Leão I

Definição

Mark Cartwright
por , traduzido por Jéssica da Costa Minati Moraes
publicado em 30 Novembro 2017
X
translations icon
Disponível em outras línguas: Inglês
Leo I (by Marie-Lan Nguyen, CC BY)
Leão I
Marie-Lan Nguyen (CC BY)

Leão I foi imperador do Império Bizantino de 457 a 474 d.C. Ele também era conhecido como “Leo, o Açougueiro” (Makelles) pelo assassinato de seu patrono e rival Aspar. Embora seu reinado tenha sido medíocre e tenha incluído uma séria derrota para os vândalos, ele fundou a dinastia Leonina, que governou Constantinopla até 518.

Sucessão

Leão adquiriu o trono não por herança, mas porque foi selecionado pelo talentoso general que puxava as cordas da política bizantina na época, Aspar, o Alano. O general já havia manipulado o antecessor de Leão, Marciano (r. 450-457 d.C.), a quem ele também havia promovido a imperador. Aspar, embora o homem mais poderoso da corte, não pôde se tornar imperador por causa de sua origem bárbara e visões religiosas pouco ortodoxas. Consequentemente, o general fez a próxima melhor coisa e adquiriu não um, mas dois imperadores fantoches sucessivos.

Remover publicidades

Advertisement

Leão I foi o primeiro imperador bizantino a ser coroado pelo Patriarca (bispo) de Constantinopla.

Leão, ex-soldado e depois administrador da casa de Aspar, tornou-se imperador aos 56 anos em 7 de fevereiro de 457 d.C. e foi o primeiro imperador bizantino a ser coroado pelo Patriarca (bispo) de Constantinopla, neste caso, Anatólio. Anteriormente, as legiões levantando o imperador em seus escudos no Hipódromo de Constantinopla eram suficientes, mas a partir de agora também haveria um pouco de pompa e cerimônia da Igreja. Foi um desenvolvimento significativo que afastou Bizâncio um passo mais longe de sua herança romana e reforçou o papel do imperador como monarca cristão; também influenciou a maioria das coroações subsequentes na Europa Ocidental até a da rainha Elizabeth II em 1953.

Leão e os Isauros

Aspar, como se viu, fez uma escolha muito ruim para seu fantoche. Leão poderia estar se dando um pouco, e ele não tinha herdeiro masculino para complicar as questões de sucessão, mas o imperador provou ser muito mais ambicioso do que seu patrono esperava. Leão estava plenamente ciente do domínio de Aspar no poder e por isso procurou minar a força do general na fonte: o exército e especialmente os alemães, que dominavam pelo menos metade dele. O imperador promoveu tantos isauros quanto pôde para contrabalançar a facção alemã e tentar ganhar a lealdade do exército ao seu lado. Esses membros selvagens de Isauria, no centro e sul da Ásia Menor, gozavam de uma reputação temível como guerreiros e, em 466 d.C., Leão chegou ao ponto de dar sua filha Ariadne como esposa para o chefe Tarasicodissa, que tomaria um nome mais amigável ​​​​aos bizantinos em seu reinado, Zenão. Melhor ainda, Zenão logo conseguiu mostrar que o filho de Aspar era culpado de traição e tirar um pouco de brilho da reputação até então resplandecente do general.

Remover publicidades

Advertisement

Byzantine Empire c. 460 CE
Império Bizantino c. 460 d. C.
Tataryn77 (CC BY-SA)

Aspar, no entanto, não ficou parado enquanto sua base de poder foi corroída por baixo dele, e recrutou a ajuda da influente figura da corte Basilisco, irmão da esposa de Leão, Verina. O historiador J. J. Norwich dá a seguinte descrição desses companheiros improváveis:

Os dois dificilmente poderiam ser mais diferentes. Aspar não tinha cultura; como um ariano convicto, ele chegou perto de negar a divindade de Cristo; como líder de homens, foi o melhor general de seu tempo. Basilisco era um romano helenizado e bem-educado; um monofisita fanático, para quem Cristo era mais divino que humano; e um homem totalmente inadequado para qualquer tipo de comando. Eles foram arremessados juntos, no entanto, por seu ódio comum aos isauros. (51)

O desastre dos vândalos

Houve uma luta pelo poder, mas não antes de Leão enviar Basilisco em uma campanha contra o rei vândalo Genserico em 468 d.C. Os vândalos ainda ficaram impunes por terem saqueado Roma em 455 d.C, e Genserico pretendia perseguir os cristãos ortodoxos - duas boas razões para Leão ganhar algum prestígio ao atacar os bárbaros no norte da África. Os cofres do estado foram esvaziados e toneladas de ouro investidas tanto no exército quanto na marinha. Infelizmente para os bizantinos, Basilisco provou ser inepto e, apesar de uma enorme armada e um exército de 100.000 homens, ele ainda conseguiu falhar em sua missão. Enganado pelo rei vândalo para atrasar seu ataque, a frota de Basilisco foi pega cochilando e destruída por navios de fogo inimigos na costa de Mercurion. O comandante fugiu para uma recepção calorosa em Constantinopla, onde foi forçado a buscar refúgio na Igreja de Santa Sophia enquanto uma multidão gritava por sua cabeça. Apenas as súplicas de sua irmã salvaram Basilisco da execução por incompetência. Em vez disso, Leão exilou o comandante na Trácia, mas ele voltaria a perturbar a política bizantina mais cedo ou mais tarde.

Remover publicidades

Advertisement

Colossus of Barletta
Colosso de Barletta
Davude Carini (CC BY-NC-SA)

A derrota do exército para os vândalos também não fez bem a Aspar, pois ele era considerado por muitos como seu comandante-chefe. Em grande parte graças ao apoio isauro, a luta pelo poder finalmente terminou em favor de Leão com a morte de Aspar e seu filho Ardabourios em 471 d.C. Leão foi considerado o assassino do casal que havia sido atraído para o palácio e tratado pelos eunucos da corte. Depois disso, Leão recebeu o epíteto pouco lisonjeiro de “o Açougueiro” (Makelles) por seus oponentes. Ainda assim, em comparação com muitos de seus antecessores (e seus sucessores), o reinado de Leão foi relativamente calmo, livre da constante intriga e literal traição que parecia atormentar a corte bizantina.

Morte e sucessores

Quando Leão morreu de disenteria em 3 de fevereiro de 474 d.C., Zenão assumiu o trono bizantino, compartilhando-o por uma questão de forma com seu filho Leão II. No entanto, no ano seguinte, e após a morte de Leão II, Zenão foi derrubado por sua sogra Verina e seu irmão Basilisco. Zenão, no entanto, recuperou seu trono com a ajuda de Daniel, o Estilita, o Santo Pilar, e governaria até 491 d.C.

Remover publicidades

Publicidade

Sobre o tradutor

Jéssica da Costa Minati Moraes
Graduanda em História na Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, membro dos grupos de pesquisa: NEAM - Núcleo de Estudos Antigos e Medievais e #Veredas_Digitais - Centro de Tecnologias e Humanidades.

Sobre o autor

Mark Cartwright
Mark é um historiador que vive na Itália. Seus interesses incluem cerâmica, arquitetura, mitologia e a descoberta das ideias que todas as civilizações partilham entre si. Tem Mestrado em Filosofia Política e é o Diretor de Publicação na Enciclopédia da História Mundial.

Citar este trabalho

Estilo APA

Cartwright, M. (2017, Novembro 30). Leão I [Leo I]. (J. d. C. M. Moraes, Tradutora). World History Encyclopedia. Recuperado de https://www.worldhistory.org/trans/pt/1-16556/leao-i/

Estilo Chicago

Cartwright, Mark. "Leão I." Traduzido por Jéssica da Costa Minati Moraes. World History Encyclopedia. Última modificação Novembro 30, 2017. https://www.worldhistory.org/trans/pt/1-16556/leao-i/.

Estilo MLA

Cartwright, Mark. "Leão I." Traduzido por Jéssica da Costa Minati Moraes. World History Encyclopedia. World History Encyclopedia, 30 Nov 2017. Web. 02 Out 2022.