Cavaleiro Medieval

Fundraiser tradução

Nossa visão: educação de história gratuita para todos no mundo, em todos os idiomas. Esse é um objetivo elevado de fato, mas isso não nos impedirá de trabalhar para isso. Para chegar lá, precisamos traduzir... muito! Faça uma doação hoje e ajude-nos a causar um impacto verdadeiramente global. Muito obrigado!
$1752 / $3000

Definição

Mark Cartwright
por , traduzido por Rafael de Quadros
publicado em 07 Novembro 2018
X

Texto original em inglês: Medieval Knight

Medieval Knight (by pxhere, Public Domain)
Cavaleiro medieval
pxhere (Public Domain)

Os cavaleiros eram os guerreiros mais temidos e mais bem protegidos no campo de batalha medieval, enquanto fora dele, eles estavam entre os membros mais elegantes e bem-educados da sociedade. Alcançar esse status elevado, no entanto, tornou-se cada vez mais desafiador à medida que a Idade Média avançava. Os requisitos incluíam um nascimento aristocrático, treinamento desde a infância, dinheiro para armas, cavalos e escudeiros e um conhecimento das regras de cavalaria. Boa aparência, roupas finas, um brasão impressionante e a capacidade de recitar poesia e canções eram opcionais, mas extremamente desejáveis, se alguém quisesse chegar ao topo desse nível de elite da sociedade medieval.

Como se Tornar um Cavaleiro

O processo de se tornar um cavaleiro começou desde a infância. O ponto de partida típico para um jovem de 7 a 10 anos era se tornar um pajem quando aprendesse a lidar com cavalos, caçar e usar armas de mentira enquanto servia a um cavaleiro adequado. A partir dos 14 anos, o próximo passo foi se tornar um escudeiro, que tinha mais responsabilidades do que um pajem, aprendeu a usar armas de verdade e iniciou uma educação, principalmente no estudo da cavalaria. Os escudeiros ajudaram os cavaleiros na paz e na guerra, segurando suas lanças ou escudos extras, limpando suas armaduras e cuidando dos vários cavalos que cada cavaleiro possuía. Se tudo corresse bem, o jovem, então com cerca de 18 anos, era nomeado cavaleiro em uma cerimônia conhecida como cerimônia de Cavaleiro.

Remover publicidades

Advertisement

UM NOVO CAVALEIRO FOI DADO SUA ESPADA ABENÇOADA POR UM SACERDOTE COM O PROVISO QUE SEMPRE PROTEGE OS POBRES E FRACOS.

Para uma Cerimônia de Cavaleiro, um futuro cavaleiro tomou um bom banho e manteve uma vigília na igreja durante a noite. No dia da cerimônia o escudeiro foi vestido por dois cavaleiros com uma túnica branca e cinto branco para simbolizar a pureza, meias pretas ou marrons para representar a terra para a qual ele um dia retornará, e um manto escarlate para o sangue que ele é agora pronto para derramar por seu barão, soberano e igreja. Ele recebeu sua espada de volta, agora abençoada por um sacerdote com a condição de sempre proteger os pobres e fracos. A lâmina tinha dois gumes - um para representar a justiça, o outro para lealdade e cavalheirismo.

O cavaleiro que concede a honra então pode prender uma espora ou colocar a espada e o cinto no escudeiro e dar-lhe um beijo na bochecha. O escudeiro era então nomeado cavaleiro por um simples toque nos ombros ou pescoço com a mão ou espada, ou mesmo um golpe forte (colée ou 'elogio') - destinado a ser o último que ele deveria tomar sem retaliar e para lembrá-lo de suas obrigações e dever moral de não desonrar o homem que desferiu o golpe. Em seguida, ele recebeu seu cavalo e, em seguida, seu escudo e estandarte, que poderia levar o brasão de sua família. A cerimônia foi encerrada com um grande banquete.

Remover publicidades

Advertisement

John II Knighting Squires
Escudeiros Cavaleiros João II
Unknown Artist (Public Domain)

Os primeiros cavaleiros podiam vir de qualquer origem, tudo o que era necessário era coragem e empenho. Muitos dos primeiros cavaleiros receberam seus títulos no campo de batalha por um lorde ou monarca (muitas vezes simbolicamente na forma de esporas, daí a expressão 'para ganhar as esporas') tipicamente depois de exibir coragem e eficácia particulares na luta contra o inimigo. Por volta do século 13 EC, porém, a maioria dos cavaleiros eram filhos de cavaleiros, pois a classe buscava manter sua exclusividade na sociedade.

Armas e Armaduras

Um cavaleiro tinha que saber montar um cavalo enquanto carregava um longo escudo triangular de couro e madeira e uma lança de madeira de 2,4-3,0 metros (8-10 pés) de comprimento, então ele precisava praticar guiar seu corcel usando apenas os joelhos e pés. Ele deve ser capaz de usar uma espada pesada com uma lâmina de até um metro (40 polegadas) de comprimento por um período prolongado de luta e estar em forma o suficiente para se mover com velocidade enquanto usa uma armadura de metal pesada. A proficiência com armas adicionais, como adaga, machado de batalha, maça, arco e besta pode ser útil também.

Remover publicidades

Advertisement

A armadura de um cavaleiro era, a partir do século 9 EC, de cota de malha feita de pequenos anéis de ferro interconectados. Casaco com capuz, calças, luvas e sapatos podem ser feitos de cota de malha e cobrir todo o corpo do cavaleiro, exceto o rosto. Um traje completo de correspondência pode pesar até 13,5 kg (30 libras). Por cima, uma túnica sem mangas era usada, o que permitia ao cavaleiro exibir as cores ou o brasão de sua família.

Sir William Wallace
Sir William Wallace
Kjetil Bjørnsrud (CC BY-SA)

A armadura de placa tornou-se mais comum a partir do século 14 EC e oferecia melhor proteção contra flechas e golpes de espada. As placas podiam proteger todas as partes do corpo e tinham várias formas e designs, as peças unidas por laços (pontas), tiras, dobradiças, fivelas ou rebites semicirculares. Uma armadura completa pesava de 20 a 25 quilos (45-55 libras) - menos do que um soldado de infantaria moderno carregaria em equipamento - e, portanto, um cavaleiro que caiu de seu cavalo não estava totalmente indefeso e imóvel. Em qualquer caso, os cavaleiros costumavam misturar cota de malha e armadura de placas, selecionando sua própria proteção de acordo com a preferência, com placas de peito e grevas para as pernas sendo as peças mais comumente usadas.

A cabeça era protegida por um capacete ou elmo, como eram freqüentemente chamados. Primeiros capacetes cônicos simples foram usados, em seguida, um protetor de nariz ou máscara foi adicionado e, no século 13 EC, o capacete totalmente fechado foi usado com outros ajustes de design, como um focinho protuberante para melhor ventilação ou topo cônico para desviar melhor os golpes. Escondendo o rosto, um capacete poderia ser personalizado para identificar quem estava lá dentro. Orifícios de ventilação perfurados podem fornecer padrões decorativos, muitos foram pintados e plumas de pássaros exóticos podem ser adicionados ao topo. Havia até uma moda para figuras tridimensionais montadas na crista que representavam desde chifres de veado a dragões.

Remover publicidades

Advertisement

Os importantíssimos cavalos que tornavam os cavaleiros equivalentes aos tanques modernos no campo de batalha medieval também tinham proteção especial. A opção mais simples era um caparison de tecido que também poderia envolver a cabeça e as orelhas do animal e que era outra tela útil para exibição de armadura. Melhor proteção era oferecida por uma cota de malha de duas peças (uma para a frente e a outra pendurada atrás da sela), um capacete acolchoado, uma cobertura de placa para a cabeça ou uma placa de armadura de metal ou couro fervido para proteger o peito.

ALGUNS CAVALEIROS OPERARAM COMO MERCENÁRIOS INDEPENDENTES E, PARA OS MAIS AVENTUROS E PIOSOS, SEMPRE HOUVE A OPORTUNIDADE APRESENTADA PELAS CRUZADAS.

Para usar essas armas com eficácia e se acostumar a usar uma carga de armaduras de metal, era uma boa ideia para um cavaleiro colocar um pouco de prática antes de enfrentar o desafio da guerra real. Havia dispositivos específicos para o treinamento, como o quintain - um braço giratório com um escudo em uma extremidade e um peso na outra. O cavaleiro precisava acertar o escudo e continuar cavalgando para evitar ser atingido nas costas pelo peso que girava. Outro dispositivo era um anel suspenso que precisava ser removido com a ponta da lança. Montar a cavalo em pleno galope e cortar uma estaca ou poste de madeira com a espada era outra técnica de treinamento comum. Todas essas habilidades ajudaram o cavaleiro a cumprir suas funções primárias como guarda-costas de nobres, como membros de uma guarnição que guardava um castelo ou no campo de batalha como elemento de elite de um exército medieval. Alguns cavaleiros operavam como mercenários independentes e, para os mais aventureiros e piedosos, havia sempre a oportunidade apresentada pelas cruzadas que pontuavam as frequentes guerras seculares europeias da Idade Média. Para o cavaleiro cristão realmente devoto, havia também a opção de ingressar em uma ordem militar como os Cavaleiros Hospitalários ou Cavaleiros Templários, onde se vivia como um monge, mas pelo menos tinha a oportunidade do melhor treinamento e armas de todos os cavaleiros medievais.

Justas e Torneios

Quando não está em serviço militar ativo, um cavaleiro pode manter suas armas e habilidades de equitação afiadas praticando em torneios. Essas competições tomavam dois formatos, ou um mêlée que era uma batalha de cavalaria simulada onde os cavaleiros tinham que capturar uns aos outros para um resgate ou a justa onde um único cavaleiro armado com uma lança investia contra um oponente que estava armado de forma semelhante. Os cavaleiros se protegiam com um escudo e uma armadura completa, muitas vezes especializada em justas, de modo que o rosto e os braços ficavam mais protegidos, mas a mobilidade ficava comprometida. Os cavaleiros cavalgaram um em direção ao outro a galope ao longo de uma área de 100-200 metros (110-220 jardas) conhecida como listas com o objetivo de derrubar o oponente de seu cavalo. Para minimizar o risco de ferimentos (mas certamente não eliminá-lo), as armas foram adaptadas, como o encaixe de uma cabeça de três pontas na lança, a fim de reduzir o impacto, e as espadas foram embotadas (rebatidas).

Remover publicidades

Advertisement

Jousting Re-enactment
Justa: Demonstração
National Jousting Association (CC BY-SA)

Havia até oportunidades de se vestir e fazer tudo com fantasias, na maioria das vezes como cavaleiros da Távola Redonda ou figuras da mitologia antiga. Como havia senhoras aristocráticas locais presentes, os torneios também eram uma chance de mostrar algum cavalheirismo. Os torneios se tornaram eventos de tanto prestígio com prêmios para os vencedores que os cavaleiros começaram a praticar para eles seriamente e os circuitos foram desenvolvidos com muitos cavaleiros se tornando, na verdade, jogadores de torneios profissionais.

Roupas

Os cavaleiros estavam entre os mais dedicados de todos os seguidores da moda medieval; na verdade, outras profissões, como o clero, eram freqüentemente repreendidas por tentarem parecer tão chamativas quanto os cavaleiros. Embora as roupas não fossem muito diferentes entre as classes, aqueles que podiam pagar tendiam a usar materiais de melhor qualidade e um caimento muito melhor. Usavam-se túnicas (compridas, curtas, acolchoadas, sem mangas ou de mangas compridas), meias, mantos, luvas e chapéus de todas as formas e tamanhos. Na Idade Média, as roupas eram frequentemente consideradas parte da propriedade tributável de uma pessoa; tal era o seu valor. Além disso, era um símbolo de status, com certos materiais sendo restritos aos aristocratas por lei.

O material mais comum era a lã, mas seda, brocado, pelos de camelo e peles permitiam ao cavaleiro fazer uma declaração de moda. As cores brilhantes foram favorecidas, como carmesim, azul, amarelo, verde e roxo. A individualidade se expressava em todos os extras que podiam ser agregados às roupas básicas da época, como peças de metal, costuras em ouro e prata, botões, joias, cabochões de vidro, plumas e bordados finos. Fivelas de cinto e broches para amarrar uma capa no ombro eram uma forma especialmente popular de exibir um pouco de brilho. Resumindo, então, com gosto extravagante e os meios e o direito de usar toda a gama do guarda-roupa medieval, um cavaleiro era facilmente identificado ao caminhar pela rua.

Medieval Falconry
Falcoaria medieval
Unknown Artist (Public Domain)

Atividades de Lazer

A atividade de lazer mais comum para os cavaleiros era a caça. Batedores e treinadores de cães perseguiam os animais na floresta local ou em um parque protegido de veados usando cães com coleira. Quando pronto, uma buzina foi tocada para sinalizar o desligamento, e então os nobres cavalgaram com uma matilha de cães de caça para perseguir animais como veados, javalis, lobos, raposas e lebres. Uma vez que um animal era encurralado, um nobre tinha a oportunidade de matar usando uma lança ou arco.

A falcoaria era outra atividade popular. Sem armas de fogo, um falcão era a única maneira de pegar pássaros que voassem além do alcance de um arqueiro, embora para a nobreza medieval, todo o esporte tivesse uma mística e mitologia sobre ele além da conveniência de ensacar algumas aves para a mesa. Aves populares de escolha eram o gerfalcão, o peregrino, o açor e o gavião, entre outros, e suas presas típicas eram as aves da floresta, mas especialmente guindastes e patos.

Como parte do código de cavalaria medieval, esperava-se que os cavaleiros não apenas estivessem familiarizados com a poesia, mas também fossem capazes de compô-la e executá-la. Livros, na verdade feixes de manuscritos iluminados, estavam disponíveis em todos os tipos de assuntos, exceto poesia. Havia livros sobre cavalaria, modos à mesa, caça, histórias da Grécia antiga, as lendas do Rei Arthur e biografias de cavaleiros famosos como Ricardo I da Inglaterra (r. 1189-1199 EC) e Sir William Marshal (c. 1146-1219 EC). Por fim, havia jogos como gamão, xadrez e dados, que podiam envolver apostas, todos úteis para passar as horas naqueles longos cercos a castelos que caracterizavam a guerra medieval.

Tomb of Sir William Marshal
Túmulo de Sir William Marshal
Michel Wal (CC BY-SA)

Cavalheirismo

Esperava-se que um cavaleiro fosse cavalheiresco o tempo todo. O código ético, religioso e social da cavalaria impregnou os escalões superiores da sociedade medieval e tornou-se cada vez mais importante com um fluxo interminável de literatura romântica exaltando as virtudes da conduta cavalheiresca. Para manter uma boa reputação e ganhar o favor dos que estão no poder, um cavaleiro, portanto, precisava exibir qualidades cavalheirescas essenciais como coragem, destreza militar, honra, lealdade, justiça, boas maneiras e generosidade - especialmente para os menos afortunados do que você mesmo. Se um cavaleiro não fizesse essas coisas e, pior ainda, se fizesse o contrário, eles poderiam perder seu status de cavaleiro e sua reputação e a de sua família seriam enegrecidas para sempre. Nesse caso, o cavaleiro desgraçado teve suas esporas removidas, sua armadura despedaçada e seu brasão removido ou, posteriormente, dado algum símbolo vergonhoso ou apenas representado de cabeça para baixo.

Morte

Quando um cavaleiro chegava ao fim de seus dias de luta, não era incomum entrar para uma ordem militar e assim garantir um bom lugar em um de seus cemitérios ou mesmo igrejas. Sir William Marshal empregou exatamente essa estratégia, investido como um Cavaleiro Templário no último minuto, ele foi enterrado na Igreja do Templo em Londres, onde sua efígie ainda repousa. Efígies de cavaleiros eram uma forma comum de garantir a lembrança. Normalmente retratados com armadura completa e com escudo, essas esculturas em pedra ainda podem ser vistas em muitas igrejas em toda a Europa e fornecem aos historiadores um registro inestimável de armas e armaduras medievais, mas também lembram a reverência que os cavaleiros desfrutavam na Idade Média.

Remover publicidades

Publicidade

Sobre o tradutor

Rafael de Quadros
Rafael is a Historian, Writer, Speaker, Columnist, Editor and Reviewer of Revista História Medieval, he also manages two portals of History in Brazil.

Sobre o autor

Mark Cartwright
Mark é um historiador que vive na Itália. Seus interesses incluem cerâmica, arquitetura, mitologia e a descoberta das ideias que todas as civilizações partilham entre si. Tem Mestrado em Filosofia Política e é o Diretor de Publicação na Enciclopédia da História Mundial.

Cite este trabalho

Estilo APA

Cartwright, M. (2018, Novembro 07). Cavaleiro Medieval [Medieval Knight]. (R. d. Quadros, Tradutor). World History Encyclopedia. Recuperado de https://www.worldhistory.org/trans/pt/1-17044/cavaleiro-medieval/

Estilo Chicago

Cartwright, Mark. "Cavaleiro Medieval." Traduzido por Rafael de Quadros. World History Encyclopedia. Última modificação Novembro 07, 2018. https://www.worldhistory.org/trans/pt/1-17044/cavaleiro-medieval/.

Estilo MLA

Cartwright, Mark. "Cavaleiro Medieval." Traduzido por Rafael de Quadros. World History Encyclopedia. World History Encyclopedia, 07 Nov 2018. Web. 07 Dez 2021.