Mitraismo

Definição

Pierre A. Thomé
por , traduzido por Gilda Macedo
publicado em 10 Junho 2015
X
translations icon
Disponível em outros idiomas: Inglês, Espanhol, árabe, Persa, Francês, Esperanto
Statue of tauroctony  (Mithras slaying the bull) (by Carole Raddato, CC BY-SA)
Estátua de Tauroctonia (Mithras a matar o touro)
Carole Raddato (CC BY-SA)

Os Mistérios Mitraicos, também conhecidos como mitraísmo, eram um culto misterioso no mundo romano onde os seguidores veneravam a divindade indo-iraniana Mithras (acádio para "contrato") como o deus da amizade, contrato e ordem. O culto surgiu pela primeira vez no final do século I d. C. e, a um ritmo extraordinário, espalhou-se a partir da península italiana e das regiões fronteiriças por todo o império romano.

O culto, como muitos outros, era um culto secreto. Os eleitores (isto é, seguidores do culto) veneravam Mithras em templos muitas vezes construídos em cavernas e escondidos do público. Isto era feito de modo a criar a sensação de fazer parte de um grupo especial, tal como um grupo próximo de amigos que não partilhava segredos com pessoas de fora. Contudo, o segredo do culto era tolerado pelas autoridades, especialmente pelos imperadores romanos, porque era a favor do poder imperial. Foram encontrados mais de 200 templos Mithras, que se estendem da Síria à Grã-Bretanha, mas os achados concentram-se principalmente em Itália, no Reno, e no Danúbio. Após a crise do século III d. C. e o estabelecimento do cristianismo, os Mistérios Mithras diminuíram de importância à medida que os templos foram amuralhados ou destruídos pelos cristãos. No entanto, alguns templos permaneceram em uso até ao início do século V d. C.

Remover publicidades

Advertisement

O elemento mais importante do mito por detrás dos Mistérios Mitraicos foi a morte de um touro por Mithras.

O elemento mais importante do mito por detrás dos Mistérios Mitraicos foi a morte de um touro por Mithras; esta cena é também conhecida como "tauroctonia". Acreditava-se que da morte do touro - um animal muitas vezes visto como um símbolo de força e fertilidade - brotou nova vida. O renascimento foi uma ideia essencial no mito dos Mistérios Mitraicos. O sacrifício do touro estabeleceu uma nova ordem cósmica e foi também associado à lua, que também foi associada à fertilidade.

O Alívio de Mithras

O que é especial nos Mistérios Mitraicos é a sua visualidade. O sacrifício do touro foi retratado num relevo de pedra que tinha um lugar central em quase todos os templos de culto. No relevo, Mithras é muitas vezes mostrado à medida que ele arrasta o touro para o chão e o mata. Sendo um deus persa, Mithras usa o que os romanos acreditavam ser o típico "chique persa": o boné e as calças frígio, que os romanos não usavam. Cerca de 650 destes relevos de pedra foram encontrados, e todos eles são impressionantemente semelhantes.

Remover publicidades

Advertisement

Num exemplo típico, como a célebre escultura do Museu Romano-Germânico de Colónia, Mithras olha para longe do touro moribundo, até à lua. Além disso, Mithras tem alguns ajudantes que o ajudam a tirar a fertilidade do touro: Um cão e uma cobra bebem do sangue do touro, e um escorpião picam o escroto do touro. Além disso, um corvo senta-se na cauda do touro que normalmente termina em espigas de grão. O corvo poderia ter desempenhado o papel de mediador entre Mithras e o deus do Sol invictos, com quem Mithras partilhará a carne do touro.

Cult Relief of the Mithraic Mysteries
Culto de Alívio dos Mistérios Mitraicos
Marcuc Cyron (CC BY-NC-SA)

O relevo do sacrifício de touro foi tipicamente colocado no fim do templo, que foi essencialmente construído como uma sala de jantar romana esticada - um corredor ladeado por dois bancos amplos e elevados. No entanto, o sacrifício do touro raramente era decretado pelos próprios adoradores. Os adoradores imitaram a forma como Mithras partilhou a carne do touro com Sol, como testemunham fragmentos de pratos e ossos de animais que foram encontrados nestes templos. Carne de porco de alta qualidade, frango e uma grande quantidade de vinho eram consumidos em festas culinárias de alta qualidade que ligavam os adoradores uns aos outros e a Mithras.

Remover publicidades

Advertisement

Os Sete Graus de Iniciação

Contudo, os Mistérios Mitraicos não eram apenas sobre diversão e jogos. Havia regras rigorosas quanto à forma como as festas eram organizadas, por exemplo, em matéria de higiene. Além disso, havia sete graus de iniciação, desde "corax" (corvo) até "pater" (pai), cada um com o seu próprio tipo de roupa. Os outros graus eram "ninfa" (noivo), "milhas" (soldado), "leo" (leão), "persas" (persa), e "heliodromus" (corredor do sol). Cada grau de iniciação tinha uma tarefa diferente a cumprir, por exemplo, um "corvo" tinha de carregar a comida, enquanto que os "leões" ofereciam sacrifícios ao "pai". Além disso, os iniciados tinham de participar em testes de coragem. As pinturas no templo de Mithras em Santa Maria Capua Vetere mostram-nos diferentes cenas deste ritual. Um iniciado, de olhos vendados e nus, é conduzido à cerimónia por um assistente. Mais tarde, o iniciado tem de se ajoelhar perante o "pai", que segura uma tocha ou uma espada no seu rosto. Finalmente, ele é esticado no chão, como se tivesse morrido. Este foi provavelmente um "suicídio" ritual em que o iniciado foi "morto" com uma espada de teatro não letal, e depois renasceu.

Mithraeum in Saarbrücken
Mithraeum in Saarbrücken
Anna16 (CC BY-SA)

Outros elementos importantes do culto foram a autonegação e um questionamento moral do eu. Por exemplo, como nos diz o autor cristão Tertuliano cerca de 200 d. C., foi colocada uma coroa na cabeça do iniciado, que ele teve de rejeitar, dizendo "Mithras é a minha (verdadeira) coroa" (Tertuliano, De corona milites 15). Também isto foi pensado como um ritual de reencarnação, que iniciou uma nova vida para o iniciado. Os primeiros seguidores documentados de Mithras eram soldados e oficiais do exército romano, mas com a crescente popularidade do culto, a maioria dos eleitores foi bem-sucedida, libertando escravos das cidades. As mulheres, no entanto, foram excluídas.

Porque é que um soldado romano, ou alguém, passaria por estes problemas para se tornar membro de um Mistério Mitraicos? Primeiro, como mencionado anteriormente, o culto apoiou o imperador, ao contrário de outros cultos, como o Bacchanalia. Em segundo lugar, o culto baseava-se no interesse mútuo, na amizade e na intimidade. Os templos acomodavam apenas pequenos grupos. É compreensível que os membros dos militares fossem atraídos por estes aspectos que garantiam algum tipo de estabilidade numa profissão de outro modo perigosa.

Remover publicidades

Advertisement

Debate Sobre as Origens do Culto

Há três visões diferentes sobre como os Mistérios Mithras se tornaram um culto no mundo romano e helenístico. Os historiadores romanos e gregos dos séculos II e III d. C. pensavam que o culto tinha tido origem "na Pérsia" ou "com os persas", e as primeiras investigações seguiram frequentemente esta interpretação. No entanto, as descobertas arqueológicas não substanciam esta visão: a maioria dos Templos Mitraicos foram encontrados em Itália e nas províncias do Danúbio, não na Pérsia. Além disso, os relevos cúlticos retratam Mithras mostrando o que os romanos pensavam ser o típico vestuário oriental, mas mostram pouca originalidade. Isto é comparável aos estereótipos modernos de todos os alemães com calças de couro, ou de todos os americanos com chapéus de cowboy.

Head of Mithras
Cabeça de Mithras
Carole Raddato (CC BY-SA)

Uma segunda visão é que o mitraísmo persa original, oriental misturado com a cultura romano-helénica para se transformar numa nova forma de culto. Embora esta teoria de transformação seja tentadora, o problema permanece na região fronteiriça entre o mundo romano-helénico e o persa, onde esta fusão teria tido lugar, há poucas descobertas do culto mitraico.

Nos últimos anos, foi estabelecida uma nova teoria radical que diz que os Mistérios Mitraicos não tiveram origem no Oriente, mas sim em Itália. O culto foi fundado por uma pessoa desconhecida, ou "génio", que pediu emprestadas algumas coisas do mundo persa para dar aos seus Mistérios Mitraicos um toque exótico. O problema aqui é que esta pessoa nunca é mencionada como o fundador, nem mesmo pelos seus eleitores, e não há provas que sustentem a "teoria da invenção" a não ser o maior número de templos mitraicos em Itália, e a sua falta noutras regiões. (Cf. Witschel 2013: 209)

Remover publicidades

Advertisement

O resultado final é que há muito poucas fontes para formar uma certa explicação da origem do culto, e há muitos pontos em branco. Para além dos muitos artefatos visuais dos Mistérios Mitraicos, poucas fontes escritas permanecem. Existem apenas descrições escritas por autores cristãos, que talvez não gostassem propriamente da competição mitraica. Aos olhos do pai da igreja Hieronymus, por exemplo, os templos de Mithras foram os locais mais bem destruídos. Nenhuma fonte escrita por membros dos Mistérios Mithras sobrevive, mas isto faz sentido, tendo em conta que se tratava de um culto secreto. Talvez o foco não devesse ser tanto em encontrar uma única raiz do culto. Em vez disso, deveríamos adoptar uma abordagem dinâmica. Figurativamente falando, deveríamos olhar de perto para os diferentes ramos dos Mistérios Mitraicos em diferentes locais, e os diferentes períodos de tempo, ou "estações", em que este fascinante culto existia. (Cf. Witschel 2013: 209).

Remover publicidades

Publicidade

Bibliografia

  • Anonymous. Der Neue Pauly. J.B. Metzler: Stuttgart, Weimar, 2000
  • Christian Witschel. "Die Ursprünge des Mithars-Kults. Orientalischer Gott oder westliche Neuschöpfung." Imperium der Götter, edited by Badisches Landesmueum Karlsruhe. Badisches Landesmueum Karlsruhe, 2013, 480.

Cite este trabalho

Estilo APA

Thomé, P. A. (2015, Junho 10). Mitraismo [Mithraism]. (G. Macedo, Tradutora). World History Encyclopedia. Recuperado de https://www.worldhistory.org/trans/pt/1-13674/mitraismo/

Estilo Chicago

Thomé, Pierre A.. "Mitraismo." Traduzido por Gilda Macedo. World History Encyclopedia. Última modificação Junho 10, 2015. https://www.worldhistory.org/trans/pt/1-13674/mitraismo/.

Estilo MLA

Thomé, Pierre A.. "Mitraismo." Traduzido por Gilda Macedo. World History Encyclopedia. World History Encyclopedia, 10 Jun 2015. Web. 27 Mai 2022.