Arte Parta

Definição

Patrick Scott Smith, M. A.
por , traduzido por Ricardo Albuquerque
publicado em 13 Novembro 2020
Disponível noutras línguas: Inglês, francês, alemão, italiano, espanhol
X
Parthian Belt Ornament (by Metropolitan Museuem of Art, Copyright)
Ornamento de Cinturão Parto
Metropolitan Museuem of Art (Copyright)

A arte parta floresceu no interior do corredor cultural eurasiano das últimas centenas de anos a.C. até os séculos I e II d.C. Com o império da Pártia (247 a.C. - 224 d.C.) estendendo-se desde a Índia e China, no leste, às regiões costeiras do Mediterrâneo, a oeste, e tendo conquistado do Império Selêucida (312-63 a.C.), composto por muitos povos e culturas, as influências vieram de todos os lados. Tomando emprestado do leste e do oeste, seu estilo tornou-se uma amálgama facilmente identificada por parta. Não somente criaram sua própria indumentária distinta e exótica, motivos frontais e circulares na arte e arquitetura, mas o uso de desenhos geométricos e florais para a decoração de paredes influenciou os padrões artísticos que ainda ressoam no Oriente Médio nos dias atuais.

Influências Culturais

Devido à localização do império e sua origem na Ásia Central, os partos receberam uma ampla gama de influências culturais.

Surgindo das estepes da Ásia Central, a leste do Mar Cáspio, os partos trouxeram inicialmente as influências culturais de seus primos citas. Dos seus primórdios, parece que mantiveram influências musicais comuns aos citas e à Ásia como um todo. Em sua interação com os gregos selêucidas, adotaram a princípio a indumentária grega, mas retornaram posteriormente ao padrão original do conjunto túnica e calça.

Remover publicidades
Publicidade

Alguns estudiosos conjecturam que o afastamento das influências helenísticas ocorreu devido à competição entre a Pártia e Roma. Seja como for, diferente dos gregos selêucidas, os partos desenvolveram seus próprios estilos artístico e arquitetônico. Mas, no final das contas, devido à localização do império e sua origem na Ásia Central, eles receberam uma ampla gama de influências quando se trata de arte e arquitetura, conforme descreve Daryoosh Akbarzadeh:

As evidências arqueológicas oferecem testemunho da grandeza da cultura e arte da era parta. A herança cultural associada com esta era foi descoberta sobre uma vasta extensão de território, das fronteiras da China e Ásia Central até a Mesopotâmia e Síria, a oeste. (76)

Produtos Manufaturados e Artesãos

Cássio Dio (c. 164-229/235 d.C.) afirma que a principal razão para o general romano Marco Licínio Crasso atacar a Pártia foi o fato de ser “extremamente rica” (40:12). O impulso para esta prosperidade veio principalmente da conquista da Mesopotâmia. O controle da lucrativa Rota da Seda leste-oeste, através dos rios Eufrates e Tigre, colocou nas mãos dos partos mercadorias do leste com alta demanda, tais como seda, especiarias, nardo e raiz de cóstus – usada para fins medicinais –, que podiam ser comercializadas por preços elevados. A acumulação de riqueza criou por sua vez a demanda por artigos de luxo.

Remover publicidades
Publicidade

Parthian Earrings
Brincos Partos
The Trustees of the British Museum (Copyright)

Com virtualmente nenhum uso industrial para os antigos, o ouro tornou-se o item mais luxuoso empregado em objetos voltados à estética e à beleza. No que se refere aos partos, havia ouro em abundância em várias de suas províncias. Consequentemente, além da cama, trono e armadura pessoal dourados do rei e de sua montaria em tempos de guerra, o uso estético do ouro pelos nobres parece frequente. Usado como presentes do rei para os dignitários e para as cortinas e tapeçaria dos palácios, os tecidos dourados caracterizavam a indumentária e adornos de cabeça dos nobres. Também costumavam usar chapéus pontudos de tecido dourado, além de fitas de ouro presas aos gorros. Ainda mais comuns eram as pulseiras, braceletes, colares, anéis e brincos de ouro. Parece que o ouro era abundante o suficiente, já que mesmo as rédeas de alguns cavalos de guerra eram revestidas com o metal. Também muito ambicionado, e outra razão pela qual Roma queria derrotar a Pártia, era o cristal-de-rocha da Índia e o cristal fluorescente fluorita, do Irã. Os artigos de luxo feitos com o cristal, bastante cobiçados, incluíam atraentes copos, taças, joias e frascos de maquiagem.

Aspectos inseparáveis dos artigos de luxo são seus apelos visuais e estéticos, mas fabricavam-se até utilitários estilizados. Em nosso mundo atual, a função primária dos veículos é nos levar do ponto A para o ponto B, mas o estilo exterior e o design interior se tornaram essenciais para as vendas e fabricação. Com o mobiliário acontece a mesma coisa: além da função, a estética ganha importância fundamental. Os antigos não se mostravam diferentes neste aspecto. O mobiliário parto era mais do que funcional; a partir de suas moedas, podemos verificar um design popular de suas cadeiras, especialmente entre os nobres. Em mais de uma edição, o rei é mostrado sentado no que parece ser uma cadeira ao nível do chão, com um interessante design de esferas empilhadas no lugar das pernas, assento e espaldar.

Remover publicidades
Publicidade

Parthian Silver Coin
Moeda de Prata Parta
The Trustees of the British Museum (Copyright)

Ainda que a classe dominante desfrutasse de um elevado nível de luxo, criando demanda para artistas e artesãos, os partos também investiam na melhoria da infraestrutura já existente e em novas construções. Tal expansão resultava em demanda de arquitetos, construtores e pedreiros. Os partos realizaram um significativo programa de construções em Ctesifonte, próximo a Selêucia, no Rio Tigre, erguendo muitos prédios públicos e promovendo as artes e ofícios, além da atividade comercial "lucrativa para seus senhores" (Estrabão, Geografia, 16.1.28). A elevação do status da classe mercantil levaria à criação de mais demanda para artigos de luxo, e os objetos artísticos seriam onipresentes, mesmo entre estas classes.

Arte Arquitetônica

A Pártia beneficiou seus súditos e a si mesma com grande prosperidade e programas de melhoria da infraestrutura que introduziam um estilo arquitetônico típico de seus gostos artísticos. Sem contar as fortificações, alguns dos projetos mais elaborados dos partos incluem a renovação de Ecbátana. Políbio descreve Ecbátana como “superior a outras cidades em riqueza e esplendor”. Um palácio próximo à cidadela era colossal e de grande beleza. “Cobrindo uma área de cerca de sete estádios” (aproximadamente 1,6 quilômetro), as vigas, colunas, gregas e tetos eram cobertos com ouro e prata, esta última o material dos ladrilhos do chão (Políbio, 10.27). Embora muito do ouro e prata tenha sido retirado no período parto, a partir do momento em que a cidade passou a abrigar a residência de verão do rei, os partos provavelmente começaram a devolver à cidade sua antiga glória, a exemplo do que havia sido feito em Ctesifonte.

Na Síria, a Pártia fez de Dura-Europos um centro administrativo provincial completo, com muros fortificados, um palácio, templo de Mitra, bazar e, típico de sua inclinação multicultural, uma sinagoga. Outros projetos incluíram o renascimento de antigas cidades como Assur, Uruk e Nimrud, com a inclusão de residências fabulosas e templos com abóbodas, incorporando uma inovação da arquitetura parta, a entrada em arco aberto chamada iwan [ou ivã]. A influência do iwan parto nos projetos arquitetônicos do Oriente Médio ressoa até os dias atuais.

Remover publicidades
Publicidade

Western and Northern Iwan, Masjed-e Imam
Iwan Ocidental e Setentrional, Masjed-e Imam
youngrobv (CC BY-NC)

Além do iwan, sua arquitetura empregava interessantes motivos circulares. Em termos arquitetônicos, os partos deixaram intocadas as estruturas existentes que, sob os gregos selêucidas, naturalmente copiavam o estilo Helenístico retangular, com suas colunas e aspectos triangulares. Porém, onde puderam, eles buscaram ser diferentes. Na entrada de um templo grego ou romano, passamos através de um pórtico de colunas. Ao ingressar no templo dos partos em Hatra, nos deparamos com arcos em estilo iwan. A mistura de colunas e frontões triangulares em estilo grego com os múltiplos arcos partas dá ao templo de Hatra um apelo externo próprio. Em Assur, o uso de arcos pelos partos novamente aparece com destaque.

Fortifications of Hatra, Reconstructed
Reconstrução das Fortificações de Hatra
Budget Direct Travel Insurance (Copyright)

Em Nisa, sua capital original, novamente os partos escolheram a circularidade como uma característica arquitetônica proeminente. Os arquitetos partos construíram um domo que dominava o panorama da cidade. Ao contrário dos domos romanos, que repousavam sobre estruturas de apoio, as paredes do domo de Nisa chegam até o chão. O edifício quadrado que o circunda contém a pressão exercida pelos muros do domo. A influência da Ásia Central provavelmente origina-se da Corásmia. Comparando as estruturas circulares dos mausoléus da necrópole corasmiana de Tagisken ao Salão Circular de Nisa, Antonio Invernizzi afirma:

As estruturas superiores compartilham com a Sala Circular o projeto da estrutura interna – um círculo num perímetro quadrado – e a técnica de construção baseia-se em elementos cêntricos. Com dimensões comparáveis, a orientação das construções é bastante similar e, finalmente, a função dos edifícios é comparável de maneira geral: funerária em Tagisken, comemorativa dos ancestrais em Nisa. (86-87)

Motivos Artísticos Exclusivos

Enquanto a arquitetura dos partos incorporava de maneira única elementos circulares, a arte incluía o aspecto da frontalidade. Em comparação, onde as obras de arte egípcias e figuras persas faziam declarações de poder, os modelos gregos e romanos olhavam meditativamente, de forma distante, para alguém ou algo. Num estilo mais tarde adotado pelos bizantinos, os modelos partos, olhando diretamente para a frente, fazem uma conexão pessoal com o observador.

Remover publicidades
Publicidade

Parthian Worshipper
Adorador Parto
Metropolitan Museum of Art (Copyright)

Em geral, os partos também empregavam feições mais sóbrias do que os gregos e romanos. Aprofundando a relação direta entre o objeto e o observador, algumas figuras parecem quase amigáveis. Além disso, além da confecção de joalheria com metais preciosos e figuras de bronze, terracota e pedra, os muros interiores decorados novamente atestam a criatividade das escolhas artísticas dos partos. As superfícies de muros em Assur são belamente adornadas com estuque trabalhado, utilizando padrões geométricos e florais que são um precursor admirável dos desenhos adotados pelos artistas muçulmanos. Estas decorações abrilhantavam qualquer aposento com a aplicação de cores complementares e contrastantes.

Parthian Architectural Ornament from Ashur
Ornamento Arquitetônico Parto de Assur
Osama Shukir Muhammed Amin (Copyright)

Música e Dança

Nos banquetes partos, flautas e tambores eram acompanhados pelos sons eróticos de um instrumento de corda chamado sambuca.

Embora possamos pensar sobre o reino parto como possuindo governantes sérios, voltados somente para a conquista e competição comercial, as épocas de leveza e distração se faziam igualmente importantes. A música e dança fazem parte do DNA cultural da humanidade e os partos não eram diferentes nesse aspecto. Quando o general parto Surena orquestrou um triunfo através das ruas de Selêucia, cantores, dançarinos e músicos desempenharam um importante papel. Nos banquetes partos, flautas e tambores eram acompanhados pelos sons eróticos de um instrumento de corda chamado sambuca. O clímax da celebração, em harmonia e segundo o ritmo da música, terminava com uma coreografia de dança.

Apesar de termos poucos relatos escritos do amor dos partos pela música, podemos nos voltar para seus primos culturais, os citas, pela sofisticação de seu ardor. Dos kurgans [outeiros fúnebres] citas vêm uma pletora de artefatos retratando a vida cotidiana. Parte destas descobertas revelam seu amor pela música. No kurgan Sachnovka descobriu-se uma faixa de cabeça dourada mostrando um homem tocando lira. Flautas de pã feitas de ossos de pássaros foram achadas no kurgan 5, em Skatovka. Em vários túmulos de Pazyryk desenterraram-se tambores de chifre de boi, além de um maravilhoso achado, um instrumento parecido com uma harpa que tinha pelo menos quatro cordas, no kurgan 2. Barry Cunliffe o descreve como “feito de um único ressonador oco de madeira, a parte média do instrumento estava coberta por uma caixa de ressonância de madeira, enquanto membranas de ressonância estendiam-se sobre a parte aberta” (226-27). Os tons emitidos por este instrumento, quando tocado por um músico talentoso, devem ter sido admiráveis.

Indumentária Parta

Ainda que os partos, de certa forma, fossem liberais na utilização variada de estilos arquitetônicos e artísticos, quando se tratava do vestuário a uniformidade era a norma, pelo menos entre a classe dominante. Coincidindo com o auge do poder do império, ao fim do século I a.C., a túnica cintada e as calças se popularizaram entre a população. Roupas largas, com pregas múltiplas horizontais, algumas vezes de maneira exagerada, tornaram-se a moda para ambos os sexos. Para acentuar ainda mais sua afirmação, faziam-se as calças pregueadas masculinas aparecer enormes em torno das pernas. Em um exemplo, para alcançar um volume ainda maior, as pregas parecem ser amplamente estofadas e acolchoadas. Ostentando largos bigodes, em geral acompanhados de barbas muito bem tratadas, a aparência pessoal dos nobres partos incluía um estilo de corte de cabelo volumoso, de comprimento moderado e preso numa faixa em torno da cabeça. Mas, acima de tudo, a prega horizontal tornou-se universal para os nobres partos.

Statue of a Young Military Commander, Hatra
Estátua de um Jovem Comandante Militar, Hatra
Osama Shukir Muhammed Amin (Copyright)

Como regra, a prega podia requerer mais dois terços de tecido do que o comprimento desejado. Assim, a atração dos partos pelas pregas horizontais de cima a baixo significava um uso exorbitante de tecido. Ademais, as roupas largas retratadas na estatuária parecem ter sido da mais dispendiosa e cobiçada seda. Algumas estátuas também revelam copiosos montantes de bordados com temas de folhas e flores. Em contraste com as pregas horizontais, filas de botões de latão, prata ou ouro estendiam-se verticalmente, com linhas simples de “moedas” indo até a ponta do sapato dos nobres.

Tal exposição exagerada de moda encontrada na estatuária trazia vários resultados para os partos. Em primeiro lugar, os diferenciava. As características universais de sua moda compartilhada tornava-os facilmente identificáveis. Seja onde quer que fossem, esperava-se um protocolo comportamental específico. Além disso, saber a identidade de seus soberanos por sua vestimenta era essencial num vasto reino de culturas variadas. A diversidade de culturas consequentemente acentuava a necessidade da uniformidade de um vestuário exclusivo. Finalmente, o copioso uso de tecidos dispendiosos, bordados complexos que consumiam muito tempo e os adornos engrinaldados faziam uma declaração de riqueza bastante clara. Embora conhecidos por sua diplomacia de abertura diante das diferentes culturas no interior de seu reino, a extrema afluência dos partos, de qualquer forma, era conquistada e mantida pelo poderio militar. Por conseguinte, a exposição de riqueza em seu vestuário também sinalizava o poderio da Pártia.

Legado

Como atestam recentes descobertas, a origem das calças reside numa invenção prática pelos cavaleiros da Ásia Central há cerca de 3.000 anos. Provenientes de culturas equinas, os citas e os partos também as usavam, mas foram estes últimos que elevaram o conjunto túnica/calça a um novo nível de estilo, como um costume que identificava a classe dominante. Ainda que os sassânidas, sucessores dos partos, continuassem com sua própria versão do conjunto túnica/calça, seriam os turcos otomanos que retornariam de maneira geral para a túnica alongada e a calça bufante dos partos, chamada de sirwal. A sirwal, em diferentes formas, permaneceu popular até os dias atuais.

Ottoman Uniforms
Uniformes Otomanos
Arif Paşa (Public Domain)

Artisticamente, a frontalidade e os motivos amigáveis de sua pintura e escultura também foram influentes. O olhar direto do sujeito ao observador continua sendo um tema utilizado pelos artistas atualmente, mas também foi incorporado pelos bizantinos, ainda que com semblantes sempre sóbrios. Em contraste, e talvez algo próprio dos partos, parece que poucos artesãos tentaram tal comunicação direta e amigável. Um tema são as mãos elevadas portando presentes de hospitalidade; outro consiste no sujeito acenando ao observador. De maneira interessante, as imagens dos partos podem indicar o modo como governavam: com uma atitude diplomática inicial, amigável e obsequiosa em relação aos povos que governavam, lembrando, no entanto, da disposição da Pártia de guerrear caso necessário.

Finalmente, em termos arquitetônicos, quando se comparam a introdução pelos partos de novidades estéticas como a entrada em estilo iwan e os nichos em arcos com dois andares nos muros exteriores com a moderna arquitetura do Oriente Médio, as similaridades são admiráveis. Além disso, enquanto a tentativa da Pártia de promover um amálgama dos elementos arquitetônicos circulares orientais com os retangulares e triangulares ocidentais fica evidente em Hatra, o uso de decoração mural geométrica e floral também teve influência disseminada. Como afirma Parvaneh Pourshariati:

Na arte, arquitetura e mesmo tradições de governo, a contribuição parta à cultura iraniana subsequente e para as tradições culturais da região como um todo estão sendo estabelecidas gradualmente e de maneira crescente (23-24).

Remover publicidades
Publicidade

Sobre o tradutor

Ricardo Albuquerque
Ricardo é um jornalista brasileiro que vive no Rio de Janeiro. Seus principais interesses são a República Romana e os povos da Mesoamérica, entre outros temas.

Sobre o autor

Patrick Scott Smith, M. A.
Patrick Smith, M.A., apresentou pesquisas para as Escolas Americanas de Pesquisa Oriental e a Academia de Ciências do Missouri. Como redator da Associação para o Estudo Científico da Religião, ele ganhou o Prêmio Frank Forwood de 2015 por Excelência em Pesquisa.

Citar este trabalho

Estilo APA

A., P. S. S. M. (2020, Novembro 13). Arte Parta [Parthian Art]. (R. Albuquerque, Tradutor). World History Encyclopedia. Obtido de https://www.worldhistory.org/trans/pt/1-19275/arte-parta/

Estilo Chicago

A., Patrick Scott Smith, M.. "Arte Parta." Traduzido por Ricardo Albuquerque. World History Encyclopedia. Última modificação Novembro 13, 2020. https://www.worldhistory.org/trans/pt/1-19275/arte-parta/.

Estilo MLA

A., Patrick Scott Smith, M.. "Arte Parta." Traduzido por Ricardo Albuquerque. World History Encyclopedia. World History Encyclopedia, 13 Nov 2020. Web. 29 Mai 2024.