Wolfgang Amadeus Mozart

Definição

Mark Cartwright
por , traduzido por Jônia Carvalho Diniz
publicado em 01 Junho 2023
Disponível noutras línguas: Inglês, holandês, francês, espanhol
X
Mozart by Krafft (by Barbara Krafft, Public Domain)
Mozart por Krafft
Barbara Krafft (Public Domain)

Wolfgang Amadeus Mozart (1756-1791) foi um compositor austríaco que escreveu uma ampla gama de obras, incluindo concertos para piano, quartetos de cordas, sinfonias, óperas e música sacra. Considerado um dos ou talvez o maior talento musical natural de todos os tempos, Mozart morreu sem um tostão, aos 35 anos, e foi enterrado em uma cova sem identificação, mas sua obra sofisticada, expressiva e alegre continua a encantar até hoje.

A criança prodígio

Wolfgang Amadeus Mozart (batizado como Joannes Chrysostomus Wolfgangus Theophilus) nasceu em Salzburgo, na Áustria, em 27 de Janeiro de 1756. Filho de Leopold Mozart (1719-1787), violinista e compositor, e de Anna Maria Pertl, que incrementava a renda familiar com a confecção de rendas. Wolfgang era o caçula dos sete filhos do casal. Leopold tocou na orquestra do arcebispo de Salzburgo desde 1743 e escreveu um tratado popular sobre violino; ele ganhou o suficiente com seu próprio jogo para viver na Getreidegasse (nº 9) em Salzburgo.

Remover publicidades
Publicidade

Wolfgang era uma criança prodígio e estudou teclado e composição desde os cinco anos. O único irmão de Wolfgang que sobreviveu à infância foi sua irmã mais velha, Maria Anna (apelidada de 'Nannerl', 1751-1829), que também era uma pianista talentosa. Maria Anna, sendo mulher e vítima das restrições sociais da época, foi obrigada a desistir de qualquer ideia de atuação pública. Wolfgang, enquanto isso, continuou a hipnotizar com seu talento natural, encantando o público não apenas com sua forma de tocar, mas com "truques" como improvisação, leitura à primeira vista de qualquer peça sem falhas, tocando com o teclado coberto com um pano e escrevendo notas perfeitas música que ele tinha acabado de ouvir pela primeira vez.

A FAMÍLIA MOZART CERTAMENTE NÃO SE IntimidOU COM aS incômodas VIAGEns DA EUROPA DO SÉCULO XVIII.

Com apenas seis anos, Wolfgang já era bom o suficiente para impressionar o Eleitor da Baviera em Munique e a Imperatriz Maria Theresa no Palácio de Schönbrunn, em Viena. No ano seguinte, 1763, o público de Wolfgang tornou-se ainda mais majestoso quando ele se apresentou em Paris para o rei Luís XV da França (r. 1715-1774) e para o rei George III da Grã-Bretanha (r. 1760-1820) em Londres. Surpreendentemente, e ainda com apenas 8 anos de idade, Mozart publicou quatro sonatas para teclado em Paris. Ele também estava ocupado com sua primeira sinfonia e logo depois com sua primeira ópera. O último trabalho, intitulado La finta semplice (The Pretend Simpleton), foi uma ópera cômica apresentada pela primeira vez em Salzburgo em maio de 1769. Aqui, de fato, havia um novo talento musical tremendo, mas isso teve um preço. Elogiado por seu talento e incapaz de adquirir as habilidades pessoais necessárias que a maioria das crianças tem em preparação para a idade adulta, Mozart não era um indivíduo completo. Nas palavras de seu primeiro biógrafo, Friedrich Schlichtegroll:

Remover publicidades
Publicidade

Pois, assim como esse ser raro cedo se tornou um homem, no que diz respeito à sua arte, ele sempre permaneceu – como o observador imparcial deve dizer dele – em quase todos os outros assuntos uma criança. Ele nunca aprendeu a governar a si mesmo. Pela ordem doméstica, pela administração sensata do dinheiro, pela moderação e escolha sábia, nos prazeres, ele não tinha sentimento. Ele sempre precisava de uma mão orientadora.

(Schönberg, 90)

Western Classical Music, c. 1700-1950
Música Clássica Ocidental, c. 1700-1950
Simeon Netchev (CC BY-NC-SA)

O historiador musical muito mais recente C. Schonberg dá o seguinte resumo contundente do caráter e físico de Mozart:

Ele cresceu como um homem complicado com uma personalidade complicada e um talento sem precedentes para fazer inimigos. Ele não tinha tato, falava impulsivamente, dizia exatamente o que pensava sobre outros músicos (raramente tinha uma palavra boa a dizer), tendia a ser arrogante e desdenhoso e fazia poucos amigos verdadeiros na comunidade musical. Ele tinha a reputação de ser tonto e leviano, temperamental, obstinado... Além disso, ele não era uma figura glamorosa fisicamente. Ele era muito baixo; seu rosto, de tez amarelada, estava marcado pela varíola; sua cabeça era grande demais para sua estrutura esguia. Ele era míope e tinha olhos azuis que tendiam a se projetar, cabelos grossos, nariz grande e mãos rechonchudas.

(92)

Início de carreira

A educação musical de Wolfgang continuou na Itália a partir de dezembro de 1769. A família Mozart certamente não se intimidou com os incômodos arranjos de viagem da Europa do século 18, e eles fizeram uma Grand Tour que passou por Milão, Florença, Nápoles e Roma (onde ele recebeu um cavalaria papal). Igualmente destemido por sua tenra idade, a corte ducal de Milão encarregou Mozart de escrever uma nova (desta vez séria) ópera, e ele o fez devidamente com Mitridate, re di ponto (Mitridates, Rei do Ponto). A obra foi realizada em dezembro de 1770 com grande aclamação.

Remover publicidades
Publicidade
SALZBURGO ESTAVA SE TORNANDO UM LAR MUITO LIMITADO PARA MOZART AGORA ELE VIU AS GRANDES CAPITAIS DA EUROPA.

Leopold Mozart foi criticado por alguns historiadores por fazer turnês incessantes com seu filho, mas, devido à sua própria formação musical, é provável que ele não tenha sido totalmente motivado por ganhos financeiros. Além disso, a exposição a diferentes culturas em sua juventude beneficiou muito a música de Wolfgang, pois a união de seu talento natural com sua sensibilidade para a música dos outros "deu a ele uma mistura única de individualidade e universalidade" (Arnold, 1209). Nesta fase do seu desenvolvimento musical, Mozart foi particularmente influenciado pela música de Joseph Haydn (1732-1809), que conheceu pessoalmente, e de Johann Sebastian Bach (1685-1750).

Mozart estava ansioso para trabalhar permanentemente na corte de Milão, mas não era para ser, então ele voltou para Salzburgo, onde foi nomeado Konzertmeister do arcebispo, líder da orquestra da corte, em 1772. Esta foi a primeira posição assalariada de Mozart. Em 1775, a ópera de Mozart La finta giardiniera (O fingido jardineiro) foi estreada em Munique. Ansioso para viajar novamente, Mozart pediu permissão a seu arcebispo, foi recusado e depois demitido. Indo para Paris, Mozart e sua mãe pararam em Mannheim, na Alemanha, no caminho. Lá Mozart se apaixonou pela cantora soprano Aloysia Weber, mas não deu em nada quando ele se mudou para a capital francesa. Mozart agora lutava para ganhar atenção em Paris, embora lhe oferecessem o cargo menor de organista em Versalhes. Ele não era mais uma criança prodígio, mas apenas outro músico tentando abrir caminho no inconstante negócio da música. Ele também era um pouco arrogante sobre seu talento, que aqui e em outros lugares muitas vezes provou ser um obstáculo para o progresso de sua carreira. Mozart compôs pelo menos várias novas obras, incluindo a Sinfonia de Paris (nº 31), mas quando sua mãe morreu repentinamente, ele voltou para a Áustria em 1779, parando em Mannheim, onde Aloysia deixou bem clara sua indiferença pelo músico.

Leopold, Maria Anna, & Wolfgang Amadeus Mozart
Leopold, Maria Anna, & Wolfgang Amadeus Mozart
Johann Nepomuk della Croce (Public Domain)

No final da década de 1770, Mozart havia trabalhado diligentemente em seus deveres na corte, compondo toda uma série de sinfonias, serenatas e concertos. Em 1780, Munique novamente foi uma cidade de sorte quando ele foi contratado para uma nova ópera a ser encenada lá. Mozart criou Idomeneo, que misturava habilmente música e forte caracterização, é considerada sua primeira grande ópera e foi apresentada pela primeira vez em janeiro de 1781. Salzburgo estava se tornando um lar muito limitado para o compositor agora que ele conhecia as grandes capitais da Europa. Mozart também não gostou de um novo arcebispo que não tinha interesse em encomendar para os serviços religiosos as obras complexas que agora estava interessado em compor.

Remover publicidades
Publicidade

Mozart em Viena

Em março de 1781, Mozart deixou Salzburgo para os horizontes de carreira mais amplos oferecidos por Viena. Na capital austríaca, ele ganhava a vida ensinando, compondo música de câmara e dando concertos privados para os ricos, onde experimentava suas novas composições, muitas vezes regendo do seu teclado. Em 1782, ele escreveu a ópera Die Entführung aus dem Serail (O Rapto do Harem, também conhecido como Seraglio), que foi um sucesso; sua ária Martern aller Arten foi especialmente apreciada. A ópera teve seus críticos, Joseph II, Sacro Imperador Romano (1765-1790) observou, como muitos outros fizeram em relação às obras frequentemente complexas de Mozart, que ela tinha "notas demais" (Arnold, 1211).

Por volta de 1782, Mozart começou a compor músicas mais inovadoras em termos de variedade de instrumentos envolvidos. Ele utilizou instrumentos de cordas, trompas e oboé, mas acrescentou a esses o grupo tradicional de flautas, clarinetes, violas, fagotes, trompetes e tímpanos. Mozart estava preocupado com as pessoas que copiavam sua música e, por esse motivo, raramente dava permissão para que ela fosse distribuída em forma impressa. O próprio Mozart manteve catálogos detalhados de suas composições. Ainda assim, a vida em Viena para um músico freelancer era difícil.

Mozart casou-se com Constanze Weber (1762-1842), uma cantora amadora e irmã mais nova de Aloysia, em 4 de agosto de 1782. Mozart a descreveu de forma pouco lisonjeira: "Ela não é feia, mas de forma alguma bonita... Ela não é espirituosa, mas tem bom senso suficiente" (Schonberg, 97). O pai de Mozart não aprovava uma escolha tão humilde, mas não havia nada que ele pudesse fazer a respeito. O casal teve seis filhos, mas apenas dois sobreviveram à infância: Karl Thomas Maria (1784-1858) e Franz Xaver Wolfgang (1791-1844), que se tornou músico e compositor como seu pai. O casamento de Wolfgang e Constanze parece ter sido feliz, e a estabilidade que ele trouxe, junto com uma nova vida longe de Salzburgo, fez bem ao compositor. Como observa Schonberg, "1781 marca o período de maturidade de Mozart e praticamente todas as obras posteriores são uma obra-prima" (99).

Remover publicidades
Publicidade

Mozart's Piano
Piano de Mozart
VitVit (CC BY-SA)

As Grandes Óperas

Sempre foi ambição de Mozart se destacar no campo da ópera. Em 1786, ele completou sua ópera Le nozze di Figaro (As Bodas de Fígaro), baseada na peça La folle journée, ou le marriage de Figaro de Pierre Beaumarchais. A peça ficou conhecida por seus ataques cômicos à moralidade aristocrática e foi proibida em Viena. O libretista de Mozart foi Lorenzo Da Ponte (1749-1838), o poeta da corte de Viena. A história, contada em quatro atos, mostra Figaro se preparando para se casar com Susanna, que está sendo observada por um conde, enquanto Figaro deve ao mesmo tempo se livrar de uma promessa de se casar com outra mulher (Marcellina) se não pagar uma dívida. Há mal-entendidos ridículos, identidades reveladas e um pouco de travestismo, mas, finalmente, um final feliz para todas as partes.

A ópera de Mozart é considerada uma obra-prima, mas não foi bem recebida pelos vienenses em sua estréia em 1º de maio de 1786, a reação talvez influenciada pelos rivais musicais de Mozart, o principal deles Antonio Salieri, o compositor da corte. A ópera se saiu muito melhor em Praga em 1787, o que encorajou Mozart a continuar nesse gênero. Para Don Giovanni e Cosi fan tutte ou Assim fazem todas as mulheres, também conhecido como A escola dos amantes (1790), Lorenzo Da Ponte foi novamente responsável pelos libretos. Don Giovanni, que conta a lendária história do aparentemente irresistível mas malfadado conquistador mais conhecido como Don Juan, foi um sucesso em Praga, estreou em 29 de outubro de 1787, mas novamente falhou em inspirar os amantes da música de Viena, que mais uma vez descreveram a música de Mozart como "muito avançada" e "difícil" (Arnold, 1212).

Cosi fan tutte conta a história, em dois atos, de dois soldados, Ferrando e Guglielmo, que apostam com Don Alfonso que suas respectivos namoradas (Fiordiligi e Dorabella) permanecerão fiéis enquanto eles deixam Nápoles por um tempo a serviço. Os dois policiais saem e depois voltam disfarçados para cortejar a namorada um do outro, tudo isso com o envolvimento da empregada Despina que se torna advogada e arranja o casamento dos dois casais. Os dois disfarçados saem antes do casamento duplo e voltam como eles mesmos para castigar suas namoradas. Por fim, tudo é perdoado e os casais cantam em louvor à Razão. As apresentações de Cosi fan tutte foram um sucesso em janeiro de 1790, mas foram prontamente interrompidas em fevereiro, quando o imperador morreu e todas as casas de ópera e salas de concerto foram fechadas em sinal de respeito.

Apesar do amplo sucesso musical de Mozart, ele ainda lutou para ganhar reconhecimento em Viena. Embora tenha conseguido uma nomeação na corte como compositor de música de câmara em 1787, a posição não era a que ele esperava. O trabalho não era bem pago o suficiente para atender às suas necessidades, tanto quanto, como era conhecido por jantar champanhe e ostras, o compositor precisasse de uma renda maior do que a maioria dos músicos. A situação financeira de Mozart deteriorou-se significativamente a partir de 1788, tanto que ele freqüentemente tinha que pedir dinheiro a seus amigos. Mais uma vez, Mozart foi obrigado a procurar em outro lugar uma recepção mais gentil para seu trabalho, mas as viagens a Berlim e Frankfurt não melhoraram suas finanças precárias. Sua esposa precisava de uma cura nas famosas águas de Baden-Baden, outro esgotamento dos recursos de Mozart. Pelo menos esse tempo passado nas cidades alemãs permitiu que ele estudasse melhor as obras de Bach, particularmente sua habilidade com dispositivos contrapontísticos.

Apesar da falta de reconhecimento, e com a saúde também debilitada, Mozart continuou a compor sinfonias, concertos e músicas de dança. Ele compôs a ópera La clemenza di Tito (A Clemência de Tito), que foi encomendada para marcar o novo imperador se tornando o rei da Boêmia em sua coroação em Praga. A obra estreou em setembro de 1791. Mozart também repetiu a apresentação da sua Missa da Coroação de 1779.

Mais uma ópera veio em setembro de 1791: Die Zauberflöte ou A Flauta Mágica. A ópera em dois atos, com libreto de Emanuel Schikaneder, conta a história de Tamino, que acredita ter sido resgatado de uma serpente por um caçador de pássaros chamado Papageno, quando na verdade era servo da Rainha da Noite. Tamino então se apaixona por Pamina (ou melhor, por uma foto dela), filha da Rainha. Quando Pamina é capturada pelo padre Sarastro, Tamino tenta resgatá-la armado com uma flauta mágica, mas ela é guardada por um mouro chamado Monostatos. Tamino acaba tendo sucesso, a cativa e o salvador se apaixonam e Tamino é iniciado no sacerdócio por Sarastro. Enquanto isso, Pamina deve suportar vários testes de seu amor. Tudo acaba bem, e os deuses egípcios Ísis e Osíris são elogiados no final da ópera. A ópera está repleta de referências aos maçons secretos, provavelmente mais do que os colegas maçons do compositor se sentiram à vontade para ver em um palco público (Mozart se juntou aos maçons em 1784). A ópera foi um sucesso, mas a partitura elaborada - repleta de "canções cativantes, árias e duetos fascinantes, peças de exibição espetaculares e coros nobres" (Sadie, 190) - foi novamente surpreendentemente complexa para um público que procurava apenas entretenimento leve.

Mozart's Music for his Requiem
Música de Mozart para seu Réquiem
Unknown Artist (Public Domain)

Obras Posteriores de Mozart

Intercaladas entre as óperas, Mozart compôs muitas obras de música de câmara. "Talvez sua maior conquista na música de câmara seja o par de quintetos de cordas, K515 e 516 de 1787, obras de uma nova riqueza, calor e profundidade de sentimento" (Sadie, 188). Ao mesmo tempo, os concertos para piano de Mozart de meados da década de 1780 "forjaram um novo tipo de relacionamento entre solista e orquestra... a rica escrita para os instrumentos de sopro da orquestra ajuda a dar a cada concerto seu caráter particular" (Sadie, 189).

Em 1791, finalmente, o reconhecimento em Viena veio quando Mozart foi nomeado Kapellmeister da Catedral de St. Stephen da cidade (embora ele nunca tenha vivido para assumir o cargo). A última grande obra de Mozart, Requiem, foi encomendada por um nobre vienense para celebrar a morte de sua jovem esposa. A encomenda foi feita em segredo, pois o comprador queria que todos pensassem que ele mesmo havia composto a peça para seu amor perdido. Mozart não teve tempo de terminar a obra, tarefa que foi assumida por seu aluno, Franz Süssmayr.

Obras Mais Famosas de Mozart

As obras mais famosas compostas por Wolfgang Amadeus Mozart incluem:

  • 60 sinfonias
  • 24 quartetos de cordas
  • 23 concertos para piano
  • 18 sonatas para piano
  • 16 missas
  • 5 concertos para violino
  • Mitridate, re di ponto opera – Mitrídates, Rei do Ponto (1770)
  • Missa da Coroação (1779)
  • Ópera Idomeneo (1781)
  • Die Entführung aus dem Serail opera – O Rapto do Harém (1782)
  • Ópera Le nozze di Figaro – As Bodas de Fígaro (1786)
  • Ópera Don Giovanni (1787)
  • Cosi fan tutte opera – A Escola dos Amantes (1790)
  • La clemenza di Tito opera - A Clemência de Tito (1791)
  • Ópera Die Zauberflöte – A Flauta Mágica (1791)
  • Réquiem (1791)

Além do acima, Mozart escreveu concertos para instrumentos de sopro como o clarinete e muitas outras peças individuais de música de câmara e obras sacras.

Portrait of Mozart by Stock
Retrato de Mozart por Stock
Dora Stock (Public Domain)

Morte e Legado

Mozart morreu em Viena de problemas de saúde, provavelmente uma combinação de doença renal e febre reumática, em 5 de dezembro de 1791. O compositor não deixou dinheiro suficiente para evitar ser enterrado em uma sepultura simples e sem identificação no cemitério de São Marcos, e assim a localização precisa de seus restos mortais é desconhecido hoje.

A música de Mozart influenciou muitos compositores posteriores, de Ludwig van Beethoven (1770-1827) a Gioachino Rossini (1792-1768). Suas óperas elevaram o subgênero da ópera cômica a novos patamares, seus concertos para piano apontaram o caminho para as majestosas sinfonias orquestrais ainda por vir, e sua música de câmara revelou novas possibilidades de técnica e expressão musical, textura harmônica e elegância. No século 19, Mozart era frequentemente chamado de Rafael da música e, como aquele pintor renascentista, trouxe uma nova coloração vibrante e pura alegria ao seu campo artístico. Em suma, Mozart reivindicou ser o maior músico de todos os tempos; aqueles que seguem foram apresentados a um alvo igual ou melhor, se puderem, mas poucos realmente chegaram perto.

O Requiem de Mozart foi tocado no serviço memorial de Joseph Haydn em 1809. Haydn disse uma vez ao pai de Mozart que "Diante de Deus, e como um homem honesto, digo-lhe que seu filho é o maior compositor conhecido por mim" (Arnold, 1209 ). Mozart continua a ser imenso e quase universalmente popular, sua música cruzando fronteiras culturais e aparecendo em todos os lugares, desde trilhas sonoras de filmes a toques de celular (quem nunca ouviu Eine Kleine Nachtmusik interrompendo alegremente um silêncio em algum lugar?). Talvez a melhor explicação para essa popularidade duradoura tenha sido dada pelo compositor Antonín Dvořak (1841-1904), que observou simplesmente que "Mozart é a luz do sol" (Thompson, 78).

Remover publicidades
Publicidade

Perguntas e respostas

Pelo que Mozart é conhecido?

Wolfgang Amadeus Mozart é conhecido por ser um compositor austríaco de todos os tipos de música, incluindo concertos para piano, óperas, sinfonias e música de câmara. Ele era uma criança prodígio que se tornou um dos maiores músicos naturais de todos os tempos.

Quais são as óperas mais famosas de Mozart?

As óperas mais famosas de Mozart são: As Bodas de Fígaro (1786), Don Giovanni (1787), Cosi fan tutte (1790) e A Flauta Mágica (1791).

Como Mozart morreu?

Mozart morreu de problemas de saúde aos 35 anos. A causa mais provável da morte foi doença renal e febre reumática combinada com tratamentos médicos inadequados. Sugestões de que Mozart foi envenenado são rejeitadas pela maioria dos historiadores.

Sobre o tradutor

Jônia Carvalho Diniz
Jônia Diniz é tradutora certificada com formação em inglês, francês e espanhol. Mora no Brasil. Entusiasta da História.

Sobre o autor

Mark Cartwright
Mark é autor, pesquisador, historiador e editor em tempo integral. Seus principais interesses incluem arte, arquitetura e descobrir as ideias que todas as civilizações compartilham. Ele possui mestrado em Filosofia Política e é diretor editorial da WHE.

Citar este trabalho

Estilo APA

Cartwright, M. (2023, Junho 01). Wolfgang Amadeus Mozart [Wolfgang Amadeus Mozart]. (J. C. Diniz, Tradutor). World History Encyclopedia. Obtido de https://www.worldhistory.org/trans/pt/1-21926/wolfgang-amadeus-mozart/

Estilo Chicago

Cartwright, Mark. "Wolfgang Amadeus Mozart." Traduzido por Jônia Carvalho Diniz. World History Encyclopedia. Última modificação Junho 01, 2023. https://www.worldhistory.org/trans/pt/1-21926/wolfgang-amadeus-mozart/.

Estilo MLA

Cartwright, Mark. "Wolfgang Amadeus Mozart." Traduzido por Jônia Carvalho Diniz. World History Encyclopedia. World History Encyclopedia, 01 Jun 2023. Web. 24 Mai 2024.