sicília, que outrora guarneciam a fronteira, os hunos viram uma oportunidade de pilhagem fácil. Kelly escreve que: "Assim que Átila e Bleda receberam informações fiáveis de que a frota tinha partido para a Sicília, abriram a sua ofensiva no Danúbio" (122). Afirmaram que os romanos tinham violado o tratado de Margo ao não enviarem de volta todos os refugiados hunos que se encontravam em território romano e, além disso, alegaram que um bispo romano tinha feito uma viagem secreta ao território huno para profanar sepulturas húngaras e roubar bens valiosos delas - e assim queriam que esse bispo lhes fosse entregue.

ÁTILA E BLEDA CONDUZIRAM OS SEUS EXÉRCITOS ATRAVÉS DAS REGIÕES FRONTEIRIÇAS E SAQUEARAM AS CIDADES DA PROVÍNCIA DE ILÍRICO.

Teodósio enviou o seu general Flávio Aspar para tentar negociar com Átila e Bleda, mas de nada serviu. Átila mostrou a Aspar sepulturas recentemente remexidas, mas não havia forma de saber de quem eram as sepulturas, quem as tinha saqueado ou o que lhes tinha sido retirado. Sem provas de um crime, Aspar recusou-se a entregar o bispo aos hunos e, além disso, asseverou que não tinha conhecimento de refugiados hunos escondidos de Átila e Bleda em solo romano. Os hunos insistiram, Aspar não pôde acatar e as negociações chegaram a um impasse. Aspar regressou a Constantinopla para relatar esses desenvolvimentos a Teodósio, mas não parece ter sentido qualquer ameaça iminente de uma invasão huna. Os exilados em questão eram hunos que tinham fugido do domínio de Átila, e este queria que regressassem antes que pudessem provocar uma rebelião. Todavia, ainda havia alguns residindo em território romano (que mais tarde seriam repatriados), e o bispo pelo qual Átila ansiava provavelmente roubara os túmulos e mais tarde trairia a cidade de Margo aos hunos. De fato, teria sido melhor se Aspar tivesse simplesmente entregado o clérigo e os refugiados.

Muito pelo contrário, não o fez e, considerando o tratado quebrado, Átila preparou-se para a guerra. Enquanto Aspar regressava a Constantinopla no verão de 441 d.C., Átila e Bleda conduziram os seus exércitos através das regiões fronteiriças e saquearam as cidades da província de Ilírico, que eram centros comerciais romanos muito lucrativos. Em seguida, violaram o Tratado de Margo invadindo essa cidade e destruindo-a (com a ajuda do bispo, que lhes abriu as portas). Teodósio II (401-450 d.C.) declarou então a violação do tratado e convocou os exércitos provincianos para impedir a fúria dos hunos. Átila e Bleda responderam com uma invasão em grande escala, saqueando e destruindo cidades romanas até cerca de 32 quilômetros da capital romana de Constantinopla. A cidade de Nis, local de nascimento do imperador romano Constantino, o Grande, foi arrasada e só viria a ser reconstruída um século mais tarde. Os hunos tinham aprendido muito sobre a guerra de cerco romana durante o tempo em que serviram no exército imperial e utilizaram habilmente esses conhecimentos, varrendo literalmente do mapa cidades inteiras, como Nis. Sua ofensiva foi bem sucedida assim como completamente inesperada. Teodósio II estava tão confiante de que os hunos honrariam o tratado que se recusou a ouvir qualquer conselho que sugerisse o contrário. Lanning comenta este fato, escrevendo:

Remover publicidades
Advertisement

Átila e o seu irmão davam pouco valor aos acordos e ainda menos à paz. Imediatamente após terem assumido o trono, retomaram a ofensiva huna contra Roma e contra todos os que se pusessem no seu caminho. Nos dez anos seguintes, os hunos invadiram o território que hoje abrange a Hungria, a Grécia, a Espanha e a Itália. Átila enviava as riquezas capturadas para a sua terra natal e recrutava soldados para o seu próprio exército, queimando frequentemente as cidades invadidas e matando os seus ocupantes civis. A guerra revelou-se lucrativa para os hunos, mas a riqueza não era, aparentemente, o seu único objetivo. Átila e o seu exército pareciam gostar genuinamente da guerra; os rigores e as recompensas da vida militar eram-lhes mais apelativos do que a agricultura ou o tratamento do gado. (61)

Feast of Attila
Festa de Átila
Fine Arts in Hungary (Public Domain)

Teodósio II, apercebendo-se de que estava derrotado mas não querendo admitir a derrota total, apelou para a diplomacia; o montante que Roma tinha agora de pagar para impedir que maiores devastações dos hunos ocorressem foi mais do que triplicada. O historiador Will Durant escreve: "Teodósio II do Império Oriental e Valentiniano III do Ocidental, ambos lhe pagaram tributo como suborno à paz, disfarçando-o entre os seus povos como pagamento de serviços prestados por um rei cliente" (39). Depois da ofensiva no Danúbio, Átila e Bleda conduziram as suas tropas de volta para casa, rumo à Grande Planície Húngara, onde Bleda desapareceu dos registros históricos. Kelly cita "o relato romano mais fiável", Prisco de Pânio, o qual relata que, três anos após a ofensiva, "Bleda, rei dos hunos, foi assassinado em resultado das conspirações do seu irmão Átila" (129). Outros acadêmicos sugerem que Bleda teria sido morto em campanha, mas, seja como for, em 445 d.C., Átila tornou-se o único líder dos hunos e o mais poderoso comandante militar da Europa.

O início do reinado de Átila e a proposta de Honória

O historiador Jordanes (século VI d.C.), que escreveu o único relato antigo ainda existente sobre os godos, inclui as suas interações com os hunos, descrevendo longamente Átila:

Era um homem nascido no mundo para abalar as nações, o flagelo de todas as terras, que de alguma forma aterrorizou toda a humanidade pelos rumores que se espalharam a seu respeito. Era altivo no seu andar, revirando os olhos de um lado para o outro, de modo que a força do seu espírito orgulhoso aparecia no movimento do seu corpo. Era, de facto, um amante da guerra, mas comedido na ação; poderoso no conselho, gracioso para com os suplicantes e indulgente para com aqueles que eram recebidos sob a sua proteção. Era de baixa estatura, com um peito largo e uma cabeça grande; os seus olhos eram pequenos, a sua barba era rala e salpicada de cinzento. Tinha um nariz achatado e uma tez morena, revelando a sua origem. (Jordanes, 102)

Embora Átila seja quase sempre representado como um guerreiro feroz a cavalo, massacrando multidões, ele era, na verdade, um indivíduo mais complexo, como apresenta o escritor romano Prisco, que de fato conheceu e jantou com Átila. O historiador Will Durant (seguindo as descrições de relatos antigos como os de Prisco) escreve sobre Átila:

Diferenciava-se dos outros conquistadores bárbaros por confiar mais na astúcia do que na força. Governou recorrendo às superstições pagãs do seu povo para santificar a sua majestade; as suas vitórias foram preparadas pelas histórias exageradas da sua crueldade, que talvez ele próprio tivesse originado; por fim, até os seus inimigos cristãos lhe chamaram de "flagelo de Deus" e ficaram tão aterrorizados com a sua astúcia que só os godos os puderam salvar. Não sabia ler nem escrever, mas isso não diminuía a sua inteligência. Não era um selvagem; tinha sentido de honra e de justiça, e muitas vezes mostrou-se mais magnânimo do que os romanos. Vivia e vestia-se com simplicidade, comia e bebia moderadamente, e deixava o luxo para os seus inferiores, que adoravam exibir os seus utensílios de ouro e prata, arreios e espadas, e os delicados bordados que atestavam os dedos hábeis das suas mulheres. Átila tinha muitas esposas, mas desprezava aquela mistura de monogamia e devassidão que era popular nalguns círculos de Ravena e Roma. O seu palácio era uma enorme casa de troncos aterrados e paredes de tábuas aplainadas, mas adornada com madeira elegantemente esculpida ou polida, e reforçada com tapetes e peles para manter o frio afastado. (39)

Entre as "superstições pagãs" que Durant registra está a espada de guerra que Átila trazia consigo, que ele dizia ter-lhe sido deixada pelo deus romano da guerra: Marte. Esta espada, de acordo com Jordanes, foi descoberta por acaso:

Quando um certo pastor viu uma novilha do seu rebanho coxear e não conseguiu encontrar a causa da ferida, ele seguiu ansiosamente o rastro de sangue e acabou por encontrar uma espada que ela tinha pisado involuntariamente enquanto mordiscava a erva. Desenterrou-a e levou-a diretamente a Átila. Este regozijou-se com a dádiva e, ambicioso, pensou que tinha sido nomeado governador do mundo inteiro e que, através da espada de Marte, estava-lhe assegurada a supremacia em todas as guerras. (102)

ÁTILA VIU ROMA COMO UM ADVERSÁRIO FRACO E VOLTOU A INVADIR A REGIÃO DA MOÉSIA, DESTRUINDO MAIS DE 70 CIDADES.

Átila via Roma como um adversário fraco e, por isso, a partir de 446 ou 447 d.C., voltou a invadir a região da Moésia (a zona dos Bálcãs), destruindo mais de 70 cidades, levando os sobreviventes como escravos e enviando o saque para a sua fortaleza na cidade de Buda (possivelmente Budapeste, na atual Hungria, embora essa afirmação tenha sido contestada por alguns historiadores). Era considerado invencível e, nas palavras de Durant, "depois de ter sangrado o Oriente até se fartar, Átila virou-se para o Ocidente e encontrou uma desculpa invulgar para a guerra" (40). Em 450 d.C., a irmã de Valentiniano, Honória, procurava escapar de um casamento arranjado com um senador romano e enviou uma mensagem a Átila, juntamente com o seu anel de noivado, pedindo a sua ajuda. Embora ela nunca tivesse tido qualquer intenção de se casar, Átila interpretou tanto a mensagem quanto o anel como um noivado e devolveu-lhe os termos exigindo metade do Império Ocidental em troca do seu dote. Valentiniano, quando descobriu o que a irmã tinha feito, enviou mensageiros a Átila dizendo-lhe que tudo não passava de um engano e que não havia qualquer proposta, casamento ou dote a negociar. Átila afirmou que a proposta de casamento era legítima - que a tinha aceitado e que iria reclamar a sua noiva - e mobilizou o seu exército para marchar sobre Roma.

Empire of Attila the Hun
Império de Átila, o Huno
William R. Shepherd (Public Domain)

Gália e Batalha dos Campos Cataláunicos

Em 451 d.C., iniciou as suas conquistas com um exército de, provavelmente, cerca de 200 000 homens, embora fontes como Jordanes tenham elevado o número para meio milhão. Tomou facilmente a província da Gallia Belgica (a atual Bélgica) e avançou para devastar o território. A única vez que Átila tinha sido afastado de uma conquista tinha sido pelos sassânidas, e a sua reputação de matança e invencibilidade precedeu-o à medida que avançava pela Gália. Durant cita que:

Toda a Gália estava aterrorizada; não se tratava de um guerreiro civilizado como César, nem de um cristão... era o horrível e hediondo Huno, o flagellum dei [Flagelo de Deus], vindo para castigar cristãos e pagãos pela enorme distância entre as suas profissões e as suas vidas. (40)

A fama de brutalidade e de matança indiscriminada dos hunos era bem conhecida e fez com que os habitantes locais fugissem para salvar suas vidas com tudo o que podiam carregar. O escritor romano Amiano Marcelino (330-391 d.C.) escreveu sobre os hunos na sua obra História de Roma:

A nação dos hunos ultrapassa todos os outros bárbaros em selvageria de vida. E embora [os hunos] tenham apenas a semelhança de homens (de um padrão muito feio), são tão pouco avançados na civilização que não fazem uso do fogo, nem de qualquer tipo de condimento, na preparação da sua comida, mas alimentam-se das raízes que encontram nos campos e da carne meio crua de qualquer tipo de animal. Digo meio crua, porque lhe dão uma espécie de cozedura, colocando-a entre as suas próprias coxas e as costas dos seus cavalos. Quando são atacados, por vezes travam uma batalha regular. Então, entrando na luta por ordem de colunas, enchem o ar com gritos variados e discordantes. Mais frequentemente, no entanto, não lutam numa ordem regular de batalha, mas, sendo extremamente rápidos e repentinos nos seus movimentos, dispersam-se e, em seguida, juntam-se rapidamente de novo em grupos soltos, espalham o caos em vastas planícies e, voando sobre a muralha, saqueiam o acampamento do seu inimigo quase antes de ele se aperceber da sua aproximação. É preciso reconhecer que são os mais terríveis dos guerreiros, porque lutam à distância com armas de projetis que têm ossos afiados admiravelmente presos ao eixo. Quando em combate corpo a corpo com espadas, lutam sem se preocuparem com a sua própria segurança e, enquanto o seu inimigo está a tentar defender-se do golpe das espadas, lançam uma rede sobre ele e enredam-lhe os membros de tal forma que ele perde toda a capacidade de andar ou montar. (XXXI.ii.1-9)

O exército huno era uma enorme unidade de cavalaria que atacava rapidamente os seus adversários, sem pedir nem oferecer qualquer misericórdia. Lanning escreve:

Confiando na mobilidade e no efeito de choque, Átila raramente empenhava os seus soldados num combate próximo e prolongado. Preferia aproximar-se do inimigo usando o terreno para esconder as suas tropas até estar ao alcance das flechas. Enquanto uma fileira disparava em ângulos elevados para fazer com que os defensores levantassem os escudos, outra disparava diretamente contra as linhas inimigas. Depois de terem infligido baixas suficientes, os hunos cerravam-se para acabar com os sobreviventes. (62)

Victory of Merovech at the Battle of Catalaunian Fields
Vitória de Meroveu na Batalha dos Campos Cataláunicos
Fordmadoxfraud (CC BY-SA)

Não é de se admirar que nenhum general estivesse especialmente ansioso por enfrentar as forças hunas sob o comando de Átila. Kelly nota como os hunos "apareciam como que vindos do nada e desapareciam, deixando apenas destruição atrás de si. Era impossível estabelecer um sistema eficaz de alerta precoce" (38). Átila tomou Trier e Metz sem oposição, massacrou os cidadãos e depois seguiu em frente, destruindo tudo no seu caminho. Foi finalmente derrotado em batalha pelas forças combinadas dos romanos sob o comando de Flávio Aécio, que compreendia a estratégia e as táticas dos hunos, e dos visigodos sob o comando de Teodorico I (reinando entre 418 e 451 d.C.) nas planícies da Catalunha. Este combate é conhecido como a Batalha dos Campos Cataláunicos ou a Batalha de Châlons e tem sido descrito como um dos conflitos militares mais sangrentos da história e a primeira vez que as forças de Átila foram travadas numa invasão da Europa. O historiador Jack Watkins descreve a batalha:

Os romanos, que ocupavam o terreno elevado, conseguiram rapidamente empurrar os hunos para trás, na confusão, e Átila teve de os incitar a regressar à luta. Durante uma feroz luta corpo a corpo, o rei Teodorico dos visigodos foi morto. Mas, em vez de desencorajar os visigodos, a morte do seu rei enfureceu-os e lutaram com tal ânimo que os hunos foram obrigados a regressar ao seu acampamento ao cair da noite. Durante vários dias, os hunos não saíram do seu acampamento, mas os seus arqueiros conseguiram manter os romanos à distância. A deserção dos frustrados visigodos permitiu a Átila retirar o seu exército do campo de batalha com as suas carroças de saque intactas. Os romanos não o perseguiram, mas a sua aura de invencibilidade tinha sido quebrada. (85)

A campanha na Itália

Embora Átila tivesse sido barrado na sua invasão, não tinha sido derrotado. No entanto, os romanos reivindicaram a vitória e regressaram às suas casas na esperança de que Átila passasse a assediar outros povos. Porém, em 452 d.C., regressou para invadir a Itália e vindicar a noiva que lhe tinha sido prometida em casamento. Tal como na Gália, espalhou uma vasta faixa de destruição e saqueou de tal forma a cidade de Aquileia que ela não só nunca mais se reergueu como também ninguém soube sequer onde se encontrava. Os povos da Itália, tal como os gauleses antes deles, estavam aterrorizados com a invasão dos hunos, mas agora, ao contrário do ano anterior, Aécio não tinha um exército com força suficiente para deter Átila. Populações inteiras fugiram das suas cidades e aldeias para regiões mais seguras e, de fato, foi assim que a cidade de Veneza se ergueu dos pântanos para se tornar a "Cidade das Pontes" (entre outros nomes), como é conhecida nos dias de hoje. Fugindo do exército de Átila, as pessoas refugiaram-se nos terrenos sólidos que conseguiram encontrar nas regiões aquáticas que achavam que Átila iria contornar. A escolha foi sensata, uma vez que as forças de Átila evitaram territórios alagadiços e marcharam em direção a solos mais propícios.

VALENTIniano ENVIOU O PAPA LEÃO I COM UMA DELEGAÇÃO PARA PEDIR CONDIÇÕES A ÁTILA, MAS OS PORMENORES DESSE ENCONTRO SÃO DESCONHECIDOS.

Por razões que ninguém conhece, os hunos pararam no rio Pó. A fome tinha assolado a Itália durante quase dois anos e, muito possivelmente, Átila teria simplesmente ficado sem mantimentos. Também se sugere que o exército de Átila teria sido afetado pela peste, o que o obrigou a abandonar os seus planos. Além disso, há a sugestão de que os seus homens o aconselharam a não continuar a saquear Roma. O comandante gótico Alarico I (r. 394-410 d.C.) tinha saqueado Roma em 410 d.C. e morrido pouco tempo depois; a superstição sugere que a morte de Alarico tinha sido um resultado direto do seu ataque a uma cidade tão prestigiada. É também possível que tenha sido acordada uma espécie de paz entre Átila e Roma. Valentiniano enviou o Papa Leão I com uma delegação para pedir condições a Átila, mas os pormenores desse encontro são desconhecidos. Tudo o que é certo é que, após o encontro com Leão I e os seus delegados, Átila desistiu e retirou-se para a sua fortaleza na Hungria.

Morte e legado

Não se sabe se Átila se lembrou de Honória e do dote (Durant e outros afirmam que ele ameaçou regressar a Itália para ir buscar Honória, a não ser que ela lhe fosse enviada, mas isto não é claro nas fontes primárias), mas depressa arranjou uma nova e jovem esposa, em 453 d.C., chamada Ildico. Durant escreve: "Celebrou o casamento com uma indulgência invulgar em termos de comida e bebida. No dia seguinte, foi encontrado morto na cama, ao lado da sua jovem esposa; tinha rebentado um vaso sanguíneo, e o sangue na garganta sufocou-o até à morte" (40-41). Tal como aconteceu com Alexandre, o Grande, foram sugeridas versões alternativas da morte de Átila, mas a versão de Durant segue a de Prisco, que é a primeira a ser dada e considerada a mais fiável. Outras versões incluem o assassinato por Ildico; uma conspiração envolvendo o imperador do Oriente Marciano (450-457 d.C.), que mandou matar Átila; e a morte acidental por envenenamento por álcool ou hemorragia esofágica por beber demais.

Todo o exército ficou em luto intenso com a perda do seu líder. Os cavaleiros de Átila mancharam os rostos de sangue e cavalgaram lentamente, num círculo constante, à volta da tenda onde se encontrava o seu corpo. Kelly descreve os eventos póstumos da morte de Átila:

De acordo com o historiador romano Prisco de Pânio, eles [os homens do exército] cortaram os seus longos cabelos e cortaram as suas bochechas "para que o maior de todos os guerreiros fosse pranteado não com lágrimas ou com o lamento das mulheres, mas com o sangue dos homens". Seguiu-se um dia de luto, festa e jogos fúnebres; uma combinação de celebração e lamentação que tinha uma longa história no mundo antigo. Nessa noite, muito para além das fronteiras do império romano, Átila foi enterrado. O seu corpo foi enterrado em três caixões: o mais interior coberto de ouro, o segundo de prata e o terceiro de ferro. O ouro e a prata simbolizavam o saque de que Átila tinha se apoderado, enquanto o ferro cinzento e duro recordava as suas vitórias na guerra (6).

Segundo a lenda, um rio foi então desviado, Átila foi enterrado no leito desse rio e as águas foram libertadas para cobrir o local. Os que tinham participado no funeral foram mortos para que o local do enterro nunca fosse revelado. Segundo Kelly, " essas também foram mortes honrosas" na medida em que faziam parte das honrarias fúnebres do grande guerreiro que tinha levado os seus seguidores tão longe e conseguido tanto para eles.

Attila the Hun Bust
Busto de Átila, o Huno
Zsolt Varga - Kazi (Copyright)

Após o seu funeral, o império foi dividido entre os seus filhos, que lutaram entre si pela maior parte, esbanjaram dos seus recursos e deixaram o reino desmoronar-se. Em 469 d.C., apenas 16 anos após a morte de Átila, o império desaparecera. Contudo, a memória de Átila perdura como um dos maiores líderes militares de todos os tempos. Desde a sua morte, tem sido retratado como o epítome de um rei guerreiro, e as representações recentes seguem tal imagem tradicional. Os filmes dramáticos que o referem, mesmo de passagem, apresentam-no como um guerreiro poderoso e, mesmo na comédia hollywoodiana Noite no Museu, de 2006, Átila, o Huno é retratado como uma força formidável. Lanning escreve:

Átila, o Huno, foi o maior capitão de batalha da sua época, a sua reputação causava terror nos seus inimigos, que tanto temiam como respeitavam o Flagelo de Deus. Mais de mil e quinhentos anos depois, o seu nome continua a ser sinónimo de cavalaria agressiva e do espírito guerreiro. (63)

Em março de 2014, foi noticiado que o local onde jazia Átila tinha sido descoberto em Budapeste, na Hungria, que atualmente se pensa ter pertencido à parte da capital de Átila, Buda. A descoberta gerou grande interesse, e um dos investigadores foi até mencionado em relatórios como tendo dito que: "De fato, este parece ser definitivamente o local de repouso do todo-poderoso Átila, mas é preciso fazer mais análises para o confirmar". Análises posteriores - feitas por outras pessoas que não pertenciam à equipe que declaradamente descobriu o túmulo - revelaram que a alegação era uma farsa. Embora estudiosos tenham sido muitas vezes céticos em relação à história de Átila ter sido enterrado debaixo de um rio, há precedentes históricos para esse evento. Também se diz que o rei mesopotâmico Gilgamesh foi enterrado debaixo de um rio, o Eufrates - o que durante muito tempo foi considerado um mito. Entretanto, em abril de 2003, uma equipa alemã de arqueólogos afirmou ter descoberto a Tumba de Gilgamesh precisamente onde os textos antigos diziam que se encontrava.

As escavações arqueológicas, efetuadas com recursos da tecnologia moderna de magnetização no antigo leito do rio Eufrates e à sua volta, revelaram recintos ajardinados, edifícios específicos e estruturas descritas na Epopeia de Gilgamesh, incluindo a sepultura do grande rei. Segundo a lenda, Gilgamesh foi enterrado no fundo do Eufrates quando as águas se abriram após a sua morte. Muito mais perto do tempo de Átila, diz-se que Alarico I foi enterrado sob as águas do rio Busento, Itália, após a sua morte em 410, tendo as águas sido desviadas e depois devolvidas ao seu leito. De acordo com as fontes antigas relativas ao funeral de Átila, ele da mesma forma foi enterrado debaixo de um rio que foi desviado e depois redirecionado a cobrir a cova. Parece imprudente, tendo em conta o precedente da história do túmulo de Gilgamesh e o relato do enterro de Alarico, ignorar as histórias que rodeiam o último local de descanso do grande guerreiro Átila, o Huno, e afirmar que ele foi enterrado noutro lugar. O ambiente onde se encontra o seu jazigo e os tesouros que estão guarnecidos permanecem desconhecidos. O interesse mundial pela história da descoberta da sua sepultura é, no entanto, um testemunho da grande influência que Átila ainda exerce sobre a imaginação das pessoas. Continua a ser, até hoje, uma das figuras mais interessantes e cativantes da história antiga, e o seu nome continua a ser associado ao conceito de uma força imparável.

Remover publicidades
Publicidade

Sobre o tradutor

Mateus José Aleixo Miranda
Graduando de Jornalismo pelo Centro Universitário UNINASSAU. Entusiasta de História e tradutor contribuinte em conteúdos culturais de YouTube e Wikipedia.

Sobre o autor

Joshua J. Mark
Escritor freelance e ex-professor de filosofia em tempo parcial no Marist College, em Nova York, Joshua J. Mark viveu na Grécia e na Alemanha e viajou pelo Egito. Ele ensinou história, redação, literatura e filosofia em nível universitário.

Citar este trabalho

Estilo APA

Mark, J. J. (2018, Março 19). Átila, o Huno [Attila the Hun]. (M. J. A. Miranda, Tradutor). World History Encyclopedia. Obtido de https://www.worldhistory.org/trans/pt/1-13266/atila-o-huno/

Estilo Chicago

Mark, Joshua J.. "Átila, o Huno." Traduzido por Mateus José Aleixo Miranda. World History Encyclopedia. Última modificação Março 19, 2018. https://www.worldhistory.org/trans/pt/1-13266/atila-o-huno/.

Estilo MLA

Mark, Joshua J.. "Átila, o Huno." Traduzido por Mateus José Aleixo Miranda. World History Encyclopedia. World History Encyclopedia, 19 Mar 2018. Web. 22 Abr 2024.