4 Mulheres da Revolução Francesa

Artigo

Harrison W. Mark
por , traduzido por Jônia Carvalho Diniz
publicado em 27 Março 2023
X
translations icon
Disponível noutras línguas: Inglês, francês, espanhol

A Revolução Francesa (1789-1799) procurou desmantelar a sociedade opressora do antigo regime e construir um novo mundo baseado nos princípios de “Liberdade, Igualdade, Fraternidade”. Esse impulso para a mudança social levou a um crescente movimento feminista em Paris, à medida que líderes mulheres emergiam para defender causas revolucionárias e feministas.

Club of Patriotic French Women in a Church
Clube de mulheres francesas patrióticas em uma igreja
Chérieux (Public Domain)

Antes da Revolução, as mulheres eram consideradas cidadãs "passivas", incapazes de agir politicamente, cujas decisões tinham de ser tomadas pelos homens. Na França, como em outras sociedades ocidentais contemporâneas, essa foi uma das justificativas dadas para a subordinação das mulheres aos homens; antes da Revolução, as mulheres quase não tinham direitos e esperava-se que fizessem pouco mais do que ser boas esposas e mães. Como em muitos aspectos da sociedade, esses papéis tradicionais de gênero foram desafiados durante a Revolução Francesa.

Remover publicidades
Advertisement
AS MULHERES FIZERAM SUAS VOZES serem OUVIDAS ATRAVÉS DE PANFLETOS E SAÍRAM ÀS RUAS, CRIANDO SEUS PRÓPRIOS CLUBES POLÍTICOS E MILÍCIAS APENAS PARA MULHERES.

As mulheres demonstraram sua própria atuação política instigando e liderando alguns dos momentos-chave da Revolução; por exemplo, a Marcha das Mulheres em Versalhes e o assassinato de Marat por Charlotte Corday foram momentos que exemplificaram as ações de mulheres que se consideravam patriotas. Elas fizeram suas vozes serem ouvidas por meio de panfletos e jornais e até saíram às ruas, criando seus próprios clubes políticos e milícias só para mulheres. Este movimento feminista revolucionário foi impedido pelos jacobinos em 1793 e foi revertido pelo Código Napoleônico em 1804, que confirmou o status das mulheres como cidadãs secundárias.

As quatro mulheres discutidas neste artigo tornaram-se influentes na política revolucionária. Algumas promoveram os direitos das mulheres intencionalmente, enquanto outras o fizeram como um subproduto de sua zelosa participação na Revolução mais ampla. As duas primeiras, Germaine de Staël e Olympe de Gouges, eram mulheres de letras que expressavam seus ideais com caneta e papel, promovendo discussões políticas com as elites e intelectuais de Paris em seus salões. As duas últimas, Pauline Léon e Théroigne de Méricourt, foram organizadoras, ambas formando seus próprios clubes políticos e participando de algumas das ações mais importantes da Revolução. Estas são apenas quatro mulheres cujas lideranças afetaram a Revolução Francesa e promoveram a causa feminista em um dos momentos mais importantes e voláteis da história dos direitos humanos.

Remover publicidades
Advertisement

Germaine de Staël

Anne Louise Germaine de Staël-Holstein (22 de abril de 1766 a 14 de julho de 1817), mais conhecida como Madame de Staël, foi uma escritora franco-suíça, teórica política e salonnière que ganhou destaque político durante a Revolução. Nascida Germaine Necker, ela era filha do popular ministro das Finanças reais, Jacques Necker, e da salonnière Susanne Curchod. Germaine foi educada no salão de sua mãe, onde foi exposta pela primeira vez às obras dos filósofos do Iluminismo Jean-Jacques Rousseau e Baron Montesquieu. Em 1786, Germaine se casou com um diplomata sueco, o barão Erik Magnus Staël von Holstein, e completou sua primeira peça de três atos no mesmo ano. Em 1788, de Staël ganhou destaque quando publicou um livro altamente conceituado sobre Rousseau, intitulado Cartas sobre as obras e o caráter de J.J. Rousseau. Na época da publicação do livro, ela tinha apenas 22 anos.

Portrait of Madame de Staël
Retrato de Madame de Staël
Marie-Éléonore Godefroid (Public Domain)

Com a eclosão da Revolução em 1789, de Staël tornou-se politicamente envolvida; embora não pudesse exercer legalmente um cargo político, compareceu com frequência às reuniões da Assembleia Nacional e conheceu muitos dos deputados eleitos. Ela abriu seu próprio salão na embaixada sueca em Paris, onde recebeu uma série de nobres franceses, dignitários estrangeiros e figuras políticas influentes. Os jantares que ela oferecia em seu salão e em sua casa eram frequentados por nomes como Marquês de Lafayette, Thomas Paine, Thomas Jefferson e Sophie de Condorcet; esses jantares da moda ajudaram a moldar o discurso público revolucionário em Paris. De Staël adorava receber pessoas de todo o espectro político e conquistá-las para o seu lado por meio de seu carisma pessoal e refinadas habilidades de debate.

Remover publicidades
Advertisement

Durante a fase inicial da Revolução, de Staël foi considerada radical, favorecendo a implementação de uma monarquia parlamentar baseada no modelo da Grã-Bretanha, mas à medida que a Revolução continuou em uma direção cada vez mais radical, de Staël encontrou suas posições mais alinhadas com o facção moderada dos girondinos. No verão de 1793, os extremistas jacobinos chegaram ao poder e expulsaram os girondinos do governo. Embora inicialmente protegida da prisão pelo status diplomático de seu marido, a escalada do Reino do Terror forçou De Staël a fugir para Coppet, na Suíça. Aqui, ela continuou escrevendo sobre a política francesa, a certa altura escrevendo em defesa do caráter da recém-executada Rainha Maria Antonieta, argumentando em parte que sua difamação estava ligada à sua feminilidade. De Staël voltou para a França em 1795 depois que os jacobinos foram removidos do poder, mas ela foi forçada ao exílio novamente em 1804, tendo se tornado uma oponente declarada de Napoleão Bonaparte. De Staël então viajou por toda a Alemanha, envolvendo-se no movimento do romantismo europeu e fazendo amizade com Lord Byron, antes de retornar a Paris após a Restauração Bourbon em 1815.

Olympe de Gouges

Outra proeminente mulher francesa de letras foi Olympe de Gouges (7 de maio de 1748 a 3 de novembro de 1793), uma dramaturga e ativista. Nascida em Montauban, no sudoeste da França, de Gouges mudou-se para Paris em 1768 e publicou seu primeiro romance em 1784. Ela usou seu novo reconhecimento como escritora para defender as causas de grupos marginalizados; uma de suas primeiras peças populares, L'Esclavage des noirs ("A escravidão dos negros") defendeu o movimento abolicionista. No entanto, a peça foi encerrada após apenas três apresentações, uma vez que o comércio de escravos cobria os jornais com críticas ruins e pagava intrometidos para atrapalhar os shows. Em 1788, de Gouges escreveu um ensaio intitulado Reflexões sobre os homens negros, no qual relacionava os horrores do colonialismo e da escravidão a governos e monarquias autocráticos. Suas crenças abolicionistas lhe renderam ameaças e ataques públicos, não apenas de lobistas pró-escravidão, mas também daqueles que acreditavam que as mulheres não pertenciam ao teatro. De Gouges permaneceu desafiadora, escrevendo que ela estava determinada a ser um sucesso, apesar de seus inimigos.

Olympe de Gouges
Olympe de Gouges
Alexander Kucharsky (CC BY-SA)

Em 1789, os revolucionários franceses formaram a Assembleia Nacional Constituinte, que iniciou sua tarefa de redigir uma nova e esclarecida constituição para a França. Como preâmbulo a esta futura constituição, a Assembleia adotou a Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão, um dos documentos de direitos humanos mais significativos de sua época. No entanto, feministas como de Gouges não puderam deixar de notar que a declaração negava às mulheres o direito à cidadania e permanecia vaga no tópico dos direitos de outras mulheres. Em desafio, de Gouges começou a assinar suas cartas como "citoyenne" (a forma feminina de cidadã).

Remover publicidades
Advertisement

Em 1791, ela redigiu uma resposta oficial à declaração intitulada "Declaração dos Direitos da Mulher e da Cidadã". Sua versão ecoava a declaração original ponto por ponto, diferindo na inclusão das mulheres nos direitos que antes eram dados apenas aos homens. De Gouges causou polêmica ao dedicar seu texto a Maria Antonieta, que ela descreveu como "a mais detestada de todas as mulheres", e ao declarar que a Revolução só poderia atingir seu pleno potencial quando as mulheres tomassem consciência de sua "condição deplorável". "Mulheres acordem", escreve de Gouges no pós-escrito, "o toque da razão está ressoando em todo o universo: reconheçam seus direitos." A escrita de De Gouges fez ondas com seu tom sarcástico e militante e conquistou seus poderosos inimigos; os jacobinos detestavam o espírito zombeteiro da obra de Gouges e viam a dedicação à rainha como antirrepublicana. De Gouges, como de Staël, estava alinhado com os girondinos e inicialmente apoiou uma monarquia constitucional; após a queda dos girondinos no verão de 1793, ela convocou a realização de um plebiscito para que o povo pudesse escolher sua própria forma de governo. Os jacobinos viram isso como de Gouges defendendo a restauração da monarquia. Ela foi presa, submetida a um julgamento espetacular e guilhotinada em 3 de novembro de 1793.

Pauline Léon

Germaine de Staël e Olympe de Gouges eram representantes da fase inicial da Revolução, que havia sido guiada pelo liberalismo moderado e liderada por intelectuais burgueses. Mas à medida que a Revolução avançava, ela se tornava cada vez mais extremista e militante, à medida que mais poder caía nas mãos dos revolucionários da classe trabalhadora conhecidos como sans-culottes (literalmente, "sem calções de seda"). Grupos de militantes feministas, ou fille sans-culottes, também apareceram nessa época, sendo um dos mais notáveis ​​Pauline Léon (28 de setembro de 1768 a 5 de outubro de 1838). Léon radicalizou-se desde muito jovem; seu pai morreu quando ela ainda era criança, forçando-a a criar seus cinco irmãos mais novos e ajudar sua mãe a administrar o negócio de fabricação de chocolate da família. A experiência ensinou a Léon o valor da independência e também abriu seus olhos para as disparidades da sociedade francesa, principalmente nas desigualdades presentes nos papéis de gênero.

Likely Depiction of Pauline Léon
Provável representação de Pauline Léon
 Émile Wattier  (Public Domain)

Léon deu as boas-vindas à Revolução e não perdeu tempo em pegar uma lança. Ela participou da Tomada da Bastilha em 14 de julho de 1789 e esteve presente na manifestação antimonarquista que foi alvejada pela Guarda Nacional no Massacre do Champ de Mars dois anos depois. Léon detestava moderados, exibindo um ódio particular por Lafayette, e frequentemente estava presente em reuniões do radical Cordeliers Club. Ao contrário de Gouges, Léon não era feminista apenas pelos direitos das mulheres e não lutava necessariamente pela igualdade de gênero. No entanto, ela acreditava fervorosamente na Revolução e acreditava que as mulheres deveriam ser capazes de defender a patrie (pátria) da mesma forma que os homens. Ela era uma defensora declarada de dar às mulheres o direito de portar armas e até falou perante a Assembleia Nacional para pedir a formação de uma milícia armada de mulheres. Isso nunca se concretizou, mas teria sido incrivelmente radical, pois o direito de portar armas estava intimamente associado à cidadania.

Remover publicidades
Advertisement
A SOCIEDADE DE MULHERES REVOLUCIONÁRIAS E REPUBLICANAS DEFENDIA A IGUALDADE DE GÊNERO E ERA ATIVA NA EXTREMA ESQUERDA POLÍTICA.

As visões extremistas de Léon se alinharam com os jacobinos, mas como o Clube Jacobino só admitia membros do sexo masculino, ela achou necessário formar seu próprio clube político. Ao lado de sua amiga Claire Lacombe, Léon cofundou a Society of Revolutionary and Republican Women. A Sociedade defendia a igualdade de gênero na política revolucionária e era ativa na extrema esquerda política; ajudou na insurreição que levou à queda dos girondinos em 2 de junho de 1793 e ergueu um obelisco para comemorar a memória do líder radical Jean-Paul Marat, após seu assassinato em 13 de julho. A Sociedade fez uma petição polêmica à Convenção Nacional para tornar obrigatório para todas as mulheres o uso do cocar tricolor, que tinha associações masculinas. A Convenção aprovou tal decreto em setembro, embora muitas mulheres ainda se recusassem a usar o laço.

Após a morte de Marat, a Sociedade começou a se desviar dos jacobinos e se aliou a um grupo anti-robespierrista chamado Enragés; Léon casou-se com o líder do Enragé, Theophile Leclerc. Como os Enragés eram vistos como rivais pelos jacobinos, isso colocou a Sociedade em desacordo com a Convenção Nacional dominada pelos jacobinos; muitos jacobinos também concordaram com a ideia de que as mulheres não deveriam participar da política. Por essas razões, as mulheres foram oficialmente proibidas de formar quaisquer clubes ou organizações políticas, independentemente da ideologia, em 30 de outubro de 1793. A Sociedade de Mulheres Revolucionárias e Republicanas foi dissolvida e a própria Léon foi presa brevemente, embora tenha sido libertada após a queda de Maximilien Robespierre em 1794. Após sua libertação, Léon retirou-se da política para se tornar professora, continuando na profissão até sua morte em 1838, aos 70 anos.

Théroigne de Méricourt

Uma das mulheres mais misteriosas organizadoras da Revolução foi Théroigne de Méricourt (13 de agosto de 1762 a 8 de junho de 1817), cuja verdadeira história deve ser discernida das muitas mentiras e rumores contados sobre ela que ainda persistem hoje. Ela nasceu na cidade de Marcourt, na Bélgica moderna, em uma família de camponeses. Os relacionamentos tempestuosos de Théroigne com seu pai e sua madrasta a levaram a deixar sua cidade natal antes dos 16 anos, após o que ela viajou pela Europa como cantora e cortesã. Ela viveu uma vida célebre mesmo antes de seu envolvimento revolucionário e acabou em Paris em 1789 na véspera da Revolução.

Théroigne de Méricourt
Théroigne de Méricourt
Auguste Raffet (Public Domain)

Théroigne imediatamente teve um interesse especial no desenrolar dos acontecimentos, pois suas viagens e experiências a tornaram solidária com os oprimidos. Ela ficou fascinada com as reuniões da Assembleia Nacional e decidiu se mudar para a Rue de Noailles em Versalhes para garantir que não faltaria a nenhuma reunião da Assembleia. Como o envolvimento de mulheres em assuntos políticos era geralmente desaprovado, Théroigne costumava comparecer a essas reuniões vestido com um traje de montaria masculino e um chapéu grande e redondo. Isso se tornaria sua roupa de assinatura. Théroigne era uma mulher charmosa, atraente e franca que não demorou muito para fazer amizade com alguns deputados da Assembleia e se envolver na política. Ela cofundou a curta Sociedade dos Amigos da Lei em janeiro de 1790, que buscava um maior envolvimento das províncias na atividade revolucionária. Ela falou tanto no pódio da Assembleia Nacional quanto no Cordeliers Club, onde defendeu ideais radicais e rapidamente conquistou seguidores entre os sans-culottes de Paris.

A notoriedade recém-descoberta de Théroigne e a propensão a se vestir como um homem a tornaram um alvo fácil para os jornais monarquistas. Ela foi zombeteiramente chamada de "prostituta dos patriotas" e foi acusada de liderar tanto a Tomada da Bastilha quanto a Marcha das Mulheres em Versalhes; embora ela tenha participado da marcha sobre Versalhes, ela não a liderou e não há evidências de que ela esteve presente na Bastilha. Os tablóides a acusaram de lutar contra soldados e de se prostituir na Assembleia Nacional para que "todo representante possa alegar ser o pai de seu filho" (Hamel, 119).

Women Marching on Versailles
Mulheres marchando em Versalhes
Walter Montgomery (Public Domain)

Essa calúnia constante afetou muito Théroigne, que voltou para sua cidade natal em maio de 1790 para se afastar da política de Paris. De lá, ela viajou para Liège, onde foi presa pelas autoridades austríacas que sabiam de seu envolvimento revolucionário exagerado pela imprensa monarquista francesa. Acusada de ser uma espiã enviada para fomentar a insurreição na Bélgica, Théroigne foi mantida prisioneira por meses e foi muito maltratada pelos guardas. Ela foi libertada quando foi determinado que não havia provas contra ela, mas ela desenvolveu problemas de saúde significativos enquanto estava na prisão, incluindo depressão, enxaquecas e tosse com sangue.

Quando Théroigne voltou a Paris em janeiro de 1792, ela foi saudada como uma heroína por sua provação nas mãos dos austríacos e foi proclamada pelos revolucionários como uma "Amazona da liberdade". Ela fez um discurso no Jacobin Club, adornada com seu agora famoso traje de montaria escarlate e chapéu emplumado, com uma pistola no cinto e um sabre ao lado. Théroigne retomou seu papel como oradora e ativista, fazendo campanha pelos direitos das mulheres de portar armas e até mesmo tentando recrutar uma milícia feminina. Ela pode ter ajudado a coordenar os tumultos de 10 de agosto de 1792, que resultaram na invasão do Palácio das Tulherias e no fim da monarquia da França. Este foi o auge de sua popularidade.

Embora ela continuasse a frequentar as reuniões do Jacobin Club, a própria política de Théroigne logo começou a se alinhar mais com os girondinos. À medida que as tensões entre os jacobinos e os girondinos aumentavam no início de 1793, o moderatismo de Théroigne fez dela um alvo para os jacobinos radicais. Em 15 de maio de 1793, Théroigne estava fazendo um discurso pró-girondin no Jardin des Tuileries quando foi atacada por um grupo de mulheres simpatizantes dos jacobinos. Ela foi despida e severamente espancada; ela provavelmente foi salva da morte apenas pela intervenção do líder jacobino Jean-Paul Marat. Tragicamente, Théroigne sofreu um grave traumatismo craniano durante o espancamento e nunca se recuperou totalmente. Seu comportamento tornou-se cada vez mais errático, a ponto de ser declarada comprovadamente louca em 20 de setembro de 1794. Ela foi enviada primeiro para um asilo em Faubourg Marceau antes de ser transferida para o hospital feminino La Salpêtrière em 1807, onde permaneceria pelo resto de sua vida, morrendo após uma curta doença em 1817.

Conclusão

Germaine de Staël, Olympe de Gouges, Pauline Léon e Théroigne de Méricourt vieram de origens imensamente diferentes e diferiram muito em suas visões de mundo; enquanto de Gouges lutou principalmente pelos direitos das mulheres e dos escravos, Léon se engajou no feminismo como um meio para um fim, que foi o sucesso da República Francesa. No entanto, pelo simples fato de serem mulheres politicamente significativas, cada uma delas desafiou os papéis tradicionais de gênero ao entrar na esfera política.

Remover publicidades
Publicidade

Perguntas e respostas

Quem foram algumas mulheres influentes da Revolução Francesa?

Algumas mulheres influentes durante a Revolução Francesa incluem as escritoras Germaine de Staël e Olympe de Gouges, bem como as organizadoras Pauline Léon e Théroigne de Méricourt, para citar algumas.

O que era a Sociedade das Mulheres Revolucionárias e Republicanas?

A Sociedade de Mulheres Revolucionárias e Republicanas foi uma organização política liderada por mulheres durante a Revolução Francesa, co-fundada por Pauline Léon e Claire Lacombe. Defendia a igualdade de gênero e se alinhava com a esquerda radical. Foi inaugurado em 10 de maio de 1793, mas foi dissolvido em setembro de 1793.

Qual foi o papel das mulheres na Revolução Francesa?

As mulheres desempenharam um papel importante em momentos-chave da Revolução Francesa. Eles foram fundamentais para incitar e liderar insurreições significativas, como a Marcha das Mulheres em Versalhes. Mulheres individuais também promoveram a causa dos direitos das mulheres, como as várias obras de Olympe de Gouges.

Sobre o tradutor

Jônia Carvalho Diniz
Jônia Diniz é tradutora certificada com formação em inglês, francês e espanhol. Mora no Brasil. Entusiasta da História.

Sobre o autor

Harrison W. Mark
Harrison Mark é graduado pela SUNY Oswego, onde estudou história e ciência política.

Citar este trabalho

Estilo APA

Mark, H. W. (2023, Março 27). 4 Mulheres da Revolução Francesa [4 Women of the French Revolution]. (J. C. Diniz, Tradutor). World History Encyclopedia. Obtido de https://www.worldhistory.org/trans/pt/2-2207/4-mulheres-da-revolucao-francesa/

Estilo Chicago

Mark, Harrison W.. "4 Mulheres da Revolução Francesa." Traduzido por Jônia Carvalho Diniz. World History Encyclopedia. Última modificação Março 27, 2023. https://www.worldhistory.org/trans/pt/2-2207/4-mulheres-da-revolucao-francesa/.

Estilo MLA

Mark, Harrison W.. "4 Mulheres da Revolução Francesa." Traduzido por Jônia Carvalho Diniz. World History Encyclopedia. World History Encyclopedia, 27 Mar 2023. Web. 22 Abr 2024.