Viriato

Definição

Ludwig Heinrich Dyck
por , traduzido por Joana Mota
publicado em 07 Abril 2017
X

Texto original em inglês: Viriathus

Viriathus (by Eduardo Barrón, CC BY-SA)
Viriato
Eduardo Barrón (CC BY-SA)

Viriato (c. 180-140 a.C.) foi o líder dos Lusitanos na sua guerra contra Roma. Em 150, Viriato escapou do massacre romano e da escravidão dos Lusitanos, que se renderam pacificamente. Viriato continuou a lutar na resistência e ascendeu para se tornar o líder da tribo. De 147 a 142 a.C., Viriato obteve uma vitória após a outra contra os romanos. Contudo, Viriato não foi capaz de igualar os vastos recursos de Roma e começou a ficar desgastado. Em 140 a.C. Viriato renovou as negociações de paz, mas foi traído e assassinado por amigos próximos. Um dos inimigos mais bem sucedidos e carismáticos de Roma, Viriato tornou-se o primeiro herói nacional de Portugal.

Viriato & Os Lusitanos rendem-se a Roma

Os Lusitanos eram um dos grandes grupos tribais celta-ibéricos da Hispânia (Espanha), o nome romano da Península Ibérica. As terras lusitanas equivaliam aproximadamente às do Portugal de hoje. Em 206 a.C., após a apropriação dos domínios cartagineses do sul de Espanha por Roma, os nativos ibéricos revoltaram-se. Os conflitos a decorrer espalharam-se, eventualmente, para envolver as tribos celta-ibéricas da Espanha central. Os Lusitanos começaram a lutar contra os romanos em 194 a.C., invadindo a Hispânia Ulterior (mais a Espanha), a mais próxima das duas províncias espanholas romanas. Quando em 179 a.C. as hostilidades cessaram por fim, deveu-se em grande parte ao respeito que os lusitanos haviam conquistado pelo governador romano Tibério Semprônio Graco (o Velho). Foi nessa época que nasceu Viriato.

Remover publicidades

Advertisement

Viriato passou a sua infância a cuidar das ovelhas nas colinas e nas terras selvagens. Quando se tornou um adolescente, Viriato provavelmente começou a participar em ataques locais. Como outros jovens guerreiros celtas-ibéricos, ele tentou provar o seu valor no banditismo que era comum entre as tribos. À medida que Viriato crescia, ele via as relações da sua tribo com Roma a deteriorarem-se. Os governadores que vieram para ocupar o lugar de Graco eram homens gananciosos, que oprimiam as tribos vizinhas. Depois das queixas dos Lusitanos ao Senado romano não terem conseguido melhorar a situação, os Lusitanos retomaram as hostilidades com a Hispânia Ulterior em 154 a.C. Por essa altura, Viriato deveria estar na casa dos 20 anos. Em 153 a.C., alguns dos Lusitanos chegaram a cruzar os Pilares de Hércules (Gibraltar) e atacaram África. Dois anos depois, os Lusitanos infligiram uma derrota ao governador da Hispânia Ulterior, Sérvio Sulpício Galba. É provável que Viriato tenha participado em algumas destas campanhas, o seu carisma e liderança conquistaram-lhe um bando de seguidores.

ENTRE OS SOBREVIVENTES DO MASSACRE DOS LUSITANOS POR GALBA ESTAVA VIRIATO, QUE JUROU VINGANÇA CONTRA ROMA.

Embora os Lusitanos permanecessem inquebráveis, os anos de guerra cobraram o seu preço. Quase certamente, Viriato teria perdido familiares e amigos próximos. Exaustos de terem as suas casas queimadas, o seu povo morto ou escravizado, os Lusitanos enviaram emissários a Galba. Ele disse-lhes que compreendia os seus motivos para fazerem guerra. "A pobreza do solo e a penúria forçam-vos a fazer essas coisas. Mas darei boas terras aos meus pobres amigos e vou colocá-los num país fértil, em três divisões" (Apiano, História Romana, VI. X. 59, 60). Viriato tinha ouvido falar do grande Graco pelos seus anciãos. Talvez Galba também fosse um homem de palavra.

Remover publicidades

Advertisement

Governador Galba trai os Lusitanos

Viriato juntou homens, mulheres e crianças que se reuniram nas aldeias da Lusitânia. Eles partiram com os seus pertences, as suas carroças, o seu gado e as suas armas, para se encontrarem com outros até que dezenas se tornaram centenas e centenas se tornaram milhares. O ano era 150 a.C. e os Lusitanos estavam a render-se a Roma. Havia 30.000 deles quando os soldados romanos disseram aos chefes que os Lusitanos deviam separar-se em três grupos. Escolhidos por legionários e auxiliares, os grupos foram levados para fora da vista uns dos outros.

Iberian Falcata Sword
Espada de Falcata Ibérica
Luis Garcia (CC BY-SA)

Galba visitou o primeiro grupo, pedindo-lhes que largassem as armas para mostrar as suas intenções pacíficas. Os Lusitanos fizeram o que foi pedido apenas para observar, apreensivos, os soldados romanos cavarem uma trincheira ao redor deles. Os legionários então abriram caminho por entre as famílias lusitanas em pânico. Os romanos capturaram os lusitanos em idade de lutar mataram-nos na hora. Uma vida de escravidão esperava os outros. Ambos os outros grupos tribais foram tratados da mesma maneira. No que deve ter sido uma corrida louca para escapar ao massacre, apenas alguns escaparam. Galba ficou com quase todo o saque e deu apenas uma pequena quantia aos seus soldados. De volta a Roma, o Senado ficou indignado com o comportamento desdenhoso de Galba, mas não foi capaz de repreendê-lo por causa da sua grande riqueza.

Remover publicidades

Advertisement

Viriato conduz os Lusitanos à Vitória

Entre os sobreviventes do massacre dos Lusitanos por Galba estava Viriato, que jurou vingança contra Roma. Viriato tornou-se um jovem chefe e em 147 a.C. juntou-se ao exército lusitano que invadiu a pacificada Turdetânia romana. No entanto, o legado Caio Vetílio respondeu vigorosamente, prendendo os Lusitanos contra um rio. Abatidos, os Lusitanos enviaram emissários com ramos de oliveira a Vetílio. Eles repetiram os seus apelos por terras mais férteis para se estabelecerem.

Vetílio concordou com as exigências dos Lusitanos, mas por sua vez exigiu a entrega das suas armas. Viriato não quis saber disso, lembrando os homens da tribo da traição de Galba. As suas palavras mexeram com os seus corações e espíritos a ponto de invocarem Viriato para assumir o comando de todo o exército. Reunindo a cavalaria lusitana, Viriato liderou-os em ataques fictícios contra as linhas romanas. A escaramuça confundiu os comandantes romanos e permitiu que a infantaria lusitana fugisse do campo.

Roman Legionary Kit
Kit Legionário Romano
Carole Raddato (CC BY-SA)

À noite, Viriato e a cavalaria escaparam para se juntar à sua infantaria. Vetílio veio em sua perseguição, mas os legionários com armaduras pesadas não conseguiram alcançar os Lusitanos com armas leves. Viriato manteve-se fora de alcance, atraindo os romanos até o vale do rio Barbesula até que a coluna romana se estendesse ao longo de uma passagem estreita, com uma encosta coberta de matagais de um lado e um penhasco do outro. Aqui Viriato estendeu a sua armadilha, girando a sua cavalaria e atacando pela frente, enquanto as tribos escondidas nas moitas desciam a encosta. Os Lusitanos lançaram dardos e então aproximaram-se empunhando espadas curtas e a mortal falcata, as espadas curvas em forma de foice que se alargavam em direção à ponta. Os romanos conseguiram lutar para escapar, mas não sem antes perderem mais da sua metade. Vetílio estava entre as 4000 vítimas.

Remover publicidades

Advertisement

À MEDIDA QUE A REPUTAÇÃO DE VIRIATO CRESCIA, MAIS & MAIS MEMBROS DA TRIBO IAM PARA O SEU LADO. AQUI ESTAVA UM LÍDER QUE NEM MESMO OS ROMANOS PODERIAM VENCER.

À medida que a reputação de Viriato crescia, mais e mais membros da tribo iam para o seu lado. Aqui estava um líder que nem mesmo os romanos poderiam vencer. Viriato dividia sempre o saque de forma justa, distribuindo até a sua própria parte pelos seus guerreiros mais corajosos. Numa história do seu casamento, Viriato não se impressionou com o ouro e a prata do seu sogro romanizado. Apoiou-se na sua lança e comeu pouco, oferecendo sacrifícios à maneira lusitana, depois ergueu a noiva no seu cavalo e cavalgou para as colinas.

Em 146 a.C., Viriato invadiu as terras férteis dos Carpetanos. Ao retirar perante as forças romanas maiores, ele voltou para atacar a coluna romana enfraquecida e infligiu baixas graves. Os romanos chamaram esse método de finta e contra-ataque de concursare. No mesmo ano, Viriato derrotou outro exército romano perseguidor em redor do Monte Veneris (montanha “Vénus”), atacou guarnições romanas na Espanha central e capturou Segobriga. Viriato exibia os estandartes romanos em todas as encostas. O comandante do exército romano, Cláudio Unimano, deixou um relato da ferocidade da luta:

Numa passagem estreita, 300 Lusitanos enfrentaram 1000 Romanos; como resultado da ação, 70 dos primeiros e 320 dos últimos morreram. Quando os vitoriosos Lusitanos se retiraram e se dispersaram com confiança, um deles a pé separou-se e foi cercado por um destacamento da cavalaria perseguidora. O guerreiro solitário perfurou o cavalo de um dos cavaleiros com sua lança e com um golpe da sua espada cortou a cabeça do romano, produzindo tanto terror entre os outros que eles prudentemente se retiraram sob seu olhar arrogante e desdenhoso (Orósio, Sete Livros de História Contra os Pagãos, 5.4).

O atrito desgasta Viriato

As vitórias de Roma na Quarta Guerra da Macedónia (149-148 a.C.) e na Terceira Guerra Púnica (149-146 a.C.), libertaram recursos adicionais para o teatro espanhol. Em 145 a.C., o cônsul Fábio Máximo Emiliano, da famosa família Cipião, chegou à Hispânia Ulterior com duas legiões verdes e aliados num total de 15.000 pés e 2.000 cavalos. Fábio demorou o seu tempo a treinar as suas tropas e limitou-as a escaramuças. Em 144 a.C., ele enfrentou Viriato diretamente, saindo como o melhor e queimando duas cidades. Quando Fábio foi substituído por Quinto Pompeu no ano seguinte, Viriato recuperou a sua sequência de vitórias, emboscando Quinto perto da Montanha de Vénus.

Remover publicidades

Advertisement

Roman Victory
Vitória Romana
CA (Copyright)

Em 142 a.C., a sorte da guerra mudou novamente quando o irmão de Fábio, o cônsul Fábio Máximo Serviliano, trouxe consigo 20.000 soldados e derrotou Viriato perto de Itucci. No seu confronto seguinte, Viriato revidou num dos seus contra-ataques típicos e infligiu 3.000 baixas. No entanto, desgastado, Viriato retrocedeu da Espanha central para a Lusitânia. Depois dele veio Serviliano, que sitiou a cidade de Erisana. Viriato veio em seu socorro, prendendo os romanos num desfiladeiro, mas depois oferecendo termos de paz.

A única exigência que Viriato tinha para Roma era que as fronteiras Lusitanas fossem respeitadas e que os Lusitanos se tornassem amici populi Romani - “Amigos do Povo Romano.” Embora Serviliano aceitasse e o Senado ratificasse os termos, o orgulho romano achava difícil perdoar um líder guerrilheiro que havia humilhado Roma. Os romanos provocaram os Lusitanos até que a guerra estourou mais uma vez em 140 a.C. O irmão de Serviliano, cônsul Q. Servílio Cepião, que assumiu na Hispânia Ulterior, perseguiu Viriato através de Carpetânia, Lusitânia e através das terras dos Vetões. A passagem das forças romanas foi marcada pela destruição. Quando Cepião foi reforçado por Popílio Lenas da Hispânia Citerior, os Lusitanos estavam prontos para implorar por paz. Lenas estava pronto para a conceder, mas apenas se os desertores romanos e todas as armas fossem entregues. Os romanos puniram os desertores à moda hispânica, cortando as suas mãos direitas. Relutante em entregar as suas armas, Viriato escolheu três amigos próximos, Audax, Ditalco e Minuro para negociar mais.

O Assassinato de Viriato

Viriato, que por anos havia enganado os seus inimigos, falhou em reconhecer o inimigo entre os que lhe eram mais próximos. Depois de voltarem dos romanos, os seus três “amigos” foram à tenda de Viriato à noite. Dizendo ao guarda que precisavam de consultar Viriato com urgência, dois deles seguraram o adormecido Viriato enquanto o terceiro enfiava uma faca nas suas costas. Quando o assassinato foi descoberto à luz do dia, os seguidores de Viriato ficaram cheios de tristeza e raiva. Os três conspiradores fugiram para os romanos. Tendo recebido uma quantia adiantada, eles queriam o restante pagamento, mas foram informados de que Roma não pagava a traidores. De volta ao acampamento Lusitano, o corpo de Viriato foi vestido com roupas ricas e depois queimado numa pira funerária. Foram oferecidos sacrifícios e guerreiros correram e cavalgaram em redor da pira.

Embora um guerreiro chamado Tântalo tenha tentado reverter a sorte dos Lusitanos, sem Viriato, um grande número de Lusitanos rendeu-se a Lenas em 139 a.C. Felizmente, Lenas provou ser um homem de palavra, distribuindo terras por alguns e deportando outros para novas regiões. A Lusitânia, no entanto, permaneceu livre do domínio romano até ao reinado do imperador Augusto (27 a.C. - 14 d.C.), quando a conquista de toda a Hispânia foi concluída.

Remover publicidades

Publicidade

Sobre o tradutor

Joana Mota
Sou portuguesa e, atualmente, vivo em Portugal. Sou estudante de mestrado e futura farmacêutica. Adoro ler sobre história. Acho que o passado é incrivelmente fascinante.

Sobre o autor

Ludwig Heinrich Dyck
Nascido na Alemanha, Ludwig H. Dyck tornou-se um cidadão canadiano através da cidadania do seu pai. Desde a sua primeira publicação em 1998, Dyck escreveu para diversas revistas de história americanas. O seu primeiro livro é "As Guerras Bárbaras Romanas."

Cite este trabalho

Estilo APA

Dyck, L. H. (2017, Abril 07). Viriato [Viriathus]. (J. Mota, Tradutor). World History Encyclopedia. Recuperado de https://www.worldhistory.org/trans/pt/1-15855/viriato/

Estilo Chicago

Dyck, Ludwig Heinrich. "Viriato." Traduzido por Joana Mota. World History Encyclopedia. Última modificação Abril 07, 2017. https://www.worldhistory.org/trans/pt/1-15855/viriato/.

Estilo MLA

Dyck, Ludwig Heinrich. "Viriato." Traduzido por Joana Mota. World History Encyclopedia. World History Encyclopedia, 07 Abr 2017. Web. 17 Out 2021.