Néftis

Definição

Joshua J. Mark
por , traduzido por Lylia
publicado em 13 Março 2016
X

Texto original em inglês: Nephthys

Nephthys Amulet (by Rama, CC BY-SA)
Amuleto Nephthys
Rama (CC BY-SA)

Néftis foi um dos cinco deuses originais do Egito antigo, nascido da união de Geb (terra) e Noz (céu) após a criação do mundo. Ela foi a quarta nascida depois de Osíris, Ísis e Set e era a irmã mais velha de Hórus (geralmente chamada de Hórus, o Velho). Como uma das primeiras deusas do Egito, ela era membro do Ennead de Heliópolis, um tribunal de nove divindades de imenso poder. Seus centros de culto eram Heliópolis, Senu, Hebet, Per-met, Re-nefert e Het-sekem. Ao contrário das afirmações de alguns estudiosos de que ela nunca foi amplamente adorada no Egito, os templos de Néftis eram bastante comuns e ela foi considerada uma deusa extremamente importante do período pré-dinástico (c.6000-c. 3150 aC) através da dinastia ptolomaica (323-3). 30 AEC), a última dinastia a governar o Egito antes de se tornar uma província de Roma.

Nome e Símbolos

'Néftis' é a versão latina de seu nome egípcio 'Nebthwt' (também dado como Nebet-het e Nebt-het) que se traduz como "Senhora do recinto do templo" ou "Senhora da casa" e é rotineiramente retratada com o heiróglifo para 'casa' em sua coroa. A 'casa' não é uma casa terrena nem um templo, mas está ligada aos céus, pois estava relacionada ao ar e ao éter. O "recinto" pode se referir ao pátio do lado de fora de um templo, pois ela foi representada pelos postes fora dos templos em seu papel de deusa protetora; assim como os postes e o muro protegiam o templo interior, Néftis protegia as almas do povo. Ela esteve associada à morte e à decadência desde um período inicial e foi invocada regularmente durante os serviços funerários. Os profissionais de luto nos funerais egípcios eram conhecidos como "Falcões de Néftis" e ela é uma das quatro deusas (junto com Isis, Selket e Neith) cujas imagens foram encontradas no túmulo de Tutancâmon como guardiões de seus navios canópticos. A historiadora Margaret Bunson observa:

Remover publicidades

Advertisement

Néftis estava associado ao culto mortuário em todas as épocas e fazia parte do culto antigo a Min [um deus da fertilidade e reprodução]. As regiões desérticas eram dedicadas a ela e pensava-se que ela era habilidosa em magia (188).

Suas habilidades mágicas eram semelhantes às de Ísis e alguns estudiosos a veem como a imagem no espelho de Ísis, a escuridão de Néftis equilibrando a luz de Ísis, e elas são freqüentemente retratadas juntas como irmãs gêmeas. Na cidade de Heliópolis, Néftis e Ísis foram representados por duas sacerdotisas virgens em festivais que recitavam as famosas lamentações de Ísis e Néftis no festival de Osíris. The Lamentations é um longo poema narrativo que recria o momento em que Ísis e Néftis trabalharam juntos para reviver o deus Osíris e trazê-lo de volta à vida. Embora originalmente falado apenas em serviços religiosos, as Lamentações foram incluídas no Livro dos Mortos do Egito e foram recitadas em serviços funerários.

Remover publicidades

Advertisement

Néftis tornou-se a esposa de Set e é melhor conhecida pela parte que jogou no mito de Osíris, onde, disfarçado de ísis, seduziu Osíris.

Néftis tornou-se esposa de Set e é mais conhecido pelo papel que desempenhou no mito de Osíris, onde, disfarçado de Ísis, seduziu Osíris e deu a Just uma justificativa pelo assassinato de seu irmão. Mais tarde, ela é retratada no mito como traidora e depois ajudando Ísis em seus esforços para restaurar o marido à vida. Ela é uma deusa dos mortos que, como sua neta Qebhet, presta assistência às almas dos falecidos. Ela foi tão prestativa aos que estavam na vida após a morte que um de seus títulos era "Amigo dos Mortos" e também pensava em trazer notícias do falecido de volta aos seus parentes na terra e confortá-los em seu tempo de luto.

Remover publicidades

Advertisement

Seus símbolos são o falcão, o templo e o sicômoro, uma das árvores mais populares retratadas nas inscrições do Livro Egípcio dos Mortos. Ela é a mãe do deus da morte Anúbis e foi associada ao pôr-do-sol, crepúsculo e escuridão. As orações foram oferecidas a Néftis no crepúsculo para proteção e também para ajudá-la enquanto ela lutava com seu marido Set para defender o Barco de Rá (o deus do sol) da serpente Apophis, enquanto fazia sua jornada pelos reinos da noite.

[imagem: 504]

Origens mitológicas

De acordo com a versão mais popular do mito da criação egípcia, havia uma vez apenas águas caóticas e trevas no universo até que, um dia, um monte (conhecido como ben-ben) subiu dos mares com o deus Atum (também conhecido como como Ra) de pé sobre ela. Atum contemplou o eterno nada e reconheceu que estava sozinho, e assim acasalou-se com sua própria sombra para dar à luz Shu (deus do ar) e Tefnut (deusa da umidade). Essas duas divindades então deixaram seu pai sozinho no monte primordial e partiram para criar o mundo.

Atum, sozinho na colina no meio do caos, ansiava por seus filhos e se preocupava com a segurança deles, e então ele tirou o olho e o enviou em busca deles. Shu e Tefnut voltaram com os olhos, tendo falhado em criar o mundo, e Atum ficou tão feliz em vê-los que começou a chorar. Quando suas lágrimas caíram na terra fértil do ben-ben, homens e mulheres brotaram.

Remover publicidades

Advertisement

Esses novos seres frágeis não tinham onde morar, então Shu e Tefnut acasalaram e deram à luz Geb (a terra) e Nut (o céu). Esses dois se apaixonaram rapidamente e se tornaram inseparáveis; uma situação que Atum achou intolerável por serem irmão e irmã. Ele empurrou Nut por cima de Geb e a prendeu lá, para que os dois amantes pudessem se ver, mas nunca mais se tocassem. Nut, no entanto, já estava grávida de Geb e logo deu à luz cinco filhos: Osíris, Ísis, Set, Néftis e Hórus. Atum deu a esses cinco deuses a tarefa de manter o mundo e ordenou que seu primeiro filho, Osíris, governasse todas as coisas vivas da terra.

O mito de Osíris

Neste ponto da história, o famoso Osiris Myth começa quando Set fica com ciúmes do poder e do sucesso de Osíris. Osíris se casou com sua linda irmã Ísis e o casal real ensinou os humanos da cultura e arte do mundo, instruiu-os na religião e deu-lhes os presentes da agricultura. Para os egípcios, seu país era essencialmente o mundo e este mundo, sob o reinado de Osíris e Ísis, era um paraíso. Homens e mulheres eram iguais em todas as coisas e havia uma abundância de comida.

[imagem: 4579]

Hórus, o Velho, nesta história, nunca é mencionado, mas os papéis de Set e Néftis, que são, parecem bastante insignificantes a princípio até Néftis surgir para desempenhar um papel central. Ela mudou de forma para assumir a forma e o perfume de Ísis e seduziu Osíris, que pensava que ele estava dormindo com sua esposa. Em algumas versões da história, ela bebe o vinho dele ou dá demais, enquanto em outras ele simplesmente vem para a cama pensando que ela é Ísis. Osíris sai depois, mas deixa cair uma flor que ele usava no cabelo no chão e isso é encontrado mais tarde por Set, que a reconhece como de seu irmão.

Remover publicidades

Advertisement

Set já estava ressentido com seu irmão mais velho, mas agora, acreditando que Osíris havia seduzido sua esposa, ele planejava matá-lo. Ele criou um baú ornamentado com as medidas exatas de Osíris e, em seguida, deu uma festa em que ofereceu a caixa de presente para qualquer um de seus convidados que pudesse caber nela. Osíris, é claro, encaixava-se perfeitamente e, quando se deitou no caixão, Set bateu a tampa, prendeu-a e jogou-a no Nilo. Ele então assumiu o trono com Néftis como seu consorte. Pouco tempo depois, ela deu à luz um filho, o deus Anúbis, a quem ela abandonou e que foi criada por Ísis.

Isis, enquanto isso, procurou o marido e encontrou o caixão com o corpo dentro de uma árvore em Byblos. O rei e a rainha da cidade tinham visto a árvore na praia e foram atraídos por sua beleza (que era a essência de Osíris permeando a árvore) e seu doce aroma (o aroma de Osíris), que foi cortada e seu tribunal para servir como um pilar central. Ísis, disfarçada de mulher mais velha, foi convidada para a corte depois de fazer amizade com as criadas da rainha na costa e logo se tornou babá dos jovens príncipes. Em um esforço para tornar o filho mais novo imortal, ela o mantinha em um incêndio místico todas as noites para queimar sua parte mortal e, uma noite, a rainha a pegou e ficou horrorizada. Ísis jogou fora seu disfarce, revelando-se, e o rei e a rainha imploraram por misericórdia, oferecendo-lhe qualquer coisa para poupá-los. Ela pediu o pilar no tribunal; e eles deram a ela.

O MUNDO SOFIA SOB A REGRA DE SET. A terra era Barren e os ventos do deserto sopraram.

Todo esse tempo, o mundo estava sofrendo sob o domínio de Set. A terra estava árida e os ventos do deserto sopraram. A igualdade na terra foi esquecida quando as pessoas lutavam entre si pela sobrevivência. Ísis retornou ao deserto com Osíris e escondeu seu corpo nos pântanos do Delta do Nilo e depois pediu a Néftis que vigiasse para protegê-lo de Set. Enquanto Ísis foi buscar ervas para reviver o marido, Set procurou o corpo e encontrou Néftis. Ele conseguiu sair dela onde Isis havia escondido Osíris e cortou o corpo em pedaços, jogando-os pela terra e no rio. Quando Ísis voltou, Néftis, em lágrimas, contou a história e se ofereceu para ajudar da maneira que pudesse.

Ísis e Néftis encontraram todas as partes de Osíris e o recompuseram, exceto seu pênis, que havia sido comido por um peixe. Osíris reviveu, mas, por não ser inteiro, não pôde retornar à terra como rei; em vez disso, ele desceria ao submundo, onde governaria os mortos como seu juiz justo e misericordioso. Antes de partir, no entanto, Ísis se transformou em uma pipa (um falcão) e voou ao redor de seu corpo, atraindo sua semente para a dela e engravidando de um filho, Hórus. Quando Hórus nasceu, ela o escondeu nos pântanos do Delta, pois possuía o corpo de seu pai e Néftis, desta vez, a manteve em segredo.

As Contendas de Hórus e Set

Quando Hórus cresceu, ele desafiou Set para o reino. A versão mais conhecida deste concurso é conhecida como As Contendas de Hórus e Conjunto, de um manuscrito da Vigésima Dinastia (1190-1077 AEC). A história fala da batalha legal perante o Ennead de Heliópolis, um tribunal de nove deuses, para decidir quem era o legítimo rei do Egito. Esses deuses eram Atum, Shu e Tefnut, Geb e Nut, Isis e Néftis, Set e Osíris. Hórus e Set apresentam seus casos e, em seguida, devem provar a si mesmos em uma série de competições e batalhas vencidas por Hórus.

[imagem: 774]

A maioria dos nove deuses decidiu que Hórus era o rei por direito, mas Atum, o deus do sol, não estava convencido e a decisão teve que ser unânime, exceto a opinião de Set. Atum acreditava que Hórus era muito jovem e levara uma vida muito protegida para governar efetivamente, enquanto Set tinha a experiência necessária, se não da maneira mais gentil. Mesmo que Hórus vencesse todas as disputas contra seu tio, Atum não se emocionaria. Este julgamento durou mais de 80 anos, enquanto o povo do Egito sofreu sob o reinado caótico de Set até Ísis intervir, mostrou aos outros deuses - e Set - quão perversamente ele se comportou e venceu a decisão em favor de seu filho. Em outra versão, talvez mais antiga, da história, é a deusa Neith que resolve a disputa em favor de Hórus e concede as terras do deserto a Set, juntamente com duas deusas estrangeiras (Anat e Astarte) como consolo. Hórus assumiu o trono de seu pai e governou com Ísis e Néftis como seus conselheiros. Set foi expulso da terra para os áridos desertos da fronteira e Néftis permaneceu como um protetor da chefe da família, Ísis, neste caso, mas mais tarde qualquer mulher madura e casada.

As lamentações de Ísis e Néftis

Este mito era importante para os antigos egípcios em muitos níveis. Ilustrou valores fundamentais de harmonia, ordem, intervenção divina nos assuntos humanos, a importância da gratidão, confiança e como, no caráter de Set, até os deuses poderiam sucumbir à tentação, mas, não importando o que, harmonia e ordem seriam restauradas . A morte e a ressurreição de Osíris forneceram um modelo divino para a passagem de todos os seres humanos que se pensava serem viajantes em uma jornada eterna pela vida e pela vida após a morte. O Culto de Osíris tornou-se extremamente popular e parte de seu serviço religioso incluiu a recitação da liturgia conhecida como As Lamentações de Ísis e Néftis.

A versão mais completa deste verso vem do Papyrus 3008 de Berlim, datado da dinastia ptolomaica. Esse papiro fazia parte de uma cópia do Livro dos Mortos, de propriedade de uma mulher chamada Tentruty (também dada como Teret) e está escrita em escrita hierática (a cursiva, cotidiana, escrita dos egípcios) em cinco colunas. O poema é escrito como uma troca entre Ísis e Néftis, quando eles chamam a alma de Osíris de volta ao seu corpo. As duas deusas pedem à alma que retorne, viva novamente entre elas e invoque Hórus, filho de Osíris, como seu protetor na vida que lhe fornecerá "pão, cerveja, bois e aves" e cujos filhos protegerão seu corpo. e proteger sua alma. No final, Osíris volta à vida quando o poema termina com a frase "Lo! He Comes!"

Após o versículo, o escriba deixou instruções muito cuidadosas sobre como as Lamentações devem ser apresentadas nos festivais:

Agora, quando isso é recitado, o local deve ser completamente isolado, não visto e ouvido por ninguém, exceto pelo chefe-litor-sacerdote e pelo setem-sacerdote. Um deve trazer duas mulheres com corpos bonitos. Devem sentar-se no chão no portal principal do Salão das Aparições. Em seus braços devem estar escritos os nomes de Ísis e Néftis. Potes de faiança cheios de água serão postos em suas mãos direitas, oferecendo pães feitos em Memphis em suas mãos esquerdas, e seus rostos serão inclinados. A ser feito na terceira hora do dia, também na oitava hora do dia. Você não terá folga ao recitar este livro na hora do festival. Está terminado.

As duas virgens recitavam as lamentações para convidar Osíris a participar do festival e, quando ele chegasse, a celebração poderia começar. Osíris foi considerado o primeiro rei do Egito que havia dado ao povo sua cultura e que, através de sua morte e ressurreição, mostrou-lhes o caminho para a vida eterna. Na morte, todos estavam ligados a Osíris, que foi o primeiro a morrer e renascer. Seus festivais, portanto, eram de grande importância e Néftis costumava aparecer como um dos elementos mais importantes da celebração: um dos dois que chamou o deus para se juntar aos vivos.

Ela se descreve como a "irmã amada" de Osíris nas Lamentações e diz: "Estou com você, seu guarda-costas, por toda a eternidade". Quando as Lamentações foram incluídas no Livro dos Mortos (c. 1550-1070 AEC), o poema foi recitado em funerais e Néftis então teria falado com a alma do falecido. Foi nessa capacidade que ela passou a ser considerada a "amiga dos mortos" que andava com a alma e os ajudou na vida após a morte como seu "guarda-costas por toda a eternidade" e a tornou uma divindade tão importante para o povo.

NO PERÍODO PRÉ-DINÁSTICO DO EGIPTO, NEPHTHYS FOI UMA DAS DEIDADES MAIS IMPORTANTES DEVIDO A SUA PARTE NO MITO DO RA.

Néftis e a barcaça de Ra

Muito antes de o mito de Osíris se tornar popular, Nepthys já era uma deusa muito significativa, no entanto. Nos textos do período do Reino Antigo (c. 2613 - c. 2181 aC), ela é referenciada a Set como os dois deuses que protegem a barcaça do deus do sol Ra (Atum), que passa pelo céu noturno. A serpente maligna Apófis tentou todas as noites assassinar o deus do sol, mas Néftis e Set lutaram contra a criatura para que o sol pudesse nascer na manhã seguinte. Set mais tarde foi transformado de um deus protetor no vilão do mito de Osíris, mas o papel de Néftis permaneceu o mesmo: um protetor e sustentador da vida. Embora o foco em quem estava protegido tenha mudado, os elementos básicos de sua personagem permaneceram os mesmos. A estudiosa Geraldine Pinch observou que "Néftis nunca gozou do alto status de sua irmã, Ísis" (171) e, embora possa ser verdade que o culto a Néftis nunca tenha sido igual ao de Ísis, seu status era consistentemente bastante impressionante ao longo da história do Egito.

No período pré-dinástico do Egito, Néftis foi uma das divindades mais importantes devido à sua parte nesse mito. Se Apophis conseguisse assassinar Rá, o sol não nasceria e, portanto, era vital que a barcaça fosse protegida. No Conjunto de Textos do Caixão e o deus-serpente Mehen protege a barcaça; Mehen enrolando-se em torno de Ra e Set, afastando Apophis. Mais tarde, Mehen foi substituído por Néftis, mas Apófis era considerado tão poderoso, e a ameaça a Ra tão terrível, que outras divindades frequentemente apareciam na barcaça para afastar o inimigo do sol, como Isis, Bastet, Selket, Neith e Sekhmet, que eram conhecidos coletivamente, com Néftis, como os Olhos de Rá nessa capacidade.

O mito da ameaça noturna a Ra é mais claramente contado em um manuscrito datado do Período de Ramessid (1292-1069 aC), mas evidências arqueológicas sugerem que a história é muito mais antiga. Na época do período Ramessid, o mito havia evoluído para um ritual conhecido como Derrubando Apophis, no qual um padre recitava uma lista dos nomes secretos de Apophis (ganhando poder sobre ele) e as pessoas cantavam hinos comemorando sua destruição. Mesmo que os deuses destruíssem a grande serpente todas as noites, ele voltou a tentar matar Ra novamente na próxima. Os hinos foram cantados para incentivar os deuses em sua eterna luta. Os participantes do ritual então faziam serpentes de cera, cuspiam nelas e as destruíam no fogo. O ritual foi realizado regularmente após vários dias nublados, quando parecia que Apophis estava conseguindo impedir o amanhecer e, especialmente, durante um eclipse solar.

[imagem: 4622]

Popularidade e adoração a Néftis

Antes da adição das outras deusas, no entanto, foi Néftis e Set que mantiveram o sol no curso e ela foi devidamente homenageada por isso. Os templos de Néftis estavam localizados em todas as regiões do Egito muito antes de ela se associar aos mortos e só se tornou mais numerosa depois. Como qualquer divindade egípcia, seu templo era frequentado por padres e sacerdotisas que cuidavam de sua estátua e observavam seus dias sagrados e festivais. O público foi impedido de entrar no santuário interno do templo onde sua estátua residia, mas foi recebido nos pátios externos, onde o clero atendia às suas necessidades e coletava suas doações e sacrifícios.

Na época de Ramsés II (1279 - 1213 aC), Néftis era tão popular que recebeu seu próprio templo no popular centro religioso de Sepermeru, no recinto sagrado onde o templo de Set estava localizado. Néftis era tão popular na época que é mencionada em textos sem alusão a Ísis ou Set. Seu templo na cidade de Punodjem era aparentemente tão popular que o sacerdote e o vizir Pra'emhab reclamaram de sua carga de trabalho e seu templo em Herakleopolis, perto de Sepermeru, tornou-se o local do festival Heb-Sed comemorando o rejuvenescimento do rei. A estátua de basalto de Néftis atualmente alojada no Louvre em Paris vem deste templo.

Embora Néftis seja freqüentemente retratada como um espelho para sua irmã gêmea Ísis, ela tinha uma vida e um status próprios que eram igualmente dignos de veneração. Uma vez que ela se associou à vida após a morte e aos cuidados dos mortos, o linho usado para mumificar o falecido era conhecido como "tranças de Néftis" e pensava-se que ela, junto com Selket, ajudara a dar vida à alma e ajudá-los em sua jornada eterna. Néftis passou a representar a promessa de um ajudante ao lado da vida após a morte, que cuidaria e protegeria a alma e asseguraria aos vivos que a morte não era nada a ser temido. O reino da vida após a morte era apenas uma nova terra para a qual viajamos e velhos amigos, como Néftis, estariam esperando para oferecer proteção e orientação na morte, como haviam feito ao longo da vida.

Remover publicidades

Publicidade

Sobre o autor

Joshua J. Mark
Escritor freelancer e ex-professor de Filosofia no Marist College, em Nova York. Joshua J. Mark viveu na Grécia e na Alemanha, viajou pelo Egito. Lecionou História, Redação, Literatura e Filosofia em várias universidades.

Cite este trabalho

Estilo APA

Mark, J. J. (2016, Março 13). Néftis [Nephthys]. (. Lylia, Tradutor). World History Encyclopedia. Recuperado de https://www.worldhistory.org/trans/pt/1-14470/neftis/

Estilo Chicago

Mark, Joshua J.. "Néftis." Traduzido por Lylia. World History Encyclopedia. Última modificação Março 13, 2016. https://www.worldhistory.org/trans/pt/1-14470/neftis/.

Estilo MLA

Mark, Joshua J.. "Néftis." Traduzido por Lylia. World History Encyclopedia. World History Encyclopedia, 13 Mar 2016. Web. 21 Out 2021.