Thomas Paine

Definição

Mark Cartwright
por , traduzido por Sofia Boff
publicado em 27 Dezembro 2023
X
translations icon
Disponível noutras línguas: Inglês, francês
Thomas Paine by Debos (by Laurent Debos, Public Domain)
Thomas Paine por Debos
Laurent Debos (Public Domain)

Thomas Paine (1737-1809) foi um pensador iluminista anglo-americano cujas ideias radicais foram adotadas por revolucionários tanto na Revolução Americana (1765-1783) quanto na Revolução Francesa (1789-1799). Pai fundador por sua influência na Declaração de Independência dos Estados Unidos, as obras mais famosas de Paine incluem Common Sense (1776), Rights of Man (1791 e 1792) e Age of Reason (1794 e 1795).

Vida Predecedora

Thomas Paine nasceu em 29 de janeiro de 1737 em Thetford, no condado de Norfolk, Inglaterra. A mãe de Thomas era anglicana e seu pai, quacre. Thomas não teve educação formal, uma história incomum para alguém cujo trabalho seria tão influente no último quartel do século XVIII. Paine ganhava a vida fazendo espartilhos como seu pai havia feito. Casou-se e abriu seu próprio negócio, mas depois sofreu a dupla tragédia da morte de sua esposa e do fracasso financeiro de sua loja. Thomas agora lutava para estabelecer uma carreira, alternando entre cargos que incluíam trabalhar como funcionário da alfândega, assistente de loja e professor. Em 1771, ele se casou novamente. Três anos depois, Thomas ficou desempregado e afastado da esposa. Era hora de uma mudança. Paine foi encorajado por um novo conhecido, Benjamin Franklin (1706-1790), a dar o passo fatídico em 1774 de deixar a Inglaterra e começar uma nova vida na América do Norte, então local de várias colônias britânicas.

Remover publicidades
Advertisement

Escritos Revolucionários

A vida na América do Norte parecia muito mais fácil do que na Inglaterra. Paine conseguiu um emprego como professor e depois trabalhou como jornalista para a Pennsylvania Magazine, onde escreveu, por exemplo, artigos denunciando a escravidão. Em janeiro de 1776, Paine publicou um panfleto intitulado Common Sense. O título um tanto mundano escondia o conteúdo ultrarrevolucionário do panfleto, já que aqui Paine clamava por nada menos do que a independência total das Treze Colônias do domínio britânico. Esta foi a primeira obra pública a fazer tal apelo e vendeu como pão quente, com cerca de 100 mil vendas. Ele propôs um sistema republicano como a melhor forma de governo para substituir o atual monarca britânico, Jorge III da Grã-Bretanha (r. 1760-1820). Paine argumentou veementemente que as colônias deveriam libertar-se do que ele chamou de "o Bruto Real da Grã-Bretanha" (Robertson, 710). O senso comum "tem sido frequentemente creditado por mudar a opinião nessa direção [ou seja, rebelião]" (Chisick, 306).

ESTES SÃO OS TEMPOS QUE TENTAM A ALMA DOS HOMENS. – Thomas Paine

Em Common Sense, Paine argumenta contra a ideia de separação de poderes defendida por pensadores como Montesquieu (1689-1757), ou seja, a separação entre o Executivo, o Legislativo e o Judiciário. Paine argumentou que este sistema não funcionaria, uma vez que nenhum dos ramos era confiável em si mesmo, muito menos confiável para verificar outra parte do governo. Paine defendeu uma assembleia geral única, mas esta foi considerada uma solução muito simplista. O fundador e futuro presidente dos EUA, John Adams (1735-1826), certa vez descreveu Paine como "muito ignorante da Ciência do Governo" (Robertson, 714).

Remover publicidades
Advertisement

Title Page of Common Sense
Página de título do Bom Senso
Niki K (Public Domain)

Ao longo de 1776, Paine escreveu várias outras peças de literatura em apoio à independência, uma causa que estava então um tanto enfraquecida. O principal desses trabalhos foram os Documentos da Crise, que começaram com a famosa frase "Estes são os tempos que testam as almas dos homens" (Chisick, 306). As Treze Colónias separaram-se, claro, da Grã-Bretanha quando assinaram a Declaração de Independência de 4 de Julho de 1776.

Paine pode ter sido popular entre radicais e revolucionários, mas não conseguiu se misturar ao novo sistema. Ele era um estranho nos assuntos políticos, talvez por isso o seu trabalho tivesse tanto apelo para aqueles que não tinham qualquer representação.

Remover publicidades
Advertisement

Seja por causa de suas origens sociais, independência excessiva ou algum outro motivo, Paine não conseguiu se enquadrar na elite de proprietários de terras e empresários que agora governavam os recém-independentes Estados Unidos da América. Embora mantendo boas relações pessoais com figuras tão importantes como George Washington e Thomas Jefferson, ele se retirou para uma propriedade que lhe foi dada pelo Estado de Nova York para cultivar e trabalhar em invenções.

(Chisick, 306)

Direitos do Homem

Foi uma das invenções de Paine que o levou de volta à Inglaterra em 1787. Ele trabalhava em um projeto de engenharia que permitia a construção de pontes de ferro em um único vão. A ideia da ponte acabou sendo um sucesso, mas foram as opiniões políticas de Paine que estavam prestes a criar outra tempestade. Paine tornou-se amigo do filósofo irlandês Edmund Burke (1729-1797), mas os dois homens eram polos opostos quando se tratava do pensamento iluminista.

Thomas Paine by John Wesley Jarvis
Thomas Paine, de John Wesley Jarvis
John Wesley Jarvis  (Public Domain)

Paine escreveu seu célebre Direitos do Homem, parte um, em 1791. Foi tão bem-sucedido quanto Common Sense e também vendeu 100.000 cópias, a maioria em edições baratas, o que tornou a obra acessível às mesmas pessoas sobre as quais Paine estava escrevendo. A obra foi escrita em resposta às Reflexões sobre a Revolução na França de Burke (publicado em 1790), que apoiava o papel da religião na manutenção da ordem social e que desaprovava a derrubada apaixonada de instituições testadas pelo tempo na França. Paine observa que, por ser muito reverente ao passado, "o Sr. Burke está lutando pela autoridade dos mortos sobre os direitos e a liberdade dos vivos" (Robertson, 740).

As opiniões radicais de Paine exigiram sua saída da Inglaterra para não enfrentar um julgamento por traição.

A segunda parte do trabalho de Paine foi publicada em 1792. Paine agora atacava quase todos os níveis da sociedade, mas especialmente a monarquia e a aristocracia. Ele se opunha a qualquer forma de privilégio e acreditava que os menos favorecidos deveriam ser assistidos pelo Estado com educação gratuita, pensões e até mesmo pagamentos de maternidade. Paine acreditava que uma sociedade mais igualitária seria menos corrupta, pois observou que "Onde não há distinções, não pode haver superioridade; a igualdade perfeita não oferece tentação" (Robertson, 715). Para tanto, ele queria abandonar os títulos de nobreza e acabar com a Câmara dos Lordes da Inglaterra, com seus legisladores cuja qualificação era apenas que seus pais também tivessem sido legisladores. De acordo com Paine, os monarcas tinham um conjunto igualmente empobrecido de qualificações para ocupar suas posições de poder.

Remover publicidades
Advertisement

Ainda mais radicais do que estas foram as ideias de Paine sobre a reforma eleitoral. Paine sugeriu que todos os homens deveriam ter o direito de votar. Ele argumentou que “todo direito civil surge de um direito natural, que nunca deve ser invadido pelas autoridades, cuja única função era fortalecê-los” (Yolton, 459). As opiniões radicais de Paine exigiram sua saída da Inglaterra para não enfrentar um julgamento por traição.

Política Francesa

Paine mudou-se para a França em 1792 na esperança de que fosse naquele país onde testemunharia uma revolução na liberdade e uma distribuição mais justa da riqueza de uma nação. A reputação radical de Paine o precedeu e ele foi bem recebido por aqueles que já tinham sua revolução em pleno andamento. Paine recebeu a cidadania francesa e foi eleito para a Convenção como representante de Pas de Calais (embora falasse apenas um francês limitado). A Convenção acabava de redigir uma nova constituição. Paine chegou a assistir às sessões da Convenção e participou regularmente, presumivelmente com a ajuda de um tradutor, da Comissão para a Constituição. Paine queria ver a abolição da monarquia na França, mas não chegou a pedir a execução de Luís XVI da França (1774-1792).

Return of Louis XVI to Paris After Varennes
O Retorno de Luís XVI a Paris após a Fuga para Varennes
Jean Duplessis-Bertaux (Public Domain)

No longo prazo, Paine achou a França tão desconfortável quanto a Inglaterra. Paine desaprovava fortemente a direcção que a Revolução Francesa estava a tomar, especialmente quando o Terror começou, as perseguições patrocinadas pelo Estado que levaram a revolução a atingir um clímax sangrento em 1793-4. Paine lamentou em uma carta privada escrita em maio de 1793:

Remover publicidades
Advertisement

Agora desespero-me de ver realizado o grande objectivo da liberdade europeia; e o meu desespero não surge das potências estrangeiras combinadas, não das intrigas da aristocracia e do sacerdócio, mas da tumultuada má conduta com que são conduzidos os assuntos internos da presente revolução.

(Camerão, 294).

Enquanto o estado realizava execuções e prisões em massa, Paine se viu preso na rede da histeria e foi preso entre 1793 e 1794. Paine creditou sua fuga da prisão e uma sentença de morte na guilhotina à providência divina (os carcereiros haviam passado despercebido o sinal de giz na porta de sua cela que indicava que ele estava prestes a ser executado). Desiludido, talvez, mas Paine ainda acreditava que "as revoluções da América e da França lançaram um raio de luz sobre o mundo, que atinge o homem" (Robertson, 741).

Idade da razão

Depois de recuperar a liberdade, Paine conseguiu dirigir a sua pena contra um novo inimigo: a Igreja Cristã, particularmente a Igreja Católica. Paine foi, como muitos pensadores iluministas contemporâneos, como David Hume (1711-1776) e Voltaire (1694-1778), um deísta, isto é, alguém que acredita na existência de Deus, mas apenas como um criador que não está disponível para comunicação ou interação no mundo que ele criou, o que significa que a religião organizada é bastante inútil. Paine defendeu suas crenças apontando que "todos nós somos infiéis de acordo com a crença de nossos antepassados" (Gottlieb, 81).

Encyclopedie Frontispiece
Frontispício da Enciclopédia
B.-L Provost/Charles-Nicolas Cochin II (Public Domain)

Em sua Idade da Razão, escrito enquanto estava na prisão na França, mas publicado em duas partes em 1794 e 1795, Paine atacou a interferência da Igreja nos assuntos mundanos, defendeu vigorosamente os princípios do Iluminismo e, acima de tudo, como o título sugere, ele defende o valor da razão. Paine era positivo em relação às crenças religiosas privadas, uma vez que as via como um direito inalienável. Além disso, ele defendeu mais do que a tolerância para diversas visões religiosas:

A tolerância não é o oposto da intolerância, mas é a sua falsificação. Ambos são despotismos. Um assume para si o direito de negar a liberdade de consciência e o outro de concedê-la. Um é o papa armado com fogo e lenha, e o outro é o papa vendendo ou concedendo indulgências.

(Robertson, 133)

Paine escreveu outro artigo delineando sua visão de como a sociedade deveria se organizar na Justiça Agrária, publicado em 1796. Este trabalho estava bem à frente de seu tempo e clamava por um sistema de tributação progressiva que pudesse financiar uma sociedade mais justa, repetindo suas ideias em Direitos de Homem por um sistema de seguridade social estatal que permitisse ao Estado cumprir uma de suas funções primordiais segundo Paine: zelar pelo bem-estar de seus cidadãos. Paine retornou à América em 1802, mas não era popular devido à sua Idade da Razão, pois os colonos não simpatizavam com os ataques à religião cristã.

Principais obras de Paine

As obras mais importantes de Thomas Paine incluem (com datas de publicação indicadas entre colchetes):

Senso Comum (1776)
Direitos do Homem, parte 1 (1791)
Direitos do Homem, parte 2 (1792)
Idade da Razão, parte 1 (1794)
Idade da Razão, parte 2 (1795)
Justiça Agrária (1796)

Statue of Thomas Paine, Thetford
Estátua de Thomas Paine, Thetford
PDB1234 (CC BY-SA)

Morte e Legado

Os últimos anos de Paine foram passados ​​em relativa obscuridade. Ele morreu em Nova York, em 8 de junho de 1809. Seu funeral foi peculiarmente discreto para um homem cujo trabalho ajudou a inspirar duas revoluções importantes. O radical nem sequer foi autorizado a descansar em paz, uma vez que William Cobbett, outro pensador radical, assumiu a responsabilidade de exumar os seus restos mortais e transportá-los para Inglaterra como parte de um monumento memorial. Infelizmente, Cobbett conseguiu perder os restos mortais de Paine em algum lugar ao longo do caminho.

O legado de Paine é que, como indica amplamente a sua adoção por revolucionários de ambos os lados do Atlântico, ele foi um dos primeiros pensadores a afastar-se das preocupações habituais dos filósofos esclarecidos altamente educados e, em vez disso, abordar as questões do Iluminismo com referência direta. a uma parte da população até então ignorada: o trabalhador. O historiador H. Chisick resume da seguinte forma a contribuição única de Paine para o pensamento iluminista:

…a sua voz permanece distinta…refletindo…as experiências de vida de um homem inquestionavelmente inteligente que chegou à sua política através de disputas laborais, uma vida profissional variada, uma taberna debatendo a sociedade e posições como professor e jornalista que eram o destino de tantos em periferias da comunidade esclarecida. A partir desse contexto, e com os recursos da sua própria personalidade, Paine foi capaz de abordar tanto os eruditos da sua época como os níveis artesanais da população em questões das quais estes últimos tinham sido largamente excluídos. A sua realização é notável e marca os limites democráticos e radicais do pensamento iluminista. (308)

Remover publicidades
Publicidade

Perguntas e respostas

Pelo que Thomas Paine foi mais conhecido?

Thomas Paine é mais conhecido por escrever obras radicais como Common Sense e Rights of Man, que apelava às 13 colónias norte-americanas para se livrarem do domínio colonial britânico e formarem uma república. Ele também escreveu A Era da Razão, que atacava o papel das instituições religiosas nos assuntos de Estado.

Quais foram os pontos principais do Senso Comum de Thomas Paine?

Os pontos principais do Senso Comum de Thomas Paine são que as 13 colónias norte-americanas deveriam declarar-se independentes da Grã-Bretanha, formar a sua própria república e governar-se através de uma única assembleia geral.

Sobre o tradutor

Sofia Boff
Uma jovem com pouca experiência, mas esperta. Desde criança fui atraída por outras línguas e pela história de onde viemos.

Sobre o autor

Mark Cartwright
Mark é autor, pesquisador, historiador e editor em tempo integral. Seus principais interesses incluem arte, arquitetura e descobrir as ideias que todas as civilizações compartilham. Ele possui mestrado em Filosofia Política e é diretor editorial da WHE.

Citar este trabalho

Estilo APA

Cartwright, M. (2023, Dezembro 27). Thomas Paine [Thomas Paine]. (S. Boff, Tradutor). World History Encyclopedia. Obtido de https://www.worldhistory.org/trans/pt/1-22514/thomas-paine/

Estilo Chicago

Cartwright, Mark. "Thomas Paine." Traduzido por Sofia Boff. World History Encyclopedia. Última modificação Dezembro 27, 2023. https://www.worldhistory.org/trans/pt/1-22514/thomas-paine/.

Estilo MLA

Cartwright, Mark. "Thomas Paine." Traduzido por Sofia Boff. World History Encyclopedia. World History Encyclopedia, 27 Dez 2023. Web. 23 Abr 2024.