Julgamento e Execução de Marie Antoinette

Artigo

Harrison W. Mark
por , traduzido por Yan De Oliveira Carvalho
publicado em 07 Novembro 2022
Disponível noutras línguas: Inglês, francês, Russo, espanhol
X

O julgamento e execução de Maria Antonieta (1755-1793), antiga rainha da França, foi um dos eventos de abertura do Reino do Terror durante a Revolução Francesa (1789-1799). Acusada de uma série de crimes que incluíam conspiração com potências estrangeiras contra a segurança da França, Maria Antonieta foi considerada culpada de alta traição e executada em 16 de outubro de 1793.

Marie Antoinette Being Taken to Her Execution, 16 October 1793
Maria Antonieta sendo levada para sua execução, 16 de outubro de 1793
William Hamilton (Public Domain)

Desde pelo menos a época do caso do colar de diamantes em 1785, Maria Antonieta era imensamente impopular na França, assunto de rumores selvagens e escandalosas libelas. Acusada de ser uma espiã austríaca, uma gastadora descuidada e uma desviante moralmente falida, sua associação com a monarquia francesa ajudou a diminuir sua popularidade no início da Revolução. Na eclosão da Guerra da Primeira Coligação (1792-1797), ela esperava trazer a destruição da Revolução, enviando segredos militares para seus contatos na Áustria, mas foi aprisionada pelos revolucionários ao lado de sua família após a Tempestade do Palácio das Tulherias em agosto de 1792.

Remover publicidades
Publicidade

Após o julgamento e execução de Luís XVI em janeiro de 1793, ela permaneceu aprisionada junto com sua cunhada, Madame Elizabeth, e seus filhos: a princesa Maria Teresa, de catorze anos, e Luís Carlos, de oito anos, que foi reconhecido pelos monarquistas como Luís XVII, rei legítimo da França.

A Viúva Capet

A execução de Luís XVI de França (r. 1774-1792) deixou a viúva do rei, Maria Antonieta, sobrecarregada de tristeza. Como um fantasma, ela assombrou seus aposentos na Torre do Templo, a fortaleza da prisão de Paris, onde ela e seus filhos estavam sendo detidos pelo governo revolucionário. Nos dias após a morte do marido, a antiga rainha mal falava e raramente comia. Ela se recusou a entrar nos jardins para tomar ar fresco, já que isso exigia passar pelas câmaras vazias do rei, agora dolorosamente silenciosas. Marie Antoinette ficou pálida e doente durante sua prisão, seus cabelos ficaram brancos prematuramente devido ao estresse. Não mais referida reverentemente como “Sua Majestade”, ela agora era conhecida como “a Capete Viúva” ou, mais claramente, como Antoinette Capet.

Remover publicidades
Publicidade
APESAR DE SUA REPUTAÇÃO INJURIOSA, MARIA ANTONIETA AINDA NÃO HAVIA SIDO ACUSADA DE NENHUM CRIME E SUA EXECUÇÃO NÃO ESTAVA NA PAUTA DA CONVENÇÃO NACIONAL.

Apesar de sua tristeza, a rainha teria tido razões para acreditar que o pior havia acabado em fevereiro de 1793. A morte de Luís pôs fim ao fluxo constante de advogados e funcionários públicos que vieram se encontrar com o ex-rei, restaurando aos prisioneiros reais alguma privacidade muito necessária. Os guardas da prisão não se preocupavam mais em monitorar suas conversas privadas, e Marie Antoinette foi autorizada a encomendar um novo vestido preto para que ela pudesse lamentar adequadamente seu marido. Por um momento, era até concebível que Maria Antonieta e seus filhos pudessem ter uma chance de liberdade. O sangue do rei tinha sido necessário para a sobrevivência da República, mas apesar de sua reputação injuriada, Maria Antonieta ainda não tinha sido acusada de nenhum crime e sua execução não estava na agenda da Convenção Nacional. De fato, Luís XVI tinha sido assegurado antes de sua própria morte de que nenhum mal aconteceria à sua família, uma promessa que foi reiterada à própria Maria Antonieta, a quem foi dito que a ideia de sua execução era um “horror gratuito” contrário à política da Revolução (Fraser, 408).

Marie Antoinette in 1775
Maria Antonieta em 1775
Jean-Baptiste André Gautier-Dagoty (Public Domain)

No entanto, essas promessas foram feitas em um momento de ascendência francesa, quando os exércitos revolucionários estavam empurrando a Coalizão de volta na Alemanha e na Bélgica. Dentro de um mês, no entanto, a fortuna se voltou contra os franceses. Fevereiro viu a lista de inimigos da França crescer para incluir a Grã-Bretanha, Espanha e a República Holandesa, enquanto em 18 de março, os austríacos ganharam uma grande vitória na Batalha de Neerwinden, reivindicando a Bélgica para o seu imperador e forçando os franceses de volta à defensiva. Nesse mesmo mês, assistiu-se à eclosão da brutal Guerra na Vendéia, uma rebelião católica e monárquica que reconheceu o filho de Maria Antonieta, Luís Carlos, de oito anos, como o rei Luís XVII de França.

Remover publicidades
Publicidade

Sentindo-se encurralados em um canto, líderes revolucionários atacaram sua própria “loba austríaca” e seus filhotes reais; Maximilien Robespierre exigiu que a antiga rainha fosse levada ao novo Tribunal Revolucionário para julgamento, lembrando seus colegas que ela já havia passado segredos militares aos inimigos da França e não deveria ficar impune para desfrutar dos frutos de suas traições. Após a criação do Comitê de Segurança Pública em 6 de abril, a República reprimiu a antiga nobreza, prendendo figuras proeminentes como o Duque de Orléans e o Príncipe de Conti. A rainha foi submetida a buscas noturnas esporádicas em seus aposentos, e os jacobinos ordenaram que suas janelas fossem barradas.

Imediatamente, a posição da rainha tornou-se incerta. Seu sobrinho, Francisco II, Sacro Imperador Romano-Germânico (r.1792-1806) estava evidentemente desinteressado em garantir a liberdade de uma tia que ele nunca tinha conhecido. Ele derrubou quaisquer ideias para resgatá-la ou trocá-la por valiosos prisioneiros de guerra franceses, e o recente sucesso militar da Áustria significava que era improvável que ele aceitasse súplicas de paz da França. O principal general do imperador na Bélgica, o príncipe de Saxe-Coburgo-Germânia, não viu nenhuma razão estratégica para desviar homens e recursos para uma tentativa de resgate quando ele já tinha exércitos franceses em fuga. Além disso, as autoridades austríacas estavam relutantes em negociar com os “bandidos” revolucionários imprevisíveis, temendo que qualquer tentativa de discutir a libertação de Maria Antonieta os provocasse a levá-la a julgamento.

Um Filho Roubado

A inação do imperador irritou muitos dos amigos restantes de Maria Antonieta. O conde Axel von Fersen, o elegante soldado sueco que já fora o amante da rainha, declarou sua intenção de reunir um grupo de homens corajosos, cavalgar para Paris e invadir o Templo em uma verdadeira missão suicida. O conde de La Marck exortou a corte austríaca em Viena a oferecer um resgate pela libertação da rainha, enfatizando o quão embaraçoso seria “para o governo imperial se a história pudesse dizer um dia que a 40 léguas de distância de formidáveis e vitoriosos exércitos austríacos, a augusta filha de Maria Teresa pereceu na forca sem qualquer tentativa de salvá-la” (Fraser, 420).

Remover publicidades
Publicidade

Marie Antoinette in 1791/1792
Maria Antonieta em 1791/1792
Alexander Kucharsky (Public Domain)

No final, Fersen foi dissuadido de seu plano aventureiro e La Marck percebeu que o governo não seria de nenhuma ajuda. Apenas esquemas clandestinos e privados poderiam salvar a rainha. Uma dessas tentativas foi feita em março de 1793, assim que a posição da rainha começou a azedar. O plano era contrabandear Maria Antonieta e sua família para fora do Templo disfarçada de casacos militares enormes, para serem levados primeiro para a Normandia e depois para a Inglaterra. O enredo foi frustrado quando um dos conspiradores perdeu a coragem e não conseguiu obter os passaportes forjados necessários. Outra trama foi frustrada em junho, quando Antoine Simon, um antigo sapateiro e membro influente da Comuna de Paris, aconteceu através de um conspirador à espreita do lado de fora dos aposentos da rainha.

Em meio a essas tramas de resgate fracassadas, a situação de Maria Antonieta só piorou. Em junho, os rebeldes vendeanos derrotaram todos os exércitos republicanos franceses enviados contra eles, enquanto as principais cidades francesas se levantaram contra o domínio jacobino nas revoltas federalistas. Novamente, os jacobinos frustrados voltaram seus pensamentos para Maria Antonieta, que começou a sentar seu filho em cima de uma almofada na cabeceira da mesa durante as refeições; os jacobinos tomaram isso como uma indicação de que Maria Antonieta estava reconhecendo a reivindicação de Luís Carlos ao trono.

Na noite de 3 de julho, os comissários chegaram ao Templo, informando Maria Antonieta de que haviam vindo buscar seu filho. Eles explicaram que haviam descoberto uma trama para sequestrar o príncipe e só queriam levá-lo para uma sala mais segura na prisão. Maria Antonieta viu através de suas mentiras e se recusou a desistir de seu filho, que pulou chorando em seus braços. Por uma hora, a rainha se recusou a ser influenciada, mesmo depois que os comissários abandonaram a pretensão e ameaçaram matá-la. Só quando ameaçaram matar a filha dela é que ela finalmente cedeu. Louis-Charles foi levado, para nunca mais ver sua mãe. Por dias depois, a família foi assombrada pelos sons do choro incessante do menino, audível da sala para onde ele foi removido. Uma perturbada Maria Antonieta passaria seus dias observando o corredor da prisão a partir de seu quarto, na esperança desesperada de que ela visse seu filho enquanto ele era levado para os jardins para uma caminhada.

Remover publicidades
Publicidade

Portrait of Louis-Charles in the Temple, 1793
Retrato de Luís Carlos no Torre do Templo, 1793
Joseph-Marie Vien le jeune (Public Domain)

Os revolucionários pretendiam reeducar o jovem príncipe no espírito do republicanismo e apagar todas as pretensões ao realismo de sua mente. Infelizmente, eles confiaram seu bem-estar talvez à pior pessoa possível. Antoine Simon era mal alfabetizado e totalmente cruel, batendo violentamente em Louis-Charles toda vez que encontrava o menino chorando. Simão divertiu-se a si mesmo e aos guardas, enchendo o menino de vinho até o ponto da embriaguez e ensinando Luís Carlos a falar em obscenidades. Uma vez uma criança robusta e saudável, Louis-Charles ficou doente durante sua prisão e, em um certo momento, sofreu uma lesão desagradável, mas acidental, na virilha. Trabalhando com o jornalista “ultrarradical” Jacques-René Hébert, Simon usou a condição física do menino como “evidência” de que ele havia sido abusado física e sexualmente por sua mãe e Madame Elizabeth. Hébert e Simão coagiram o menino a assinar uma declaração por escrito de que sua mãe havia infligido tal abuso incestuoso a ele. Isso horrorizou a família real, pois Marie-Thérèse e Madame Elizabeth escreveram suas próprias declarações denunciando as alegações como mentiras.

Trama dos Cravos

Às 2 da manhã do dia 1 de agosto, um mês depois de Luís Carlos ter sido levado, as autoridades jacobinas despertaram Maria Antonieta do seu sono e ordenaram-lhe que se vestisse. Depois de uma despedida apressada de Maria Teresa, a rainha foi levada sob escolta armada para a prisão da Conciergerie, um lugar úmido e escuro que muitas vezes era a parada final para os prisioneiros no caminho para a guilhotina. Referida pelos guardas como "Prisioneira 280", ela foi mantida sob vigilância constante, sua única privacidade sendo uma cortina de dois metros de altura atrás da qual ela se vestia e usava o vaso sanitário. Longe da reclusão do Templo, a Conciergerie estava cheia de advogados, guardas e visitantes, bem como pessoas que desejavam vislumbrar a rainha cativa.

Um dos visitantes de Maria Antonieta, Alexandre de Rougeville, deixou cair um cravo aos pés da rainha. Quando ela pegou, descobriu um bilhete escondido entre as pétalas. Continha detalhes de uma missão de resgate, na qual ela seria levada em uma carruagem de espera para a Alemanha. A trama foi dada por um dos guardas da rainha, que tinha sido parte do esquema e perdeu a coragem, ou tinha deduzido das visitas subsequentes de Rougeville. Após a descoberta do enredo, Maria Antonieta foi levada para uma cela mais segura, onde foi interrogada por dois dias. A rainha manteve sua compostura apesar do questionamento implacável, afirmando que seus interesses estavam apenas no que era melhor para seu filho, e que seus únicos inimigos eram aqueles que desejavam prejudicar seus filhos.

Trial of Marie Antoinette
Julgamento de Maria Antonieta
Pierre Bouillon (Public Domain)

Nessa época, o Comitê de Segurança Pública se reuniu para decidir o destino da rainha. A voz mais alta para sua execução veio de Hébert, que afirmou falar em nome do povo. Ele afirmou que a morte da rainha deveria ser uma colaboração entre a cidade de Paris e o Tribunal Revolucionário, efetivamente ligando o povo ao governo com seu sangue. "Prometi ao chefe de Antoinette", declarou Hébert. "Eu mesmo irei cortá-lo se houver algum atraso em me entregá-lo" (Fraser, 425). No final, o Comitê Jacobino chegou a um acordo com Hébert; a rainha morreria para apaziguar o povo, e a liderança dos moderados girondinos seria executada para o benefício dos jacobinos. Assim, o destino da rainha foi selado antes mesmo dela ser levada a julgamento.

O Julgamento

Na noite de 12 de outubro, Maria Antonieta foi novamente acordada de seu sono e levada ao Tribunal Revolucionário para ser indiciada. Depois de negar as acusações listadas contra ela, ela recebeu o direito a um advogado de defesa e foi enviada de volta para sua cela. Ao contrário de Luís XVI, que tinha sido dada semanas para preparar uma defesa, Maria Antonieta tinha apenas horas; seu advogado chefe, Claude-François Chauveau-Lagarde, instou-a a escrever para o Tribunal e pedir mais três dias para se preparar. Ela fez isso, mas seu pedido ficou sem resposta.

O julgamento da rainha começou em 14 de outubro de 1793. Ainda pálida e doente, vestida de preto de viúva, a aparência da rainha chocou muitos espectadores que esperavam ver a feroz loba austríaca dos rumores. Maria Antonieta foi apresentada ao tribunal e, em seguida, pediu para se sentar no início do julgamento, começando horas após o exaustivo interrogatório de 40 testemunhas. Embora o julgamento do rei tivesse envolvido provas sólidas, incluindo documentos assinados, as acusações contra Maria Antonieta eram mais abstratas, principalmente baseadas em rumores e boatos. A primeira testemunha, um capitão da Guarda Nacional de Versalhes, falou de supostas orgias bêbadas que ele admite não ter visto com seus próprios olhos, enquanto outra testemunha relatou um rumor infundado de que a rainha havia embebedado a Guarda Suíça antes do Tempestade do Palácio das Tulherias.

Ao ser interrogada, Maria Antonieta respondeu às alegações com respostas curtas e sem compromisso: "Não me lembro" e "Nunca ouvi falar de nada disso". Ela negou ser a única a convencer seu marido a fugir da França durante o vôo malfadado para Varennes em 1791, alegando que ela nunca havia exercido tal controle sobre as decisões do rei. Em outra ocasião, a acusação apresentou documentos supostamente assinados pela rainha; quando Maria Antonieta pediu a data nos documentos, foi revelado que eles foram “assinados” depois que Maria Antonieta já estava presa. A única vez que ela cedeu foi sob questionamento sobre o uso indevido de fundos que vão em direção à sua residência privada, o Petit Trianon; "talvez mais tenha sido gasto do que eu desejaria" (Fraser, 433).

Marie Antoinette in the Temple, 1793
Maria Antonieta no Templo, 1793
Sophie Prieur (Public Domain)

Com o caso da acusação vacilando, Hébert decidiu que era hora de revelar sua acusação de incesto. Com essa acusação, a compostura da rainha caiu. "Você testemunhou isso?" ela retrucou para Hébert, recusando-se a comentar mais sobre a acusação. Quando o presidente do Tribunal perguntou a Maria Antonieta por que ela se recusou a responder à pergunta, a rainha respondeu: "se eu não respondi, é porque a própria Natureza se recusa a responder a tal acusação contra uma mãe" (Fraser, 431). Ela então fez um apelo emocional a todas as mães no tribunal, algumas das quais responderam positivamente e pediram que os procedimentos do tribunal fossem interrompidos.

O julgamento durou até as 23h, quando foi adiado para a noite. Recomeçou novamente às 8h da manhã seguinte e continuou por 16 horas. Enquanto algumas das acusações tinham mais mérito do que outras, como a alegação de que ela estava enviando segredos militares para os inimigos da França, a maioria das evidências em si era tênue na melhor das hipóteses. Marie Antoinette estava confiante em sua performance e acreditava que o pior cenário seria uma sentença de vida. Ela não sabia que seu destino havia sido decidido muito antes.

Às 4 da manhã de 16 de outubro, ela foi considerada culpada das três principais acusações contra ela: conspirar com potências estrangeiras, o esgotamento do tesouro do Estado, e de cometer alta traição, agindo contra a segurança do Estado francês. A acusação pediu, e foi concedida a pena de morte. A rainha foi condenada a ser executada mais tarde naquele dia. Quando perguntada se ela tinha algo a dizer, Maria Antonieta simplesmente balançou a cabeça.

Execution of Marie Antoinette
Execução de Maria Antonieta
Unknown (Public Domain)

Execução

Em suas últimas horas, Maria Antonieta foi autorizada a escrever materiais. Numa carta à Senhora Isabel, ela escrevia sobre o seu profundo pesar por ter de deixar os seus filhos: «Tu sabes que tenho vivido apenas para eles e para ti, minha querida e terna irmã» (Fraser, 436). Ela escreveu sobre como logo voltaria a se juntar ao irmão de Madame Elizabeth, ou seja, Luís XVI; a própria Elizabeth se juntaria a eles quando fosse guilhotinada em maio do ano seguinte. Escrevendo outra carta aos seus filhos, Maria Antonieta pediu-lhes que cuidassem uns dos outros, implorando a Maria Teresa que perdoasse as mentiras de Luís Carlos. “Pense em sua idade e em como é fácil fazer uma criança dizer o que quer, até mesmo coisas que ela não entende” (ibid.). De seus filhos, apenas Maria Teresa viveria para ver a idade adulta, já que Luís Carlos morreria dois verões depois, ainda em cativeiro.

Depois de escrever suas cartas, Marie Antoinette se recusou a tomar o café da manhã, acreditando que tal nutrição fosse inútil, já que "tudo acabou para mim". Ela estava vestida com um vestido branco simples, o cabelo cortado e as mãos atadas. Humilhantemente, Maria Antonieta teve que pedir a permissão do carrasco para soltar brevemente as mãos para que ela pudesse se aliviar em um canto. Às 11 horas da manhã, ela foi levada para a guilhotina em uma carroça aberta, negada a dignidade de uma carruagem fechada que havia sido concedida ao marido.

Quando ela chegou ao cadafalso na Place de la Revolution, ela reuniu o orgulho que tinha deixado e subiu os degraus. Depois de pedir desculpas ao carrasco por pisar acidentalmente em seu pé, ela foi guilhotinada às 12:15 da tarde, para os gritos de uma multidão alegre. Com sua morte, a França estava livre de sua loba austríaca, do chamado “déficit de Madame” que havia falido a nação tanto moral quanto financeiramente. O que recebeu em troca foi dez meses de sangue, pois Maria Antonieta foi uma das primeiras vítimas do Reino do Terror

Remover publicidades
Publicidade

Perguntas e respostas

Por que Marie Antoinette foi executada?

Maria Antonieta foi executada depois de ser condenada por alta traição contra a República Francesa. Ela foi considerada culpada de conspirar com potências estrangeiras contra a segurança da França e de esgotar o tesouro nacional.

Quando foi o julgamento de Maria Antonieta?

O julgamento de Maria Antonieta perante o Tribunal Revolucionário durou de 14 a 16 de outubro de 1793.

Quem foi a primeira vítima do Reino do Terror?

Maria Antonieta, executada em 16 de outubro de 1793, foi uma das primeiras vítimas do Reino do Terror durante a Revolução Francesa.

Sobre o tradutor

Yan De Oliveira Carvalho
Yan de Oliveira Carvalho nasceu na cidade do Rio de Janeiro, Brasil. Ele possui um Bacharel em Administração de Empresas pela Universidade Estadual da Pensilvânia. Ele atualmente mora no Rio de Janeiro e trabalha como tradutor Profissional de Inglês, Espanhol e Francês para o Português.

Sobre o autor

Harrison W. Mark
Harrison Mark é graduado pela SUNY Oswego, onde estudou história e ciência política.

Citar este trabalho

Estilo APA

Mark, H. W. (2022, Novembro 07). Julgamento e Execução de Marie Antoinette [Trial and Execution of Marie Antoinette]. (Y. D. O. Carvalho, Tradutor). World History Encyclopedia. Obtido de https://www.worldhistory.org/trans/pt/2-2099/julgamento-e-execucao-de-marie-antoinette/

Estilo Chicago

Mark, Harrison W.. "Julgamento e Execução de Marie Antoinette." Traduzido por Yan De Oliveira Carvalho. World History Encyclopedia. Última modificação Novembro 07, 2022. https://www.worldhistory.org/trans/pt/2-2099/julgamento-e-execucao-de-marie-antoinette/.

Estilo MLA

Mark, Harrison W.. "Julgamento e Execução de Marie Antoinette." Traduzido por Yan De Oliveira Carvalho. World History Encyclopedia. World History Encyclopedia, 07 Nov 2022. Web. 26 Mai 2024.