Império de Niceia

Definição

Michael Goodyear
por , traduzido por Jéssica da Costa Minati Moraes
publicado em 13 Junho 2019
X
translations icon
Disponível em outras línguas: Inglês
Division of the Byzantine Empire, 1204 CE. (by LatinEmpire, CC BY-SA)
Divisão do Império Bizantino, 1204
LatinEmpire (CC BY-SA)

O Império de Niceia foi um estado sucessor do Império Bizantino, ou melhor, um Império Bizantino no exílio que durou de 1204 a 1261. O Império de Niceia foi fundado após o saque de Constantinopla durante a Quarta Cruzada e o estabelecimento do Império Latino administrado pelos cruzados em 1204, e foi governado pela Dinastia Láscaris. Quando as forças de Miguel VIII Paleólogo recapturaram Constantinopla em 1261, o Império de Niceia, um império não mais no exílio, tornou-se efetivamente o Império Bizantino mais uma vez, até que finalmente caiu para os turcos otomanos em 1453.

Nascimento de Fogo e Sangue

O saque da capital bizantina de Constantinopla destruiu o Império Bizantino. À medida que os cruzados latinos e seus apoiadores venezianos se estabeleceram na Europa e nas ilhas do mar Egeu, três estados sucessores gregos surgiram nas periferias do império. O primeiro, e mais distante, foi o Império de Trebizonda, na margem sudeste do Mar Negro. Em seguida foi o Despotado de Epiros, na atual Albânia e noroeste da Grécia. Finalmente, havia o Império de Nicéia, centrado na antiga cidade de Nicéia e controlando o noroeste da Anatólia.

Remover publicidades

Advertisement

Além do turbilhão de novos estados estavam os búlgaros ao norte e os turcos ao leste. Batalhas eram travadas com frequência, alianças eram feitas e quebradas com a mesma rapidez, e quem era proeminente na região era decidido por um jogo de tronos em constante mudança. Trebizonda estava muito longe do centro para ser um sério candidato à reunificação de Bizâncio, e assim foram os latinos, epirotas, nicenos e búlgaros que se tornaram os principais candidatos a Constantinopla.

Um império de refugiados

Quando ficou claro que Constantinopla estava perdida na Quarta Cruzada, Teodoro Láscaris fugiu da cidade e seguiu para o leste. Teodoro era genro do imperador bizantino Aleixo III Ângelo (r. 1195-1203), o que lhe dava uma aparência de legitimidade e lhe permitia reunir partidários para sua bandeira. Embora ele rapidamente tenha se tornado mestre da região ao redor de Nicéia, em grande parte porque o novo Império Latino cruzado baseado em Constantinopla foi atacado e a liderança massacrada ou capturada pelos búlgaros sob Joanitzes, também conhecido como João I (r. 1196-1207), ele ainda tinha para competir com o Império de Trebizonda e seu sogro Aleixo III.

Remover publicidades

Advertisement

A RICA E CULTURADA NICAEA, UMA CAPITAL TEMPORÁRIA IDEAL, ESTAVA REPLETA DE PALÁCIOS E IGREJAS E ESTAVA EM MÃOS BIZANTINAS HÁ MAIS DE 1.000 ANOS.

Teodoro derrotou Davi Komnenos, irmão do imperador trapezuntino Aleixo I Komnenos (r. 1204-1222), e logo depois se proclamou imperador Teodoro I Láscaris (r. 1204-1222). No entanto, Teodoro não conseguiu convencer o patriarca exilado de Constantinopla, João Kamateros, a vir da Bulgária para Niceia, então ele não foi oficialmente ungido imperador até 1208, quando o novo patriarca o fez.

Niceia era uma capital temporária ideal para Bizâncio no exílio. A cidade rica e culta foi sede de dois conselhos ecumênicos, estava repleta de palácios e igrejas e esteve em mãos bizantinas, com exceção de uma breve ocupação seljúcida no final do século XI, por mais de 1.000 anos.

Remover publicidades

Advertisement

Ao mesmo tempo, Aleixo III, que ainda estava vivo e com ciúmes do novo poder de Teodoro, encomendou ao sultão turco seljúcida Caicosroes I (r. 1192-1196, 1205-1211) para atacar o Império de Niceia. Na Batalha de Antioquia no Meandro em 1211, Teodoro derrotou e matou Caicosroes. Aleixo III foi colocado em cativeiro e morreu no final daquele ano. O novo imperador latino, Henrique de Flandres (r. 1205-1216), aproveitou a preocupação de Teodoro em ganhar o controle da costa sul do Mar de Mármara. No entanto, Teodoro então usou a morte de Davi Komnenos para assumir o controle dos territórios ocidentais de Trebizonda. Em 1214, Teodoro e Henrique assinaram o Tratado de Ninfeu, que (brevemente) estabeleceu a paz entre os impérios de Niceia e Latino e serviu como reconhecimento oficial do Império de Niceia pelos latinos, seguido por Veneza em 1220.

Estabelecimento de um Império

O governo competente de Teodoro manteve o Império de Niceia vivo após a queda de Constantinopla, mas seriam seus sucessores que prepararam Niceia para restabelecer o Império Bizantino. Depois que Teodoro morreu em 1222, ele foi sucedido por seu genro, João III Ducas Vatatzes (r. 1222-1254), que se tornou o mais importante imperador de Niceia, dominando-o pela maioria por sua existência. Após uma breve disputa sucessória, João tomou a ofensiva contra o Império Latino, arrancando seus territórios asiáticos e até capturando brevemente a importante cidade de Adrianópolis na Europa.

John III Doukas Vatatzes
João III Ducas Vatatzes
Cplakidas (Public Domain)

João foi empurrado para trás pelo poderoso Teodoro Komnenos Ducas, déspota de Epiros (r. 1215-1230), que havia capturado Tessalônica e agora Adrianópolis, sendo declarado imperador na primeira. Parecia que Teodoro seria o único a recapturar Constantinopla dos latinos, especialmente porque o czar búlgaro Ivan Asen II (r. 1218-1241) ameaçou as posições de Niceia na Europa. Mas João colheu os benefícios quando as forças de Ivan derrotaram os exércitos de Teodoro na Batalha de Klokotnitsa depois que Teodoro invadiu a Bulgária. Com a remoção efetiva de Épiro como candidato a restaurar Bizâncio, as esperanças gregas voltaram-se para João e o Império de Niceia.

Remover publicidades

Advertisement

Vendo uma oportunidade, João fez uma aliança com Ivan contra o Império Latino. Os dois tomaram praticamente todo o território fora de Constantinopla do Império Latino. No entanto, Ivan viu que João, e não o moribundo Império Latino, era o inimigo mais perigoso, e ele começou a apoiar o Império Latino, mantendo-o vivo por um fio. Após a morte de Ivan em 1241, João capturou grandes áreas do antigo território bizantino na Europa, incluindo o prêmio de Tessalônica em 1242 e a maior parte da Trácia e Epiros. O jogo de João com Epiros, Bulgária e o Império Latino havia funcionado. O Despotado de Epiros tornou-se vassalo de João. Com um domínio em torno de Constantinopla, João posicionou o Império de Nicéia para restaurar Bizâncio.

Novas Perspectivas Internas e Outras Relações Exteriores

Devido a inicialmente possuir apenas terras na Anatólia, o Império de Niceia concentrou-se em seus territórios orientais muito mais do que os últimos imperadores Ângelos do Império Bizantino. Teodoro e João empreenderam reformas econômicas e de gestão da terra na Anatólia para melhorar a produtividade agrícola e gerar mais riqueza para o império. John incentivou a agricultura e impostos mais baixos para aumentar a produtividade. Os Lascáridas também deram continuidade ao sistema (pronoia) de arrendamento de imóveis a particulares em troca de administrá-los e protegê-los. Tudo isso levou a uma Anatólia muito mais bem cuidada e protegida do que existia sob os Ângelo ou seus predecessores, os Komnenos.

O Império de Nicéia também começou a promover um senso de identidade grega em vez de apenas a identidade romana, como o Império Bizantino havia feito anteriormente. Os Lascáridas incentivaram a educação e a filosofia em Niceia e a cidade logo se tornou conhecida como um centro de aprendizado helenístico. Acolheu os principais estudiosos gregos, como Nicéforo Blemides e George Akropolites. Os estudiosos de Niceia começaram a falar sobre ser grego e helenismo; este foi o surgimento de uma identidade grega entre a população grega, uma tendência que continuou no Império Bizantino restaurado.

Remover publicidades

Advertisement

JOÃO FOI LEMBRADO COMO UM SANTO, UM REGENTE BEM-SUCEDIDO E AMADO QUE CONSTITUIU O IMPÉRIO DE NICAEA PARA RETOMAR CONSTANTINOPLA.

Talvez o maior feito diplomático de João tenha sido concluir uma aliança matrimonial com Frederico II, Sacro Imperador Romano (r. 1220-1250) e Rei da Sicília (r. 1198-1250), o governante mais poderoso da Europa. Ambos se opunham ao papado, que era a raiz da aliança. Hoje essa aliança é sinônimo do reinado de João, e o apoio do poderoso Frederico elevou a importância de Niceia aos olhos da Europa. Enquanto a amizade durou até a morte de Frederico em 1250, as relações entre o Império de Niceia e a Sicília se desfizeram sob o filho e sucessor de Frederico, Manfred (r. 1258-1266).

João também fez uma aliança com os seljúcidas e o Império de Trebizonda contra os mongóis quando invadiram a região nas décadas de 1230 e 1240. Os mongóis esmagaram os seljúcidas e Trebizonda rapidamente pagou tributo, mas os mongóis nunca avançaram no território de Niceia, preservando o império de uma destruição quase garantida. Quando João morreu em 1254, ele foi lembrado como um santo. Um governante bem-sucedido e amado, foi ele quem estabeleceu o Império de Niceia para retomar Constantinopla. Era apenas uma questão de quando.

Rumo à reconquista de Constantinopla

João foi sucedido por seu filho, Teodoro II Láscaris (r. 1254-1258). Teodoro era doente, mas extremamente instruído, tendo estudado com os melhores estudiosos de sua época, Nicéforo Blemides e George Akropolites. Ele instituiu várias reformas, entre elas o aumento dos impostos para recrutar soldados e o uso de tropas gregas nativas em vez de mercenários estrangeiros, como era costume desde pelo menos o século XI. Ele também derrotou os búlgaros em duas campanhas e reconquistou a importante cidade portuária do Adriático de Dirráquio através de seu casamento com a filha do déspota de Épiro. Ele também conseguiu impedir que os mongóis atacassem seu império.

Teodoro morreu jovem em 1258, deixando seu filho, João IV Láscaris, de oito anos (r. 1258-1261) como imperador. O poderoso general Miguel Paleólogo aproveitou esta situação e tornou-se co-imperador no ano seguinte como Miguel VIII Paleólogo (r. 1259-1281). Miguel esmagou uma poderosa aliança do Despotado de Epiros, os senhores latinos da Grécia e Manfred na Batalha de Pelagonia em 1259. Após a batalha, Michael recapturou todas as terras epirotas fora da própria Epiros e terras no sul da Grécia ao redor da cidade de Mistras.

Michael VIII Palaiologos
Miguel VIII Paleólogo
McZusatz (Public Domain)

Miguel planejou retomar Constantinopla. Ele assinou o Tratado de Ninfeu com Gênova em 1261, concedendo exceções comerciais aos genoveses em troca de apoio militar contra o Império Latino. Na realidade, isso não era necessário. O general de Miguel, Aleixo Estrategópulo, estava patrulhando perto da cidade e, com o exército do Império Latino fora da cidade em outra missão, Aleixo entrou na cidade e recapturou Constantinopla.

Pouco depois, a capital mudou oficialmente para Constantinopla e o Império Bizantino foi restaurado. Na mente dos nicenos, porém, eles sempre foram bizantinos; este foi apenas o fim de seu longo caminho para se restabelecer em Constantinopla. Com a captura de Constantinopla então, a importância de Niceia imediatamente desapareceu e o chamado Império de Niceia voltou a ser o Império Bizantino.

Pós-lúdio para um Império

Depois que Aleixo Estrategópulo capturou Constantinopla, Miguel VIII entrou na cidade para se proclamar imperador dos romanos. O Império Bizantino foi restaurado, embora apenas de forma enfraquecida. Controlava apenas a borda ocidental da Anatólia, Trácia, a maior parte do norte da Grécia e partes do sul da Grécia. O Império Bizantino restaurado sobreviveria até 1453, tudo isso enquanto era governado pelos descendentes de Miguel, os Paleólogos. Embora Miguel seja oficialmente o último imperador a governar de Niceia, geralmente se considera que João IV é realmente o último imperador de Niceia. João IV foi deixado para trás em Niceia quando Miguel se mudou para Constantinopla, e Miguel deixou João cego mais tarde naquele ano. João tinha apenas onze anos. Como o próprio Império de Niceia, João foi deixado para trás, esquecido como um pequeno interlúdio para um império restaurado.

Remover publicidades

Publicidade

Sobre o tradutor

Jéssica da Costa Minati Moraes
Graduanda em História na Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, membro dos grupos de pesquisa: NEAM - Núcleo de Estudos Antigos e Medievais e #Veredas_Digitais - Centro de Tecnologias e Humanidades.

Sobre o autor

Michael Goodyear
Michael possui graduação em História e em Línguas e Civilizações do Oriente Próximo pela Universidade de Chicago, onde estudou principalmente a história bizantina. Ele também tem um doutorado profissional (J.D.) pela Faculdade de Direito da Universidade de Michigan (University of Michigan Law School).

Citar este trabalho

Estilo APA

Goodyear, M. (2019, Junho 13). Império de Niceia [Empire of Nicaea]. (J. d. C. M. Moraes, Tradutora). World History Encyclopedia. Recuperado de https://www.worldhistory.org/trans/pt/1-18325/imperio-de-niceia/

Estilo Chicago

Goodyear, Michael. "Império de Niceia." Traduzido por Jéssica da Costa Minati Moraes. World History Encyclopedia. Última modificação Junho 13, 2019. https://www.worldhistory.org/trans/pt/1-18325/imperio-de-niceia/.

Estilo MLA

Goodyear, Michael. "Império de Niceia." Traduzido por Jéssica da Costa Minati Moraes. World History Encyclopedia. World History Encyclopedia, 13 Jun 2019. Web. 14 Ago 2022.