As Sete Viagens de Zheng He

Artigo

Mark Cartwright
por , traduzido por Yan De Oliveira Carvalho
publicado em 07 Fevereiro 2019
X
translations icon
Disponível em outras línguas: Inglês, Francês, Grego, Espanhol, Chinês

O almirante Zheng He (também conhecido como Cheng Ho, c. 1371-1433) foi um explorador eunuco muçulmano chinês enviado pelo imperador da dinastia Ming Yongle (r. 1403-1424) em sete missões diplomáticas para aumentar o comércio e garantir o tributo de potências estrangeiras. Entre 1405 e 1433 Zheng comandou enormes frotas carregadas de mercadorias comerciais e presentes de alto valor para lugares tão distantes como Ormuz no Golfo Pérsico e Mogadíscio na África Oriental. Seguindo rotas marítimas estabelecidas, mas em outras ocasiões se encontrou-se como a primeira pessoa chinesa a desembarcar em muitos de seus destinos, Zheng He é amplamente considerado como o maior explorador chinês de todos os tempos. Suas viagens podem não ter trazido muito sucesso em termos de novo comércio ou tributo duradouro à corte imperial, mas o conhecimento, as ideias e os bens exóticos que ele trouxe de volta para casa - de joias a girafas - criaram um interesse em países estrangeiros e uma realização de sua riqueza que contribuiu para o aumento do papel da China no comércio mundial nos séculos posteriores. Mesmo que seu rastro não tivesse sido seguido imediatamente, Zheng He havia mostrado o caminho.

Chinese Junk Ship
Junco Chinês
National Maritime Museum, Greenwich (CC BY-NC-ND)

Política Externa do Imperador Yongle

Um dos símbolos duradouros da ânsia da dinastia Ming de estender as relações internacionais sob seu terceiro imperador, Yongle, são as sete viagens marítimas de Zheng He. Os antecessores de Yongle tinham sido cautelosos ao ponto do isolacionismo quando se tratava de assuntos externos, em grande parte por medo da conquista militar pelos povos vizinhos, especialmente os mongóis. Mais seguro em seu trono imperial, e tendo-o agarrado em primeiro lugar após uma guerra civil de três anos, Yongle talvez procurou alguma legitimidade internacional para sua posição como imperador.

Remover publicidades

Advertisement

TRADICIONALMENTE, O TRIBUTO DO EXTERIOR VALIDAVA A VAIDADE CHINESA DE QUE SUA PRÓPRIA CULTURA ERA SUPERIOR A TODAS AS OUTRAS.

A tradicional apresentação de tributo aos imperadores chineses por outros estados menores do Sudeste Asiático eram realizadas para impedir a invasão ou alcançar uma promessa teórica de proteção em caso de invasão por terceiros ou porque as missões diplomáticas que prestavam esse tributo eram autorizadas a realizar comércio durante seu transito pela China. O tributo, geralmente muito menos valioso do que os bens que os imperadores davam, sempre fora um emblema de aprovação para os chineses, indicando que seu imperador era de fato o Filho do Céu e o governante mais poderoso da terra. Também confirmou a vaidade chinesa de que sua própria cultura era superior a todas as outras. O sistema caducou durante a dinastia Yuan Mongol (1276-1368), mas Yongle queria reanimá-lo. Que melhor maneira de convencer os poderosos funcionários da burocracia imperial de que ele era o escolhido do que ter embaixadores estrangeiros prostrando-se na Cidade Proibida oferecendo uma bela amostra das riquezas de seu país?

Outro motivo possível, pelo menos para as viagens anteriores ao Sudeste Asiático, pode ter sido descobrir o paradeiro do imperador deposto Jianwen (r. 1398-1402) e assim garantir que ele não agitasse uma rebelião para tomar de volta o seu trono de seu usurpador Yongle. A escala das frotas envolvidas também levou alguns estudiosos a sugerir que as expedições estavam bastante mais interessadas em alguma forma de colonialismo do que na mera diplomacia e comércio, mas essa visão não é amplamente defendida.

Remover publicidades

Advertisement

Almirante Zheng He

Yongle enviaria muitas missões diplomáticas através de rotas terrestres para lugares como Samarcanda e Tibete, mas o homem selecionado para liderar as incursões marítimas mais importantes do imperador na diplomacia estrangeira era Zheng He. Nascido em uma família de camponeses muçulmanos na província de Yunnan, no sul da China c. 1371, seu nome de família era Ma Ho. O futuro explorador teria uma infância difícil, mas ele certamente tinha o impeto da viagem em suas veias, pois seu pai havia feito o Hajj ou a peregrinação a Meca. Morando em uma região da China que era então controlada pelos mongóis, Ma Ho foi capturado pelas forças Ming aos dez anos de idade. No tratamento típico daqueles capturados na guerra e destinados a serem escravos ou servos, Ma Ho foi castrado. Ele foi então recrutado para o exército comandado por um príncipe Ming, ninguém menos que o futuro imperador Yongle. Os talentos de Ma Ho o viram progredir nas fileiras, sendo selecionado como o eunuco chefe e se tornando um importante apoio à reivindicação de Yongle pelo trono. Quando Yongle venceu uma guerra civil de três anos e se tornou imperador em 1403, Ma Ho recebeu o novo nome de Zeng He (também conhecido como Cheng Ho).

Zheng He
Zheng He
jonjanego (CC BY)

Índia e Sri Lanka

Por volta de 1405 Zheng He era um almirante da frota imperial, e ele foi selecionado pelo imperador para liderar uma frota através do Oceano Índico para explorar as possibilidades de novos estados tributários e trazê-los para a esfera da influência chinesa. A frota maciça de 317 navios estava em construção desde 1403 e incluía 62 baochuan, então os maiores navios do mundo. Essas sucatas chinesas, também conhecidas como "navios do tesouro", tinham talvez até 55 metros de comprimento e 8,5 metros de largura (embora as dimensões exatas sejam disputadas entre os historiadores). As sucatas que Zheng tinha em sua frota não teriam sido significativamente diferentes daquelas descritas a seguir pelo famoso viajante muçulmano de Tânger Ibn Battuta (1304 - c. 1368):

Remover publicidades

Advertisement

Os navios grandes têm no máximo 12 e mínimo três velas feitas de hastes de bambu trançadas como esteiras. Um navio transporta um complemento de mil homens…O navio tem quatro conveses e contém quartos, cabines e bares para os comerciantes.

(citado em Brinkley, 170)

Muitos dos navios, construídos nos estaleiros de Nanjing, foram equipados com inovações como compartimentos estanques à água, lemes de popa, bússolas magnéticas e gráficos e mapas de papel. Os navios estavam repletos de água doce, suprimentos alimentares e produtos de luxo chineses destinados a atrair governantes estrangeiros para mostrar seu apreço pela óbvia riqueza e poder da dinastia Ming, enviando de volta à China suas próprias riquezas em tributo. As mercadorias enviadas incluíam seda, chá, pergaminhos pintados, objetos de ouro e prata, têxteis, produtos esculpidos e fabricados e porcelana Ming fina. Havia espaço, também, para um grande número de militares: as estimativas variam de 20.000 até 32.000 membros da expedição na primeira viagem. Estes incluíam diplomatas, oficiais médicos, astrólogos, tripulações de navios e militares que, juntamente com canhões, bombas e foguetes, garantiam que a expedição pudesse se defender habilmente onde quer que se aventurasse.

The Seven Voyages of Zheng He
As Sete Viagens de Zheng He
Vmenkov (CC BY)

As três primeiras viagens de Zheng He (1404, 1408 e 1409) seguiram rotas comerciais mais estabelecidas. Ele passou pelo sudeste asiático, navegando pela costa do Vietnã, parando em Sumatra e Java e depois pelo Arquipélago Malaio e pelo Estreito de Malaca, atravessando o Oceano Índico oriental para chegar à Índia e ao Sri Lanka.

Onde quer que ele desembarcasse, Zheng He liderava uma delegação ao governante local a quem ele apresentava mensagens de boa vontade e as intenções pacíficas da China para com eles. Ele então dava uma grande quantidade de presentes e convidava o governante a vir pessoalmente ou enviar um embaixador para a corte do imperador Yongle. Muitos governantes aceitavam a oferta imediatamente e os delegados eram acomodados nos navios de Zheng He para serem eventualmente levados para a China na viagem de retorno. Alguns governantes não estavam tão entusiasmados, é claro, notadamente Alagakkonara, o rei do Sri Lanka, que acabou por ser menos do que bem-vindo a esses visitantes estranhos e acabou tentando saquear os navios de Zheng He. Impedido, Zheng He sequestrou o rei e o trouxe pessoalmente de volta à corte imperial chinesa, onde ele foi libertado depois de prometer pagar tributos regulares, o que ele fez.

Remover publicidades

Advertisement

Houve também aventuras secundárias, além de garantir novos laços diplomáticos. A viagem de retorno da primeira expedição, por exemplo, viu Zheng He capturar o pirata Ch'en Tsu-i, que havia causado estragos no Estreito de Malaca em em outros lugares, um feito que aumentou muito a reputação do almirante no Sudeste Asiático. A segunda viagem em seu retorno em 1408 CE resolveu com sucesso uma disputa local em Java. Essas e outras ações só reforçaram a visão de que a China era a principal potência da região e sua maior fonte de estabilidade.

Zheng He Fleet
A Frota de Zheng He
O.Mustafin (Public Domain)

Golfo Pérsico e África

A quarta viagem de Zheng He em 1413 o viu navegar para a Índia novamente, mais uma vez empurrando ao redor da ponta sul do subcontinente e visitando novamente Cochin e Calicut na costa oeste. Desta vez, ele também encontrou tempo para parar nas Ilhas Maldivas, antes de atravessar o Mar Arábico e chegar a Ormuz no Golfo Pérsico. Navegando pela costa da Arábia, ele seguiu para Áden e subiu o Mar Vermelho até Jeddah, de onde um grupo viajou para Meca. Um relatório afirma que 19 governantes estrangeiros enviaram tributos e missões diplomáticas ao imperador como consequência desta quarta viagem.

As viagens cinco, seis e sete (1417, 1421 e 1431) chegaram ainda mais longe, desembarcando em Mogadíscio, Malindi e Mombaça, todos na costa da África Oriental. Zheng He é o primeiro chinês atestado a visitar a costa de Suaíli. O governante de Mogadíscio foi receptivo e enviou uma embaixada para Yongle, e mesmo distante Zanzibar foi alcançado pela frota de Zheng He.

Remover publicidades

Advertisement

Da África, Zheng He trouxe de volta seres exóticos como leões, leopardos, camelos, avestruzes, rinocerontes, zebras e girafas. Esses animais causaram maravilhas na China, onde a girafa, por exemplo, era considerada evidência viva do qilin, uma espécie de unicórnio chinês que representava boa sorte. Há um pergaminho de seda pintada sobrevivente do período mostrando uma girafa dada ao imperador pelo rei Saif Al-Din Hamzah Shah de Bengala. Além dos animais, Zheng He também trouxe de volta gemas, especiarias, remédios e tecido de algodão fino, bem como conhecimento de estranhos povos e costumes estrangeiros.

Giraffe Tribute to Emperor Yongle
Tributo a Girafa to Emperador Yongle
Shen Du (Public Domain)

Zheng He, como muitos grandes exploradores antes e depois, morreu no meio de uma expedição, sua sétima viagem. O grande almirante morreu em Calecute em 1433 , e seu corpo foi devolvido à China para ser enterrado em Nanquim. Zheng He tinha feito uma série incrível de viagens, como esta inscrição em um tablet que ele ergueu em 1432 em Fujian, na China, relata:

Atravessamos mais de cem mil li (27.000 milhas náuticas) de imensos espaços aquáticos e vimos no oceano ondas enormes como montanhas subindo alto, e pusemos os olhos em regiões bárbaras longe escondidas em uma transparência azul de vapores de luz, enquanto nossas velas, desdobradas como nuvens dia e noite, continuaram seu curso (tão rápido quanto) uma estrela, atravessando essas ondas selvagens como se estivéssemos trilhando uma via pública...

(citado em von Sivers, 406)

Não haveria mais grandes expedições marítimas, pois os chineses fecharam a porta no mundo exterior e voltaram à sua política externa isolacionista de antigamente. O sucessor de Yongle, Xuande (r. 1426-36) havia inicialmente apoiado as viagens contínuas de Zheng, mas ele acabou pondo fim às expedições dispendiosas. O imperador chegou ao ponto de proibir a construção de qualquer navio oceânico e proibir aqueles que existiam de serem usados para viagens além das águas costeiras chinesas. O retorno ao isolacionismo pode ter sido devido ao aumento da ameaça dos mongóis, e a enorme despesa de reconstruir partes da Grande Muralha da China provavelmente exigiu alguns cortes em outros lugares. De qualquer forma, o objetivo original das viagens - para garantir o tributo estrangeiro - foi amplamente mal sucedido fora do Sudeste Asiático. As despesas das expedições e os bens que carregavam não correspondiam ao valor dos tributos que vinham em troca. Simplificando, muitos estados estrangeiros, embora interessados nas possibilidades comerciais, não concordavam que a China, o autodenominado Reino do Meio, era o centro do mundo; uma visão confirmada pela abertura do Novo Mundo no outro final do mesmo século em que Zheng He havia começado suas viagens.

Remover publicidades

Publicidade

Bibliografia

Sobre o tradutor

Yan De Oliveira Carvalho
Yan de Oliveira Carvalho nasceu na cidade do Rio de Janeiro, Brasil. Ele possui um Bacharel em Administração de Empresas pela Universidade Estadual da Pensilvânia. Ele atualmente mora no Rio de Janeiro e trabalha como tradutor Profissional de Inglês, Espanhol e Francês para o Português.

Sobre o autor

Mark Cartwright
Mark é um historiador que vive na Itália. Seus interesses incluem cerâmica, arquitetura, mitologia e descobrir as ideias que todas as civilizações compartilham entre si. Ele tem um Mestrado em Filosofia Política e é o Diretor de Publicação da Enciclopédia da História Mundial.

Citar este trabalho

Estilo APA

Cartwright, M. (2019, Fevereiro 07). As Sete Viagens de Zheng He [The Seven Voyages of Zheng He]. (Y. D. O. Carvalho, Tradutora). World History Encyclopedia. Recuperado de https://www.worldhistory.org/trans/pt/2-1334/as-sete-viagens-de-zheng-he/

Estilo Chicago

Cartwright, Mark. "As Sete Viagens de Zheng He." Traduzido por Yan De Oliveira Carvalho. World History Encyclopedia. Última modificação Fevereiro 07, 2019. https://www.worldhistory.org/trans/pt/2-1334/as-sete-viagens-de-zheng-he/.

Estilo MLA

Cartwright, Mark. "As Sete Viagens de Zheng He." Traduzido por Yan De Oliveira Carvalho. World History Encyclopedia. World History Encyclopedia, 07 Fev 2019. Web. 29 Jan 2023.