Os Jardins Suspensos da Babilônia

Definição

Mark Cartwright
por , traduzido por Criss Freitas
publicado em 27 Julho 2018
X
translations icon
Disponível noutras línguas: Inglês, Árabe, francês, grego, italiano, coreano, espanhol, Turco
Hanging Gardens of Babylon (by Martin Heemskerck, Public Domain)
Jardins Suspensos da Babilônia
Martin Heemskerck (Public Domain)

Os Jardins Suspensos da Babilônia foram os lendários jardins que embelezaram a capital do Império Neobabilônico, construídos por seu maior rei, Nabucodonosor II (r. 605-562 aC). Uma das Sete Maravilhas do Mundo Antigo, são a única maravilha cuja existência é contestada entre os historiadores.

Alguns estudiosos afirmam que os jardins não estavam na Babilônia, mas na verdade em Nínive, capital do Império Assírio, enquanto outros se atêm aos escritores antigos e aguardam que a arqueologia forneça provas positivas. Outros ainda acreditam que os jardins são apenas uma invenção da imaginação antiga. A própria arqueologia da Babilônia e os antigos textos babilônicos silenciam sobre o assunto, mas os escritores antigos descrevem os jardins como se estivessem na capital de Nabucodonosor e ainda existissem nos tempos helenísticos. A natureza exótica dos jardins em comparação com os itens gregos mais familiares da lista e o mistério que envolve a sua localização e desaparecimento fizeram dos Jardins Suspensos da Babilónia a mais cativante de todas as Sete Maravilhas.

Remover anúncios
Advertisement

Babilônia e Nabucodonosor II

Babilônia, localizada a cerca de 80 km (50 milhas) ao sul da moderna Bagdá, no Iraque, era uma cidade antiga com uma história de colonização que remonta ao terceiro milênio aC. O maior período da história da cidade foi no século VI aC, durante o reinado de Nabucodonosor II, quando a cidade era a capital do Império Neobabilônico. O império foi fundado pelo pai de Nabucodonosor, Nabopolassar (r. 625-605 aC), após suas vitórias sobre o Império Assírio. Nabucodonosor II iria realizar coisas ainda maiores, incluindo a captura de Jerusalém em 597 aC. O rei da Babilónia decidiu então fazer da sua capital uma das cidades mais esplêndidas do mundo. O Portão de Ishtar foi construído c. 575 aC, com suas belas torres e representações em azulejos de animais reais e imaginários, uma parede dupla de tijolos de 7 a 20 km cercava a cidade - a maior já construída - e então, possivelmente, ele acrescentou os extensos jardins de lazer cuja fama se espalhou por todo o mundo antigo.

Nomenclatura e descrições

A PRIMEIRA MENÇÃO EM UMA FONTE ANTIGA DOS JARDINS É DE BEROSSUS DE KOS, C. 290 AC.

A maioria dos estudiosos concorda que a ideia de cultivar hortas puramente por prazer, em oposição à produção de alimentos, teve origem no Crescente Fértil, onde eram conhecidas como um paraíso. A partir daí, a noção espalhar-se-ia por todo o antigo Mediterrâneo, de modo que, na época helenística, até os particulares, ou pelo menos os mais ricos, cultivavam os seus próprios jardins privados nas suas casas. Os jardins não eram apenas flores e plantas, pois foram acrescentados elementos arquitetônicos, esculturais e aquáticos, e até mesmo as vistas eram uma consideração para o antigo paisagista. Os jardins tornaram-se um recurso tão desejado que os pintores de afrescos, como os de Pompéia, cobriam paredes inteiras das vilas com cenas que davam a ilusão de que, ao entrar numa sala, também se entrava num jardim. Todos esses lugares agradáveis ao ar livre deviam sua existência à antiga Mesopotâmia e, acima de tudo, aos magníficos Jardins Suspensos da Babilônia.

Remover anúncios
Advertisement

[timepassport]

Os Jardins Suspensos da Babilônia eram às vezes chamados de Jardins Suspensos de Semíramis, em homenagem à governante assíria semi-lendária e semidivina que os gregos acreditavam ter reconstruído extensivamente a Babilônia no século IX aC. Heródoto, o historiador grego do século V a.C., descreve o impressionante sistema de irrigação da Babilónia e as muralhas, mas não menciona quaisquer jardins especificamente (embora a Grande Esfinge também esteja curiosamente ausente na sua descrição de Gizé). A primeira menção dos jardins em uma fonte antiga é de Beroso de Kos, na verdade, um sacerdote chamado Bel-Usru da Babilônia que se mudou para a ilha grega. Escrevendo c. 290 aC, a obra de Beroso sobrevive apenas como trechos citados de escritores posteriores, mas muitas de suas descrições da Babilônia foram corroboradas pela arqueologia.

Hanging Gardens of Babylon
Jardins Suspensos da Babilônia
Ferdinand Knab (Public Domain)
Berossus descreve altos terraços de pedra que imitavam montanhas e que eram plantados com muitos tipos de árvores e flores de grande porte. Os terraços não só teriam criado um efeito estético agradável de vegetação suspensa, mas também facilitariam a sua irrigação. Beroso também explica por que os jardins foram estabelecidos, para fazer com que a esposa do rei da Babilônia, uma medo chamada Amytis, sentisse menos saudades de sua terra natal verde e montanhosa. Infelizmente, não há referência a uma rainha com esse nome nos registros babilônicos.

Remover anúncios
Advertisement
Diodoro Sículo NOTA QUE OS TERRAÇOS DOS JARDINS INCLINARAM-SE PARA CIMA COMO UM TEATRO ANTIGO E ATINGIRAM A ALTURA DE 20 METROS.

Várias outras fontes descrevem os jardins como se ainda existissem no século 4 aC, mas todos foram escritos séculos depois do reinado de Nabucodonosor e todos foram escritos por escritores que quase certamente nunca visitaram a Babilônia e que sabiam pouco sobre horticultura ou engenharia. Estrabão, o geógrafo grego (c. 64 aC - c. 24 dC), descreve a localização dos jardins como perto do Eufrates, que atravessava a antiga Babilônia, e uma complicada maquinaria de parafusos que puxava água do rio para regar os jardins. Refere ainda a presença de escadas para acesso aos vários níveis. Enquanto isso, o historiador grego Diodoro Sículo, também escrevendo no século I a.C., observa que os terraços inclinavam-se para cima como um antigo teatro e atingiam uma altura total de 20 metros (65 pés). Ele descreve os terraços como sendo construídos sobre pilares e revestidos com juncos e tijolos.

Jardins Mesopotâmicos

Existem precedentes conhecidos de grandes jardins na Mesopotâmia que são anteriores aos que se diz terem existido na Babilónia. Há até representações deles, por exemplo, em um painel em relevo do Palácio Norte de Assurbanipal (668-631 aC) em Nínive, agora no Museu Britânico, em Londres. Na verdade, alguns estudiosos sugerem que toda a ideia dos jardins babilônicos é o resultado de uma confusão monumental, e é Nínive que realmente teve a lendária maravilha, construída ali por Senaqueribe (r. 705-681 aC). Há ampla evidência textual e arqueológica de jardins em Nínive, e a cidade às vezes era até chamada de “velha Babilônia”. De qualquer forma, mesmo que a hipótese de Nínive seja aceita, ela ainda não exclui a possibilidade de jardins na Babilônia.

Assyrian Gardens
Jardins Assírios
The British Museum (Copyright)

Também existiam jardins posteriores à suposta data dos Jardins Suspensos da Babilônia, aqueles em Pasárgadae, nas montanhas Zagros, construídos por Ciro, o Grande (falecido em 530 aC), por exemplo. Todos esses jardins geralmente tinham terraços para facilitar a irrigação, muros altos para dar sombra, as árvores eram agrupadas para melhor manter a umidade vital e resistir aos ventos abrasadores e, claro, todos estavam localizados perto de uma fonte de água abundante. O fato de os jardins serem comumente associados a palácios (em quase todas as culturas, da China antiga à Mesoamérica) levou alguns estudiosos a especular que os jardins da Babilônia, se existissem, também estariam perto ou em um dos palácios reais de Nabucodonosor. às margens do rio Eufrates.

Remover anúncios
Advertisement

As Sete Maravilhas

Alguns dos monumentos do mundo antigo impressionaram tanto os visitantes de todo o mundo com sua beleza, ambição artística e arquitetônica e escala que sua reputação cresceu como pontos turísticos imperdíveis (themata) para o antigo viajante e peregrino. Sete desses monumentos tornaram-se a 'lista de desejos' original quando escritores antigos como Heródoto, Calímaco de Cirene, Antípatro de Sidon e Filo de Bizâncio compilaram listas dos pontos turísticos mais maravilhosos do mundo antigo. Em muitas listas antigas de maravilhas antigas, os jardins eram listados ao lado das magníficas muralhas da cidade de Babilônia que tinham, segundo Estrabão, 7 km de comprimento, em locais com 10 metros de espessura e 20 metros de altura, e regularmente pontuados por torres ainda mais altas. O autor P. Jordan sugere que os jardins entraram na lista estabelecida das Sete Maravilhas do Mundo Antigo porque "apelavam ao puro luxo e à perversidade romântica do empreendimento" (18).

Depois de Nabucodonosor, a Babilônia continuou a ser uma cidade importante como parte dos Impérios Aquemênida (550-330 aC) e Selêucida (312-63 aC), os governantes de ambas as entidades frequentemente usavam os palácios da Babilônia como residência. Tomada sucessivamente pelos partos, arsácidas e sassânidas, a cidade ainda manteve o seu significado estratégico regional e, portanto, é perfeitamente possível que os jardins tenham sobrevivido vários séculos após a sua construção.

Escavações arqueológicas sistemáticas começaram na antiga Babilônia em 1899 dC, e embora muitas estruturas antigas, como as paredes duplas e o Portão de Ishtar, tenham sido encontradas, não há vestígios dos jardins lendários. Uma descoberta promissora de 14 salas abobadadas durante as escavações do Palácio Sul da Babilônia revelou - depois que tabuinhas foram posteriormente descobertas no local e decifradas - não sendo nada mais espetacular do que depósitos, embora grandes. Outra série de escavações muito perto do rio e de parte de outro palácio do rei revelou grandes drenos, paredes e o que poderia ter sido um reservatório, todos recursos de irrigação necessários para os jardins, mas não uma prova positiva da lendária maravilha perdida.

Remover anúncios
Advertisement

Ruins of the North Palace of  Nebuchadnezzar II, Babylon
Ruínas do Palácio Norte de Nabucodonosor II, Babilônia
Osama Shukir Muhammed Amin (Copyright)

Além do silêncio da arqueologia, significativamente, nenhuma fonte babilônica menciona os jardins - seja a sua construção ou a existência, mesmo em estado de ruína. Esta é talvez a evidência mais contundente contra os jardins da Babilônia, porque os registros babilônicos sobreviventes incluem descrições abrangentes das realizações e projetos de construção de Nabucodonosor, até os nomes das ruas da Babilônia.

Hanging Gardens of Babylon, Reconstructed
Jardins Suspensos da Babilônia, reconstruídos
NeoMam Studios (CC BY-SA)
Apesar da falta de evidências físicas e textuais contemporâneas, parece difícil acreditar que os jardins nunca existiram quando a sua lenda estimulou tal cobertura por escritores antigos e eles mantiveram o seu lugar na lista de maravilhas por tanto tempo. Se a ideia clara de que os jardins estavam realmente em Nínive for rejeitada, então a resposta provável, como sempre, parece estar em algum lugar no meio. As listas originais de maravilhas foram compiladas por escritores gregos ou por aqueles que escreviam para um público helenístico e o que teria impressionado mais um grego, acostumado a secar encostas de olivais em socalcos, do que um exuberante jardim de espécies exóticas engenhosamente irrigadas no clima possivelmente quente do Iraque? Talvez houvesse algum tipo de jardim na Babilônia, e sua escala tenha se tornado exagerada, assim como o palácio de Cnossos, em Creta, foi transformado em um labirinto mítico pelas gerações anteriores de autores gregos. Talvez o tempo o dirá, à medida que a arqueologia continua as suas lentas e laboriosas investigações sobre o passado. Na verdade, os Jardins Suspensos da Babilónia são o exemplo supremo da razão pela qual a ideia das Sete Maravilhas foi criada em primeiro lugar - uma lista de empreendimentos humanos verdadeiramente maravilhosos que poucos veriam por si próprios, mas que, no entanto, ainda estimulavam a admiração. discussão e emulação.

Remover anúncios
Publicidade

Perguntas e respostas

Os Jardins Suspensos da Babilônia ainda existem?

Os Jardins Suspensos da Babilónia não existem hoje, o mistério envolve a sua localização precisa e a causa do seu desaparecimento.

Quem destruiu os Jardins Suspensos da Babilônia?

Ninguém sabe o que aconteceu com os Jardins Suspensos da Babilônia ou mesmo se eles existiram com certeza.

Para que eram usados os Jardins Suspensos da Babilônia?

Os Jardins Suspensos da Babilônia, como outros jardins da Mesopotâmia, eram usados como um local fresco e sombreado de lazer para os governantes e a elite da sociedade. Provavelmente também continham pomares.

Bibliografia

A World History Encyclopedia é um associado da Amazon e recebe uma comissão sobre as compras de livros elegíveis.

Sobre o tradutor

Criss Freitas
Professora de Língua e Literatura Portuguesa e Inglesa, com pós-graduação em Metodologia do Ensino da Língua Inglesa. É também blogger em www.universoarabe.com e investigadora de Língua e Cultura Árabe e História Antiga.

Sobre o autor

Mark Cartwright
Mark é autor, pesquisador, historiador e editor em tempo integral. Seus principais interesses incluem arte, arquitetura e descobrir as ideias que todas as civilizações compartilham. Ele possui mestrado em Filosofia Política e é diretor editorial da WHE.

Citar este trabalho

Estilo APA

Cartwright, M. (2018, Julho 27). Os Jardins Suspensos da Babilônia [Hanging Gardens of Babylon]. (C. Freitas, Tradutor). World History Encyclopedia. Obtido de https://www.worldhistory.org/trans/pt/1-17206/os-jardins-suspensos-da-babilonia/

Estilo Chicago

Cartwright, Mark. "Os Jardins Suspensos da Babilônia." Traduzido por Criss Freitas. World History Encyclopedia. Última modificação Julho 27, 2018. https://www.worldhistory.org/trans/pt/1-17206/os-jardins-suspensos-da-babilonia/.

Estilo MLA

Cartwright, Mark. "Os Jardins Suspensos da Babilônia." Traduzido por Criss Freitas. World History Encyclopedia. World History Encyclopedia, 27 Jul 2018. Web. 24 Abr 2024.