Freia

Definição

Emma Groeneveld
por , traduzido por Kai Saturn
publicado em 19 Fevereiro 2018
X
translations icon
Disponível em outras línguas: Inglês, Espanhol
Freyja (by James Doyle Penrose (1862-1932), Public Domain)
Freyja
James Doyle Penrose (1862-1932) (Public Domain)

Freyja (em nórdico antigo para 'Senhora', 'Mulher' ou 'Senhora') é a deusa mais conhecida e mais importante da mitologia nórdica. Linda e multifacetada, ela se apresenta fortemente como uma deusa da fertilidade decorrente de seu lugar na família Vanir dos deuses (a outra família principal é a família Æsir) junto com seu irmão gêmeo Freyr e pai Njord, participa em muitos mitos registrado na literatura nórdica antiga como amante de vários deuses. Ela vive em Fólkvangr ('Campo do Povo'), anda em uma carruagem puxada por gatos e está conectada não apenas com amor e luxúria, mas também com riqueza, magia, bem como escolhendo metade de todos os guerreiros caídos nos campos de batalha para o salão de Valhalla de Odin - a outra metade sendo é pelo próprio Odin. Ela provavelmente desempenhou um papel importante na velha religião escandinava.

Família

Freyja faz parte da família Vanir dos deuses que cuidam de todas as coisas relacionadas à fertilidade, incluindo colheitas (seu irmão Freyr); vento, mar e riqueza (seu pai Njord); e sua própria experiência em relação ao amor, luxúria e riqueza também. A mãe dela parece ter sido filha gigante e esposa de Njord, Skadi, e embora originalmente Freyja possa ter sido emparelhada por um casal irmão e irmã com Freyr. Ambos os nomes significam algo na linha de "preciosidade" ou "tesouro" e foram possivelmente usados ​​em poesias posteriores como manifestações da própria Freyja. Diz-se que Ódr saiu perambulando por longas jornadas, inexplicavelmente deixando Freyja para trás, que então o procuraria enquanto chorava lágrimas douradas; este conto data de pelo menos já no século 10 EC. Ele e Odin são comumente considerados como tendo sido originalmente a mesma pessoa, com Ódr funcionando como uma forma abreviada de Odin.

Remover Anúncios

Advertisement

Atríbutos

A base das várias funções de Freyja vem de seu papel como deusa da fertilidade de acordo com sua descendência Vanir.

Um dos atributos de Freyja já foi mencionado: sua carruagem puxada por um gato com a qual ela voa pelo cosmos mitológico nórdico. Outra é uma vestimenta - um casaco, manto ou coisa parecida com um vestido - feita de penas de falcão. Possivelmente, o javali Hildisvíni também deve ser contado entre os atributos de Freyja; o poema Hyndluljóð inclui a Deusa montando o dito javali, e uma conexão com javali, em geral, torna-se mais plausível pelo fato de seu irmão Freyr também estar associado a um javali, no caso dele, Gullinborsti. Sýr, outro nome de Freyja, às vezes é traduzido como 'porca' também, mas também pode significar 'proteger', 'proteger', caso em que negaria esse terceiro vínculo com o javali. A potência mitológica germânica H. R. Ellis Davidson acrescenta outro animal: "Os cavalos foram certamente associados ao par de fertilidade Freyr e Freyja, e dizem que são mantidos em seus lugares sagrados" (104). Seu último - mas não menos importante - atributo é o colar Brísingamen.

Os muitos papéis de Freyja

A base das várias funções de Freyja vem de seu papel como deusa da fertilidade de acordo com sua descendência Vanir. Especificamente, seu outro nome, Chifre (Hǫrn, ou Härn), provavelmente vem do antigo nórdico horr, que significa linho ou linho. Este foi um produto importante que começou a ser cultivado na Escandinávia e foi pensado para afastar o mal e dar fertilidade à humanidade. A manufatura de linho era uma atividade feminina e, como os vestidos de noiva eram feitos de linho, Freyja também se tornou uma espécie de defensora do amor e dos casamentos. Outro de seus nomes, Gefn, é Old Norse para 'doador', trazendo à mente o papel de uma deusa da abundância.

Remover Anúncios

Advertisement

Freyja With Carriage
Freyja com carruagem
Johannes Gehrts/Eduard Ade (Public Domain)

A mitologia herdada enfatiza o papel de Freyja em todas as coisas relacionadas à sexualidade (exceto no parto, com o qual ela parece despreocupada). Por um lado, ela muitas vezes aparece como um objeto irresistível de luxúria, principalmente aos olhos dos gigantes. O gigante Thrym, por exemplo, só se contentou em devolver o martelo que roubou de Thor se conseguisse Freyja para si. Além de ela ser o "preço" de muitas coisas - que os outros deuses tentam evitar pagar, como tais - outros mitos reforçam a suposta sexualidade livre e considerável de Freyja. Embora Loki no poema Lokasenna fale mal de todos ao seu redor e acuse todas as deusas de vários atos sexuais, Freyja é repreendida por Loki da seguinte forma:

Fique quieta, Freyja! pois eu te conheço completamente,

Sem pecado, tu não és tu mesma;

Dos deuses e elfos que estão reunidos aqui,

Cada um como teu amante jaz. (30)

Ela também consente em dormir com quatro anões para que eles lhe entreguem o Brísingamen e é acusada no poema Hyndluljóð de ser o amante do herói Óttar. Presumivelmente, então, os primeiros escandinavos olhavam para Freyja em questões de amor e luxúria.

Remover Anúncios

Advertisement

Para tornar as coisas ainda melhores, Freyja é também uma deusa da riqueza, como atestam as inúmeras referências poéticas que a ligam a um tesouro. Dizem que suas lágrimas são de ouro, mesmo sendo sinônimas do material:

O ouro é chamado de Lágrimas de Freyja (…). Então cantou Skúli Thorsteinsson:

Muitos espadachins destemidos

Receberam as Lágrimas de Freyja.

(Skáldskaparmál, 37)

O fato de os nomes das filhas de Freyja Hnoss e Gersimi significarem 'preciosidade' ou 'tesouro' poderia ser considerado o "produto da convenção poética na qual Freyja foi reconhecida como a fonte do tesouro: talvez como o chorão de lágrimas douradas, talvez como uma deusa governando sobre a riqueza "(Billington & Green, 61).

Thor Disguised as Freyja
Thor Disfarçado de Freyja
Haukurth (Public Domain)

Sua conexão com a magia também é bem conhecida, e Snorri Sturluson conta como foi Freyja quem primeiro ensinou a magia xamânica chamada seiðr para os Æsir. Finalmente, a forma como Freyja escolhe os guerreiros mortos para ficarem com ela, em oposição à equipe de Odin, a leva para esferas mais ferozes, funcionando como uma deusa da morte e talvez até mesmo da própria batalha. Qual deus seleciona você parece resumir-se ao status social ou pessoal, ou talvez venha do fato de que os Vanir e os Æsir precisavam de alguém para cumprir esse papel no campo de batalha. Essa ligação entre Freyja e Odin, bem como a forte proficiência de Odin com magia, ajuda a ilustrar como Odin e Ódr, o marido de Freyja, poderiam ter sido originalmente a mesma pessoa.

Remover Anúncios

Advertisement

Mitos envolvendo Freyja

Como evidenciado acima, há muitos mitos registrados nas fontes do antigo nórdico que fazem questão de mergulhar no assunto Freyja. O poema Hyndluljóð enfatiza que ela era mais do que apenas um rosto bonito; nele, Freyja visita a mulher sábia Hyndla pedindo-lhe para desvendar a ancestralidade do herói Óttar, absorvendo este conhecimento. No entanto, no Þrymskviða (a 'Balada de Thrym', um poema possivelmente composto no século 12 ou 13 EC e encontrado no Poético Edda), sua desejabilidade é mais uma vez um tema central. A história conta que o martelo de Thor foi roubado pelo gigante Thrym, que não devolverá o martelo a menos que coloque as mãos em Freyja. Freyja se recusa a ir junto, no entanto, desistindo do Brísingamen para ajudar Thor a se disfarçar como ela. Depois de quase dar as coisas porque Thor se empanturrou a tal ponto no banquete de casamento a ponto de levantar suspeitas - seus olhos ardentes também não ajudaram - Loki felizmente fala suavemente para sair disso e garante que eles recebam o martelo de volta. Por precaução, Thor mata Thrym e um bando de outros gigantes em seu caminho para fora.

Freyja Amulet
Amuleto Freyja
Gunnar Creutz (Public Domain)

Quanto a outros mitos relacionados a gigantes, o gigante Hrungnir gabou-se de mover fisicamente Valhalla para Jotunheimen (o reino dos gigantes), afundar Asgard (o reino dos deuses) e matar todos os deuses, exceto Freyja e Sif, que ele levou para casa (Skáldskaparmál, 17). No conto do Giant Master Builder, um gigante se oferece-se para construir paredes ao redor de Asgard, contanto que ele obtenha Freyja, o sol e a lua. Em relação ao seu colar Brísingamen, que é atribuído a Freyja por fontes nórdicas antigas tardias (séculos 13 e 14 dC), o mito mais famoso diz respeito ao seu roubo (mais comumente por Loki), mas é preservado de uma forma tão fragmentada e complicada que agora é bastante difícil de inventar uma história abrangente. A versão mais detalhada também é a mais jovem e, portanto, não é o auge da confiabilidade: o Sǫrla Þáttr, que sobreviveu no século 14 dC Flateyjarbók, descreve como Freyja dorme com quatro anões para obter o Brísingamen, e como Odin então força Loki a roubar o colar dela. Loki entra em seu quarto como uma mosca, pica-a, então ela tira a mão do colar e o agarra. Em contraste, Snorri Sturluson tem Loki e Heimdall lutando entre si pelo colar (Skáldskaparmál, 8).

Culto de Freyja

Como uma deusa da fertilidade, Freyja teria assumido um papel central na antiga religião escandinava, desempenhando um papel no círculo da vida.

Remover Anúncios

Advertisement

Freyja é uma das poucas deusas individuais que teve um papel importante no culto religioso mais oficial (enquanto que muitas divindades femininas vistas como coletivos desempenharam um papel no mito e no ritual). Ela incorpora muitos traços que podem ser encontrados em deusas de fertilidade em todo o mundo, entre os quais está uma clara conexão também com a morte. (Brink & Price, 221)

As fontes nórdicas antigas não detalham especificamente a existência de um culto de Freyja per se, mas o grande número de topônimos na Suécia e na Noruega relacionados ao seu nome, como Frøihov (de Freyjuhof, 'templo de Freyja') e Frǫvi ( de Freyjuvé, 'santuário de Freyja'), mostram uma adoração clara, talvez até apontando para um culto público em oposição ao culto doméstico que se esperaria de uma deusa do amor. É claro que o povo da Islândia, prestes a se converter ao cristianismo por volta do ano 1000 EC, ainda tinha Freyja em mente. O Íslendingabók afirma que Hjalti Skeggjason, um apoiador do Cristianismo, foi declarado ilegal por blasfêmia depois de chamar Freyja de cadela (neste caso, uma cadela, mas entendido que ele queria chamá-la de prostituta) no parlamento de Althing. Ela obviamente ainda era importante o suficiente para que as pessoas não conseguissem se safar com esse tipo de coisa.

Sobre o Autor

Emma Groeneveld
Emma estudou História; História Antiga. Durante seu mestrado, concentrou-se em Heródoto e também nas escandalosas políticas das cortes antigas; porém, mais recentemente, ela tem mergulhado em tudo o que diz respeito à pré-história.

Citar este trabalho

Estilo APA

Groeneveld, E. (2018, Fevereiro 19). Freia [Freyja]. (K. Saturn, Tradutora). World History Encyclopedia. Recuperado de https://www.worldhistory.org/trans/pt/1-16806/freia/

Estilo Chicago

Groeneveld, Emma. "Freia." Traduzido por Kai Saturn. World History Encyclopedia. Última modificação Fevereiro 19, 2018. https://www.worldhistory.org/trans/pt/1-16806/freia/.

Estilo MLA

Groeneveld, Emma. "Freia." Traduzido por Kai Saturn. World History Encyclopedia. World History Encyclopedia, 19 Fev 2018. Web. 29 Nov 2022.