Ancient History Encyclopedia has a new name!

We are now World History Encyclopedia to better reflect the breadth of our non-profit organization's mission. If you have bookmarks or links to our site on your blog or website, please update them. Learn More

São Patrício

Definição

Joshua J. Mark
por , traduzido por Rafael de Quadros
publicado em 06 Setembro 2015
X

Texto original em inglês: Saint Patrick

Saint Patrick (by Nheyob, CC BY-SA)
São Patrício
Nheyob (CC BY-SA)

São Patrício (século V EC) é o santo padroeiro da Irlanda e um dos missionários cristãos mais bem-sucedidos da história. Ele era um cidadão romano da Grã-Bretanha (conhecido como Patricius) que foi capturado por piratas aos dezesseis anos e vendido como escravo na Irlanda. Ele escapou de volta para a Grã-Bretanha, foi ordenado bispo e voltou para a terra de seu cativeiro como missionário em c. 432/433 EC. Ele é creditado por expandir a alfabetização na Irlanda por meio das ordens monásticas que estabeleceu, revisando e codificando as Leis Brehon e convertendo o país ao Cristianismo. Ele não foi o primeiro missionário cristão na Irlanda, mas é o mais famoso. Sua influência sobre as leis e a cultura da Irlanda foi enorme, enquanto ele defendia as causas das mulheres, dos pobres e dos escravos, enquanto conferenciava com reis e nobres. A data de sua morte é comemorada em 17 de março, mas o ano em que morreu, assim como o ano de nascimento, é desconhecido.

Início da vida e cativeiro

Nada se sabe sobre os primeiros anos de vida de Patrick, exceto o que ele menciona em sua Confissão (Confessio). Ele escreve que nasceu em Bannaven de Taberniae, mas este local nunca foi identificado positivamente. Os estudiosos têm avançado reivindicações para Dumbarton ou Ravenglass na Grã-Bretanha, ou regiões na Bretanha, Escócia e País de Gales. Seu pai era um magistrado chamado Calporn e, segundo a lenda, sua mãe era Conchessa, sobrinha do famoso São Martinho de Tours (316-397 EC). Quando tinha dezesseis anos, Patrick foi capturado por piratas e vendido como escravo na Irlanda. Alguns relatos, como o do escritor Probus, mencionam duas mulheres que foram capturadas com ele, Darerca e Lupida, referidas como suas irmãs, mas o próprio Patrick não faz nenhuma menção a elas e o próprio Probus duvida que sejam parentes de sangue. Se existissem, Probus afirma, eram "irmãs" na fé.

Remover publicidades

Advertisement

Na Irlanda, Patrick foi vendido a um chefe local chamado Miliue de Antrim (também conhecido como Miliucc), que o enviou para cuidar dos rebanhos no vizinho Vale de Braid. Por seis anos ele serviu Miliue, muitas vezes pastoreando os rebanhos quase nus em todos os tipos de clima. O escritor Thomas Cahill descreve as condições:

A vida de um escravo pastor não poderia ter sido feliz. Arrancado da civilização, Patricius tinha como seu único protetor um homem que não tinha sua própria vida em alta, muito menos a de qualquer outra pessoa. O trabalho de tais pastores era terrivelmente isolado, meses seguidos sozinho nas colinas. Os contatos ocasionais, que normalmente se procuram, podem trazer suas próprias dificuldades ... Como muitos outros em circunstâncias impossíveis, ele começou a rezar. Ele nunca havia prestado atenção aos ensinamentos de sua religião: ele nos diz que não acreditava realmente em Deus e achava os padres tolos. Mas agora, não havia ninguém a quem recorrer, a não ser o Deus de seus pais (101-102).

A fé e a confiança de Patrick em Deus ficavam mais fortes a cada dia. Ele escreve como: "O amor e o temor de Deus inflamavam cada vez mais meu coração; minha fé aumentou, meu espírito aumentou, de modo que eu disse uma centena de orações por dia e quase tantas à noite. Levantei-me antes do dia na neve, na geada e na chuva, não recebi nenhum dano, nem fui afetado pela preguiça. Pois então o espírito de Deus estava quente dentro de mim. " Ele continuou assim até a noite em que recebeu uma mensagem em um sonho.

Remover publicidades

Advertisement

NA IRLANDA ST. PATRICK MUDARIA A VIDA E O FUTURO DAS PESSOAS QUE UMA VEZ ANDARA ENTRE ESCRAVO.

Uma voz falou com ele, dizendo: "Sua fome foi recompensada. Você está indo para casa. Olha, seu navio está pronto." Patrick imediatamente partiu a pé em direção ao mar, cruzando mais de 320 quilômetros como um escravo fugitivo para a costa, provavelmente Wexford. Ele tentou reservar passagem em um navio mercante rumo à Grã-Bretanha, mas foi recusado. Ele então conta como orou por ajuda e o capitão do navio mandou chamá-lo a bordo. Três dias depois, eles pousaram nas costas da Grã-Bretanha.

Ordenação e retorno de Patrick

O local onde Patrick desembarcou na Grã-Bretanha não está claro, mas ele descreve o desembarque com os marinheiros irlandeses em uma terra de desolação. Levaram duas semanas para cruzar uma paisagem desértica, durante a qual Patrick os salvou da fome. Quando o insultaram sobre sua fé ser de pouca utilidade para encontrar comida ou água, ele os encorajou a orar e confiar em Deus; e logo uma manada de porcos apareceu para sustentá-los. Ele viajou com os marinheiros até chegarem a uma cidade da qual ele então partiu sozinho e finalmente voltou para sua casa, onde foi recebido de volta por seus pais. Cahill escreve: "Mas Patricius não é mais um adolescente romano despreocupado. Endurecido física e psicologicamente por experiências não compartilháveis, irremediavelmente atrás de seus colegas na educação, ele não consegue se estabelecer" (105). Ainda assim, ele permaneceu na casa de seus pais até que outro sonho visionário o levou a ir embora.

Remover publicidades

Advertisement

Ele sonhou que um homem que conheceu na Irlanda, chamado Victor, veio até ele carregando cartas:

E lá eu tive uma visão durante a noite, um homem vindo do oeste; seu nome era Victorious, e trazia consigo muitas cartas; ele me deu um para ler, e no início era uma voz da Irlanda. Então pensei que fosse a voz dos habitantes de Focluit Wood, adjacente ao mar ocidental; eles pareciam clamar a uma voz, dizendo: 'Vem a nós, ó santo jovem, e anda entre nós.' Com isso, fiquei emocionado e não conseguia mais ler. Então eu acordei.

Patrick deixou a família, apesar dos protestos, e viajou para a Gália, onde, depois de anos de estudo, foi ordenado bispo em Auxerre. Ele poderia ter permanecido na Gália ou voltado para sua família na Grã-Bretanha, mas Patrick acreditava que tinha uma missão para as pessoas que havia deixado para trás; e então ele voltou para a Irlanda. Antes de partir, ele confessou a outro em Auxerre um pecado que carregava em sua consciência desde a juventude. A natureza desse pecado nunca é mencionada, mas seu confessor mais tarde o trouxe à luz, exigindo que Patrick se defendesse e resultando em sua famosa Confissão.

Quando ele chegou à Irlanda, ele dificilmente foi bem-vindo. Ele escreve como, quando pousou (provavelmente em Wicklow), as pessoas eram tão hostis que ele rapidamente se mudou para o norte. Patrick conhecia a língua dos irlandeses de seus anos em cativeiro e, tão importante quanto, conhecia suas crenças. Ele parece ter sido hábil em compartilhar a mensagem cristã de uma maneira que ele sabia que as pessoas iriam entender e receber melhor. Muito foi escrito sobre o famoso episódio em que Patrick explica a Trindade usando um trevo, por exemplo, e historiadores, estudiosos e teólogos têm debatido se o evento realmente aconteceu. Se esse evento aconteceu não é tão importante quanto o que a história diz sobre o método de Patrick de alcançar as pessoas. O conceito de divindade tripla, um ser sobrenatural representado em três aspectos, era bem conhecido na Irlanda. As antigas deusas Eriu, Fodla e Banba, embora não tenham sido escritas até os séculos 11/12 EC, foram conhecidas pela tradição oral durante séculos como as três irmãs que deram seus nomes à Irlanda. Eles eram, na verdade, três aspectos do espírito da terra. A deusa Brigid, da mesma forma, era representada como três irmãs que encarnavam a força vital por meio da cura, criatividade e produtividade. A história de São Patrício e o trevo teria refletido como São Patrício se valeu do mundo espiritual e físico que os irlandeses conheciam para explicar o evangelho em termos familiares.

Remover publicidades

Advertisement

Statue of St. Patrick, Hill of Tara
Estátua de São Patrício, Colina de Tara
Karen Barrett-Wilt (CC BY-NC-SA)

Missão de patrick

São Patrício não foi o primeiro missionário na Irlanda, nem a Irlanda era um deserto pagão quando ele chegou. Palladius foi o primeiro missionário cristão na Irlanda e o primeiro bispo. Já havia cristãos na Irlanda após a chegada de Patrick e as comunidades cristãs estavam bem estabelecidas. Patrick não trouxe o cristianismo para a ilha, mas popularizou-o e, segundo a lenda, ele começou com um floreio que se tornou uma das histórias mais conhecidas a seu respeito.

Ele chegou em 432 ou 433 EC e anunciou dramaticamente a vinda do Cristianismo. O festival pagão de Ostara deveria ser celebrado e o Grande Rei de Tara decretou que nenhuma fogueira deveria ser acesa na terra antes que a grande fogueira na Colina de Tara iniciasse o feriado. Patrick e seus seguidores escalaram a Colina de Slane, diretamente em frente a Tara, e acenderam sua própria fogueira. Quando o rei viu as chamas, desafiando sua ordenança, ele enviou soldados para apagá-las e prender todos os envolvidos. Ao cantar o poema agora conhecido como Peitoral de São Patrício (uma lorica também conhecida como Faed Fiada ou Grito de Veado), Patrick e seus seguidores conseguiram passar pelos soldados sem serem detectados, como se fossem uma manada de cervos.

Remover publicidades

Advertisement

Eles foram a Tara, onde Patrick derrotou os druidas em um debate e ganhou o direito de pregar na corte do rei Laoghaire e sua rainha e chefes. Nesse mesmo momento, os soldados enviados para prender Patrick apareceram, relatando que não podiam apagar o fogo de Patrick. A história termina com muitos dos conversos da corte ao Cristianismo e o rei, que recusou, respeitando sua missão.

Slane Abbey
Abadia de Slane
Fergal Jennings (CC BY-NC-SA)

A teoria sugerida pelo estudioso T.F. O'Rahilly que havia dois St. Patricks - um Palladius e outro Patrick cujas histórias foram combinadas - é insustentável porque a missão de Palladius nunca produziu os tipos de histórias e lendas que seguem a de Patrick. Palladius veio como um representante da igreja cristã para converter os pagãos; Patrick veio como amigo do povo para apresentá-los a um amigo que mais o ajudou. Cahill comenta que Patrick "transmutou [o povo irlandês] virtudes pagãs de lealdade, coragem e generosidade em equivalentes cristãos de fé, esperança e caridade." Conquistou convertidos - pelo menos, não entre um povo tão teimoso como o irlandês ”( 124). St. Patrick teve sucesso em sua missão ao tocar as pessoas por meio de um profundo respeito e amor por elas e por uma cultura que ele abraçou. Cahill escreve:

Ao se tornar um irlandês, Patrick casou seu mundo com o deles, sua fé com sua vida ... Patrick encontrou uma maneira de nadar até as profundezas da psique irlandesa e aquecer e transformar a imaginação irlandesa - tornando-a mais humana e mais nobre, mantendo é irlandês. A água batismal não seria mais o único sinal eficaz de uma nova vida em Deus. A vida nova estava em toda parte em abundância, e toda a criação de Deus era boa (115).

Bell of St. Patrick, Ireland
Sino de São Patrício, Irlanda
Osama Shukir Muhammed Amin (CC BY-NC-SA)

Vida posterior e legado

Patrick iria fundar comunidades cristãs em toda a Irlanda, mais notavelmente a igreja em Armagh, que se tornou a capital eclesiástica das igrejas da Irlanda e onde Patrick escreveria sua confissão, codificaria as Leis Brehon e finalmente se aposentaria. A igreja celta que ele fundou, como a do missionário Columba na Escócia depois dele, diferia em vários aspectos da igreja de Roma, principalmente na inclusão das mulheres na hierarquia da igreja, na data da Páscoa, na tonsura dos monges e a liturgia. Os estudiosos estão divididos sobre o quão significativas essas diferenças realmente eram e muitos agora rejeitam a afirmação de que a Igreja Celta era muito diferente em visão da Católica Romana.

Seja como for, em seu tempo na Irlanda, St. Patrick mudou a vida e o futuro das pessoas com quem ele havia andado como escravo. Quaisquer que tenham sido os sucessos conquistados pelos primeiros missionários como Palladius, Ailbe, Declan, Ibar e Ciaran, nenhum promoveu as causas da alfabetização, espiritualidade e dignidade do indivíduo como Patrick fez. O historiador Murray Pittock cita a visão do estudioso do século 19/20 dC Eoin MacNeill de que os irlandeses eram "descendentes de uma civilização guerreira pagã que, quando convertida ao cristianismo, transformou a Irlanda em uma ilha única de santidade e aprendizado" que redefiniu a sociedade celta e celta (76). Os mosteiros que ele fundou ou incentivou tornaram-se centros de alfabetização e aprendizagem, extensas universidades dedicadas ao conhecimento, que com o tempo serviriam para coletar e preservar o registro escrito da civilização ocidental após a queda de Roma. O Império Romano nunca invadiu a Irlanda e, portanto, a terra foi relativamente afetada por sua queda. Nos mosteiros cristãos da Irlanda, as grandes obras escritas do passado foram copiadas e preservadas para as gerações futuras. Por meio de sua visão e missão, São Patrício mudou não apenas a Irlanda, mas o mundo.

Remover publicidades

Publicidade

Sobre o tradutor

Rafael de Quadros
Rafael is a Historian, Writer, Speaker, Columnist, Editor and Reviewer of Revista História Medieval, he also manages two portals of History in Brazil.

Sobre o autor

Joshua J. Mark
Escritor freelance e ex-professor de Filosofia no Marist College, em Nova York, Joshua J. Mark viveu na Grécia e na Alemanha, e viajou pelo Egito. Ensinou história, redação, literatura e filosofia no ensino superior.

Citar este trabalho

Estilo APA

Mark, J. J. (2015, Setembro 06). São Patrício [Saint Patrick]. (R. d. Quadros, Tradutor). World History Encyclopedia. Recuperado de https://www.worldhistory.org/trans/pt/1-13953/sao-patricio/

Estilo Chicago

Mark, Joshua J.. "São Patrício." Traduzido por Rafael de Quadros. World History Encyclopedia. Última modificação Setembro 06, 2015. https://www.worldhistory.org/trans/pt/1-13953/sao-patricio/.

Estilo MLA

Mark, Joshua J.. "São Patrício." Traduzido por Rafael de Quadros. World History Encyclopedia. World History Encyclopedia, 06 Set 2015. Web. 10 Mai 2021.