Arte Bizantina

Definição

Mark Cartwright
por , traduzido por Gilda Macedo
publicado em 22 Junho 2018
X
translations icon
Disponível em outras línguas: Inglês, Espanhol
The Vladimir Icon (by Unknown Artist, Public Domain)
O Ícone de Vladimir
Unknown Artist (Public Domain)

A arte Bizantina (século IV - XV d. C.) caracteriza-se geralmente por um afastamento do naturalismo da tradição Clássica em direção ao mais abstrato e universal, há uma preferência definitiva pelas representações bidimensionais, e predominam as obras de arte que contêm uma mensagem religiosa. Contudo, no século XII, a arte Bizantina tornou-se muito mais expressiva e imaginativa, e embora muitos temas sejam infinitamente reciclados, existem diferenças nos detalhes ao longo de todo o período. Embora seja verdade que a grande maioria das obras de arte sobreviventes são de temática religiosa, isto pode ser o resultado de uma seleção nos séculos seguintes, uma vez que existem abundantes referências à arte secular em fontes bizantinas e temas pagãos com iconografia clássica continuaram a ser produzidos até ao século X e mais além. Utilizando pedras brilhantes, mosaicos de ouro, pinturas murais vivas, marfim esculpido intricadamente, e metais preciosos em geral, os artistas Bizantinos embelezaram tudo, desde edifícios a livros, e o seu maior e mais duradouro legado são sem dúvida os ícones que continuam a decorar as igrejas cristãs em todo o mundo.

Influências

Como Bizâncio foi o ramo oriental do Império Romano na sua fase inicial, não é surpreendente que uma forte influência Romana, ou mais precisamente, Clássica, predomine na produção Bizantina. A tradição Romana de colecionar, apreciar e exibir em privado arte antiga também continuou entre as classes mais ricas de Bizâncio. A arte Bizantina é ao mesmo tempo imutável e evolutiva, temas como as tradições Clássicas e cenas religiosas convencionais foram retrabalhados século após século, mas ao mesmo tempo, um exame mais atento das obras individuais revela os detalhes de uma abordagem sempre em mudança da arte. Tal como no cinema moderno que refaz regularmente uma história familiar com os mesmos cenários e as mesmas personagens, os artistas Bizantinos trabalharam dentro dos limites da função final prática do seu trabalho para fazer escolhas sobre a melhor forma de apresentar um tema, o que acrescentar e omitir dessas novas influências que surgiram, e, no final do período, para personalizar o seu trabalho como nunca antes.

Remover publicidades

Advertisement

No Império Bizantino, havia pouca ou nenhuma distinção entre artista e artesão, ambos criaram belos objetos para um fim específico.

Talvez seja importante lembrar que o Império Bizantino era muito mais Grego que Romano em muitos aspectos e a arte Helenística continuou a ser influente, especialmente a ideia do naturalismo. Ao mesmo tempo, a extensão geográfica do império também teve as suas implicações para a arte. Em Alexandria, o estilo Copta mais rígido (e para alguns, menos elegante) descolou do século VI, substituindo o estilo Helenístico predominante. As cores de meio tom foram evitadas e as mais brilhantes foram favorecidas, enquanto que as figuras são de ocupação e menos realistas. Outra área de influência artística foi Antakya (Antáquia) onde o estilo 'orientalizante' foi adoptado, ou seja, a assimilação de motivos da arte Persa e da Ásia Central, tais como fitas, a Árvore da Vida, cabeças de carneiro e criaturas de asas duplas, bem como os retratos frontais completos que aparecem na arte da Síria. Por sua vez, a arte destas grandes cidades influenciaria a arte produzida em Constantinopla, que se tornou o ponto focal de uma indústria artística que difundiu as suas obras, métodos e ideias por todo o Império.

Byzantine Chalice
Cálice Bizantino
Dimitris Kamaras (CC BY)

O Império Bizantino estava continuamente a expandir-se e a encolher ao longo dos séculos, e esta geografia influenciou a arte à medida que novas ideias se foram tornando mais facilmente acessíveis ao longo do tempo. Ideias e objetos de arte eram continuamente difundidos entre culturas através de dádivas reais a outros governantes, embaixadas diplomáticas, missões religiosas, e viajantes ricos compradores de lembranças, para não mencionar o movimento dos próprios artistas. Desde o início do século XIII, por exemplo, Bizâncio foi influenciado por um contato muito maior com a Europa ocidental, tal como tinha sido quando os bizantinos estiveram mais presentes em Itália durante o século IX. A influência também foi no outro sentido, claro, de modo que as ideias artísticas Bizantinas se espalharam, nomeadamente a partir de postos avançados como a Sicília e Creta, de onde a iconografia bizantina iria continuar a influenciar a arte Renascentista italiana. Assim, também no Nordeste, a arte Bizantina influenciou lugares como a Arménia, a Geórgia e a Rússia. Finalmente, a arte Bizantina ainda está muito viva como uma forte tradição dentro da arte Ortodoxa.

Remover publicidades

Advertisement

Artistas

No Império Bizantino, havia pouca ou nenhuma distinção entre artista e artesão, ambos criaram belos objetos para um fim específico, quer se tratasse de uma caixa para manter uma preciosa pertença ou de um ícone para despertar sentimentos de piedade e reverência. Alguns títulos de trabalho que conhecemos são zographos (zoógrafos) e historiógraphos (historiógrafos (pintor)), maistor (mestre) e ktistes (criador). Além disso, muitos artistas, nomeadamente aqueles que criaram manuscritos ilustrados, eram padres ou monges. Não há provas de que os artistas não fossem mulheres, embora seja provável que se tenham especializado em têxteis e sedas impressas. Escultores, trabalhadores de marfim e esmaltes eram especialistas que tinham adquirido anos de formação, mas noutras formas de arte era comum que o mesmo artista produzisse manuscritos, ícones, mosaicos, e pinturas murais.

Byzantine Book Cover with Icon
Capa de Livro Bizantino com Ícone
The Metropolitan Museum of Art (Copyright)

Era raro um artista assinar o seu trabalho antes do século XIII, e isto pode refletir uma falta de estatuto social para o artista, ou que as obras eram criadas por equipas de artistas, ou que tal personalização da obra de arte era considerada como um desvirtuamento do seu objetivo, especialmente na arte religiosa. Os artistas eram apoiados por mecenas que encomendavam os seus trabalhos, nomeadamente os imperadores e mosteiros, mas também muitos indivíduos privados, incluindo mulheres, especialmente viúvas.

Remover publicidades

Advertisement

Frescos e Pinturas

A arte cristã bizantina tinha o triplo propósito de embelezar um edifício, instruir os analfabetos sobre assuntos vitais para o bem-estar da sua alma, e encorajar os fiéis que estavam no caminho correto para a salvação. Por esta razão, os interiores das igrejas Bizantinas foram cobertos com pinturas e mosaicos. O grande edifício da basílica Cristã, com os seus tetos altos e longas paredes laterais, constituía um meio ideal para enviar mensagens visuais à congregação, mas mesmo os santuários mais humildes eram frequentemente decorados com uma abundância de frescos. Os temas eram necessariamente limitados - aqueles eventos e figuras-chave da Bíblia - e mesmo o seu posicionamento tornou-se convencional. Uma representação de Jesus Cristo ocupava normalmente a cúpula central, o barril da cúpula tinha os profetas, os evangelistas aparecem nas junções entre a abóbada e a cúpula, no santuário está a Virgem e o menino, e as paredes têm cenas do Novo Testamento e as vidas dos santos.

The Virgin and Child Mosaic, Hagia Sophia
O Mosaico da Virgem e da Criança, Hagia Sophia
Hagia Sophia Research Team (CC BY-NC-SA)

Além de paredes e cúpulas, pequenos painéis de madeira pintados eram outro meio popular, especialmente no período do final do Império. Fontes literárias descrevem pequenas pinturas de retratos portáteis que foram encomendadas por um vasto leque de pessoas, desde bispos a atrizes. As pinturas para manuscritos eram também um valioso meio para a pintura, e estas cobrem tanto temas religiosos como eventos históricos, tais como coroações e batalhas famosas.

Ícones - representações de figuras sagradas - foram criados para veneração pelos cristãos bizantinos a partir do século III d. C.

Bons exemplos do estilo mais expressivo e humanista prevalecente a partir do século XII são as pinturas murais de 1164 em Nerezi, Macedónia. Mostrando cenas da cruz, captam o desespero dos protagonistas. A partir do século XIII, os indivíduos são pintados com personalidade e há mais atenção aos detalhes. A Hagia Sophia em Trabzon (Trebizond) tem galerias inteiras de tais pinturas, datadas de c. 1260, onde os temas parecem ter sido inspirados por modelos da vida real. Há também uma utilização mais ousada da cor para produzir efeito. Um bom exemplo é a utilização dos azuis em A Transfiguração, uma pintura manuscrita nas obras teológicas de João VI Cantacuzenus, produzida 1370-1375 e agora na Bibliothèque Nationale, Paris. Numa escala maior, esta combinação de cores ousadas e detalhes finos é melhor vista nas pinturas murais das várias igrejas bizantinas de Mistra, na Grécia.

Remover publicidades

Advertisement

Ícones

Ícones - representações de figuras sagradas - foram criados para veneração pelos cristãos bizantinos do século III d. C. São mais frequentemente vistos em mosaicos, pinturas murais, e como pequenas obras de arte feitas de madeira, metal, pedras preciosas, esmalte ou marfim. A forma mais comum eram pequenos painéis de madeira pintados que podiam ser transportados ou pendurados nas paredes. Tais painéis eram feitos usando a técnica encáustica onde pigmentos coloridos eram misturados com cera e queimados na madeira como uma incrustação.

Jesus Christ Pantokrator
Jesus Cristo Pantocrator
Hardscarf (CC BY-NC-SA)

O assunto nos ícones é tipicamente retratado de frente completa, com a figura completa mostrada ou apenas a cabeça e os ombros. Olham diretamente para o espectador, uma vez que são concebidos para facilitar a comunicação com o divino. As figuras têm frequentemente uma auréola ou auréola à sua volta para enfatizar a sua santidade. Mais raramente, os ícones são compostos de uma cena narrativa. A abordagem artística aos ícones foi notavelmente estável ao longo dos séculos, mas isto talvez não deva ser surpreendente, uma vez que os seus próprios súbditos foram concebidos para apresentar uma qualidade intemporal e incutir uma reverência sobre geração após geração de adoradores - o povo e a moda podem mudar, mas a mensagem não mudou.

Alguns dos mais antigos ícones bizantinos sobreviventes encontram-se no Mosteiro de Santa Catarina no Monte Sinai. Datando do século VI e salvo da onda de iconoclastia que se espalhou pelo Império Bizantino durante os séculos VIII e IX, o mais belo espetáculo Cristo Pantokrator e a Virgem e o Menino. A imagem do Pantokrator - onde Cristo está na clássica pose frontal completa e segura um livro do Evangelho na mão esquerda e realiza uma bênção com a sua direita - foi provavelmente doada por Justiniano I (r. 527-565) para marcar a fundação do mosteiro.

Remover publicidades

Advertisement

Por volta do século XII, os pintores estavam a produzir retratos muito mais íntimos com mais expressão e individualidade. O ícone conhecido como a Virgem de Vladimir, agora na Galeria Tretyakov em Moscovo, foi pintado em Constantinopla c. 1125 e é um excelente exemplo deste novo estilo com a sua terna representação da criança a pressionar a sua face contra a sua mãe.

Man Feeding Mule, Byzantine Mosaic
Mula Alimentar do Homem, Mosaico Bizantino
Hagia Sophia Research Team (CC BY-NC-SA)

Mosaicos

A maioria dos mosaicos de parede e teto sobreviventes retratam temas religiosos e encontram-se em muitas igrejas Bizantinas. Uma das suas características é a utilização de azulejos de ouro para criar um fundo cintilante para as figuras de Cristo, da Virgem Maria e dos santos. Tal como acontece com ícones e pinturas, o retrato segue certas convenções, tais como uma vista frontal completa, auréola, e a falta geral de movimento sugerido. A Hagia Sofia em Constantinopla (Istambul) contém os exemplos mais célebres de tais mosaicos, enquanto um dos retratos mais extraordinariamente marcantes no meio é o de Jesus Cristo na cúpula de Daphni na Grécia. Produzido por volta de 1100, mostra Cristo com uma expressão bastante feroz que contrasta com a habitual representação sem expressão.

Os mosaicos do Grande Palácio de Constantinopla, que datam do século VI, são uma interessante mistura de cenas da vida quotidiana (especialmente de caça) com deuses pagãos e criaturas míticas, salientando, mais uma vez, que os temas pagãos não foram totalmente substituídos por temas cristãos na arte Bizantina. Outro tema secular para os artistas de mosaico foram os imperadores e os seus consortes, embora estes sejam frequentemente retratados no seu papel de chefe da Igreja Oriental. Alguns dos mosaicos mais celebrados são os da igreja de San Vitale em Ravenna, Itália, que datam da década de 540. Dois brilhantes painéis mostram o imperador Justiniano I e a sua consorte Imperatriz Theodora com os seus respectivos enredos.

Byzantine Empress Zoe
Imperatriz Bizantina Zoe
Myrabella (Public Domain)

Os mosaicos Bizantinos eram tão famosos pelo seu trabalho que o califado Árabe Umayyad (661-750) os empregou para decorar a Cúpula da Rocha em Jerusalém e a Grande Mesquita de Damasco. Finalmente, tal como na pintura, nos séculos XIII e XIV, os temas dos mosaicos tornam-se mais naturais, expressivos e individualizados. Excelentes exemplos deste estilo podem ser vistos nos mosaicos da Igreja do Salvador, Chora, Constantinopla.

Escultura

A escultura de retrato realista era uma característica da arte Romana posterior, e a tendência continua no início da Bizâncio. O Hipódromo de Constantinopla era conhecido por ter esculturas em bronze e mármore de imperadores e carismáticos populares, por exemplo. O marfim também era utilizado para a escultura de figuras, embora apenas um único exemplo de escultura livre sobreviva, a Virgem e a Criança, agora no Victoria and Albert Museum, Londres. Os sarcófagos de mármore e pedra calcária foram outra saída para o ofício do escultor. Após o século VI, porém, os retratos tridimensionais são raros, mesmo para os imperadores, e a escultura não atingiu nem de perto a popularidade que tinha na antiguidade.

Ivory Pyxis Depicting Saint Menas
Pyxis de Marfim representando Saint Menas
Osama Shukir Muhammed Amin (Copyright)

Artes Menores

Os artistas Bizantinos eram metalomecânicos, enquanto que a esmaltagem era outra área de alta perícia técnica. Um excelente exemplo do uso de ambas as habilidades combinadas é o cálice c. 1070 no Tesouro de San Marco, Veneza. Feito com um corpo de pedra semipreciosa e haste em ouro, o cálice é decorado com placas de esmalte. Os esmaltes Cloisonné (objetos com múltiplos compartimentos com bordados de metal preenchidos com esmalte vítreo) eram extremamente populares, uma técnica provavelmente adquirida em Itália no século IX. Placas de prata estampadas com imagens cristãs eram produzidas em grande número e utilizadas como serviço de jantar doméstico. Uma utilização final de metais é a cunhagem, que era um meio de retrato imperial e, a partir do século VIII, imagens de Jesus Cristo.

As bíblias eram feitas com texto belamente escrito em ouro e tinta prateada em páginas tingidas com púrpura tirolesa e belamente ilustradas. Um dos melhores exemplos sobreviventes de um manuscrito ilustrado são as Homilias de São Gregório de Nazianzus, produzidas em 867-886 e agora na Bibliothèque Nationale, Paris. Os livros, em geral, recebiam frequentemente capas requintadas utilizando ouro, prata, pedras semipreciosas e esmaltes. Os relicários - recipientes para relíquias sagradas - eram outra via para as artes decorativas.

Byzantine Jeweled Bracelet
Pulseira de jóias Bizantinas
Metropolitan Museum of Art (Copyright)

Os objetos portáteis eram muito frequentemente decorados com imagens Cristãs, e estes incluem artigos quotidianos como caixas de jóias, marfins, peças de joalharia, e fichas de peregrinos. Objetos feitos de marfim, tais como painéis e caixas, eram uma especialidade particular de Alexandria. Os painéis eram utilizados para decorar quase tudo menos especialmente mobiliário. Um dos exemplos mais celebrados é o trono de Maximian, Arcebispo de Ravenna (545-553), que é coberto por painéis de marfim mostrando cenas das vidas de José, Jesus Cristo e dos Evangelistas. Os têxteis - de lã, linho, algodão e seda - eram outro meio de expressão artística, onde os desenhos eram tecidos no tecido ou estampados mergulhando o tecido em corantes com algumas partes do tecido cobertas por uma resistência para criar o desenho.

Finalmente, a cerâmica Bizantina escapou em grande parte ao aviso público, mas os oleiros foram realizados em técnicas tais como o policromo (cenas coloridas pintadas sobre um fundo branco e depois dadas um esmalte transparente) - uma técnica transmitida à Itália no século IX. Os desenhos foram por vezes incisos e dados esmaltes coloridos, como na placa fina do século XIII-XIV, que mostra duas pombas, agora na Coleção David Talbot Rice da Universidade de Edimburgo. As formas comuns incluíam pratos, pratos, taças, e taças de uma só mão. Os azulejos eram frequentemente pintados com representações de figuras sagradas e imperadores, por vezes vários azulejos que constituíam uma imagem composta.

Remover publicidades

Publicidade

Sobre o tradutor

Gilda Macedo
Free lance writer and translator. I respect the knowledge and the ways that each region and country has to narrate its history. History has the characteristic of be a discipline that connects all areas of knowledge in a interrelate way.

Sobre o autor

Mark Cartwright
Mark é um historiador que vive na Itália. Seus interesses incluem cerâmica, arquitetura, mitologia e a descoberta das ideias que todas as civilizações partilham entre si. Tem Mestrado em Filosofia Política e é o Diretor de Publicação na Enciclopédia da História Mundial.

Citar este trabalho

Estilo APA

Cartwright, M. (2018, Junho 22). Arte Bizantina [Byzantine Art]. (G. Macedo, Tradutora). World History Encyclopedia. Recuperado de https://www.worldhistory.org/trans/pt/1-12725/arte-bizantina/

Estilo Chicago

Cartwright, Mark. "Arte Bizantina." Traduzido por Gilda Macedo. World History Encyclopedia. Última modificação Junho 22, 2018. https://www.worldhistory.org/trans/pt/1-12725/arte-bizantina/.

Estilo MLA

Cartwright, Mark. "Arte Bizantina." Traduzido por Gilda Macedo. World History Encyclopedia. World History Encyclopedia, 22 Jun 2018. Web. 05 Out 2022.